SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
CONCEITO
“A EMERGÊNCIA PSQUIÁTRICA OCORRE EM
MOMENTOS AGUDOS NOS DIVERSOS QUADROS
PSIQUIÁTRICOS EM AMBIENTE EXTERNO OU
HOSPITALAR”
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
Identificação
 QUAIS SÃO AS CARACTERÍSTICAS
DIFERENCIADORAS DA EMERGÊNCIA PSIQUIÁTRICA?
Fácies de desespero;
Choro incontido;
Descarrilhamento de idéias;
Verbalização com cunho violento;
Premeditação/promessa de agressão;
Intimidação ao profissional ou à outrem;
Agressividade recente ou da HDA;
Auto-agressividade e auto-mutilação;
Inquietação;
Silêncio absoluto “repentino”,
Tentativa de homicídio/homicídio (psicose
puerperal).
Quando, onde, como e porquê
Quando: A qualquer momento
Onde: Em qualquer lugar
Como: Não há delimitação fixa
Porquê: Por fatores explicáveis ou
não cientificamente
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
PRINCIPAIS EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
 TRANSTORNOS PSICÓTICOS
 TRANSTORNOS DO HUMOR
 TRANSTORNOS DA ANSIEDADE (PÂNICO)
 DEPENDÊNCIA QUÍMICA
 QUADROS DEMENCIAIS
 RETARDO MENTAL
 TRANSTORNOS ALIMENTARES
 SIMULAÇÃO
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
AMBIENTE E FATORES DE RISCO DA EMERG. PSIQUIÁTRICA
 ARRUMAÇÃO DO SET DA EMERGÊNCIA
 ARRUMAÇÃO DO SET DA SALA DE ATENDIMENTO
 OBJETOS SOLTOS
 DESATENÇÃO DA EQUIPE
 PRONTIFICAÇÃO DO MATERIAL P/ SOS.
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
Analisando o paciente
 IMPRESSÃO DO PACIENTE
 FALA
 OLHAR
 GESTOS
• POSTURA DO PROFISSIONAL
• SINCRONIA DA EQUIPE DE EMERGÊNCIA
• ABORDAGEM AO PACIENTE
• IMOBILIZAÇÃO DO PACIENTE E CONTENÇÃO
MECÂNICA E QUÍMICA
• LINGUAGEM DA EMERGÊNCIA
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
 SINCRONIA DA EQUIPE DE EMERGÊNCIA
 DISTRIBUIÇÃO NO AMBIENTE
 ATENÇÃO DUPLA
 CONDUTOR/DISTRATOR
 ATUAÇÃO
Situações especiais:
Pacientes Agressivos/Agitados
 Não enfrentem.
 Avaliem e coletem
informações com
familiares.
 Solicitem o auxílio dos
seguranças sempre que
necessário.
Tratamento farmacológico para
pacientes agitados, agressivos e
psicóticos ANTIPSICOTICOS : Haloperidol
- Ainda é a mais segura droga à disposição, com baixo
comprometimento das funções cardíacas e respiratórias
- Efeito negativo: possível impregnação neuroléptica; medicamentos
atenuantes destes sintomas colaterais (biperideno e prometazina).
- Em alguns casos pode ser associado à prometazina para efeito
sedativo maior, ou evitar efeitos extra piramidais .
CLORPROMAZINA
• Maior poder de sedação do paciente.
• Maior risco de depressão respiratória e hipotensão
ortostática.
• Uso com observação rigorosa do paciente.
• Risco aumentado quando usado por via endovenosa
• Muito usado em quadros onde a sedação é mais
necessária; agitação psicomotora intensa com auto e
hetero agressividade (quadros de origem psicótica).
PACIENTE DEPRESSIVOS
 Investigação ativa do
entrevistador
 Comportamentos suicidas : Ideação
suicida, tentativa de suicídio, desejo de
morrer x desejo de chamar atenção,
suicídio
 Fatores relevantes: Intenção,
letalidade e conhecimentos sobre
métodos.
 Fatores de risco: desesperança,
história de tentativas anteriores,
história familiar
Tratamento para pacientes
ansiosos
- Tentativa de abordagem verbal,
- Técnicas de relaxamento,
- Benzodiazepínico oral , de preferência de curta
ação.
USUÁRIOS DE ÁLCOOL EUSUÁRIOS DE ÁLCOOL E
OUTRAS DROGAS.OUTRAS DROGAS.
Tratamento para usuários de álcool
e outras drogas
 INTOXICAÇAO POR ÁLCOOL:
- Se possível deixar em locais calmos e longe de estímulos.
- Observar: sinais de rebaixamento de consciência , sinais
vitais, glicemia .
- Em casos de coma alcoólico , suporte clinico.
O QUE NÃO FAZER!!!!!
(intoxicação)
- Glicose EV, sem critério = risco de Síndrome
de Wernick-Korsakov.
- Evitar benzodiazepínico pela ação cruzada e
pelo risco de rebaixamento de consciência,
caso seja necessário medicar, preferir
antipsicóticos.
INTOXICAÇÃO POR OUTRAS DROGAS
• Barbitúricos( Fenobarbital): rebaixamento da consciência,
torporosidade, coma ,UTI. Lavagem gástrica , carvão ativado
• Estimulantes ( anfetaminas , cocaína, crack ): ação
simpaticomimética ( pupilas dilatadas,boca seca ,
hipertermia,taquicardia,sudorese,agitados, ansiosos). Suporte
clinico,tratar agitação, risco de IAM.
• Perturbadores do SNC: Lsd ,maconha, ecstasy, inalantes.
Quadros de ansiedade ate quadros de psicose.
Postura do Profissional
Calmo porém firme,
Sem pressa, escuta paciente
respeitando o silêncio do paciente
Acatar pedidos simples do paciente:
(ex.: não permitir que a família entre no
consultório)
Demonstrar interesse na história do
paciente e não duvidar ou dizer que o
que o paciente diz não é real.
Sincronia da Equipe
Pelo menos três profissionais: Médico e dois
enfermeiros
Entrosamento da equipe e posicionamento
adequado
Conhecer a linguagem da emergência
Saber exatamente onde se encontram os
materiais e medicamentos do posto de
enfermagem
Abordagem de Enfermagem ao
Paciente
Movimentos lentos
Deixar preferencialmente as mãos à mostra
Manter alerta constante
Paciência
Avaliar a necessidade de solicitar à
familiares que se ausentem
Agilidade
Não competir com o paciente
Tipos de intervençãoTipos de intervenção
Contenção verbal
Contenção mecânica
Contenção química
O paciente tem o direito de receber o tratamento menos restritivo e
invasivo possível, apropriado a necessidades de segurança da equipe,
suas e de terceiros.
Posição das ataduras para contenção. Na região do tórax usar lençol
de preferência. Só usar contenção em tórax em caso de extrema
necessidade.
Leito pronto para receber usuário para ser contido.
Lençol para contenção de tórax e pélvico, atadura e
algodão.
 
Algodão ortopédico para proteção da pele.
Contenção em região pélvica deve ser usada com dois lençóis, um
que já estará na cama e outro sobre o usuário. A mesma técnica
poderá ser usada nos joelhos.
A técnica de contenção de tórax é a mesma da região pélvica com
lençol. Devendo lembrar que o uso inspira muitos cuidados e o
mínimo de tempo possível. Os sinais vitais deverão ser verificados
a cada 15 minutos.
Contenção de punho com algodão ortopédico e atadura. Nunca
usar atadura sem proteger a pele do usuário com algodão ou
outro tecido.
Contenção de pé com a mesma técnica de punho.
Pode-se usar a contenção de pé com lençol conforme figura.
ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM:
Administrar e/ou auxiliar na alimentação do usuário dependente;
Acompanhar e encaminhar o usuário em atividades recreativas,
oficinas de produção e de terapia ocupacional;
Acompanhar e transportar usuários em caso de alta hospitalar e
transferência;
Acompanhar e transportar usuários que serão submetidos a
consultas e exames em outras unidades;
Acompanhar o usuário e registrar em prontuário sua evolução;
Acompanhar os usuários nas Atividades de Vida Diária e
Atividades de Vida Prática;
Aplicar normas de biossegurança;
Atender e orientar usuários, familiares e comunidade de forma
humanizada;
Auxiliar no controle de psicotrópicos e entorpecentes;
ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM:
Colaborar em estudos e pesquisas científicas na área de saúde;
Comunicar ao enfermeiro e registrar evasão no prontuário e
relatório de enfermagem;
Comunicar e realizar busca ativa dos usuários evadidos;
Cooperar com o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar na
adoção de medidas de prevenção e controle;
Coordenar ou participar de atividades terapêuticas de caráter
grupal e/ou individual com usuários, familiares e técnicos;
Coordenar ou participar de oficinas terapêuticas de capacitação e
produção;
Cumprir a prescrição médica e de enfermagem;
Cumprir e fazer cumprir normas e rotinas da Instituição;
Cumprir e fazer cumprir o Código de Ética e a Legislação de
Enfermagem;
ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM:
Detectar alterações do usuário, comunicar ao enfermeiro e anotar no
prontuário;
Encaminhar e acompanhar o usuário na reavaliação médica;
Estabelecer relação de ajuda com o usuário e o familiar;
Estimular a autonomia e autocuidado do usuário;
Identificar casos de infestação e realizar medidas de prevenção e
controle;
Manter a ordem da unidade no que diz respeito à área física,
equipamentos e materiais;
Observar rigorosamente os usuários com risco de evasão;
Observar rigorosamente os usuários com risco de suicídio e os que
apresentam agitação psicomotora;
Organizar e participar de eventos sociais e culturais que visem a
ressocialização do usuário e a integração entre o serviço e a
comunidade;
Orientar o usuário e realizar coleta de material para exame conforme
rotina;
Orientar e observar o usuário para o jejum, realizar o preparo
quando necessário em casos de exames clínicos;
Orientar o usuário e os familiares na ocasião da licença ou alta
hospitalar;
Orientar usuários e acompanhantes no sentido de minimizar
ansiedade, insegurança e angústia decorrentes da internação;
Participar da educação em saúde voltada para usuários, familiares e
comunidade;
Participar da educação em serviço através de cursos, treinamentos e
outros;
Participar das atividades de passagem de plantão de acordo com a
rotina;
Participar das discussões de casos clínicos;
ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM:
ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM:
Participar de reuniões interdisciplinares;
Participar junto com a equipe interdisciplinar da elaboração do plano
terapêutico individualizado;
Participar nos procedimentos de admissão orientando o usuário e
familiares para o tratamento e as rotinas da unidade;
Prestar assistência à comunidade em situações de emergência e
calamidade;
Preparar e administrar medicamentos por via oral, parenteral e
tópica;
Prestar/auxiliar e orientar cuidados de higiene e conforto ao usuário
Promover ambiente seguro, confortável e silencioso ao usuário;
Promover ambiente terapêutico para o usuário;
Promover conforto e segurança do usuário;
Promover cuidados específicos para os usuários em restrição
mecânica;
ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM:
Promover cuidados visando a manutenção da integridade física do
usuário;
Realizar e/ou auxiliar na contenção mecânica do usuário;
Realizar limpeza, desinfecção e esterilização dos diversos materiais
da unidade;
Realizar visita domiciliar e institucional;
Registrar diariamente os procedimentos desenvolvidos em relatório
de enfermagem;
Respeitar e promover a privacidade do usuário;
Verificar sinais vitais;
Zelar pelo bom uso dos materiais de consumo e equipamentos
evitando desperdício e utilização inadequada;
Zelar pelos bens patrimoniais da Instituição.
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
“O TREINAMENTO,
COORDENAÇÃO E EMPENHO DA
EQUIPE TEM IMPORTÂNCIA
FUNDAMENTAL PARA O
ATENDIMENTO EFICAZ E COM
RISCOS MÍNIMOS PARA O PACIENTE
E À EQUIPE DA EMERGÊNCIA”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Inaiara Bragante
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Cintia Colotoni
 
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS.ppt
EMERGÊNCIAS  PSIQUIÁTRICAS.pptEMERGÊNCIAS  PSIQUIÁTRICAS.ppt
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS.pptRafaela Amanso
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaJose Roberto
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonEdison Santos
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALElyda Santos
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Ana Hollanders
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfThiagoCunha93
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemfnanda
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAroldo Gavioli
 
Desmaio e crise convulsiva
Desmaio e crise convulsivaDesmaio e crise convulsiva
Desmaio e crise convulsivajoselene beatriz
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeAroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

Uti
UtiUti
Uti
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
 
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS.ppt
EMERGÊNCIAS  PSIQUIÁTRICAS.pptEMERGÊNCIAS  PSIQUIÁTRICAS.ppt
EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS.ppt
 
Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
História da psiquiatria aula 1
História da psiquiatria   aula 1História da psiquiatria   aula 1
História da psiquiatria aula 1
 
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdfAula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
Aula 1- Assistência ao Paciente Grave.pdf
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)A rede de atenção psicossocial (raps)
A rede de atenção psicossocial (raps)
 
Desmaio e crise convulsiva
Desmaio e crise convulsivaDesmaio e crise convulsiva
Desmaio e crise convulsiva
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
contenção 1.ppt
contenção 1.pptcontenção 1.ppt
contenção 1.ppt
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 

Semelhante a Aula emergencias psiquiatricas

Contenção Mecânica.ppt
Contenção Mecânica.pptContenção Mecânica.ppt
Contenção Mecânica.pptssuser75b31c
 
Seminário grupo c (1)
Seminário grupo c (1)Seminário grupo c (1)
Seminário grupo c (1)Tathiane Souza
 
Assistência de enfermagem
Assistência de enfermagem Assistência de enfermagem
Assistência de enfermagem Chris Siqueira
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Luciane Santana
 
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptxSCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptxDheniseMikaelly
 
webpalestraSuicídioSetembroAmarelo.pdf
webpalestraSuicídioSetembroAmarelo.pdfwebpalestraSuicídioSetembroAmarelo.pdf
webpalestraSuicídioSetembroAmarelo.pdfPatriciaSouza640440
 
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptxSLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptxDheniseMikaelly
 
Aula diagnóstico e entrevista em psicopatologia
Aula diagnóstico e entrevista em psicopatologiaAula diagnóstico e entrevista em psicopatologia
Aula diagnóstico e entrevista em psicopatologiaCesar Hoenisch
 
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADECUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADEMárcio Borges
 
Diretriz da pratica de eutanasia do concea
Diretriz da pratica de eutanasia do conceaDiretriz da pratica de eutanasia do concea
Diretriz da pratica de eutanasia do conceaMarcia Cristina
 
Urgencias em psiquiatria. Onde tratar? Ricardo Manzochi Assmé
Urgencias em psiquiatria. Onde tratar? Ricardo Manzochi AssméUrgencias em psiquiatria. Onde tratar? Ricardo Manzochi Assmé
Urgencias em psiquiatria. Onde tratar? Ricardo Manzochi AssméRicardoAssm1
 
Como abordar o pré e pós teste its sem figuras.jpg
Como abordar o pré e pós teste its sem figuras.jpgComo abordar o pré e pós teste its sem figuras.jpg
Como abordar o pré e pós teste its sem figuras.jpgitsufpr
 
Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02Fernanda Silva
 
Qualificando o cuidado às tentativas de suicídio no hospital: desafios e poss...
Qualificando o cuidado às tentativas de suicídio no hospital: desafios e poss...Qualificando o cuidado às tentativas de suicídio no hospital: desafios e poss...
Qualificando o cuidado às tentativas de suicídio no hospital: desafios e poss...http://bvsalud.org/
 
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptxCuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptxZecaXavier1
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 

Semelhante a Aula emergencias psiquiatricas (20)

Contenção Mecânica.ppt
Contenção Mecânica.pptContenção Mecânica.ppt
Contenção Mecânica.ppt
 
João Fernando Marcolan
João Fernando MarcolanJoão Fernando Marcolan
João Fernando Marcolan
 
Seminário grupo c (1)
Seminário grupo c (1)Seminário grupo c (1)
Seminário grupo c (1)
 
Assistência de enfermagem
Assistência de enfermagem Assistência de enfermagem
Assistência de enfermagem
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptxSCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
 
webpalestraSuicídioSetembroAmarelo.pdf
webpalestraSuicídioSetembroAmarelo.pdfwebpalestraSuicídioSetembroAmarelo.pdf
webpalestraSuicídioSetembroAmarelo.pdf
 
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptxSLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
 
Aula diagnóstico e entrevista em psicopatologia
Aula diagnóstico e entrevista em psicopatologiaAula diagnóstico e entrevista em psicopatologia
Aula diagnóstico e entrevista em psicopatologia
 
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADECUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
CUIDADOS PALIATIVOS NA TERCEIRA IDADE
 
Diretriz da pratica de eutanasia do concea
Diretriz da pratica de eutanasia do conceaDiretriz da pratica de eutanasia do concea
Diretriz da pratica de eutanasia do concea
 
Urgencias em psiquiatria. Onde tratar? Ricardo Manzochi Assmé
Urgencias em psiquiatria. Onde tratar? Ricardo Manzochi AssméUrgencias em psiquiatria. Onde tratar? Ricardo Manzochi Assmé
Urgencias em psiquiatria. Onde tratar? Ricardo Manzochi Assmé
 
Como abordar o pré e pós teste its sem figuras.jpg
Como abordar o pré e pós teste its sem figuras.jpgComo abordar o pré e pós teste its sem figuras.jpg
Como abordar o pré e pós teste its sem figuras.jpg
 
Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02Aula1o 110225155828-phpapp02
Aula1o 110225155828-phpapp02
 
Qualificando o cuidado às tentativas de suicídio no hospital: desafios e poss...
Qualificando o cuidado às tentativas de suicídio no hospital: desafios e poss...Qualificando o cuidado às tentativas de suicídio no hospital: desafios e poss...
Qualificando o cuidado às tentativas de suicídio no hospital: desafios e poss...
 
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima PadovanGislaine Cresmashi Lima Padovan
Gislaine Cresmashi Lima Padovan
 
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptxCuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
Cuidados paliativos - eutanásia, distanásia e ortotanásia.pptx
 
O paciente difícil
O paciente difícilO paciente difícil
O paciente difícil
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 

Aula emergencias psiquiatricas

  • 2. EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS CONCEITO “A EMERGÊNCIA PSQUIÁTRICA OCORRE EM MOMENTOS AGUDOS NOS DIVERSOS QUADROS PSIQUIÁTRICOS EM AMBIENTE EXTERNO OU HOSPITALAR”
  • 3. EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS Identificação  QUAIS SÃO AS CARACTERÍSTICAS DIFERENCIADORAS DA EMERGÊNCIA PSIQUIÁTRICA?
  • 4. Fácies de desespero; Choro incontido; Descarrilhamento de idéias; Verbalização com cunho violento; Premeditação/promessa de agressão; Intimidação ao profissional ou à outrem; Agressividade recente ou da HDA; Auto-agressividade e auto-mutilação; Inquietação; Silêncio absoluto “repentino”, Tentativa de homicídio/homicídio (psicose puerperal).
  • 5. Quando, onde, como e porquê Quando: A qualquer momento Onde: Em qualquer lugar Como: Não há delimitação fixa Porquê: Por fatores explicáveis ou não cientificamente
  • 6. EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS PRINCIPAIS EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS  TRANSTORNOS PSICÓTICOS  TRANSTORNOS DO HUMOR  TRANSTORNOS DA ANSIEDADE (PÂNICO)  DEPENDÊNCIA QUÍMICA  QUADROS DEMENCIAIS  RETARDO MENTAL  TRANSTORNOS ALIMENTARES  SIMULAÇÃO
  • 7. EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS AMBIENTE E FATORES DE RISCO DA EMERG. PSIQUIÁTRICA  ARRUMAÇÃO DO SET DA EMERGÊNCIA  ARRUMAÇÃO DO SET DA SALA DE ATENDIMENTO  OBJETOS SOLTOS  DESATENÇÃO DA EQUIPE  PRONTIFICAÇÃO DO MATERIAL P/ SOS.
  • 8. EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS Analisando o paciente  IMPRESSÃO DO PACIENTE  FALA  OLHAR  GESTOS
  • 9. • POSTURA DO PROFISSIONAL • SINCRONIA DA EQUIPE DE EMERGÊNCIA • ABORDAGEM AO PACIENTE • IMOBILIZAÇÃO DO PACIENTE E CONTENÇÃO MECÂNICA E QUÍMICA • LINGUAGEM DA EMERGÊNCIA EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS
  • 10. EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS  SINCRONIA DA EQUIPE DE EMERGÊNCIA  DISTRIBUIÇÃO NO AMBIENTE  ATENÇÃO DUPLA  CONDUTOR/DISTRATOR  ATUAÇÃO
  • 11. Situações especiais: Pacientes Agressivos/Agitados  Não enfrentem.  Avaliem e coletem informações com familiares.  Solicitem o auxílio dos seguranças sempre que necessário.
  • 12. Tratamento farmacológico para pacientes agitados, agressivos e psicóticos ANTIPSICOTICOS : Haloperidol - Ainda é a mais segura droga à disposição, com baixo comprometimento das funções cardíacas e respiratórias - Efeito negativo: possível impregnação neuroléptica; medicamentos atenuantes destes sintomas colaterais (biperideno e prometazina). - Em alguns casos pode ser associado à prometazina para efeito sedativo maior, ou evitar efeitos extra piramidais .
  • 13. CLORPROMAZINA • Maior poder de sedação do paciente. • Maior risco de depressão respiratória e hipotensão ortostática. • Uso com observação rigorosa do paciente. • Risco aumentado quando usado por via endovenosa • Muito usado em quadros onde a sedação é mais necessária; agitação psicomotora intensa com auto e hetero agressividade (quadros de origem psicótica).
  • 14. PACIENTE DEPRESSIVOS  Investigação ativa do entrevistador  Comportamentos suicidas : Ideação suicida, tentativa de suicídio, desejo de morrer x desejo de chamar atenção, suicídio  Fatores relevantes: Intenção, letalidade e conhecimentos sobre métodos.  Fatores de risco: desesperança, história de tentativas anteriores, história familiar
  • 15. Tratamento para pacientes ansiosos - Tentativa de abordagem verbal, - Técnicas de relaxamento, - Benzodiazepínico oral , de preferência de curta ação.
  • 16. USUÁRIOS DE ÁLCOOL EUSUÁRIOS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS.OUTRAS DROGAS.
  • 17. Tratamento para usuários de álcool e outras drogas  INTOXICAÇAO POR ÁLCOOL: - Se possível deixar em locais calmos e longe de estímulos. - Observar: sinais de rebaixamento de consciência , sinais vitais, glicemia . - Em casos de coma alcoólico , suporte clinico.
  • 18. O QUE NÃO FAZER!!!!! (intoxicação) - Glicose EV, sem critério = risco de Síndrome de Wernick-Korsakov. - Evitar benzodiazepínico pela ação cruzada e pelo risco de rebaixamento de consciência, caso seja necessário medicar, preferir antipsicóticos.
  • 19. INTOXICAÇÃO POR OUTRAS DROGAS • Barbitúricos( Fenobarbital): rebaixamento da consciência, torporosidade, coma ,UTI. Lavagem gástrica , carvão ativado • Estimulantes ( anfetaminas , cocaína, crack ): ação simpaticomimética ( pupilas dilatadas,boca seca , hipertermia,taquicardia,sudorese,agitados, ansiosos). Suporte clinico,tratar agitação, risco de IAM. • Perturbadores do SNC: Lsd ,maconha, ecstasy, inalantes. Quadros de ansiedade ate quadros de psicose.
  • 20. Postura do Profissional Calmo porém firme, Sem pressa, escuta paciente respeitando o silêncio do paciente Acatar pedidos simples do paciente: (ex.: não permitir que a família entre no consultório) Demonstrar interesse na história do paciente e não duvidar ou dizer que o que o paciente diz não é real.
  • 21. Sincronia da Equipe Pelo menos três profissionais: Médico e dois enfermeiros Entrosamento da equipe e posicionamento adequado Conhecer a linguagem da emergência Saber exatamente onde se encontram os materiais e medicamentos do posto de enfermagem
  • 22. Abordagem de Enfermagem ao Paciente Movimentos lentos Deixar preferencialmente as mãos à mostra Manter alerta constante Paciência Avaliar a necessidade de solicitar à familiares que se ausentem Agilidade Não competir com o paciente
  • 23. Tipos de intervençãoTipos de intervenção Contenção verbal Contenção mecânica Contenção química O paciente tem o direito de receber o tratamento menos restritivo e invasivo possível, apropriado a necessidades de segurança da equipe, suas e de terceiros.
  • 24. Posição das ataduras para contenção. Na região do tórax usar lençol de preferência. Só usar contenção em tórax em caso de extrema necessidade.
  • 25. Leito pronto para receber usuário para ser contido. Lençol para contenção de tórax e pélvico, atadura e algodão.
  • 26.   Algodão ortopédico para proteção da pele.
  • 27. Contenção em região pélvica deve ser usada com dois lençóis, um que já estará na cama e outro sobre o usuário. A mesma técnica poderá ser usada nos joelhos.
  • 28. A técnica de contenção de tórax é a mesma da região pélvica com lençol. Devendo lembrar que o uso inspira muitos cuidados e o mínimo de tempo possível. Os sinais vitais deverão ser verificados a cada 15 minutos.
  • 29. Contenção de punho com algodão ortopédico e atadura. Nunca usar atadura sem proteger a pele do usuário com algodão ou outro tecido.
  • 30. Contenção de pé com a mesma técnica de punho.
  • 31. Pode-se usar a contenção de pé com lençol conforme figura.
  • 32. ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM: Administrar e/ou auxiliar na alimentação do usuário dependente; Acompanhar e encaminhar o usuário em atividades recreativas, oficinas de produção e de terapia ocupacional; Acompanhar e transportar usuários em caso de alta hospitalar e transferência; Acompanhar e transportar usuários que serão submetidos a consultas e exames em outras unidades; Acompanhar o usuário e registrar em prontuário sua evolução; Acompanhar os usuários nas Atividades de Vida Diária e Atividades de Vida Prática; Aplicar normas de biossegurança; Atender e orientar usuários, familiares e comunidade de forma humanizada; Auxiliar no controle de psicotrópicos e entorpecentes;
  • 33. ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM: Colaborar em estudos e pesquisas científicas na área de saúde; Comunicar ao enfermeiro e registrar evasão no prontuário e relatório de enfermagem; Comunicar e realizar busca ativa dos usuários evadidos; Cooperar com o Serviço de Controle de Infecção Hospitalar na adoção de medidas de prevenção e controle; Coordenar ou participar de atividades terapêuticas de caráter grupal e/ou individual com usuários, familiares e técnicos; Coordenar ou participar de oficinas terapêuticas de capacitação e produção; Cumprir a prescrição médica e de enfermagem; Cumprir e fazer cumprir normas e rotinas da Instituição; Cumprir e fazer cumprir o Código de Ética e a Legislação de Enfermagem;
  • 34. ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM: Detectar alterações do usuário, comunicar ao enfermeiro e anotar no prontuário; Encaminhar e acompanhar o usuário na reavaliação médica; Estabelecer relação de ajuda com o usuário e o familiar; Estimular a autonomia e autocuidado do usuário; Identificar casos de infestação e realizar medidas de prevenção e controle; Manter a ordem da unidade no que diz respeito à área física, equipamentos e materiais; Observar rigorosamente os usuários com risco de evasão; Observar rigorosamente os usuários com risco de suicídio e os que apresentam agitação psicomotora; Organizar e participar de eventos sociais e culturais que visem a ressocialização do usuário e a integração entre o serviço e a comunidade;
  • 35. Orientar o usuário e realizar coleta de material para exame conforme rotina; Orientar e observar o usuário para o jejum, realizar o preparo quando necessário em casos de exames clínicos; Orientar o usuário e os familiares na ocasião da licença ou alta hospitalar; Orientar usuários e acompanhantes no sentido de minimizar ansiedade, insegurança e angústia decorrentes da internação; Participar da educação em saúde voltada para usuários, familiares e comunidade; Participar da educação em serviço através de cursos, treinamentos e outros; Participar das atividades de passagem de plantão de acordo com a rotina; Participar das discussões de casos clínicos; ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM:
  • 36. ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM: Participar de reuniões interdisciplinares; Participar junto com a equipe interdisciplinar da elaboração do plano terapêutico individualizado; Participar nos procedimentos de admissão orientando o usuário e familiares para o tratamento e as rotinas da unidade; Prestar assistência à comunidade em situações de emergência e calamidade; Preparar e administrar medicamentos por via oral, parenteral e tópica; Prestar/auxiliar e orientar cuidados de higiene e conforto ao usuário Promover ambiente seguro, confortável e silencioso ao usuário; Promover ambiente terapêutico para o usuário; Promover conforto e segurança do usuário; Promover cuidados específicos para os usuários em restrição mecânica;
  • 37. ATRIBUIÇÕES DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM: Promover cuidados visando a manutenção da integridade física do usuário; Realizar e/ou auxiliar na contenção mecânica do usuário; Realizar limpeza, desinfecção e esterilização dos diversos materiais da unidade; Realizar visita domiciliar e institucional; Registrar diariamente os procedimentos desenvolvidos em relatório de enfermagem; Respeitar e promover a privacidade do usuário; Verificar sinais vitais; Zelar pelo bom uso dos materiais de consumo e equipamentos evitando desperdício e utilização inadequada; Zelar pelos bens patrimoniais da Instituição.
  • 38. EMERGÊNCIAS PSIQUIÁTRICAS “O TREINAMENTO, COORDENAÇÃO E EMPENHO DA EQUIPE TEM IMPORTÂNCIA FUNDAMENTAL PARA O ATENDIMENTO EFICAZ E COM RISCOS MÍNIMOS PARA O PACIENTE E À EQUIPE DA EMERGÊNCIA”