Perturbações Mentais

6.858 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.858
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
31
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Perturbações Mentais

  1. 1. Psicologia Psicologia, JB - 2010 Jorge Barbosa, 2010 1
  2. 2. Sintomas Comuns de Esquizofrenia:  ILUSÕES BIZARRAS – Ilusões de ser controlado (por ex. por marcianos); ilusões de perseguição (por ex. alguém tenta envenenar); ilusões de grandeza (por ex.: C. Ronaldo gostava de ter os meus ténis).  AFECTO INADEQUADO – incapacidade para reagir com um nível adequado de emotividade a acontecimentos positivos ou negativos.  ALUCINAÇÕES – vozes imaginárias que dizem à pessoa o que deve ou não deve fazer, ou que fazem comentários sobre o seu comportamento. Psicologia, JB - 2010 2
  3. 3. Sintomas Comuns de Esquizofrenia:  PENSAMENTO INCOERENTE – pensamento ilógico, associações peculiares entre ideias ou crença em forças sobrenaturais.  COMPORTAMENT ESTRANHO – longos períodos sem movimento (catatonia), falta de higiene pessoal, falar em rimas, evitar interacções sociais, ecolalia. Nem sempre estes sintomas estão todos presentes. A recorrência de um único destes sintomas por um período mínimo de 8 meses valida o diagnóstico de esquizofrenia. Na verdade, as manifestações de esquizofrenia variam, ao longo do tempo, no mesmo indivíduo Psicologia, JB - 2010 3
  4. 4. BASE NEURAL:  As teorias mais recentes sugerem que:  Existe um desequilíbrio complexo nos níveis de dopamina em diferentes áreas cerebrais:  Os sintomas “positivos” (alucinações, delírios) estarão associados a níveis elevados de actividade dopaminérgica em regiões subcorticais (sistema mesolímbico);  Os sintomas “negativos” (falta de motivação, incapacidade para cuidar de si mesmo) estarão associados à baixa actividade dopaminérgica na área pré-frontal. Psicologia, JB - 2010 4
  5. 5. A depressão é uma reacção normal a perdas dolorosas.  A depressão torna-se perturbação quando a tendência para a depressão é desproporcional e recorrente (pode mesmo não haver um motivo aparente. A mania, na sua forma normal, caracteriza-se por níveis elevados de confiança, impulsividade e muita energia:  Na sua forma perturbada, a mania traduz-se em confiança excessiva (nenhum objectivo é inatingível), em euforia (palavreado incessante, por ex.), distracção e impulsividade instantânea. Psicologia, JB - 2010 5
  6. 6. A depressão é uma reacção normal a perdas dolorosas.  A depressão torna-se perturbação quando a tendência para a depressão é desproporcional e recorrente (pode mesmo não haver um motivo aparente. A mania, na sua forma normal, caracteriza- se por níveis elevados de confiança, impulsividade e muita energia:  Na sua forma perturbada, a mania traduz-se em confiança excessiva (nenhum objectivo é inatingível), em euforia (palavreado incessante, por ex.), distracção e impulsividade Algumas pessoas instantânea. deprimidas experimentam estados de mania: Psicologia, JB - 2010 bipolares 6
  7. 7. A maioria das depressões ocorre sem episódios de mania. Cerca de 1 a 2% de pessoas com depressão experimentam também episódios de mania: perturbação bipolar, ou psicose maníaco- depressiva:  a pessoa alterna entre a depressão e a exaltação extrema.  Os episódios maníacos sem alguma história de depressão são muito raros. Psicologia, JB - 2010 7
  8. 8. Mecanismos Neurais A teoria mais consensual sobre a depressão sugere que:  A depressão está associada à baixa actividade nas sinapses serotonérgicas (de serotonina) e noradrenérgicas (noradrenalina) A teoria sobre a origem da depressão (endógena) mais recente sugere que:  Algumas pessoas herdam uma diátese (susceptibilidade genética) incapaz de iniciar a perturbação por si só;  Os indivíduos susceptíveis, expostos a stress no início das suas vidas, sensibilizam (ou activam) os seus sistemas de forma permanente, reagindo de modo excessivo a stress moderado durante o resto das suas vidas. Psicologia, JB - 2010 8
  9. 9. Mecanismos Neurais Uma hipótese científica, enunciada em 2000, relaciona o modelo da diátese com o hipocampo.  O hipocampo é uma das poucas áreas do cérebro, onde se regista a renovação de neurónios até à idade adulta;  O hipocampo é responsável pela transferência de dados da memória episódica para o córtex, durante o sono;  A exposição ao stress dificulta a neurogénese no hipocampo, o que desencadearia depressão. Psicologia, JB - 2010 9
  10. 10. Perturbações de Ansiedade Ansieda de  Respos Generalizada: tas de s ausência tress na de qualq claro. uer estí mulo Psicologia, JB - 2010 10
  11. 11. Perturbações de Ansiedade Perturbações Obsessivo-Compulsivas.   Pensamentos incontroláveis e de recorrência frequente, que:  Causam ansiedade;  Impulsos para a acção (compulsões) difíceis de controlar:  Como forma de dissipar a ansiedade Psicologia, JB - 2010 11
  12. 12. Pensa-s e que o é desem papel ce penhad ntral Amígda o pela la Psicologia, JB - 2010 12
  13. 13. Não se esqueça de fazer os exercícios. Jorge Barbosa, 2010 Psicologia, JB - 2010 13

×