Hipertensão arterial

16.079 visualizações

Publicada em

0 comentários
11 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.079
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
25
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
298
Comentários
0
Gostaram
11
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Baseado em dados do Ministério da Saúde Instituto Nacional do Câncer - Coordenação de Prevenção e Vigilância de maio de 2004
  • Baseado em dados do Ministério da Saúde Instituto Nacional do Câncer - Coordenação de Prevenção e Vigilância de maio de 2004
  • Hipertensão arterial

    1. 1. Treinamento Desportivo e Personal Hipertensão Arterial Sistêmica Dr. Sandro Toledo Carvalho www.drtoledo.com.br [email_address] 2008
    2. 2. <ul><li>Epidemiologia: </li></ul><ul><li>2003, 27,4% dos óbitos foram decorrentes de doenças cardiovasculares </li></ul><ul><li>37% quando são excluídos os óbitos por causas mal definidas e a violência </li></ul><ul><li>40% das mortes por acidente vascular cerebral e 25% daquelas por doença coronariana </li></ul><ul><li>mortalidade por doença cardiovascular aumenta a partir de 115/75 mmHg </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica V Diretriz Bras Hipertensão, Hipert., vol 9, nº 4, 2006
    3. 3. <ul><li>Epidemiologia: </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica DataSUS, maio 2007
    4. 4. <ul><li>Epidemiologia: </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica V Diretriz Bras Hipertensão, Hipert., vol 9, nº 4, 2006
    5. 5. <ul><li>Diagnóstico e Classificação: </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica V Diretriz Bras Hipertensão, Hipert., vol 9, nº 4, 2006
    6. 6. <ul><li>Diagnóstico e Classificação: </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica V Diretriz Bras Hipertensão, Hipert., vol 9, nº 4, 2006
    7. 7. <ul><li>Diagnóstico e Classificação: </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica V Diretriz Bras Hipertensão, Hipert., vol 9, nº 4, 2006
    8. 8. <ul><li>Etiologia: </li></ul><ul><li>Doença multifatorial </li></ul><ul><li>Associada a fatores genéticos e ambientais </li></ul><ul><li>Fatores de risco: </li></ul><ul><li>Idade Fatores socioeconômicos </li></ul><ul><li>Sexo e etnia Obesidade </li></ul><ul><li>Sedentarismo Sal e álcool </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica V Diretriz Bras Hipertensão, Hipert., vol 9, nº 4, 2006
    9. 9. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>PA = DC x RVP </li></ul><ul><li>DC= FC x VS </li></ul><ul><li>VS é dependente da pré-carga </li></ul><ul><li> FC,  VS ou  RVP =  PA </li></ul><ul><li>Exercício Resistidos:  RVP , pouco ef. DC e FC,   PA </li></ul><ul><li>Exercício Dinâmico:  FC,  ret. venoso=  pré-carga e  PA </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    10. 10. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício dinâmico agudo e hipert. arterial </li></ul><ul><li>Redução mantida por mais 24 horas </li></ul><ul><li>Nível inicial da PA (maior em hipertensos) </li></ul><ul><li>Intensidade do exercício (40 a 80% VO 2 máx) </li></ul><ul><li>Influência do gênero: papel do estrógeno </li></ul><ul><li>Influência da idade: 41 a 60 anos maio efeito hipotensor </li></ul><ul><li>Influência da etnia: asiáticos maior que caucasianos </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    11. 11. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício dinâmico agudo e hipert. arterial </li></ul><ul><li>Mecanismos da redução da PA </li></ul><ul><li>Redução do DC e RVP pós esforço </li></ul><ul><li>Redução do DC por  VS devido  pré-carga </li></ul><ul><li>Redução pré-carga por  RSV (vasodilatação) </li></ul><ul><li>Redução atividade simpática (Eysmann 1996, beta-recep.) </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    12. 12. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício dinâmico crônico e hipert. arterial </li></ul><ul><li>Mecanismos da redução da PA </li></ul><ul><li>Principal mecanismo: redução atividade simpática </li></ul><ul><li>Bradicardia e vasodilatação arterial </li></ul><ul><li>Melhora da função endotelial: shear stress </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    13. 13. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício resistido e hipertensão arterial </li></ul><ul><li>Definição </li></ul><ul><li>Contração muscular contra força oposta ao movimento </li></ul><ul><li>Sinônimos: exercícios de força, com pesos, localizado, de resistência muscular localizada, musculação </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    14. 14. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício resistido agudo e hipertensão arterial </li></ul><ul><li>Características </li></ul><ul><li>30-40% 1RM efeitos semelhantes a exercícios dinâmicos (Vol) </li></ul><ul><li>70-80% 1RM maior aumento da PA que com 100% 1RM </li></ul><ul><li>Acima de 80% 1RM: Manobra Valsalva é obrigatória,  PA </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    15. 15. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício resistido agudo e hipertensão arterial </li></ul><ul><li>Características </li></ul><ul><li>Elevação da PA pode chegar a 370x360 mmHg em atletas halterofilista (Arch Phys Med Rehabl 1995; 76(5):457-62) </li></ul><ul><li>480x350 mmHg, leg press duplo a 90% 1RM (J Appl Physiol 1985, 58:785-90) </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    16. 16. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício resistido agudo e hipertensão arterial </li></ul><ul><li>Características </li></ul><ul><li>Treinamento força/hipertrofia estimula hipertrofia cardíaca concêntrica (sobrecarga de pressão), >70% 1RM </li></ul><ul><li>Treinamento resistência muscular localizada estimula hipertrofia cardíaca excêntrica (sobrecarga de volume), <50% 1RM </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    17. 17. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício resistido agudo e hipertensão arterial </li></ul><ul><li>Respostas pós exercícios </li></ul><ul><li>Estudos controversos quanto a redução da PA </li></ul><ul><li>Diferenças entre componentes isotônico e isométrico </li></ul><ul><li>Intensidade: < 40% maior redução </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    18. 18. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício resistido agudo e hipertensão arterial </li></ul><ul><li>Respostas pós exercícios </li></ul><ul><li>FC permanece elevada no período de recuperação (até 90 min) </li></ul><ul><li>Mecanismo da redução da PA: queda do DC por redução do VS </li></ul><ul><li>Sem consenso na literatura </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    19. 19. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício resistido crônico e hipertensão arterial </li></ul><ul><li>Treinamento força/hipertrofia estimula hipertrofia cardíaca concêntrica (sobrecarga de pressão), >70% 1RM </li></ul><ul><li>Treinamento resistência muscular localizada estimula hipertrofia cardíaca excêntrica (sobrecarga de volume), <50% 1RM </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    20. 20. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício resistido crônico e hipertensão arterial </li></ul><ul><li>Hipertrofia concêntrica </li></ul><ul><li>Vol sistólico mantido ou reduzido </li></ul><ul><li>FC mantida ou reduzida </li></ul><ul><li>DC sem efeito </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    21. 21. <ul><li>Fisiopatologia: </li></ul><ul><li>Exercício resistido hipertensão arterial </li></ul><ul><li>Hipertensos </li></ul><ul><li>Risco do exercícios = Pico pressórico </li></ul><ul><li>Pico pressórico: rompimento de aneurismas preexistentes = AVC </li></ul><ul><li>Exercício leve Exercício intenso </li></ul><ul><li> PAS e  ou  PAD    PAS e    PAD </li></ul><ul><li>Baixo risco Alto risco </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    22. 22. <ul><li>Estratificação risco: </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica V Diretriz Bras Hipertensão, Hipert., vol 9, nº 4, 2006
    23. 23. <ul><li>Estratificação risco: </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica V Diretriz Bras Hipertensão, Hipert., vol 9, nº 4, 2006
    24. 24. <ul><li>Estratificação risco: </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica V Diretriz Bras Hipertensão, Hipert., vol 9, nº 4, 2006
    25. 25. <ul><li>Recomendações: Pacientes </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica V Diretriz Bras Hipertensão, Hipert., vol 9, nº 4, 2006
    26. 26. <ul><li>Recomendações: Pacientes </li></ul><ul><li>Exercicios resistidos: baixa intensidade e em complemento ao treinamento aeróbio, 8 a 10 exercícios realizados com 1 a 3 séries de 20 a 25 repetições até fadiga moderada com intensidade de 50% de 1RM, 2 a 3x semana </li></ul><ul><li>Exercicios aeróbios: 3 a 6x semana por 30 a 40 min. Intensidade moderada 60 a 80% da FC máx em teste ergométrico ou 50 a 70% do VO 2 máx em ergoespirometria </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica Cardiologia do Exercício: do Atleta ao Cardiopatia, 2005
    27. 27. <ul><li>Recomendações: Atletas </li></ul><ul><li>Atletas com HAS estágio I sem lesão orgão-alvo: sem limitações, aferir PA a cada 4 meses - impacto do exercício </li></ul><ul><li>Atletas com HAS estágio II ou III sem lesão em orgão-alvo deve ter restrições para esportes com alto componente estático (classe IIIA-IIIB) até controle da PA </li></ul><ul><li>Quando associado a outra doença cardiovascular a elegibilidade será baseada de acordo com o tipo e severidade da condição associada </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica 36Th Bethesta, JACC Vol. 45, No. 8, 2005
    28. 28. <ul><li>Recomendações: Atletas </li></ul><ul><li>Hipertenso com risco global alto ou muito alto: não elegível para nenhuma atividade física esportiva competitiva </li></ul><ul><li>Hipertenso com baixo risco: elegível para todos esportes se os valores de PA no teste ergométrico forem normais </li></ul><ul><li>Hipertenso com risco intermediário: elegível para maioria dos esportes se os valores de PA no teste ergométrico forem normais – análise individual, evitar esforços extenuantes e alto componente isométrico </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica Tratado Cardio. Exercício e Esporte, 2007
    29. 29. <ul><li>Recomendações: Atletas </li></ul><ul><li>Hipertenso com baixo risco ou risco intermediário com resposta pressórica anormal no teste ergométrico: dependerá da resposta ao tratamento </li></ul><ul><li>Hipertenso não elegível para prática esportiva: permitir atividade física não competitiva </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica Tratado Cardio. Exercício e Esporte, 2007
    30. 30. <ul><li>Recomendações: Medicação </li></ul><ul><li>Características do medicamento ideal do atleta hipertenso </li></ul><ul><li>Não deprimir a resposta cardíaca no exercício </li></ul><ul><li>Não apresentar efeito arritmogênico </li></ul><ul><li>Não prejudicar a distribuição de sangue aos músculos quando solicitado </li></ul><ul><li>Não interferir negativamente na utilização de substratos energéticos </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica Tratado Cardio. Exercício e Esporte, 2007
    31. 31. <ul><li>Recomendações: Medicação </li></ul><ul><li>Medicamentos de primeira linha para hipertensos: inibidores da enzima conversora da angiotensina, antagonistas dos receptores da angiotensina e alguns bloqueadores de canais de cálcio </li></ul><ul><li>Alguns medicamentos são considerados dopping (betabloqueadores, diuréticos) </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica Tratado Cardio. Exercício e Esporte, 2007
    32. 32. <ul><li>Sociedade Brasileira de Hipertensão </li></ul><ul><li>www.sbh.org.br </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    33. 33. <ul><li>Obrigado. </li></ul>Hipertensão Arterial Sistêmica
    34. 34. Treinamento Desportivo e Personal Hipertensão Arterial Sistêmica Dr. Sandro Toledo Carvalho www.drtoledo.com.br [email_address] 2008

    ×