SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
HIPERTENSÃO ARTERIAL
E
EXERCÍCIO FÍSICO
1
REVISTA PORTUGUESA DE
CARDIOLOGIA
Artigo de Revisão
Hipertensão Arterial e Exercício Físico
Jorge A. Ruivo, Paula Alcântara
Serviço de Medicina 1, Centro Hospitalar de Lisboa Norte, Lisboa, Portugal
Recebido a 5 de abril de 2011; aceite a 8 de setembro de 2011
Disponível na Internet a 10 dejaneiro de 2012.
http://www.elsevier.pt/pt/revistas/revista-portuguesa-cardiologia-
334/artigo/hipertensao-arterial-e-exercicio-fisico-90094101
2
OS TEMPOS MODERNOS
Com ascensão da tecnologia, a crescente urbanização e alterações comportamentais profundas
em todos os níveis da sociedade é inerente o incentivo ao sedentarismo em todas as idades.
Com isso se apresenta um quadro com níveis insuficientes de atividade
para níveis de saúde desejáveis e consequentemente prevenir, entre
outras coisas, as doenças cardiovasculares.
Existem um número considerável de exercícios visando como
resultado efeitos salutares promovendo a baixa da pressão sanguínea
arterial sendo que os efeitos fisiológicos podem ser classificados em
agudos, pós-esforço e crônico.
Há, também, vários aspectos fisiopatológicos com relação a
resposta tensional ao esforço e seus moduladores em pessoas
hipotensas (diagnóstico, prognóstico) além de prescrição e
monitorização de exercícios físicos e administração de fármacos.
3
O QUE É HIPERTENSÃO?
Caracterizada pela elevação da pressão arterial e
está relacionada com a quantidade de sangue
que o coração bombeia e a resistência das
artérias ao fluxo sanguínea.
Sendo a hipertensão arterial sistêmica (HAS)
uma doença que afeta cerca de 20% da
população brasileira e chega a 50% entre os
idosos (Fonte: Ministério da Saúde).
4
CAUSAS E EFEITOS
5
RESPOSTA FISIOLÓGICA
Aguda ao Esforço
São mudanças que ocorrem no organismo
quando um indivíduo é submetido de uma
maneira aguda à períodos de exercício.
Maneira aguda significa que quando
estamos em repouso e nos exercitamos o
organismo muda, quando damos uma
corrida chegamos ao fim com taquicardia, PA
fica mais elevada, temperatura corporal sobe,
ocorrem modificações dos parâmetros
bioquímicos, esta é uma resposta aguda ao
exercício.
Pós-esforço
São os efeitos pós esforço e aparecem longo
nas primeiras 72 horas que se seguem a uma
sessão de exercício e incluem uma discreta
redução dos níveis tensionais, especialmente
nos hipertensos (Hipotensão pós-esforço)
com reduções tanto mais amplas quanto
mais elevados os valores tensionais de base.
6
RESPOSTA
HIPERTENSIVA AO
ESFORÇO
Define-se como resposta hipertensiva ao esforço a elevação de PAS superior a 7-10mmHg
(sedentários) por cada incremento de 1 MET (equivalente metabólico), ou a não redução de PAD
maior do que 15mmHg (ou mesmo a sua subida).
Portanto a partir deste tipo de resposta hemodinâmica ao exercício prediz com eficácia o
risco futuro de vir a desenvolver HTA Sustida, demonstrado que há uma maior taxa de eventos
cardiovasculares fatais em pessoas com este tipo de resposta.
A PA em esforço apresenta uma boa correlação a MAPA, refletindo em parte com as
variações circadiana da PA nestes indivíduos. Evidenciando diante de uma elevação tensional
intermitente de stress físico nestes casos possam ser suficientes para a indução de uma disfunção
do órgão alvo em pessoas suscetíveis e não condicionadas.
7
RESPOSTA CRÔNICA AO ESFORÇO,
BENEFÍCIOS E RISCOS DA
PARTICIPAÇÃO FÍSICA
Os efeitos crônicos resultam da adaptação do organismo
à exposição frequente e regular às sessões de exercícios. Um indivíduo
fisicamente treinado apresenta menores valores tensionais, bradicardia
relativa em repouso, hipertrofia muscular, hipertrofia ventricular
esquerda fisiológica e aumento do consumo máximo de oxigênio.
Regimes de exercício físico aeróbico demonstraram ser eficazes
na redução da incidência de HTA, ou na redução da pressão arterial nos
doentes já hipertensos, verificando-se diminuições de 5 a 15mmHg na
sistólica, com descidas menos pronunciadas no idoso.
8
PRESCRIÇÃO DE
EXERCÍCIO E
MONITORIZAÇÃO DA
RESPOSTA AO ESFORÇO
O regime de treino deve ser bem definido e personalizado,
de forma a otimizar o benefício hipotensor do exercício,
assegurando a máxima segurança durante a atividade.
Frequência: na maioria, preferencialmente em todos os dias
da semana
Intensidade: moderada, ou seja, 40-70% VO2R, de forma a
maximizar os benefícios e minimizar possíveis efeitos
adversos de intensidades mais vigorosas
Duração: 30 minutos ou mais de atividade contínua ou
intermitente (3x10 min) acumulada por dia
Tipo: primariamente atividade física de endurance
complementada por treino de força muscular. Os gostos e
preferência individuais devem ser tidos em consideração,
uma vez que maximizam a adesão de longo termo
9
Apesar de estar estabelecido que o
exercício moderado regular faz baixar a PA
da maioria dos indivíduos hipertensos,nem
todos os pacientes hipertensos respondem
da mesma forma à terapia com
exercício32.
Diferenças genéticas, na fisiopatologia da
hipertensão, na farmacodinâmica e/ou
farmacocinética podem justificar a
incapacidade de alguns doentes
responderem ao treino com redução dos
valores tensionais crônicos.
MONITORIZAÇÃO DA RESPOSTA
TENSIONAL AO ESFORÇO
MODULADORES DA RESPOSTA
AO ESFORÇO
As técnicas de medição ambulatória contínua
da PA constituem um avanço na
estratificação do risco CV e na
individualização da resposta ao exercício
complementando com a tradicional prova do
esforço. O MAPA se torna útil para a
quantificação da dose-resposta do treino, da
análise da variação circadiana da PA,
comparação com diferentes tipos de treino,....
10
FARMACOTERAPIA
NO HIPERTENSO
ATIVO
A terapêutica farmacológica de primeira linha
em indivíduos hipertensos ativos deverá
privilegiar autilização de IECA ou ARA2 ,
eventualmente associados a diuréticos
tiazídicos caso haja necessidade.
A terapêutica com diurético de ansa ou
betabloqueador implica efeitos secundários
capazes de prejudicar a performance
desportiva, pelo que deverão ser analisados
caso a caso.
11
CONCLUSÃO
Conclui-se que o exercício aeróbico é um
adjunto favorável à medicação no tratamento
da hipertensão, pois diminui o risco
cardiovascular e metabólico, sendo desprovido
virtualmente de efeitos secundários. Devendo
ser recomendado a todos os pacientes com
hipertensão, que estejam disponíveis e
capazes de o experimentar.
12
CURIOSIDADES
Quanto ao sal light, no qual parte do cloreto de sódio é
substituída por cloreto de potássio, existe vantagem na sua
utilização?
O sal light, realmente, tem uma proporção bem menor
de sódio em sua composição e geralmente apresenta metade da
quantidade de sódio presente na versão tradicional sendo
importante que o usuário não deva utilizar o dobro da
quantidade do sal light em relação ao comum, pois estará
excedendo o consumo de sódio da mesma forma.
Se o indivíduo com hipertensão utilizá-lo com cautela
pode ser uma boa estratégia de diminuição de sódio na dieta.
Atenção: O seu uso pode ser contra indicado para
pacientes com insuficiência renal por possuir elevada quantidade
de potássio.
13
BIBLIOGRAFIA
http://www.elsevier.pt/pt/revistas/revista-portuguesa-cardiologia-334/artigo/hipertensao-arterial-e-
exercicio-fisico-90094101
http://portaldocoracao.uol.com.br/hipertenso-arterial/exercicios-fisicos-em-portadores-de-
Hipertenso-arterial-presso-alta
dab.saude.gov.br/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad15.pd
www.laboratorioexame.com.br › Clientes
http://revista.fmrp.usp.br/2013/vol46n3/rev_Hipertens%E3o%20arterial%20sist%EAmica%20prim%E
1ria.pdf
www.medicinanet.com.br › revisões
http://www.sbh.org.br/geral/atualidades.asp
Água Mineral: http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/vida/noticia/2013/12/saiba-como-escolher-a-
agua-mineral-mais-saudavel-4375561.html
14
SISTEMA CIRCULATÓRIO E HEMATOPOIÉTICO
PROFESSOR: THIAGO DIPP
Grupo: Caroline, Max, Melissa, Naura, Pablo e Sandra.
Turma: 51LA
15

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Diabetes e a Alimentação
A Diabetes e a AlimentaçãoA Diabetes e a Alimentação
A Diabetes e a AlimentaçãoMichele Pó
 
Exercício físico e diabetes - Prof. Luciano Daniel Silva
Exercício físico e diabetes -  Prof. Luciano Daniel Silva   Exercício físico e diabetes -  Prof. Luciano Daniel Silva
Exercício físico e diabetes - Prof. Luciano Daniel Silva Luciano Daniel Silva
 
Obesidade Completo
Obesidade CompletoObesidade Completo
Obesidade Completoprofanabela
 
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARESNUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARESMárcio Borges
 
Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!Joemille Leal
 
Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Professor Robson
 
Programa De Atividade Física
Programa De Atividade FísicaPrograma De Atividade Física
Programa De Atividade FísicaThaynara Sampaio
 
Atividade física e seus benefícios
Atividade física e seus benefíciosAtividade física e seus benefícios
Atividade física e seus benefíciosRosa Maria
 
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes MellitusExercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes MellitusLiga de Diabetes UFG
 
Apresentação obesidade
Apresentação obesidadeApresentação obesidade
Apresentação obesidadeBibliotecaRoque
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaj2012p
 

Mais procurados (20)

A Diabetes e a Alimentação
A Diabetes e a AlimentaçãoA Diabetes e a Alimentação
A Diabetes e a Alimentação
 
Exercício físico e diabetes - Prof. Luciano Daniel Silva
Exercício físico e diabetes -  Prof. Luciano Daniel Silva   Exercício físico e diabetes -  Prof. Luciano Daniel Silva
Exercício físico e diabetes - Prof. Luciano Daniel Silva
 
Obesidade Completo
Obesidade CompletoObesidade Completo
Obesidade Completo
 
Atividade física e saude
Atividade física e saudeAtividade física e saude
Atividade física e saude
 
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARESNUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
NUTRIÇÃO NAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES
 
Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!Diferença de atividade física para Exercício físico!
Diferença de atividade física para Exercício físico!
 
Slides obesidade
Slides obesidadeSlides obesidade
Slides obesidade
 
Ginastica Laboral
Ginastica Laboral Ginastica Laboral
Ginastica Laboral
 
Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?
 
Programa De Atividade Física
Programa De Atividade FísicaPrograma De Atividade Física
Programa De Atividade Física
 
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento FisicoAula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
 
Atividade física e seus benefícios
Atividade física e seus benefíciosAtividade física e seus benefícios
Atividade física e seus benefícios
 
Qualidade de vida
Qualidade de vidaQualidade de vida
Qualidade de vida
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
 
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes MellitusExercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
 
Apresentação obesidade
Apresentação obesidadeApresentação obesidade
Apresentação obesidade
 
Sobrepeso e Obesidade
Sobrepeso e ObesidadeSobrepeso e Obesidade
Sobrepeso e Obesidade
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Atividade física idosos
Atividade física   idososAtividade física   idosos
Atividade física idosos
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
 

Destaque

Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusLUNATH
 
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Aula Hiperdia   06.05.2009 IAula Hiperdia   06.05.2009 I
Aula Hiperdia 06.05.2009 ISandra Flôr
 
Hipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçaHipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçafelipethoaldo
 
Diabetes e hipertensao
Diabetes e hipertensaoDiabetes e hipertensao
Diabetes e hipertensaoLiryLima
 
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercíciosDiretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercíciosmarcelosilveirazero1
 

Destaque (6)

Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
 
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Aula Hiperdia   06.05.2009 IAula Hiperdia   06.05.2009 I
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
 
Hipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de forçaHipertensão arterial x treinamento de força
Hipertensão arterial x treinamento de força
 
Diabetes e hipertensao
Diabetes e hipertensaoDiabetes e hipertensao
Diabetes e hipertensao
 
HiperDia
HiperDia HiperDia
HiperDia
 
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercíciosDiretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
Diretrizes acsm - Para prescrição de exercícios
 

Semelhante a Hipertensão e o Exercicio Fisico

Exercício resistido e hipertensão arterial sistêmica
Exercício resistido e hipertensão arterial sistêmicaExercício resistido e hipertensão arterial sistêmica
Exercício resistido e hipertensão arterial sistêmicawashington carlos vieira
 
Adaptacoes agudas e cronicas
Adaptacoes agudas e cronicas Adaptacoes agudas e cronicas
Adaptacoes agudas e cronicas Geo Carvalho
 
Workshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph FisiotrainerWorkshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph Fisiotrainersimoneroselin
 
INFLUENCIA DO TREINAMENTO RISITIDO.pdf
INFLUENCIA DO TREINAMENTO RISITIDO.pdfINFLUENCIA DO TREINAMENTO RISITIDO.pdf
INFLUENCIA DO TREINAMENTO RISITIDO.pdfmarcelodecastro20
 
Exercício resistido para o paciente hipertenso indicação ou contraindicação
Exercício resistido para o paciente hipertenso  indicação ou contraindicaçãoExercício resistido para o paciente hipertenso  indicação ou contraindicação
Exercício resistido para o paciente hipertenso indicação ou contraindicaçãoRafael Pereira
 
Workshop phfisiotrainer
Workshop phfisiotrainerWorkshop phfisiotrainer
Workshop phfisiotrainersimoneroselin
 
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício FísicoResposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício FísicoAbinef
 
Hipotensão pós exercício
Hipotensão pós exercícioHipotensão pós exercício
Hipotensão pós exercícioRafael Pereira
 
Reabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e IIIReabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e IIIMonique Migliorini
 
Prescrição de atividade_fisica
Prescrição de atividade_fisicaPrescrição de atividade_fisica
Prescrição de atividade_fisicaIsabel Teixeira
 
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascularAdaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascularRafael Pereira
 

Semelhante a Hipertensão e o Exercicio Fisico (20)

Exercício resistido e hipertensão arterial sistêmica
Exercício resistido e hipertensão arterial sistêmicaExercício resistido e hipertensão arterial sistêmica
Exercício resistido e hipertensão arterial sistêmica
 
hipertensos
hipertensoshipertensos
hipertensos
 
Trabalho interdisciplinar grupo
Trabalho interdisciplinar grupoTrabalho interdisciplinar grupo
Trabalho interdisciplinar grupo
 
Diretriz de r cv
Diretriz de r cvDiretriz de r cv
Diretriz de r cv
 
Adaptacoes agudas e cronicas
Adaptacoes agudas e cronicas Adaptacoes agudas e cronicas
Adaptacoes agudas e cronicas
 
Workshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph FisiotrainerWorkshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph Fisiotrainer
 
Aula 8 exercicio para populacoes especiais
Aula 8    exercicio para populacoes especiaisAula 8    exercicio para populacoes especiais
Aula 8 exercicio para populacoes especiais
 
INFLUENCIA DO TREINAMENTO RISITIDO.pdf
INFLUENCIA DO TREINAMENTO RISITIDO.pdfINFLUENCIA DO TREINAMENTO RISITIDO.pdf
INFLUENCIA DO TREINAMENTO RISITIDO.pdf
 
Ativcardiaca
AtivcardiacaAtivcardiaca
Ativcardiaca
 
Exercício resistido para o paciente hipertenso indicação ou contraindicação
Exercício resistido para o paciente hipertenso  indicação ou contraindicaçãoExercício resistido para o paciente hipertenso  indicação ou contraindicação
Exercício resistido para o paciente hipertenso indicação ou contraindicação
 
Workshop phfisiotrainer
Workshop phfisiotrainerWorkshop phfisiotrainer
Workshop phfisiotrainer
 
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício FísicoResposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
 
Hipotensão pós exercício
Hipotensão pós exercícioHipotensão pós exercício
Hipotensão pós exercício
 
Hipotensão e exercício
Hipotensão e exercícioHipotensão e exercício
Hipotensão e exercício
 
Joana_Prescrição_AF_hipertensos
Joana_Prescrição_AF_hipertensosJoana_Prescrição_AF_hipertensos
Joana_Prescrição_AF_hipertensos
 
Reabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e IIIReabilitação cardíaca fases II e III
Reabilitação cardíaca fases II e III
 
Prescrição de atividade física
Prescrição de atividade físicaPrescrição de atividade física
Prescrição de atividade física
 
Prescrição de atividade_fisica
Prescrição de atividade_fisicaPrescrição de atividade_fisica
Prescrição de atividade_fisica
 
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascularAdaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
 
Atividade física nutrição para o hipertenso
Atividade física    nutrição para o hipertensoAtividade física    nutrição para o hipertenso
Atividade física nutrição para o hipertenso
 

Mais de Melissa Possa

Regeneração hepática (resenha)
Regeneração hepática (resenha)Regeneração hepática (resenha)
Regeneração hepática (resenha)Melissa Possa
 
Pneumonia Nosocomial (apresentação)
Pneumonia Nosocomial (apresentação)Pneumonia Nosocomial (apresentação)
Pneumonia Nosocomial (apresentação)Melissa Possa
 
Reabilitação Cardiovascular em Pacientes Hipertensos
Reabilitação Cardiovascular em Pacientes HipertensosReabilitação Cardiovascular em Pacientes Hipertensos
Reabilitação Cardiovascular em Pacientes HipertensosMelissa Possa
 
Apresentação México
Apresentação MéxicoApresentação México
Apresentação MéxicoMelissa Possa
 

Mais de Melissa Possa (6)

Regeneração hepática (resenha)
Regeneração hepática (resenha)Regeneração hepática (resenha)
Regeneração hepática (resenha)
 
Terapias Fetais
Terapias FetaisTerapias Fetais
Terapias Fetais
 
Pneumonia Nosocomial (apresentação)
Pneumonia Nosocomial (apresentação)Pneumonia Nosocomial (apresentação)
Pneumonia Nosocomial (apresentação)
 
Reabilitação Cardiovascular em Pacientes Hipertensos
Reabilitação Cardiovascular em Pacientes HipertensosReabilitação Cardiovascular em Pacientes Hipertensos
Reabilitação Cardiovascular em Pacientes Hipertensos
 
Apresentação México
Apresentação MéxicoApresentação México
Apresentação México
 
América
AméricaAmérica
América
 

Hipertensão e o Exercicio Fisico

  • 2. REVISTA PORTUGUESA DE CARDIOLOGIA Artigo de Revisão Hipertensão Arterial e Exercício Físico Jorge A. Ruivo, Paula Alcântara Serviço de Medicina 1, Centro Hospitalar de Lisboa Norte, Lisboa, Portugal Recebido a 5 de abril de 2011; aceite a 8 de setembro de 2011 Disponível na Internet a 10 dejaneiro de 2012. http://www.elsevier.pt/pt/revistas/revista-portuguesa-cardiologia- 334/artigo/hipertensao-arterial-e-exercicio-fisico-90094101 2
  • 3. OS TEMPOS MODERNOS Com ascensão da tecnologia, a crescente urbanização e alterações comportamentais profundas em todos os níveis da sociedade é inerente o incentivo ao sedentarismo em todas as idades. Com isso se apresenta um quadro com níveis insuficientes de atividade para níveis de saúde desejáveis e consequentemente prevenir, entre outras coisas, as doenças cardiovasculares. Existem um número considerável de exercícios visando como resultado efeitos salutares promovendo a baixa da pressão sanguínea arterial sendo que os efeitos fisiológicos podem ser classificados em agudos, pós-esforço e crônico. Há, também, vários aspectos fisiopatológicos com relação a resposta tensional ao esforço e seus moduladores em pessoas hipotensas (diagnóstico, prognóstico) além de prescrição e monitorização de exercícios físicos e administração de fármacos. 3
  • 4. O QUE É HIPERTENSÃO? Caracterizada pela elevação da pressão arterial e está relacionada com a quantidade de sangue que o coração bombeia e a resistência das artérias ao fluxo sanguínea. Sendo a hipertensão arterial sistêmica (HAS) uma doença que afeta cerca de 20% da população brasileira e chega a 50% entre os idosos (Fonte: Ministério da Saúde). 4
  • 6. RESPOSTA FISIOLÓGICA Aguda ao Esforço São mudanças que ocorrem no organismo quando um indivíduo é submetido de uma maneira aguda à períodos de exercício. Maneira aguda significa que quando estamos em repouso e nos exercitamos o organismo muda, quando damos uma corrida chegamos ao fim com taquicardia, PA fica mais elevada, temperatura corporal sobe, ocorrem modificações dos parâmetros bioquímicos, esta é uma resposta aguda ao exercício. Pós-esforço São os efeitos pós esforço e aparecem longo nas primeiras 72 horas que se seguem a uma sessão de exercício e incluem uma discreta redução dos níveis tensionais, especialmente nos hipertensos (Hipotensão pós-esforço) com reduções tanto mais amplas quanto mais elevados os valores tensionais de base. 6
  • 7. RESPOSTA HIPERTENSIVA AO ESFORÇO Define-se como resposta hipertensiva ao esforço a elevação de PAS superior a 7-10mmHg (sedentários) por cada incremento de 1 MET (equivalente metabólico), ou a não redução de PAD maior do que 15mmHg (ou mesmo a sua subida). Portanto a partir deste tipo de resposta hemodinâmica ao exercício prediz com eficácia o risco futuro de vir a desenvolver HTA Sustida, demonstrado que há uma maior taxa de eventos cardiovasculares fatais em pessoas com este tipo de resposta. A PA em esforço apresenta uma boa correlação a MAPA, refletindo em parte com as variações circadiana da PA nestes indivíduos. Evidenciando diante de uma elevação tensional intermitente de stress físico nestes casos possam ser suficientes para a indução de uma disfunção do órgão alvo em pessoas suscetíveis e não condicionadas. 7
  • 8. RESPOSTA CRÔNICA AO ESFORÇO, BENEFÍCIOS E RISCOS DA PARTICIPAÇÃO FÍSICA Os efeitos crônicos resultam da adaptação do organismo à exposição frequente e regular às sessões de exercícios. Um indivíduo fisicamente treinado apresenta menores valores tensionais, bradicardia relativa em repouso, hipertrofia muscular, hipertrofia ventricular esquerda fisiológica e aumento do consumo máximo de oxigênio. Regimes de exercício físico aeróbico demonstraram ser eficazes na redução da incidência de HTA, ou na redução da pressão arterial nos doentes já hipertensos, verificando-se diminuições de 5 a 15mmHg na sistólica, com descidas menos pronunciadas no idoso. 8
  • 9. PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO E MONITORIZAÇÃO DA RESPOSTA AO ESFORÇO O regime de treino deve ser bem definido e personalizado, de forma a otimizar o benefício hipotensor do exercício, assegurando a máxima segurança durante a atividade. Frequência: na maioria, preferencialmente em todos os dias da semana Intensidade: moderada, ou seja, 40-70% VO2R, de forma a maximizar os benefícios e minimizar possíveis efeitos adversos de intensidades mais vigorosas Duração: 30 minutos ou mais de atividade contínua ou intermitente (3x10 min) acumulada por dia Tipo: primariamente atividade física de endurance complementada por treino de força muscular. Os gostos e preferência individuais devem ser tidos em consideração, uma vez que maximizam a adesão de longo termo 9
  • 10. Apesar de estar estabelecido que o exercício moderado regular faz baixar a PA da maioria dos indivíduos hipertensos,nem todos os pacientes hipertensos respondem da mesma forma à terapia com exercício32. Diferenças genéticas, na fisiopatologia da hipertensão, na farmacodinâmica e/ou farmacocinética podem justificar a incapacidade de alguns doentes responderem ao treino com redução dos valores tensionais crônicos. MONITORIZAÇÃO DA RESPOSTA TENSIONAL AO ESFORÇO MODULADORES DA RESPOSTA AO ESFORÇO As técnicas de medição ambulatória contínua da PA constituem um avanço na estratificação do risco CV e na individualização da resposta ao exercício complementando com a tradicional prova do esforço. O MAPA se torna útil para a quantificação da dose-resposta do treino, da análise da variação circadiana da PA, comparação com diferentes tipos de treino,.... 10
  • 11. FARMACOTERAPIA NO HIPERTENSO ATIVO A terapêutica farmacológica de primeira linha em indivíduos hipertensos ativos deverá privilegiar autilização de IECA ou ARA2 , eventualmente associados a diuréticos tiazídicos caso haja necessidade. A terapêutica com diurético de ansa ou betabloqueador implica efeitos secundários capazes de prejudicar a performance desportiva, pelo que deverão ser analisados caso a caso. 11
  • 12. CONCLUSÃO Conclui-se que o exercício aeróbico é um adjunto favorável à medicação no tratamento da hipertensão, pois diminui o risco cardiovascular e metabólico, sendo desprovido virtualmente de efeitos secundários. Devendo ser recomendado a todos os pacientes com hipertensão, que estejam disponíveis e capazes de o experimentar. 12
  • 13. CURIOSIDADES Quanto ao sal light, no qual parte do cloreto de sódio é substituída por cloreto de potássio, existe vantagem na sua utilização? O sal light, realmente, tem uma proporção bem menor de sódio em sua composição e geralmente apresenta metade da quantidade de sódio presente na versão tradicional sendo importante que o usuário não deva utilizar o dobro da quantidade do sal light em relação ao comum, pois estará excedendo o consumo de sódio da mesma forma. Se o indivíduo com hipertensão utilizá-lo com cautela pode ser uma boa estratégia de diminuição de sódio na dieta. Atenção: O seu uso pode ser contra indicado para pacientes com insuficiência renal por possuir elevada quantidade de potássio. 13
  • 15. SISTEMA CIRCULATÓRIO E HEMATOPOIÉTICO PROFESSOR: THIAGO DIPP Grupo: Caroline, Max, Melissa, Naura, Pablo e Sandra. Turma: 51LA 15