Bethesda presentacion

1.311 visualizações

Publicada em

recomendaciones para pacientes con valvulopatias (en portugues)

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.311
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bethesda presentacion

  1. 1. Conferência Bethesda:Recomendações para atletas com doença valvular. Dr Eduard Hernández. Post. Cardiologia UFF Diapositiva 1
  2. 2. Recomendações para atletas com doençavalvular. Task Force 3: Valvular Heart DiseaseRobert O. Bonow, MD, FACC, Chair, Melvin D. Cheitlin, MD, FACC, Michael H. Crawford, MD, FACC, Pamela S. Douglas, MD, FACC Diapositiva 2
  3. 3. Recomendações para atletas com doençavalvular. .• Relevância clínica;• 1-estenose mitral.• 2-regurgitacão mitral.• 3-estenosis aortica, aorta bivalba.• 4-regurgitação tricúspide e aortica.• 5-estenosis tricúspide.• 6-doença multivalvular.• 7-post. Reparação valvular. Diapositiva 3
  4. 4. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Fatores a ter em conta;• Interesse secundário do atleta.• Escassez de evidência na área.• Mudanças fisiológicas na anatomia do coração do atleta de alta performance. Diapositiva 4
  5. 5. Recomendações para atletas com doença valvular. • Medidas DDVI • Leve ate 60mm. • De 60 a 65 moderado. • >65 mm severo.Pelliccia A, Culasso F, Di Paolo FM, Maron BJ. Physiologic leftventricular cavity dilatation in elite athletes. Ann Intern Med 1999;130:23–31. Diapositiva 5
  6. 6. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Alta incidência de anormalidades valvulares clinicamente irrelevantes.• 24-96% tem R tricúspide.• 10-40% tem R mitral.• 18-92% tem R pulmonar.• 0-33% tem R aórtica.• 90% dos atletas podem ter jet de regurgitação.• 20% podem ter regurgitação triple valvar. Kostucki W, Vandenbossche JL, Friart A, Englert M. Pulsed Doppler regurgitant flow patterns of normal valves. Am J Cardiol 1986;58:309–13. Diapositiva 6
  7. 7. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Caso clínico 1.• Homem .• 24 anos, branco.• Exame de rotina para ingresso na escola de futebol Botafogo.• Nega sintomas.• Sem histórico familiar relevante. Diapositiva 7
  8. 8. Caso clínico 1.• Exame físico:• Fc 60 x min, ta,110-70 fr 18.• Pulso parvus.• Sopro sistólico crescendo-decrescendo , g II de VI, no segundo espaço intercostal , borde paraesternal direito• 4 bulha.• A2 com intensidade diminuída.• Pulmãos claros. Diapositiva 8
  9. 9. Caso clínico 1.• exames:• Rx de tórax: Diapositiva 9
  10. 10. Caso clínico 1.• Eletrocardiograma: Diapositiva 10
  11. 11. Caso clínico 1.• eco cardiograma:• 1-área valvular aórtica de 1,8 cm2• 2-gradiente de 20 mm de hg .• 3-velocidade do jet 3 m x seg.• 4-diametro diastólico final de 60 mm.• 5-valvula aórtica bicúspide.• 6-diâmetro de cone aórtico de 45 mm.• 7-FEV 65%.• 8-pared ventricular lateral izq , 10mm. Diapositiva 11
  12. 12. • Estenose aortica-valvula bicúspide. Diapositiva 12
  13. 13. Recomendações para atletas com doençavalvular.• GRADING THE DEGREE OF AORTIC STENOSIS• • Mild (area 1.5 cm2, mean gradient less than 25 mm Hg,• or jet velocity less than 3.0 m per second)• • Moderate (area 1.0 to 1.5 cm2, mean gradient 25 to 40• mm Hg, or jet velocity 3.0 to 4.0 m per second)• • Severe (area less than 1.0 cm2, mean gradient greater• than 40 mm Hg, or jet velocity greater than 4.0 m per• second). 2008 Focused Update Incorporated Into the ACC/AHA 2006 Guidelines Diapositiva 13
  14. 14. Caso clínico 1. • Teste de esforço: • 22mets. • 14 min, • sem evidências de isquemia, arritmias, • TAS máxima 200 mm hg, fc máxima 180 x min. • Sem angina nem outros sintomas. • Diapositiva 14
  15. 15. Recomendações para atletas com doençavalvular. Diapositiva 15
  16. 16. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Recomendaçãos na estenose aórtica:• 1-atletas com EA leve podem participar em todos os esportes de competição, mas deve ter seguimento anual seriado da severidade.• 2-atletas com estenose aórtica moderada podem praticar esportes competitivos de baixa intensidade (classe IA). um grupo de atletas pode participar ate moderado grado de esportes dinâmicos e estáticos se seu TE demonstra capacidade satisfatória . Se tem arritmias V de baixo grado ou SV pode praticar esportes de baixa intensidade (cl IA).• 3-atletas sintomáticos o com EA severa devem evitar qualquer atividade competitiva. Diapositiva 16
  17. 17. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Recomendações na válvula aórtica bicúspide:• 1-atletas com válvula aórtica bicúspide sem dilatação de aorta (menos de 40mm o equivalente em ASC em crianças) e não significante EA ou RA podem participar em todos os esportes de competição.• 2-atletas com válvula aórtica bicúspide com dilatação de cone aórtico entre 40 e 45 mm, podem participar em esportes estáticos e dinâmicos de baixa e moderada intensidade (classes IA, IB, IIA, IIB) , mas devem evitar aqueles que produzem colisão o trauma corporal.• 3-aqueles esportistas com dilatação de cone aórtico major de 45 mm devem se limitar só a esportes de baixa intensidade. Diapositiva 17
  18. 18. Pode !!!! Diapositiva 18
  19. 19. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Caso 2• mulher branca.• 42 anos.• Pratica voleibol.• Ela reclama fadiga fácil, e diminuição de tolerância de exercício os últimos 3 meses, além de palpitaçãos ocasionais e ansiedade.• Antecedentes de hipertensão, em tratamento com losartana 50 mg x2, irmão IAM aos 45 anos. Diapositiva 19
  20. 20. Caso clínico 2.• Exame físico :• Ta:130-70, fc:90, fr;18.• Veias jugulares congestivas, coração arrítmico, com desdobramento de B2, sopro holosistolico, clique mesosistolico, GII de VI em LAA, 4EII.• Pulmãos com estertores basais.• Abdômen sem ascite, fígado discretamente aumentado de tamanho, extremidades sem edema. Diapositiva 20
  21. 21. Caso clínico 2.• Exames:• eletrocardiograma: Diapositiva 21
  22. 22. Caso clínico 2.• Rx de tórax: Diapositiva 22
  23. 23. Caso clínico 2.• Eco cardiograma:• FEV 45%• DDVI 64mm.• PSAP 35mm hg.• Pro lapso mitral + regurgitação mitral severos.• Diâmetro ap de átrio esquerdo 4 cm (n <2 cmx m2)• Volumem átrio esquerdo 45 mm (n <36ml xm2) Diapositiva 23
  24. 24. Caso clínico 2. Diapositiva 24
  25. 25. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Critérios de severidade:• Magnitude e extensão do jet de regurgitação.• Grosso de valvas >0,5 mm.• FEV <60%.• DDVE >60mm.• HTP.• Volumem e diâmetro auricular esquerdo aumentados.• Estado do suporte valvular.• Fluxo nas veias pulmonares Zoghbi WA, Enriquez-Sarano M, Foster E, et al. Recommendations for evaluation of the severity of native valvular regurgitation with two-dimensional and Doppler echocardiography. J Am Soc Echocardiogr 2003;16:777– 802. Diapositiva 25
  26. 26. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Recomendações:• 1-atletas com RM leve ou moderada com ritmo sinusal, com VE normal, sem hipertensão pulmonar podem participar em qualquer esporte de competição.• 2-atletas com RM leve ou moderada com rítmo sinusal, e função de VE normal, mas com aumento de DDVE leve (<60mm) podem praticar esportes estáticos de baixa e moderada intensidade e dinâmicos de baixa, moderada e alta intensidade (C IA, IB, IIA, IIB, e IIC)• 3-atletas com RM severa, aumento de DDVE major que 60mm, qualquer alteração de FEV, ou HTP não devem participar em nenhum tipo de competição. Diapositiva 26
  27. 27. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Recomendações:• 4-pacientes com fibrilação atrial em anticoagulação oral não devem participar em esportes de contato corporal.• Deve se anticoagular? Diapositiva 27
  28. 28. Caso clínico 2. Diapositiva 28
  29. 29. Caso clínico 2.• Foi intervenida com cirurgia e implante valvular protesico. Diapositiva 29
  30. 30. Caso clínico 2.• Control:• Sem sintomas.• ECO com FEV 50%• Regurgitacão mitral leve.• PSAP 30mm.• INR 2,3.• Prova de esforço não satisfatória Posso??? Diapositiva 30
  31. 31. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Fatores a ter em conta em correção de valvulopatia:• 1-Mortalidade ao longo prazo nestes pacientes e maior que na população normal.• 2-O gradiente transvalvular de diferente intensidade pode estar presente na maioria destes pacientes.• 3-As variáveis hemodinâmicas podem ser normais em repouso, maioria destes pacientes.• 4-Finalmente, precisam especial consideração aqueles com anticoagulação. Rahimtoola SH. Choice of prosthetic heart valve for adult patients. J Am Coll Cardiol 2003;41:893–904. Diapositiva 31
  32. 32. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Recomendações par pacientes intervindos com implante valvular:• 1-pacientes com válvula mitral bioprotesica sem anticoagulação com função valvular e ventricular esquerda normal podem participar em esportes de intensidade baixa e moderada dinâmicos e estáticos (IA,IB)• 2-atletas com válvula aórtica protética ou bioprotesica com boa função valvular e de ventrículo esquerdo podem praticar esportes de intensidade baixa e moderada de tipo dinâmico e estático (IA, IB, IIA)• Deve –se mesurar sua tolerância se tiver que praticar esportes maiores de baixa intensidade com TE. Diapositiva 32
  33. 33. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Recomendações para pacientes intervindos com implante valvular:• 3-pacientes com válvula bioprotesica ou mecânica em tratamento com anticoagulantes não devem praticar esportes com risco de contacto corporal.• Diapositiva 33
  34. 34. Caso clínico 2.• Não pode!!!!!!! Diapositiva 34
  35. 35. Recomendações para atletas com doençavalvular• Outras lesões regurgitantes:• Regurgitação aórtica:• 1-atletas com leve ou moderada RA com leve incremento em DDVE (<60mm) pode participar em qualquer esporte competitivo. Se tem incremento moderado de DDVE (60-65mm) pode participar em esportes estáticos de intensidade baixa e moderada, e em alta intensidade nos dinâmicos (C IA, IB, IC, IIA, IIB e IIC), se tem tolerância a exercício e não apresenta arritmias V ou sintomas no TE modificado. Aqueles com arritmias em repouso ou na prova só podem participar em esportes de baixa intensidade (Classe IA). Diapositiva 35
  36. 36. Recomendações para atletas com doençavalvular• Regurgitação aórtica:• 2-atletas com RA severa, e DDVE major de 65 mm, ou com RA leve ou moderada, mas com sintomas, não devem participar em nenhum esporte de competição.• 3-atletas com RA e dilatação de aorta ascendente (45mm) devem só praticar esportes de baixa intensidade (classe IA) Diapositiva 36
  37. 37. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Estenose mitral :• Incremento nas pressãos da circulação pulmonar.• Forte relação com gasto e freqüência cardíacos.• Efeito de longo prazo dos incrementos da pressão no leito pulmonar e com desenvolvimento de FA ainda desconhecidos. Diapositiva 37
  38. 38. Recomendações para atletas com doençavalvular.• Recomendações para atletas com estenose mitral:• 1-atletas com EM leve com ritmo sinusal, com PSAP em exercício < 50mm de Hg, podem participar em todos os esportes competitivos.• 2-Atletas com EM moderada com PSAP <50 mm de Hg podem participar em esportes competitivos dinâmicos e estáticos de baixa e moderada intensidade (classe I, IB, IIA, e IIB).• 3-Atletas com EM severa ou com PSAP >50 mm de Hg não devem participar em nenhum tipo de esportes. Diapositiva 38
  39. 39. Recomendações para atletas com doençavalvular.• severidad:Management of Patients With Valvular Heart Disease: A Report of the2008 Focused Update Incorporated Into the ACC/AHA 2006 Guidelines . Diapositiva 39
  40. 40. Recomendaçãos para atletas com doençavalvular.• Reparação valvular mitral ou valvulotomia percutánea com balao.• 1-atletas intervindos com PMBV ou comisurotomia cirúrgica terão recomendações dependendo de sua regurgitaçao mitral ou estenose residual. Sua capacidade debe ser evaluada com prova de esforco . se tiver disfunção de VE deve se contra indicar qualquer atividade competitiva.• 2- pacientes submetidos a reparação valvar por RM devem evitar esportes de contato físico. Podem participar de esportes de leve intensidade e em alguns casos até moderada intensidade. Diapositiva 40
  41. 41. Outras valvulopatias:• Regurgitação tricúspidea:• 1-atletas com RT , independente da severidade com função de VD normal, e com pressão da átrio direito menor de 20mm de Hg, ou sem HP , podem praticar qualquer atividade competitiva.• Estenose tricúspidea:• Avaliar concomitância com EM, se está ilhada deve-se praticar teste de esforço.• Se não tem sintomas, pode praticar qualquer esporte. Diapositiva 41
  42. 42. Outras valvulopatias:• Doença multivalvular:• Esta condição tem efeitos fisiológicos agregados, então, não devem praticar nenhum tipo de esportes. Diapositiva 42
  43. 43. Diapositiva 43

×