SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
AUTARQUIA EDUCACIONAL DO BELO JARDIM
FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DO BELO JARDIM
CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM
“SEMANA DE ENFERMAGEM NA UP FITNESS”
CONCEITO
 Segundo o Ministério da Saúde (2006), o diabetes é um
grupo de doenças metabólicas caracterizadas por
hiperglicemia e associadas a complicações, disfunções e
insuficiência de vários órgãos (olhos, rins, nervos,
cérebro, coração e vasos sangüíneos).
TIPOS
 DIABETES TIPO 1:
 Indica destruição da célula beta que eventualmente leva ao
estágio de deficiência absoluta de insulina, quando a
administração de insulina é necessária para prevenir
cetoacidose, coma e morte;
 Ocorre de forma rapidamente progressiva, principalmente,
em crianças e adolescentes (pico de incidência entre 10 e 14
anos), ou de forma lentamente progressiva, geralmente em
adultos.
TIPOS
 DIABETES TIPO 2:
 Designa uma deficiência relativa de insulina;
 A administração de insulina nesses casos, quando efetuada,
não visa evitar cetoacidose, coma ou morte, mas sim
alcançar controle do quadro hiperglicêmico.
TIPOS
 DIABETES GESTACIONAL:
 É a hiperglicemia diagnosticada na gravidez, de intensidade
variada, geralmente se resolvendo no período pós-parto, mas
retornando anos depois em grande parte dos casos.
CAUSAS
 Defeitos de secreção e/ou ação da insulina envolvendo
processos patogênicos específicos, por exemplo:
 Destruição das células beta do pâncreas;
 Resistência à ação da insulina;
 Distúrbios da secreção da insulina;
 entre outros.
FATORES DE RISCO
 Idade acima de 45 anos;
 Obesidade (>120% peso ideal ou índice de massa corporal
acima de 25kg/m²);
 História familiar de diabetes em parentes de 1° grau;
 Diabetes gestacional ou macrossomia prévia;
 Hipertensão arterial sistêmica;
 HDL-colesterol abaixo de 35mg/dl e/ou triglicerídeos acima de
250mg/dl;
 Alterações prévias da regulação da glicose;
 Indivíduos membros de populações de risco (afro-americanos,
hispano-americanos e outras).
EPIDEMIOLOGIA
 O diabetes é comum e de incidência crescente;
 Estima-se que, em 1995, atingia 4,0% da população adulta
mundial e que, em 2025, alcançará a cifra de 5,4%;
 A maior parte desse aumento se dará em países em
desenvolvimento, acentuando-se, nesses países, o padrão
atual de concentração de casos na faixa etária de 45-64
anos.
EPIDEMIOLOGIA
 O diabetes apresenta alta morbi-mortalidade, com perda
importante na qualidade de vida;
 É uma das principais causas de mortalidade, insuficiência
renal, amputação de membros inferiores, cegueira e
doença cardiovascular.
Ministério da Saúde, 2006
SINAIS E SINTOMAS
 Os sintomas clássicos de diabetes são:
 Poliúria;
 Polidipsia;
 Polifagia
 Perda involuntária de peso;
 Fadiga;
 Fraqueza;
 Letargia;
 Prurido cutâneo e vulvar;
 Balanopostite;
 e infecções de repetição.
SINAIS E SINTOMAS
 ATENÇÃO!
 O diabetes é assintomático em proporção significativa dos
casos, a suspeita clínica ocorre então a partir de fatores de
risco para o diabetes.
COMPLICAÇÕES
 Descompensação hiperglicêcima aguda;
 Cetoacidose (hálito e odor urêmico);
 Hipoglicemia;
 Doenças cardiovasculares;
 Retinopatia;
 Nefropatia;
 Neuropatia;
 Pé diabético;
DIAGNÓSTICO
 EXAMES:
 Glicemia de jejum: nível de glicose sangüínea após um
jejum de 8 a 12 horas;
 Teste oral de tolerância à glicose (TTG-75g): o paciente
recebe uma carga de 75 g de glicose, em jejum, e a glicemia
é medida antes e 120 minutos após a ingestão;
 Glicemia casual: tomada sem padronização do tempo desde
a última refeição.
EXAMES
 Glicemia de Jejum: inferior a 110 mg/dL;
 Pré-diabético: 110 mg/dL e 125 mg/dL;
 Diaético: igual ou superior a 126 mg/dL;
 Hipoglicemia: igual ou inferior a 70 mg/dL.
DIABETES TEM CURA?
TRATAMENTO E PREVENÇÃO
 Mudanças de estilo de vida;
 Redução de peso (5-10% do peso);
 Manutenção do peso perdido;
 Aumento da ingestão de fibras;
 Restrição energética moderada;
 Restrição de gorduras;
 Aumento de atividade física regular;
 Intervenções farmacológicas (Metformina e
Insulinoterapia).
REFERÊNCIAS
BIBLIOGRÁFICAS
 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à
Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes
Mellitus / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à
Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília :
Ministério da Saúde, 2006. 64 p. il.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioAroldo Gavioli
 
Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Professor Robson
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCCíntia Costa
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergênciasjaddy xavier
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusLUNATH
 
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptxSLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptxDiegoSousa419733
 
Hipertensão arterial powerpoint
Hipertensão arterial   powerpoint Hipertensão arterial   powerpoint
Hipertensão arterial powerpoint AnaRitaPinheiro
 
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃODIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃOAndréa Dantas
 
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusFisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusEduarda P.
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016Maycon Silva
 
Controle da diabetes
Controle da diabetesControle da diabetes
Controle da diabetesDessa Reis
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 

Mais procurados (20)

Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes MellitusHipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Diabetes gestacional
Diabetes gestacionalDiabetes gestacional
Diabetes gestacional
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitusHipertensão arterial e diabetes mellitus
Hipertensão arterial e diabetes mellitus
 
Apresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebralApresentação acidente vascular cerebral
Apresentação acidente vascular cerebral
 
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptxSLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
SLIDES - DIABETES CAPACITAÇÃO.pptx
 
Hipertensão arterial powerpoint
Hipertensão arterial   powerpoint Hipertensão arterial   powerpoint
Hipertensão arterial powerpoint
 
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃODIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
 
Diabetes no Idoso
Diabetes no IdosoDiabetes no Idoso
Diabetes no Idoso
 
Fisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitusFisiologia diabetes mellitus
Fisiologia diabetes mellitus
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 
Apresentação anemia
Apresentação anemiaApresentação anemia
Apresentação anemia
 
Controle da diabetes
Controle da diabetesControle da diabetes
Controle da diabetes
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 

Destaque

Doenças Relacionadas aos Glicídios
Doenças Relacionadas aos GlicídiosDoenças Relacionadas aos Glicídios
Doenças Relacionadas aos GlicídiosShayenne J. Potter
 
Reanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratóriaReanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratóriaJoziane Brunelli
 
Diabetes Mellitus tipo II
Diabetes Mellitus tipo IIDiabetes Mellitus tipo II
Diabetes Mellitus tipo IILarah Oliveira
 
Aula 3 história natural das doenças
Aula 3 história natural das doençasAula 3 história natural das doenças
Aula 3 história natural das doençasJesiele Spindler
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Antibióticos Beta-lactâmicos; Penicilinas
Antibióticos Beta-lactâmicos; PenicilinasAntibióticos Beta-lactâmicos; Penicilinas
Antibióticos Beta-lactâmicos; PenicilinasThaline Eveli Martins
 
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacionalDiabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacionalIsabellagr
 
Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaMarco Costa
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaPaulo Firmino
 
Diabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãODiabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãOJose Eduardo
 
Power point diabetes
Power point diabetesPower point diabetes
Power point diabeteslulutor90
 

Destaque (17)

Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Doenças Relacionadas aos Glicídios
Doenças Relacionadas aos GlicídiosDoenças Relacionadas aos Glicídios
Doenças Relacionadas aos Glicídios
 
Apresentação bactérias
Apresentação bactériasApresentação bactérias
Apresentação bactérias
 
Reanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratóriaReanimação cardiorrespiratória
Reanimação cardiorrespiratória
 
Diabetes Mellitus tipo II
Diabetes Mellitus tipo IIDiabetes Mellitus tipo II
Diabetes Mellitus tipo II
 
Aula 3 história natural das doenças
Aula 3 história natural das doençasAula 3 história natural das doenças
Aula 3 história natural das doenças
 
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AISAEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
AEDES: Zika, Dengue e Chicungunha - Medicina UFRJ 3o. período, Disciplina AIS
 
Antibióticos Beta-lactâmicos; Penicilinas
Antibióticos Beta-lactâmicos; PenicilinasAntibióticos Beta-lactâmicos; Penicilinas
Antibióticos Beta-lactâmicos; Penicilinas
 
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacionalDiabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
Diabetes tipo 1 tipo 2 e gestacional
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Dengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zikaDengue, chikungunya e zika
Dengue, chikungunya e zika
 
Apresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zikaApresentação dengue chikungunya e zika
Apresentação dengue chikungunya e zika
 
Slide bacterias
Slide bacteriasSlide bacterias
Slide bacterias
 
Diabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãODiabetes ApresentaçãO
Diabetes ApresentaçãO
 
Power point diabetes
Power point diabetesPower point diabetes
Power point diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Diabetes Mellitus
Diabetes MellitusDiabetes Mellitus
Diabetes Mellitus
 

Semelhante a Diabetes mellitus

Semelhante a Diabetes mellitus (20)

HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdfHAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
 
Diabetes!
Diabetes!Diabetes!
Diabetes!
 
Pré diabetes
Pré diabetesPré diabetes
Pré diabetes
 
Pré diabetes
Pré diabetesPré diabetes
Pré diabetes
 
Pré diabetes
Pré diabetesPré diabetes
Pré diabetes
 
Dia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da DiabetesDia Mundial da Diabetes
Dia Mundial da Diabetes
 
Paciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemiaPaciente diabético e hipoglicemia
Paciente diabético e hipoglicemia
 
Curso 50 ic
Curso 50 icCurso 50 ic
Curso 50 ic
 
Protocolo de diabetes mellitus
Protocolo de diabetes mellitusProtocolo de diabetes mellitus
Protocolo de diabetes mellitus
 
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitusPlano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
 
Diabetes mellitus ii[1]
Diabetes mellitus ii[1]Diabetes mellitus ii[1]
Diabetes mellitus ii[1]
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013Aula dm farmaco 2013
Aula dm farmaco 2013
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
DIABETES.pptx
DIABETES.pptxDIABETES.pptx
DIABETES.pptx
 
Seminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitusSeminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitus
 
Aula 2 - B
Aula 2 - BAula 2 - B
Aula 2 - B
 
Controle dos diabetes
Controle dos diabetesControle dos diabetes
Controle dos diabetes
 
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUSSEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
SEMIOLOGIA DIABETES MELLITUS
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 

Mais de Fernanda Marinho

PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMPESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMFernanda Marinho
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA). Fernanda Marinho
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIAFernanda Marinho
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDASINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDAFernanda Marinho
 
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PELEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PEFernanda Marinho
 
Administração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoAdministração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoFernanda Marinho
 
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...Fernanda Marinho
 
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Fernanda Marinho
 
Apresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalApresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalFernanda Marinho
 
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Fernanda Marinho
 

Mais de Fernanda Marinho (20)

PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMPESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
 
DST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERESDST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERES
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDASINDROME CORONARIANA AGUDA
SINDROME CORONARIANA AGUDA
 
Transtorno de ansiedade
Transtorno de ansiedadeTranstorno de ansiedade
Transtorno de ansiedade
 
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PELEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
 
Administração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoAdministração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisão
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Sinasc
SinascSinasc
Sinasc
 
Transplantes
Transplantes Transplantes
Transplantes
 
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
 
Cobertura vacinal
Cobertura vacinalCobertura vacinal
Cobertura vacinal
 
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Dst/aids
 
Apresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalApresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetal
 
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
 
HIPERÊMESE GRAVÍDICA
  HIPERÊMESE GRAVÍDICA  HIPERÊMESE GRAVÍDICA
HIPERÊMESE GRAVÍDICA
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 

Último

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (9)

Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Diabetes mellitus

  • 1. AUTARQUIA EDUCACIONAL DO BELO JARDIM FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DO BELO JARDIM CURSO DE BACHARELADO EM ENFERMAGEM “SEMANA DE ENFERMAGEM NA UP FITNESS”
  • 2. CONCEITO  Segundo o Ministério da Saúde (2006), o diabetes é um grupo de doenças metabólicas caracterizadas por hiperglicemia e associadas a complicações, disfunções e insuficiência de vários órgãos (olhos, rins, nervos, cérebro, coração e vasos sangüíneos).
  • 3. TIPOS  DIABETES TIPO 1:  Indica destruição da célula beta que eventualmente leva ao estágio de deficiência absoluta de insulina, quando a administração de insulina é necessária para prevenir cetoacidose, coma e morte;  Ocorre de forma rapidamente progressiva, principalmente, em crianças e adolescentes (pico de incidência entre 10 e 14 anos), ou de forma lentamente progressiva, geralmente em adultos.
  • 4. TIPOS  DIABETES TIPO 2:  Designa uma deficiência relativa de insulina;  A administração de insulina nesses casos, quando efetuada, não visa evitar cetoacidose, coma ou morte, mas sim alcançar controle do quadro hiperglicêmico.
  • 5. TIPOS  DIABETES GESTACIONAL:  É a hiperglicemia diagnosticada na gravidez, de intensidade variada, geralmente se resolvendo no período pós-parto, mas retornando anos depois em grande parte dos casos.
  • 6. CAUSAS  Defeitos de secreção e/ou ação da insulina envolvendo processos patogênicos específicos, por exemplo:  Destruição das células beta do pâncreas;  Resistência à ação da insulina;  Distúrbios da secreção da insulina;  entre outros.
  • 7. FATORES DE RISCO  Idade acima de 45 anos;  Obesidade (>120% peso ideal ou índice de massa corporal acima de 25kg/m²);  História familiar de diabetes em parentes de 1° grau;  Diabetes gestacional ou macrossomia prévia;  Hipertensão arterial sistêmica;  HDL-colesterol abaixo de 35mg/dl e/ou triglicerídeos acima de 250mg/dl;  Alterações prévias da regulação da glicose;  Indivíduos membros de populações de risco (afro-americanos, hispano-americanos e outras).
  • 8. EPIDEMIOLOGIA  O diabetes é comum e de incidência crescente;  Estima-se que, em 1995, atingia 4,0% da população adulta mundial e que, em 2025, alcançará a cifra de 5,4%;  A maior parte desse aumento se dará em países em desenvolvimento, acentuando-se, nesses países, o padrão atual de concentração de casos na faixa etária de 45-64 anos.
  • 9. EPIDEMIOLOGIA  O diabetes apresenta alta morbi-mortalidade, com perda importante na qualidade de vida;  É uma das principais causas de mortalidade, insuficiência renal, amputação de membros inferiores, cegueira e doença cardiovascular. Ministério da Saúde, 2006
  • 10. SINAIS E SINTOMAS  Os sintomas clássicos de diabetes são:  Poliúria;  Polidipsia;  Polifagia  Perda involuntária de peso;  Fadiga;  Fraqueza;  Letargia;  Prurido cutâneo e vulvar;  Balanopostite;  e infecções de repetição.
  • 11. SINAIS E SINTOMAS  ATENÇÃO!  O diabetes é assintomático em proporção significativa dos casos, a suspeita clínica ocorre então a partir de fatores de risco para o diabetes.
  • 12. COMPLICAÇÕES  Descompensação hiperglicêcima aguda;  Cetoacidose (hálito e odor urêmico);  Hipoglicemia;  Doenças cardiovasculares;  Retinopatia;  Nefropatia;  Neuropatia;  Pé diabético;
  • 13. DIAGNÓSTICO  EXAMES:  Glicemia de jejum: nível de glicose sangüínea após um jejum de 8 a 12 horas;  Teste oral de tolerância à glicose (TTG-75g): o paciente recebe uma carga de 75 g de glicose, em jejum, e a glicemia é medida antes e 120 minutos após a ingestão;  Glicemia casual: tomada sem padronização do tempo desde a última refeição.
  • 14. EXAMES  Glicemia de Jejum: inferior a 110 mg/dL;  Pré-diabético: 110 mg/dL e 125 mg/dL;  Diaético: igual ou superior a 126 mg/dL;  Hipoglicemia: igual ou inferior a 70 mg/dL.
  • 16. TRATAMENTO E PREVENÇÃO  Mudanças de estilo de vida;  Redução de peso (5-10% do peso);  Manutenção do peso perdido;  Aumento da ingestão de fibras;  Restrição energética moderada;  Restrição de gorduras;  Aumento de atividade física regular;  Intervenções farmacológicas (Metformina e Insulinoterapia).
  • 17. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diabetes Mellitus / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2006. 64 p. il.