Aula 3 arritmias

1.062 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.062
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
79
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 3 arritmias

  1. 1. Arritmias Cardíacas e Intervenções
  2. 2. Definição  Uma alteração do ritmo normal do coração, produzindo frequências cardíacas rápidas, lentas e/ou irregulares. Também é conhecida como disritmia ou ritmo cardíaco irregular  300.000 morte/ano no Brasil
  3. 3. Causas  Miocardiopatias – IAM, ICC  Coronariopatias – Aterosclerose, trombose, isquemia,  Doenças infecciosas – Doença de Chagas  Distúrbios eletrolíticos  Hipertensão  Distúrbios ácido-base – acidose respiratória ou metabólica  Uso de Fármacos e drogas – digoxina, cocaína, cafeína, anfetaminas, broncodilatadores  Hipertireoidismo  Problemas emocionais
  4. 4. Condução nervosa e ritmo cardíaco
  5. 5. DIAGNÓSTICO CLÍNICO  Geralmente assintomático  Palpitações  Quando acentuada pode gerar tonturas  Taquicardia ou bradicardia  A FC aumenta com o exercício físico  Fraqueza  Dor toráxica
  6. 6. Origens das arritmias  1 – Defeitos na formação do impulso  2 – Defeitos na condução do impulso
  7. 7. Defeitos na formação do impulso  O nó sinusal (AS) desempenha o papel essencial na formação do impulso, por isso marcapasso.  Mecanismos iniciais:  1 – Automaticidade Alterada  2 – Atividade Deflagrada
  8. 8. Automaticidade alterada  Pode ser por processo Fisiológicos: Ação adrenérgica ou colinérgica Patológicos: Quando células marcapasso latentes assumem o papel do NSA – BATIMENTO DE ESCAPE Quando cels. Marcapasso latentes desenvolvem uma frequência de disparos mais rápida que o NSA – BATIMENTOS ECTÓPICOS
  9. 9. Automaticidade alterada  Principais causas:  Isquemia  Distúrbios eletrolíticos  Lesão tecidual - IAM
  10. 10. Atividade Deflagrada  Uma Pós-despolarização  Após uma despolarização normal ocorre outra em sequencia  Ocorre uma entrada de sódio (Na+) na fase 3  Ou seja, uma nova despolarização dentro de um mesmo impulso
  11. 11. Defeitos na condução do impulso  REENTRADA  BLOQUEIO NA CONDUÇÃO
  12. 12. Defeitos na condução do impulso  Reentrada
  13. 13. Defeitos na condução do impulso  Bloqueio na condução:  Ocorre quando o impulso não consegue se propagar devido a presença de um tecido inexcitável.  Geralmente apresenta bradicardia
  14. 14. INTERVENÇÕES e ASSISTÊNCIA.......
  15. 15. Intervenções  Minimizar a ansiedade  Realizar ECG  Avaliar e anotar a FC, PA e pulso  Monitorização e gerenciamento da arritmia através de medicamentos..........
  16. 16. Gerenciamento farmacológico das arritmias  Medicamentos antiarrítmicos  Classe I Lidocaína Propafenona Procainamida Flecainida
  17. 17. Gerenciamento farmacológico das arritmias  Classe II Betabloqueadores Propranolol Atenolol Metropolol
  18. 18. Gerenciamento farmacológico das arritmias  Classe III Amiodarona Sotalol
  19. 19. Gerenciamento farmacológico das arritmias  Classe IV Verapamil Diltiazem
  20. 20. Cirúrgicas  Ablação por cateter  Implante de marcapasso
  21. 21. PARADA CARDÍACA
  22. 22. Tratamento  Adrenalina  Atropina  Amiodarona

×