SlideShare uma empresa Scribd logo
NORMAS TÉCNICAS SOBRE O

FUNCIONAMENTO DE

APARELHOS E

EQUIPAMENTOS
Como funciona os ventiladores

pulmonares?
Os ventiladores pulmonares são equipamentos importantes para a

manutenção da vida, desde o suporte respiratório na recuperação pós-

anestesia até o uso em pacientes com desconforto ou insuficiência

respiratória.
Há diversos modelos de ventiladores

mecânicos ....
→ ventiladores pulmonares de transporte
(ventilador pulmonar para transporte/emergência)
→ ventiladores de unidade de terapia intensiva – UTI
(ventilador pulmonar para cuidados críticos)
VENTILADORES PULMONARES DE
VENTILADORES PULMONARES DE



TRANSPORTE
TRANSPORTE
Para deslocamento em curtos
trajetos ou por curtos períodos
Devem ser práticos e de fácil
manuseio para o transporte
São compactos e leves
Permite a sua instalação em
ambulâncias e aeronaves
As configurações e os ajustes
devem ser simples
VENTILADORES DE UNIDADE DE TERAPIA
VENTILADORES DE UNIDADE DE TERAPIA



INTENSIVA – UTI
INTENSIVA – UTI
Uso em pacientes com doenças
cardiorrespiratórias
Uso contínuo para a sua estabilização,
monitoramento e recuperação.
Tecnologia mais robusta/avançada
Permitem acompanhar a evolução do
paciente, ao longo do suporte ventilatório.
permitem que o gás exalado pelo

paciente saia para a atmosfera ou para o

circuito fechado
COMPONENTES BÁSICOS DE UM
COMPONENTES BÁSICOS DE UM



VENTILADOR
VENTILADOR
Válvula de exalação ou expiratória:
quando o ar e entregue ao paciente, a

pressão positiva precisa forçar o pulmão

a receber o ar
tem as funções de fechar o circuito de

saída na inspiração e abrir o circuito de

saída na expiração.
NUNCA devem ser desabilitados
COMPONENTES BÁSICOS DE UM
COMPONENTES BÁSICOS DE UM



VENTILADOR
VENTILADOR
Alarmes
Servem para monitorar problemas que podem

ocorrer durante a operação do equipamento
apnéia;
pressão muito alta ou muito baixa;
frequência do ciclo respiratório muito alta ou muito

baixa;
falta dos gases utilizados; desconexão do circuito

ventilatório;
bloqueio no circuito respiratório;
perda de energia elétrica ou bateria muito fraca
Fluxo: ajusta o valor do pico de fluxo de ar a

ser enviado pelo equipamento (l/min.).
Pressão: ajusta o pico de pressão a ser
atingida.
Volume corrente: corresponde a quantidade

de ar ofertada pelo ventilador a cada ciclo

ventilatório
Volume minuto: é o produto do VT pela

frequência respiratória (FR)
COMPONENTES BÁSICOS DE UM
COMPONENTES BÁSICOS DE UM



VENTILADOR
VENTILADOR
Controles
Fração inspirada de oxigênio (FiO2):

Representa a proporção de oxigênio no ar

inspirado
Pressão positiva ao final da expiração

(PEEP)
Ciclo ventilatório
Modos ventilatórios
COMPONENTES BÁSICOS DE UM
COMPONENTES BÁSICOS DE UM



VENTILADOR
VENTILADOR
Controles
Ciclagem: o ventilador interrompe a fase inspiratória, para que inicie a fase
expiratória, após o término de um marco pré-determinado: volume, tempo
inspiratório, fluxo ou pressão.
O CICLO RESPIRATÓRIO NA VENTILAÇÃO
O CICLO RESPIRATÓRIO NA VENTILAÇÃO



MECÂNICA SE DIVIDE EM QUATRO FASES:
MECÂNICA SE DIVIDE EM QUATRO FASES:
Inspiratória: o ventilador vence as propriedades elásticas e a resistência
do sistema respiratório do paciente para insuflar os seus pulmões com o
volume de ar apropriado a cada caso.
Expiratória: os pulmões são esvaziados, de forma progressiva. Alguns
pacientes demandam tempos expiratórios maiores, enquanto outros,
tempos mais curtos.
Disparo: a válvula expiratória é fechada e abre-se a inspiratória. O disparo
pode ser programado por intervalo de tempo, mudança de pressão ou de
fluxo.
MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR
MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR



MECÂNICA
MECÂNICA
Ventilação com Volume Controlado (VCV):
Ventilação controlada
fixa-se a frequência respiratória, o volume corrente e o fluxo

inspiratório.
Na ventilação controlada, o volume-minuto é completamente dependente

da frequência e do volume corrente do respirador.


Para pacientes s que não conseguem realizar esforço respiratório

(traumatismo raquimedular, depressão do SNC por drogas, bloqueio

neuromuscular)
MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR
MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR



MECÂNICA
MECÂNICA
Ventilação assisto-controlada:
Ventilação Mandatória Intermitente (IMV)
o ventilador “percebe” o esforço inspiratório do paciente e “responde”

oferecendo-lhe um volume corrente predeterminado
o grau de suporte ventilatório é determinado pela freqüência do IMV
o paciente respira espontaneamente através do circuito do ventilador,

portanto, com frequência e volume corrente que variarão de acordo com

a necessidade e capacidade individuais
MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR
MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR



MECÂNICA
MECÂNICA
Ventilação ciclada a fluxo – Pressão de suporte
A pressão predeterminada é mantida até que caia o fluxo inspiratório do

paciente
O paciente recebe níveis de pressão positiva constantes durante a fase

inspiratória.
A frequência respiratória é espontânea, sem a necessidade de ajuste

pelo operador, mas assistida pela pressão positiva do aparelho.
PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO
PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO



MECÂNICA
MECÂNICA
Pneumonia
É o problema mais comum no uso de ventiladores de

cuidado intensivo.
É desencadeada por um edema inicial que eleva a

umidade do pulmão.
Pode ocorrer devido a falha no sistema de

umidificacão, insuficiência cardíaca e baixa diurese
Pode ser prevenida com a troca constante do circuito

de respiração e com o dreno de secreção subglotica e

intubação oral em vez de nasal.
PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO
PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO



MECÂNICA
MECÂNICA
Atelectasia
Geralmente provocada por secreções retidas ou

obstrução das vias aéreas
Pode ocorrer falta de ar se os níveis de oxigênio

estiverem baixos ou em casos de pneumonia.
É feita uma radiografia de tórax para confirmar o

diagnóstico.
A obstrução dos brônquios é uma causa comum de

atelectasia.
É um quadro clínico no qual a totalidade ou parte de

um pulmão fica sem ar e entra em colapso.
PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO
PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO



MECÂNICA
MECÂNICA
Intoxicação por oxigênio
Ocorre se o nível de oxigênio for superior a 21% por um

período prolongado
Também chamado de HIPERÓXIA
Causa dispnéia progressiva, tosse, dor retroesternal,
Os três principais afetados são: O sistema nervoso

central (SNC), pulmões e olhos
PARTE 2
INCUBADORAS
Para aumentar a taxa de sobrevivência dos recém-nascidos

prematuros, coloca-se os mesmos em câmara fechadas,

com temperatura mantida em uma faixa especifica
A incubadora e um dispositivo com uma câmara

fechada e transparente, que mantem o recém-nascido

em um ambiente controlado de modo que seja favorável:
− Ao seu crescimento;
− Ao seu desenvolvimento;
− A resistência as doença;
− A sua sobrevivência.
Os elementos deste ambiente que

podem ser controlados incluem:
Temperatura; Umidade; Oxigênio
Os elementos deste ambiente que

podem ser controlados incluem:
Circulação de

ar
Luz;
Incubadoras Abertas/Berço Aquecido:
Incubadoras Abertas/Berço Aquecido:
Possuem paredes baixas para impedir que o recém-nascido caia
Podem ser aquecidas utilizando um aquecedor radiante
Permitem visualização direta e acesso fácil ao recém-nascido
NÃO devem ser consideradas como substitutas das incubadoras fechadas
Incubadoras Fechadas:
Incubadoras Fechadas:
Podem ser moveis
As incubadoras de transporte
são tipicamente menores e
mais leves que as incubadoras
estacionarias/moveis
ajuda na locomoção pelo hospital
Estamos

Liberados!
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
Barbara Oliveira
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Edison Santos
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
helciofonteles
 
Uti
UtiUti
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Fábio Falcão
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Aline Bandeira
 
Ventilação Mecânica
Ventilação MecânicaVentilação Mecânica
Ventilação Mecânica
Abilio Cardoso Teixeira
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
Dalila_Marcao
 
RCP
RCPRCP
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
mesquitah
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
pryloock
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
Cintia da Cruz Silva
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
resenfe2013
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Angelica Reis Angel
 

Mais procurados (20)

Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
 
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edisonAula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
Aula atendimento ao_paciente_critico.ppt-iraja edison
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
 
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
Período Intra Operatório e Tempos Cirúrgicos AULA 5
 
Ventilação Mecânica
Ventilação MecânicaVentilação Mecânica
Ventilação Mecânica
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Capnografia
CapnografiaCapnografia
Capnografia
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti Aula suporte respiratorio em uti
Aula suporte respiratorio em uti
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 

Semelhante a VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf

Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
Delciane Ferreira
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
LuizPiedade1
 
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdfventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
NaldoCastro7
 
Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
Instituto Consciência GO
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
GlriaBorges3
 
VMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptxVMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptx
RenataFernandez12
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
terezinha1932
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Yuri Assis
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
Fábio Falcão
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
VILMARZAHN
 
Vm
VmVm
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
ThyagoSouza17
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
Roberto Mendes
 
Ventilação Pulmonar Mecânica
Ventilação Pulmonar MecânicaVentilação Pulmonar Mecânica
Ventilação Pulmonar Mecânica
Luciana Abeche
 
Ventilação.pptx
Ventilação.pptxVentilação.pptx
Ventilação.pptx
LuizPiedade1
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
Bevenido FisioM2
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
Yuri Assis
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Maycon Duarte
 

Semelhante a VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf (20)

Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
 
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdfventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
 
Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
 
VMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptxVMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptx
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
 
Vm
VmVm
Vm
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
 
Ventilação Pulmonar Mecânica
Ventilação Pulmonar MecânicaVentilação Pulmonar Mecânica
Ventilação Pulmonar Mecânica
 
Ventilação.pptx
Ventilação.pptxVentilação.pptx
Ventilação.pptx
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
 

Mais de CASA

Classificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdfClassificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdf
CASA
 
História da Farmacologia.pdf
História da Farmacologia.pdfHistória da Farmacologia.pdf
História da Farmacologia.pdf
CASA
 
FARMACODINAMICA.pdf
FARMACODINAMICA.pdfFARMACODINAMICA.pdf
FARMACODINAMICA.pdf
CASA
 
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdfAULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
CASA
 
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdfAULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
CASA
 
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdfPOSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
CASA
 
Higiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdfHigiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdf
CASA
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
CASA
 
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdfAULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
CASA
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
CASA
 
Anotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfAnotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdf
CASA
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
CASA
 

Mais de CASA (12)

Classificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdfClassificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdf
 
História da Farmacologia.pdf
História da Farmacologia.pdfHistória da Farmacologia.pdf
História da Farmacologia.pdf
 
FARMACODINAMICA.pdf
FARMACODINAMICA.pdfFARMACODINAMICA.pdf
FARMACODINAMICA.pdf
 
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdfAULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
 
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdfAULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
 
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdfPOSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
 
Higiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdfHigiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdf
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
 
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdfAULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 
Anotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfAnotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdf
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
 

VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf

  • 1. NORMAS TÉCNICAS SOBRE O FUNCIONAMENTO DE APARELHOS E EQUIPAMENTOS
  • 2. Como funciona os ventiladores pulmonares? Os ventiladores pulmonares são equipamentos importantes para a manutenção da vida, desde o suporte respiratório na recuperação pós- anestesia até o uso em pacientes com desconforto ou insuficiência respiratória.
  • 3. Há diversos modelos de ventiladores mecânicos .... → ventiladores pulmonares de transporte (ventilador pulmonar para transporte/emergência) → ventiladores de unidade de terapia intensiva – UTI (ventilador pulmonar para cuidados críticos)
  • 4. VENTILADORES PULMONARES DE VENTILADORES PULMONARES DE TRANSPORTE TRANSPORTE Para deslocamento em curtos trajetos ou por curtos períodos Devem ser práticos e de fácil manuseio para o transporte São compactos e leves Permite a sua instalação em ambulâncias e aeronaves As configurações e os ajustes devem ser simples
  • 5. VENTILADORES DE UNIDADE DE TERAPIA VENTILADORES DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA – UTI INTENSIVA – UTI Uso em pacientes com doenças cardiorrespiratórias Uso contínuo para a sua estabilização, monitoramento e recuperação. Tecnologia mais robusta/avançada Permitem acompanhar a evolução do paciente, ao longo do suporte ventilatório.
  • 6. permitem que o gás exalado pelo paciente saia para a atmosfera ou para o circuito fechado COMPONENTES BÁSICOS DE UM COMPONENTES BÁSICOS DE UM VENTILADOR VENTILADOR Válvula de exalação ou expiratória: quando o ar e entregue ao paciente, a pressão positiva precisa forçar o pulmão a receber o ar tem as funções de fechar o circuito de saída na inspiração e abrir o circuito de saída na expiração.
  • 7. NUNCA devem ser desabilitados COMPONENTES BÁSICOS DE UM COMPONENTES BÁSICOS DE UM VENTILADOR VENTILADOR Alarmes Servem para monitorar problemas que podem ocorrer durante a operação do equipamento apnéia; pressão muito alta ou muito baixa; frequência do ciclo respiratório muito alta ou muito baixa; falta dos gases utilizados; desconexão do circuito ventilatório; bloqueio no circuito respiratório; perda de energia elétrica ou bateria muito fraca
  • 8. Fluxo: ajusta o valor do pico de fluxo de ar a ser enviado pelo equipamento (l/min.). Pressão: ajusta o pico de pressão a ser atingida. Volume corrente: corresponde a quantidade de ar ofertada pelo ventilador a cada ciclo ventilatório Volume minuto: é o produto do VT pela frequência respiratória (FR) COMPONENTES BÁSICOS DE UM COMPONENTES BÁSICOS DE UM VENTILADOR VENTILADOR Controles
  • 9. Fração inspirada de oxigênio (FiO2): Representa a proporção de oxigênio no ar inspirado Pressão positiva ao final da expiração (PEEP) Ciclo ventilatório Modos ventilatórios COMPONENTES BÁSICOS DE UM COMPONENTES BÁSICOS DE UM VENTILADOR VENTILADOR Controles
  • 10. Ciclagem: o ventilador interrompe a fase inspiratória, para que inicie a fase expiratória, após o término de um marco pré-determinado: volume, tempo inspiratório, fluxo ou pressão. O CICLO RESPIRATÓRIO NA VENTILAÇÃO O CICLO RESPIRATÓRIO NA VENTILAÇÃO MECÂNICA SE DIVIDE EM QUATRO FASES: MECÂNICA SE DIVIDE EM QUATRO FASES: Inspiratória: o ventilador vence as propriedades elásticas e a resistência do sistema respiratório do paciente para insuflar os seus pulmões com o volume de ar apropriado a cada caso. Expiratória: os pulmões são esvaziados, de forma progressiva. Alguns pacientes demandam tempos expiratórios maiores, enquanto outros, tempos mais curtos. Disparo: a válvula expiratória é fechada e abre-se a inspiratória. O disparo pode ser programado por intervalo de tempo, mudança de pressão ou de fluxo.
  • 11. MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR MECÂNICA MECÂNICA Ventilação com Volume Controlado (VCV): Ventilação controlada fixa-se a frequência respiratória, o volume corrente e o fluxo inspiratório. Na ventilação controlada, o volume-minuto é completamente dependente da frequência e do volume corrente do respirador. Para pacientes s que não conseguem realizar esforço respiratório (traumatismo raquimedular, depressão do SNC por drogas, bloqueio neuromuscular)
  • 12. MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR MECÂNICA MECÂNICA Ventilação assisto-controlada: Ventilação Mandatória Intermitente (IMV) o ventilador “percebe” o esforço inspiratório do paciente e “responde” oferecendo-lhe um volume corrente predeterminado o grau de suporte ventilatório é determinado pela freqüência do IMV o paciente respira espontaneamente através do circuito do ventilador, portanto, com frequência e volume corrente que variarão de acordo com a necessidade e capacidade individuais
  • 13. MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR MODALIDADES DA VENTILAÇÃO PULMONAR MECÂNICA MECÂNICA Ventilação ciclada a fluxo – Pressão de suporte A pressão predeterminada é mantida até que caia o fluxo inspiratório do paciente O paciente recebe níveis de pressão positiva constantes durante a fase inspiratória. A frequência respiratória é espontânea, sem a necessidade de ajuste pelo operador, mas assistida pela pressão positiva do aparelho.
  • 14. PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO MECÂNICA MECÂNICA Pneumonia É o problema mais comum no uso de ventiladores de cuidado intensivo. É desencadeada por um edema inicial que eleva a umidade do pulmão. Pode ocorrer devido a falha no sistema de umidificacão, insuficiência cardíaca e baixa diurese Pode ser prevenida com a troca constante do circuito de respiração e com o dreno de secreção subglotica e intubação oral em vez de nasal.
  • 15. PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO MECÂNICA MECÂNICA Atelectasia Geralmente provocada por secreções retidas ou obstrução das vias aéreas Pode ocorrer falta de ar se os níveis de oxigênio estiverem baixos ou em casos de pneumonia. É feita uma radiografia de tórax para confirmar o diagnóstico. A obstrução dos brônquios é uma causa comum de atelectasia. É um quadro clínico no qual a totalidade ou parte de um pulmão fica sem ar e entra em colapso.
  • 16. PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO PATOLOGIAS ASSOCIADAS À VENTILAÇÃO MECÂNICA MECÂNICA Intoxicação por oxigênio Ocorre se o nível de oxigênio for superior a 21% por um período prolongado Também chamado de HIPERÓXIA Causa dispnéia progressiva, tosse, dor retroesternal, Os três principais afetados são: O sistema nervoso central (SNC), pulmões e olhos
  • 18. Para aumentar a taxa de sobrevivência dos recém-nascidos prematuros, coloca-se os mesmos em câmara fechadas, com temperatura mantida em uma faixa especifica
  • 19. A incubadora e um dispositivo com uma câmara fechada e transparente, que mantem o recém-nascido em um ambiente controlado de modo que seja favorável: − Ao seu crescimento; − Ao seu desenvolvimento; − A resistência as doença; − A sua sobrevivência.
  • 20. Os elementos deste ambiente que podem ser controlados incluem: Temperatura; Umidade; Oxigênio
  • 21. Os elementos deste ambiente que podem ser controlados incluem: Circulação de ar Luz;
  • 22. Incubadoras Abertas/Berço Aquecido: Incubadoras Abertas/Berço Aquecido: Possuem paredes baixas para impedir que o recém-nascido caia Podem ser aquecidas utilizando um aquecedor radiante Permitem visualização direta e acesso fácil ao recém-nascido NÃO devem ser consideradas como substitutas das incubadoras fechadas
  • 23. Incubadoras Fechadas: Incubadoras Fechadas: Podem ser moveis As incubadoras de transporte são tipicamente menores e mais leves que as incubadoras estacionarias/moveis ajuda na locomoção pelo hospital