SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
ALICIANE
JAQUELINE RUBIANE
JOSÉ ALVES
KÁTIA CILENE
WHITNEY
GAMA-DF
2015
CENTRO CIRÚRGICO
 O que é
 Sua finalidade
 Suas áreas
 Sua equipe
ESTRUTURA FÍSICA
 Tamanho da sala
 Portas
 Piso
 Paredes
 Tetos
 Janelas
 Iluminação
EQUIPE CIRÚRGICA
 A equipe cirúrgica é basicamente formada por:
 Cirurgião
 Auxiliares
 O anestesista
 O circulante
 Enfermeiro
 Instrumentador
POSICIONAMENTO DA EQUIPE
CIRÚRGICA
 Geralmente atende ás seguintes características:
Cirurgião: maior conforto (á direita)
1º auxiliar: lado oposto de frente para o cirurgião
2º auxiliar: varia
Anestesista: área limitada por campos e menos
utilizada, geralmente próximo á cabeça do cliente
Instrumentador: varia de acordo com o procedimento,
podendo ser alterado durante a cirurgia.
CUIDADOS COM O PROFISSIONAL
 Higiene pessoal
 Uniforme privativo
 Lavagem das mãos
 Antissepsia das mãos e antebraço com
antisséptico apropriado
 Paramentação
 Prevenção de acidentes com perfurocortante.
CUIDADOS COM O CLIENTE
 Preparo pré-operatório
 Tricotomia
 Banho de aspersão
 Preparo da pele
 Posicionamento na mesa
 Colocação de campos estéreis
 Manobras cirúrgicas:hemostasia,limpeza
 Curativo
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO
CLIENTE CIRÚRGICO
 O cliente cirúrgico submete-se a três fases ou
períodos, reconhecidos como perioperatório:
pré-operatório, tras ou intraoperatório e pós-
operatório.
 Pré-operatório inicia desde a admissão do
cliente no hospital com a intenção de ser
operado ou quando já internado, decide-se pela
cirurgia e termina com a admissão do cliente no
centro cirúrgico.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO
CLIENTE CIRÚRGICO
 Introperatório: deve-se recepcionar o cliente no
centro cirúrgico ,em sua admissão, com sorriso
empatia e atenção ás suas necessidades,
diminuindo, assim, sua ansiedade, ajudando a
mantê-lo calmo.
 Pós-operatório; desde da saída do cliente da
sala de cirurgia á alta hospitalar, nova cirurgia.
POSICIONAMENTO DO CLIENTE
 O posicionamento do cliente na mesa de cirurgia
é procedimento que exige ciência e aplicação de
conhecimento científicos relacionados á
anatomia, fisiologia, e patologia. Deve ser
realizado com participação de toda equipe
cirúrgica, que inclui: cirurgião, anestesista,
enfermeiro, técnico e auxiliar de
enfermagem(LAGEMANN,2005).
TÉRMINO DA CIRURGIA
 Manter cliente aquecido, seguro e confortável
 Com auxilio, transferi-lo para o leito
 Manter permeabilidade das VAS, infusões,
sondas e cateteres
 Identificar: sondas, drenos, cateteres, peças
anátomo-patologicas e exames.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA SALA DE
RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA
 A equipe de enfermagem na recuperação
anestésica deve ser a mais qualificada possível,
visando sempre o melhor para o cliente:
1.Recepcionar o cliente
2. Monitorar sinais vitais
3. Manter permeabilidade e controle de: infusão,
drenos ,sondas, posição no leito, cateteres e
curativo.
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA
UNIDADE DE INTERNAÇÃO PÓS-
OPERATÓRIA
 A equipe de enfermagem da unidade de
internação deve estar atenta aos seguintes
cuidados:
1. Preparo da unidade leito)
2. Recepção do cliente
3. Posicionamento no leito
4. Manutenção da permeabilidade e controles
5. Verificações de sinais vitais.
CUIDADOS COM O CLIENTE NA SALA
OPERATÓRIA
 Atribuições do enfermeiro:
 Explicar todos os procedimentos que serão realizados;
 Transferir o cliente para a mesa operatória junto com
outros membros da enfermagem;
 Verificar tipo de anestesia que será realizada
 Certificar-se de que todo o material necessário para a
realização do ato anestésico está completo e
funcionando adequadamente :equipamento de
assistência ventilatória, bandeja de intubação,
vaporizadores, válvulas, intermediários, filtros, gases,
medicações, eletrocardiograma, oxímetro de pulso,
aparelho de PA não invasivo, estetoscópio.
PREPARO PARA ALTA DO PACIENTE
 O enfermeiro deve estar atento quanto ás
orientações que o cliente e seus familiares
devem receber antes de serem liberados após
alta hospitalar. Entre elas está o uso correto de
medicações, alimentações, eliminações, e
retorno á consulta medica.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 Conclui-se que a equipe de enfermagem é
fundamental na área hospitalar, com o propósito
de organizar, cuidar e transmitir confiança e
segurança ao paciente , para que esse se sinta
seguro com os procedimentos cirúrgicos. É uma
equipe responsável por todos os procedimentos,
pré e pós-operatório, com a competência de
fazer o melhor por esse paciente.
REFERÊNCIAS
 FOX, V.J. Educação do Cliente e Planejamento da Alta.
In: MEEKER ,M. ,ROTHROCK ,J. C. cuidados de
enfermagem ao cliente cirúrgico.10.ed.Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 196-228.
 MOURA,M.L.P.A .Enfermagem em centro cirúrgico e
recuperação pós-anestésica.6.ed.São
Paulo:Senac,1994
 HOFFER, J. L. Anestesista. MEEKER,M.H.;
ROTHROCK, J. C. Cuidados de enfermagem ao
cliente cirúrgico.10.ed.Rio de Janeiro: Guanabara
koogan,1997.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
César Müller
 

Mais procurados (20)

Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
 
Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2Slidesclinicacirurgica2
Slidesclinicacirurgica2
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
Aula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdfAula_Anestesia.pdf
Aula_Anestesia.pdf
 
Sala de recuperação
Sala de recuperaçãoSala de recuperação
Sala de recuperação
 
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgicaClínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico  Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico
 
Posicionamento cirurgico pdf
Posicionamento cirurgico pdfPosicionamento cirurgico pdf
Posicionamento cirurgico pdf
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e EquipeAula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
Aula Centro Cirúrgico 01 - Introdução e Equipe
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Equipe cirúrgica
Equipe cirúrgicaEquipe cirúrgica
Equipe cirúrgica
 
Tempos cirurgicos
Tempos cirurgicosTempos cirurgicos
Tempos cirurgicos
 

Destaque (9)

Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
 
ambiente cirúrgico - centro cirúrgico
ambiente cirúrgico - centro cirúrgicoambiente cirúrgico - centro cirúrgico
ambiente cirúrgico - centro cirúrgico
 
Net etiqueta 2
Net etiqueta 2Net etiqueta 2
Net etiqueta 2
 
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgicoClínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
Clínica cirúrgica-e-centro-cirúrgico
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Geografia e paisagem
Geografia e paisagemGeografia e paisagem
Geografia e paisagem
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Paisagens diversas 41 slides
Paisagens diversas   41 slidesPaisagens diversas   41 slides
Paisagens diversas 41 slides
 

Semelhante a Trabalho centro cirúrgico 3

aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
Marcelo Ocampos
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
Nayara Dávilla
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ssuser80ae40
 

Semelhante a Trabalho centro cirúrgico 3 (20)

aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptxAULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
AULA 05 - EQUIPE CIRURGICA (principal).pptx
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptxPROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
PROTOCOLO DE CIRURGIA SEGURA enfermagem.pptx
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 
Clinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdfClinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdf
 
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptxInstrumentação cirúrgica aula completa.pptx
Instrumentação cirúrgica aula completa.pptx
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Instrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thatyInstrumentação cirúrgica thaty
Instrumentação cirúrgica thaty
 
roseartigo (1) (1).docx
roseartigo (1) (1).docxroseartigo (1) (1).docx
roseartigo (1) (1).docx
 
Slide cirurgia
Slide cirurgiaSlide cirurgia
Slide cirurgia
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
Katia02
Katia02Katia02
Katia02
 
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdfROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
ROTINAS E SALAS DE OPERAÇÃO PDF.pdf
 
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docxAssistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
 
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptxRRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
RRRRRSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSS.pptx
 
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docxO CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
 

Mais de Sthefanie Vieira

Mais de Sthefanie Vieira (20)

Conceitos TI
Conceitos TIConceitos TI
Conceitos TI
 
Ameaças e riscos da internet -Segurança da informação
Ameaças e riscos  da internet -Segurança da informaçãoAmeaças e riscos  da internet -Segurança da informação
Ameaças e riscos da internet -Segurança da informação
 
DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NO BRASIL
DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NO BRASILDESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NO BRASIL
DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NO BRASIL
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Windows 7,8,10
Windows 7,8,10Windows 7,8,10
Windows 7,8,10
 
MODERNISMO - EUCLIDES DA CUNHA
MODERNISMO - EUCLIDES DA CUNHAMODERNISMO - EUCLIDES DA CUNHA
MODERNISMO - EUCLIDES DA CUNHA
 
Música do pas - Monólogo ao pé do ouvido
Música do pas - Monólogo ao pé do ouvidoMúsica do pas - Monólogo ao pé do ouvido
Música do pas - Monólogo ao pé do ouvido
 
Funções do excel ( editar)
Funções do excel ( editar)Funções do excel ( editar)
Funções do excel ( editar)
 
Medley david quinlan
Medley david quinlanMedley david quinlan
Medley david quinlan
 
Eu tenho um chamado
Eu tenho um chamadoEu tenho um chamado
Eu tenho um chamado
 
Sopra espírito de deus,nesse lugar... com teu poder..
Sopra espírito de deus,nesse lugar... com teu poder..Sopra espírito de deus,nesse lugar... com teu poder..
Sopra espírito de deus,nesse lugar... com teu poder..
 
Deus forte
Deus forteDeus forte
Deus forte
 
Rendido estou
Rendido estouRendido estou
Rendido estou
 
Aleluia
AleluiaAleluia
Aleluia
 
Abra os olhos do meu coração
Abra os olhos do meu coraçãoAbra os olhos do meu coração
Abra os olhos do meu coração
 
A essência da adoração
A essência da adoraçãoA essência da adoração
A essência da adoração
 
(Corinho) liga liga liga nessa hora
(Corinho)   liga liga liga nessa hora(Corinho)   liga liga liga nessa hora
(Corinho) liga liga liga nessa hora
 
Há um lugar
Há um lugarHá um lugar
Há um lugar
 
.Feliz feliz feliz com cristo a gente pode ser feliz
.Feliz feliz feliz com cristo a gente pode ser feliz.Feliz feliz feliz com cristo a gente pode ser feliz
.Feliz feliz feliz com cristo a gente pode ser feliz
 
Louvar é bom demais
Louvar é bom demaisLouvar é bom demais
Louvar é bom demais
 

Trabalho centro cirúrgico 3

  • 1.
  • 2. ALICIANE JAQUELINE RUBIANE JOSÉ ALVES KÁTIA CILENE WHITNEY GAMA-DF 2015
  • 3. CENTRO CIRÚRGICO  O que é  Sua finalidade  Suas áreas  Sua equipe
  • 4. ESTRUTURA FÍSICA  Tamanho da sala  Portas  Piso  Paredes  Tetos  Janelas  Iluminação
  • 5. EQUIPE CIRÚRGICA  A equipe cirúrgica é basicamente formada por:  Cirurgião  Auxiliares  O anestesista  O circulante  Enfermeiro  Instrumentador
  • 6. POSICIONAMENTO DA EQUIPE CIRÚRGICA  Geralmente atende ás seguintes características: Cirurgião: maior conforto (á direita) 1º auxiliar: lado oposto de frente para o cirurgião 2º auxiliar: varia Anestesista: área limitada por campos e menos utilizada, geralmente próximo á cabeça do cliente Instrumentador: varia de acordo com o procedimento, podendo ser alterado durante a cirurgia.
  • 7. CUIDADOS COM O PROFISSIONAL  Higiene pessoal  Uniforme privativo  Lavagem das mãos  Antissepsia das mãos e antebraço com antisséptico apropriado  Paramentação  Prevenção de acidentes com perfurocortante.
  • 8. CUIDADOS COM O CLIENTE  Preparo pré-operatório  Tricotomia  Banho de aspersão  Preparo da pele  Posicionamento na mesa  Colocação de campos estéreis  Manobras cirúrgicas:hemostasia,limpeza  Curativo
  • 9. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO CLIENTE CIRÚRGICO  O cliente cirúrgico submete-se a três fases ou períodos, reconhecidos como perioperatório: pré-operatório, tras ou intraoperatório e pós- operatório.  Pré-operatório inicia desde a admissão do cliente no hospital com a intenção de ser operado ou quando já internado, decide-se pela cirurgia e termina com a admissão do cliente no centro cirúrgico.
  • 10. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO CLIENTE CIRÚRGICO  Introperatório: deve-se recepcionar o cliente no centro cirúrgico ,em sua admissão, com sorriso empatia e atenção ás suas necessidades, diminuindo, assim, sua ansiedade, ajudando a mantê-lo calmo.  Pós-operatório; desde da saída do cliente da sala de cirurgia á alta hospitalar, nova cirurgia.
  • 11. POSICIONAMENTO DO CLIENTE  O posicionamento do cliente na mesa de cirurgia é procedimento que exige ciência e aplicação de conhecimento científicos relacionados á anatomia, fisiologia, e patologia. Deve ser realizado com participação de toda equipe cirúrgica, que inclui: cirurgião, anestesista, enfermeiro, técnico e auxiliar de enfermagem(LAGEMANN,2005).
  • 12. TÉRMINO DA CIRURGIA  Manter cliente aquecido, seguro e confortável  Com auxilio, transferi-lo para o leito  Manter permeabilidade das VAS, infusões, sondas e cateteres  Identificar: sondas, drenos, cateteres, peças anátomo-patologicas e exames.
  • 13. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA SALA DE RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA  A equipe de enfermagem na recuperação anestésica deve ser a mais qualificada possível, visando sempre o melhor para o cliente: 1.Recepcionar o cliente 2. Monitorar sinais vitais 3. Manter permeabilidade e controle de: infusão, drenos ,sondas, posição no leito, cateteres e curativo.
  • 14. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE INTERNAÇÃO PÓS- OPERATÓRIA  A equipe de enfermagem da unidade de internação deve estar atenta aos seguintes cuidados: 1. Preparo da unidade leito) 2. Recepção do cliente 3. Posicionamento no leito 4. Manutenção da permeabilidade e controles 5. Verificações de sinais vitais.
  • 15. CUIDADOS COM O CLIENTE NA SALA OPERATÓRIA  Atribuições do enfermeiro:  Explicar todos os procedimentos que serão realizados;  Transferir o cliente para a mesa operatória junto com outros membros da enfermagem;  Verificar tipo de anestesia que será realizada  Certificar-se de que todo o material necessário para a realização do ato anestésico está completo e funcionando adequadamente :equipamento de assistência ventilatória, bandeja de intubação, vaporizadores, válvulas, intermediários, filtros, gases, medicações, eletrocardiograma, oxímetro de pulso, aparelho de PA não invasivo, estetoscópio.
  • 16. PREPARO PARA ALTA DO PACIENTE  O enfermeiro deve estar atento quanto ás orientações que o cliente e seus familiares devem receber antes de serem liberados após alta hospitalar. Entre elas está o uso correto de medicações, alimentações, eliminações, e retorno á consulta medica.
  • 17. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Conclui-se que a equipe de enfermagem é fundamental na área hospitalar, com o propósito de organizar, cuidar e transmitir confiança e segurança ao paciente , para que esse se sinta seguro com os procedimentos cirúrgicos. É uma equipe responsável por todos os procedimentos, pré e pós-operatório, com a competência de fazer o melhor por esse paciente.
  • 18. REFERÊNCIAS  FOX, V.J. Educação do Cliente e Planejamento da Alta. In: MEEKER ,M. ,ROTHROCK ,J. C. cuidados de enfermagem ao cliente cirúrgico.10.ed.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 196-228.  MOURA,M.L.P.A .Enfermagem em centro cirúrgico e recuperação pós-anestésica.6.ed.São Paulo:Senac,1994  HOFFER, J. L. Anestesista. MEEKER,M.H.; ROTHROCK, J. C. Cuidados de enfermagem ao cliente cirúrgico.10.ed.Rio de Janeiro: Guanabara koogan,1997.