SlideShare uma empresa Scribd logo
VENTILAÇÃO MECÂNICA
BÁSICA
Respiração Fisiológica
• Inspiração
• Pausa (platô) inspiratório
• Expiração
• Pausa(platô) expiratório
Ciclo fisiológico
Hematose são as trocas gasosas nos alvéolos
A hemoglobina, presente nas hemácias, tem a
função de transportar oxigênio (oxiemoglobina)
e retirar o gás carbônico (carboemoglobina).
Nos alvéolos, acontece a difusão do oxigênio do
ar para o sangue e a difusão do gás carbônico
presente no sangue para os alvéolos.
MECÂNICA VENTILATÓRIA
INVASIVA
Ventilação Mecânica
OBJETIVOS
• Reverter a hipoxemia
• Reverter a acidose respiratória aguda - PCO2
• Diminuir o desconforto respiratório
• Prevenir ou reverter a atelectasia (colapso completo ou parcial pulmão)
• Reverter a fadiga dos músculos respiratórios
• Permitir a sedação e/ou o bloqueio neuromuscular
Resenha Histórica
Um pulmão de aço ou ventilador de pressão negativa
é um tipo de ventilador que permite a uma pessoa respirar em
caso de paralisia dos músculos da respiração ou quando o
esforço necessário para a respiração excede a capacidade dessa
pessoa.
Iron lung “portátil”
Pulmão de ferro (iron lung) década de 1950, (criado 1928)
Criador do Iron Lung, Dr. Philip Drinker
1894 – 1972, Pensilvania (inv. 5.000 U$)
Bird, Mark 7. 1960
Forrest Bird, aos 94 anos, medalha honra
Valores fisiológicos
Evolução IHM ventiladores
Interface controles analógicos Interface digital (mais virtual)
Versão simplificada SVM
Terminologias & Conceitos
• IPAP (Inspiratory positive airway pressure): pressão
entregue pelo ventilador quando o paciente inspira.
• EPAP (Expiratory positive airway pressure): pressão
entregue pelo ventilador ao paciente na expiração, auxilia
na manutenção da via aérea não oclusa durante o sono e
ajuda a recrutar/manter volume pulmonar, melhorando a
oxigenação nos doentes obstrutivos ajuda a reduzir o
esforço respiratório.
• PEEP (Inspiratory positive airway pressure): é a pressão
nos pulmões (pressão alveolar) no final de cada
respiração (expiração). Nos pacientes em ventilação
mecânica, a PEEP trabalha contra o esvaziamento passivo
do pulmão e o colapso (colabar) dos alvéolos.
• Rise time (Tempo de subida): é o tempo até alcançar IPAP
após início da fase inspiratória.
• Fall time (tempo de descida): é o tempo para alcançar
PEEP.
Terminologias & Conceitos
• IRA: insuficiência respiratória aguda.
• VT (volume corrente) : volume de ar
mobilizado durante um ciclo
respiratório.
• VR (volume residual): volume de ar
que permanece nos pulmões após
uma expiração forçada.
• SARA: síndrome da angústia
respiratória aguda.
Métodos mais comuns de suporte
IPPV- (Intermittent positive-pressure ventilation)
PVC (Ventilação Controlada por Pressão)
SIMV (Synchronized intermittent mandatory
ventilation
IMV Intermittent mandatory ventilation
PSVP ressure support ventilation
CPAP Continuous Positive Airway Pressure
Associações: SIMV+PSV, PSV+CPAP, SIMV+CPAP
Terminologias & Conceitos
• (FIO2): concentração de oxigênio no ar inspirado
• Frequência respiratória: número de ciclos (completos I+E) por minuto [mrm]
movimento respiratório/minuto.
• Volume corrente: volume que entra e sai dos pulmões a cada ciclo.
• Fluxo inspiratório: velocidade na qual o volume corrente é ofertado (vazão) [l/m]
• Ondas de fluxo: quadrada (ou constante), sinusoidal, acelerada, desacelerada.
• (I:E) Relação Inspiração/Expiração: durante respiração espontânea normal, é de 1:1,5
a 1:2 com tempo inspiratório de 0,8 a 1,2 s
Métodos de ciclagem
Ciclados a pressão
A inspiração cessa quando é alcançada a
pressão máxima predeterminada.
PSV – Pressure support ventilation
PCV – Pressure-controlled ventilation
Ciclados a fluxo
Neste caso, uma pressão
predeterminada em via aérea é aplicada
ao paciente, o ventilador cicla assim que
o fluxo inspiratório diminui e alcança
um percentual predeterminado de seu
valor de pico (normalmente 25%).
Métodos de ciclagem pressão positiva
Ciclados a volume
A inspiração termina após se completar um volume corrente
predeterminado.
• Ventilação controlada: Nenhum esforço respiratório do paciente irá contribuir.
Entre suas indicações estão, o traumatismo raquimedular, depressão do SNC por
drogas, bloqueio neuromuscular).
• Ventilação assisto-controlada: o ventilador “percebe” o esforço inspiratório do
paciente e “responde” oferecendo-Ihe um volume corrente predeterminado.
• Ventilação mandatória intermitente:
Vídeo demonstrativo Leinstung Luft III
Referências bibliográficas
• 1. Bonassa J. Princípios Básicos dos Ventiladores Artificiais. In: Carvalho CRR. Ventilação Mecânica. São Paulo: Editora Atheneu; 2000.
• 2. Machado FD, Eder GL, Dullius CR, Baldisserotto S. Ventilação mecânica: como iniciar. Acta méd; Porto Alegre 2014; 35(8): 1-8.
• 3. Tarantino AB. Doenças pulmonares. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008.
• 4. Raff H, Levitzky M. Fisiologia Médica: Uma abordagem integrada. Porto Alegre: Artmed; 2012.
• 5. Hall JE, Guyton AC. Guyton & Hall Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Elsevier; 2017.
• 6. Carvalho RRC, Toufen Júnior C, Franca AS. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica; J Bras Pneumol 2007; 33(2): 54-70.
• 7. Araújo DA, Cunha de Leão BC, Ferreira RS. Volume x Pressão. Qual escolher? Rev Med Minas Gerais 2014; 24(8): 49-55.
• 8. Campbell RS. Pressure-controlled versus Volume-controlled ventilation: does in matter? Respir Care 2002; 47(4): 416-24.
• 9. Pádua AI, Martinez JAB. Modos de assistência ventilatória. Medicina, Ribeirão Preto 2001;34: 133-42.
• Reconhecer rapidamente aqueles
• pacientes que poderão necessitar de
• um suporte ventilatório.
• Saber o funcionamento básico dos
• ventiladores mecânicos, além dos ajustes
• dos parâmetros ventilatórios.
• Estudar para compreender a
• fisiologia da mecânica respiratória
• Entender e utilizar as diferentes
• modalidades ventilatórias, bem como
• ajustá las a cada tipo de paciente.
• anter o paciente ajustado ao ventilador,
• ofertando lhe o melhor conforto possível
• enquanto trata a sua doença de base.
• Ao oferecer um suporte
• ventilatório, realizar sempre uma
• VM protetora ao seu paciente.
• VENTILAÇÃO MECÂNICA
• Retirar o mais breve possível da VM os
• pacientes em que este su porte não lhe é
• mais útil.
• Reconhecer
• cada quadro clínico e saber a
• melhor hora de iniciar o desmame
• ventilatório.
• Entender os volumes, capacidades
• pulmonares, frequência respiratória e
• outros parâmetros dos pacientes.
• Saber de forma precisa as indicações da VM
• e como proceder até conseguir oferecer este
• suporte ventilatório.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Ventilação.pptx

Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Maycon Duarte
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
NaldoCastro7
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
Elisabeth Ayala
 
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdfventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
Maycon Duarte
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
Mariana Artuni Rossi
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
VILMARZAHN
 
Fisiologia respiratória
 Fisiologia respiratória Fisiologia respiratória
Fisiologia respiratória
LdioBarbosa
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
Delciane Ferreira
 
Vm em pediatria
Vm em pediatriaVm em pediatria
Vm em pediatria
Carlos Lima
 
Iv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm iIv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm i
ctisaolucascopacabana
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Fábio Falcão
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
resenfe2013
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Flávia Vaz
 
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdfOxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
lica301
 
Vm
VmVm
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
helciofonteles
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
CASA
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
GlriaBorges3
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
Roberto Mendes
 

Semelhante a Ventilação.pptx (20)

Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
11579-Texto do artigo-42403-1-10-20210630 (1).pdf
 
Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)Ppt rcp 2014 (1)
Ppt rcp 2014 (1)
 
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdfventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
 
Fisiologia respiratória
 Fisiologia respiratória Fisiologia respiratória
Fisiologia respiratória
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
 
Vm em pediatria
Vm em pediatriaVm em pediatria
Vm em pediatria
 
Iv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm iIv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm i
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
 
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdfOxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
Oxigenioterapia e ventilação mecânica.pdf
 
Vm
VmVm
Vm
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
 
VNI linhas de orientação
VNI linhas de orientaçãoVNI linhas de orientação
VNI linhas de orientação
 

Ventilação.pptx

  • 2. Respiração Fisiológica • Inspiração • Pausa (platô) inspiratório • Expiração • Pausa(platô) expiratório Ciclo fisiológico
  • 3. Hematose são as trocas gasosas nos alvéolos A hemoglobina, presente nas hemácias, tem a função de transportar oxigênio (oxiemoglobina) e retirar o gás carbônico (carboemoglobina). Nos alvéolos, acontece a difusão do oxigênio do ar para o sangue e a difusão do gás carbônico presente no sangue para os alvéolos.
  • 5. Ventilação Mecânica OBJETIVOS • Reverter a hipoxemia • Reverter a acidose respiratória aguda - PCO2 • Diminuir o desconforto respiratório • Prevenir ou reverter a atelectasia (colapso completo ou parcial pulmão) • Reverter a fadiga dos músculos respiratórios • Permitir a sedação e/ou o bloqueio neuromuscular
  • 7. Um pulmão de aço ou ventilador de pressão negativa é um tipo de ventilador que permite a uma pessoa respirar em caso de paralisia dos músculos da respiração ou quando o esforço necessário para a respiração excede a capacidade dessa pessoa. Iron lung “portátil” Pulmão de ferro (iron lung) década de 1950, (criado 1928)
  • 8. Criador do Iron Lung, Dr. Philip Drinker 1894 – 1972, Pensilvania (inv. 5.000 U$)
  • 9. Bird, Mark 7. 1960 Forrest Bird, aos 94 anos, medalha honra
  • 11. Evolução IHM ventiladores Interface controles analógicos Interface digital (mais virtual)
  • 13. Terminologias & Conceitos • IPAP (Inspiratory positive airway pressure): pressão entregue pelo ventilador quando o paciente inspira. • EPAP (Expiratory positive airway pressure): pressão entregue pelo ventilador ao paciente na expiração, auxilia na manutenção da via aérea não oclusa durante o sono e ajuda a recrutar/manter volume pulmonar, melhorando a oxigenação nos doentes obstrutivos ajuda a reduzir o esforço respiratório. • PEEP (Inspiratory positive airway pressure): é a pressão nos pulmões (pressão alveolar) no final de cada respiração (expiração). Nos pacientes em ventilação mecânica, a PEEP trabalha contra o esvaziamento passivo do pulmão e o colapso (colabar) dos alvéolos. • Rise time (Tempo de subida): é o tempo até alcançar IPAP após início da fase inspiratória. • Fall time (tempo de descida): é o tempo para alcançar PEEP.
  • 14. Terminologias & Conceitos • IRA: insuficiência respiratória aguda. • VT (volume corrente) : volume de ar mobilizado durante um ciclo respiratório. • VR (volume residual): volume de ar que permanece nos pulmões após uma expiração forçada. • SARA: síndrome da angústia respiratória aguda. Métodos mais comuns de suporte IPPV- (Intermittent positive-pressure ventilation) PVC (Ventilação Controlada por Pressão) SIMV (Synchronized intermittent mandatory ventilation IMV Intermittent mandatory ventilation PSVP ressure support ventilation CPAP Continuous Positive Airway Pressure Associações: SIMV+PSV, PSV+CPAP, SIMV+CPAP
  • 15. Terminologias & Conceitos • (FIO2): concentração de oxigênio no ar inspirado • Frequência respiratória: número de ciclos (completos I+E) por minuto [mrm] movimento respiratório/minuto. • Volume corrente: volume que entra e sai dos pulmões a cada ciclo. • Fluxo inspiratório: velocidade na qual o volume corrente é ofertado (vazão) [l/m] • Ondas de fluxo: quadrada (ou constante), sinusoidal, acelerada, desacelerada. • (I:E) Relação Inspiração/Expiração: durante respiração espontânea normal, é de 1:1,5 a 1:2 com tempo inspiratório de 0,8 a 1,2 s
  • 16. Métodos de ciclagem Ciclados a pressão A inspiração cessa quando é alcançada a pressão máxima predeterminada. PSV – Pressure support ventilation PCV – Pressure-controlled ventilation Ciclados a fluxo Neste caso, uma pressão predeterminada em via aérea é aplicada ao paciente, o ventilador cicla assim que o fluxo inspiratório diminui e alcança um percentual predeterminado de seu valor de pico (normalmente 25%).
  • 17. Métodos de ciclagem pressão positiva Ciclados a volume A inspiração termina após se completar um volume corrente predeterminado. • Ventilação controlada: Nenhum esforço respiratório do paciente irá contribuir. Entre suas indicações estão, o traumatismo raquimedular, depressão do SNC por drogas, bloqueio neuromuscular). • Ventilação assisto-controlada: o ventilador “percebe” o esforço inspiratório do paciente e “responde” oferecendo-Ihe um volume corrente predeterminado. • Ventilação mandatória intermitente:
  • 19. Referências bibliográficas • 1. Bonassa J. Princípios Básicos dos Ventiladores Artificiais. In: Carvalho CRR. Ventilação Mecânica. São Paulo: Editora Atheneu; 2000. • 2. Machado FD, Eder GL, Dullius CR, Baldisserotto S. Ventilação mecânica: como iniciar. Acta méd; Porto Alegre 2014; 35(8): 1-8. • 3. Tarantino AB. Doenças pulmonares. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008. • 4. Raff H, Levitzky M. Fisiologia Médica: Uma abordagem integrada. Porto Alegre: Artmed; 2012. • 5. Hall JE, Guyton AC. Guyton & Hall Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Elsevier; 2017. • 6. Carvalho RRC, Toufen Júnior C, Franca AS. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica; J Bras Pneumol 2007; 33(2): 54-70. • 7. Araújo DA, Cunha de Leão BC, Ferreira RS. Volume x Pressão. Qual escolher? Rev Med Minas Gerais 2014; 24(8): 49-55. • 8. Campbell RS. Pressure-controlled versus Volume-controlled ventilation: does in matter? Respir Care 2002; 47(4): 416-24. • 9. Pádua AI, Martinez JAB. Modos de assistência ventilatória. Medicina, Ribeirão Preto 2001;34: 133-42. • Reconhecer rapidamente aqueles • pacientes que poderão necessitar de • um suporte ventilatório. • Saber o funcionamento básico dos • ventiladores mecânicos, além dos ajustes • dos parâmetros ventilatórios. • Estudar para compreender a • fisiologia da mecânica respiratória • Entender e utilizar as diferentes • modalidades ventilatórias, bem como • ajustá las a cada tipo de paciente. • anter o paciente ajustado ao ventilador, • ofertando lhe o melhor conforto possível • enquanto trata a sua doença de base. • Ao oferecer um suporte • ventilatório, realizar sempre uma • VM protetora ao seu paciente. • VENTILAÇÃO MECÂNICA • Retirar o mais breve possível da VM os • pacientes em que este su porte não lhe é • mais útil. • Reconhecer • cada quadro clínico e saber a • melhor hora de iniciar o desmame • ventilatório. • Entender os volumes, capacidades • pulmonares, frequência respiratória e • outros parâmetros dos pacientes. • Saber de forma precisa as indicações da VM • e como proceder até conseguir oferecer este • suporte ventilatório.