SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Baixar para ler offline
ASSISTÊNCIADE
ENFERMAGEM
ANAMNESEEEXAME
CLÍNICOEFÍSICO
A assistência da Enfermagem baseia-se em

conhecimentos científicos e métodos que

definem sua implementação.
A sistematização da assistência de enfermagem
(SAE) e uma forma planejada de prestar cuidados

aos pacientes que, gradativamente, vem sendo

implantada em diversos serviços de saúde.
ANAMNESEEEXAMECLÍNICO
Dogregoaná=trazerdenovo+ mnesis=memória.
É a entrevista inicial que o profissional deve fazer.
Serve como um banco de dados do paciente.
Tem 2 tipos de perguntas: Focadas e Abertas
Identificação
Descrição do paciente: nome, sexo, idade, estado civil, etnia,
profissão atual, naturalidade, nacionalidade, residência atual.
Perfil
Breve descrição do "perfil" do paciente durante a consulta
(ansiedade, se veio acompanhado, se por vontade própria...)
QueixaPrincipal
A queixa principal (QP) é uma breve descrição do porque o
paciente veio ao médico (nas palavras do paciente, se possível)
Históriadadoençaatual
A história da doença atual (HDA) é uma descrição cronológica dos
problemas do paciente, seguido por uma lista dos “positivos e
negativos pertinentes”, que servem para confirmar ou eliminar
doenças do diagnóstico diferencial. Se o paciente tem mais de um
problema, a HDA é repetida para cada problema.
HistóriaPatológicaPregressa
A história patológica pregressa (HPP) é a descrição do estado
geral de saúde, doenças pregressas, acidentes, hospitalizações
prévias, cirurgias, alergias, imunizações, uso e abuso de drogas,
dieta e hábitos alimentares, padrão do sono, medicações em uso
no presente e passado.
História Pessoal
História Familiar
História Psicossocial
Aindatemos....
Exemplosdeanamnese
Atividade
Atividade interativa em sala de aula
Exame
Físico
Exame Físico
O exame físico de enfermagem é a investigação do corpo do

paciente para determinar o estado de saúde do mesmo.
peso
altura
sinais vitais e
exame céfalo caudal (da cabeça para os pés)

de todos os sistemas do corpo do paciente.
O procedimento completo inclui:
Exame Físico
Nele iremos utilizar alguns instrumentos básicos
Jaleco
Calçado fechado
Estetoscópio
Esfigmomanômetro
Termômetro
Oxímetro de pulso
Lanterna clínica
Fita métrica
MATERIAIS NECESSÁRIOS
Exame Físico
As técnicas usadas no exame físico vão exigir do profissional o uso de quatro dos

seus cinco sentidos: visão, tato, audição e olfato
Inspeção (visão e olfato)
Ausculta (audição)
Palpação (tato)
Percussão (tato e audição)
Inspeção | Exame Físico
cores
formas
simetria e
cavidades corpóreas
Vamos avaliar:
estado geral
consciência
estado nutricional
postura e movimentação
coloração da pele
mucosas e hidratação e
higiene corpórea.
Inspeção | pele e mucosas
Coloração da pele
Textura
Hidratação
Temperatura
estática x dinâmica
Ausculta | Exame Físico
timbre
intensidade
tonalidade
Ausculta pulmonar
Palpação | Exame Físico
Recolhe dados através do tato e da pressão.
Percebem-se modificações:
textura
espessura;
consistência;
sensibilidade;
volume;
dureza;
percepção;
flutuação;
elasticidade;
presença de edema.
Percussão | Exame Físico
Golpes com as pontas dos dedos na região
alvo, fazendo movimento de martelo e sempre
retirando rapidamente as pontas dos dedos
para que a vibração ocorra.
Golpes com o leito ungueal do dedo médio
(plexor) que são dados no dorso do dedo
médio da outra mão
Direta
Digito-digital
Sinais Vitais
PROFESSORA JULIANA
Os sinais vitais são sinais clínicos da função orgânica
básica e são aferidos pelos profissionais de enfermagem
em todas as consultas médica.
Resultam das interações entre os sistemas orgânicos e
de determinadas patologias, refletindo a homeostasia do
organismo.
Sinais vitais
As alterações das funções corporais geralmente se refletem na

temperatura do corpo, na pulsação, na respiração e na pressão

arterial, podendo indicar enfermidades
A frequência da sua verificação, bem como

as suas anotações, devem ser de acordo com

a prescrição médica e/ou de enfermagem, e

variam conforme a condição clínica do

paciente.
Temperatura | Sinais Vitais
A temperatura axilar é a medida do
grau de calor que o corpo

apresenta.


É o resultado entre
a produção e a eliminação deste

calor
Temperatura | Sinais Vitais
Hipotermia: Temperatura abaixo de 35°C
Afebril: 36,1°C a 37,2°C
Febril: 37,3°C a 37,7°C
Febre: 37,8°C a 38,9°C
Pirexia: 39°C a 40°C
Hiperpirexia: acima de 40°C
Temperatura | Sinais Vitais
Pulso| Sinais Vitais
O pulso também compõe os sinais vitais que quando se palpa uma

artéria, o pulso arterial é percebido como uma expansão da parede

arterial síncrona com o batimento cardíaco.
Pulso| Sinais Vitais
Respiração | Sinais Vitais
A frequência respiratória é determinada pelo número de

movimentos respiratórios por minuto
Respiração | Sinais Vitais
Pressão Arterial | Sinais Vitais
A pressão arterial é a inter-relação entre o débito cardíaco, a resistência vascular

periférica, o volume sanguíneo, a viscosidade do sangue e elasticidade da artéria.
Terminologia
Pressão Arterial | Sinais Vitais
A pressão arterial é a inter-relação entre o débito cardíaco, a resistência vascular

periférica, o volume sanguíneo, a viscosidade do sangue e elasticidade da artéria.
Valores de Referência
Avaliação da Dor | Sinais Vitais
Avaliar a dor do paciente aplicando a escala e/ou questionário adequados

conforme a idade, nível de consciência e/ou desenvolvimento cognitivo;
Escala de Faces
Avaliação da Dor | Sinais Vitais
Avaliar a dor do paciente aplicando a escala e/ou questionário adequados

conforme a idade, nível de consciência e/ou desenvolvimento cognitivo;
Escala Numérica de Dor
Estamos

Liberados!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Karina Pereira
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Amanda Moura
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 

Mais procurados (20)

Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)Semiologia slide pronto 19112012 (1)
Semiologia slide pronto 19112012 (1)
 
Introdução aula gestão dos serviços de saúde
Introdução aula gestão dos serviços de saúdeIntrodução aula gestão dos serviços de saúde
Introdução aula gestão dos serviços de saúde
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
 
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
Teorias de enfermagem e sae atualizado - aula 4
 
Anotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagemAnotaçoes de enfermagem
Anotaçoes de enfermagem
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Uti
UtiUti
Uti
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
Processo saúde doença
Processo saúde doençaProcesso saúde doença
Processo saúde doença
 

Semelhante a AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf

2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
Simone Alvarenga
 
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
sarasmfranca
 
fdocumentos.tips_semiologia-e-semiotecnica-i.ppt
fdocumentos.tips_semiologia-e-semiotecnica-i.pptfdocumentos.tips_semiologia-e-semiotecnica-i.ppt
fdocumentos.tips_semiologia-e-semiotecnica-i.ppt
ShesterDamaceno1
 
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
RaissaEufrazio
 
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
Virginia Scalia
 

Semelhante a AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf (20)

IMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSO
IMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSOIMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSO
IMPORTANCIA CLÍNICA - SINAIS VITAIS IDOSO
 
TEC.ENFERMAGEM CLÍNICA SINAIS VITAIS.pdf
TEC.ENFERMAGEM CLÍNICA SINAIS VITAIS.pdfTEC.ENFERMAGEM CLÍNICA SINAIS VITAIS.pdf
TEC.ENFERMAGEM CLÍNICA SINAIS VITAIS.pdf
 
SSVV -Antropometria
SSVV -AntropometriaSSVV -Antropometria
SSVV -Antropometria
 
Aula Teórica - Semiologia (1).pptx
Aula Teórica - Semiologia (1).pptxAula Teórica - Semiologia (1).pptx
Aula Teórica - Semiologia (1).pptx
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
 
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdfOFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
OFICINA DE SSVV - AULA 1.pdf
 
aula 2 sinais vitais
aula 2 sinais vitais aula 2 sinais vitais
aula 2 sinais vitais
 
Apostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagemApostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagem
 
Sinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptxSinais Vitais.pptx
Sinais Vitais.pptx
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
 
Aula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptxAula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptx
 
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
Apresentação de Marketing Redator Freelancer Delicado Orgânico Marrom e Cr...
 
fdocumentos.tips_semiologia-e-semiotecnica-i.ppt
fdocumentos.tips_semiologia-e-semiotecnica-i.pptfdocumentos.tips_semiologia-e-semiotecnica-i.ppt
fdocumentos.tips_semiologia-e-semiotecnica-i.ppt
 
Atendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalarAtendimento pré hospitalar
Atendimento pré hospitalar
 
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICAAULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
AULA SINAIS VITAIS PARA ENFERMAGEM - TEORIA E PRÁTICA
 
Saq dr. david szpilman - primeiros socorros
Saq   dr. david szpilman - primeiros socorrosSaq   dr. david szpilman - primeiros socorros
Saq dr. david szpilman - primeiros socorros
 
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
11963700 cadernao-de-semiologia[1][1]
 
Aula_03_METODO_CLINICO_E_EXAME_FISICO.pdf
Aula_03_METODO_CLINICO_E_EXAME_FISICO.pdfAula_03_METODO_CLINICO_E_EXAME_FISICO.pdf
Aula_03_METODO_CLINICO_E_EXAME_FISICO.pdf
 
Aula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptxAula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptx
 

Mais de CASA (11)

Classificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdfClassificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdf
 
História da Farmacologia.pdf
História da Farmacologia.pdfHistória da Farmacologia.pdf
História da Farmacologia.pdf
 
FARMACODINAMICA.pdf
FARMACODINAMICA.pdfFARMACODINAMICA.pdf
FARMACODINAMICA.pdf
 
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdfAULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
 
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdfAULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
 
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdfPOSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
 
Higiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdfHigiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdf
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
 
Anotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfAnotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdf
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
 

AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf

  • 2. A assistência da Enfermagem baseia-se em conhecimentos científicos e métodos que definem sua implementação. A sistematização da assistência de enfermagem (SAE) e uma forma planejada de prestar cuidados aos pacientes que, gradativamente, vem sendo implantada em diversos serviços de saúde.
  • 3. ANAMNESEEEXAMECLÍNICO Dogregoaná=trazerdenovo+ mnesis=memória. É a entrevista inicial que o profissional deve fazer. Serve como um banco de dados do paciente. Tem 2 tipos de perguntas: Focadas e Abertas
  • 4. Identificação Descrição do paciente: nome, sexo, idade, estado civil, etnia, profissão atual, naturalidade, nacionalidade, residência atual. Perfil Breve descrição do "perfil" do paciente durante a consulta (ansiedade, se veio acompanhado, se por vontade própria...) QueixaPrincipal A queixa principal (QP) é uma breve descrição do porque o paciente veio ao médico (nas palavras do paciente, se possível)
  • 5. Históriadadoençaatual A história da doença atual (HDA) é uma descrição cronológica dos problemas do paciente, seguido por uma lista dos “positivos e negativos pertinentes”, que servem para confirmar ou eliminar doenças do diagnóstico diferencial. Se o paciente tem mais de um problema, a HDA é repetida para cada problema. HistóriaPatológicaPregressa A história patológica pregressa (HPP) é a descrição do estado geral de saúde, doenças pregressas, acidentes, hospitalizações prévias, cirurgias, alergias, imunizações, uso e abuso de drogas, dieta e hábitos alimentares, padrão do sono, medicações em uso no presente e passado.
  • 10. Exame Físico O exame físico de enfermagem é a investigação do corpo do paciente para determinar o estado de saúde do mesmo. peso altura sinais vitais e exame céfalo caudal (da cabeça para os pés) de todos os sistemas do corpo do paciente. O procedimento completo inclui:
  • 11. Exame Físico Nele iremos utilizar alguns instrumentos básicos Jaleco Calçado fechado Estetoscópio Esfigmomanômetro Termômetro Oxímetro de pulso Lanterna clínica Fita métrica MATERIAIS NECESSÁRIOS
  • 12. Exame Físico As técnicas usadas no exame físico vão exigir do profissional o uso de quatro dos seus cinco sentidos: visão, tato, audição e olfato Inspeção (visão e olfato) Ausculta (audição) Palpação (tato) Percussão (tato e audição)
  • 13. Inspeção | Exame Físico cores formas simetria e cavidades corpóreas Vamos avaliar: estado geral consciência estado nutricional postura e movimentação coloração da pele mucosas e hidratação e higiene corpórea.
  • 14. Inspeção | pele e mucosas Coloração da pele Textura Hidratação Temperatura
  • 16. Ausculta | Exame Físico timbre intensidade tonalidade
  • 18.
  • 19. Palpação | Exame Físico Recolhe dados através do tato e da pressão. Percebem-se modificações: textura espessura; consistência; sensibilidade; volume; dureza; percepção; flutuação; elasticidade; presença de edema.
  • 20.
  • 21. Percussão | Exame Físico Golpes com as pontas dos dedos na região alvo, fazendo movimento de martelo e sempre retirando rapidamente as pontas dos dedos para que a vibração ocorra. Golpes com o leito ungueal do dedo médio (plexor) que são dados no dorso do dedo médio da outra mão Direta Digito-digital
  • 23. Os sinais vitais são sinais clínicos da função orgânica básica e são aferidos pelos profissionais de enfermagem em todas as consultas médica. Resultam das interações entre os sistemas orgânicos e de determinadas patologias, refletindo a homeostasia do organismo. Sinais vitais
  • 24. As alterações das funções corporais geralmente se refletem na temperatura do corpo, na pulsação, na respiração e na pressão arterial, podendo indicar enfermidades A frequência da sua verificação, bem como as suas anotações, devem ser de acordo com a prescrição médica e/ou de enfermagem, e variam conforme a condição clínica do paciente.
  • 25. Temperatura | Sinais Vitais A temperatura axilar é a medida do grau de calor que o corpo apresenta. É o resultado entre a produção e a eliminação deste calor
  • 26. Temperatura | Sinais Vitais Hipotermia: Temperatura abaixo de 35°C Afebril: 36,1°C a 37,2°C Febril: 37,3°C a 37,7°C Febre: 37,8°C a 38,9°C Pirexia: 39°C a 40°C Hiperpirexia: acima de 40°C
  • 28. Pulso| Sinais Vitais O pulso também compõe os sinais vitais que quando se palpa uma artéria, o pulso arterial é percebido como uma expansão da parede arterial síncrona com o batimento cardíaco.
  • 30. Respiração | Sinais Vitais A frequência respiratória é determinada pelo número de movimentos respiratórios por minuto
  • 32. Pressão Arterial | Sinais Vitais A pressão arterial é a inter-relação entre o débito cardíaco, a resistência vascular periférica, o volume sanguíneo, a viscosidade do sangue e elasticidade da artéria. Terminologia
  • 33. Pressão Arterial | Sinais Vitais A pressão arterial é a inter-relação entre o débito cardíaco, a resistência vascular periférica, o volume sanguíneo, a viscosidade do sangue e elasticidade da artéria. Valores de Referência
  • 34. Avaliação da Dor | Sinais Vitais Avaliar a dor do paciente aplicando a escala e/ou questionário adequados conforme a idade, nível de consciência e/ou desenvolvimento cognitivo; Escala de Faces
  • 35. Avaliação da Dor | Sinais Vitais Avaliar a dor do paciente aplicando a escala e/ou questionário adequados conforme a idade, nível de consciência e/ou desenvolvimento cognitivo; Escala Numérica de Dor
  • 36.
  • 37.