SlideShare uma empresa Scribd logo
FARMACOCINÉTICA
PROFª JULIANA SOUSA
F A T O R E S Q U E I N F L U E N C I A M N A A B S O R Ç Ã O E D I S T R I B U I Ç Ã O D A S 

D R O G A S
Existem propriedades químicas do fármaco e variações fisiológicas do organismo

que interferem na sua absorção.
Sabe-se que as drogas são absorvidas na sua forma íntegra, não

ionizada, uma vez que as membranas celulares são

essencialmente bicamadas lipídicas contendo várias moléculas

proteicas que regulam a homeostasia celular.
A absorção do fármaco é determinada pelas propriedades físico-químicas, pela

formulação e pela via de administração do fármaco.
As formas de dosagem
(p. ex., comprimidos, cápsulas ou soluções)
(p. ex., oral, bucal, sublingual, retal, parenteral, tópica e por inalação)
constituídas pelo fármaco e por outros ingredientes, são formuladas para serem

administradas mediante várias vias
Independentemente da via de administração, os fármacos

devem estar em solução para serem absorvidos.
A B S O R Ç Ã O D E F Á R M A C O S
TRANSPORTE DE FÁRMACOS ATRAVÉS DAS MEMBRANAS
A absorção, a distribuição, a biotransformação e a eliminação de

uma substância envolvem a sua passagem através das membranas

celulares.
A capacidade da droga em atravessar as paredes

capilares, membranas celulares e outras barreiras,
depende em grande parte do tamanho e

forma moleculares e da sua solubilidade

em meios aquosos e lipídicos.
Os seguintes mecanismos de transporte através de

membranas são relevantes para o transporte das drogas.
Depende, em grande parte, do

tamanho molecular da droga.
Esses canais da membrana celular

consistem em vias através das

proteínas.
Não é o principal mecanismo de

transporte de drogas.
D i f u s ã o p a s s i v a d e d r o g a s h i d r o s s o l ú v e i s :
D i f u s ã o p a s s i v a d e d r o g a s h i d r o s s o l ú v e i s :
D i f u s ã o p a s s i v a d e d r o g a s h i d r o s s o l ú v e i s :
D i f u s ã o p a s s i v a d a s d r o g a s l i p o s s o l ú v e i s :
D i f u s ã o p a s s i v a d a s d r o g a s l i p o s s o l ú v e i s :
D i f u s ã o p a s s i v a d a s d r o g a s l i p o s s o l ú v e i s :
Principal mecanismo de transporte dos

fármacos.
A velocidade de difusão depende dos

seguintes fatores:
Concentração da droga
Coeficiente de partição óleo/água
Concentração de prótons (pH)
Área para difusão da droga
T r a n s p o r t e A t i v o :
T r a n s p o r t e A t i v o :
T r a n s p o r t e A t i v o :
O transporte ativo é seletivo, requer gasto

energético e pode envolver transporte

contra gradiente de concentração.
As características do transporte ativo:
Seletividade Inibição competitiva
Demanda de energia
Saturabilidade
Movimento contra um gradiente

eletroquímico
(p. ex., íons, vitaminas, açúcares e aminoácidos)
P i n o c i t o s e e F a g o c i t o s e :
P i n o c i t o s e e F a g o c i t o s e :
P i n o c i t o s e e F a g o c i t o s e :
A Pinocitose envolve a invaginação de uma parte da membrana celular e

o encerramento, no interior da célula, de uma pequena vesícula contendo

componentes extracelulares.
B I O T R A N S F O R M A Ç Ã O D E F Á R M A C O S
A maioria das drogas é metabolizada antes da catabolização no organismo.
As reações de metabolização das drogas foram classificadas em

duas categorias com processos de fases 1 e 2.
FASE 1
oxidação
redução
hidrólise.
FASE 2
Conjulgação
L O C A I S E M Q U E O C O R R E A B I O T R A N S F O R M A Ç Ã O 

D A S D R O G A S :
Fígado;
Pulmões;
Rins;
Pele;
Córtex adrenal;
Intestino, etc.
F I N A L I D A D E D A B I O T R A N S F O R M A Ç Ã O :
Tornar a droga mais facilmente excretável, por

exemplo, através dos rins, evitando o seu

acúmulo no organismo.
O papel do fígado na biotransformação das drogas
Enzimas.
O x i d a ç ã o
O x i d a ç ã o
O x i d a ç ã o
incorporação de um átomo de Oxigênio na molécula original da droga.
R e d u ç ã o
R e d u ç ã o
R e d u ç ã o
C o n j u g a ç ã o
C o n j u g a ç ã o
C o n j u g a ç ã o
processo com hidrogenização de ligações duplas e remoção de átomos de
oxigênio.
quase sempre resulta na perda total da atividade farmacológica e na
aceleração da excreção da droga.
F A T O R E S Q U E I N F L U E M N O M E T A B O L I S M O D A S D R O G A S :
Fatores genéticos:
Idade:
Sexo:
Metabolismo lento/rápido
Feto < recém-nascido < criança < adulto > idoso
Hormônios Femininos vs. Hormônios Masculinos
Hipertireoidismo x Hipotireodismo
F A T O R E S Q U E I N F L U E M N O M E T A B O L I S M O D A S D R O G A S :
Nutrição:
Patologias:
Carência protéica x atividade enzimática
Viroses → causam depressão da atividade enzimática do fígado
Malária, hanseníase, COVID-19.... → Alteram a biotrasnformação
E X C R E Ç Ã O D O S F Á R M A C O S
processo em que a droga volta à circulação

sanguínea e é eliminada através dos rins,

pulmões, bile, suor, lágrimas, saliva, leite,

secreção nasal, etc.
A saída do fármaco do organismo ocorre

por numerosas vias,
sendo a eliminação na urina por meio

dos rins a mais importante.
E L I M I N A Ç Ã O R E N A L D O S F Á R M A C O S
A eliminação de fármacos pelos rins na urina envolve

os processos de filtração glomerular, secreção

tubular ativa e reabsorção tubular passiva.
1. Filtração glomerular: Os fármacos chegam aos rins
pelas artérias renais, que se dividem para formar o plexo
capilar glomerular.
2. Secreção tubular proximal: Os fármacos que não
foram transferidos para o filtrado glomerular saem dos
glomérulos através das arteríolas eferentes, que se
dividem formando um plexo capilar ao redor do lúmen
no túbulo proximal.
E L I M I N A Ç Ã O R E N A L D O S F Á R M A C O S
A eliminação de fármacos pelos rins na urina envolve

os processos de filtração glomerular, secreção

tubular ativa e reabsorção tubular passiva.
3. Reabsorção tubular distal: Enquanto o fármaco se
desloca em direção ao túbulo contorcido distal, sua
concentração aumenta e excede à do espaço perivascular.
4. Papel da biotransformação de fármacos: os
fármacos são modificados basicamente no fígado em
substâncias mais polares
M E I A - V I D A D O S F Á R M A C O S
Meia-vida (T ½): é o tempo necessário para que a concentração
plasmática da droga caia pela metade.
Exemplo:
Concentração plasmática alcançada = 100mg/dl.
Imagine que após 45 min. a concentração esteja em 50 mg/dl.
T ½ = 45 minutos.
E S Q U E M A S E O T I M I Z A Ç Ã O D A S D O S A G E N S
Para iniciar o tratamento medicamentoso, o clínico deve selecionar a via de

administração, a dosagem e o intervalo das dosificações apropriado.
Regimes de infusão contínua
Regimes de doses fixas/intervalo de tempo fixo
Otimização da dose
1.
2.
3.
R E G I M E S D E I N F U S Ã O C O N T Í N U A
O tratamento pode consistir em uma dose simples do fármaco
Os fármacos são administrados continuamente → seja como infusão IV ou em
doses fixas orais e em intervalos constantes
A administração contínua ou repetida resulta em acúmulo do fármaco até alcançar
um estado de equilíbrio
por exemplo.: uma dose única de um fármaco indutor do sono, como o

zolpidem.
A concentração de equilíbrio é alcançada quando
velocidade de eliminação = administração,
Administração contínua
velocidade de entrada do fármaco no organismo

é constante.
A velocidade de eliminação do fármaco

aumenta proporcionalmente com o aumento

da concentração no plasma.
Ao iniciar a infusão IV contínua, a concentração

do fármaco no plasma aumenta até alcançar

um estado de equilíbrio
C o n c e n t r a ç ã o p l a s m á t i c a d o f á r m a c o a p ó s i n f u s ã o I V :
R e g i m e s d e d o s e s f i x a s / i n t e r v a l o d e 

t e m p o f i x o
Doses fixas de medicações IV ou orais administradas em

intervalos fixos resultam em flutuações tempo-

dependentes nos níveis de fármaco circulante
1. Injeções IV múltiplas:
Quando um fármaco é administrado repetidamente a
intervalos regulares, a concentração plasmática aumenta até
alcançar um estado de equilíbrio
O fármaco acumula até que, dentro do intervalo de dosagens,
a velocidade de eliminação do fármaco se iguala à
velocidade de administração –
R e g i m e s d e d o s e s f i x a s / i n t e r v a l o d e 

t e m p o f i x o
Administrações orais múltiplas:
A absorção dos fármacos administrados por via oral

pode ser lenta
A concentração plasmática é influenciada tanto

pela velocidade de absorção quanto pela

velocidade de eliminação
O T I M I Z A Ç Ã O D A D O S E
O objetivo do tratamento com fármacos é alcançar e manter a concentração

dentro da janela terapêutica e minimizar os efeitos adversos.
Dose de manutenção:
Os fármacos em geral são administrados
para manter a concentração de equilíbrio
na janela terapêutica
Às vezes, é necessário alcançar os níveis
no plasma rapidamente
é administrada para alcançar com
rapidez os níveis plasmáticos desejados
São necessárias 4-5 meias-vidas para um
fármaco alcançar a concentração de
equilíbrio
Dose de ataque:
Doses de ataque podem ser
administradas como dose única
ou em uma série de doses.
A dose de ataque é mais útil para
fármacos que têm meia-vida
relativamente longa.
aumento do risco de toxicidade
necessidade de um tempo ↑
concentração no plasma
diminuir caso se alcance uma
concentração excessiva.
Desvantagens:
Dose de ajuste:
Monitorar o tratamento farmacológico e correlacioná-lo com os benefícios clínicos

constitui outra ferramenta para individualizar o tratamento.
PROF JULIANA SOUSA
VAMOS EXERCITAR??
ATIVIDADE EM SALA
Uma paciente de 18 anos é trazida ao setor de emergências

devido à dosagem excessiva (overdose) de droga.


Qual das seguintes vias de administração é a melhor para

aplicar o antídoto contra a overdose?
A. INTRAMUSCULAR.
C. ORAL. D. INTRAVENOSA
B. SUBCUTÂNEA.
Uma paciente de 18 anos é trazida ao setor de emergências

devido à dosagem excessiva (overdose) de droga.


Qual das seguintes vias de administração é a melhor para

aplicar o antídoto contra a overdose?
A. INTRAMUSCULAR.
C. ORAL. D. INTRAVENOSA
B. SUBCUTÂNEA.
Um fármaco com meia-vida de 10 horas é administrado
em infusão IV contínua.
Qual das seguintes alternativas se aproxima melhor do

tempo que o fármaco precisa para alcançar o estado de

equilíbrio?
A. 10 HORAS.
C. 40 HORAS. D. 33 HORAS.
B. 20 HORAS.
Um fármaco com meia-vida de 10 horas é administrado
em infusão IV contínua.
Qual das seguintes alternativas se aproxima melhor do

tempo que o fármaco precisa para alcançar o estado de

equilíbrio?
A. 10 HORAS.
C. 40 HORAS. D. 33 HORAS.
B. 20 HORAS.
ESTAMOS LIBERADOS!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

FarmacocinéTica
FarmacocinéTicaFarmacocinéTica
FarmacocinéTica
Caio Maximino
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
Glaudstone Agra
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Vias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de MedicamentosVias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de Medicamentos
Jade Oliveira
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Jaqueline Almeida
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
Julia Martins Ulhoa
 
Farmacologia 04 farmacodinâmica
Farmacologia 04   farmacodinâmicaFarmacologia 04   farmacodinâmica
Farmacologia 04 farmacodinâmica
Jucie Vasconcelos
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínicaFarmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínica
Vinicius Henrique
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
Maria Silene Silva
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Renato Santos
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
Claudio Luis Venturini
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
Jaqueline Almeida
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
marigrace23
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
Francisco José
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonista
Caio Maximino
 

Mais procurados (20)

FarmacocinéTica
FarmacocinéTicaFarmacocinéTica
FarmacocinéTica
 
Bases da farmacologia
Bases da farmacologiaBases da farmacologia
Bases da farmacologia
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 
Vias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de MedicamentosVias de Administração de Medicamentos
Vias de Administração de Medicamentos
 
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de AdministraçãoAula de Farmacocinética e Vias de Administração
Aula de Farmacocinética e Vias de Administração
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 
Farmacologia 04 farmacodinâmica
Farmacologia 04   farmacodinâmicaFarmacologia 04   farmacodinâmica
Farmacologia 04 farmacodinâmica
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Farmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínicaFarmacocinética básica e clínica
Farmacocinética básica e clínica
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia2 aula de farmacologia
2 aula de farmacologia
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
 
Espectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonistaEspectro agonista-antagonista
Espectro agonista-antagonista
 

Semelhante a AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf

Aula 2 Biomedicina
Aula 2 BiomedicinaAula 2 Biomedicina
Aula 2 Biomedicina
Caio Maximino
 
Materia de farmaco p1
Materia de farmaco p1Materia de farmaco p1
Materia de farmaco p1
Jaqueline Soares
 
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdfFARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
nilsonmarques9
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologiaResumo farmacologia
Resumo farmacologia
Marcelo Junnior
 
2364091 farmacologia
2364091 farmacologia2364091 farmacologia
2364091 farmacologia
Josué Sampaio
 
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdfApostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
AndreyAraujo10
 
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdfAULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
RaphaelaAndrade3
 
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdfFarmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
DheniseMikaelly
 
Resumo np1
Resumo np1Resumo np1
Resumo np1
elainebassi
 
Fundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagemFundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagem
Marlene Silva
 
Farmacologia (2).pptx
Farmacologia (2).pptxFarmacologia (2).pptx
Farmacologia (2).pptx
mauromaumau
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
Caio Maximino
 
2023823_22135_FARMACOCINETICA-Movimento do Fármaco no organismo.pptx
2023823_22135_FARMACOCINETICA-Movimento do Fármaco no organismo.pptx2023823_22135_FARMACOCINETICA-Movimento do Fármaco no organismo.pptx
2023823_22135_FARMACOCINETICA-Movimento do Fármaco no organismo.pptx
MirianLima62
 
Aula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdfAula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdf
CasimiroCampos
 
FARMACONIÉTICA.pptx
FARMACONIÉTICA.pptxFARMACONIÉTICA.pptx
FARMACONIÉTICA.pptx
TathianaGelinski1
 
Aula 1 Medicina
Aula 1 MedicinaAula 1 Medicina
Aula 1 Medicina
Caio Maximino
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1
Rayssa Mendonça
 
prodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologiaprodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologia
Paulo Henrique Campos Vilhena
 
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
paulosa14
 
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdfAULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
JulianaNogueira339547
 

Semelhante a AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf (20)

Aula 2 Biomedicina
Aula 2 BiomedicinaAula 2 Biomedicina
Aula 2 Biomedicina
 
Materia de farmaco p1
Materia de farmaco p1Materia de farmaco p1
Materia de farmaco p1
 
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdfFARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
FARMACOCINETICA E MECANISMO MOLECULAR DE AÇAO DOS FARMACOS.pdf
 
Resumo farmacologia
Resumo farmacologiaResumo farmacologia
Resumo farmacologia
 
2364091 farmacologia
2364091 farmacologia2364091 farmacologia
2364091 farmacologia
 
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdfApostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
 
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdfAULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
AULA 1 FARMACOLOGIA .pdf
 
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdfFarmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf
 
Resumo np1
Resumo np1Resumo np1
Resumo np1
 
Fundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagemFundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagem
 
Farmacologia (2).pptx
Farmacologia (2).pptxFarmacologia (2).pptx
Farmacologia (2).pptx
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
 
2023823_22135_FARMACOCINETICA-Movimento do Fármaco no organismo.pptx
2023823_22135_FARMACOCINETICA-Movimento do Fármaco no organismo.pptx2023823_22135_FARMACOCINETICA-Movimento do Fármaco no organismo.pptx
2023823_22135_FARMACOCINETICA-Movimento do Fármaco no organismo.pptx
 
Aula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdfAula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdf
 
FARMACONIÉTICA.pptx
FARMACONIÉTICA.pptxFARMACONIÉTICA.pptx
FARMACONIÉTICA.pptx
 
Aula 1 Medicina
Aula 1 MedicinaAula 1 Medicina
Aula 1 Medicina
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1
 
prodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologiaprodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologia
 
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
 
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdfAULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
 

Mais de CASA

Classificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdfClassificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdf
CASA
 
História da Farmacologia.pdf
História da Farmacologia.pdfHistória da Farmacologia.pdf
História da Farmacologia.pdf
CASA
 
FARMACODINAMICA.pdf
FARMACODINAMICA.pdfFARMACODINAMICA.pdf
FARMACODINAMICA.pdf
CASA
 
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdfAULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
CASA
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
CASA
 
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdfPOSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
CASA
 
Higiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdfHigiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdf
CASA
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
CASA
 
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdfAULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
CASA
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
CASA
 
Anotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfAnotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdf
CASA
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
CASA
 

Mais de CASA (12)

Classificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdfClassificação dos medicamentos.pdf
Classificação dos medicamentos.pdf
 
História da Farmacologia.pdf
História da Farmacologia.pdfHistória da Farmacologia.pdf
História da Farmacologia.pdf
 
FARMACODINAMICA.pdf
FARMACODINAMICA.pdfFARMACODINAMICA.pdf
FARMACODINAMICA.pdf
 
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdfAULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
AULA - Grupos Farmaceuticos.pdf
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
 
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdfPOSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
POSIÇÕES PARA EXAMES.pdf
 
Higiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdfHigiene e Banho no leito.pdf
Higiene e Banho no leito.pdf
 
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdfExames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
Exames laboratoriais e sondagem vesical.pdf
 
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdfAULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
AULA 2 - SINAIS VITAIS E EXAME FISICO.pdf
 
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM - ANAMNESE E EXAME CLÍNICO E FÍSICO.pdf
 
Anotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfAnotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdf
 
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdfAULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
AULA 1 - HISTÓRIA DA ENFERMAGEM.pdf
 

Último

DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 

Último (9)

DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 

AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf

  • 2. F A T O R E S Q U E I N F L U E N C I A M N A A B S O R Ç Ã O E D I S T R I B U I Ç Ã O D A S D R O G A S Existem propriedades químicas do fármaco e variações fisiológicas do organismo que interferem na sua absorção. Sabe-se que as drogas são absorvidas na sua forma íntegra, não ionizada, uma vez que as membranas celulares são essencialmente bicamadas lipídicas contendo várias moléculas proteicas que regulam a homeostasia celular.
  • 3. A absorção do fármaco é determinada pelas propriedades físico-químicas, pela formulação e pela via de administração do fármaco. As formas de dosagem (p. ex., comprimidos, cápsulas ou soluções) (p. ex., oral, bucal, sublingual, retal, parenteral, tópica e por inalação) constituídas pelo fármaco e por outros ingredientes, são formuladas para serem administradas mediante várias vias Independentemente da via de administração, os fármacos devem estar em solução para serem absorvidos. A B S O R Ç Ã O D E F Á R M A C O S
  • 4.
  • 5.
  • 6. TRANSPORTE DE FÁRMACOS ATRAVÉS DAS MEMBRANAS A absorção, a distribuição, a biotransformação e a eliminação de uma substância envolvem a sua passagem através das membranas celulares. A capacidade da droga em atravessar as paredes capilares, membranas celulares e outras barreiras, depende em grande parte do tamanho e forma moleculares e da sua solubilidade em meios aquosos e lipídicos.
  • 7. Os seguintes mecanismos de transporte através de membranas são relevantes para o transporte das drogas.
  • 8. Depende, em grande parte, do tamanho molecular da droga. Esses canais da membrana celular consistem em vias através das proteínas. Não é o principal mecanismo de transporte de drogas. D i f u s ã o p a s s i v a d e d r o g a s h i d r o s s o l ú v e i s : D i f u s ã o p a s s i v a d e d r o g a s h i d r o s s o l ú v e i s : D i f u s ã o p a s s i v a d e d r o g a s h i d r o s s o l ú v e i s :
  • 9. D i f u s ã o p a s s i v a d a s d r o g a s l i p o s s o l ú v e i s : D i f u s ã o p a s s i v a d a s d r o g a s l i p o s s o l ú v e i s : D i f u s ã o p a s s i v a d a s d r o g a s l i p o s s o l ú v e i s : Principal mecanismo de transporte dos fármacos. A velocidade de difusão depende dos seguintes fatores: Concentração da droga Coeficiente de partição óleo/água Concentração de prótons (pH) Área para difusão da droga
  • 10. T r a n s p o r t e A t i v o : T r a n s p o r t e A t i v o : T r a n s p o r t e A t i v o : O transporte ativo é seletivo, requer gasto energético e pode envolver transporte contra gradiente de concentração. As características do transporte ativo: Seletividade Inibição competitiva Demanda de energia Saturabilidade Movimento contra um gradiente eletroquímico (p. ex., íons, vitaminas, açúcares e aminoácidos)
  • 11. P i n o c i t o s e e F a g o c i t o s e : P i n o c i t o s e e F a g o c i t o s e : P i n o c i t o s e e F a g o c i t o s e : A Pinocitose envolve a invaginação de uma parte da membrana celular e o encerramento, no interior da célula, de uma pequena vesícula contendo componentes extracelulares.
  • 12. B I O T R A N S F O R M A Ç Ã O D E F Á R M A C O S A maioria das drogas é metabolizada antes da catabolização no organismo. As reações de metabolização das drogas foram classificadas em duas categorias com processos de fases 1 e 2. FASE 1 oxidação redução hidrólise. FASE 2 Conjulgação
  • 13. L O C A I S E M Q U E O C O R R E A B I O T R A N S F O R M A Ç Ã O D A S D R O G A S : Fígado; Pulmões; Rins; Pele; Córtex adrenal; Intestino, etc.
  • 14. F I N A L I D A D E D A B I O T R A N S F O R M A Ç Ã O : Tornar a droga mais facilmente excretável, por exemplo, através dos rins, evitando o seu acúmulo no organismo. O papel do fígado na biotransformação das drogas Enzimas.
  • 15. O x i d a ç ã o O x i d a ç ã o O x i d a ç ã o incorporação de um átomo de Oxigênio na molécula original da droga. R e d u ç ã o R e d u ç ã o R e d u ç ã o C o n j u g a ç ã o C o n j u g a ç ã o C o n j u g a ç ã o processo com hidrogenização de ligações duplas e remoção de átomos de oxigênio. quase sempre resulta na perda total da atividade farmacológica e na aceleração da excreção da droga.
  • 16. F A T O R E S Q U E I N F L U E M N O M E T A B O L I S M O D A S D R O G A S : Fatores genéticos: Idade: Sexo: Metabolismo lento/rápido Feto < recém-nascido < criança < adulto > idoso Hormônios Femininos vs. Hormônios Masculinos Hipertireoidismo x Hipotireodismo
  • 17. F A T O R E S Q U E I N F L U E M N O M E T A B O L I S M O D A S D R O G A S : Nutrição: Patologias: Carência protéica x atividade enzimática Viroses → causam depressão da atividade enzimática do fígado Malária, hanseníase, COVID-19.... → Alteram a biotrasnformação
  • 18. E X C R E Ç Ã O D O S F Á R M A C O S processo em que a droga volta à circulação sanguínea e é eliminada através dos rins, pulmões, bile, suor, lágrimas, saliva, leite, secreção nasal, etc. A saída do fármaco do organismo ocorre por numerosas vias, sendo a eliminação na urina por meio dos rins a mais importante.
  • 19.
  • 20. E L I M I N A Ç Ã O R E N A L D O S F Á R M A C O S A eliminação de fármacos pelos rins na urina envolve os processos de filtração glomerular, secreção tubular ativa e reabsorção tubular passiva. 1. Filtração glomerular: Os fármacos chegam aos rins pelas artérias renais, que se dividem para formar o plexo capilar glomerular. 2. Secreção tubular proximal: Os fármacos que não foram transferidos para o filtrado glomerular saem dos glomérulos através das arteríolas eferentes, que se dividem formando um plexo capilar ao redor do lúmen no túbulo proximal.
  • 21. E L I M I N A Ç Ã O R E N A L D O S F Á R M A C O S A eliminação de fármacos pelos rins na urina envolve os processos de filtração glomerular, secreção tubular ativa e reabsorção tubular passiva. 3. Reabsorção tubular distal: Enquanto o fármaco se desloca em direção ao túbulo contorcido distal, sua concentração aumenta e excede à do espaço perivascular. 4. Papel da biotransformação de fármacos: os fármacos são modificados basicamente no fígado em substâncias mais polares
  • 22. M E I A - V I D A D O S F Á R M A C O S Meia-vida (T ½): é o tempo necessário para que a concentração plasmática da droga caia pela metade. Exemplo: Concentração plasmática alcançada = 100mg/dl. Imagine que após 45 min. a concentração esteja em 50 mg/dl. T ½ = 45 minutos.
  • 23. E S Q U E M A S E O T I M I Z A Ç Ã O D A S D O S A G E N S Para iniciar o tratamento medicamentoso, o clínico deve selecionar a via de administração, a dosagem e o intervalo das dosificações apropriado. Regimes de infusão contínua Regimes de doses fixas/intervalo de tempo fixo Otimização da dose 1. 2. 3.
  • 24. R E G I M E S D E I N F U S Ã O C O N T Í N U A O tratamento pode consistir em uma dose simples do fármaco Os fármacos são administrados continuamente → seja como infusão IV ou em doses fixas orais e em intervalos constantes A administração contínua ou repetida resulta em acúmulo do fármaco até alcançar um estado de equilíbrio por exemplo.: uma dose única de um fármaco indutor do sono, como o zolpidem. A concentração de equilíbrio é alcançada quando velocidade de eliminação = administração,
  • 25. Administração contínua velocidade de entrada do fármaco no organismo é constante. A velocidade de eliminação do fármaco aumenta proporcionalmente com o aumento da concentração no plasma. Ao iniciar a infusão IV contínua, a concentração do fármaco no plasma aumenta até alcançar um estado de equilíbrio C o n c e n t r a ç ã o p l a s m á t i c a d o f á r m a c o a p ó s i n f u s ã o I V :
  • 26.
  • 27. R e g i m e s d e d o s e s f i x a s / i n t e r v a l o d e t e m p o f i x o Doses fixas de medicações IV ou orais administradas em intervalos fixos resultam em flutuações tempo- dependentes nos níveis de fármaco circulante 1. Injeções IV múltiplas: Quando um fármaco é administrado repetidamente a intervalos regulares, a concentração plasmática aumenta até alcançar um estado de equilíbrio O fármaco acumula até que, dentro do intervalo de dosagens, a velocidade de eliminação do fármaco se iguala à velocidade de administração –
  • 28. R e g i m e s d e d o s e s f i x a s / i n t e r v a l o d e t e m p o f i x o Administrações orais múltiplas: A absorção dos fármacos administrados por via oral pode ser lenta A concentração plasmática é influenciada tanto pela velocidade de absorção quanto pela velocidade de eliminação
  • 29. O T I M I Z A Ç Ã O D A D O S E O objetivo do tratamento com fármacos é alcançar e manter a concentração dentro da janela terapêutica e minimizar os efeitos adversos. Dose de manutenção: Os fármacos em geral são administrados para manter a concentração de equilíbrio na janela terapêutica Às vezes, é necessário alcançar os níveis no plasma rapidamente é administrada para alcançar com rapidez os níveis plasmáticos desejados São necessárias 4-5 meias-vidas para um fármaco alcançar a concentração de equilíbrio Dose de ataque:
  • 30. Doses de ataque podem ser administradas como dose única ou em uma série de doses. A dose de ataque é mais útil para fármacos que têm meia-vida relativamente longa. aumento do risco de toxicidade necessidade de um tempo ↑ concentração no plasma diminuir caso se alcance uma concentração excessiva. Desvantagens:
  • 31. Dose de ajuste: Monitorar o tratamento farmacológico e correlacioná-lo com os benefícios clínicos constitui outra ferramenta para individualizar o tratamento.
  • 32. PROF JULIANA SOUSA VAMOS EXERCITAR?? ATIVIDADE EM SALA
  • 33. Uma paciente de 18 anos é trazida ao setor de emergências devido à dosagem excessiva (overdose) de droga. Qual das seguintes vias de administração é a melhor para aplicar o antídoto contra a overdose? A. INTRAMUSCULAR. C. ORAL. D. INTRAVENOSA B. SUBCUTÂNEA.
  • 34. Uma paciente de 18 anos é trazida ao setor de emergências devido à dosagem excessiva (overdose) de droga. Qual das seguintes vias de administração é a melhor para aplicar o antídoto contra a overdose? A. INTRAMUSCULAR. C. ORAL. D. INTRAVENOSA B. SUBCUTÂNEA.
  • 35. Um fármaco com meia-vida de 10 horas é administrado em infusão IV contínua. Qual das seguintes alternativas se aproxima melhor do tempo que o fármaco precisa para alcançar o estado de equilíbrio? A. 10 HORAS. C. 40 HORAS. D. 33 HORAS. B. 20 HORAS.
  • 36. Um fármaco com meia-vida de 10 horas é administrado em infusão IV contínua. Qual das seguintes alternativas se aproxima melhor do tempo que o fármaco precisa para alcançar o estado de equilíbrio? A. 10 HORAS. C. 40 HORAS. D. 33 HORAS. B. 20 HORAS.