SlideShare uma empresa Scribd logo
Clínica

Cirúrgica
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO
PACIENTE CIRÚRGICO


A assistência de enfermagem ao paciente
cirúrgico, em uma Unidade de internação
inicia-se no momento da sua admissão na
Unidade. A partir desse momento, o
ambiente hospitalar, por suas características
impõe ao mesmo uma série de adaptações,
tais como:
- Mudanças de hábitos diários (alimentação,
higiene, necessidades fisiológicas, etc...);
 _ Restrição da liberdade (ambiente restrito,
horários preestabelecidos, visitas
controladas...);
 _ Exposição a agentes infecciosos;
 _ Ansiedade frente ao tratamento cirúrgico a
que irá ser submetido;
 _ Medo da morte ou de incapacidade física;
 _ Solidão;

O processo cirúrgico dividi-se
em:


Período Pré operatório



Período Trans-operatório



Período Pós operatório
PRÉ-OPERATÓRIO


Inicia-se no momento em que a cirurgia
é indicada e termina no momento em
que o paciente chega à sala de cirurgia.
Está dividido em:


MEDIATO – É o período que decorre
desde a indicação da cirurgia até 24
horas antes do ato cirúrgico;



IMEDIATO – É o período que decorre
desde a véspera da cirurgia até a
chegada do paciente ao CC.
Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:


Esvaziamento intestinal: Varia de
acordo com a especialidade. Pode ser
através de laxativos e ou enemas ou
ainda a limpeza mecânica do cólon com
soluções especiais. A enfermagem
realiza o procedimento indicado,
observa e anota o efeito em prescrição;
Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:


Modificações da dieta e jejum antes da
cirurgia: O paciente deve ser
esclarecido quanto à importância de
obediência à dieta. Geralmente é
adotada a seguinte regra de jejum:
líquidos – aprox. 02 horas e sólidos: de
04 a 06 horas.
Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:


Higiene Corporal e oral: A higiene oral e
corporal é muito importante para diminuir a
quantidade de microorganismos na superfície
da pele e com isto minimizar os riscos de
infecção na ferida cirúrgica. A higiene
corporal deve ser realizada de preferência
com sabão anti-séptico e hipoalergênico, de
preferência 02 horas antes do paciente ser
encaminhado ao centro cirúrgico. O mesmo
deve ser vestido com a roupa cirúrgica (
camisola, gorros e propés);
Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:


Tricotomia: Recomenda-se que a
tricotomia seja realizada, apenas
quando os pêlos interferirem no
procedimento cirúrgico
Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:


Esvaziamento da bexiga: O paciente deve
ser orientado a urinar antes de ser
encaminhado ao centro cirúrgico, caso
esteja lúcido. Caso esteja com dispositivo
de incontinência urinária , o mesmo deve
ser retirado, sendo realizado higiene
imediata. O cateter vesical pode ser
mantido dependendo do tempo de
instalação (até 07 dias) e do procedimento
cirúrgico proposto. Em ambos os casos a
diurese deve ser desprezada e anotada;
Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:


Controle dos sinais vitais: A aferição dos sinais
é fundamental na avaliação das condições
cirúrgicas do paciente e deve ser feita de 06 em
06 horas ou com intervalos menores se o
mesmo apresentar instabilidade nos padrões.
Alguns medicamentos pré-anestésicos e o
stress pela proximidade do ato cirúrgico,
somados muitas vezes a doenças preexistentes
como hipertensão e cardiopatias são fatores
que contribuem para as alterações fisiológicas
dos sinais vitais;
Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:


Administração de medicamentos: Existem alguns
medicamentos que são totalmente contraindicados no pré-operatório como
hipoglicemiantes e anticoagulantes, analgésicos
derivados de ácido acetilsalicílico (AAS) devido à
possibilidade de complicações no trans e pósoperatórios, como discrasias sangüíneas. A
prescrição médica geralmente restringe-se à
administração de medicação pré-anestésica e
em alguns casos de insulina e anti-hipertensivos.
Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:
A medicação pré-anestésica (prescrita pelo
anestesista durante a visita ao paciente) deve
ser administrada 01 hora antes da cirurgia e
tem como finalidades:
 . Reduzir a ansiedade do paciente;
 . Facilitar a indução anestésica;
 . Diminuir as secreções traqueobrônquicas.

Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:


Cabe à enfermagem a administração dos
medicamentos prescritos, registrando as
reações do paciente a tais medicações,
assim como deverão ser anotados também
todos os cuidados prestados e qualquer
anormalidade nas condições físicas e
emocionais do paciente. Antes de
encaminhar o mesmo ao centro cirúrgico, o
seu prontuário deverá estar completo com
todos os exames necessários.
Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:


Remoção de próteses, jóias e adornos,
esmalte e maquiagem. Os pacientes
devem ser esclarecidos quanto aos fatores
de risco implicados caso esses
procedimentos não sejam cumpridos,
Ações de enfermagem no preparo ao
paciente neste período:


Auxiliar o paciente a passar para a maca de
transporte de forma tranqüila para o seu
conforto;



Providenciar a limpeza do leito. Para que o
mesmo possa ser arrumado para receber o
paciente após a cirurgia.
TRANS-OPERATÓRIO



Consiste no tempo entre o momento em
que o paciente é recebido no centro
cirúrgico até ser encaminhado para a
Recuperação Pós Anestésica (RPA).forma
adequada para recebê-lo no pós operatório.
PERÍODO PÓS OPERATÓRIO


É o período que se inicia a partir da
saída do paciente da sala de cirurgia e
perdura até a sua total recuperação
PERÍODO PÓS OPERATÓRIO


IMEDIATO



Compreende desde a alta do paciente da
RPA até as primeiras 24 horas após a
cirurgia
PERÍODO PÓS OPERATÓRIO
Ações de enfermagem neste período
imediato
 Receber o paciente de volta ao seu leito na
clinica cirúrgica de forma segura.


Recolher o prontuário do paciente e entregalo ao enfermeiro supervisor para a
conferencia dos dados
PERÍODO PÓS OPERATÓRIO


Verificar SSVV



Verificar se o acesso venoso está funcionando

Estar atento a qualquer alteração no estado
clinico do paciente como:
dificuldade respiratória ,cianose

PERÍODO PÓS OPERATÓRIO


Administrar medicação prescrita



Auxiliar o paciente sempre que solicitado.
PERÍODO PÓS OPERATÓRIO


MEDIATO



Após 24 horas e até 7 dias depois
PERÍODO PÓS OPERATÓRIO


TARDIO



Após 07 dias do recebimento da alta
CUIDADOS PÓS OPERATÓRIOS
ESPECIFÍCOS :


CIRURGIA CARDIACA



Restringir fluxo



Manter fixa a equipe de enfermagem, restrita
exclusivamente à enfermaria da Cirurgia
Cardíaca.



Não permitir aos pacientes da Cirurgia cardíaca
a entrada em outras enfermarias, bem como a
movimentação livre pelos corredores.


Não permitir a entrada de pacientes de outras
enfermarias na enfermaria da Cirurgia
Cardíaca.



Curativo pós-operatório – incisão – irrigação
com SF 0,9% e ocluir com micropore estéril.



Trocar o curativo todas as vezes que estiver
úmido, comunicando com a equipe cirúrgica a
presença de secreções anormais.



Ao identificar a presença de febre em qualquer
paciente pós-operatório fazer a curva térmica –
aferindo e anotando temperatura axilar de 4/4
horas,


Vigilância microbiológica contínua, com coleta
de materiais para cultura conforme
padronização da CCIH.



Se houver secreção em ferida operatória –
colher swab e enviar para cultura, conforme
padronização da CCIH.



No momento da alta hospitalar os paciente
receberão uma folha com orientações gerais,
fisioterápicas e dietéticas.
 CIRURGIA ORTOPEDICA


Cuidados gerais:



Cuidados com o manuseio do paciente



Atenção aos curativos, observar a presença
de anormalidades



Auxilio na deambulação e realização das
necessidades básicas dos pacientes devido a
restrição da capacidade em razão da cirurgia
 CIRURGIA DERMATOLOGICA


Não fazer uso no pós-operatório de:



Analgésicos do grupo salicílico (AAS, aspirina);



Agentes quimioterápicos contra o câncer, pois as
drogas antineoplásicas determinam uma maior
incidência de infecção devido a alterações na
imunidade.



Orientar para modificar suas atividades se a cirurgia
assim exigir.


No primeiro dia, o curativo deverá ser
compressivo para ajudar a hemostasia e aliviar
a dor. Nos dias subseqüentes um curativo mais
simples deve ser feito. No dia seguinte ao da
cirurgia o paciente deverá ir ao consultório. O
ideal é sempre o médico examinar o paciente no
primeiro dia pós-operatório . Porém há os que
raramente usam curativos e, se o fazem,
minimizam o número de vezes em que são
trocados



Alguns autores preconizam o uso de filtro solar
sistematicamente após o ato cirúrgico, quando
este for de áreas expostas à luz solar.
 CIRURGIA OFTALMOLOGICA


A maioria dos procedimentos não requer
internação basicamente deve-se:



Após a cirurgia é feito um curativo que será
removido no dia seguinte da operação, dando
início a uma fase de tratamento com colírios e
pomadas no olho operado. A recuperação é
rápida e permite o retorno breve às atividades
normais.
 Deve

–se orientar a :



Não esfregar



Não coçar



Não dormir sobre o olho operado



Não fazer esforço físico nos primeiros dias de
cirurgia
NOMENCLATURA CIRURGICA


As manobras e procedimentos operatórios e
também os instrumentos cirúrgicos são
reconhecidos mundialmente por termos
médicos ou denominações próprias.



Os atos cirúrgicos são designados por
termos formados, de maneira geral, por
prefixos ou palavras que apontam o órgão
em causa, e por sufixos que indicam o ato
cirúrgico realizado. Vejamos exemplos
PREFIXOS
Adeno
Cisto
Cole
Colo
Colpo
Êntero
Gastro
Hístero
Nefro
Oftalmo
Oofor
Orqui
Ósteo
Oto
Procto
Rino
Salpinge
Tráqueo

Relativo á glândula
Relativo á bexiga
Relativo á vesícula
Relativo ao colo
Relativo á vagina
Relativo ao intestino
Relativo ao estômago
Relativo ao útero
Relativo aos rins
Relativo aos olhos
Relativo aos ovários
Relativo aos testículos
Relativo aos ossos
Relativo ao ouvido
Relativo ao reto
Relativo ao nariz
Relativo as trompas
Relativo a traquéia
SUFIXOS
Ectomia
Tomia

Stomia

Remoção de um órgão ou parte
dele
Abertura de um órgão

Pexia

Abertura cirúrgica de uma nova
boca
Fixação de um órgão

Plastia

Alteração na forma de um órgão

Ráfia

Sutura

Scopia

Olhar no interior
CIRURGIA DE REMOÇÃO
(ECTOMIA)


- Apendicectomia - remoção do apêndice



- Cistectomia- remoção da bexiga



- Colecistectomia - remoção da vesícula biliar



- Colectomia - remoção do colo



- Embolectomia - extração de um êmbolo


- Esofagectomia - remoção do esôfago



- Esplenectomia - remoção do baço



- Fistulectomia - remoção de fístula



- Gastrectomia - remoção parcial ou total do
estômago



- Hemorroidectomia - remoção de
hemorróidas


- Hepatoectomia - remoção de parte do
fígado



- Histerectomia- extirpação do útero



- Lobectomia - remoção de um lobo de um
órgão



- Mastectomia - remoção da mama



- Miomectomia - remoção de mioma


- Nefrectomia - remoção do rim



- Oforectomia - remoção do ovário



- Pancreatectomia - remoção do
pâncreas



- Pneumectomia - remoção do pulmão


- Prostatectomia - remoção da próstata



- Retossigmoidectomia - remoção do
retossigmóide



- Salpingectomia - extirpação da trompa



- Tireoidectomia - remoção da tireóide
CIRURGIA DE ABERTURA
(TOMIA)


- Artrotomia - abertura da articulação



- Broncotomia - abertura do brônquio



- Cardiotomia - abertura da cárdia (transição
esôfago-gástrica)



- Coledocotomia - abertura e exploração do
colédoco



- Duodenotomia - abertura do duodeno


- Flebotomia - dissecção (individualização e
cateterismo) de veia



- Laparotomia - abertura da cavidade
abdominal



- Papilotomia - abertura da papila duodenal



- Toracotomia - abertura da parede torácica
CONSTRUÇÃO CIRÚRGICA DE
NOVAS BOCAS (STOMIA)


- Cistostomia - abertura da bexiga para
drenagem de urina



- Colecistostomia - abertura e colocação de
dreno na vesícula biliar



- Coledocostomia - colocação de dreno no
colédoco para drenagem



- Colostomia - abertura do colo através da
parede abdominal




- Enterostomia - abertura do intestino através
da parede abdominal
- Gastrostomia abertura e colocação de uma
sonda no estômago através da parede
abdominal



- Ileostomia - formação de abertura artificial
no íleo



- Jejunostomia - colocação de sonda no
JeJuno para alimentação



- Nefrostomia - colocação de sonda no rim
para drenagem de urina
CIRURGIAS DE FIXAÇÃO ou
REPOSICIONAMENTO (PEXIA)


Histeropexia - suspensão e fixação do útero



- Nefropexia - suspensão e fixação do rim



- Orquiopexia - abaixamento e fixação do
testículo em sua bolsa
- Cistopexia – Fixação da bexiga geralmente
á parede abdominal
CIRURGIA PARA ALTERAÇÃO DA
FORMA E/OU FUNÇÃO (PLASTIA)


- Piloroplastia - plástica do piloro para aumentar
seu diâmetro



- Rinoplastia - plástica do nariz



- Salpingoplastia - plástica da trompa para sua
recanalização



- Toracoplastia - plástica da parede torácica
CIRURGIA DE SUTURA (RAFIA)


- Colporrafia - sutura da vagina



- Gastrorrafia - sutura do estômago



- Herniorrafia - sutura da hérnia



- Perineorrafia - sutura do perineo



- Tenorrafia - sutura de tendão
CRURGIAS PARA OBSERVAÇÃO
e EXPLORAÇÃO (SCOPIA)


- Broncoscopia - exame sob visão direta
dos brônquios



- Cistoscopia - idem para bexiga



- Colposcopia - idem para vagina



- Esofagoscopia - idem para esôfago


- Gastroscopia - idem para estômago



- Laringoscopia - idem para laringe



- Laparoscopia - idem para cavidade
abdominal



- Retossigmoidoscopia - idem para
retossigmóide
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgica
Clínica cirúrgica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
Cacilda Peixoto
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
César Müller
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
Conceição Quirino
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
Wilmar Ribeiro
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
ClaudenicePereiraPer
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
Gilson Betta Sevilha
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Heraldo Maia
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
shaxa
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
4523ppp
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Lucas Fontes
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
resenfe2013
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
Rivanilcede
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Aline Bandeira
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
Laís Lucas
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
EvelineMachado3
 
Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico  Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico
Eduardo Gomes
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 

Mais procurados (20)

Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Aula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicosAula tempos cirurgicos
Aula tempos cirurgicos
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
 
Aula Central de material Esterilizado
Aula Central de material EsterilizadoAula Central de material Esterilizado
Aula Central de material Esterilizado
 
Apostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgicoApostila centro cirurgico
Apostila centro cirurgico
 
enfermagem cirugica
enfermagem cirugicaenfermagem cirugica
enfermagem cirugica
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1Assistencia enfermagem-cirurgica-1
Assistencia enfermagem-cirurgica-1
 
Centro cirurgico
Centro cirurgicoCentro cirurgico
Centro cirurgico
 
Aula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgicoAula centro-cirurgico
Aula centro-cirurgico
 
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
Montagem, circulação e desmontagem de uma sala de operação (SO) - No Caminho ...
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia CardíacaPós-operatório de Cirurgia Cardíaca
Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca
 
Sala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésicaSala de recuperação pós anestésica
Sala de recuperação pós anestésica
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Lavagem intestinal
Lavagem intestinalLavagem intestinal
Lavagem intestinal
 
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptxCIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
CIRÚRGICA II - pós operatorio.pptx
 
Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico  Centro Cirúrgico
Centro Cirúrgico
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 

Semelhante a Clínica cirúrgica

aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
RodolfoFreitas21
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
Marcelo Ocampos
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
EnfermagemUniavan
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
Regis Valentim
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
Nayara Dávilla
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
Eliane Pereira
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
Aline Ferreira
 
Protocolos -cir_cardiaca
Protocolos  -cir_cardiacaProtocolos  -cir_cardiaca
Protocolos -cir_cardiaca
doriene
 
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docxAssistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
carine69
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
Eduardo Bernardino
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Pre operativo
Pre operativoPre operativo
Pre operativo
Nelio Dinis
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
Rosimeyre Lira
 
Clinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdfClinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdf
MuryelleBatista
 
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
RonanAlmeidaMacedo
 
Trabalho Mastectomia.pptx
Trabalho Mastectomia.pptxTrabalho Mastectomia.pptx
Trabalho Mastectomia.pptx
IsaqueLS
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
Zeca Ribeiro
 
Manual cir. 2017 hrl r2
Manual cir. 2017  hrl r2Manual cir. 2017  hrl r2
Manual cir. 2017 hrl r2
cfecury
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Giza Carla Nitz
 
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docxO CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
Mellissa Castanho
 

Semelhante a Clínica cirúrgica (20)

aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdfaulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
aulatemposcirurgicos-140521160158-phpapp02.pdf
 
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).pptaula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
aula-2-Cuidados-no-Pre-trans-pos (2).ppt
 
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptxAssistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico.pptx
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
 
Enfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgicoEnfermagem em centro cir rgico
Enfermagem em centro cir rgico
 
Cirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passosCirurgica romulo passos
Cirurgica romulo passos
 
A importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatórioA importância do enfermeiro no perioperatório
A importância do enfermeiro no perioperatório
 
Protocolos -cir_cardiaca
Protocolos  -cir_cardiacaProtocolos  -cir_cardiaca
Protocolos -cir_cardiaca
 
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docxAssistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
Assistência de enfermagem ao paciente crítico no pós.docx
 
Admissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgicoAdmissão do doente do foro cirurgico
Admissão do doente do foro cirurgico
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
Pre operativo
Pre operativoPre operativo
Pre operativo
 
Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2Aula slide centro cirurgico 2
Aula slide centro cirurgico 2
 
Clinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdfClinica Cirurgica.pdf
Clinica Cirurgica.pdf
 
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
 
Trabalho Mastectomia.pptx
Trabalho Mastectomia.pptxTrabalho Mastectomia.pptx
Trabalho Mastectomia.pptx
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
Manual cir. 2017 hrl r2
Manual cir. 2017  hrl r2Manual cir. 2017  hrl r2
Manual cir. 2017 hrl r2
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo -  PARTE 2.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 2.pdf
 
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docxO CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
O CUIDADO DE ENFERMAGEM NO PÓS.docx
 

Clínica cirúrgica

  • 2. ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE CIRÚRGICO  A assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico, em uma Unidade de internação inicia-se no momento da sua admissão na Unidade. A partir desse momento, o ambiente hospitalar, por suas características impõe ao mesmo uma série de adaptações, tais como:
  • 3. - Mudanças de hábitos diários (alimentação, higiene, necessidades fisiológicas, etc...);  _ Restrição da liberdade (ambiente restrito, horários preestabelecidos, visitas controladas...);  _ Exposição a agentes infecciosos;  _ Ansiedade frente ao tratamento cirúrgico a que irá ser submetido;  _ Medo da morte ou de incapacidade física;  _ Solidão; 
  • 4. O processo cirúrgico dividi-se em:  Período Pré operatório  Período Trans-operatório  Período Pós operatório
  • 5. PRÉ-OPERATÓRIO  Inicia-se no momento em que a cirurgia é indicada e termina no momento em que o paciente chega à sala de cirurgia. Está dividido em:
  • 6.  MEDIATO – É o período que decorre desde a indicação da cirurgia até 24 horas antes do ato cirúrgico;  IMEDIATO – É o período que decorre desde a véspera da cirurgia até a chegada do paciente ao CC.
  • 7. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período:  Esvaziamento intestinal: Varia de acordo com a especialidade. Pode ser através de laxativos e ou enemas ou ainda a limpeza mecânica do cólon com soluções especiais. A enfermagem realiza o procedimento indicado, observa e anota o efeito em prescrição;
  • 8. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período:  Modificações da dieta e jejum antes da cirurgia: O paciente deve ser esclarecido quanto à importância de obediência à dieta. Geralmente é adotada a seguinte regra de jejum: líquidos – aprox. 02 horas e sólidos: de 04 a 06 horas.
  • 9. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período:  Higiene Corporal e oral: A higiene oral e corporal é muito importante para diminuir a quantidade de microorganismos na superfície da pele e com isto minimizar os riscos de infecção na ferida cirúrgica. A higiene corporal deve ser realizada de preferência com sabão anti-séptico e hipoalergênico, de preferência 02 horas antes do paciente ser encaminhado ao centro cirúrgico. O mesmo deve ser vestido com a roupa cirúrgica ( camisola, gorros e propés);
  • 10. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período:  Tricotomia: Recomenda-se que a tricotomia seja realizada, apenas quando os pêlos interferirem no procedimento cirúrgico
  • 11. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período:  Esvaziamento da bexiga: O paciente deve ser orientado a urinar antes de ser encaminhado ao centro cirúrgico, caso esteja lúcido. Caso esteja com dispositivo de incontinência urinária , o mesmo deve ser retirado, sendo realizado higiene imediata. O cateter vesical pode ser mantido dependendo do tempo de instalação (até 07 dias) e do procedimento cirúrgico proposto. Em ambos os casos a diurese deve ser desprezada e anotada;
  • 12. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período:  Controle dos sinais vitais: A aferição dos sinais é fundamental na avaliação das condições cirúrgicas do paciente e deve ser feita de 06 em 06 horas ou com intervalos menores se o mesmo apresentar instabilidade nos padrões. Alguns medicamentos pré-anestésicos e o stress pela proximidade do ato cirúrgico, somados muitas vezes a doenças preexistentes como hipertensão e cardiopatias são fatores que contribuem para as alterações fisiológicas dos sinais vitais;
  • 13. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período:  Administração de medicamentos: Existem alguns medicamentos que são totalmente contraindicados no pré-operatório como hipoglicemiantes e anticoagulantes, analgésicos derivados de ácido acetilsalicílico (AAS) devido à possibilidade de complicações no trans e pósoperatórios, como discrasias sangüíneas. A prescrição médica geralmente restringe-se à administração de medicação pré-anestésica e em alguns casos de insulina e anti-hipertensivos.
  • 14. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período: A medicação pré-anestésica (prescrita pelo anestesista durante a visita ao paciente) deve ser administrada 01 hora antes da cirurgia e tem como finalidades:  . Reduzir a ansiedade do paciente;  . Facilitar a indução anestésica;  . Diminuir as secreções traqueobrônquicas. 
  • 15. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período:  Cabe à enfermagem a administração dos medicamentos prescritos, registrando as reações do paciente a tais medicações, assim como deverão ser anotados também todos os cuidados prestados e qualquer anormalidade nas condições físicas e emocionais do paciente. Antes de encaminhar o mesmo ao centro cirúrgico, o seu prontuário deverá estar completo com todos os exames necessários.
  • 16. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período:  Remoção de próteses, jóias e adornos, esmalte e maquiagem. Os pacientes devem ser esclarecidos quanto aos fatores de risco implicados caso esses procedimentos não sejam cumpridos,
  • 17. Ações de enfermagem no preparo ao paciente neste período:  Auxiliar o paciente a passar para a maca de transporte de forma tranqüila para o seu conforto;  Providenciar a limpeza do leito. Para que o mesmo possa ser arrumado para receber o paciente após a cirurgia.
  • 18. TRANS-OPERATÓRIO  Consiste no tempo entre o momento em que o paciente é recebido no centro cirúrgico até ser encaminhado para a Recuperação Pós Anestésica (RPA).forma adequada para recebê-lo no pós operatório.
  • 19. PERÍODO PÓS OPERATÓRIO  É o período que se inicia a partir da saída do paciente da sala de cirurgia e perdura até a sua total recuperação
  • 20. PERÍODO PÓS OPERATÓRIO  IMEDIATO  Compreende desde a alta do paciente da RPA até as primeiras 24 horas após a cirurgia
  • 21. PERÍODO PÓS OPERATÓRIO Ações de enfermagem neste período imediato  Receber o paciente de volta ao seu leito na clinica cirúrgica de forma segura.  Recolher o prontuário do paciente e entregalo ao enfermeiro supervisor para a conferencia dos dados
  • 22. PERÍODO PÓS OPERATÓRIO  Verificar SSVV  Verificar se o acesso venoso está funcionando Estar atento a qualquer alteração no estado clinico do paciente como: dificuldade respiratória ,cianose 
  • 23. PERÍODO PÓS OPERATÓRIO  Administrar medicação prescrita  Auxiliar o paciente sempre que solicitado.
  • 24. PERÍODO PÓS OPERATÓRIO  MEDIATO  Após 24 horas e até 7 dias depois
  • 25. PERÍODO PÓS OPERATÓRIO  TARDIO  Após 07 dias do recebimento da alta
  • 26. CUIDADOS PÓS OPERATÓRIOS ESPECIFÍCOS :  CIRURGIA CARDIACA  Restringir fluxo  Manter fixa a equipe de enfermagem, restrita exclusivamente à enfermaria da Cirurgia Cardíaca.  Não permitir aos pacientes da Cirurgia cardíaca a entrada em outras enfermarias, bem como a movimentação livre pelos corredores.
  • 27.  Não permitir a entrada de pacientes de outras enfermarias na enfermaria da Cirurgia Cardíaca.  Curativo pós-operatório – incisão – irrigação com SF 0,9% e ocluir com micropore estéril.  Trocar o curativo todas as vezes que estiver úmido, comunicando com a equipe cirúrgica a presença de secreções anormais.  Ao identificar a presença de febre em qualquer paciente pós-operatório fazer a curva térmica – aferindo e anotando temperatura axilar de 4/4 horas,
  • 28.  Vigilância microbiológica contínua, com coleta de materiais para cultura conforme padronização da CCIH.  Se houver secreção em ferida operatória – colher swab e enviar para cultura, conforme padronização da CCIH.  No momento da alta hospitalar os paciente receberão uma folha com orientações gerais, fisioterápicas e dietéticas.
  • 29.  CIRURGIA ORTOPEDICA  Cuidados gerais:  Cuidados com o manuseio do paciente  Atenção aos curativos, observar a presença de anormalidades  Auxilio na deambulação e realização das necessidades básicas dos pacientes devido a restrição da capacidade em razão da cirurgia
  • 30.  CIRURGIA DERMATOLOGICA  Não fazer uso no pós-operatório de:  Analgésicos do grupo salicílico (AAS, aspirina);  Agentes quimioterápicos contra o câncer, pois as drogas antineoplásicas determinam uma maior incidência de infecção devido a alterações na imunidade.  Orientar para modificar suas atividades se a cirurgia assim exigir.
  • 31.  No primeiro dia, o curativo deverá ser compressivo para ajudar a hemostasia e aliviar a dor. Nos dias subseqüentes um curativo mais simples deve ser feito. No dia seguinte ao da cirurgia o paciente deverá ir ao consultório. O ideal é sempre o médico examinar o paciente no primeiro dia pós-operatório . Porém há os que raramente usam curativos e, se o fazem, minimizam o número de vezes em que são trocados  Alguns autores preconizam o uso de filtro solar sistematicamente após o ato cirúrgico, quando este for de áreas expostas à luz solar.
  • 32.  CIRURGIA OFTALMOLOGICA  A maioria dos procedimentos não requer internação basicamente deve-se:  Após a cirurgia é feito um curativo que será removido no dia seguinte da operação, dando início a uma fase de tratamento com colírios e pomadas no olho operado. A recuperação é rápida e permite o retorno breve às atividades normais.
  • 33.  Deve –se orientar a :  Não esfregar  Não coçar  Não dormir sobre o olho operado  Não fazer esforço físico nos primeiros dias de cirurgia
  • 34. NOMENCLATURA CIRURGICA  As manobras e procedimentos operatórios e também os instrumentos cirúrgicos são reconhecidos mundialmente por termos médicos ou denominações próprias.  Os atos cirúrgicos são designados por termos formados, de maneira geral, por prefixos ou palavras que apontam o órgão em causa, e por sufixos que indicam o ato cirúrgico realizado. Vejamos exemplos
  • 35. PREFIXOS Adeno Cisto Cole Colo Colpo Êntero Gastro Hístero Nefro Oftalmo Oofor Orqui Ósteo Oto Procto Rino Salpinge Tráqueo Relativo á glândula Relativo á bexiga Relativo á vesícula Relativo ao colo Relativo á vagina Relativo ao intestino Relativo ao estômago Relativo ao útero Relativo aos rins Relativo aos olhos Relativo aos ovários Relativo aos testículos Relativo aos ossos Relativo ao ouvido Relativo ao reto Relativo ao nariz Relativo as trompas Relativo a traquéia
  • 36. SUFIXOS Ectomia Tomia Stomia Remoção de um órgão ou parte dele Abertura de um órgão Pexia Abertura cirúrgica de uma nova boca Fixação de um órgão Plastia Alteração na forma de um órgão Ráfia Sutura Scopia Olhar no interior
  • 37. CIRURGIA DE REMOÇÃO (ECTOMIA)  - Apendicectomia - remoção do apêndice  - Cistectomia- remoção da bexiga  - Colecistectomia - remoção da vesícula biliar  - Colectomia - remoção do colo  - Embolectomia - extração de um êmbolo
  • 38.  - Esofagectomia - remoção do esôfago  - Esplenectomia - remoção do baço  - Fistulectomia - remoção de fístula  - Gastrectomia - remoção parcial ou total do estômago  - Hemorroidectomia - remoção de hemorróidas
  • 39.  - Hepatoectomia - remoção de parte do fígado  - Histerectomia- extirpação do útero  - Lobectomia - remoção de um lobo de um órgão  - Mastectomia - remoção da mama  - Miomectomia - remoção de mioma
  • 40.  - Nefrectomia - remoção do rim  - Oforectomia - remoção do ovário  - Pancreatectomia - remoção do pâncreas  - Pneumectomia - remoção do pulmão
  • 41.  - Prostatectomia - remoção da próstata  - Retossigmoidectomia - remoção do retossigmóide  - Salpingectomia - extirpação da trompa  - Tireoidectomia - remoção da tireóide
  • 42. CIRURGIA DE ABERTURA (TOMIA)  - Artrotomia - abertura da articulação  - Broncotomia - abertura do brônquio  - Cardiotomia - abertura da cárdia (transição esôfago-gástrica)  - Coledocotomia - abertura e exploração do colédoco  - Duodenotomia - abertura do duodeno
  • 43.  - Flebotomia - dissecção (individualização e cateterismo) de veia  - Laparotomia - abertura da cavidade abdominal  - Papilotomia - abertura da papila duodenal  - Toracotomia - abertura da parede torácica
  • 44. CONSTRUÇÃO CIRÚRGICA DE NOVAS BOCAS (STOMIA)  - Cistostomia - abertura da bexiga para drenagem de urina  - Colecistostomia - abertura e colocação de dreno na vesícula biliar  - Coledocostomia - colocação de dreno no colédoco para drenagem  - Colostomia - abertura do colo através da parede abdominal
  • 45.    - Enterostomia - abertura do intestino através da parede abdominal - Gastrostomia abertura e colocação de uma sonda no estômago através da parede abdominal  - Ileostomia - formação de abertura artificial no íleo  - Jejunostomia - colocação de sonda no JeJuno para alimentação  - Nefrostomia - colocação de sonda no rim para drenagem de urina
  • 46. CIRURGIAS DE FIXAÇÃO ou REPOSICIONAMENTO (PEXIA)  Histeropexia - suspensão e fixação do útero  - Nefropexia - suspensão e fixação do rim  - Orquiopexia - abaixamento e fixação do testículo em sua bolsa - Cistopexia – Fixação da bexiga geralmente á parede abdominal
  • 47. CIRURGIA PARA ALTERAÇÃO DA FORMA E/OU FUNÇÃO (PLASTIA)  - Piloroplastia - plástica do piloro para aumentar seu diâmetro  - Rinoplastia - plástica do nariz  - Salpingoplastia - plástica da trompa para sua recanalização  - Toracoplastia - plástica da parede torácica
  • 48. CIRURGIA DE SUTURA (RAFIA)  - Colporrafia - sutura da vagina  - Gastrorrafia - sutura do estômago  - Herniorrafia - sutura da hérnia  - Perineorrafia - sutura do perineo  - Tenorrafia - sutura de tendão
  • 49. CRURGIAS PARA OBSERVAÇÃO e EXPLORAÇÃO (SCOPIA)  - Broncoscopia - exame sob visão direta dos brônquios  - Cistoscopia - idem para bexiga  - Colposcopia - idem para vagina  - Esofagoscopia - idem para esôfago
  • 50.  - Gastroscopia - idem para estômago  - Laringoscopia - idem para laringe  - Laparoscopia - idem para cavidade abdominal  - Retossigmoidoscopia - idem para retossigmóide