SlideShare uma empresa Scribd logo
Ventilação Mecânica Invasiva
Acadêmicos: Ana Banana,
Charles Eleoberto da Silva
• É uma terapia de suporte usada para auxiliar os pacientes que
estão incapacitados de manter uma oxigenação ou eliminação
de CO2 adequada, diminuindo a carga do trabalho
respiratório. Estes paciente geralmente exibem sinais de IRpA
e não são candidatos para métodos menos invasivos de
suporte ventilatório. Há várias técnicas de VMI.
Ventilação Mecânica
O Ventilador Mecânico Microprocessado está sempre
indicado em IRpA ou Distúrbio Ventilatório Momentâneo
(DVM). É, sem dúvida, considerado "o mal necessário", haja
vista proporcionar interrupção da fisiologia Ventilatória e
Respiratória. Corretamente designado Ventilador,
proporcionando a manutenção do Volume Corrente, não
efetua troca gasosa, portanto incorretamente designado
Respirador.
Ventilador Mecânico
• Composto de válvula Inspiratória e Expiratória e respectivos
circuitos, apresenta gráfico de leitura ( Manômetro de Pressão
) para leitura e controle das pressões Inspiratórias, sistema
este independente do monitor de ventilação. A umidificação
pode ser feita em sistema convencional ( aquecida ) ou
através de filtros específicos trocados a cada 24 horas.
Ventilador Mecânico
Ventilador Mecânico
• O Ventilador Mecânico pode ser utilizado para ventilação
Invasiva (VMI) ou Não Invasiva (VNI). A decisão depende do
nível do consciência, indicando em pacientes com
GLASGOW menores que 8. A decisão da VNI prévia fica a
critério do intensivista. Padrões ventilatórios, oximetria,
gasometria e clínicos servirão para análise terapêutica
adequada.
Como e Quem Ventilar
VNI
• Para iniciar a VMI, é necessário reconhecer o tipo
de paciente e causa da IRpA. Podemos dividir em
três categorias de pacientes e necessidades:
• Normais ou Fisiológicos (AVC, PO)
• Altas complacências (DPOC)
• Altas Resistências (EAP)
Parâmetros da Ventilação Invasiva
• A decisão dos parâmetros depende de cada situação acima
citada. Inicialmente deve ser discutida a ventilação Fisiológica,
já que a maioria dos pacientes internados na UTI mantém
parâmetros de complacência e Resistência em níveis
aceitáveis, seja através de adaptação ou efeito
medicamentoso, incluindo sedação-analgesia.
Parâmetros da Ventilação Invasiva
• A melhor ventilação é aquela que estabelece a proteção, ou
seja, estabelecer níveis estratégicos que protejam o pulmão a
longo prazo ("Estratégia Protetora").
• Evitar o maior dano pulmonar é um Ponto fundamental na
VM em UTI.
Parâmetros da Ventilação Invasiva
VMI
• A primeira escolha deve ser sempre o modo ser
ventilado, mantendo-se restrições de volumes ou
pressões. A distensão alveolar rápida e abrupta é
fator predominante na lesão alveolar, modos
pressóricos devem ser evitados, mantendo-se
ventilações com aporte volumétrico quando possível.
1- Modo
• Restrições de volumes de 6 a 8 ml/kg são
suficientes para boa manutenção das trocas
gasosas, todavia o critério de peso é
discutível, devendo observar estados de hipo
ou hiperventilação.
Modo
• Após trinta minutos de ventilação é indicada a gasometria
arterial, mantendo controle diário, a cada 24 horas. No modo
pressórico, manter níveis que proporcionem a manutenção do
Volume Minuto maior que 5 a 6l/minuto, com níveis médios
de pico em torno de 22 a 25 cm/h2O.
Modo
• É fundamental reconhecer o nível de dependência do
VM. De modo geral o ciclo ventilatório é passivo (
controlado - do Ventilador ) e ativo ( Assistido - do
paciente ) com ciclos A/C respectivamente.
2- Modalidade
• Controladas: VCV ( Ventilação Controlada a Volume ) e PCV (
Ventilação Controlada a Pressão ).
• Assistidas: SIMV ( Ventilação Mandatória Intermitente
Sincronizada ), sendo a Volume ( SIMV/V) ou Pressão
(SIMV/P).
• Todas outras modalidade derivam da A/C.
Modalidades
• O ventilador permite um mecanismo misto de disparo na fase
inspiratória, por tempo ou pressão. Funciona como um
mecanismo de resgate, que é ativado apenas quando o ciclo
assistido não ocorre, garantindo uma frequência mínima.
• Ex.: FR ajustada em 10 ciclos, se paciente não puxa VM
dispara a cada 06 seg.
A/C
• O ventilador fornece o volume e a frequência determinados e
o paciente faz o esforço.
• O ventilador monitora os esforços dos indivíduos, dentro de
uma janela de tempo.
• Hora é controlada, porém intermitente com ciclos
espontâneos.
SIMV / Ventilação Mandatória
Intermitente Sincronizada
• Aplicação de nível pré determinado de pressão
positiva e constante nas vias aéreas, apenas durante
a fase inspiratória.
• É puramente assistida, paciente deve ter um grau de
ajuda para respirar (ele puxa o aparelho empurra).
PSV / Ventilação Pressão Suporte
• O paciente respira espontaneamente através do
circuito pressurizado do aparelho, de tal forma que
uma certa pressão positiva, definida quando do
ajuste do respirador, é mantida praticamente
constante durante todo o ciclo do respiratório.
• Finalidade: aumentar a capacidade residual,
funcional, pulmonar e melorar a oxigenação arterial.
CPAP/ Pressão Positiva Contínua nas
Vias Aéreas
• Cicla conforme ajuste, nenhum esforço do
paciente vai contribuir.
CMV/ Ventilação por Volume
Controlado
Parâmetros Ventilatórios
 A Fração Inspirada de Oxigênio ( FiO2 ) deve ser controlada e mantida
em níveis entre 40% a 60%. Frações superiores a 60% são deletérias e
estão na dependência do tempo e níveis mais elevados. A FiO2 a 100% é
permitida em período curto, 30 minutos, após início da ventilação, onde
gradativamente a cada 5 a 10 minutos, reduzi-la até manutenção de
PaO2(80-100) e saturação favoráveis para idade, o que em geral ocorre em
40%. A redução abaixo de 40% só deverão ser efetuadas em retentores de
CO2.
FiO2
• Designada de Pressão Expiratória Final Positiva, é responsável
para manutenção da distensão alveolar no final da expiração,
evitando o colabamento e atelectasias. A PEEP ideal fisiológica
demonstram níveis médios entre 6 a 8 cm/h2O (3,5). É
consensual a utilização de 6cm/H2O. Distúrbio
hemodinâmicos podem ocorrer com níveis de PEEP maiores
que 12 cm/H2O.
PEEP
• A PS é pressão auxiliar para utilização nas ventilações
exclusivamente assistidas. Inicialmente utilizada para romper
a Resistência dos Circuitos e Válvulas, hoje é amplamente
empregada em desmames difíceis, possibilitando a adaptação
do paciente ao ventilador, objetivando principalmente a
manutenção do drive ventilatório neurológico e com
conseqüente manutenção do comando do paciente. Níveis
iniciais preconizados: 10 cm/H2O.
Pressão Suporte
• Deve ser mantida entre 12 a 20 ciclos por
minuto. Para manutenção, o controle da
sedação e analgesia é fundamental, evitando-
se retenções ou altas liberações de CO2 da
corrente sanguínea.
Frequência Respiratória
• A sensibilidade é medida em valores de pressão negativa, ou
seja, na pressão necessária efetuada pelo paciente na
inspiração para disparo do ciclo ventilatório. O valor médio
deve ser mantido em torno de - 2cm/H2O.
Sensibilidade
• Depende de vários fatores relacionados e
interativos. O fluxo deverá ser mantido entre
30 a 40 l/min, ou 5 vezes o Volume Minuto. A
relação I:E é 1:2, na dependência da dinâmica
ventilatória.
Relação I:E
• SARA: Elevação da PEEP, níveis de 12 a 16
cm/H2O, e manutenção de altas pressões na
necessidade da oximetria, restringir FiO2 ao
máximo;
• DPOC: Diminuição da PEEP, em torno de 4
cm/H2O e limitações de Volumes e/ou pressões
na dependência do estágio clínico;
Fatores diferenciais de doenças
específicas
 EAP Edema Agudo de Pulmão: Restrição de Pressões, manutenção do
aumento da PEEP em níveis não superiores a 10 cm/H2O, analisar o
quadro clínico e necessidade de incremento da PEEP conforme troca
gasosa e saturação de O2. É conveniente a monitorização do Débito
Cardíaco;
 Pediatria: Modo Pressórico, manutenção de volumes entre 6 a 10
ml/Kg. Evitar pressões de pico inferiores a 10cm/H2O e superiores
acima de 20 cm/H2O. Iniciar paulatinamente, incrementando a
pressão conforme dinâmica ventilatória e oximetria. PEEP: Entre 3 a 4
cm/H2O.
Fatores diferenciais de doenças
específicas
Referências
• MORRACEIRA, Joana Raquel Neves. A pessoa adulta submetida a ventilação
invasiva em contexto de unidade de cuidados intensivos. 2017. Tese de
Doutorado.
• MENNA BARRETO, Sérgio Saldanha et al. Relatório do segundo consenso brasileiro
de ventilação mecânica: parte 1. Revista brasileira de terapia intensiva. Vol. 12. n. 3
(jul./set. 2000), p. 132-166, 2000.
• ALBUQUERQUE, Jacqueline Farias de et al. Descomplicando a ventilação mecânica
invasiva: estratégia educacional para equipe multiprofissional de uma enfermaria
pediátrica. 2021. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do
Norte.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a VMI. (Charles).pptx

Curso 42
Curso 42Curso 42
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
Gilmar Roberto Batista
 
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
Jaime Fernandes
 
Vm em pediatria
Vm em pediatriaVm em pediatria
Vm em pediatria
Carlos Lima
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
terezinha1932
 
Vm
VmVm
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
CASA
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
Bevenido FisioM2
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Fábio Falcão
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Flávia Vaz
 
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica InvasivaAspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Mariana Artuni Rossi
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Fábio Falcão
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
Fábio Falcão
 
Jr vni
Jr vniJr vni
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
Yuri Assis
 
Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
Instituto Consciência GO
 
Desmame ventilatório em vm
Desmame ventilatório em vm Desmame ventilatório em vm
Desmame ventilatório em vm
Renato Bastos
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
José Alexandre Pires de Almeida
 
Aula vm 1
Aula vm 1Aula vm 1

Semelhante a VMI. (Charles).pptx (20)

Curso 42
Curso 42Curso 42
Curso 42
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTIPrincípios da Assistência Ventilatória - UTI
Princípios da Assistência Ventilatória - UTI
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
 
Vm em pediatria
Vm em pediatriaVm em pediatria
Vm em pediatria
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
Vm
VmVm
Vm
 
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdfVENTILADORES PULMONARES  - INCUBADORAS.pdf
VENTILADORES PULMONARES - INCUBADORAS.pdf
 
Zb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanicaZb ventilacao mecanica
Zb ventilacao mecanica
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
 
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptxAssistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
Assistencia de enfermagem ao paciente critico respiratório.pptx
 
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica InvasivaAspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Jr vni
Jr vniJr vni
Jr vni
 
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICAVENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
VENTILAÇÃO MECÂNICA DOS FUNDAMENTOS A PRÁTICA
 
Princípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação InvasivaPrincípios da Ventilação Invasiva
Princípios da Ventilação Invasiva
 
Desmame ventilatório em vm
Desmame ventilatório em vm Desmame ventilatório em vm
Desmame ventilatório em vm
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
 
Aula vm 1
Aula vm 1Aula vm 1
Aula vm 1
 

VMI. (Charles).pptx

  • 1. Ventilação Mecânica Invasiva Acadêmicos: Ana Banana, Charles Eleoberto da Silva
  • 2. • É uma terapia de suporte usada para auxiliar os pacientes que estão incapacitados de manter uma oxigenação ou eliminação de CO2 adequada, diminuindo a carga do trabalho respiratório. Estes paciente geralmente exibem sinais de IRpA e não são candidatos para métodos menos invasivos de suporte ventilatório. Há várias técnicas de VMI. Ventilação Mecânica
  • 3. O Ventilador Mecânico Microprocessado está sempre indicado em IRpA ou Distúrbio Ventilatório Momentâneo (DVM). É, sem dúvida, considerado "o mal necessário", haja vista proporcionar interrupção da fisiologia Ventilatória e Respiratória. Corretamente designado Ventilador, proporcionando a manutenção do Volume Corrente, não efetua troca gasosa, portanto incorretamente designado Respirador. Ventilador Mecânico
  • 4. • Composto de válvula Inspiratória e Expiratória e respectivos circuitos, apresenta gráfico de leitura ( Manômetro de Pressão ) para leitura e controle das pressões Inspiratórias, sistema este independente do monitor de ventilação. A umidificação pode ser feita em sistema convencional ( aquecida ) ou através de filtros específicos trocados a cada 24 horas. Ventilador Mecânico
  • 6. • O Ventilador Mecânico pode ser utilizado para ventilação Invasiva (VMI) ou Não Invasiva (VNI). A decisão depende do nível do consciência, indicando em pacientes com GLASGOW menores que 8. A decisão da VNI prévia fica a critério do intensivista. Padrões ventilatórios, oximetria, gasometria e clínicos servirão para análise terapêutica adequada. Como e Quem Ventilar
  • 7. VNI
  • 8. • Para iniciar a VMI, é necessário reconhecer o tipo de paciente e causa da IRpA. Podemos dividir em três categorias de pacientes e necessidades: • Normais ou Fisiológicos (AVC, PO) • Altas complacências (DPOC) • Altas Resistências (EAP) Parâmetros da Ventilação Invasiva
  • 9. • A decisão dos parâmetros depende de cada situação acima citada. Inicialmente deve ser discutida a ventilação Fisiológica, já que a maioria dos pacientes internados na UTI mantém parâmetros de complacência e Resistência em níveis aceitáveis, seja através de adaptação ou efeito medicamentoso, incluindo sedação-analgesia. Parâmetros da Ventilação Invasiva
  • 10. • A melhor ventilação é aquela que estabelece a proteção, ou seja, estabelecer níveis estratégicos que protejam o pulmão a longo prazo ("Estratégia Protetora"). • Evitar o maior dano pulmonar é um Ponto fundamental na VM em UTI. Parâmetros da Ventilação Invasiva
  • 11. VMI
  • 12. • A primeira escolha deve ser sempre o modo ser ventilado, mantendo-se restrições de volumes ou pressões. A distensão alveolar rápida e abrupta é fator predominante na lesão alveolar, modos pressóricos devem ser evitados, mantendo-se ventilações com aporte volumétrico quando possível. 1- Modo
  • 13. • Restrições de volumes de 6 a 8 ml/kg são suficientes para boa manutenção das trocas gasosas, todavia o critério de peso é discutível, devendo observar estados de hipo ou hiperventilação. Modo
  • 14. • Após trinta minutos de ventilação é indicada a gasometria arterial, mantendo controle diário, a cada 24 horas. No modo pressórico, manter níveis que proporcionem a manutenção do Volume Minuto maior que 5 a 6l/minuto, com níveis médios de pico em torno de 22 a 25 cm/h2O. Modo
  • 15. • É fundamental reconhecer o nível de dependência do VM. De modo geral o ciclo ventilatório é passivo ( controlado - do Ventilador ) e ativo ( Assistido - do paciente ) com ciclos A/C respectivamente. 2- Modalidade
  • 16. • Controladas: VCV ( Ventilação Controlada a Volume ) e PCV ( Ventilação Controlada a Pressão ). • Assistidas: SIMV ( Ventilação Mandatória Intermitente Sincronizada ), sendo a Volume ( SIMV/V) ou Pressão (SIMV/P). • Todas outras modalidade derivam da A/C. Modalidades
  • 17. • O ventilador permite um mecanismo misto de disparo na fase inspiratória, por tempo ou pressão. Funciona como um mecanismo de resgate, que é ativado apenas quando o ciclo assistido não ocorre, garantindo uma frequência mínima. • Ex.: FR ajustada em 10 ciclos, se paciente não puxa VM dispara a cada 06 seg. A/C
  • 18. • O ventilador fornece o volume e a frequência determinados e o paciente faz o esforço. • O ventilador monitora os esforços dos indivíduos, dentro de uma janela de tempo. • Hora é controlada, porém intermitente com ciclos espontâneos. SIMV / Ventilação Mandatória Intermitente Sincronizada
  • 19. • Aplicação de nível pré determinado de pressão positiva e constante nas vias aéreas, apenas durante a fase inspiratória. • É puramente assistida, paciente deve ter um grau de ajuda para respirar (ele puxa o aparelho empurra). PSV / Ventilação Pressão Suporte
  • 20. • O paciente respira espontaneamente através do circuito pressurizado do aparelho, de tal forma que uma certa pressão positiva, definida quando do ajuste do respirador, é mantida praticamente constante durante todo o ciclo do respiratório. • Finalidade: aumentar a capacidade residual, funcional, pulmonar e melorar a oxigenação arterial. CPAP/ Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas
  • 21. • Cicla conforme ajuste, nenhum esforço do paciente vai contribuir. CMV/ Ventilação por Volume Controlado
  • 23.  A Fração Inspirada de Oxigênio ( FiO2 ) deve ser controlada e mantida em níveis entre 40% a 60%. Frações superiores a 60% são deletérias e estão na dependência do tempo e níveis mais elevados. A FiO2 a 100% é permitida em período curto, 30 minutos, após início da ventilação, onde gradativamente a cada 5 a 10 minutos, reduzi-la até manutenção de PaO2(80-100) e saturação favoráveis para idade, o que em geral ocorre em 40%. A redução abaixo de 40% só deverão ser efetuadas em retentores de CO2. FiO2
  • 24. • Designada de Pressão Expiratória Final Positiva, é responsável para manutenção da distensão alveolar no final da expiração, evitando o colabamento e atelectasias. A PEEP ideal fisiológica demonstram níveis médios entre 6 a 8 cm/h2O (3,5). É consensual a utilização de 6cm/H2O. Distúrbio hemodinâmicos podem ocorrer com níveis de PEEP maiores que 12 cm/H2O. PEEP
  • 25. • A PS é pressão auxiliar para utilização nas ventilações exclusivamente assistidas. Inicialmente utilizada para romper a Resistência dos Circuitos e Válvulas, hoje é amplamente empregada em desmames difíceis, possibilitando a adaptação do paciente ao ventilador, objetivando principalmente a manutenção do drive ventilatório neurológico e com conseqüente manutenção do comando do paciente. Níveis iniciais preconizados: 10 cm/H2O. Pressão Suporte
  • 26. • Deve ser mantida entre 12 a 20 ciclos por minuto. Para manutenção, o controle da sedação e analgesia é fundamental, evitando- se retenções ou altas liberações de CO2 da corrente sanguínea. Frequência Respiratória
  • 27. • A sensibilidade é medida em valores de pressão negativa, ou seja, na pressão necessária efetuada pelo paciente na inspiração para disparo do ciclo ventilatório. O valor médio deve ser mantido em torno de - 2cm/H2O. Sensibilidade
  • 28. • Depende de vários fatores relacionados e interativos. O fluxo deverá ser mantido entre 30 a 40 l/min, ou 5 vezes o Volume Minuto. A relação I:E é 1:2, na dependência da dinâmica ventilatória. Relação I:E
  • 29. • SARA: Elevação da PEEP, níveis de 12 a 16 cm/H2O, e manutenção de altas pressões na necessidade da oximetria, restringir FiO2 ao máximo; • DPOC: Diminuição da PEEP, em torno de 4 cm/H2O e limitações de Volumes e/ou pressões na dependência do estágio clínico; Fatores diferenciais de doenças específicas
  • 30.  EAP Edema Agudo de Pulmão: Restrição de Pressões, manutenção do aumento da PEEP em níveis não superiores a 10 cm/H2O, analisar o quadro clínico e necessidade de incremento da PEEP conforme troca gasosa e saturação de O2. É conveniente a monitorização do Débito Cardíaco;  Pediatria: Modo Pressórico, manutenção de volumes entre 6 a 10 ml/Kg. Evitar pressões de pico inferiores a 10cm/H2O e superiores acima de 20 cm/H2O. Iniciar paulatinamente, incrementando a pressão conforme dinâmica ventilatória e oximetria. PEEP: Entre 3 a 4 cm/H2O. Fatores diferenciais de doenças específicas
  • 31. Referências • MORRACEIRA, Joana Raquel Neves. A pessoa adulta submetida a ventilação invasiva em contexto de unidade de cuidados intensivos. 2017. Tese de Doutorado. • MENNA BARRETO, Sérgio Saldanha et al. Relatório do segundo consenso brasileiro de ventilação mecânica: parte 1. Revista brasileira de terapia intensiva. Vol. 12. n. 3 (jul./set. 2000), p. 132-166, 2000. • ALBUQUERQUE, Jacqueline Farias de et al. Descomplicando a ventilação mecânica invasiva: estratégia educacional para equipe multiprofissional de uma enfermaria pediátrica. 2021. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte.