SlideShare uma empresa Scribd logo
Sobre a cabeça os aviões
Sob os meus pés os caminhões
Aponta contra os chapadões
Meu nariz
Eu organizo o movimento
Eu oriento o carnaval
Eu inauguro o monumento
No planalto central do país
Viva a Bossa, sa, as
Viva a Palhoça, ça, ça, ça, ça
Viva a Bossa, sa, as
Viva a Palhoça, ça, ça, ça, ça
O monumento
É de papel crepom e prata
Os olhos verdes da mulata
A cabeleira esconde
Atrás da verde mata
O luar do sertão
O monumento não tem porta
A entrada é uma rua antiga
Estreita e torta
E no joelho uma criança
Sorridente, feia e morta
Estende a mão
Viva a mata, ta, ta
Viva a mulata, ta, ta, ta, ta
Viva a mata, ta, ta
Viva a mulata, ta, ta, ta, ta
No pátio interno há uma piscina
Com água azul de Amaralina
Coqueiro, brisa e fala nordestina
E faróis
Na mão direita tem uma roseira
Autenticando eterna primavera
E no jardim os urubus passeiam
A tarde inteira entre os girassóis
Caetano Veloso
Viva Maria, ia, ia
Viva pulso esquerdo o bang-bang
Em suas veias corre
Muito pouco sangue
Mas seu coração
Balança um samba de tamborim
Emite acordes dissonantes
Pelos cinco mil alto-falantes
Senhoras e senhores
Ele põe os olhos grandes
a Bahia, ia, ia, ia, ia
Viva Maria, ia, ia
Viva a Bahia, ia, ia, ia, ia
No Sobre mim
Viva Iracema, ma, ma
Viva Ipanema, ma, ma, ma
Viva Iracema, ma, ma
Viva Ipanema, ma, ma, ma
Viva Iracema, ma, ma
Viva Ipanema, ma, ma, ma
Viva Iracema, ma, ma
Viva Ipanema, ma, ma, ma
Domingo é o fino-da-bossa
Segunda-feira está na fossa
Terça-feira vai à roça
Porém
O monumento é bem moderno
Não disse nada do modelo
Do meu terno
Que tudo mais vá pro inferno
Meu bem
Que tudo mais vá pro inferno
Meu bem
Viva a banda, da, da
Carmem Miranda, da, da, da
Viva a banda, da, da
O tropicalismo foi um movimento cultural de vanguarda que ocorreu
no Brasil nos anos de 1967 e 1968 nas artes, principalmente
na música.
O tropicalismo é caracterizado como um movimento
libertário e revolucionário, buscava se afastar um pouco do
intelectualismo da Bossa Nova a fim de aproximar a música brasileira
dos aspectos da cultura popular, do samba, do pop, do rock, da
psicodelia.
O movimento tropicalista não possui como objetivo principal utilizar a
música como “arma” de combate político à ditadura militar que
vigorava no Brasil.
Esse movimento serviu para modernizar a música brasileira,
incorporando e desenvolvendo novos padrões estéticos. Neste sentido,
foi um movimento cultural revolucionário, embora muito criticado no
período. Influenciou as gerações musicais brasileiras nas décadas
seguintes.
Os compositores Caetano veloso, Gilberto Gil, que lideraram o
movimento, além de Nara Leão, Tom Zé, Gal Costa, Os Mutantes (Rita
Lee, Arnaldo Baptista e Sérgio Dias), Torquato Neto, Rogério Duprat,
Capinam, Jorge Ben Jor, Maria Bethânia.
 "Tropicália" (Caetano Veloso, 1968)
 "Alegria, Alegria" (Caetano Veloso, 1967)
 "Domingo no parque" (Gilberto Gil, 1967)
 "Panis et Circencis" (Gilberto Gil e Caetano Veloso, 1968)
 "Atrás do trio elétrico", (Caetano Veloso, 1969)
 "Cadê Tereza" (Jorge Ben Jor, 1969)
 Pouca duração, o Tropicalismo terminaria em dezembro de 1968 com os dois
compositores presos após a instituição do AI-5 e depois exilados.
 O movimento defendia uma colagem dos gêneros musicais: de Vanguarda ou de Massa,
brasileiros ou estrangeiros.
 Ritmos modernos com antigos, instrumentos tradicionais de percussão eram
misturados a guitarras elétricas , bolera dialogava com samba de roda.
 Havia referência as massas e e á cultura erudita.
 O movimento tropicalista não possui como objetivo principal utilizar a música
como “arma” de combate político à ditadura militar que vigorava no Brasil.
 Os tropicalistas acreditavam que a inovação estética musical já era uma forma
revolucionária.
 O uso de guitarras elétricas em suas músicas. Muitos músicos tradicionais e
nacionalistas, acreditavam que esta era uma forte influência da cultura pop-
rock americana e que prejudicava a música brasileira.
Conclusão:
 O tropicalismo foi muito importante no sentido em que serviu para modernizar
a música brasileira, incorporando e desenvolvendo novos padrões estéticos.
Neste sentido, foi um movimento cultural revolucionário, embora muito
criticado no período. Influenciou as gerações musicais brasileiras nas décadas
seguintes.
Em 2005, a música "Garota de Ipanema" foi considerada,
pela Biblioteca do Congresso norte-americano, como uma das
50 grandes obras musicais da humanidade.
Olha que coisa mais linda
Mais cheia de graça
É ela menina
Que vem e que passa
Num doce balanço
A caminho do mar
Moça do corpo dourado
Do sol de Ipanema
O seu balançado é mais que um
poema
É a coisa mais linda que eu já vi
passar
Ah, por que estou tão sozinho?
Ah, por que tudo é tão triste?
Ah, a beleza que existe
A beleza que não é só minha
Que também passa sozinha
Ah, se ela soubesse
Que quando ela passa
O mundo inteirinho se enche de
graça
E fica mais lindo
Por causa do amor (3x)
Por causa do amor (2x)
Ah, se ela soubesse
Que quando ela passa
O mundo inteirinho se enche de
graça
E fica mais lindo
Por causa do amor (3x)
A repetição ´´ta ta ta`` faz
referência ao som das
metralhadoras, símbolo de
morte através do
genocídio (destruição de
populações ou povos).
Temos uma crítica mais
severa que faz referência ao
nordeste brasileiro, que
possui uma forma parecida
com um joelho dobrado.
Certamente são poucos aqueles
que não sabem cantar esse
trecho de um clássico da música
brasileira:
“Não há, ó gente, oh não
Luar como este do sertão...”
FAROL
É uma estrutura
elevada,
habitualmente uma
torre, dotada de um
potente aparelho ótico
dotado de fonte de
potentes lâmpadas e
espelhos refletores,
cujo o facho de luz é
visível a longas
distâncias.
IÁ IÁ EM IORUBÁ
Iá Iá- significa mãe em
Iorubá
Iorubá é uma língua
africana falada secularmente
pelos iorubas. Que foi trazida
pelos escravos que vieram de
Benin, do Togo e na maioria do
sudoeste da Nigéria, possui mais
de 30 milhões de pessoas em toda
a região, e é o segundo maior
grupo étnico na Nigéria.
VIVA MARIA
Viva Maria!
é uma comédia francesa,
dirigido por Louis Malle e
estrelada por Brigitte
Bardot e Jeanne Moreau e
filmado em sua maioria em
locações no México.
IRACEMA
Iracema é um romance brasileiro publicado
em 1865 e escrito por José de Alencar. "Iracema"
é um termo tupi que significa "saída de mel”. Na
obra, o escritor José de Alencar explica que é um
termo originário da língua tupi que significa
"lábios de mel", mas, segundo o tupinólogo
Eduardo Navarro, tal etimologia não é correta.
SAMBA
O samba é um gênero musical nativo do Rio de
Janeiro, no Brasil. Considerado uma das principais
manifestações culturais populares brasileiras, deriva
do samba de roda, um tipo de dança de
raízes africanas nascido na Bahia, região Nordeste do
país.
Embora houvesse variadas formas de samba no
Brasil sob a forma de diversos ritmos e danças
populares regionais que se originaram do batuque, o
samba como gênero musical é entendido como uma
expressão musical urbana surgida no início do século
XX na cidade do Rio de Janeiro.
IPANEMA
 Ipanema é o nome de um bairro no Rio de Janeiro. É
considerado um bairro nobre, que tem uma das praias mais
conhecidas do mundo.
 Quanto ao seu significado, a palavra Ipanema tem origem no
idioma indígena tupi, podendo significar "lago fedorento", "rio
imprestável" ou "água imprópria para nadar e para pescar".
 É também uma canção brasileira de bossa nova e MPB. Foi
composta por Antônio Carlos Jobim e letrada por Vinicius de
Moraes em 1962.
 Carmen Miranda (1909-1955) foi uma cantora, atriz e
dançarina luso-brasileira que ficou conhecida como a
Pequena Notável.
 Com sonho de ser atriz e cantora, dançava e cantava em
pequenas festas.
 Se apresentou para Josué de Barros, e assim foi para
radio .
 Carmen Miranda faleceu em Beverly Hills, Califórnia, no
Estados Unidos.
 O Fino da Bossa foi um programa produzido e exibido
pela TV Record São Paulo.
 Apresentado por Elis Regina e Jair Rodrigues, com a
direção musical de Walter Silva.
 Ficou no ar entre 1964 e 1967, onde obteve muito
sucesso.
 "A Banda" é uma canção composta e interpretada
pelo músico brasileiro Chico Buarque, em 1966.
Que foi lançado no seu primeiro álbum, “Chico
Buarque de Holanda”.
Estava à toa na vida
O meu amor me chamou
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor
A minha gente sofrida
Despediu-se da dor
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor
O homem sério que
contava dinheiro parou
O faroleiro que contava
vantagem parou
A namorada que contava
as estrelas parou
Para ver, ouvir e dar
passagem
A moça triste que vivia
calada sorriu
A rosa triste que vivia
fechada
se abriu
E a meninada toda se
assanhou
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor
O velho fraco se
esqueceu do cansaço e
pensou
Que ainda era moço pra
sair no terraço e dançou
A moça feia debruçou na
janela
Pensando que a banda
tocava pra ela
A marcha alegre se
espalhou na
avenida e insistiu
A lua cheia que vivia
escondida surgiu
Minha cidade toda se
enfeitou
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor
Mas para meu
desencanto
O que era doce acabou
Tudo tomou seu lugar
Depois que a banda
passou
E cada qual no seu canto
Em cada canto uma dor
Depois da banda passar
Cantando coisas de amor
 Lançada em 1965, "Quero Que Vá Tudo Pro
Inferno" é tida como um marco na carreira de
Roberto Carlos.
 A letra expressava tanto a saudade que o
cantor sentia um desabafo - que tudo fosse
para o inferno.
De que vale o céu azul e o sol sempre a brilhar
Se você não vem e eu estou a lhe esperar
Só tenho você no meu pensamento
E a sua ausência é todo o meu tormento
Quero que você me aqueça nesse inverno
E que tudo mais vá pro inferno
De que vale a minha boa vida de playboy
Se entro no meu carro e a solidão me dói
Onde quer que eu ande tudo é tão triste
Não me interessa o que de mais existe
Quero que você me aqueça nesse inverno
E que tudo mais vá pro inferno
Não suporto mais você longe de mim
Quero até morrer do que viver assim
Só quero que você me aqueça nesse inverno
E que tudo mais vá pro inferno
E que tudo mais vá pro inferno
Não suporto mais você longe de mim
Quero até morrer do que viver assim
Só quero que você me aqueça nesse
inverno
E que tudo mais vá pro inferno (6x)
 Sérgia Ribeiro da Silva mais
reconhecida como Dadá
 Foi uma cangaceira muito popular no
Nordeste
 Foi única mulher a usar fuzil no bando de
Lampião .
 Nasceu em 1915 e morreu em 1994.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.
Rafael Serra
 
Tropicalismo
TropicalismoTropicalismo
Tropicalismo
Stephanie Dourado
 
História da Música no Brasil
História da Música no BrasilHistória da Música no Brasil
História da Música no Brasil
Leonardo Brum
 
Música
MúsicaMúsica
Música
Sandraferraz
 
A arte da performance
A arte da performanceA arte da performance
A arte da performance
Thiago Assumpção
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
VIVIAN TROMBINI
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
Arte Educadora
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
seixasmarianas
 
Origem dos generos musicais
Origem dos generos musicaisOrigem dos generos musicais
Origem dos generos musicais
Eralda Cruz
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
Wellinton Augusto
 
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e IncaArte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Andrea Dressler
 
Agrp4
Agrp4Agrp4
Ditadura, Arte e Censura
Ditadura, Arte e CensuraDitadura, Arte e Censura
Ditadura, Arte e Censura
Lú Carvalho
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
Meire Falco
 
Arte e música
Arte e músicaArte e música
Arte e música
Joyce Nascimento
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
Carlos Zaranza
 
Arte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino MédioArte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino Médio
Itamir Beserra
 
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
Dadaísmo
CEF16
 
Releitura
ReleituraReleitura
Releitura
Paulo Alexandre
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Andrea Dressler
 

Mais procurados (20)

Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.
 
Tropicalismo
TropicalismoTropicalismo
Tropicalismo
 
História da Música no Brasil
História da Música no BrasilHistória da Música no Brasil
História da Música no Brasil
 
Música
MúsicaMúsica
Música
 
A arte da performance
A arte da performanceA arte da performance
A arte da performance
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 
Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922Semana de Arte Moderna 1922
Semana de Arte Moderna 1922
 
Origem dos generos musicais
Origem dos generos musicaisOrigem dos generos musicais
Origem dos generos musicais
 
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)  TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
TEATRO (Conceito; História; Gêneros e principais atores e atrizes)
 
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e IncaArte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
Arte pré-colombiana - Maia, Asteca e Inca
 
Agrp4
Agrp4Agrp4
Agrp4
 
Ditadura, Arte e Censura
Ditadura, Arte e CensuraDitadura, Arte e Censura
Ditadura, Arte e Censura
 
A História da Música
A História da MúsicaA História da Música
A História da Música
 
Arte e música
Arte e músicaArte e música
Arte e música
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
 
Arte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino MédioArte aula inicial Ensino Médio
Arte aula inicial Ensino Médio
 
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
Dadaísmo
 
Releitura
ReleituraReleitura
Releitura
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
 

Semelhante a Tropicalia 8 ano

Tropicalia trabalho
Tropicalia trabalhoTropicalia trabalho
Tropicalia trabalho
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Música estilo musical
Música   estilo musicalMúsica   estilo musical
Música estilo musical
Jéssica Cristina
 
Vanguardas artísticas e Musica no Brasil nos anos 50 e 60 - Bossa Nova e Jov...
Vanguardas artísticas  e Musica no Brasil nos anos 50 e 60 - Bossa Nova e Jov...Vanguardas artísticas  e Musica no Brasil nos anos 50 e 60 - Bossa Nova e Jov...
Vanguardas artísticas e Musica no Brasil nos anos 50 e 60 - Bossa Nova e Jov...
JanilsonNascimento4
 
Vínicius de Morais
Vínicius de MoraisVínicius de Morais
Vínicius de Morais
Franco Sena Jr.
 
A história da mpb
A história da mpbA história da mpb
A história da mpb
rodrigolima13_
 
histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptxhistmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
MariaMarques385773
 
Compositores Famosos da MPB [4]
Compositores Famosos da MPB [4]Compositores Famosos da MPB [4]
Compositores Famosos da MPB [4]
momengtonoticia
 
Historia da musica atividades
Historia da musica atividadesHistoria da musica atividades
Historia da musica atividades
Atividades Diversas Cláudia
 
Susana Baca
Susana BacaSusana Baca
Susana Baca
Bruno Moreno
 
Fado portugues
Fado   portuguesFado   portugues
Fado portugues
Susete Martins
 
Samba e a mpb
Samba e a mpbSamba e a mpb
Samba e a mpb
Italo Colares
 
Tropicalismo Luiz Soares
Tropicalismo Luiz SoaresTropicalismo Luiz Soares
Tropicalismo Luiz Soares
Luiz Costa Junior
 
A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais
eercavalcanti
 
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira 22
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira 22A PresençA Negra Na Cultura Brasileira 22
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira 22
Tânia Mara
 
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino FundamentalRoteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
VALDOMIRO PEREIRA DE PEREIRA DE SOUZA JUNIOR
 
Tom Zé: Um Tropicalista e Sua Aldeia
Tom Zé: Um Tropicalista e Sua AldeiaTom Zé: Um Tropicalista e Sua Aldeia
Tom Zé: Um Tropicalista e Sua Aldeia
Portal Iraraense
 
Representação das claves
Representação das clavesRepresentação das claves
Representação das claves
Caroline Souza
 
Q117
Q117Q117
Q117
newsevoce
 
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira Felipe
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira FelipeA PresençA Negra Na Cultura Brasileira Felipe
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira Felipe
Tânia Mara
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
Atividades Diversas Cláudia
 

Semelhante a Tropicalia 8 ano (20)

Tropicalia trabalho
Tropicalia trabalhoTropicalia trabalho
Tropicalia trabalho
 
Música estilo musical
Música   estilo musicalMúsica   estilo musical
Música estilo musical
 
Vanguardas artísticas e Musica no Brasil nos anos 50 e 60 - Bossa Nova e Jov...
Vanguardas artísticas  e Musica no Brasil nos anos 50 e 60 - Bossa Nova e Jov...Vanguardas artísticas  e Musica no Brasil nos anos 50 e 60 - Bossa Nova e Jov...
Vanguardas artísticas e Musica no Brasil nos anos 50 e 60 - Bossa Nova e Jov...
 
Vínicius de Morais
Vínicius de MoraisVínicius de Morais
Vínicius de Morais
 
A história da mpb
A história da mpbA história da mpb
A história da mpb
 
histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptxhistmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
 
Compositores Famosos da MPB [4]
Compositores Famosos da MPB [4]Compositores Famosos da MPB [4]
Compositores Famosos da MPB [4]
 
Historia da musica atividades
Historia da musica atividadesHistoria da musica atividades
Historia da musica atividades
 
Susana Baca
Susana BacaSusana Baca
Susana Baca
 
Fado portugues
Fado   portuguesFado   portugues
Fado portugues
 
Samba e a mpb
Samba e a mpbSamba e a mpb
Samba e a mpb
 
Tropicalismo Luiz Soares
Tropicalismo Luiz SoaresTropicalismo Luiz Soares
Tropicalismo Luiz Soares
 
A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais
 
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira 22
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira 22A PresençA Negra Na Cultura Brasileira 22
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira 22
 
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino FundamentalRoteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
 
Tom Zé: Um Tropicalista e Sua Aldeia
Tom Zé: Um Tropicalista e Sua AldeiaTom Zé: Um Tropicalista e Sua Aldeia
Tom Zé: Um Tropicalista e Sua Aldeia
 
Representação das claves
Representação das clavesRepresentação das claves
Representação das claves
 
Q117
Q117Q117
Q117
 
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira Felipe
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira FelipeA PresençA Negra Na Cultura Brasileira Felipe
A PresençA Negra Na Cultura Brasileira Felipe
 
História da música
História da músicaHistória da música
História da música
 

Mais de CLEBER LUIS DAMACENO

5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Missao artística francesa
Missao artística  francesaMissao artística  francesa
Missao artística francesa
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Barroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 anoBarroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 ano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Vanguardas europeias 2020
Vanguardas  europeias 2020Vanguardas  europeias 2020
Vanguardas europeias 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Patrimonio cultural
Patrimonio culturalPatrimonio cultural
Patrimonio cultural
CLEBER LUIS DAMACENO
 
26 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 202026 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
24 pop art 2020
24 pop art 202024 pop art 2020
24 pop art 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
23 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 202023 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 

Mais de CLEBER LUIS DAMACENO (20)

5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx
 
4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx
 
3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx
 
2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx
 
1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 
Missao artística francesa
Missao artística  francesaMissao artística  francesa
Missao artística francesa
 
Barroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 anoBarroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 ano
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Vanguardas europeias 2020
Vanguardas  europeias 2020Vanguardas  europeias 2020
Vanguardas europeias 2020
 
Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
 
1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz
 
Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 
Patrimonio cultural
Patrimonio culturalPatrimonio cultural
Patrimonio cultural
 
26 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 202026 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 2020
 
25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
 
24 pop art 2020
24 pop art 202024 pop art 2020
24 pop art 2020
 
23 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 202023 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 2020
 

Último

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 

Último (20)

O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 

Tropicalia 8 ano

  • 1.
  • 2. Sobre a cabeça os aviões Sob os meus pés os caminhões Aponta contra os chapadões Meu nariz Eu organizo o movimento Eu oriento o carnaval Eu inauguro o monumento No planalto central do país Viva a Bossa, sa, as Viva a Palhoça, ça, ça, ça, ça Viva a Bossa, sa, as Viva a Palhoça, ça, ça, ça, ça O monumento É de papel crepom e prata Os olhos verdes da mulata A cabeleira esconde Atrás da verde mata O luar do sertão O monumento não tem porta A entrada é uma rua antiga Estreita e torta E no joelho uma criança Sorridente, feia e morta Estende a mão Viva a mata, ta, ta Viva a mulata, ta, ta, ta, ta Viva a mata, ta, ta Viva a mulata, ta, ta, ta, ta No pátio interno há uma piscina Com água azul de Amaralina Coqueiro, brisa e fala nordestina E faróis Na mão direita tem uma roseira Autenticando eterna primavera E no jardim os urubus passeiam A tarde inteira entre os girassóis Caetano Veloso
  • 3. Viva Maria, ia, ia Viva pulso esquerdo o bang-bang Em suas veias corre Muito pouco sangue Mas seu coração Balança um samba de tamborim Emite acordes dissonantes Pelos cinco mil alto-falantes Senhoras e senhores Ele põe os olhos grandes a Bahia, ia, ia, ia, ia Viva Maria, ia, ia Viva a Bahia, ia, ia, ia, ia No Sobre mim Viva Iracema, ma, ma Viva Ipanema, ma, ma, ma Viva Iracema, ma, ma Viva Ipanema, ma, ma, ma Viva Iracema, ma, ma Viva Ipanema, ma, ma, ma Viva Iracema, ma, ma Viva Ipanema, ma, ma, ma Domingo é o fino-da-bossa Segunda-feira está na fossa Terça-feira vai à roça Porém O monumento é bem moderno Não disse nada do modelo Do meu terno Que tudo mais vá pro inferno Meu bem Que tudo mais vá pro inferno Meu bem Viva a banda, da, da Carmem Miranda, da, da, da Viva a banda, da, da
  • 4. O tropicalismo foi um movimento cultural de vanguarda que ocorreu no Brasil nos anos de 1967 e 1968 nas artes, principalmente na música. O tropicalismo é caracterizado como um movimento libertário e revolucionário, buscava se afastar um pouco do intelectualismo da Bossa Nova a fim de aproximar a música brasileira dos aspectos da cultura popular, do samba, do pop, do rock, da psicodelia.
  • 5. O movimento tropicalista não possui como objetivo principal utilizar a música como “arma” de combate político à ditadura militar que vigorava no Brasil. Esse movimento serviu para modernizar a música brasileira, incorporando e desenvolvendo novos padrões estéticos. Neste sentido, foi um movimento cultural revolucionário, embora muito criticado no período. Influenciou as gerações musicais brasileiras nas décadas seguintes. Os compositores Caetano veloso, Gilberto Gil, que lideraram o movimento, além de Nara Leão, Tom Zé, Gal Costa, Os Mutantes (Rita Lee, Arnaldo Baptista e Sérgio Dias), Torquato Neto, Rogério Duprat, Capinam, Jorge Ben Jor, Maria Bethânia.
  • 6.  "Tropicália" (Caetano Veloso, 1968)  "Alegria, Alegria" (Caetano Veloso, 1967)  "Domingo no parque" (Gilberto Gil, 1967)  "Panis et Circencis" (Gilberto Gil e Caetano Veloso, 1968)  "Atrás do trio elétrico", (Caetano Veloso, 1969)  "Cadê Tereza" (Jorge Ben Jor, 1969)
  • 7.  Pouca duração, o Tropicalismo terminaria em dezembro de 1968 com os dois compositores presos após a instituição do AI-5 e depois exilados.  O movimento defendia uma colagem dos gêneros musicais: de Vanguarda ou de Massa, brasileiros ou estrangeiros.  Ritmos modernos com antigos, instrumentos tradicionais de percussão eram misturados a guitarras elétricas , bolera dialogava com samba de roda.  Havia referência as massas e e á cultura erudita.
  • 8.  O movimento tropicalista não possui como objetivo principal utilizar a música como “arma” de combate político à ditadura militar que vigorava no Brasil.  Os tropicalistas acreditavam que a inovação estética musical já era uma forma revolucionária.  O uso de guitarras elétricas em suas músicas. Muitos músicos tradicionais e nacionalistas, acreditavam que esta era uma forte influência da cultura pop- rock americana e que prejudicava a música brasileira. Conclusão:  O tropicalismo foi muito importante no sentido em que serviu para modernizar a música brasileira, incorporando e desenvolvendo novos padrões estéticos. Neste sentido, foi um movimento cultural revolucionário, embora muito criticado no período. Influenciou as gerações musicais brasileiras nas décadas seguintes.
  • 9.
  • 10.
  • 11. Em 2005, a música "Garota de Ipanema" foi considerada, pela Biblioteca do Congresso norte-americano, como uma das 50 grandes obras musicais da humanidade.
  • 12. Olha que coisa mais linda Mais cheia de graça É ela menina Que vem e que passa Num doce balanço A caminho do mar Moça do corpo dourado Do sol de Ipanema O seu balançado é mais que um poema É a coisa mais linda que eu já vi passar Ah, por que estou tão sozinho? Ah, por que tudo é tão triste? Ah, a beleza que existe A beleza que não é só minha Que também passa sozinha Ah, se ela soubesse Que quando ela passa O mundo inteirinho se enche de graça E fica mais lindo Por causa do amor (3x) Por causa do amor (2x) Ah, se ela soubesse Que quando ela passa O mundo inteirinho se enche de graça E fica mais lindo Por causa do amor (3x)
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. A repetição ´´ta ta ta`` faz referência ao som das metralhadoras, símbolo de morte através do genocídio (destruição de populações ou povos).
  • 17. Temos uma crítica mais severa que faz referência ao nordeste brasileiro, que possui uma forma parecida com um joelho dobrado.
  • 18.
  • 19. Certamente são poucos aqueles que não sabem cantar esse trecho de um clássico da música brasileira: “Não há, ó gente, oh não Luar como este do sertão...”
  • 20. FAROL É uma estrutura elevada, habitualmente uma torre, dotada de um potente aparelho ótico dotado de fonte de potentes lâmpadas e espelhos refletores, cujo o facho de luz é visível a longas distâncias.
  • 21. IÁ IÁ EM IORUBÁ Iá Iá- significa mãe em Iorubá Iorubá é uma língua africana falada secularmente pelos iorubas. Que foi trazida pelos escravos que vieram de Benin, do Togo e na maioria do sudoeste da Nigéria, possui mais de 30 milhões de pessoas em toda a região, e é o segundo maior grupo étnico na Nigéria.
  • 22. VIVA MARIA Viva Maria! é uma comédia francesa, dirigido por Louis Malle e estrelada por Brigitte Bardot e Jeanne Moreau e filmado em sua maioria em locações no México.
  • 23. IRACEMA Iracema é um romance brasileiro publicado em 1865 e escrito por José de Alencar. "Iracema" é um termo tupi que significa "saída de mel”. Na obra, o escritor José de Alencar explica que é um termo originário da língua tupi que significa "lábios de mel", mas, segundo o tupinólogo Eduardo Navarro, tal etimologia não é correta.
  • 24. SAMBA O samba é um gênero musical nativo do Rio de Janeiro, no Brasil. Considerado uma das principais manifestações culturais populares brasileiras, deriva do samba de roda, um tipo de dança de raízes africanas nascido na Bahia, região Nordeste do país. Embora houvesse variadas formas de samba no Brasil sob a forma de diversos ritmos e danças populares regionais que se originaram do batuque, o samba como gênero musical é entendido como uma expressão musical urbana surgida no início do século XX na cidade do Rio de Janeiro.
  • 25. IPANEMA  Ipanema é o nome de um bairro no Rio de Janeiro. É considerado um bairro nobre, que tem uma das praias mais conhecidas do mundo.  Quanto ao seu significado, a palavra Ipanema tem origem no idioma indígena tupi, podendo significar "lago fedorento", "rio imprestável" ou "água imprópria para nadar e para pescar".  É também uma canção brasileira de bossa nova e MPB. Foi composta por Antônio Carlos Jobim e letrada por Vinicius de Moraes em 1962.
  • 26.  Carmen Miranda (1909-1955) foi uma cantora, atriz e dançarina luso-brasileira que ficou conhecida como a Pequena Notável.  Com sonho de ser atriz e cantora, dançava e cantava em pequenas festas.  Se apresentou para Josué de Barros, e assim foi para radio .  Carmen Miranda faleceu em Beverly Hills, Califórnia, no Estados Unidos.
  • 27.  O Fino da Bossa foi um programa produzido e exibido pela TV Record São Paulo.  Apresentado por Elis Regina e Jair Rodrigues, com a direção musical de Walter Silva.  Ficou no ar entre 1964 e 1967, onde obteve muito sucesso.
  • 28.  "A Banda" é uma canção composta e interpretada pelo músico brasileiro Chico Buarque, em 1966. Que foi lançado no seu primeiro álbum, “Chico Buarque de Holanda”.
  • 29. Estava à toa na vida O meu amor me chamou Pra ver a banda passar Cantando coisas de amor A minha gente sofrida Despediu-se da dor Pra ver a banda passar Cantando coisas de amor O homem sério que contava dinheiro parou O faroleiro que contava vantagem parou A namorada que contava as estrelas parou Para ver, ouvir e dar passagem A moça triste que vivia calada sorriu A rosa triste que vivia fechada se abriu E a meninada toda se assanhou Pra ver a banda passar Cantando coisas de amor O velho fraco se esqueceu do cansaço e pensou Que ainda era moço pra sair no terraço e dançou A moça feia debruçou na janela Pensando que a banda tocava pra ela A marcha alegre se espalhou na avenida e insistiu A lua cheia que vivia escondida surgiu Minha cidade toda se enfeitou Pra ver a banda passar Cantando coisas de amor Mas para meu desencanto O que era doce acabou Tudo tomou seu lugar Depois que a banda passou E cada qual no seu canto Em cada canto uma dor Depois da banda passar Cantando coisas de amor
  • 30.  Lançada em 1965, "Quero Que Vá Tudo Pro Inferno" é tida como um marco na carreira de Roberto Carlos.  A letra expressava tanto a saudade que o cantor sentia um desabafo - que tudo fosse para o inferno.
  • 31. De que vale o céu azul e o sol sempre a brilhar Se você não vem e eu estou a lhe esperar Só tenho você no meu pensamento E a sua ausência é todo o meu tormento Quero que você me aqueça nesse inverno E que tudo mais vá pro inferno De que vale a minha boa vida de playboy Se entro no meu carro e a solidão me dói Onde quer que eu ande tudo é tão triste Não me interessa o que de mais existe Quero que você me aqueça nesse inverno E que tudo mais vá pro inferno Não suporto mais você longe de mim Quero até morrer do que viver assim Só quero que você me aqueça nesse inverno E que tudo mais vá pro inferno E que tudo mais vá pro inferno Não suporto mais você longe de mim Quero até morrer do que viver assim Só quero que você me aqueça nesse inverno E que tudo mais vá pro inferno (6x)
  • 32.  Sérgia Ribeiro da Silva mais reconhecida como Dadá  Foi uma cangaceira muito popular no Nordeste  Foi única mulher a usar fuzil no bando de Lampião .  Nasceu em 1915 e morreu em 1994.