SlideShare uma empresa Scribd logo
ARTE
CONTEMPORÂN
EA
AULA 26
“
Arte Contemporânea
• A arte contemporânea é construída não mais
necessariamente com o novo e o original, como
ocorria no Modernismo e nos movimentos
vanguardistas.
• Ela se caracteriza principalmente pela liberdade
de atuação do artista, que não tem mais
compromissos institucionais que o limitem,
portanto pode exercer seu trabalho sem se
preocupar em imprimir nas suas obras um
determinado cunho religioso ou político.
O minimalismo
• É um movimento artístico que
defende o uso de uma quantidade
mínima de elementos para
construir a base da expressão.
• Nas artes plásticas surgiu no final
dos anos 1950 após o auge do
expressionismo abstrato,
contrapondo-se á exuberância
gestual desse.
• Surgiu no contexto de efervescência
cultural dos EUA viviam nos anos
1950 e 1960 em decorrência dos
movimentos de contracultura e que
fez nascer novas expressões
artísticas contrárias ás vanguardas
europeias, como o OP Art e Pop Art
• A casa Klein Bottle, (Rob
McBride) na Austrália, é o
resultado de uma fabulosa
combinação de arquitetura e
matemática.
• É um exemplo representativo
de arquitetura minimalista,
tanto no design, nas formas
da fachada e no seu interior.
A op art e a arte
cinética
OP Art
• OPArt: Abreviação de Optical
art, uma forma de arte não
objetiva que utiliza ilusões de
ótica.
• Explora por meio de figuras
geométricas coloridas ou não, que
a depender do ponto de vista
podem aparentar movimento.
• Explora a relação funcional entre
retina e o cérebro, certos padrões
de desenhos podem causar
confusão de interpretação com
efeitos ópticos ilusórios.
• É vista como extensão da arte
cinética.
• Ou seja: Arte e movimento.
Arte Cinética
• A arte cinética, é uma corrente
das artes plásticas que explora
efeitos visuais por meio de
movimentos físicos ou ilusão
de óptica ou truques de
posicionamento de peças.
Victor Vasarely. Dança das
Zebras,1938 Op Art / Art cinética
• Objetos Cinéticos do escultor
grego Panagiotis Vasilakis
"Takis", Paris
Arte Conceitual
• A arte onceitual considera
o conceito base de obra de
arte, superior à própria
obra concebida.
• os conceitos são as
verdadeiras matérias da
arte, sendo as ideias mais
importantes do que a
execução do
“produto final artístico”.
• A arte conceitual é
baseada na noção de que a
essência da arte é uma
ideia ou um conceito.
• Por natureza desafia o
observador a interpretar um
conceito e tende a provocar
reações intensas.
• Isso é arte?
• Existe a negação de que
algumas obras do
movimento sejam arte.
O GRAFITE
E A CULTURA
HIP-HOP
CONCEITO ALICE PASQUINI-ITÁLIA
• A INTERVENÇÃO É
UMA VERTENTE DA
ARTE URBANA
.
• AS PRODUÇÕES
ARTÍSTICAS NÃO SE
ENCONTRAM APENAS
NOS MUSEUS OU
GALERIAS.
• É UMA ARTE NA QUAL
TODOS TEM ACESSO.
Desenho rupestre - caverna no Piauí.
• Na antiguidade, diferentes
civilizações utilizaram as
paredes para se expressar.
• As pinturas rupestres revelam
que há milhares de anos nossos
ancestrais já utilizavam as
paredes para expressar suas
crenças.
• Egípcios, gregos e romanos
desenvolveram diversas
técnicas de pintura mural.
Muralismo Mexicano
• Na primeira metade do século
XX, um grupo de artistas
mexicanos produziu pinturas
murais que tinham forte
sentido social e político,
Esses artistas usavam a arte
para denunciar questões
sociopolíticas e dessa forma
colaborar com a sociedade .
• Diego Rivera (1886-1957) é
um dos artistas mais
importantes desse movimento.
Muralismo
• O Muralismo é um movimento artístico que surgiu no
México, no início do século XX, criado por um grupo de
intelectuais pintores mexicanos, após a Revolução
Mexicana, reforçado pela grande depressão e pela
primeira guerra mundial.
Diego Rivera
José Clemente Orozco (1883–1949)
David Alfaro Siqueiros
A origem do grafite
• Assim como as produções dos muralistas mexicanos, o grafite
em geral tem forte relação com questões políticas e sociais.
• Começa na década de 1960 em Nova York, onde se
organizaram diversos grupos e movimentos culturais ligados a
grupos marginalizados, principalmente de jovens negros e
bairros pobres das grandes cidades.
Das ruas para as galerias
• A partir da década de 1980,
alguns grafites começaram a
chamar á atenção, não só pelo
seu caráter transgressor, mas
também pela qualidade artística.
• Artistas como Keith Haring e
Jean-Michel Basquiat
,começaram a expor em
sofisticadas galerias de arte.
• ENEM 2017 Q30 Paulo César Silva,
mais conhecido como Speto
• Keith Haring (1958-1989)
iniciou sua produção em
estações de trem e de metrô
em Nova York.
• Ele desenhava figuras
humanas estilizadas.
Jean-Michel Basquiat (1960-1988),
• ARTISTA AMERICANO
DO BROOKLYN DE
NOVA IORQUE.
• GANHOU
POPULARIDADE COMO
GRAFITEIRO E COMO
PINTOR.
• SEUS TRABALHOS
COSTUMAM ATINGIR
PREÇOS ALTÍSSIMOS
EM LEILÕES DE ARTE.
• MORREU EM 1988
VÍTIMA DE UM
COQUETEL DE
DROGAS
BASQUIAT Dica de filme
BASQUIAT
O grafite no Brasil
• Alex Vallauri (1949-1987): O
precursor, nascido na Etiópia,
chegou ao Brasil em 1965 e a partir
da década de 1970 , passou a
produzir obras em espaços públicos
de São Paulo.
• Técnica do stencil.
• Por causa da importância de
Vallauri para o grafite brasileiro, o
dia da sua morte 27 de março foi
escolhido para comemorar o Dia
Nacional do Grafite.
OSGEMEOS
• OS GÊMEOS SÃO UMA
DUPLA DE IRMÃOS
IDÊNTICOS, GUSTAVO E
OTÁVIO PANDOLFO.
GRAFITEIROS DE SÃO
PAULO.
• FORMADOS EM DESENHO,
COMEÇARAM NO BAIRRO
DO CABUCI E TORNARAM –
SE UMA DAS MAIS
IMPORTANTES INFLUÊNCIAS
NO GRAFITE NO MUNDO.
• JÁ FIZERAM TRABALHOS EM
VÁRIOS PAÍSES.
EDUARDO KOBRA
EDUARDO KOBRA
Banksy – É o cara!
• BANKSY- é o
pseudônimo de
um grafiteiro,
pintor, ativista
político e diretor
de cinema inglês.
Sua arte de rua
satírica e
subversiva
combina humor
negro e graffiti
feito com uma
distinta técnica
de ESTENCIL.
A cultura Hip-Hop
• Na década de 1970, o encontro de
integrantes das comunidades
negras e latino americanas dos
EUA, iniciaram um movimento
cultural que resultou no Hip-Hop.
• Reuni três expressões artísticas:
O grafite nas artes visuais, o rap
na música e o break na dança.
• O Rap: abreviação de rhythm
and poetry (ritmo e poesia)
Racionais MCs
Os 4 pilares do Hip-Hop:
• 1-O grafite:
• 2-DJ (disc-jockey)
• 3-MC (mestre de
cerimônia)
• 4-B-boy e B-girl
INTERVENÇÃO
ARTÍSTICA URBANA
• As intervenções são manifestações organizadas por grupos de artistas
com o propósito de transmitir mensagens. Elas são um tipo de arte que
tem o objetivo de questionar e transformar a vida cotidiana.
• A Intervenção lança no espaço público questões que provocam
discussões em toda a população. De uma maneira ou de outra, ela faz
com que as pessoas parem sua rotina por alguns minutos, seja para
questionar, criticar ou simplesmente contemplar a arte.
• Sua finalidade é provocar o público para questões políticas,
sociais, ideológicas e estéticas.
“Cow Parade”
• é considerado o maior e mais
bem sucedido evento de arte
pública no mundo. Já passou por
mais de 50 cidades em todos o
mundo desde de 1999, inclusive
por várias cidades do Brasil.
• As vacas são pintadas por
artistas locais, sendo ele
profissionais, amadores ou
desconhecidos. A renda
arrecadada pelo evento é
revertida para instituições de
caridade em diversas partes do
mundo, cumprindo o seu papel
social.
“Mind Fuck”
• É aquele desconforto mental
gerado por elementos inéditos
em determinada área. É como
se nossa mente, tão acostumada
com tal cenário, demorasse
segundos a mais para processar
a informação.
• Fra.Biancoshock, um brilhante
e inquieto artista de Milão
(Itália), faz isso de uma maneira
ainda mais divertida e chocante.
As sua criações podem ser
encontradas por toda Europa,
Malásia e Singapura.
“Yambombing”
• Termo inglês para bombardeio de fios.
É uma intervenção artística que invadiu as
ruas do mundo, trazendo cor, alegria e
trabalho artesanal com fios, adornando
estatuas, pontes, árvores….
“The Pothole
Gardener”
• Jardineiro de buracos – Essa tem sido a proposta do londrino
Steve Wheen, ciclista e cansado dos buracos nas ruas, ele
começou a usar as imperfeições das calçadas e ruas de
Londres, como base para os seus mini jardins.
• “Meus jardins são uma maneira de transformar algo muito
ruim, como um buraco, em algo um pouco mais feliz que
leva as pessoas a sorrir mas também a questionar o ambiente
em que vivem e como elas podem mudá-lo”, diz Steve.
“Umbrella Sky Project”
• desenvolvida pela Sextafeira Produções. Projeto Céu de Guarda-chuvas na
cidade de Águeda em Portugal, colorindo as ruas da cidade.
Invader, francês, é um dos nomes de
peso do street art no mundo.
Flash Mob
• Flash Mobs são aglomerações
instantâneas de pessoas em um
local público para realizar
determinada ação inusitada
previamente combinada, estas
se dispersando tão rapidamente
quanto se reuniram. A
expressão geralmente se aplica
a reuniões organizadas através
de e-mails ou meios de
comunicação social.
Pillow fight No Pants day
INSTALAÇÃO
ARTÍSTICA
• Uma instalação é uma manifestação artística contemporânea
composta por elementos organizados em um ambiente.
• Ela pode ter um caráter efêmero ou pode ser desmontada e
recriada em outro local.
• Uma instalação pode ser multimídia e provocar sensações: táteis,
térmicas, odoríficas, auditivas, visuais entre outras.
Cosmococa de Hélio Oiticica / Inhotim
Qual a diferença entre
Intervenção e Instalação?
INSTALAÇÃO
• É uma forma de expressão da arte
contemporânea, geralmente é produzida
para algum espaço próprio (exposição
em algum museu, pinacoteca, bienal,
etc.), com diversos materiais alternativos
pensados e impensados como
possibilidade de criação artística.
• Mas, quando é produzido em algum
outro espaço onde as pessoas não
esperam encontrar um trabalho artístico
(praças, nas ruas, em postes, em prédios,
agências bancárias, lojas, etc...), ele se
torna uma intervenção.
INTERVENÇÃO
• Parte de um conceito da arte que
sai do seu espaço próprio e vai de
encontro ao público, como pinturas
em grafite nas paredes de muros e
prédios, esculturas de gelo em
escadarias de prédios públicos,
apresentação de música em um
outro tipo de ambiente como uma
loja de roupas, numa praça pública,
ou uma performance de dança no
farol, ou uma escultura viva no
calçadão, são modalidades de
intervenção.
Ernesto Neto (1964)
Body Art
Body Art
• A Body Art (arte do corpo), surgiu na
década de 60, nos Estados Unidos e
na Europa, sendo sua principal
característica o uso do corpo como
suporte e intervenção para a
realização do trabalho artístico.
• Dessa maneira, o corpo humano (seja
do artista ou de um modelo) passa a
ser a “tela” (daí aproximação com a
“body paint”, ou pintura corporal).
• Associando-se frequentemente
a happening e performance. Nesta
arte o corpo do artista vira suporte
para realizar intervenções, de modo
geral, associadas à violência, à dor e
ao esforço físico.
• Principais Características
• Corpo Humano como suporte e
experimentação artística
• Materialidade e resistência do corpo
• Relações entre arte e a vida
cotidiana
• Arte como forma de protesto
• Choque do espectador
• Uso de performances, videoartes e
instalações
• Temática livre de preconceito
(cultura do corpo, sexualidade,
nudez,etc.)
• Tatuagens, maquiagens,
deformações, travestimento ,
mutilações, escarificações ,
queimaduras, implantes e ferimentos
Land Art
• Criações artísticas que utilizam como suporte, tema ou meio de
expressão o espaço exterior.
• A partir do final da década de 60 torna-se evidente a procura da
natureza (o campo, o deserto ou, mais raramente, o espaço urbano
e o mar)
• Estes artistas, que preconiza o "regresso à natureza", têm a
intenção de ultrapassar as limitações do espaço tradicional das
galerias, recusando o sentido comercial e mercantilista que a
produção artística assumia nesta década.
Arte Povera
Arte Povera
• A Arte Povera (em inglês, “poor art”) foi um movimento
artístico de vanguarda surgido na Itália na década de 60 e
que significa literalmente “arte pobre”. O termo “arte
povera” foi cunhado pelo crítico e historiador da arte italiano
Germano Celant, em 1967, no catálogo da exposição “Arte
povera – ImSpazio”, ocorrida em Veneza.
• A ideia do movimento Povera, que se destacou na pintura,
escultura, instalação e performance, era de fato propor uma
nova reflexão estética sobre o produto artístico ao
“empobrecer a arte” e trazer à tona sua efemeridade através
da utilização de materiais simples e naturais.
Artistas
e meio ambiente,
Eduardo Srur
• O. artista chama á atenção do público para temas ambientais
Frans krajcberg (1921-2017)
• Utiliza suas obras para promover a defesa da
natureza, denunciar a degradação ambiental e
despertar a consciência da sociedade.
• Nascido na Polônia e naturalizado brasileiro,
escultor,fotógrafo e pintor, expressa em suas
obras indignação diante das queimadas e dos
desmatamentos.
• Viajou pelo país fotografando áreas
desmatadas, principalmente na Amazônia,
recolheu resíduos, troncos,cipós,raízes,etc.
• Em 2003 foi inaugurado o Instituto Frans
Krajcberg de Arte e Meio Ambiente.
“Minha obra é um manifesto,
Não escrevo, não sou político,
Devo encontrar a mensagem certa,
O fogo é a morte, o abismo,
O Fogo me acompanha desde sempre.”
Frans krajcberg
Ha Schult (1939-), artista alemão
o problema do lixo eletrônico.
Vik Muniz (1961-)
O Híper-realismo
Duane Hanson
(1925-1996)
• O Híper´-realismo foi uma
tendência da pintura e da
escultura iniciada da década de
1960, nos EUA.
• É a retomada do realismo na arte
contemporânea, em opsição ao
Minimalismo e á arte abstrata.
• Esse realismo abordou a vida das
grandes cidades e resgatou uma
tradição figurativa nos EUA
interrompida pelo
Expressionismo abstrato.
• As pinturas hiper-realista
abordaram cenas banais, atitudes
corriqueiras, ruas, carros, lojas,
etc.
Senhora no
supermercado 1970
Ron Mueck
• Na escultura
contemporânea o grande
artista do momento é Ron
Mueck e suas esculturas
hiper-realistas.
• Ele utiliza, fibra de vidro,
silicone e acrílico para
produzir cada detalhe.
• As cores e as proporções
são perfeitas, mas as mais
surpreendentes são as
esculturas gigantes.
Juan Francisco Casas ,Espanhol,
desenhos com canetas esferográficas.
Mark Dagas
História em
quadrinhos
Os quadrinhos e a arte
sequencial
• A arte sequencial usa imagens em
sequência para contar histórias ou
para transmitir informações.
• O exemplo mais comum é a História
em Quadrinhos.
• O termo sequencial também é
aplicado a outros meios de
comunicação, tais como filme de
animação ou storyboards.
• Muitos quadrinhos foram produzidos
com um olhar crítico por parte do
autor ,como a série “Maus” de Vladek
Spielgemam, que narra a história de
sobrevivência de seu pai um judeu
polonês, durante a segunda guerra
mundial e o nazismo.
• Nas tiras os judeus são representados
por ratos e os nazistas por gatos.
Guerrilla Girls
• É um grupo de artistas feministas
anônimas cujo o objetivo é
combater o sexismo e o machismo
no mundo da arte.
• O grupo foi formado em Nova York
em 1985, tendo a missão de trazer a
público a desigualdade de gênero e
raça dentro da comunidade
artística.
• O grupo emprega seu ativismo na
forma de pôsteres, livros, outdoors
e aparições públicas para expor
discriminação e corrupção.
• Permanecem anônimas, os
membros do grupo vestem
máscaras e utilizam pseudônimos
que se referem a mulheres artistas
falecidas.
• As identidades são mantidas em
segredo porque os problemas
importam mais que identidades:
"No geral, queríamos que o foco
estivesse nos problemas, não
nas nossas personalidades ou
nos nossos próprios trabalhos."
26 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 2020

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Ana Barreiros
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Carla Freitas
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
Carlos Pinheiro
 
Movimento Fauvismo
Movimento FauvismoMovimento Fauvismo
Movimento Fauvismo
Andrea Dressler
 
Arte na segunda metade do século xx
Arte na segunda metade do século xxArte na segunda metade do século xx
Arte na segunda metade do século xx
Itamir Beserra
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
Ana Barreiros
 
História da Arte: Surrealismo
História da Arte: SurrealismoHistória da Arte: Surrealismo
História da Arte: Surrealismo
Raphael Lanzillotte
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Andrea Dressler
 
Expressionismo
Expressionismo Expressionismo
OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
Cristiane Seibt
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismo
Junior Onildo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Arte Educadora
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
Inês Filipa
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
Ana Barreiros
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Paulo Fonseca
 
O SURREALISMO
O SURREALISMOO SURREALISMO
O SURREALISMO
Jhonny Fernandes
 
Modulo 10 contexto
Modulo 10   contextoModulo 10   contexto
Modulo 10 contexto
cattonia
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Grafite 2C16
Grafite 2C16Grafite 2C16
EXPRESSIONISMO
EXPRESSIONISMOEXPRESSIONISMO
EXPRESSIONISMO
Cristiane Seibt
 

Mais procurados (20)

Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Movimento Fauvismo
Movimento FauvismoMovimento Fauvismo
Movimento Fauvismo
 
Arte na segunda metade do século xx
Arte na segunda metade do século xxArte na segunda metade do século xx
Arte na segunda metade do século xx
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
História da Arte: Surrealismo
História da Arte: SurrealismoHistória da Arte: Surrealismo
História da Arte: Surrealismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Expressionismo
Expressionismo Expressionismo
Expressionismo
 
OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
O SURREALISMO
O SURREALISMOO SURREALISMO
O SURREALISMO
 
Modulo 10 contexto
Modulo 10   contextoModulo 10   contexto
Modulo 10 contexto
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Grafite 2C16
Grafite 2C16Grafite 2C16
Grafite 2C16
 
EXPRESSIONISMO
EXPRESSIONISMOEXPRESSIONISMO
EXPRESSIONISMO
 

Semelhante a 26 arte contemporanea 2020

Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Grafite
GrafiteGrafite
Fluxus, Arte digital e Arte Eletrónica
Fluxus, Arte digital e Arte EletrónicaFluxus, Arte digital e Arte Eletrónica
Fluxus, Arte digital e Arte Eletrónica
Raquel Almeida
 
Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art
Everton Rodrigues
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
Lú Feitosa
 
Arte popular brasileira na arte contemporanea
Arte popular brasileira na arte contemporaneaArte popular brasileira na arte contemporanea
Arte popular brasileira na arte contemporanea
Martha Rodrigues
 
Pintura rupestre x arte mural x grafite x completo
Pintura rupestre x arte mural x grafite x completoPintura rupestre x arte mural x grafite x completo
Pintura rupestre x arte mural x grafite x completo
CEF16
 
Arte rupestre, arte nos muros, grafite e pichação
Arte rupestre, arte nos muros, grafite e pichaçãoArte rupestre, arte nos muros, grafite e pichação
Arte rupestre, arte nos muros, grafite e pichação
Aline Raposo
 
Pós modernismo
Pós modernismoPós modernismo
Pós modernismo
Denise Lima
 
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua eTendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
Ed de Souza
 
Pop art trabalho
Pop art   trabalhoPop art   trabalho
Pop art trabalho
Mário Sérgio
 
Futurismos
FuturismosFuturismos
Futurismos
ISJ
 
AULA 2_Moda conceitual.pdf
AULA 2_Moda conceitual.pdfAULA 2_Moda conceitual.pdf
AULA 2_Moda conceitual.pdf
MariadoSocorrodaSilv17
 
04 julho 2012 nossa apresentaçao
04 julho 2012  nossa apresentaçao04 julho 2012  nossa apresentaçao
04 julho 2012 nossa apresentaçao
Sandra Kroetz
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
Cristiane Seibt
 
Das Novas Figurações à Arte Conceitual
Das Novas Figurações à Arte ConceitualDas Novas Figurações à Arte Conceitual
Das Novas Figurações à Arte Conceitual
Zimaldo Melo
 
Apresentação trabalho estética
Apresentação   trabalho estéticaApresentação   trabalho estética
Apresentação trabalho estética
Matheus Filipe Alves Machado
 
Projeto Niemeyer
Projeto Niemeyer Projeto Niemeyer
Projeto Niemeyer
Marcelo Bancalero
 
Press português - Galeria LuminArte apresenta: Surrealismo LUSO-AMERICANO do ...
Press português - Galeria LuminArte apresenta: Surrealismo LUSO-AMERICANO do ...Press português - Galeria LuminArte apresenta: Surrealismo LUSO-AMERICANO do ...
Press português - Galeria LuminArte apresenta: Surrealismo LUSO-AMERICANO do ...
Santago Ribeiro independent Surrealism Now promoter
 

Semelhante a 26 arte contemporanea 2020 (20)

Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Grafite
GrafiteGrafite
Grafite
 
Fluxus, Arte digital e Arte Eletrónica
Fluxus, Arte digital e Arte EletrónicaFluxus, Arte digital e Arte Eletrónica
Fluxus, Arte digital e Arte Eletrónica
 
Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art Seminário Pop Art and Op Art
Seminário Pop Art and Op Art
 
Arte conceitual
Arte conceitualArte conceitual
Arte conceitual
 
Arte popular brasileira na arte contemporanea
Arte popular brasileira na arte contemporaneaArte popular brasileira na arte contemporanea
Arte popular brasileira na arte contemporanea
 
Pintura rupestre x arte mural x grafite x completo
Pintura rupestre x arte mural x grafite x completoPintura rupestre x arte mural x grafite x completo
Pintura rupestre x arte mural x grafite x completo
 
Arte rupestre, arte nos muros, grafite e pichação
Arte rupestre, arte nos muros, grafite e pichaçãoArte rupestre, arte nos muros, grafite e pichação
Arte rupestre, arte nos muros, grafite e pichação
 
Pós modernismo
Pós modernismoPós modernismo
Pós modernismo
 
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua eTendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
Tendências artísticas do pós segunda guerra nos eua e
 
Pop art trabalho
Pop art   trabalhoPop art   trabalho
Pop art trabalho
 
Futurismos
FuturismosFuturismos
Futurismos
 
AULA 2_Moda conceitual.pdf
AULA 2_Moda conceitual.pdfAULA 2_Moda conceitual.pdf
AULA 2_Moda conceitual.pdf
 
04 julho 2012 nossa apresentaçao
04 julho 2012  nossa apresentaçao04 julho 2012  nossa apresentaçao
04 julho 2012 nossa apresentaçao
 
Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
Das Novas Figurações à Arte Conceitual
Das Novas Figurações à Arte ConceitualDas Novas Figurações à Arte Conceitual
Das Novas Figurações à Arte Conceitual
 
Apresentação trabalho estética
Apresentação   trabalho estéticaApresentação   trabalho estética
Apresentação trabalho estética
 
Projeto Niemeyer
Projeto Niemeyer Projeto Niemeyer
Projeto Niemeyer
 
Press português - Galeria LuminArte apresenta: Surrealismo LUSO-AMERICANO do ...
Press português - Galeria LuminArte apresenta: Surrealismo LUSO-AMERICANO do ...Press português - Galeria LuminArte apresenta: Surrealismo LUSO-AMERICANO do ...
Press português - Galeria LuminArte apresenta: Surrealismo LUSO-AMERICANO do ...
 

Mais de CLEBER LUIS DAMACENO

5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Missao artística francesa
Missao artística  francesaMissao artística  francesa
Missao artística francesa
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Barroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 anoBarroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 ano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Tropicalia 8 ano
Tropicalia 8 anoTropicalia 8 ano
Tropicalia 8 ano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Vanguardas europeias 2020
Vanguardas  europeias 2020Vanguardas  europeias 2020
Vanguardas europeias 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Patrimonio cultural
Patrimonio culturalPatrimonio cultural
Patrimonio cultural
CLEBER LUIS DAMACENO
 
25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
24 pop art 2020
24 pop art 202024 pop art 2020
24 pop art 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
23 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 202023 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
17,18,19,20,21 vanguardas 2020
17,18,19,20,21 vanguardas 202017,18,19,20,21 vanguardas 2020
17,18,19,20,21 vanguardas 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 

Mais de CLEBER LUIS DAMACENO (20)

5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx
 
4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx
 
3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx
 
2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx
 
1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 
Missao artística francesa
Missao artística  francesaMissao artística  francesa
Missao artística francesa
 
Barroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 anoBarroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 ano
 
Tropicalia 8 ano
Tropicalia 8 anoTropicalia 8 ano
Tropicalia 8 ano
 
Vanguardas europeias 2020
Vanguardas  europeias 2020Vanguardas  europeias 2020
Vanguardas europeias 2020
 
Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
 
1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz
 
Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 
Patrimonio cultural
Patrimonio culturalPatrimonio cultural
Patrimonio cultural
 
25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
 
24 pop art 2020
24 pop art 202024 pop art 2020
24 pop art 2020
 
23 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 202023 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 2020
 
17,18,19,20,21 vanguardas 2020
17,18,19,20,21 vanguardas 202017,18,19,20,21 vanguardas 2020
17,18,19,20,21 vanguardas 2020
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 

26 arte contemporanea 2020

  • 2. Arte Contemporânea • A arte contemporânea é construída não mais necessariamente com o novo e o original, como ocorria no Modernismo e nos movimentos vanguardistas. • Ela se caracteriza principalmente pela liberdade de atuação do artista, que não tem mais compromissos institucionais que o limitem, portanto pode exercer seu trabalho sem se preocupar em imprimir nas suas obras um determinado cunho religioso ou político.
  • 4. • É um movimento artístico que defende o uso de uma quantidade mínima de elementos para construir a base da expressão. • Nas artes plásticas surgiu no final dos anos 1950 após o auge do expressionismo abstrato, contrapondo-se á exuberância gestual desse. • Surgiu no contexto de efervescência cultural dos EUA viviam nos anos 1950 e 1960 em decorrência dos movimentos de contracultura e que fez nascer novas expressões artísticas contrárias ás vanguardas europeias, como o OP Art e Pop Art
  • 5. • A casa Klein Bottle, (Rob McBride) na Austrália, é o resultado de uma fabulosa combinação de arquitetura e matemática. • É um exemplo representativo de arquitetura minimalista, tanto no design, nas formas da fachada e no seu interior.
  • 6.
  • 7. A op art e a arte cinética
  • 8. OP Art • OPArt: Abreviação de Optical art, uma forma de arte não objetiva que utiliza ilusões de ótica. • Explora por meio de figuras geométricas coloridas ou não, que a depender do ponto de vista podem aparentar movimento. • Explora a relação funcional entre retina e o cérebro, certos padrões de desenhos podem causar confusão de interpretação com efeitos ópticos ilusórios. • É vista como extensão da arte cinética. • Ou seja: Arte e movimento. Arte Cinética • A arte cinética, é uma corrente das artes plásticas que explora efeitos visuais por meio de movimentos físicos ou ilusão de óptica ou truques de posicionamento de peças.
  • 9. Victor Vasarely. Dança das Zebras,1938 Op Art / Art cinética • Objetos Cinéticos do escultor grego Panagiotis Vasilakis "Takis", Paris
  • 10.
  • 11.
  • 13. • A arte onceitual considera o conceito base de obra de arte, superior à própria obra concebida. • os conceitos são as verdadeiras matérias da arte, sendo as ideias mais importantes do que a execução do “produto final artístico”.
  • 14. • A arte conceitual é baseada na noção de que a essência da arte é uma ideia ou um conceito. • Por natureza desafia o observador a interpretar um conceito e tende a provocar reações intensas. • Isso é arte? • Existe a negação de que algumas obras do movimento sejam arte.
  • 15. O GRAFITE E A CULTURA HIP-HOP
  • 16. CONCEITO ALICE PASQUINI-ITÁLIA • A INTERVENÇÃO É UMA VERTENTE DA ARTE URBANA . • AS PRODUÇÕES ARTÍSTICAS NÃO SE ENCONTRAM APENAS NOS MUSEUS OU GALERIAS. • É UMA ARTE NA QUAL TODOS TEM ACESSO.
  • 17. Desenho rupestre - caverna no Piauí. • Na antiguidade, diferentes civilizações utilizaram as paredes para se expressar. • As pinturas rupestres revelam que há milhares de anos nossos ancestrais já utilizavam as paredes para expressar suas crenças. • Egípcios, gregos e romanos desenvolveram diversas técnicas de pintura mural.
  • 18. Muralismo Mexicano • Na primeira metade do século XX, um grupo de artistas mexicanos produziu pinturas murais que tinham forte sentido social e político, Esses artistas usavam a arte para denunciar questões sociopolíticas e dessa forma colaborar com a sociedade . • Diego Rivera (1886-1957) é um dos artistas mais importantes desse movimento.
  • 19. Muralismo • O Muralismo é um movimento artístico que surgiu no México, no início do século XX, criado por um grupo de intelectuais pintores mexicanos, após a Revolução Mexicana, reforçado pela grande depressão e pela primeira guerra mundial.
  • 21.
  • 22. José Clemente Orozco (1883–1949)
  • 24. A origem do grafite • Assim como as produções dos muralistas mexicanos, o grafite em geral tem forte relação com questões políticas e sociais. • Começa na década de 1960 em Nova York, onde se organizaram diversos grupos e movimentos culturais ligados a grupos marginalizados, principalmente de jovens negros e bairros pobres das grandes cidades.
  • 25. Das ruas para as galerias • A partir da década de 1980, alguns grafites começaram a chamar á atenção, não só pelo seu caráter transgressor, mas também pela qualidade artística. • Artistas como Keith Haring e Jean-Michel Basquiat ,começaram a expor em sofisticadas galerias de arte. • ENEM 2017 Q30 Paulo César Silva, mais conhecido como Speto
  • 26. • Keith Haring (1958-1989) iniciou sua produção em estações de trem e de metrô em Nova York. • Ele desenhava figuras humanas estilizadas.
  • 27. Jean-Michel Basquiat (1960-1988), • ARTISTA AMERICANO DO BROOKLYN DE NOVA IORQUE. • GANHOU POPULARIDADE COMO GRAFITEIRO E COMO PINTOR. • SEUS TRABALHOS COSTUMAM ATINGIR PREÇOS ALTÍSSIMOS EM LEILÕES DE ARTE. • MORREU EM 1988 VÍTIMA DE UM COQUETEL DE DROGAS
  • 30. O grafite no Brasil • Alex Vallauri (1949-1987): O precursor, nascido na Etiópia, chegou ao Brasil em 1965 e a partir da década de 1970 , passou a produzir obras em espaços públicos de São Paulo. • Técnica do stencil. • Por causa da importância de Vallauri para o grafite brasileiro, o dia da sua morte 27 de março foi escolhido para comemorar o Dia Nacional do Grafite.
  • 31. OSGEMEOS • OS GÊMEOS SÃO UMA DUPLA DE IRMÃOS IDÊNTICOS, GUSTAVO E OTÁVIO PANDOLFO. GRAFITEIROS DE SÃO PAULO. • FORMADOS EM DESENHO, COMEÇARAM NO BAIRRO DO CABUCI E TORNARAM – SE UMA DAS MAIS IMPORTANTES INFLUÊNCIAS NO GRAFITE NO MUNDO. • JÁ FIZERAM TRABALHOS EM VÁRIOS PAÍSES.
  • 32.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. Banksy – É o cara! • BANKSY- é o pseudônimo de um grafiteiro, pintor, ativista político e diretor de cinema inglês. Sua arte de rua satírica e subversiva combina humor negro e graffiti feito com uma distinta técnica de ESTENCIL.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45. A cultura Hip-Hop • Na década de 1970, o encontro de integrantes das comunidades negras e latino americanas dos EUA, iniciaram um movimento cultural que resultou no Hip-Hop. • Reuni três expressões artísticas: O grafite nas artes visuais, o rap na música e o break na dança. • O Rap: abreviação de rhythm and poetry (ritmo e poesia)
  • 47. Os 4 pilares do Hip-Hop: • 1-O grafite: • 2-DJ (disc-jockey) • 3-MC (mestre de cerimônia) • 4-B-boy e B-girl
  • 49. • As intervenções são manifestações organizadas por grupos de artistas com o propósito de transmitir mensagens. Elas são um tipo de arte que tem o objetivo de questionar e transformar a vida cotidiana. • A Intervenção lança no espaço público questões que provocam discussões em toda a população. De uma maneira ou de outra, ela faz com que as pessoas parem sua rotina por alguns minutos, seja para questionar, criticar ou simplesmente contemplar a arte. • Sua finalidade é provocar o público para questões políticas, sociais, ideológicas e estéticas.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53. “Cow Parade” • é considerado o maior e mais bem sucedido evento de arte pública no mundo. Já passou por mais de 50 cidades em todos o mundo desde de 1999, inclusive por várias cidades do Brasil. • As vacas são pintadas por artistas locais, sendo ele profissionais, amadores ou desconhecidos. A renda arrecadada pelo evento é revertida para instituições de caridade em diversas partes do mundo, cumprindo o seu papel social.
  • 54. “Mind Fuck” • É aquele desconforto mental gerado por elementos inéditos em determinada área. É como se nossa mente, tão acostumada com tal cenário, demorasse segundos a mais para processar a informação. • Fra.Biancoshock, um brilhante e inquieto artista de Milão (Itália), faz isso de uma maneira ainda mais divertida e chocante. As sua criações podem ser encontradas por toda Europa, Malásia e Singapura.
  • 55. “Yambombing” • Termo inglês para bombardeio de fios. É uma intervenção artística que invadiu as ruas do mundo, trazendo cor, alegria e trabalho artesanal com fios, adornando estatuas, pontes, árvores….
  • 56. “The Pothole Gardener” • Jardineiro de buracos – Essa tem sido a proposta do londrino Steve Wheen, ciclista e cansado dos buracos nas ruas, ele começou a usar as imperfeições das calçadas e ruas de Londres, como base para os seus mini jardins. • “Meus jardins são uma maneira de transformar algo muito ruim, como um buraco, em algo um pouco mais feliz que leva as pessoas a sorrir mas também a questionar o ambiente em que vivem e como elas podem mudá-lo”, diz Steve.
  • 57. “Umbrella Sky Project” • desenvolvida pela Sextafeira Produções. Projeto Céu de Guarda-chuvas na cidade de Águeda em Portugal, colorindo as ruas da cidade.
  • 58. Invader, francês, é um dos nomes de peso do street art no mundo.
  • 59. Flash Mob • Flash Mobs são aglomerações instantâneas de pessoas em um local público para realizar determinada ação inusitada previamente combinada, estas se dispersando tão rapidamente quanto se reuniram. A expressão geralmente se aplica a reuniões organizadas através de e-mails ou meios de comunicação social.
  • 60. Pillow fight No Pants day
  • 62. • Uma instalação é uma manifestação artística contemporânea composta por elementos organizados em um ambiente. • Ela pode ter um caráter efêmero ou pode ser desmontada e recriada em outro local. • Uma instalação pode ser multimídia e provocar sensações: táteis, térmicas, odoríficas, auditivas, visuais entre outras.
  • 63. Cosmococa de Hélio Oiticica / Inhotim
  • 64. Qual a diferença entre Intervenção e Instalação? INSTALAÇÃO • É uma forma de expressão da arte contemporânea, geralmente é produzida para algum espaço próprio (exposição em algum museu, pinacoteca, bienal, etc.), com diversos materiais alternativos pensados e impensados como possibilidade de criação artística. • Mas, quando é produzido em algum outro espaço onde as pessoas não esperam encontrar um trabalho artístico (praças, nas ruas, em postes, em prédios, agências bancárias, lojas, etc...), ele se torna uma intervenção. INTERVENÇÃO • Parte de um conceito da arte que sai do seu espaço próprio e vai de encontro ao público, como pinturas em grafite nas paredes de muros e prédios, esculturas de gelo em escadarias de prédios públicos, apresentação de música em um outro tipo de ambiente como uma loja de roupas, numa praça pública, ou uma performance de dança no farol, ou uma escultura viva no calçadão, são modalidades de intervenção.
  • 66.
  • 68. Body Art • A Body Art (arte do corpo), surgiu na década de 60, nos Estados Unidos e na Europa, sendo sua principal característica o uso do corpo como suporte e intervenção para a realização do trabalho artístico. • Dessa maneira, o corpo humano (seja do artista ou de um modelo) passa a ser a “tela” (daí aproximação com a “body paint”, ou pintura corporal). • Associando-se frequentemente a happening e performance. Nesta arte o corpo do artista vira suporte para realizar intervenções, de modo geral, associadas à violência, à dor e ao esforço físico.
  • 69. • Principais Características • Corpo Humano como suporte e experimentação artística • Materialidade e resistência do corpo • Relações entre arte e a vida cotidiana • Arte como forma de protesto • Choque do espectador • Uso de performances, videoartes e instalações • Temática livre de preconceito (cultura do corpo, sexualidade, nudez,etc.) • Tatuagens, maquiagens, deformações, travestimento , mutilações, escarificações , queimaduras, implantes e ferimentos
  • 70.
  • 72. • Criações artísticas que utilizam como suporte, tema ou meio de expressão o espaço exterior. • A partir do final da década de 60 torna-se evidente a procura da natureza (o campo, o deserto ou, mais raramente, o espaço urbano e o mar) • Estes artistas, que preconiza o "regresso à natureza", têm a intenção de ultrapassar as limitações do espaço tradicional das galerias, recusando o sentido comercial e mercantilista que a produção artística assumia nesta década.
  • 73.
  • 75. Arte Povera • A Arte Povera (em inglês, “poor art”) foi um movimento artístico de vanguarda surgido na Itália na década de 60 e que significa literalmente “arte pobre”. O termo “arte povera” foi cunhado pelo crítico e historiador da arte italiano Germano Celant, em 1967, no catálogo da exposição “Arte povera – ImSpazio”, ocorrida em Veneza. • A ideia do movimento Povera, que se destacou na pintura, escultura, instalação e performance, era de fato propor uma nova reflexão estética sobre o produto artístico ao “empobrecer a arte” e trazer à tona sua efemeridade através da utilização de materiais simples e naturais.
  • 76.
  • 78. Eduardo Srur • O. artista chama á atenção do público para temas ambientais
  • 79. Frans krajcberg (1921-2017) • Utiliza suas obras para promover a defesa da natureza, denunciar a degradação ambiental e despertar a consciência da sociedade. • Nascido na Polônia e naturalizado brasileiro, escultor,fotógrafo e pintor, expressa em suas obras indignação diante das queimadas e dos desmatamentos. • Viajou pelo país fotografando áreas desmatadas, principalmente na Amazônia, recolheu resíduos, troncos,cipós,raízes,etc. • Em 2003 foi inaugurado o Instituto Frans Krajcberg de Arte e Meio Ambiente.
  • 80. “Minha obra é um manifesto, Não escrevo, não sou político, Devo encontrar a mensagem certa, O fogo é a morte, o abismo, O Fogo me acompanha desde sempre.” Frans krajcberg
  • 81.
  • 82. Ha Schult (1939-), artista alemão o problema do lixo eletrônico.
  • 85. Duane Hanson (1925-1996) • O Híper´-realismo foi uma tendência da pintura e da escultura iniciada da década de 1960, nos EUA. • É a retomada do realismo na arte contemporânea, em opsição ao Minimalismo e á arte abstrata. • Esse realismo abordou a vida das grandes cidades e resgatou uma tradição figurativa nos EUA interrompida pelo Expressionismo abstrato. • As pinturas hiper-realista abordaram cenas banais, atitudes corriqueiras, ruas, carros, lojas, etc. Senhora no supermercado 1970
  • 86.
  • 87. Ron Mueck • Na escultura contemporânea o grande artista do momento é Ron Mueck e suas esculturas hiper-realistas. • Ele utiliza, fibra de vidro, silicone e acrílico para produzir cada detalhe. • As cores e as proporções são perfeitas, mas as mais surpreendentes são as esculturas gigantes.
  • 88.
  • 89. Juan Francisco Casas ,Espanhol, desenhos com canetas esferográficas.
  • 92. Os quadrinhos e a arte sequencial • A arte sequencial usa imagens em sequência para contar histórias ou para transmitir informações. • O exemplo mais comum é a História em Quadrinhos. • O termo sequencial também é aplicado a outros meios de comunicação, tais como filme de animação ou storyboards. • Muitos quadrinhos foram produzidos com um olhar crítico por parte do autor ,como a série “Maus” de Vladek Spielgemam, que narra a história de sobrevivência de seu pai um judeu polonês, durante a segunda guerra mundial e o nazismo. • Nas tiras os judeus são representados por ratos e os nazistas por gatos.
  • 93.
  • 94. Guerrilla Girls • É um grupo de artistas feministas anônimas cujo o objetivo é combater o sexismo e o machismo no mundo da arte. • O grupo foi formado em Nova York em 1985, tendo a missão de trazer a público a desigualdade de gênero e raça dentro da comunidade artística. • O grupo emprega seu ativismo na forma de pôsteres, livros, outdoors e aparições públicas para expor discriminação e corrupção. • Permanecem anônimas, os membros do grupo vestem máscaras e utilizam pseudônimos que se referem a mulheres artistas falecidas. • As identidades são mantidas em segredo porque os problemas importam mais que identidades: "No geral, queríamos que o foco estivesse nos problemas, não nas nossas personalidades ou nos nossos próprios trabalhos."