SlideShare uma empresa Scribd logo
SAmba
	Do tradicional samba dos escravos, passando pelo primeiro samba brasileiro Pelo Telefone (1917), aos ícones Cartola, Noel Rosa e Assis Valente, isso sem contar com o samba de breque de Moreira (Morengueira) da Silva, muita coisa aconteceu. Música para diversão (muitas vezes romântica também), que por muitas vezes serve como um aquecimento para os sambões do subúrbio do Rio de Janeiro, o pagode é um dos ritmos mais populares do Brasil. Das rodas de samba e pagode, surgiram grandes artistas da música nacional, tais como Alcione, Clara Nunes e Beth Carvalho. Do grupo Fundo de Quintal, vieram os compositores Arlindo Cruz e Sombrinha, isso sem falar nos mestres Jorge Aragão e Almir Guineto Quer mais? Dessas rodas vieram ainda Zeca Pagodinho, Martinho da Vila e Jovelina Pérola Negra, sempre presentes nos shows e apresentações do gênero. E como esquecer as letras irreverentes de Bezerra da Silva? Daí por diante outros estados brasileiros também aderiram ao pagode, mas dando a sua própria sonoridade. Foi o caso das bandas paulistas, que, no início da década de 90, conquistaram o Brasil, a exemplo do Raça Negra e do Negritude Júnior. De Minas Gerais veio o Só Pra Contrariar, que virou sensação na voz de Alexandre Pires, vocalista da banda. No final da década de 90, os artistas do chamado “samba de raiz” voltaram a ter grande destaque, trazendo à mídia nomes como o de Dudu Nobre e valorizando as Velhas Guardas de grandes escolas de samba do Rio de Janeiro, como as tradicionais Mangueira e Portela.
A Bahia não ficou de fora, dando (como sempre) o seu próprio tempero ao pagode. Grupos como o É o Tchan e o Terra Samba, agregaram o batuque dos sambas de roda, resgatando as raízes do Recôncavo Baiano. Dessa nova sonoridade surgiram bandas como o Harmonia do Samba, que, liderada pelo vocalista Xanddy, logo ganhou projeção nacional.
	Gênero básico da MPB, o samba tem origem afro-baiana de tempero carioca. Ele nasceu nas casas das "tias" baianas da Praça Onze, no centro do Rio (com extensão à chamada "pequena África", da Pedra do Sal à Cidade Nova), descendente do lundu, nas festas dos terreiros entre umbigadas (semba) e pernadas de capoeira, marcado no pandeiro, prato-e-faca e na palma da mão. Embora antes de Pelo Telefone, assinada por Ernesto dos Santos, o Donga (com Mauro de Almeida) em 1917, outras gravações tenham sido registradas como samba, foi esta que fundou o gênero – apesar da autoria discutida e da proximidade com o aparentado maxixe. Também nesse estilo ambíguo são as principais composições de José Barbosa da Silva, o Sinhô, auto-intitulado "o rei do samba", que junto com Heitor dos Prazeres, Caninha e outros pioneiros estabelece os primeiros fundamentos do setor, que ganharia uma feição mais definitiva com a chamada "turma do Estácio". 	Formada por Alcebíades Barcellos, o Bide, Armando Marçal, Newton Bastos e Ismael Silva e mais os malandros/sambistas Baiaco, Brancura, Mano Edgar, Mano Rubem (uma brodagem bem anterior aos manos do hip hop), essa corrente injeta uma cadência mais picotada no samba e tem o endosso de filhos da classe média como o ex-estudante de medicina Noel Rosa e o ex-estudante de direito Ary Barroso, que redimensionam o estilo através de obras memoráveis.
História do samba
	Com a explosão da era do rádio a partir dos anos 30, o samba ganha enorme difusão através de cantores como Francisco Alves, Orlando Silva, Silvio Caldas, Mário Reis, Carmen Miranda - que consegue projetá-lo internacionalmente a partir do cinema - e mais adiante Dalva de Oliveira, Aracy de Almeida, Elizeth Cardoso, entre outros.	Novas adesões como a do refinado baiano Dorival Caymmi, além das harmonias elaboradas de Custódio Mesquita, o molejo de Pedro Caetano, o figurino tropicalista de Assis Valente, a sobriedade de Sinval Silva, o populismo luxuoso de Herivelto Martins e o sotaque interiorano arrastado de Ataulfo Alves conduzem o samba para outros caminhos já ao sabor da indústria musical. A ideologia do Estado Novo de Getúlio Vargas contamina o cenário e do malandro convertido (O Bonde São Januário, de Ataulfo e Wilson Batista) chega-se ao samba-exaltação cujo carro-chefe, Aquarela do Brasil, de Ary Barroso, torna-se o primeiro hino brasileiro no exterior.
Influências do samba Segundo Mário de Andrade
Samba: Bailarino popular - Dança de salão, aos pares, com acompanhamento de canto, em compasso 2/4 e ritmo sincopado - Dança de roda.Lundu: Canto e dança populares no Brasil durante o séc. XVIII, introduzidos provavelmente pelos escravos de Angola.Maxixe: Dança e canto populares em voga no Brasil a partir do século passado. Fusão da habanera, pela rítmica, e da polca, pela andadura, com adaptação da sincopa afro-lucitana.Modinha: Canto de salão, urbano, conhecido Brasil e Portugal.Choro: Conjunto musical livre, de função puramente musical, composto de pequeno grupo de instrumentos solistas, exercendo o resto do conjunto uma função acompanhante, antipolifônico, de caráter puramente ritmico-harmônico.
Primeiro Samba Gravado
Sinhô, sinhôNunca sambouSinhô, sinhôPorque este sambaSinhô, sinhô De arrepiarSinhô, sinhôPõe perna bamba..Sinhô, sinhôMas faz rodarSinhô, sinhôO peru me disseSe morcego visseNão fazer toliceOu então saísseDessa esquisiticeDe disse, não disseAi, ai, aiA estátua do ideal triunfalAi, ai, aiViva o nosso carnaval sem rivalNinguém tira amor do poço PELO TELEFONE(Ernesto dos Santos eMauro de Almeida) O chefe da foliaPelo telefoneManda me avisarQue com alegriaNão se questionePara se brincarAi, ai, aiÉ deixa mágoas para trás,oh rapazAi. ai. aiFica triste se é capaz e verásTomara que tu apanhesPra não tornar a fazer issoTirar amores dos outrosDepois fazer teu feitiçoAh, se a rolinhaSinhô, sinhô Se embaraçouSinhô, sinhôÉ que a vizinha  Por Deus foste castigadoO mundo estava vazioE o inferno habitado Se embaraçouSinhô, sinhôÉ que a vizinhaSinhô, sinhôNunca sambouSinhô, sinhôPorque este sambaSinhô, sinhô Queres ou nãoSinhô, sinhôIr pro cordãoSinhô, sinhôÉ ser foliãoSinhô, sinhôDe coraçãoSinhô, sinhô
Samba canção
O marco inaugural deste samba ralentado, sentimental, com menos batuque, predomínio melódico e maior parentesco com a modinha e a seresta (e depois o bolero) é nítido: a composição Ai, Ioiô (Linda Flor) que leva três assinaturas, a do compositor Henrique Vogeler e dos letristas Marques Porto e Luiz Peixoto. A música tinha sido lançada em duas ocasiões anteriores com outras letras & letristas e os títulos de Linda Flor (gravada por Vicente Celestino) e Meiga Flor (por Francisco Alves). Mas só na última versão, reescrita por exigência da diva do teatro de revista Araci Cortes (que a gravaria com sucesso em 1929), ela faria enorme sucesso, contribuindo para a fixação do gênero. 	Praticado por autores tão diversificados quanto Ary Barroso (que o tratava com desprezo apesar de ter composto duas obras-primas no ramo, Risque e Folha Morta) teria seu apogeu nas décadas de 40 e 50. Seu conteúdo melancólico (que mais tarde incorporaria a palavra fossa) serviria ao romantismo descabelado do sambolero(de expoentes como o avatar brega Adelino Moreira) como o Molambo (de Jaime Florence, o Meira, professor de violão de Baden Powell e Augusto Mesquita) cujo intérprete, Roberto Luna, literalmente descabelava-se ao cantar. Separado, o casal Herivelto Martins e Dalva de Oliveira trocou acusações através de sambas-canções doloridos na década de 40. O clima era tão pesado que a lenda diz que Vingança, do mestre da matéria Lupicínio Rodrigues, provocou suicídio na voz trágica de Linda Batista. Nelson Gonçalves angariou um milhão de ouvintes no incipiente mercado brasileiro de 1957 para a pungente história de A Volta do Boêmio.
Primórdios da bossa Paradoxalmente, o mesmo estilo daria base para os altos vôos harmônicos da bossa nova, tendo sido utilizado nas primeiras composições de Tom Jobim como Incerteza, Faz uma Semana, Pensando em Você e Tereza da Praia. Precursores do movimento como os cantores Dick Farney (Marina, Copacabana), Doris Monteiro (Se Você Se Importasse), Nora Ney (Ninguém Me Ama, De Cigarro em Cigarro, Menino Grande) e compositores como Garoto (Duas Contas), Valzinho (Doce Veneno), Dolores Duran (Castigo, Fim de Caso, A Noite do Meu Bem, Por Causa de Você, esta em parceria com Tom Jobim) e Tito Madi (Não Diga Não, Cansei de Ilusões) adotaram o estilo como plataforma intimista para desvincular-se da eloqüência rítmica do samba tradicional.	Em declínio depois da reformulação estética da bossa nova, o samba-canção que também perdeu terreno para a balada, e ganhou ironias por seu sentimentalismo na regravação punk de Negue (Adelino Moreira/ Enzo de Almeida Passos) pelo grupo Camisa de Vênus, mantém seu vasto e rico acervo de obras em permanente processo de regravações.
Samba de breque
	Derivado do picote rítmico do samba choro, o samba de breque foi popularizado pelo cantor Antonio Moreira da Silva, um carioca da Tijuca nascido em 1902, num episódio que se tornou lendário. Moreira, que começou com voz empostada candidatando-se a um lugar no pódio ocupado pelos grandes (Chico Alves, Orlando Silva, Silvio Caldas), foi cantar o samba Jogo Proibido (de Tancredo Silva, Davi Silva e Ribeiro da Cunha) no Cine-Teatro Méier, numa noite de abril de 1936 e inseriu versos improvisados nos intervalos. A iniciativa fez sucesso e Moreira começou a ampliar seus apartes a ponto de o violonista Frazão, que atuava em seu grupo, reclamar: "Estou acostumado a acompanhar música e não conversa". A radicalidade do corte introduzido por Moreira – que chega a parar a melodia para inserir um discurso, como no caso de Na Subida do Morro – foi, sem dúvida, um marco divisório do gênero e acabou transformando o intérprete em seu ícone, completado pela imagem de malandro à antiga, envergando um terno de linho S-120, chapéu de palhinha e ginga constante. 	Mas na verdade a inclusão de um breque (do inglês break, freio), ainda que embutido no samba, vem de antes, como lembra o próprio biógrafo de Moreira, Alexandre Augusto em O Último dos Malandros (Editora Record, 1996). Em 1929, o compositor Sinhô, que se auto-intitulava "o rei do samba", inseriu três redondilhas menores constituindo um verso de quinze sílabas em Cansei ("pois lá ouvi de Deus/ a Sua voz dizer/ que eu não vim ao mundo/ somente com o fito de eterno sofrer"), interpretada por Mário Reis.
	Também composições como Minha Palhoça ("lá tem troça/ se faz bossa"), de J. Cascata, e até O Orvalho Vem Caindo ("...guarda civil/ que o salário ainda não viu") de Noel Rosa e Kid Pepe, ambas de 1933, tinham suas freiadas, ainda que fossem apenas uma "arrumação do carro" da melodia para onde todos retornavam. Algo que desembocaria em sambas sincopados de Geraldo Pereira, craque em acoplar frases ao recorte melódico como em Escurinho ("já foi no Morro do Pinto/ acabar com o samba"), onde o espaço aberto parece a conta de um comentário de trombone.Fórmula aperfeiçoada 	Já o caso do original cantor Luis Barbosa (1910-1938), que morreu cedo e deixou raras gravações, é diferente. Ele, que ficou também conhecido por marcar o ritmo batucando num chapéu de palha, de fato introduziu o intervalo que caracterizaria o samba de breque, mas sua curta trajetória impediu maior projeção da invenção. Numa entrevista do próprio Moreira reproduzida em O Último Malandro, ele reconhece ter "prolongado os breques" introduzidos no samba por Luis Barbosa. Foi aperfeiçoando a fórmula aliado a vários compositores até embarcar na série "cinematográfica" com Miguel Gustavo aberta por O Rei do Gatilho (e mais: Moringueira contra 007, O Último dos Moicanos, Os Intocáveis, etc.).
	Outros cantores também gravaram sambas de breque como o rival de Moreira, Jorge Veiga, o paulista Germano Mathias e até o baiano Gilberto Gil. Especialista em todas as modalidades de samba, Nei Lopes não deixaria de colocar sua marca de artífice numa parceria com João Nogueira (Baile no Elite) além de dedicar um CD abrangendo o tema em Sincopando o Breque. Moreira da Silva ainda dividiu shows com o tropicalista Macalé, a quem chegaria a chamar de herdeiro – e que descreve em Tira os Óculos e Recolhe o Homem as confusões em que ambos se meteram numa excursão. Com alguma boa vontade pode-se ouvir ecos do gênero até mesmo em Você Não Soube Me Amar, mega sucesso da Blitz que inauguraria o BRockdos anos 80.
Samba rock
	"Quando eu inventei essa batida, chamava de sacundinsacunden, depois, na época da jovem guarda, virou jovem samba, e, mais tarde, sambalanço", disse certa vez Jorge Ben Jor, ao explicar as origens daquilo que ficaria conhecido, a partir dos anos 70, como suíngue ou samba-rock (termo que, aliás, ele não endossa). O fato é que, inspirados por sua batida peculiaríssima, uma série de artistas passou a adaptar o samba, que era tradicionalmente tocado em compasso binário (2/4), ao compasso quaternário (4/4) do rock e da soul music. Ao mesmo tempo, eles se apropriaram dos instrumentos elétricos das bandas da jovem guarda para tocar o velho balanço em novo estilo. Jorge Ben Jor, novamente, teve a primazia nesse campo, fazendo-se acompanhar dos Fevers em seu disco de 1967, O Bidu – Silêncio no Brooklin.	De quebra, ainda forneceu repertório para as bandas de rock que se aventuraram pelo samba, como é o caso dos Mutantes (em A Minha Menina, no seu disco de estréia) e os Incríveis (em Vendedor de Bananas). Ainda no fim dos anos 60 outros exemplos de como o samba poderia caber na moldura rítmica do rock-soul: a Pilatragem de Carlos Imperial e Wilson Simonal (que fez de País Tropical, de Jorge Ben Jor, um de seus cavalos de batalha) e a farra orquestral do maestro Erlon Chaves (que concorreu em 1970, no V Festival Internacional da Canção, da Rede Globo, cantando Eu Quero Mocotó, também de Jorge, acompanhado por sua Banda Veneno).
	Nos anos 70, a voz potente de Tim Maia popularizaria o samba-soul, emplacando dois sucessos nesse estilo: Réu Confesso e Gostava Tanto de Você. Jorge Ben Jor teve uma queda para o funk a partir do disco A Banda do Zé Pretinho (1978), mas artistas por ele diretamente influenciados seguiram a sua orientação anterior, com muito sucesso em bailes do subúrbio carioca. É o caso de Bebeto (O Negócio é Você Menina, Flamengo) e de Serginho Meriti. Em São Paulo, os bailes de periferia também ferviam ao som do samba-rock-suíngue, de nomes como o Trio Mocotó (que originalmente acompanhava Jorge Ben Jor), Copa 7, Luiz Vagner (que foi do grupo de jovem guarda Os Brasas, homenageado por Ben Jor com a música Luiz Vagner Guitarreiro), Branca Di Neve (falecido em 1989), Carlos Dafé, Dhema, Franco (também ex-Os Brasas), Abílio Manoel e Hélio Matheus. Reconexão Revelada no começo dos anos 80, a diva do soul brasileiro, Sandra de Sá, teve um flerte com a cena do suíngue com as músicas Olhos Coloridos e Enredo do Meu Samba (de Jorge Aragão e Dona Ivone Lara, que por sinal teria um sucesso de samba-rock em dueto com Jorge Ben Jor, Sorriso Negro, de Adilson Barbado e Jorge Portela). Restrito aos bailes, o samba-rock pouco avançou em termos de reconhecimento nos anos 80, exceto pela reconexão de samba e rock ensaiada pelo roqueiro Lobão em sua parceria com o sambista Ivo Meirelles (que, mais tarde, daria origem ao projeto Funk'n'Lata de Ivo) e pela homenagem feita por Lulu Santos no disco Popsambalanço e Outras Levadas, de 1989.
	No fim dos anos 80, o circuito paulistano do samba se encarregaria de recauchutar a idéia sambalanço em um formato mais pop. Instrumentos eletrônicos de um lado, os velhos cavaquinhos, surdo, pandeiro e tantan de outro, surgiam nomes de grande sucesso como Raça Negra, Eliana de Lima e Negritude Júnior. Inicialmente voltados para um diluição das raízes do samba em música pop de gosto duvidoso, esses artistas acabaram por dar origem a um termo pejorativo, o pagode paulistano, também conhecido como samba mauriçola (por causa da insistência dos integrantes dos grupos em usar blazers, calças sociais e cordões de ouro). Alguns deles, porém, chegaram a retomar as referências do samba-rock, como é o caso do Art Popular (na música Agamamou) e o Molejo ( Samba Rock do Molejão). Na periferia de São Paulo, ao longo dos anos 90, os bailes continuavam tocando as velhas músicas, que apareciam aqui e ali em coletâneas piratas vendidas em lojas do centro da cidade. Enquanto isso, uma banda da periferia recriava o samba-rock, com fartas e equilibradas doses dos dois ingredientes: os Virgulóides, que estouraram em 1997 com a música Bagulho no Bumba, um poderoso cruzamento de guitarras, cavaquinho e batuques.
Samba enredo
	"No começo não havia samba enredo, o mais cantado na quadra era o que valia para o desfile", informa um mestre da matéria, o portelense Jair de Araujo Costa, o Jair do Cavaquinho. Em 1962, por sinal, ele projetou-se através de um samba de quadra em sua escola, Meu Barracão de Zinco, gravado com sucesso por Jamelão. A pré-história do gênero, no Rio de Janeiro, foi marcada por sambas de Cartola e Carlos Cachaça na Estação Primeira de Mangueira como Pudesse meu Ideal, de 1932 ou Homenagem (só de Cachaça) do ano seguinte, um dos primeiros a incluir personagens da história do Brasil. Cartola e Cachaça emplacariam ainda um segundo lugar para a verde-e-rosa no desfile de 1936 com O Destino Não Quis.	Modificado (inclusive no título), reforçado por uma segunda parte composta por José Gonçalves, o Zé Com Fome, este samba seria gravado com sucesso por Aracy de Almeida como Não Quero Mais em 1936 (sem o nome de Cartola com o nome verdadeiro de Carlos Cachaça grafado errado) e finalmente se transformaria num clássico da retomada do samba nos 70 com o título de Não Quero Mais Amar a Ninguém nas vozes de Paulinho da Viola e do próprio Cartola. 	É que nesses primórdios, o samba que as escolas levavam para a avenida tinha apenas a primeira parte, a outra ficava livre para ser versada, improvisada na hora. Esta gravação de Aracy antecede a que é oficialmente considerada, inclusive pela Enciclopédia da Música Brasileira (Art Editora) a primeira gravação comercial de um samba enredo, a de Natureza Bela!... (de autoria de dois compositores profissionais Henrique Mesquita e Felisberto Martins) por Gilberto Alves em 1942, seis anos depois da composição ter sido utilizada como enredo pela escola Unidos da Tijuca.
	Em 1934, com Meu Grande Amor, estreava na escola Prazer da Serrinha outra dupla que seria responsável pelo formato básico do samba-enredo (antes da aceleração dos desfiles), o filho de pastor protestante Silas de Oliveira (Assunção) (1916-1972) e o ex-jornaleiro Décio Antonio Carlos, que se tornaria conhecido por Mano Décio da Viola (1909-1984). Juntos, inicialmente na Serrinha e depois no resultante Império Serrano, eles compuseram alguns dos maiores clássicos do ramo como Conferência de São Francisco(1945), Exaltação a Duque de Caxias (1955), Medalhas e Brasões (1960) e Heróis da Liberdade (com Manoel Ferreira) (1969), enredo que incomodou os censores da ditadura recrudescida, e Apoteose ao Samba (1974). Com outros parceiros, Mano Décio ainda assinaria mais clássicos como Tiradentes(com Penteado e Estanislau Silva), de 1949, Batalha Naval do Riachuelo (com Penteado e Molequinho), de 1951 e Silas de Oliveira outros tantos, como Os Cinco Bailes da Corte ou Os Cinco Bailes Tradicionais da História do Rio (com Bacalhau e a estreante D. Ivone Lara), em 1966, São Paulo Chapadão de glória(com Joaci Santana), de 1967, além dos solos Aquarela Brasileira (1964) e Pernambuco, Leão do Norte (1968).	Desde que em 1939, em pleno Estado Novo do ditador Getulio Vargas, a escola Vizinha Faladeira foi desclassificada por causa do enredo Branca de Neve e os Sete Anões, os temas e personagens da história do país (sempre em clima de exaltação patriótica) obrigaram artífices como Silas & Décio a desdobrarem-se para evitar a pieguice, e sem sair do ufanismo encaixar letras quilométricas em melodias assobiáveis.
Protesto 	No final dos 60, novas dissidências apareceriam com o desembarque do partideiro Martinho José Ferreira, o Martinho da Vila Isabel através de um samba enredo compactado, Carnaval de Ilusões (com Gemeu), de 1967 que não foi bem aceito pelo júri, incluindo o compositor Chico Buarque. Martinho protestaria em Caramba ("Malha malha, malhador/ que não aceita a evolução/ (...) caramba, nem o Chico entendeu o enredo do meu samba"). E seguiria mexendo no formato em Quatro Séculos de Modas e Costumes (1968) e Iaiá do Cais Dourado (1969). Em 1971, novo sobressalto,o capixaba Zuzuca (Adil de Paula) estiliza o ritmo fluminense caxambú no desfile do Salgueiro em Festa para um Rei Negro (que ficaria conhecida pelo refrão "pega no ganzê") e ganha as paradas de sucesso, ultrapassando o âmbito carnavalesco.	Artistas de fora das escolas como João Bosco e Aldir Blanc (Mestre-Sala dos Mares), Chico Buarque e Francis Hime (Vai Passar) ampliaram as possibilidades do gênero, que ganha letras mais politizadas e da exaltação parte para a crítica de costumes. Filho de uma familia "metida a nobre, que achava samba coisa de crioulo", o Procurador Federal e advogado Gustavo Adolfo de Carvalho Baêta Neves, morto em 1987 aos 52 anos, encarnou outro caso à parte de fascínio pelo samba enredo.
	Com o pseudônimo de Didi (e em muitos casos cedendo a autoria para outros compositores) ele escreveu nada menos de 22 sambas-enredo, entre eles as obras primas O Amanhã e É Hoje, ambos para a União da Ilha. Foi homenageado pela escola em 1991 através de De Bar em Bar, Didi um Poeta (Franco).  	Da década de 80 em diante, com a invasão das escolas pelas classes média e alta e a transformação do desfile em show bizz cada vez mais opulento, também o samba enredo mudou. Sua velocidade foi sendo aumentada para permitir que o gigantismo das escolas não atrapalhasse a rígida cronometragem da comissão julgadora. As enormes vendagens dos discos com os sambas-enredos vencedores de cada escola motivaram disputas acirradas entre compositores, com torcidas subsidiadas e rateio do bolo por um número cada vez maior de parceiros. Depois de dominar o período carnavalesco tirando espaço das marchinhas e dos próprios sambas de carnaval, o samba enredo sofre, a partir de meados dos 90, um processo de exaustão da fórmula com discos em queda de vendagem e o alcance de suas músicas cada vez mais restrito aos dias de folia.
Samba Duro
Nascido na Bahia, o samba duro é conhecido como pagode baiano ou samba de roda, tem um swing que lembra muito o axé music.O pagode foi relido com pitadas de ritmos locais como o samba-reggae. Suas letras são carregadas de alegria irreverência além de ser muito dançante, com influências africanas.	Atualmente artistas da Bahia vem acrescentando influências angolanas no ritmo como o "kuduro", ritmo tipicamente angolano que ganhou o mundo e conquistou a Bahia. 	Teve maior repercussão nacional ao ser cantando pelos grupos É o Tchan, Patrulha do Samba, Bom Balanço Harmonia do Samba, entre os atuais, Psirico, Fantasmão, É o Tchan, Gang do Samba, OzBambaz, Pagod'art, Nossa Juventude, Harmonia do samba, entre outos.
Partido alto
	Com a palavra, alguém que entendia do assunto: "Estão todos cantando samba menor e dizendo que é partido-alto e eu sou um dos errados porque não quero ficar isolado". Aos 65 anos, em 1977, Aniceto Menezes, o Aniceto do Império (um dos fundadores da escola da Império Serrano) admitia no lançamento de seu primeiro disco (dividido com outro partideiro, Nilton Campolino) que o gênero já não era o mesmo iniciado por seus ancestrais. Gerado nas festas religiosas do jongo de procedência rural, batido em tambores chamados de candongueiro, angumavita e caxambu, o partido virou chula raiada, como na exemplar e remota Patrão, prenda seu gado, da trinca fundadora Pixinguinha, Donga e João da Bahiana, registrada pelo cantor e estudioso Almirante. Mas Aniceto, fiel ao tradicionalismo, ditava algumas regras que via desrespeitadas. "O partido tem hora para começar, mas não para acabar, já que os versos são livres, feitos na hora. E precisa da presença do coro", situava. 	Para ele, a adaptação pedida pelo mercado teve um divisor de águas. "O samba menor foi um recurso que surgiu na época em que Paulo da Portela ficou em evidência, para adaptar o samba aos coristas", garantia. Mal saberia, ele que morreu pobre e esquecido em 1993 aos 80 anos, que o partido-alto ainda sofreria outras modificações até servir de combustível para o movimento conhecido por pagode de fundo de quintal, movido a banjo e tantã. E que até o termo pagode acabaria desvirtuado num samba-pop de duvidosa consistência.
Permeando a MPB A própria denominação partido-alto, já insinua algum tipo de superioridade para seus praticantes (turumbambas, no tempo do jongo, segundo Aniceto, daí a encurtada expressão bamba), que deviam desenvolver longas estrofes de seis ou mais versos e voltar ao estribilho. Enfim, o correspondente no universo do samba ao repente/cantoria nordestina. O partido permeia a história da MPB. Pode ser encontrado na assinatura do andarilho dos morros e rodas de malandragem Noel Rosa com o lendário João Mina em De Babado, de 1936, gravado em dupla com Marilia Baptista. Anteriores ainda são Falem de Mim, de Rufino, de 1928, com Alcides Malandro Histórico e Alvaiade ambos da Portela e Quitandeiro (de Paulo da Portela, de 1933, antes da segunda parte escrita depois por Monarco) também por Alvaiade, faixas posteriormente gravadas na série das escolas de samba do selo Marcus Pereira, em 1974.	E o partido também pontifica nas batucadas da Baixada e adjacências e nas novas favelas violentas e miseráveis, capturado pelo pernambucano Bezerra da Silva. As rodas de partido moldaram muito compositor, como testemunha Elton Medeiros comentando na gravação de Não Vem (Assim Não Dá), de 1977, que conheceu Candeia numa delas, na festa da Penha. Junto com os dois entram na roda ilustre Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito.
Partideiros como Clementina de Jesus (dialogando com outra figura lendária, o portelense João da Gente) e Xangô da Mangueira além de Aniceto, atestam que esse tipo de samba de melodia curta governado pelo ritmo, mesmo distante das origens é um dos mais evidentes elos entre o gênero urbanizado e sua nascente africana. Pixinguinha João da Baiana
Monarco João Nogueira Nei Lopes Nelson  Cavaquinho
Nelson Sargento Candeia Velha Guarda da Portela Noel Rosa Sinhô Candeia Cartola
Noca da Portela Clara Nunes Cartola
FONTE: Fonte :  http://www.sambando.com/historia_do_samba.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Samba Choro
Samba ChoroSamba Choro
Samba Choro
JulianeCQuatrochi
 
Samba breno e leonardo higa
Samba breno e leonardo higaSamba breno e leonardo higa
Samba breno e leonardo higa
ceciliavanessa
 
O samba e suas origens ademir
O samba e suas origens    ademirO samba e suas origens    ademir
O samba e suas origens ademir
Ademir da Silva
 
Presentaci+¦n1 samba
Presentaci+¦n1 sambaPresentaci+¦n1 samba
Presentaci+¦n1 samba
Elô Ribeiro
 
Samba Bárbara e Isabela
Samba Bárbara e IsabelaSamba Bárbara e Isabela
Samba Bárbara e Isabela
ceciliavanessa
 
Danca certo
Danca certoDanca certo
Danca certo
melissageraldo
 
Samba
SambaSamba
Samba além do carnaval
Samba além do carnavalSamba além do carnaval
Samba além do carnaval
Thaiz Reciolino
 
Samba do Recôncavo Baiano
Samba do Recôncavo BaianoSamba do Recôncavo Baiano
Samba do Recôncavo Baiano
Açaí Capoeira
 
Samba beatriz araujo e carolina
Samba beatriz araujo e carolinaSamba beatriz araujo e carolina
Samba beatriz araujo e carolina
ceciliavanessa
 
Jogo Samba
Jogo SambaJogo Samba
Jogo Samba
Thaiz Reciolino
 
Trabalho de artes - SAMBA
Trabalho de artes - SAMBATrabalho de artes - SAMBA
Trabalho de artes - SAMBA
Nathan Lopes
 
Axe
AxeAxe
O samba
O sambaO samba
ApresentaçãO SAmba2
ApresentaçãO SAmba2ApresentaçãO SAmba2
ApresentaçãO SAmba2
Paulo
 
Pagode
PagodePagode
Pagode
brasilina
 
Pagode
PagodePagode
Pagode
luzitania
 
Viola caipira
Viola caipiraViola caipira
Viola caipira
Elvis Live
 
Danças existentes
Danças existentesDanças existentes
Danças existentes
euler223
 

Mais procurados (19)

Samba Choro
Samba ChoroSamba Choro
Samba Choro
 
Samba breno e leonardo higa
Samba breno e leonardo higaSamba breno e leonardo higa
Samba breno e leonardo higa
 
O samba e suas origens ademir
O samba e suas origens    ademirO samba e suas origens    ademir
O samba e suas origens ademir
 
Presentaci+¦n1 samba
Presentaci+¦n1 sambaPresentaci+¦n1 samba
Presentaci+¦n1 samba
 
Samba Bárbara e Isabela
Samba Bárbara e IsabelaSamba Bárbara e Isabela
Samba Bárbara e Isabela
 
Danca certo
Danca certoDanca certo
Danca certo
 
Samba
SambaSamba
Samba
 
Samba além do carnaval
Samba além do carnavalSamba além do carnaval
Samba além do carnaval
 
Samba do Recôncavo Baiano
Samba do Recôncavo BaianoSamba do Recôncavo Baiano
Samba do Recôncavo Baiano
 
Samba beatriz araujo e carolina
Samba beatriz araujo e carolinaSamba beatriz araujo e carolina
Samba beatriz araujo e carolina
 
Jogo Samba
Jogo SambaJogo Samba
Jogo Samba
 
Trabalho de artes - SAMBA
Trabalho de artes - SAMBATrabalho de artes - SAMBA
Trabalho de artes - SAMBA
 
Axe
AxeAxe
Axe
 
O samba
O sambaO samba
O samba
 
ApresentaçãO SAmba2
ApresentaçãO SAmba2ApresentaçãO SAmba2
ApresentaçãO SAmba2
 
Pagode
PagodePagode
Pagode
 
Pagode
PagodePagode
Pagode
 
Viola caipira
Viola caipiraViola caipira
Viola caipira
 
Danças existentes
Danças existentesDanças existentes
Danças existentes
 

Semelhante a SAMBA- TURMA 3003

histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptxhistmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
MariaMarques385773
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
Carlos Zaranza
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
VIVIAN TROMBINI
 
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
MiriamCamily
 
Origem dos generos musicais
Origem dos generos musicaisOrigem dos generos musicais
Origem dos generos musicais
Eralda Cruz
 
AULA SOBRE O SAMBA.pdf
AULA SOBRE O SAMBA.pdfAULA SOBRE O SAMBA.pdf
AULA SOBRE O SAMBA.pdf
SauloLaraCoimbra1
 
Samba Da La Ela
Samba Da La ElaSamba Da La Ela
Samba Da La Ela
Tânia Mara
 
20.baiao
20.baiao20.baiao
Produção musical uma época de ouro da mpb jr sarsano e banda
Produção musical uma época de ouro da mpb   jr sarsano e bandaProdução musical uma época de ouro da mpb   jr sarsano e banda
Produção musical uma época de ouro da mpb jr sarsano e banda
+ Aloisio Magalhães
 
A Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de Souza
A Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de SouzaA Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de Souza
A Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de Souza
alfeuRIO
 
Samba e a mpb
Samba e a mpbSamba e a mpb
Samba e a mpb
Italo Colares
 
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino FundamentalRoteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
VALDOMIRO PEREIRA DE PEREIRA DE SOUZA JUNIOR
 
A minha musica brasileira
A minha musica brasileiraA minha musica brasileira
A minha musica brasileira
Francisco Nascimento
 
GENEROS.pptx
GENEROS.pptxGENEROS.pptx
GENEROS.pptx
AndreJose15
 
12.1932 1934
12.1932 193412.1932 1934
12.1932 1934
Claudio Sant Ana
 
Música brasileira
Música brasileiraMúsica brasileira
Música brasileira
Di-Milhomem
 
Bossa nova
Bossa novaBossa nova
Bossa nova
Raffa Adassa
 
O som do nordeste
O som do nordesteO som do nordeste
O som do nordeste
Francisco Nascimento
 
Mpb
MpbMpb
A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais
eercavalcanti
 

Semelhante a SAMBA- TURMA 3003 (20)

histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptxhistmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
histmusicabras-21maio-140528150704-phpapp02.pptx
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
 
Musica brasileira
Musica brasileiraMusica brasileira
Musica brasileira
 
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
42877_048e221328d6475b6ae1cb069a2e2a0b (2).pptx
 
Origem dos generos musicais
Origem dos generos musicaisOrigem dos generos musicais
Origem dos generos musicais
 
AULA SOBRE O SAMBA.pdf
AULA SOBRE O SAMBA.pdfAULA SOBRE O SAMBA.pdf
AULA SOBRE O SAMBA.pdf
 
Samba Da La Ela
Samba Da La ElaSamba Da La Ela
Samba Da La Ela
 
20.baiao
20.baiao20.baiao
20.baiao
 
Produção musical uma época de ouro da mpb jr sarsano e banda
Produção musical uma época de ouro da mpb   jr sarsano e bandaProdução musical uma época de ouro da mpb   jr sarsano e banda
Produção musical uma época de ouro da mpb jr sarsano e banda
 
A Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de Souza
A Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de SouzaA Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de Souza
A Bossa Dançante do Sambalanço - Tárik de Souza
 
Samba e a mpb
Samba e a mpbSamba e a mpb
Samba e a mpb
 
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino FundamentalRoteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
Roteiro de estudo ARTE - Ensino Fundamental
 
A minha musica brasileira
A minha musica brasileiraA minha musica brasileira
A minha musica brasileira
 
GENEROS.pptx
GENEROS.pptxGENEROS.pptx
GENEROS.pptx
 
12.1932 1934
12.1932 193412.1932 1934
12.1932 1934
 
Música brasileira
Música brasileiraMúsica brasileira
Música brasileira
 
Bossa nova
Bossa novaBossa nova
Bossa nova
 
O som do nordeste
O som do nordesteO som do nordeste
O som do nordeste
 
Mpb
MpbMpb
Mpb
 
A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais A Evolução dos Ritmos Musicais
A Evolução dos Ritmos Musicais
 

SAMBA- TURMA 3003

  • 2. Do tradicional samba dos escravos, passando pelo primeiro samba brasileiro Pelo Telefone (1917), aos ícones Cartola, Noel Rosa e Assis Valente, isso sem contar com o samba de breque de Moreira (Morengueira) da Silva, muita coisa aconteceu. Música para diversão (muitas vezes romântica também), que por muitas vezes serve como um aquecimento para os sambões do subúrbio do Rio de Janeiro, o pagode é um dos ritmos mais populares do Brasil. Das rodas de samba e pagode, surgiram grandes artistas da música nacional, tais como Alcione, Clara Nunes e Beth Carvalho. Do grupo Fundo de Quintal, vieram os compositores Arlindo Cruz e Sombrinha, isso sem falar nos mestres Jorge Aragão e Almir Guineto Quer mais? Dessas rodas vieram ainda Zeca Pagodinho, Martinho da Vila e Jovelina Pérola Negra, sempre presentes nos shows e apresentações do gênero. E como esquecer as letras irreverentes de Bezerra da Silva? Daí por diante outros estados brasileiros também aderiram ao pagode, mas dando a sua própria sonoridade. Foi o caso das bandas paulistas, que, no início da década de 90, conquistaram o Brasil, a exemplo do Raça Negra e do Negritude Júnior. De Minas Gerais veio o Só Pra Contrariar, que virou sensação na voz de Alexandre Pires, vocalista da banda. No final da década de 90, os artistas do chamado “samba de raiz” voltaram a ter grande destaque, trazendo à mídia nomes como o de Dudu Nobre e valorizando as Velhas Guardas de grandes escolas de samba do Rio de Janeiro, como as tradicionais Mangueira e Portela.
  • 3. A Bahia não ficou de fora, dando (como sempre) o seu próprio tempero ao pagode. Grupos como o É o Tchan e o Terra Samba, agregaram o batuque dos sambas de roda, resgatando as raízes do Recôncavo Baiano. Dessa nova sonoridade surgiram bandas como o Harmonia do Samba, que, liderada pelo vocalista Xanddy, logo ganhou projeção nacional.
  • 4. Gênero básico da MPB, o samba tem origem afro-baiana de tempero carioca. Ele nasceu nas casas das "tias" baianas da Praça Onze, no centro do Rio (com extensão à chamada "pequena África", da Pedra do Sal à Cidade Nova), descendente do lundu, nas festas dos terreiros entre umbigadas (semba) e pernadas de capoeira, marcado no pandeiro, prato-e-faca e na palma da mão. Embora antes de Pelo Telefone, assinada por Ernesto dos Santos, o Donga (com Mauro de Almeida) em 1917, outras gravações tenham sido registradas como samba, foi esta que fundou o gênero – apesar da autoria discutida e da proximidade com o aparentado maxixe. Também nesse estilo ambíguo são as principais composições de José Barbosa da Silva, o Sinhô, auto-intitulado "o rei do samba", que junto com Heitor dos Prazeres, Caninha e outros pioneiros estabelece os primeiros fundamentos do setor, que ganharia uma feição mais definitiva com a chamada "turma do Estácio". Formada por Alcebíades Barcellos, o Bide, Armando Marçal, Newton Bastos e Ismael Silva e mais os malandros/sambistas Baiaco, Brancura, Mano Edgar, Mano Rubem (uma brodagem bem anterior aos manos do hip hop), essa corrente injeta uma cadência mais picotada no samba e tem o endosso de filhos da classe média como o ex-estudante de medicina Noel Rosa e o ex-estudante de direito Ary Barroso, que redimensionam o estilo através de obras memoráveis.
  • 6. Com a explosão da era do rádio a partir dos anos 30, o samba ganha enorme difusão através de cantores como Francisco Alves, Orlando Silva, Silvio Caldas, Mário Reis, Carmen Miranda - que consegue projetá-lo internacionalmente a partir do cinema - e mais adiante Dalva de Oliveira, Aracy de Almeida, Elizeth Cardoso, entre outros. Novas adesões como a do refinado baiano Dorival Caymmi, além das harmonias elaboradas de Custódio Mesquita, o molejo de Pedro Caetano, o figurino tropicalista de Assis Valente, a sobriedade de Sinval Silva, o populismo luxuoso de Herivelto Martins e o sotaque interiorano arrastado de Ataulfo Alves conduzem o samba para outros caminhos já ao sabor da indústria musical. A ideologia do Estado Novo de Getúlio Vargas contamina o cenário e do malandro convertido (O Bonde São Januário, de Ataulfo e Wilson Batista) chega-se ao samba-exaltação cujo carro-chefe, Aquarela do Brasil, de Ary Barroso, torna-se o primeiro hino brasileiro no exterior.
  • 7. Influências do samba Segundo Mário de Andrade
  • 8. Samba: Bailarino popular - Dança de salão, aos pares, com acompanhamento de canto, em compasso 2/4 e ritmo sincopado - Dança de roda.Lundu: Canto e dança populares no Brasil durante o séc. XVIII, introduzidos provavelmente pelos escravos de Angola.Maxixe: Dança e canto populares em voga no Brasil a partir do século passado. Fusão da habanera, pela rítmica, e da polca, pela andadura, com adaptação da sincopa afro-lucitana.Modinha: Canto de salão, urbano, conhecido Brasil e Portugal.Choro: Conjunto musical livre, de função puramente musical, composto de pequeno grupo de instrumentos solistas, exercendo o resto do conjunto uma função acompanhante, antipolifônico, de caráter puramente ritmico-harmônico.
  • 10. Sinhô, sinhôNunca sambouSinhô, sinhôPorque este sambaSinhô, sinhô De arrepiarSinhô, sinhôPõe perna bamba..Sinhô, sinhôMas faz rodarSinhô, sinhôO peru me disseSe morcego visseNão fazer toliceOu então saísseDessa esquisiticeDe disse, não disseAi, ai, aiA estátua do ideal triunfalAi, ai, aiViva o nosso carnaval sem rivalNinguém tira amor do poço PELO TELEFONE(Ernesto dos Santos eMauro de Almeida) O chefe da foliaPelo telefoneManda me avisarQue com alegriaNão se questionePara se brincarAi, ai, aiÉ deixa mágoas para trás,oh rapazAi. ai. aiFica triste se é capaz e verásTomara que tu apanhesPra não tornar a fazer issoTirar amores dos outrosDepois fazer teu feitiçoAh, se a rolinhaSinhô, sinhô Se embaraçouSinhô, sinhôÉ que a vizinha Por Deus foste castigadoO mundo estava vazioE o inferno habitado Se embaraçouSinhô, sinhôÉ que a vizinhaSinhô, sinhôNunca sambouSinhô, sinhôPorque este sambaSinhô, sinhô Queres ou nãoSinhô, sinhôIr pro cordãoSinhô, sinhôÉ ser foliãoSinhô, sinhôDe coraçãoSinhô, sinhô
  • 12. O marco inaugural deste samba ralentado, sentimental, com menos batuque, predomínio melódico e maior parentesco com a modinha e a seresta (e depois o bolero) é nítido: a composição Ai, Ioiô (Linda Flor) que leva três assinaturas, a do compositor Henrique Vogeler e dos letristas Marques Porto e Luiz Peixoto. A música tinha sido lançada em duas ocasiões anteriores com outras letras & letristas e os títulos de Linda Flor (gravada por Vicente Celestino) e Meiga Flor (por Francisco Alves). Mas só na última versão, reescrita por exigência da diva do teatro de revista Araci Cortes (que a gravaria com sucesso em 1929), ela faria enorme sucesso, contribuindo para a fixação do gênero. Praticado por autores tão diversificados quanto Ary Barroso (que o tratava com desprezo apesar de ter composto duas obras-primas no ramo, Risque e Folha Morta) teria seu apogeu nas décadas de 40 e 50. Seu conteúdo melancólico (que mais tarde incorporaria a palavra fossa) serviria ao romantismo descabelado do sambolero(de expoentes como o avatar brega Adelino Moreira) como o Molambo (de Jaime Florence, o Meira, professor de violão de Baden Powell e Augusto Mesquita) cujo intérprete, Roberto Luna, literalmente descabelava-se ao cantar. Separado, o casal Herivelto Martins e Dalva de Oliveira trocou acusações através de sambas-canções doloridos na década de 40. O clima era tão pesado que a lenda diz que Vingança, do mestre da matéria Lupicínio Rodrigues, provocou suicídio na voz trágica de Linda Batista. Nelson Gonçalves angariou um milhão de ouvintes no incipiente mercado brasileiro de 1957 para a pungente história de A Volta do Boêmio.
  • 13. Primórdios da bossa Paradoxalmente, o mesmo estilo daria base para os altos vôos harmônicos da bossa nova, tendo sido utilizado nas primeiras composições de Tom Jobim como Incerteza, Faz uma Semana, Pensando em Você e Tereza da Praia. Precursores do movimento como os cantores Dick Farney (Marina, Copacabana), Doris Monteiro (Se Você Se Importasse), Nora Ney (Ninguém Me Ama, De Cigarro em Cigarro, Menino Grande) e compositores como Garoto (Duas Contas), Valzinho (Doce Veneno), Dolores Duran (Castigo, Fim de Caso, A Noite do Meu Bem, Por Causa de Você, esta em parceria com Tom Jobim) e Tito Madi (Não Diga Não, Cansei de Ilusões) adotaram o estilo como plataforma intimista para desvincular-se da eloqüência rítmica do samba tradicional. Em declínio depois da reformulação estética da bossa nova, o samba-canção que também perdeu terreno para a balada, e ganhou ironias por seu sentimentalismo na regravação punk de Negue (Adelino Moreira/ Enzo de Almeida Passos) pelo grupo Camisa de Vênus, mantém seu vasto e rico acervo de obras em permanente processo de regravações.
  • 15. Derivado do picote rítmico do samba choro, o samba de breque foi popularizado pelo cantor Antonio Moreira da Silva, um carioca da Tijuca nascido em 1902, num episódio que se tornou lendário. Moreira, que começou com voz empostada candidatando-se a um lugar no pódio ocupado pelos grandes (Chico Alves, Orlando Silva, Silvio Caldas), foi cantar o samba Jogo Proibido (de Tancredo Silva, Davi Silva e Ribeiro da Cunha) no Cine-Teatro Méier, numa noite de abril de 1936 e inseriu versos improvisados nos intervalos. A iniciativa fez sucesso e Moreira começou a ampliar seus apartes a ponto de o violonista Frazão, que atuava em seu grupo, reclamar: "Estou acostumado a acompanhar música e não conversa". A radicalidade do corte introduzido por Moreira – que chega a parar a melodia para inserir um discurso, como no caso de Na Subida do Morro – foi, sem dúvida, um marco divisório do gênero e acabou transformando o intérprete em seu ícone, completado pela imagem de malandro à antiga, envergando um terno de linho S-120, chapéu de palhinha e ginga constante. Mas na verdade a inclusão de um breque (do inglês break, freio), ainda que embutido no samba, vem de antes, como lembra o próprio biógrafo de Moreira, Alexandre Augusto em O Último dos Malandros (Editora Record, 1996). Em 1929, o compositor Sinhô, que se auto-intitulava "o rei do samba", inseriu três redondilhas menores constituindo um verso de quinze sílabas em Cansei ("pois lá ouvi de Deus/ a Sua voz dizer/ que eu não vim ao mundo/ somente com o fito de eterno sofrer"), interpretada por Mário Reis.
  • 16. Também composições como Minha Palhoça ("lá tem troça/ se faz bossa"), de J. Cascata, e até O Orvalho Vem Caindo ("...guarda civil/ que o salário ainda não viu") de Noel Rosa e Kid Pepe, ambas de 1933, tinham suas freiadas, ainda que fossem apenas uma "arrumação do carro" da melodia para onde todos retornavam. Algo que desembocaria em sambas sincopados de Geraldo Pereira, craque em acoplar frases ao recorte melódico como em Escurinho ("já foi no Morro do Pinto/ acabar com o samba"), onde o espaço aberto parece a conta de um comentário de trombone.Fórmula aperfeiçoada Já o caso do original cantor Luis Barbosa (1910-1938), que morreu cedo e deixou raras gravações, é diferente. Ele, que ficou também conhecido por marcar o ritmo batucando num chapéu de palha, de fato introduziu o intervalo que caracterizaria o samba de breque, mas sua curta trajetória impediu maior projeção da invenção. Numa entrevista do próprio Moreira reproduzida em O Último Malandro, ele reconhece ter "prolongado os breques" introduzidos no samba por Luis Barbosa. Foi aperfeiçoando a fórmula aliado a vários compositores até embarcar na série "cinematográfica" com Miguel Gustavo aberta por O Rei do Gatilho (e mais: Moringueira contra 007, O Último dos Moicanos, Os Intocáveis, etc.).
  • 17. Outros cantores também gravaram sambas de breque como o rival de Moreira, Jorge Veiga, o paulista Germano Mathias e até o baiano Gilberto Gil. Especialista em todas as modalidades de samba, Nei Lopes não deixaria de colocar sua marca de artífice numa parceria com João Nogueira (Baile no Elite) além de dedicar um CD abrangendo o tema em Sincopando o Breque. Moreira da Silva ainda dividiu shows com o tropicalista Macalé, a quem chegaria a chamar de herdeiro – e que descreve em Tira os Óculos e Recolhe o Homem as confusões em que ambos se meteram numa excursão. Com alguma boa vontade pode-se ouvir ecos do gênero até mesmo em Você Não Soube Me Amar, mega sucesso da Blitz que inauguraria o BRockdos anos 80.
  • 19. "Quando eu inventei essa batida, chamava de sacundinsacunden, depois, na época da jovem guarda, virou jovem samba, e, mais tarde, sambalanço", disse certa vez Jorge Ben Jor, ao explicar as origens daquilo que ficaria conhecido, a partir dos anos 70, como suíngue ou samba-rock (termo que, aliás, ele não endossa). O fato é que, inspirados por sua batida peculiaríssima, uma série de artistas passou a adaptar o samba, que era tradicionalmente tocado em compasso binário (2/4), ao compasso quaternário (4/4) do rock e da soul music. Ao mesmo tempo, eles se apropriaram dos instrumentos elétricos das bandas da jovem guarda para tocar o velho balanço em novo estilo. Jorge Ben Jor, novamente, teve a primazia nesse campo, fazendo-se acompanhar dos Fevers em seu disco de 1967, O Bidu – Silêncio no Brooklin. De quebra, ainda forneceu repertório para as bandas de rock que se aventuraram pelo samba, como é o caso dos Mutantes (em A Minha Menina, no seu disco de estréia) e os Incríveis (em Vendedor de Bananas). Ainda no fim dos anos 60 outros exemplos de como o samba poderia caber na moldura rítmica do rock-soul: a Pilatragem de Carlos Imperial e Wilson Simonal (que fez de País Tropical, de Jorge Ben Jor, um de seus cavalos de batalha) e a farra orquestral do maestro Erlon Chaves (que concorreu em 1970, no V Festival Internacional da Canção, da Rede Globo, cantando Eu Quero Mocotó, também de Jorge, acompanhado por sua Banda Veneno).
  • 20. Nos anos 70, a voz potente de Tim Maia popularizaria o samba-soul, emplacando dois sucessos nesse estilo: Réu Confesso e Gostava Tanto de Você. Jorge Ben Jor teve uma queda para o funk a partir do disco A Banda do Zé Pretinho (1978), mas artistas por ele diretamente influenciados seguiram a sua orientação anterior, com muito sucesso em bailes do subúrbio carioca. É o caso de Bebeto (O Negócio é Você Menina, Flamengo) e de Serginho Meriti. Em São Paulo, os bailes de periferia também ferviam ao som do samba-rock-suíngue, de nomes como o Trio Mocotó (que originalmente acompanhava Jorge Ben Jor), Copa 7, Luiz Vagner (que foi do grupo de jovem guarda Os Brasas, homenageado por Ben Jor com a música Luiz Vagner Guitarreiro), Branca Di Neve (falecido em 1989), Carlos Dafé, Dhema, Franco (também ex-Os Brasas), Abílio Manoel e Hélio Matheus. Reconexão Revelada no começo dos anos 80, a diva do soul brasileiro, Sandra de Sá, teve um flerte com a cena do suíngue com as músicas Olhos Coloridos e Enredo do Meu Samba (de Jorge Aragão e Dona Ivone Lara, que por sinal teria um sucesso de samba-rock em dueto com Jorge Ben Jor, Sorriso Negro, de Adilson Barbado e Jorge Portela). Restrito aos bailes, o samba-rock pouco avançou em termos de reconhecimento nos anos 80, exceto pela reconexão de samba e rock ensaiada pelo roqueiro Lobão em sua parceria com o sambista Ivo Meirelles (que, mais tarde, daria origem ao projeto Funk'n'Lata de Ivo) e pela homenagem feita por Lulu Santos no disco Popsambalanço e Outras Levadas, de 1989.
  • 21. No fim dos anos 80, o circuito paulistano do samba se encarregaria de recauchutar a idéia sambalanço em um formato mais pop. Instrumentos eletrônicos de um lado, os velhos cavaquinhos, surdo, pandeiro e tantan de outro, surgiam nomes de grande sucesso como Raça Negra, Eliana de Lima e Negritude Júnior. Inicialmente voltados para um diluição das raízes do samba em música pop de gosto duvidoso, esses artistas acabaram por dar origem a um termo pejorativo, o pagode paulistano, também conhecido como samba mauriçola (por causa da insistência dos integrantes dos grupos em usar blazers, calças sociais e cordões de ouro). Alguns deles, porém, chegaram a retomar as referências do samba-rock, como é o caso do Art Popular (na música Agamamou) e o Molejo ( Samba Rock do Molejão). Na periferia de São Paulo, ao longo dos anos 90, os bailes continuavam tocando as velhas músicas, que apareciam aqui e ali em coletâneas piratas vendidas em lojas do centro da cidade. Enquanto isso, uma banda da periferia recriava o samba-rock, com fartas e equilibradas doses dos dois ingredientes: os Virgulóides, que estouraram em 1997 com a música Bagulho no Bumba, um poderoso cruzamento de guitarras, cavaquinho e batuques.
  • 23. "No começo não havia samba enredo, o mais cantado na quadra era o que valia para o desfile", informa um mestre da matéria, o portelense Jair de Araujo Costa, o Jair do Cavaquinho. Em 1962, por sinal, ele projetou-se através de um samba de quadra em sua escola, Meu Barracão de Zinco, gravado com sucesso por Jamelão. A pré-história do gênero, no Rio de Janeiro, foi marcada por sambas de Cartola e Carlos Cachaça na Estação Primeira de Mangueira como Pudesse meu Ideal, de 1932 ou Homenagem (só de Cachaça) do ano seguinte, um dos primeiros a incluir personagens da história do Brasil. Cartola e Cachaça emplacariam ainda um segundo lugar para a verde-e-rosa no desfile de 1936 com O Destino Não Quis. Modificado (inclusive no título), reforçado por uma segunda parte composta por José Gonçalves, o Zé Com Fome, este samba seria gravado com sucesso por Aracy de Almeida como Não Quero Mais em 1936 (sem o nome de Cartola com o nome verdadeiro de Carlos Cachaça grafado errado) e finalmente se transformaria num clássico da retomada do samba nos 70 com o título de Não Quero Mais Amar a Ninguém nas vozes de Paulinho da Viola e do próprio Cartola. É que nesses primórdios, o samba que as escolas levavam para a avenida tinha apenas a primeira parte, a outra ficava livre para ser versada, improvisada na hora. Esta gravação de Aracy antecede a que é oficialmente considerada, inclusive pela Enciclopédia da Música Brasileira (Art Editora) a primeira gravação comercial de um samba enredo, a de Natureza Bela!... (de autoria de dois compositores profissionais Henrique Mesquita e Felisberto Martins) por Gilberto Alves em 1942, seis anos depois da composição ter sido utilizada como enredo pela escola Unidos da Tijuca.
  • 24. Em 1934, com Meu Grande Amor, estreava na escola Prazer da Serrinha outra dupla que seria responsável pelo formato básico do samba-enredo (antes da aceleração dos desfiles), o filho de pastor protestante Silas de Oliveira (Assunção) (1916-1972) e o ex-jornaleiro Décio Antonio Carlos, que se tornaria conhecido por Mano Décio da Viola (1909-1984). Juntos, inicialmente na Serrinha e depois no resultante Império Serrano, eles compuseram alguns dos maiores clássicos do ramo como Conferência de São Francisco(1945), Exaltação a Duque de Caxias (1955), Medalhas e Brasões (1960) e Heróis da Liberdade (com Manoel Ferreira) (1969), enredo que incomodou os censores da ditadura recrudescida, e Apoteose ao Samba (1974). Com outros parceiros, Mano Décio ainda assinaria mais clássicos como Tiradentes(com Penteado e Estanislau Silva), de 1949, Batalha Naval do Riachuelo (com Penteado e Molequinho), de 1951 e Silas de Oliveira outros tantos, como Os Cinco Bailes da Corte ou Os Cinco Bailes Tradicionais da História do Rio (com Bacalhau e a estreante D. Ivone Lara), em 1966, São Paulo Chapadão de glória(com Joaci Santana), de 1967, além dos solos Aquarela Brasileira (1964) e Pernambuco, Leão do Norte (1968). Desde que em 1939, em pleno Estado Novo do ditador Getulio Vargas, a escola Vizinha Faladeira foi desclassificada por causa do enredo Branca de Neve e os Sete Anões, os temas e personagens da história do país (sempre em clima de exaltação patriótica) obrigaram artífices como Silas & Décio a desdobrarem-se para evitar a pieguice, e sem sair do ufanismo encaixar letras quilométricas em melodias assobiáveis.
  • 25. Protesto No final dos 60, novas dissidências apareceriam com o desembarque do partideiro Martinho José Ferreira, o Martinho da Vila Isabel através de um samba enredo compactado, Carnaval de Ilusões (com Gemeu), de 1967 que não foi bem aceito pelo júri, incluindo o compositor Chico Buarque. Martinho protestaria em Caramba ("Malha malha, malhador/ que não aceita a evolução/ (...) caramba, nem o Chico entendeu o enredo do meu samba"). E seguiria mexendo no formato em Quatro Séculos de Modas e Costumes (1968) e Iaiá do Cais Dourado (1969). Em 1971, novo sobressalto,o capixaba Zuzuca (Adil de Paula) estiliza o ritmo fluminense caxambú no desfile do Salgueiro em Festa para um Rei Negro (que ficaria conhecida pelo refrão "pega no ganzê") e ganha as paradas de sucesso, ultrapassando o âmbito carnavalesco. Artistas de fora das escolas como João Bosco e Aldir Blanc (Mestre-Sala dos Mares), Chico Buarque e Francis Hime (Vai Passar) ampliaram as possibilidades do gênero, que ganha letras mais politizadas e da exaltação parte para a crítica de costumes. Filho de uma familia "metida a nobre, que achava samba coisa de crioulo", o Procurador Federal e advogado Gustavo Adolfo de Carvalho Baêta Neves, morto em 1987 aos 52 anos, encarnou outro caso à parte de fascínio pelo samba enredo.
  • 26. Com o pseudônimo de Didi (e em muitos casos cedendo a autoria para outros compositores) ele escreveu nada menos de 22 sambas-enredo, entre eles as obras primas O Amanhã e É Hoje, ambos para a União da Ilha. Foi homenageado pela escola em 1991 através de De Bar em Bar, Didi um Poeta (Franco). Da década de 80 em diante, com a invasão das escolas pelas classes média e alta e a transformação do desfile em show bizz cada vez mais opulento, também o samba enredo mudou. Sua velocidade foi sendo aumentada para permitir que o gigantismo das escolas não atrapalhasse a rígida cronometragem da comissão julgadora. As enormes vendagens dos discos com os sambas-enredos vencedores de cada escola motivaram disputas acirradas entre compositores, com torcidas subsidiadas e rateio do bolo por um número cada vez maior de parceiros. Depois de dominar o período carnavalesco tirando espaço das marchinhas e dos próprios sambas de carnaval, o samba enredo sofre, a partir de meados dos 90, um processo de exaustão da fórmula com discos em queda de vendagem e o alcance de suas músicas cada vez mais restrito aos dias de folia.
  • 28. Nascido na Bahia, o samba duro é conhecido como pagode baiano ou samba de roda, tem um swing que lembra muito o axé music.O pagode foi relido com pitadas de ritmos locais como o samba-reggae. Suas letras são carregadas de alegria irreverência além de ser muito dançante, com influências africanas. Atualmente artistas da Bahia vem acrescentando influências angolanas no ritmo como o "kuduro", ritmo tipicamente angolano que ganhou o mundo e conquistou a Bahia. Teve maior repercussão nacional ao ser cantando pelos grupos É o Tchan, Patrulha do Samba, Bom Balanço Harmonia do Samba, entre os atuais, Psirico, Fantasmão, É o Tchan, Gang do Samba, OzBambaz, Pagod'art, Nossa Juventude, Harmonia do samba, entre outos.
  • 30. Com a palavra, alguém que entendia do assunto: "Estão todos cantando samba menor e dizendo que é partido-alto e eu sou um dos errados porque não quero ficar isolado". Aos 65 anos, em 1977, Aniceto Menezes, o Aniceto do Império (um dos fundadores da escola da Império Serrano) admitia no lançamento de seu primeiro disco (dividido com outro partideiro, Nilton Campolino) que o gênero já não era o mesmo iniciado por seus ancestrais. Gerado nas festas religiosas do jongo de procedência rural, batido em tambores chamados de candongueiro, angumavita e caxambu, o partido virou chula raiada, como na exemplar e remota Patrão, prenda seu gado, da trinca fundadora Pixinguinha, Donga e João da Bahiana, registrada pelo cantor e estudioso Almirante. Mas Aniceto, fiel ao tradicionalismo, ditava algumas regras que via desrespeitadas. "O partido tem hora para começar, mas não para acabar, já que os versos são livres, feitos na hora. E precisa da presença do coro", situava. Para ele, a adaptação pedida pelo mercado teve um divisor de águas. "O samba menor foi um recurso que surgiu na época em que Paulo da Portela ficou em evidência, para adaptar o samba aos coristas", garantia. Mal saberia, ele que morreu pobre e esquecido em 1993 aos 80 anos, que o partido-alto ainda sofreria outras modificações até servir de combustível para o movimento conhecido por pagode de fundo de quintal, movido a banjo e tantã. E que até o termo pagode acabaria desvirtuado num samba-pop de duvidosa consistência.
  • 31. Permeando a MPB A própria denominação partido-alto, já insinua algum tipo de superioridade para seus praticantes (turumbambas, no tempo do jongo, segundo Aniceto, daí a encurtada expressão bamba), que deviam desenvolver longas estrofes de seis ou mais versos e voltar ao estribilho. Enfim, o correspondente no universo do samba ao repente/cantoria nordestina. O partido permeia a história da MPB. Pode ser encontrado na assinatura do andarilho dos morros e rodas de malandragem Noel Rosa com o lendário João Mina em De Babado, de 1936, gravado em dupla com Marilia Baptista. Anteriores ainda são Falem de Mim, de Rufino, de 1928, com Alcides Malandro Histórico e Alvaiade ambos da Portela e Quitandeiro (de Paulo da Portela, de 1933, antes da segunda parte escrita depois por Monarco) também por Alvaiade, faixas posteriormente gravadas na série das escolas de samba do selo Marcus Pereira, em 1974. E o partido também pontifica nas batucadas da Baixada e adjacências e nas novas favelas violentas e miseráveis, capturado pelo pernambucano Bezerra da Silva. As rodas de partido moldaram muito compositor, como testemunha Elton Medeiros comentando na gravação de Não Vem (Assim Não Dá), de 1977, que conheceu Candeia numa delas, na festa da Penha. Junto com os dois entram na roda ilustre Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito.
  • 32. Partideiros como Clementina de Jesus (dialogando com outra figura lendária, o portelense João da Gente) e Xangô da Mangueira além de Aniceto, atestam que esse tipo de samba de melodia curta governado pelo ritmo, mesmo distante das origens é um dos mais evidentes elos entre o gênero urbanizado e sua nascente africana. Pixinguinha João da Baiana
  • 33. Monarco João Nogueira Nei Lopes Nelson Cavaquinho
  • 34. Nelson Sargento Candeia Velha Guarda da Portela Noel Rosa Sinhô Candeia Cartola
  • 35. Noca da Portela Clara Nunes Cartola
  • 36. FONTE: Fonte :  http://www.sambando.com/historia_do_samba.html