SlideShare uma empresa Scribd logo
Professora Andrea Dressler
 Antes da chegada dos portugueses havia cerca de 25 milhões
de nativos em solo brasileiro.
 Dividiam-se em grupos tribais e possuíam uma relação
baseada em regras próprias de caráter social, político e
religioso.
 Viviam da caça e da pesca que eram abundantes na época.
Cultivavam seu próprio alimento e domesticavam animais de
pequeno porte.
 Com a colonização europeia essa quantidade reduziu-se
grandemente.
 Atualmente o Brasil tem quase 900 mil índios de 305 etnias e
274 idiomas (IBGE-2012)
 As comunidades atuais lutam para preservar a herança de
seus antepassados
 Hábeis artesãos, os índios produzem diversos tipos de
artefatos para atender suas necessidades cotidianas e
ritualísticas, e também servem como geradores de recursos
financeiros complementares.
A técnica do
trançado da palha
forma belos
cestos, bolsas e
esteiras.
O domínio do uso da
argila, que produz a
cerâmica, resulta em
panelas, esculturas, vaso
s e urnas
Entalham a madeira
da qual nascem
armas, máscaras, escu
lturas e até
instrumentos musicais
( como o yurupari)
Utilizam plumas, penas
ossos, sementes, conchas e
materiais diversos como adornos
Rica em cores e formas, é
símbolo de hierarquia dentro da
tribo e muito reverenciada pelo
imaginário dos homens brancos
Vale ressaltar que a cultura
indígena respeita o meio
ambiente e só usa o material que
não degrada a fauna local.
Cada etnia cria sua própria
marca e, normalmente, esses
desenhos são feitos a partir de
formas abstratas.
São usadas em rituais diversos
como casamentos, rituais
espirituais, etc.
A cor vermelha é feita a partir
de sementes de
urucum, enquanto o preto é
feito de carvão misturado a
pau-de-leite, espécie de seiva
comum na região
São pequenas esculturas de
animais feitas em jade, que
simbolizam bons fluídos, desejo
de sorte e prosperidade.
Predominam na cor verde e a
forma de sapo.
Exemplar de muiraquitã
encontrado no Baixo
Amazonas, em exposição no
Museu de Gemas do Pará;
Próprias da região amazônica, as
igaçabas eram urnas funerárias
feitas em madeira ou argila.
Algumas apresentavam círculos
vermelhos pintados em
referência à fertilidade.
Igaçaba Marajora, Museu do
Encontro, Forte do
Presépio, Belém- PA
São objetos triangulares feitos
em cerâmica com orifícios nas
extremidades para amarração
junto ao corpo. Eram usadas por
mulheres das tribos
marajoaras, em contextos
cerimoniais.
Tanga de cerâmica. Museu
Paraense Emílio Goeldi,
Belém-PA
São vasos elaborados a partir de
exuberantes decorações feitas
com pequenas estatuetas
zoomórficas ou antropomórficas
que promovem a ligação entre a
base e o bojo da peça.
Além disso podemos notas
incisões feitas com formas
geométricas que servem para
enfeitas ainda mais esses vasos.
Tem como referência principal a catequização, que
teve nos jesuítas seus maiores representantes.
As dramatizações eram montadas tendo como base a
vida de Jesus e dos santos.
Nelas, os personagens antagônicos eram sempre as
divindades que os índios tinham no seu imaginário.
Apresentam
expressividade e sua
prática ocorre nos ritos
da puberdade, cerimônias
espirituais e de
guerra, bem como
ocasiões de plantio e da
colheita
Cantos e danças
ritualísticos envolvem
oferendas aos deuses. Os
mitos, lendas e tradição
oral são preservados em
cerimônias promovidas
com a participação de
toda a comunidade.
Feitos de madeira e
ossos de animais, são:
toró (flauta de
taquara), boré (flauta de
osso), o mimbi (buzina)
e o uaí (tambor de pele
e de madeira)
A música nativa sofre
alterações com a chegada
dos jesuítas ao Brasil, a
partir do século XVI, que
com a intenção de
catequizar os índios
começaram a introduzir
instrumentos e estilos
musicais
Hoje, a música indígena é
muito rica, peculiar e
distinta de qualquer
outro gênero musical
 Para alunos do 1º ano (2014), uma das obras indicadas pelo
PAS é Dança dos Tairariu (mais conhecida como Dança dos
Tapuias) do artista holandês de Albert Van Eckhout.
 Tapuia era termo utilizado, ao longo dos séculos, no Brasil,
para designar os índios que não falavam a língua tupi.
 E já que estamos falando sobre índios brasileiros, vale a pena
conhecer a obra.
Obra do pas: Dança dos Tarairiu (Tapuias).Albert ECKHOUT. Óleo sobre
tela, s.d., 168x294 cm. Museu Nacional da Dinamarca, Copenhague.
Bibliografia
Estudo dirigido de artes: ensino médio. Volume único.
Borges e Ribeiro. Brasília, DF: editora do centro, 2011.
Site: artenaescola.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Arte Africana
Arte Africana Arte Africana
Arte Africana
 
O que é a arte
O que é a arteO que é a arte
O que é a arte
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileira
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.
 
Influência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasilInfluência da-cultura-africana-no-brasil
Influência da-cultura-africana-no-brasil
 
Arte - Romantismo
Arte - RomantismoArte - Romantismo
Arte - Romantismo
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 
Arte pre historia
Arte pre historiaArte pre historia
Arte pre historia
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Introdução a Arte
Introdução a ArteIntrodução a Arte
Introdução a Arte
 
O modernismo brasileiro
O modernismo brasileiroO modernismo brasileiro
O modernismo brasileiro
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
 
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileiraHistória da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
História da Arte: Arte e cultura africana e afro brasileira
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
Cultura e arte
Cultura e arteCultura e arte
Cultura e arte
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Arte e corpo
Arte e corpoArte e corpo
Arte e corpo
 

Destaque (20)

íNdios
íNdiosíNdios
íNdios
 
Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
 
Smile Powerpoint
Smile PowerpointSmile Powerpoint
Smile Powerpoint
 
Povos indigenas brasil
Povos indigenas brasilPovos indigenas brasil
Povos indigenas brasil
 
Arte indígena
Arte indígenaArte indígena
Arte indígena
 
Índios no Brasil
Índios no BrasilÍndios no Brasil
Índios no Brasil
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
Autoretrato
AutoretratoAutoretrato
Autoretrato
 
Frida Kahlo
Frida KahloFrida Kahlo
Frida Kahlo
 
Exposiçao: Kandinsky - Tudo começa num ponto
Exposiçao: Kandinsky - Tudo começa num pontoExposiçao: Kandinsky - Tudo começa num ponto
Exposiçao: Kandinsky - Tudo começa num ponto
 
Partitura gráfica fernanda chaves
Partitura gráfica fernanda chavesPartitura gráfica fernanda chaves
Partitura gráfica fernanda chaves
 
Anos 70 no brasil
Anos 70 no brasilAnos 70 no brasil
Anos 70 no brasil
 
Autoretrato Lourencoezidio Inocencia
Autoretrato Lourencoezidio InocenciaAutoretrato Lourencoezidio Inocencia
Autoretrato Lourencoezidio Inocencia
 
A geometria das artes
A geometria das artesA geometria das artes
A geometria das artes
 
Kandinsky
KandinskyKandinsky
Kandinsky
 
Kandinsky
KandinskyKandinsky
Kandinsky
 
Mutantes I
Mutantes IMutantes I
Mutantes I
 
Slide autorretrato
Slide autorretratoSlide autorretrato
Slide autorretrato
 
Pop rock brasil
Pop rock brasilPop rock brasil
Pop rock brasil
 
História da arte - Arte Moderna - resumo
História da arte - Arte Moderna -  resumoHistória da arte - Arte Moderna -  resumo
História da arte - Arte Moderna - resumo
 

Semelhante a Arte Indígena Brasileira

Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileirawdeiaw
 
Texto arte indigena
Texto arte indigenaTexto arte indigena
Texto arte indigenaLaís Paiva
 
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos===.doc
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos===.docA Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos===.doc
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos===.dochenriquecorreia39
 
Diferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundoDiferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundoanocas_rita
 
Artes visuais indígenas
Artes visuais indígenasArtes visuais indígenas
Artes visuais indígenasSarah Reinoso
 
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...ProfessoresMS
 
Arqueologia Indígena Brasileira
Arqueologia Indígena BrasileiraArqueologia Indígena Brasileira
Arqueologia Indígena BrasileiraSilmara Nogueira
 
Negro Mostra A Tua Face
Negro Mostra A Tua FaceNegro Mostra A Tua Face
Negro Mostra A Tua FaceNádia Rabelo
 
Curso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candombleCurso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candombleStanley Domeniquini
 
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...henriquecorreia39
 
Introdução ao Candomblé e seus Orixás
Introdução ao Candomblé e seus OrixásIntrodução ao Candomblé e seus Orixás
Introdução ao Candomblé e seus Orixásnina rizzi
 
Invocação à natureza e mítico-simbólico originário: a jornada indígena em Can...
Invocação à natureza e mítico-simbólico originário: a jornada indígena em Can...Invocação à natureza e mítico-simbólico originário: a jornada indígena em Can...
Invocação à natureza e mítico-simbólico originário: a jornada indígena em Can...MoniqueParente2
 

Semelhante a Arte Indígena Brasileira (20)

arte indígena
arte indígena arte indígena
arte indígena
 
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileira
 
Texto arte indigena
Texto arte indigenaTexto arte indigena
Texto arte indigena
 
Indígenas
IndígenasIndígenas
Indígenas
 
Patrimônio Histórico e Cultural
Patrimônio Histórico e CulturalPatrimônio Histórico e Cultural
Patrimônio Histórico e Cultural
 
Dia do indio
Dia do indioDia do indio
Dia do indio
 
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos===.doc
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos===.docA Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos===.doc
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos===.doc
 
Diferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundoDiferentes culturas do mundo
Diferentes culturas do mundo
 
Aula de artes indigena
Aula de artes indigenaAula de artes indigena
Aula de artes indigena
 
Artes visuais indígenas
Artes visuais indígenasArtes visuais indígenas
Artes visuais indígenas
 
Arte e cultura indgena
Arte e cultura indgenaArte e cultura indgena
Arte e cultura indgena
 
A cultura do nordeste
A cultura do nordesteA cultura do nordeste
A cultura do nordeste
 
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
VI ENCONTO DE PROFESSORES DE ARTE DE MS E II SEMINÁRIO DIÁLOGOS VISUAIS E CUL...
 
Arqueologia Indígena Brasileira
Arqueologia Indígena BrasileiraArqueologia Indígena Brasileira
Arqueologia Indígena Brasileira
 
Negro Mostra A Tua Face
Negro Mostra A Tua FaceNegro Mostra A Tua Face
Negro Mostra A Tua Face
 
Curso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candombleCurso de introducao ao candomble
Curso de introducao ao candomble
 
Gabarito das questoes de revisao
Gabarito das questoes de revisaoGabarito das questoes de revisao
Gabarito das questoes de revisao
 
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
A Arte Indígena Brasileira - Atividade 1.2 - Arte - 6º Anos - Professor Fabrí...
 
Introdução ao Candomblé e seus Orixás
Introdução ao Candomblé e seus OrixásIntrodução ao Candomblé e seus Orixás
Introdução ao Candomblé e seus Orixás
 
Invocação à natureza e mítico-simbólico originário: a jornada indígena em Can...
Invocação à natureza e mítico-simbólico originário: a jornada indígena em Can...Invocação à natureza e mítico-simbólico originário: a jornada indígena em Can...
Invocação à natureza e mítico-simbólico originário: a jornada indígena em Can...
 

Mais de Andrea Dressler

Mais de Andrea Dressler (20)

Pós - Impressionismo
Pós - ImpressionismoPós - Impressionismo
Pós - Impressionismo
 
Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)Art Nouveau (Arte Nova)
Art Nouveau (Arte Nova)
 
Impressionismo no Brasil
Impressionismo no BrasilImpressionismo no Brasil
Impressionismo no Brasil
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Academicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
Academicismo no Brasil: Romantismo e RealismoAcademicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
Academicismo no Brasil: Romantismo e Realismo
 
Op Art
Op ArtOp Art
Op Art
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Expressionismo Abstrato
Expressionismo AbstratoExpressionismo Abstrato
Expressionismo Abstrato
 
Missão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no BrasilMissão Langsdorff no Brasil
Missão Langsdorff no Brasil
 
NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro NeoConcretismo Brasileiro
NeoConcretismo Brasileiro
 
Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa Missão Artística Francesa
Missão Artística Francesa
 
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro  - Arte ConcretaConcretismo Brasileiro  - Arte Concreta
Concretismo Brasileiro - Arte Concreta
 
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte NeoclássicaNeoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
 
Modernismo Brasileiro
Modernismo BrasileiroModernismo Brasileiro
Modernismo Brasileiro
 
Arte Rococó
Arte RococóArte Rococó
Arte Rococó
 
Movimentos Dadaísmo e Surrealismo
Movimentos Dadaísmo e SurrealismoMovimentos Dadaísmo e Surrealismo
Movimentos Dadaísmo e Surrealismo
 
Arte Barroca no Brasil
Arte Barroca no BrasilArte Barroca no Brasil
Arte Barroca no Brasil
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 

Último

Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 

Último (20)

Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 

Arte Indígena Brasileira

  • 2.  Antes da chegada dos portugueses havia cerca de 25 milhões de nativos em solo brasileiro.  Dividiam-se em grupos tribais e possuíam uma relação baseada em regras próprias de caráter social, político e religioso.  Viviam da caça e da pesca que eram abundantes na época. Cultivavam seu próprio alimento e domesticavam animais de pequeno porte.  Com a colonização europeia essa quantidade reduziu-se grandemente.
  • 3.  Atualmente o Brasil tem quase 900 mil índios de 305 etnias e 274 idiomas (IBGE-2012)  As comunidades atuais lutam para preservar a herança de seus antepassados  Hábeis artesãos, os índios produzem diversos tipos de artefatos para atender suas necessidades cotidianas e ritualísticas, e também servem como geradores de recursos financeiros complementares.
  • 4.
  • 5. A técnica do trançado da palha forma belos cestos, bolsas e esteiras.
  • 6. O domínio do uso da argila, que produz a cerâmica, resulta em panelas, esculturas, vaso s e urnas
  • 7. Entalham a madeira da qual nascem armas, máscaras, escu lturas e até instrumentos musicais ( como o yurupari)
  • 8. Utilizam plumas, penas ossos, sementes, conchas e materiais diversos como adornos Rica em cores e formas, é símbolo de hierarquia dentro da tribo e muito reverenciada pelo imaginário dos homens brancos Vale ressaltar que a cultura indígena respeita o meio ambiente e só usa o material que não degrada a fauna local.
  • 9. Cada etnia cria sua própria marca e, normalmente, esses desenhos são feitos a partir de formas abstratas. São usadas em rituais diversos como casamentos, rituais espirituais, etc. A cor vermelha é feita a partir de sementes de urucum, enquanto o preto é feito de carvão misturado a pau-de-leite, espécie de seiva comum na região
  • 10.
  • 11. São pequenas esculturas de animais feitas em jade, que simbolizam bons fluídos, desejo de sorte e prosperidade. Predominam na cor verde e a forma de sapo. Exemplar de muiraquitã encontrado no Baixo Amazonas, em exposição no Museu de Gemas do Pará;
  • 12. Próprias da região amazônica, as igaçabas eram urnas funerárias feitas em madeira ou argila. Algumas apresentavam círculos vermelhos pintados em referência à fertilidade. Igaçaba Marajora, Museu do Encontro, Forte do Presépio, Belém- PA
  • 13. São objetos triangulares feitos em cerâmica com orifícios nas extremidades para amarração junto ao corpo. Eram usadas por mulheres das tribos marajoaras, em contextos cerimoniais. Tanga de cerâmica. Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém-PA
  • 14. São vasos elaborados a partir de exuberantes decorações feitas com pequenas estatuetas zoomórficas ou antropomórficas que promovem a ligação entre a base e o bojo da peça. Além disso podemos notas incisões feitas com formas geométricas que servem para enfeitas ainda mais esses vasos.
  • 15.
  • 16. Tem como referência principal a catequização, que teve nos jesuítas seus maiores representantes. As dramatizações eram montadas tendo como base a vida de Jesus e dos santos. Nelas, os personagens antagônicos eram sempre as divindades que os índios tinham no seu imaginário.
  • 17. Apresentam expressividade e sua prática ocorre nos ritos da puberdade, cerimônias espirituais e de guerra, bem como ocasiões de plantio e da colheita
  • 18. Cantos e danças ritualísticos envolvem oferendas aos deuses. Os mitos, lendas e tradição oral são preservados em cerimônias promovidas com a participação de toda a comunidade.
  • 19. Feitos de madeira e ossos de animais, são: toró (flauta de taquara), boré (flauta de osso), o mimbi (buzina) e o uaí (tambor de pele e de madeira)
  • 20. A música nativa sofre alterações com a chegada dos jesuítas ao Brasil, a partir do século XVI, que com a intenção de catequizar os índios começaram a introduzir instrumentos e estilos musicais Hoje, a música indígena é muito rica, peculiar e distinta de qualquer outro gênero musical
  • 21.  Para alunos do 1º ano (2014), uma das obras indicadas pelo PAS é Dança dos Tairariu (mais conhecida como Dança dos Tapuias) do artista holandês de Albert Van Eckhout.  Tapuia era termo utilizado, ao longo dos séculos, no Brasil, para designar os índios que não falavam a língua tupi.  E já que estamos falando sobre índios brasileiros, vale a pena conhecer a obra.
  • 22. Obra do pas: Dança dos Tarairiu (Tapuias).Albert ECKHOUT. Óleo sobre tela, s.d., 168x294 cm. Museu Nacional da Dinamarca, Copenhague.
  • 23. Bibliografia Estudo dirigido de artes: ensino médio. Volume único. Borges e Ribeiro. Brasília, DF: editora do centro, 2011. Site: artenaescola.com.br