SlideShare uma empresa Scribd logo
ELETROQUÍMICA: CONCEITOS IMPORTANTES
Eletroquímica – Resumo de tópicos importantes  Oxidação : aumento de nox    perda de elétrons    quem oxida provoca redução    agente redutor Zn 0    Zn +2  + 2 e -  E 0  = + 0,76 V Redução : diminuição de nox    ganho de elétrons    quem reduz provoca oxidação    agente oxidante Cu +2  + 2 e -     Cu 0  E 0  = + 0,34 V ddp ou fem    diferença de potencial envolvida em uma reação de oxirredução. ddp = E  redução  cátodo   – E  redução  ânodo  ddp = + 0,34 – ( -0,76) = + 1,10 V ddp = E  redução  maior – E  redução  menor  ddp = + 0,34 – ( -0,76) = + 1,10 V ddp = pode ser dado também pela soma dos potenciais das reações: ddp =  + 0,76 + 0,34  = + 1,10 V  processo espontâneo    pilhas
Pilhas : processo espontâneo onde uma reação química gera corrente elétrica. No ânodo ( pólo negativo ), sempre ocorre oxidação; no cátodo ( pólo positivo ), sempre ocorre redução  Zn Cu V Zn +2   SO 4 - Cu +2   SO 4 -2 Zn +2 Ponte salina KCl Ânodo (-) : Zn 0     Zn +2  + 2e - Oxidação do zinco metálico Cátodo (+) : Cu +2  + 2e -     Cu 0 Redução dos íons cobre E 0 red Zn  = - 0,76 V E 0 red Cu  = +0,34V Reação Global: Zn 0  + Cu +2    Zn +2  + Cu 0 Para calcularmos a ddp da pilha :   E 0  = E 0 red (maior)  – E 0 red (menor)  = +0,34 – (-0,76) = + 1,10V Após certo tempo teremos um aumento na concentração na solução de sulfato de zinco, e uma diminuição na concentração da solução de sulfato de cobre. A lâmina de zinco desgasta e a de cobre sobre depósito de cobre metálico da solução que se reduz. - + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e -
gerador Na + Cl - gerador OH -  Na + Cl -   H + - - + + ânodo Oxidação ânodo Oxidação Cátodo redução Cátodo redução Eletrólise:  A eletrólise é um processo não espontâneo. Uma reação que não deveria ocorrer ocorre graças a um gerador que faz com que aconteça. No ânodo acontece a oxidação e no cátodo acontece a redução. Ânodo : 2 Cl -     Cl 2  + 2 e -   Cátodo : 2 Na +  + 2 e -    2Na 0  Reação Global :  2 Na +  + 2 Cl -     2 Na 0   + Cl 2   Eletrólise Ígnea do NaCl Eletrólise aquosa do NaCl Ânodo : 2 Cl -     Cl 2   + 2 e -   Cátodo : 2 H +  + 2e -     H 2 Reação Globa : 2Cl -  + 2Na +  + 2 H 2 O    2 NaOH  (aq)  + H 2  + Cl 2 Facilidade de descarga de cátions (ordem crescente) :  1A ,2A, Al +3   H +  Demais metais (Mn +2 , Zn +2 , Fe +2  , Ni +2 , Ag + , Cu +2 ... Facilidade de descarga de ânions (ordem crescente) : ânions oxigenados  OH -   ânions não oxigenados e HSO 4 - Importante! Descarga do H +  :  2 H +   + 2 e -     H 2 Descarga do OH -  :  2 OH -     H 2 O  + ½ O 2   + 2 e - + - - + e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e -
ELETRÓLISE COM ELETRODOS NÃO INERTES gerador - - + Cobre + Prata + Ouro Lama anódica Ag + Au Cu +2 Cu +2 Cu +2 Cu +2 SO 4 -2 SO 4 -2 Ânodo (+) :  Cu 0      Cu +2   + 2 e - oxidação Cátado (-) :  Cu +2   + 2e -     Cu 0 redução - + gerador - - + Cu +2 Cu +2 Cu +2 Cu +2 SO 4 -2 SO 4 -2 - + Término da eletrólise Enquanto existir cobre na amostra impura, vai ocorrer oxidação desse; se a amostra apresentar outros metais como ferro ou zinco, após a oxidação do cobre irá ocorrer a oxidação desses metais, levando-se em conta os potenciais de oxidação desses metais. Esse processo recebe o nome de  purificação eletrolítica . e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e -
ATENÇÃO! ÂNODO (OXIDAÇÃO)  CÁTODO (REDUÇÃO)  PILHA  POLO NEGATIVO  POLO POSITIVO ELETRÓLISE  POLO POSITIVO  POLO NEGATIVO REAÇÕES QUE OCORREM EM UMA PILHA DE COMBUSTÍVEIS CÁTODO (+):  O 2   + 2 H 2 O  + 4 e -      4 OH - ÂNODO (-)  :  2 H 2   + 4 OH -      4 H 2 O  + 4 e - REAÇÃO GLOBAL:  2 H 2   + O 2      2 H 2 O - + - + Eletrólise Ânodo  Cátodo Cátodo Ânodo Gerador - Pilha e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e -
Importante! Na eletrólise com eletrodos não inertes ( eletrodos que sofrem reação) o próprio ânodo sofre oxidação, o gerador prefere arrancar elétrons do próprio ânodo.Ex: eletrólise de solução de sulfato de cobre II com eletrodos de cobre. CuSO 4     Cu +2  + SO 4 -2 2 H 2 O    2 H +  + 2 OH - Ânodo (+) :  Cu 0     Cu +2  + 2 e - Cátodo ( -) :  Cu +2  + 2 e -     Cu 0 Reação global :  Zero
ELETRÓLISE – ASPECTOS QUANTITATIVOS Como queremos passar a matéria de uma maneira bem simples, o segredo dos exercícios de eletrólise, está no estudo da teoria. Sempre que possível desenhem o exercício. Na hora de resolver o exercício procure chegar na seguinte relação: Quando o fluxo é de 1 mol de elétrons (6,0x10 23  elétrons)    transportando uma carga de 1 Faraday (96.500 coulombs)    depositando uma massa correspondente a estequiometria da reação ou corresponde a a um equivalente da substância. 1 mol e -     6,0 x 10 23  e -     1 F    96.500 c    m    E Q = i . T    onde Q é a carga em coulombs; i é a intensidade da corrente em ampére; t é o tempo em segundos
Exemplo (Unimep-SP) A massa de sódio metálico depositada por uma corrente de 9,65 A, que atravessa uma massa de NaCl fundido durante 10 minutos é: ( Na = 23; F = 96.500 C) I- Vamos montar a o que está acontecendo na eletrólise: NaCl    Na +  + Cl - Ânodo :  2 Cl -     Cl 2   + 2 e - Cátodo : 2 Na +   + 2e -     2 Na 0 Reação Global:  2 Na +   + 2 Cl -     2 Na 0   + Cl 2 Como só nos interessa o sódio temos:  Na +   +  1 e -      Na 0 1 mol e -      96.500 C    deposita     1 mol de Na 0    23 gramas de Na 5.790 C ----------------------------------------x gramas x = 1,38 gramas de Na Cálculo da carga Q = i . T t = 10 min. = 10 x60 = 600 s i = 9,65 A Q = i . T = 9,65 x 600 = 5790 c
Algumas expressões que poderão ser usadas em alguns vestibulares: Relação entre Energia livre (em termoquímica você encontrará sobre o assunto) e a força eletromotriz de uma pilha:  G = - n . F .   E 0  G = Energia livre de Gibbs  E 0  = ddp da pilha  n = número de mols de elétrons posto em jogo na reação da pilha F = quantidade de faradays    não esqueça 1 faraday = 96.500 coulombs OBS: Nunca esqueça: quando   G < 0    reação espontânea.   G =   H – T .   S Variação de entropia (desordem de um sistema –melhor distribuição de matéria e/ou energia) temperatura absoluta

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletrolise
EletroliseEletrolise
Eletrolise
Josinaldo Meneses
 
Aula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redoxAula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redox
Janaina Leitinho
 
Polaridade
PolaridadePolaridade
Polaridade
dianalove15
 
Distribuição eletrônica
Distribuição eletrônica  Distribuição eletrônica
Distribuição eletrônica
Karol Maia
 
Soluções Químicas
Soluções QuímicasSoluções Químicas
Soluções Químicas
José Nunes da Silva Jr.
 
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculasAula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
Marilena Meira
 
Processos de separação de misturas
Processos de separação de misturasProcessos de separação de misturas
Processos de separação de misturas
quimica_prefederal
 
Eletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
Eletroquímica Para Jovens do Ensino MédioEletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
Eletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
Rene Lins
 
Estrutura atômica e configuração eletrônica
Estrutura atômica e configuração eletrônicaEstrutura atômica e configuração eletrônica
Estrutura atômica e configuração eletrônica
Profª Alda Ernestina
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
Liana Maia
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
José Marcelo Cangemi
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Eletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHASEletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHAS
Ana Dias
 
Ácidos e bases
Ácidos e basesÁcidos e bases
Ácidos e bases
Atami Santos
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
Rafael Nishikawa
 
01 aula introdução eletroquímica
01 aula introdução eletroquímica01 aula introdução eletroquímica
01 aula introdução eletroquímica
Clauber Dalmas Rodrigues
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
João Paulo Luna
 
Oxirreducao
OxirreducaoOxirreducao
Oxirreducao
Rosbergue Lúcio
 
Eletrólise aplicações
Eletrólise    aplicaçõesEletrólise    aplicações
Eletrólise aplicações
Profa Fabíola Química
 

Mais procurados (20)

Eletrolise
EletroliseEletrolise
Eletrolise
 
Aula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redoxAula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redox
 
Polaridade
PolaridadePolaridade
Polaridade
 
Distribuição eletrônica
Distribuição eletrônica  Distribuição eletrônica
Distribuição eletrônica
 
Soluções Químicas
Soluções QuímicasSoluções Químicas
Soluções Químicas
 
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculasAula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Processos de separação de misturas
Processos de separação de misturasProcessos de separação de misturas
Processos de separação de misturas
 
Eletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
Eletroquímica Para Jovens do Ensino MédioEletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
Eletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
 
Estrutura atômica e configuração eletrônica
Estrutura atômica e configuração eletrônicaEstrutura atômica e configuração eletrônica
Estrutura atômica e configuração eletrônica
 
Cinetica quimica
Cinetica quimicaCinetica quimica
Cinetica quimica
 
Termoqumica 2013 objetivo
Termoqumica 2013   objetivoTermoqumica 2013   objetivo
Termoqumica 2013 objetivo
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Eletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHASEletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHAS
 
Ácidos e bases
Ácidos e basesÁcidos e bases
Ácidos e bases
 
Funções inorgânicas ácidos
Funções inorgânicas   ácidosFunções inorgânicas   ácidos
Funções inorgânicas ácidos
 
01 aula introdução eletroquímica
01 aula introdução eletroquímica01 aula introdução eletroquímica
01 aula introdução eletroquímica
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Oxirreducao
OxirreducaoOxirreducao
Oxirreducao
 
Eletrólise aplicações
Eletrólise    aplicaçõesEletrólise    aplicações
Eletrólise aplicações
 

Destaque

Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Fernando Abreu
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
Adrianne Mendonça
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
Alice Almeida
 
Eletroquimica e pilhas
Eletroquimica e pilhasEletroquimica e pilhas
Eletroquimica e pilhas
Kaires Braga
 
Prof.José Roberto - eletrólise
Prof.José Roberto -  eletróliseProf.José Roberto -  eletrólise
Prof.José Roberto - eletrólise
José Roberto Mattos
 
Eletroquímica eletrólise
Eletroquímica   eletróliseEletroquímica   eletrólise
Eletroquímica eletrólise
Quimica Ensino
 
Aula de química para o Enem - Eletroquímica: Pilhas e baterias - Módulo 2
Aula de química para o Enem -  Eletroquímica: Pilhas e baterias - Módulo 2Aula de química para o Enem -  Eletroquímica: Pilhas e baterias - Módulo 2
Aula de química para o Enem - Eletroquímica: Pilhas e baterias - Módulo 2
Maiquel Vieira
 
Eletroquímica - células eletrolíticas
Eletroquímica  -  células eletrolíticasEletroquímica  -  células eletrolíticas
Eletroquímica - células eletrolíticas
stagewd
 
Funcao hidrocarboneto
Funcao hidrocarbonetoFuncao hidrocarboneto
Funcao hidrocarboneto
Fernando Lucas
 
Hidrocarboneto
HidrocarbonetoHidrocarboneto
Hidrocarboneto
Rafaeljs1993
 
Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
Manuel Vicente
 
Prova Unicamp 2002 Segunda Fase
Prova Unicamp 2002   Segunda FaseProva Unicamp 2002   Segunda Fase
Prova Unicamp 2002 Segunda Fase
Cursos Profissionalizantes
 
Aula 16 -_eletroquímica
Aula 16 -_eletroquímicaAula 16 -_eletroquímica
Aula 16 -_eletroquímica
LukasSeize
 
TERMOQUÍMICA - TEORIA
TERMOQUÍMICA - TEORIATERMOQUÍMICA - TEORIA
TERMOQUÍMICA - TEORIA
Cursos Profissionalizantes
 
Teoria do Equilibrio
Teoria do EquilibrioTeoria do Equilibrio
Teoria do Equilibrio
Cursos Profissionalizantes
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
Diego Araujo
 
Química – oxirredução
Química – oxirreduçãoQuímica – oxirredução
Química – oxirredução
Ismael Alves
 
Energia de gibbs (2)
Energia de gibbs (2)Energia de gibbs (2)
Energia de gibbs (2)
Gabriel Pereira
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
Carlos Priante
 
Exercícios - geometria molecular
Exercícios - geometria molecularExercícios - geometria molecular
Exercícios - geometria molecular
Isabella Silva
 

Destaque (20)

Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Eletroquimica e pilhas
Eletroquimica e pilhasEletroquimica e pilhas
Eletroquimica e pilhas
 
Prof.José Roberto - eletrólise
Prof.José Roberto -  eletróliseProf.José Roberto -  eletrólise
Prof.José Roberto - eletrólise
 
Eletroquímica eletrólise
Eletroquímica   eletróliseEletroquímica   eletrólise
Eletroquímica eletrólise
 
Aula de química para o Enem - Eletroquímica: Pilhas e baterias - Módulo 2
Aula de química para o Enem -  Eletroquímica: Pilhas e baterias - Módulo 2Aula de química para o Enem -  Eletroquímica: Pilhas e baterias - Módulo 2
Aula de química para o Enem - Eletroquímica: Pilhas e baterias - Módulo 2
 
Eletroquímica - células eletrolíticas
Eletroquímica  -  células eletrolíticasEletroquímica  -  células eletrolíticas
Eletroquímica - células eletrolíticas
 
Funcao hidrocarboneto
Funcao hidrocarbonetoFuncao hidrocarboneto
Funcao hidrocarboneto
 
Hidrocarboneto
HidrocarbonetoHidrocarboneto
Hidrocarboneto
 
Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
Estudo dos derivados halogenados [guardado automaticamente]
 
Prova Unicamp 2002 Segunda Fase
Prova Unicamp 2002   Segunda FaseProva Unicamp 2002   Segunda Fase
Prova Unicamp 2002 Segunda Fase
 
Aula 16 -_eletroquímica
Aula 16 -_eletroquímicaAula 16 -_eletroquímica
Aula 16 -_eletroquímica
 
TERMOQUÍMICA - TEORIA
TERMOQUÍMICA - TEORIATERMOQUÍMICA - TEORIA
TERMOQUÍMICA - TEORIA
 
Teoria do Equilibrio
Teoria do EquilibrioTeoria do Equilibrio
Teoria do Equilibrio
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Química – oxirredução
Química – oxirreduçãoQuímica – oxirredução
Química – oxirredução
 
Energia de gibbs (2)
Energia de gibbs (2)Energia de gibbs (2)
Energia de gibbs (2)
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Exercícios - geometria molecular
Exercícios - geometria molecularExercícios - geometria molecular
Exercícios - geometria molecular
 

Semelhante a TEORIA da ELETROQUÍMICA

Eletrólise kelvin
Eletrólise kelvinEletrólise kelvin
Eletrólise kelvin
valdecirkelvin
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
Felicio1956
 
Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica
Felicio1956
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
Felicio1956
 
Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]
leveson
 
Eletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ FundamentosEletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ Fundamentos
Profa Fabíola Química
 
Pilhas Eletroquímicas.pptx
Pilhas Eletroquímicas.pptxPilhas Eletroquímicas.pptx
Pilhas Eletroquímicas.pptx
BeatrizSalgueiro5
 
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptxAulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
sintiasousa3
 
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2seriesResolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Eldmara Santos
 
Química - Eletrólise
Química - EletróliseQuímica - Eletrólise
Química - Eletrólise
Carson Souza
 
Eletrólise
EletróliseEletrólise
Eletrólise
Charles Qmc
 
EletroquÍmica
EletroquÍmicaEletroquÍmica
EletroquÍmica
Vinny Silva
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
Estude Mais
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
Alberto Pethrus
 
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redoxCORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CleideSilva988844
 
Aula de eletôquimica
Aula de eletôquimicaAula de eletôquimica
Aula de eletôquimica
Cursos Profissionalizantes
 
Conceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de reduçãoConceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de redução
Celestino Silva
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
cris_bastardis
 
Eletroquimica aplicada à Simulação do mundo físico-químico
Eletroquimica aplicada à Simulação do mundo físico-químicoEletroquimica aplicada à Simulação do mundo físico-químico
Eletroquimica aplicada à Simulação do mundo físico-químico
ssuserb83eaa
 
Eletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletroliseEletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletrolise
daiaprof
 

Semelhante a TEORIA da ELETROQUÍMICA (20)

Eletrólise kelvin
Eletrólise kelvinEletrólise kelvin
Eletrólise kelvin
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
 
Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
 
Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]
 
Eletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ FundamentosEletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ Fundamentos
 
Pilhas Eletroquímicas.pptx
Pilhas Eletroquímicas.pptxPilhas Eletroquímicas.pptx
Pilhas Eletroquímicas.pptx
 
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptxAulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
 
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2seriesResolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
 
Química - Eletrólise
Química - EletróliseQuímica - Eletrólise
Química - Eletrólise
 
Eletrólise
EletróliseEletrólise
Eletrólise
 
EletroquÍmica
EletroquÍmicaEletroquÍmica
EletroquÍmica
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
 
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redoxCORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
 
Aula de eletôquimica
Aula de eletôquimicaAula de eletôquimica
Aula de eletôquimica
 
Conceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de reduçãoConceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de redução
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Eletroquimica aplicada à Simulação do mundo físico-químico
Eletroquimica aplicada à Simulação do mundo físico-químicoEletroquimica aplicada à Simulação do mundo físico-químico
Eletroquimica aplicada à Simulação do mundo físico-químico
 
Eletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletroliseEletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletrolise
 

Mais de Cursos Profissionalizantes

Hiv o início
Hiv o inícioHiv o início
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova EconomiaAtendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Cursos Profissionalizantes
 
Curso de Administração Geral
Curso de Administração GeralCurso de Administração Geral
Curso de Administração Geral
Cursos Profissionalizantes
 
Marketing de Serviços
Marketing de ServiçosMarketing de Serviços
Marketing de Serviços
Cursos Profissionalizantes
 
Técnicas de Recrutamento
Técnicas de RecrutamentoTécnicas de Recrutamento
Técnicas de Recrutamento
Cursos Profissionalizantes
 
Administração Geral
Administração GeralAdministração Geral
Administração Geral
Cursos Profissionalizantes
 
Marketing Pessoal
Marketing PessoalMarketing Pessoal
Marketing Pessoal
Cursos Profissionalizantes
 
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economiaAtendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Cursos Profissionalizantes
 
Então é natal
Então é natalEntão é natal
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Cursos Profissionalizantes
 
Elaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicosElaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicos
Cursos Profissionalizantes
 
Como escrever teses
Como escrever tesesComo escrever teses
Como escrever teses
Cursos Profissionalizantes
 
Como escrever dissertações
Como escrever dissertaçõesComo escrever dissertações
Como escrever dissertações
Cursos Profissionalizantes
 
Técnicas de negociação
Técnicas de negociaçãoTécnicas de negociação
Técnicas de negociação
Cursos Profissionalizantes
 
Comunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentaçãoComunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentação
Cursos Profissionalizantes
 
Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1
Cursos Profissionalizantes
 
Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2
Cursos Profissionalizantes
 
Aulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redaçãoAulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redação
Cursos Profissionalizantes
 
Apresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negóciosApresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negócios
Cursos Profissionalizantes
 
Marketing
MarketingMarketing

Mais de Cursos Profissionalizantes (20)

Hiv o início
Hiv o inícioHiv o início
Hiv o início
 
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova EconomiaAtendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
 
Curso de Administração Geral
Curso de Administração GeralCurso de Administração Geral
Curso de Administração Geral
 
Marketing de Serviços
Marketing de ServiçosMarketing de Serviços
Marketing de Serviços
 
Técnicas de Recrutamento
Técnicas de RecrutamentoTécnicas de Recrutamento
Técnicas de Recrutamento
 
Administração Geral
Administração GeralAdministração Geral
Administração Geral
 
Marketing Pessoal
Marketing PessoalMarketing Pessoal
Marketing Pessoal
 
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economiaAtendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economia
 
Então é natal
Então é natalEntão é natal
Então é natal
 
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
 
Elaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicosElaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicos
 
Como escrever teses
Como escrever tesesComo escrever teses
Como escrever teses
 
Como escrever dissertações
Como escrever dissertaçõesComo escrever dissertações
Como escrever dissertações
 
Técnicas de negociação
Técnicas de negociaçãoTécnicas de negociação
Técnicas de negociação
 
Comunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentaçãoComunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentação
 
Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1
 
Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2
 
Aulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redaçãoAulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redação
 
Apresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negóciosApresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negócios
 
Marketing
MarketingMarketing
Marketing
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

TEORIA da ELETROQUÍMICA

  • 2. Eletroquímica – Resumo de tópicos importantes Oxidação : aumento de nox  perda de elétrons  quem oxida provoca redução  agente redutor Zn 0  Zn +2 + 2 e - E 0 = + 0,76 V Redução : diminuição de nox  ganho de elétrons  quem reduz provoca oxidação  agente oxidante Cu +2 + 2 e -  Cu 0 E 0 = + 0,34 V ddp ou fem  diferença de potencial envolvida em uma reação de oxirredução. ddp = E redução cátodo – E redução ânodo ddp = + 0,34 – ( -0,76) = + 1,10 V ddp = E redução maior – E redução menor ddp = + 0,34 – ( -0,76) = + 1,10 V ddp = pode ser dado também pela soma dos potenciais das reações: ddp = + 0,76 + 0,34 = + 1,10 V processo espontâneo  pilhas
  • 3. Pilhas : processo espontâneo onde uma reação química gera corrente elétrica. No ânodo ( pólo negativo ), sempre ocorre oxidação; no cátodo ( pólo positivo ), sempre ocorre redução Zn Cu V Zn +2 SO 4 - Cu +2 SO 4 -2 Zn +2 Ponte salina KCl Ânodo (-) : Zn 0  Zn +2 + 2e - Oxidação do zinco metálico Cátodo (+) : Cu +2 + 2e -  Cu 0 Redução dos íons cobre E 0 red Zn = - 0,76 V E 0 red Cu = +0,34V Reação Global: Zn 0 + Cu +2  Zn +2 + Cu 0 Para calcularmos a ddp da pilha :  E 0 = E 0 red (maior) – E 0 red (menor) = +0,34 – (-0,76) = + 1,10V Após certo tempo teremos um aumento na concentração na solução de sulfato de zinco, e uma diminuição na concentração da solução de sulfato de cobre. A lâmina de zinco desgasta e a de cobre sobre depósito de cobre metálico da solução que se reduz. - + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + K + Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - Cl - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e -
  • 4. gerador Na + Cl - gerador OH - Na + Cl - H + - - + + ânodo Oxidação ânodo Oxidação Cátodo redução Cátodo redução Eletrólise: A eletrólise é um processo não espontâneo. Uma reação que não deveria ocorrer ocorre graças a um gerador que faz com que aconteça. No ânodo acontece a oxidação e no cátodo acontece a redução. Ânodo : 2 Cl -  Cl 2 + 2 e - Cátodo : 2 Na + + 2 e -  2Na 0 Reação Global : 2 Na + + 2 Cl -  2 Na 0 + Cl 2 Eletrólise Ígnea do NaCl Eletrólise aquosa do NaCl Ânodo : 2 Cl -  Cl 2 + 2 e - Cátodo : 2 H + + 2e -  H 2 Reação Globa : 2Cl - + 2Na + + 2 H 2 O  2 NaOH (aq) + H 2 + Cl 2 Facilidade de descarga de cátions (ordem crescente) : 1A ,2A, Al +3 H + Demais metais (Mn +2 , Zn +2 , Fe +2 , Ni +2 , Ag + , Cu +2 ... Facilidade de descarga de ânions (ordem crescente) : ânions oxigenados OH - ânions não oxigenados e HSO 4 - Importante! Descarga do H + : 2 H + + 2 e -  H 2 Descarga do OH - : 2 OH -  H 2 O + ½ O 2 + 2 e - + - - + e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e -
  • 5. ELETRÓLISE COM ELETRODOS NÃO INERTES gerador - - + Cobre + Prata + Ouro Lama anódica Ag + Au Cu +2 Cu +2 Cu +2 Cu +2 SO 4 -2 SO 4 -2 Ânodo (+) : Cu 0  Cu +2 + 2 e - oxidação Cátado (-) : Cu +2 + 2e -  Cu 0 redução - + gerador - - + Cu +2 Cu +2 Cu +2 Cu +2 SO 4 -2 SO 4 -2 - + Término da eletrólise Enquanto existir cobre na amostra impura, vai ocorrer oxidação desse; se a amostra apresentar outros metais como ferro ou zinco, após a oxidação do cobre irá ocorrer a oxidação desses metais, levando-se em conta os potenciais de oxidação desses metais. Esse processo recebe o nome de purificação eletrolítica . e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e -
  • 6. ATENÇÃO! ÂNODO (OXIDAÇÃO) CÁTODO (REDUÇÃO) PILHA POLO NEGATIVO POLO POSITIVO ELETRÓLISE POLO POSITIVO POLO NEGATIVO REAÇÕES QUE OCORREM EM UMA PILHA DE COMBUSTÍVEIS CÁTODO (+): O 2 + 2 H 2 O + 4 e -  4 OH - ÂNODO (-) : 2 H 2 + 4 OH -  4 H 2 O + 4 e - REAÇÃO GLOBAL: 2 H 2 + O 2  2 H 2 O - + - + Eletrólise Ânodo Cátodo Cátodo Ânodo Gerador - Pilha e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e - e -
  • 7. Importante! Na eletrólise com eletrodos não inertes ( eletrodos que sofrem reação) o próprio ânodo sofre oxidação, o gerador prefere arrancar elétrons do próprio ânodo.Ex: eletrólise de solução de sulfato de cobre II com eletrodos de cobre. CuSO 4  Cu +2 + SO 4 -2 2 H 2 O  2 H + + 2 OH - Ânodo (+) : Cu 0  Cu +2 + 2 e - Cátodo ( -) : Cu +2 + 2 e -  Cu 0 Reação global : Zero
  • 8. ELETRÓLISE – ASPECTOS QUANTITATIVOS Como queremos passar a matéria de uma maneira bem simples, o segredo dos exercícios de eletrólise, está no estudo da teoria. Sempre que possível desenhem o exercício. Na hora de resolver o exercício procure chegar na seguinte relação: Quando o fluxo é de 1 mol de elétrons (6,0x10 23 elétrons)  transportando uma carga de 1 Faraday (96.500 coulombs)  depositando uma massa correspondente a estequiometria da reação ou corresponde a a um equivalente da substância. 1 mol e -  6,0 x 10 23 e -  1 F  96.500 c  m  E Q = i . T  onde Q é a carga em coulombs; i é a intensidade da corrente em ampére; t é o tempo em segundos
  • 9. Exemplo (Unimep-SP) A massa de sódio metálico depositada por uma corrente de 9,65 A, que atravessa uma massa de NaCl fundido durante 10 minutos é: ( Na = 23; F = 96.500 C) I- Vamos montar a o que está acontecendo na eletrólise: NaCl  Na + + Cl - Ânodo : 2 Cl -  Cl 2 + 2 e - Cátodo : 2 Na + + 2e -  2 Na 0 Reação Global: 2 Na + + 2 Cl -  2 Na 0 + Cl 2 Como só nos interessa o sódio temos: Na + + 1 e -  Na 0 1 mol e -  96.500 C  deposita  1 mol de Na 0  23 gramas de Na 5.790 C ----------------------------------------x gramas x = 1,38 gramas de Na Cálculo da carga Q = i . T t = 10 min. = 10 x60 = 600 s i = 9,65 A Q = i . T = 9,65 x 600 = 5790 c
  • 10. Algumas expressões que poderão ser usadas em alguns vestibulares: Relação entre Energia livre (em termoquímica você encontrará sobre o assunto) e a força eletromotriz de uma pilha:  G = - n . F .  E 0  G = Energia livre de Gibbs  E 0 = ddp da pilha n = número de mols de elétrons posto em jogo na reação da pilha F = quantidade de faradays  não esqueça 1 faraday = 96.500 coulombs OBS: Nunca esqueça: quando  G < 0  reação espontânea.  G =  H – T .  S Variação de entropia (desordem de um sistema –melhor distribuição de matéria e/ou energia) temperatura absoluta