SlideShare uma empresa Scribd logo
TÉCNICAS DE REDAÇÃO
INTRODUÇÃO Regras da Gramática Consultar dicionários Cuidado com palavras ambíguas  Linguagem adequada Clareza, objetividade e precisão  Reler e reescrever o texto
ESTILO Palavra como instrumento do pensamento Frase bem construída Abreviaturas Palavras estrangeiras
ESTRUTURA Descritiva Dissertativa Expositiva Argumentativa
CONCLUSÃO Arremate de idéias Não é resumo!!!!!
REDAÇÃO Requisitos básicos para produção de um texto:   - ter domínio do idioma;   - conhecer o assunto a ser tratado;   - conhecer as técnicas.
- seleção das informações; - organização das informações.   PRODUÇÃO DAS IDÉIAS
TIPOLOGIA TEXTUAL   DESCRIÇÃO   É a forma mais primária de produção de textos. Alicerces da descrição: nossa imaginação e os nossos cinco sentidos.   Descrever é caracterizar uma cena, um estado, um momento vivido ou sonhado por meio da nossa percepção sensorial e de nossa imaginação criadora.
NARRAÇÃO Narrar é contar um ou mais fatos que ocorrem com determinados personagens, em local e tempo definidos.
DISSERTAÇÃO   É a exposição de opiniões a respeito de um determinado assunto.   Dissertar é discutir  idéias, analisá-las e apresentar provas que justifiquem e convençam o leitor da validade do ponto de vista de quem as defende.
Dissertar é, pois, analisar de maneira crítica situações diversas, questionando a realidade e apresentando nosso posicionamento diante dela.
A dissertação, por isso, pressupõe:   - exame crítico do assunto sobre o qual se vai escrever;   - raciocínio lógico;   - clareza, coerência e objetividade na exposição.
ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO   INTRODUÇÃO  -  DESENVOLVIMENTO  -  CONCLUSÃO   INTRODUÇÃO   É a apresentação do assunto.  O parágrafo introdutório caracteriza-se por apresentar uma idéia-núcleo por meio de uma afirmação, interrogação, definição, citação, etc., combinados ou não entre si.
DESENVOLVIMENTO   É a análise crítica da idéia central.  Pode ocupar vários parágrafos em que se expõem juízos, raciocínios, provas, exemplos, testemunhos históricos e justificativas que argumentem a idéia central proposta no primeiro parágrafo.
Para  desenvolver  o assunto de uma dissertação, podemos utilizar os seguintes recursos:   a) citações b) dados estatísticos c) justificativas d) exemplos e) comparações
CONCLUSÃO   É o ponto de  chegada da discussão, a parte final do texto em que se condensa o conteúdo desenvolvido, reafirma-se o posicionamento exposto na tese ou lança-se perspectiva sobre o assunto.   Um meio adequado de bem concluir é aquele em que sintetizamos o assunto nos termos em que foi proposto ou questionado na etapa introdutória.
Características de um boa dissertação:   Um texto não é um mero aglomerado de frases ou parágrafos avulsos.  Um bom texto constitui-se de uma seqüência de idéias argumentadas e harmonizadas entre si destinadas a um interlocutor real ou virtual.
Para se redigir um texto dissertativo, são indispensáveis:   O texto deve desenvolver-se em torno de um assunto.   As idéias que lhe são pertinentes devem suceder-se em ordem seqüente e lógica, completando e enriquecendo a idéia-núcleo expressa na tese.  Não deve haver redundância nem pormenores desnecessários. UNIDADE:
Deve haver associação e correlação das idéias na construção dos períodos e na passagem de um parágrafo a outro.  Os elementos de ligação são indispensáveis para entrosar orações, períodos e parágrafos. COERÊNCIA :
Vocabulário preciso e coerente às idéias expostas.  O aprimoramento da linguagem e a diversidade são fundamentais para adequar idéias e palavras.  É obrigatório o uso da língua padrão culta. CLAREZA DE IDÉIAS :
Exame e discussão crítica do assunto, por meio de argumentos convincentes, gerados pelo acervo de conhecimento pessoais.  É um processo de análise e síntese.   CRITICIDADE :
Distribuição organizada do conteúdo pelos parágrafos e uma clara articulação entre as partes por meio do uso apropriado de recursos coesivos como a pronominalização, a elipse, a sinonímia, os conectivos. COESÃO :
Consiste em apresentar os aspectos, fatos ou opiniões de modo pessoal, sem imitação de processos ou particularidades alheios.  Na originalidade, está a  criatividade .  Pode revelar-se tanto nas idéias como nas expressões. Idéias originais são idéias próprias. ORIGINALIDADE :
TÍTULO A redação só deve ser intitulada depois de concluída.   Não há necessidade de sublinhar o título ou de colocá-lo entre aspas. Só coloque pontuação, se houver verbo.
TÉCNICAS PARA ELABORAR UMA DISSERTAÇÃO   Esquema básico da dissertação   Tema:   No verão, os habitantes de Florianópolis passam por diversos problemas .   POR QUÊ?   1. O trânsito para as praias fica congestionado.   2. Há constante falta d’água.   3. Muitos turistas comportam-se de maneira inadequada.
As relações de Causa e Conseqüência Tema:  Constatamos   que,   no município de Florianópolis,   existe um grande movimento migratório   que se desloca de diversos locais do Brasil. POR QUÊ? Causa:  Muitas cidades não oferecem mais qualidade de vida para seus moradores, dificultando, desse modo o sua permanência nelas.
O QUE ACONTECE EM RAZÃO DISSO? Conseqüência:  Florianópolis  encontra-se despreparada para absorver esses migrantes e oferecer-lhes condições de vida esperada por eles.
A abordagem de temas polêmicos   Tema:   Existem discussões que divergem com relação à legalização dos cassinos no país. Aspecto favorável:  Com a legalização haverá pagamento de impostos.   Aspecto contrário:  O jogo é uma ameaça à estrutura familiar.
A retrospectiva histórica   Tema:   Vivemos atualmente a era da comunicação e recebemos todos os dias informações sobre os mais diferentes pontos da Terra, que nos chegam com a rapidez e eficiência dos veículos eletrônicos do mundo contemporâneo. Retrospectiva : Época mais distante.   Época mais próxima.   Época atual.
A localização espacial   Tema:   Não raro tomamos conhecimento, pelos meios de comunicação, do desejo de promover o diálogo Norte-Sul, para tentar buscar uma nova ordem nas relações econômicas entre os países desses dois hemisférios. REGIÃO GEOGRÁFICA 1 REGIÃO GEOGRÁFICA 2
A dissertação com predominância crítica Tema:  O ser humano, no decorrer de milênios de sua História, tem provado possuir uma natureza destrutiva que persiste independentemente do desenvolvimento científico e cultural da humanidade.
Introdução:   A perplexidade diante da situação.   Desenvolvimento:   Referência a fatos de conhecimento público.   2.  Comentários críticos ( crítica dos fatos, idéias ou circunstâncias).   Conclusão:   Observação crítica seguida de uma expectativa.
EXERCÍCIO   Observe os temas a seguir e aponte o esquema mais adequado para desenvolvê-los:   a)  Nos últimos tempos, vêm ocorrendo intensas discussões a propósito dos meios de combater a violência praticada por menores, nas grandes cidades.   b) Cogita-se, com muita freqüência, da implantação da pena de morte no Brasil.   c)  Chegando ao terceiro milênio, o homem ainda não conseguiu resolver graves problemas que preocupam a todos.
d)  Em nossa sociedade, a mulher tem conseguido um grande avanço na luta pela sua emancipação.   e)  A maior parte da classe política brasileira não goza de muito prestígio e confiabilidade por parte da população.   f) A melhor maneira de melhorar o padrão de vida está em melhorar o padrão de pensamento.   g) A felicidade não consiste em alcançar aquilo que se deseja, mas em gostar do que se tem.
ARGUMENTOS DISSERTATIVOS Argumentar é convencer ou tentar convencer alguém a respeito da veracidade das idéias que estamos veiculando.  É o procedimento usado para convencer o leitor de que nossa posição é a correta e para levá-lo a dar sua adesão às teses defendidas pelo texto.
Como se faz uma boa argumentação?   1 o  – é preciso ter bem claro o que queremos dizer – delimitar bem o assunto;   2 o  – formular idéias – também claras – sobre o assunto delimitado;   3 o  – estruturar essas idéias com frases bem formuladas;   4 o  – tentar provar cada idéia – argumento – por meio da evidência do raciocínio e das provas.
RECURSOS LINGÜÍSTICOS USADOS PARA CONFIRMAR A VALIDADE DAS IDÉIAS: Argumentos de autoridade : citar autores renomados dá credibilidade sobre um ponto de vista.   Argumentos baseados no consenso : citar proposições aceitas como verdadeiras, numa certa época.
Argumentos baseados em provas concretas : apoiar as posições pessoais em fatos. Comprová-las por dados pertinentes e adequados.   Argumentos com base nas relações de causa e conseqüência. Argumentos baseados em exemplos.   Argumentos baseados em oposição:  apontar oposições entre idéias e fatos.   Argumentos baseados em semelhanças ; aproximar dois elementos com base na semelhança entre eles.
LEMBRETES QUE PODEM MELHORAR SEU TEXTO   1. antes de começar a escrever, faça um esquema de seu texto, dividindo em parágrafos as idéias que pretende expor. Isso evita repetição ou esquecimento de alguma idéia; 2. Cheque se os pontos de vista que você vai defender não são contraditórios em relação à tese. Elabore as relações de causa e conseqüência ou os pólos positivos e negativos do tema;
3.  Não tenha preguiça de refazer seu texto várias vezes. É a melhor maneira de se chegar a um bom resultado. Procure redigir em aproximadamente uma hora; 4.  Enquanto escreve em casa, tenha sempre à mão um dicionário para checar a grafia das palavras e descobrir sinônimos que evitem a repetição;   5. Não fuja do tema proposto;
6.  Escreva o que você pensa sobre o tema dado e não o que você acredita que o corretor do texto gostaria que fosse escrito. Jamais analise os temas propostos movido por emoções exageradas; 7.  Não escreva sobre o que você não conhece, nem utilize  sua redação para fins doutrinários; 8. Use a linguagem padrão em seu nível culto;
9.  Empregue a linguagem denotativa;   10.  Não empregue palavras cujo significado seja desconhecido para você;   11.  Evite lugar-comum: frases feitas e expressões cristalizadas, como  a pureza das crianças ,  a sabedoria dos velhos , etc. evite também gírias e a palavra  coisa  (procure o vocábulo adequado a cada idéia); não use  etc .; não abrevie palavras;
12.  Evite repetir palavras, use sinônimos. Há repetições que enfatizam. Mas, fora o caso intencional da ênfase, repetir revela pobreza de vocabulário ou desleixo ; 13.  Evite expressões do tipo  belo, bom, mau, incrível, péssimo, triste, pobre,  - são juízos de valor sem carga informativa, imprecisos e subjetivos;
14.  Não “encha lingüiça”!  Cada palavra deve ser fundamental e informativa na redação. À falta de idéias, não fique repetindo a mesma coisa com palavras diferentes. Isso é redundância, é prolixidade, é terrível defeito! É preferível poucas linhas bem redigidas a muito mal escritas. Faça um trabalho honesto; 15.  Não aumento o tamanho da letra para dar a impressão de que escreveu bastante. Isso indispõe o avaliador;
16.  Letra estilo “bicho-de-pé”, não pode (só se vê a linha de tão pequena). ( avaliador não vai colocar lente de aumento só para corrigir a sua redação; 17.  Não repita idéias, tentando explicá-las. Se você escrever com clareza, uma só vez basta; 18.  Não se desculpe dizendo que não escreveu mais porque o tempo foi pouco;
19.  Cuidado com o uso inadequado das conjunções. Elas podem estabelecer relações que não existem entre as frases e tornar o texto sem nexo; 20.  Se usar uma pergunta na tese, responda-a ao longo do texto. Evite interrogações na argumentação e na conclusão. Para aprofundar seus argumentos, suas afirmações, use exemplos: fatos notórios ou históricos, conhecimentos geográficos, cifras aproximadas e informações adquiridas por meio de leitura, estudo e aquisições culturais (bagagem cultural);
21.  Pensamento novo, período novo. É comum, entre os que iniciam, misturar no mesmo período idéias que não se completam;   22.  Tome cuidado com os períodos muito longos: resultam confusos e são propícios a períodos incompletos;   23.  Não empregue a primeira pessoa do singular;   24.  Atenção à falta de paralelismo;
26. Faça parágrafos a, mais ou menos, três centímetros da margem;   27.  Atinja a margem direita e esquerda sem ultrapassá-las;   28.  Faça letra legível; se escrever em letra de forma, procure distinguir as maiúsculas das minúsculas;   25.  Centralize o título (só use aspas se for citação);
30.  Rascunhe suas idéias antes de passá-las para a folha definitiva;   31.  Não exceda o limite máximo de linhas; nem fique aquém do limite mínimo; 29.  Não borre, não rabisque, nem rasure o texto definitivo;
f)  coerência com o tema proposto. e)  tese, argumentação e conclusão;   d)  uso da terceira pessoa do singular, mais partícula  se ; ou, primeira pessoa do plural; c) domínio do léxico e da estrutura da língua; b)  elaboração crítica, coerência e clareza;   a)  concatenação de idéias (parágrafos e frases interligados coerentemente); 32.  Com os temas dissertativos, o texto deve apresentar:
33.  Texto dissertativo  não  deve apresentar:   a)  interrogações na argumentação ou na conclusão (só o título e a introdução podem apresentar interrogação);   b)  uso da primeira pessoa do singular, salvo exigências feitas pela banca;   c)  conversa com o leitor;   d)  fuga ao tema ou à modalidade (dissertação) solicitada;
e)  título inadequado;   f)  uso indevido de clichês, frases prontas e chavões, palavrões, gírias;   g)  abordagem subjetiva e emocional do tema;   h)  superficialidade, julgamentos gratuitos e infundados;   i)  linguagem inadequada (coloquial);   j)  diálogo, nem personagens.
34.  Na conclusão é possível:   a)  retomar a tese, reafirmando-a;   b)  retomar a tese, oferecendo soluções viáveis para os problemas abordados na argumentação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
Jamille Rabelo
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
Cláudia Heloísa
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
Elizabeth Vicente da Silva
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
Rebeca Kaus
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
Sinara Lustosa
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
Oficina de Redação
Oficina de RedaçãoOficina de Redação
Oficina de Redação
diegoprofessor10
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
Isis Barros
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Podcast
PodcastPodcast
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOAULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
Alice Silva
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Operadores argumentativos
Operadores argumentativosOperadores argumentativos
Operadores argumentativos
Miquéias Vitorino
 
Slide implicito e explicito
Slide implicito e explicitoSlide implicito e explicito
Slide implicito e explicito
Vera Moreira Matos
 

Mais procurados (20)

Aula sobre argumentação
Aula sobre argumentaçãoAula sobre argumentação
Aula sobre argumentação
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Oficina de Redação
Oficina de RedaçãoOficina de Redação
Oficina de Redação
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Artigo de opinião slides
Artigo de opinião slidesArtigo de opinião slides
Artigo de opinião slides
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Podcast
PodcastPodcast
Podcast
 
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
 
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃOAULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
AULA 05 - DICAS DE REDAÇÃO - DETALHES QUE FARÃO DIFERENÇA NA SUA REDAÇÃO
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Operadores argumentativos
Operadores argumentativosOperadores argumentativos
Operadores argumentativos
 
Slide implicito e explicito
Slide implicito e explicitoSlide implicito e explicito
Slide implicito e explicito
 

Semelhante a Aulão de redação -Resumo de redação

Tipologia textual 1
Tipologia textual 1Tipologia textual 1
Tipologia textual 1
Éric Santos
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
Edson Alves
 
Garanta a qualidade dos seus argumentos
Garanta a qualidade dos seus argumentosGaranta a qualidade dos seus argumentos
Garanta a qualidade dos seus argumentos
Adolfo Hickmann
 
Como Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãOComo Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãO
martinsramon
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
Nádia França
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
7 de Setembro
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
7 de Setembro
 
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Edson Alves
 
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptxTEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
Paulo Ricardo Dias Fernandes
 
Texto Argumentativo
Texto ArgumentativoTexto Argumentativo
Texto Argumentativo
complementoindirecto
 
produção textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptxprodução textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptx
almeidaluana280
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
BerlaPaiva
 
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaTexto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Robson Melo
 
Dissertaçao
DissertaçaoDissertaçao
O que é argumentar
O que é argumentarO que é argumentar
O que é argumentar
Helena Coutinho
 
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVADISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
Christiane Queiroz
 
Artigo de opiniao.pptx
Artigo de opiniao.pptxArtigo de opiniao.pptx
Artigo de opiniao.pptx
FtimaDantas7
 
Aulas de Redação
Aulas de RedaçãoAulas de Redação
Aulas de Redação
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
complementoindirecto
 
Técnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para DissertaçãoTécnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para Dissertação
Tati Borlote Varanda
 

Semelhante a Aulão de redação -Resumo de redação (20)

Tipologia textual 1
Tipologia textual 1Tipologia textual 1
Tipologia textual 1
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Garanta a qualidade dos seus argumentos
Garanta a qualidade dos seus argumentosGaranta a qualidade dos seus argumentos
Garanta a qualidade dos seus argumentos
 
Como Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãOComo Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãO
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
Aula01 textodissertativo-argumentativo-estrutura-130529182019-phpapp02
 
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptxTEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO.pptx
 
Texto Argumentativo
Texto ArgumentativoTexto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
produção textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptxprodução textual, enem, vestibular .pptx
produção textual, enem, vestibular .pptx
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
 
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estruturaTexto dissertativo / argumentativo - A estrutura
Texto dissertativo / argumentativo - A estrutura
 
Dissertaçao
DissertaçaoDissertaçao
Dissertaçao
 
O que é argumentar
O que é argumentarO que é argumentar
O que é argumentar
 
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVADISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
DISSERTAÇÃO ARGUMENTATIVA
 
Artigo de opiniao.pptx
Artigo de opiniao.pptxArtigo de opiniao.pptx
Artigo de opiniao.pptx
 
Aulas de Redação
Aulas de RedaçãoAulas de Redação
Aulas de Redação
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
 
Técnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para DissertaçãoTécnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para Dissertação
 

Mais de Cursos Profissionalizantes

Hiv o início
Hiv o inícioHiv o início
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova EconomiaAtendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Cursos Profissionalizantes
 
Curso de Administração Geral
Curso de Administração GeralCurso de Administração Geral
Curso de Administração Geral
Cursos Profissionalizantes
 
Marketing de Serviços
Marketing de ServiçosMarketing de Serviços
Marketing de Serviços
Cursos Profissionalizantes
 
Técnicas de Recrutamento
Técnicas de RecrutamentoTécnicas de Recrutamento
Técnicas de Recrutamento
Cursos Profissionalizantes
 
Administração Geral
Administração GeralAdministração Geral
Administração Geral
Cursos Profissionalizantes
 
Marketing Pessoal
Marketing PessoalMarketing Pessoal
Marketing Pessoal
Cursos Profissionalizantes
 
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economiaAtendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Cursos Profissionalizantes
 
Então é natal
Então é natalEntão é natal
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Cursos Profissionalizantes
 
Elaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicosElaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicos
Cursos Profissionalizantes
 
Como escrever teses
Como escrever tesesComo escrever teses
Como escrever teses
Cursos Profissionalizantes
 
Como escrever dissertações
Como escrever dissertaçõesComo escrever dissertações
Como escrever dissertações
Cursos Profissionalizantes
 
Técnicas de negociação
Técnicas de negociaçãoTécnicas de negociação
Técnicas de negociação
Cursos Profissionalizantes
 
Comunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentaçãoComunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentação
Cursos Profissionalizantes
 
Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1
Cursos Profissionalizantes
 
Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2
Cursos Profissionalizantes
 
Apresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negóciosApresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negócios
Cursos Profissionalizantes
 
Marketing
MarketingMarketing
empreendedorismo
empreendedorismoempreendedorismo
empreendedorismo
Cursos Profissionalizantes
 

Mais de Cursos Profissionalizantes (20)

Hiv o início
Hiv o inícioHiv o início
Hiv o início
 
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova EconomiaAtendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
 
Curso de Administração Geral
Curso de Administração GeralCurso de Administração Geral
Curso de Administração Geral
 
Marketing de Serviços
Marketing de ServiçosMarketing de Serviços
Marketing de Serviços
 
Técnicas de Recrutamento
Técnicas de RecrutamentoTécnicas de Recrutamento
Técnicas de Recrutamento
 
Administração Geral
Administração GeralAdministração Geral
Administração Geral
 
Marketing Pessoal
Marketing PessoalMarketing Pessoal
Marketing Pessoal
 
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economiaAtendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economia
 
Então é natal
Então é natalEntão é natal
Então é natal
 
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
 
Elaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicosElaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicos
 
Como escrever teses
Como escrever tesesComo escrever teses
Como escrever teses
 
Como escrever dissertações
Como escrever dissertaçõesComo escrever dissertações
Como escrever dissertações
 
Técnicas de negociação
Técnicas de negociaçãoTécnicas de negociação
Técnicas de negociação
 
Comunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentaçãoComunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentação
 
Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1
 
Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2
 
Apresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negóciosApresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negócios
 
Marketing
MarketingMarketing
Marketing
 
empreendedorismo
empreendedorismoempreendedorismo
empreendedorismo
 

Último

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 

Último (20)

A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Aulão de redação -Resumo de redação

  • 2. INTRODUÇÃO Regras da Gramática Consultar dicionários Cuidado com palavras ambíguas Linguagem adequada Clareza, objetividade e precisão Reler e reescrever o texto
  • 3. ESTILO Palavra como instrumento do pensamento Frase bem construída Abreviaturas Palavras estrangeiras
  • 4. ESTRUTURA Descritiva Dissertativa Expositiva Argumentativa
  • 5. CONCLUSÃO Arremate de idéias Não é resumo!!!!!
  • 6. REDAÇÃO Requisitos básicos para produção de um texto: - ter domínio do idioma; - conhecer o assunto a ser tratado; - conhecer as técnicas.
  • 7. - seleção das informações; - organização das informações. PRODUÇÃO DAS IDÉIAS
  • 8. TIPOLOGIA TEXTUAL DESCRIÇÃO É a forma mais primária de produção de textos. Alicerces da descrição: nossa imaginação e os nossos cinco sentidos. Descrever é caracterizar uma cena, um estado, um momento vivido ou sonhado por meio da nossa percepção sensorial e de nossa imaginação criadora.
  • 9. NARRAÇÃO Narrar é contar um ou mais fatos que ocorrem com determinados personagens, em local e tempo definidos.
  • 10. DISSERTAÇÃO É a exposição de opiniões a respeito de um determinado assunto. Dissertar é discutir idéias, analisá-las e apresentar provas que justifiquem e convençam o leitor da validade do ponto de vista de quem as defende.
  • 11. Dissertar é, pois, analisar de maneira crítica situações diversas, questionando a realidade e apresentando nosso posicionamento diante dela.
  • 12. A dissertação, por isso, pressupõe: - exame crítico do assunto sobre o qual se vai escrever; - raciocínio lógico; - clareza, coerência e objetividade na exposição.
  • 13. ESTRUTURA DA DISSERTAÇÃO INTRODUÇÃO - DESENVOLVIMENTO - CONCLUSÃO INTRODUÇÃO É a apresentação do assunto. O parágrafo introdutório caracteriza-se por apresentar uma idéia-núcleo por meio de uma afirmação, interrogação, definição, citação, etc., combinados ou não entre si.
  • 14. DESENVOLVIMENTO É a análise crítica da idéia central. Pode ocupar vários parágrafos em que se expõem juízos, raciocínios, provas, exemplos, testemunhos históricos e justificativas que argumentem a idéia central proposta no primeiro parágrafo.
  • 15. Para desenvolver o assunto de uma dissertação, podemos utilizar os seguintes recursos: a) citações b) dados estatísticos c) justificativas d) exemplos e) comparações
  • 16. CONCLUSÃO É o ponto de chegada da discussão, a parte final do texto em que se condensa o conteúdo desenvolvido, reafirma-se o posicionamento exposto na tese ou lança-se perspectiva sobre o assunto. Um meio adequado de bem concluir é aquele em que sintetizamos o assunto nos termos em que foi proposto ou questionado na etapa introdutória.
  • 17. Características de um boa dissertação: Um texto não é um mero aglomerado de frases ou parágrafos avulsos. Um bom texto constitui-se de uma seqüência de idéias argumentadas e harmonizadas entre si destinadas a um interlocutor real ou virtual.
  • 18. Para se redigir um texto dissertativo, são indispensáveis: O texto deve desenvolver-se em torno de um assunto. As idéias que lhe são pertinentes devem suceder-se em ordem seqüente e lógica, completando e enriquecendo a idéia-núcleo expressa na tese. Não deve haver redundância nem pormenores desnecessários. UNIDADE:
  • 19. Deve haver associação e correlação das idéias na construção dos períodos e na passagem de um parágrafo a outro. Os elementos de ligação são indispensáveis para entrosar orações, períodos e parágrafos. COERÊNCIA :
  • 20. Vocabulário preciso e coerente às idéias expostas. O aprimoramento da linguagem e a diversidade são fundamentais para adequar idéias e palavras. É obrigatório o uso da língua padrão culta. CLAREZA DE IDÉIAS :
  • 21. Exame e discussão crítica do assunto, por meio de argumentos convincentes, gerados pelo acervo de conhecimento pessoais. É um processo de análise e síntese. CRITICIDADE :
  • 22. Distribuição organizada do conteúdo pelos parágrafos e uma clara articulação entre as partes por meio do uso apropriado de recursos coesivos como a pronominalização, a elipse, a sinonímia, os conectivos. COESÃO :
  • 23. Consiste em apresentar os aspectos, fatos ou opiniões de modo pessoal, sem imitação de processos ou particularidades alheios. Na originalidade, está a criatividade . Pode revelar-se tanto nas idéias como nas expressões. Idéias originais são idéias próprias. ORIGINALIDADE :
  • 24. TÍTULO A redação só deve ser intitulada depois de concluída. Não há necessidade de sublinhar o título ou de colocá-lo entre aspas. Só coloque pontuação, se houver verbo.
  • 25. TÉCNICAS PARA ELABORAR UMA DISSERTAÇÃO Esquema básico da dissertação Tema: No verão, os habitantes de Florianópolis passam por diversos problemas . POR QUÊ? 1. O trânsito para as praias fica congestionado. 2. Há constante falta d’água. 3. Muitos turistas comportam-se de maneira inadequada.
  • 26. As relações de Causa e Conseqüência Tema: Constatamos que, no município de Florianópolis, existe um grande movimento migratório que se desloca de diversos locais do Brasil. POR QUÊ? Causa: Muitas cidades não oferecem mais qualidade de vida para seus moradores, dificultando, desse modo o sua permanência nelas.
  • 27. O QUE ACONTECE EM RAZÃO DISSO? Conseqüência: Florianópolis encontra-se despreparada para absorver esses migrantes e oferecer-lhes condições de vida esperada por eles.
  • 28. A abordagem de temas polêmicos Tema: Existem discussões que divergem com relação à legalização dos cassinos no país. Aspecto favorável: Com a legalização haverá pagamento de impostos. Aspecto contrário: O jogo é uma ameaça à estrutura familiar.
  • 29. A retrospectiva histórica Tema: Vivemos atualmente a era da comunicação e recebemos todos os dias informações sobre os mais diferentes pontos da Terra, que nos chegam com a rapidez e eficiência dos veículos eletrônicos do mundo contemporâneo. Retrospectiva : Época mais distante. Época mais próxima. Época atual.
  • 30. A localização espacial Tema: Não raro tomamos conhecimento, pelos meios de comunicação, do desejo de promover o diálogo Norte-Sul, para tentar buscar uma nova ordem nas relações econômicas entre os países desses dois hemisférios. REGIÃO GEOGRÁFICA 1 REGIÃO GEOGRÁFICA 2
  • 31. A dissertação com predominância crítica Tema: O ser humano, no decorrer de milênios de sua História, tem provado possuir uma natureza destrutiva que persiste independentemente do desenvolvimento científico e cultural da humanidade.
  • 32. Introdução: A perplexidade diante da situação. Desenvolvimento: Referência a fatos de conhecimento público. 2. Comentários críticos ( crítica dos fatos, idéias ou circunstâncias). Conclusão: Observação crítica seguida de uma expectativa.
  • 33. EXERCÍCIO Observe os temas a seguir e aponte o esquema mais adequado para desenvolvê-los: a) Nos últimos tempos, vêm ocorrendo intensas discussões a propósito dos meios de combater a violência praticada por menores, nas grandes cidades. b) Cogita-se, com muita freqüência, da implantação da pena de morte no Brasil. c) Chegando ao terceiro milênio, o homem ainda não conseguiu resolver graves problemas que preocupam a todos.
  • 34. d) Em nossa sociedade, a mulher tem conseguido um grande avanço na luta pela sua emancipação. e) A maior parte da classe política brasileira não goza de muito prestígio e confiabilidade por parte da população. f) A melhor maneira de melhorar o padrão de vida está em melhorar o padrão de pensamento. g) A felicidade não consiste em alcançar aquilo que se deseja, mas em gostar do que se tem.
  • 35. ARGUMENTOS DISSERTATIVOS Argumentar é convencer ou tentar convencer alguém a respeito da veracidade das idéias que estamos veiculando. É o procedimento usado para convencer o leitor de que nossa posição é a correta e para levá-lo a dar sua adesão às teses defendidas pelo texto.
  • 36. Como se faz uma boa argumentação? 1 o – é preciso ter bem claro o que queremos dizer – delimitar bem o assunto; 2 o – formular idéias – também claras – sobre o assunto delimitado; 3 o – estruturar essas idéias com frases bem formuladas; 4 o – tentar provar cada idéia – argumento – por meio da evidência do raciocínio e das provas.
  • 37. RECURSOS LINGÜÍSTICOS USADOS PARA CONFIRMAR A VALIDADE DAS IDÉIAS: Argumentos de autoridade : citar autores renomados dá credibilidade sobre um ponto de vista. Argumentos baseados no consenso : citar proposições aceitas como verdadeiras, numa certa época.
  • 38. Argumentos baseados em provas concretas : apoiar as posições pessoais em fatos. Comprová-las por dados pertinentes e adequados. Argumentos com base nas relações de causa e conseqüência. Argumentos baseados em exemplos. Argumentos baseados em oposição: apontar oposições entre idéias e fatos. Argumentos baseados em semelhanças ; aproximar dois elementos com base na semelhança entre eles.
  • 39. LEMBRETES QUE PODEM MELHORAR SEU TEXTO 1. antes de começar a escrever, faça um esquema de seu texto, dividindo em parágrafos as idéias que pretende expor. Isso evita repetição ou esquecimento de alguma idéia; 2. Cheque se os pontos de vista que você vai defender não são contraditórios em relação à tese. Elabore as relações de causa e conseqüência ou os pólos positivos e negativos do tema;
  • 40. 3. Não tenha preguiça de refazer seu texto várias vezes. É a melhor maneira de se chegar a um bom resultado. Procure redigir em aproximadamente uma hora; 4. Enquanto escreve em casa, tenha sempre à mão um dicionário para checar a grafia das palavras e descobrir sinônimos que evitem a repetição; 5. Não fuja do tema proposto;
  • 41. 6. Escreva o que você pensa sobre o tema dado e não o que você acredita que o corretor do texto gostaria que fosse escrito. Jamais analise os temas propostos movido por emoções exageradas; 7. Não escreva sobre o que você não conhece, nem utilize sua redação para fins doutrinários; 8. Use a linguagem padrão em seu nível culto;
  • 42. 9. Empregue a linguagem denotativa; 10. Não empregue palavras cujo significado seja desconhecido para você; 11. Evite lugar-comum: frases feitas e expressões cristalizadas, como a pureza das crianças , a sabedoria dos velhos , etc. evite também gírias e a palavra coisa (procure o vocábulo adequado a cada idéia); não use etc .; não abrevie palavras;
  • 43. 12. Evite repetir palavras, use sinônimos. Há repetições que enfatizam. Mas, fora o caso intencional da ênfase, repetir revela pobreza de vocabulário ou desleixo ; 13. Evite expressões do tipo belo, bom, mau, incrível, péssimo, triste, pobre, - são juízos de valor sem carga informativa, imprecisos e subjetivos;
  • 44. 14. Não “encha lingüiça”! Cada palavra deve ser fundamental e informativa na redação. À falta de idéias, não fique repetindo a mesma coisa com palavras diferentes. Isso é redundância, é prolixidade, é terrível defeito! É preferível poucas linhas bem redigidas a muito mal escritas. Faça um trabalho honesto; 15. Não aumento o tamanho da letra para dar a impressão de que escreveu bastante. Isso indispõe o avaliador;
  • 45. 16. Letra estilo “bicho-de-pé”, não pode (só se vê a linha de tão pequena). ( avaliador não vai colocar lente de aumento só para corrigir a sua redação; 17. Não repita idéias, tentando explicá-las. Se você escrever com clareza, uma só vez basta; 18. Não se desculpe dizendo que não escreveu mais porque o tempo foi pouco;
  • 46. 19. Cuidado com o uso inadequado das conjunções. Elas podem estabelecer relações que não existem entre as frases e tornar o texto sem nexo; 20. Se usar uma pergunta na tese, responda-a ao longo do texto. Evite interrogações na argumentação e na conclusão. Para aprofundar seus argumentos, suas afirmações, use exemplos: fatos notórios ou históricos, conhecimentos geográficos, cifras aproximadas e informações adquiridas por meio de leitura, estudo e aquisições culturais (bagagem cultural);
  • 47. 21. Pensamento novo, período novo. É comum, entre os que iniciam, misturar no mesmo período idéias que não se completam; 22. Tome cuidado com os períodos muito longos: resultam confusos e são propícios a períodos incompletos; 23. Não empregue a primeira pessoa do singular; 24. Atenção à falta de paralelismo;
  • 48. 26. Faça parágrafos a, mais ou menos, três centímetros da margem; 27. Atinja a margem direita e esquerda sem ultrapassá-las; 28. Faça letra legível; se escrever em letra de forma, procure distinguir as maiúsculas das minúsculas; 25. Centralize o título (só use aspas se for citação);
  • 49. 30. Rascunhe suas idéias antes de passá-las para a folha definitiva; 31. Não exceda o limite máximo de linhas; nem fique aquém do limite mínimo; 29. Não borre, não rabisque, nem rasure o texto definitivo;
  • 50. f) coerência com o tema proposto. e) tese, argumentação e conclusão; d) uso da terceira pessoa do singular, mais partícula se ; ou, primeira pessoa do plural; c) domínio do léxico e da estrutura da língua; b) elaboração crítica, coerência e clareza; a) concatenação de idéias (parágrafos e frases interligados coerentemente); 32. Com os temas dissertativos, o texto deve apresentar:
  • 51. 33. Texto dissertativo não deve apresentar: a) interrogações na argumentação ou na conclusão (só o título e a introdução podem apresentar interrogação); b) uso da primeira pessoa do singular, salvo exigências feitas pela banca; c) conversa com o leitor; d) fuga ao tema ou à modalidade (dissertação) solicitada;
  • 52. e) título inadequado; f) uso indevido de clichês, frases prontas e chavões, palavrões, gírias; g) abordagem subjetiva e emocional do tema; h) superficialidade, julgamentos gratuitos e infundados; i) linguagem inadequada (coloquial); j) diálogo, nem personagens.
  • 53. 34. Na conclusão é possível: a) retomar a tese, reafirmando-a; b) retomar a tese, oferecendo soluções viáveis para os problemas abordados na argumentação.