SlideShare uma empresa Scribd logo
REAÇÕES QUÍMICAS
PRODUZINDO
CORRENTE ELÉTRICA
CORRENTE ELÉTRICA
PRODUZINDO
REAÇÃO QUÍMICA
PROF. VINICIUS SILVA
A relação entre as reações químicas e a corrente
elétrica é estudada por um ramo da química
chamado
ELETROQUÍMICA
Quando uma reação química de
óxido redução, espontânea,
produz energia elétrica teremos uma
PILHA ELETROQUÍMICA
Quando uma corrente elétrica
provoca uma
reação química teremos uma
ELETRÓLISE
PROF. VINICIUS SILVA
PILHA DE DANIELLPILHA DE DANIELL
Esta pilha baseia-se na seguinte reação:
Zn + CuCuSO4 + ZnSO4
ou, na forma iônica
Zn + CuCu2+
+ Zn2+
**
ELÉTRONS
PROF. VINICIUS SILVA
Zn2+
Zn2+
Zn2+
Zn2+
Cu2+
Cu2+
Cu2+
Cu2+
ELÉTRONS
PONTE SALINA
CÁTIONSÂNIONS
E isto seria possível montando
um esquema do tipo representado a seguir
PROF. VINICIUS SILVA
Zn2+
Zn2+
Zn2+
Zn2+
ELÉTRONS
PONTE SALINA
CÁTIONSÂNIONS
À medida que a reação vai ocorrendo
poderemos fazer as seguintes
observações
O eletrodo de zinco vai se desgastando com
o passar do tempo
O eletrodo de cobre terá sua massa aumentada
Cu2+
Cu2+
Cu2+
Cu2+
solução de ZnSO4 vai ficando mais concentrada
Zn2+
Zn2+
Zn2+
Zn2+
A solução de CuSO4 vai ficando mais diluída
Nas soluções teremos a passagem dos íons, em
excesso, de um lado para o outro através da ponte
salina
Neste processo teremos,
simultaneamente,
a ocorrência das seguintes reações:
Zn 2 e –
+Zn2+
(semi-reação de oxidação)
CuCu2+
+ 2 e –
(semi-reação de redução)
Cu2+
Zn + Zn2+
Cu+ (reação global)
PROF. VINICIUS SILVA
Zn2+
Zn2+
Zn2+
Zn2+
Cu2+
Cu2+
Cu2+
Cu2+
ELÉTRONS
PONTE SALINA
CÁTIONS
O pólo de onde saem os elétrons
ocorrendo a oxidação chama-se
ANODO e corresponde ao PÓLO
NEGATIVO
ÂNODO
O pólo onde chegam os elétrons
ocorrendo a
redução chama-se
CATODO e corresponde ao PÓLO
POSITIVO
CÁTODO
+
PROF. VINICIUS SILVA
REPRESENTAÇÃO DE UMA PILHA
Uma pilha, segundo a IUPAC,
deve ser representada da seguinte forma:
Para a pilha de DANIELL
Zn0
Cu2+
Zn2+
Cu0
M1 M2M1 M2
0 x+ y+ 0
PROF. VINICIUS SILVA
Co
01) Observando a pilha abaixo, responda:
a) Quais as semi-reações?
Co2+
Au3+
Au
b) Qual a reação global?
3
2Co – e Co2+
Au3+
+ e Au-
-6
6
33
2 2
Co – 2 e Co2+
semi-reação de oxidação-
Au3+
+ 3 e Au semi-reação de redução-
2 Au (reação global)3 Co + 2 Au3+
3 Co2+
+
PROF. VINICIUS SILVA
c) Quem sofre oxidação? Co
Co Co2+
Au3+
Au
Au3+d) Quem sofre redução?
e) Qual o eletrodo positivo ou cátodo? Au
f) Qual o eletrodo negativo ou ânodo? Co
g) Que eletrodo será gasto? Co
h) Qual dos eletrodos terá a sua massa aumentada? Au
PROF. VINICIUS SILVA
02) (Covest–2005) Podemos dizer que, na célula eletroquímica:
a) o magnésio sofre redução.
b) o ferro é o ânodo.
c) os elétrons fluem, pelo circuito externo, do magnésio
para o ferro.
d) há dissolução do eletrodo de ferro.
e) a concentração da solução de Mg2+
diminui com o
tempo.
Mg Mg2+
Fe3+
Fe
PROF. VINICIUS SILVA
03) As relações existentes entre os fenômenos elétricos e as
reações química são estudadas:
a) na termoquímica.
b) na eletroquímica.
c) na cinética química.
d) no equilíbrio químico.
e) na ebuliometria.
PROF. VINICIUS SILVA
04) O pólo onde saem os elétrons, em uma
pilha, é:
a) cátodo.
b) pólo positivo.
c) ânodo.
d) o eletrodo que aumenta a massa.
e) o que ocorre redução.
PROF. VINICIUS SILVA
Os metais que fazem parte de uma reação
de óxido-redução
têm uma tendência a
CEDER ou RECEBER ELÉTRONS
Essa tendência é determinada pelo
potencial de eletrodo (E),
medido em volts (V)
PROF. VINICIUS SILVA
Quanto maior for a medida
do potencial de oxidação,
maior é a tendência
do metal ceder elétrons
Quanto maior for a medida
do potencial de redução,
maior é a tendência
do metal ganhar elétrons
PROF. VINICIUS SILVA
Este potencial, em geral, é medido a
1 atm, 25°C e solução 1 mol/L
Sendo assim, nestas condições,
Chamado de
POTENCIAL NORMAL DE ELETRODO (E°)
Esse potencial é medido tomando-se como
referencial um eletrodo de hidrogênio,
que tem a ele atribuído o potencial “0,00 V”
PROF. VINICIUS SILVA
TABELA DE
POTENCIAIS-PADRÃO DE REDUÇÃO
(1 atm e 25°C)
PROF. VINICIUS SILVA
Para a pilha de Daniell os potenciais são:
Zn2 e –
+Zn2+
CuCu2+
+ 2 e –
E° = – 0,76 Vred
E° = + 0,34 Vred
Como o cobre tem um maior potencial normal de redução
ele vai ganhar elétrons, sofrendo redução,
e o zinco vai perder elétrons, sofrendo oxidação
CuCu2+
+ 2 e –
E° = + 0,34 Vred
Zn 2 e –
+Zn2+
E° = + 0,76 Voxi
Zn + Cu2+
Zn2+
+ Cu ΔE = + 1,10 V
PROF. VINICIUS SILVA
01) Conhecendo as seguintes semi-reações e os seus potenciais
padrão de redução abaixo, determine a “ d.d.p “ da pilha formada
pelos eletrodos indicados:
Sn2 e –
+Sn2+
AgAg1+
+ 1 e –
E° = – 0,14 V
E° = + 0,80 V
O potencial de redução da prata
é maior que o do estanho
A prata sofre redução e o estanho sofre oxidaçãoA prata sofre redução e o estanho sofre oxidação
AgAg1+
+ e –
E° = + 0,80 V
Sn 2 e –
+Sn2+
E° = + 0,14 V
12 22
+ 0,94 V
a) + 0,54 V.
b) + 0,66 V.
c) + 1,46 V.
d) + 0,94 V.
e) + 1,74 V.
PROF. VINICIUS SILVA
02)(Covest-2006) O ácido ascórbico, mais conhecido por vitamina C,
é uma substância que apresenta atividade redox. Sendo o
potencial de redução do ácido ascórbico, em pH = 7, igual a 0,06
V,
podemos compará-lo com outras substâncias conhecidas, cujos
potenciais de redução a pH = 7 são também apresentados:
O2 (g) -4 e H+
Fe2+Fe3+ + -e
E° = 0,816 V
E° = 0,77 V
E° = – 0,42 V
+
(aq)
H2O (l)
(aq)(aq)
H+
(aq)
-2 e+ H2 (g)
+
Com base nessas informações, podemos afirmar que o ácido
ascórbico deve ser capaz de:
Ácido ascórbico: E = 0,06 V (redução)
a) reduzir o íon Fe3+
b) oxidar o íon Fe2+
c) oxidar o O2.
d) reduzir a água.
e) oxidar o íon H+
PROF. VINICIUS SILVA
03) Considere as seguintes semi-reações e os potenciais
normais de redução:
O potencial da pilha formada pela junção dessas duas
semi-reações é:
a) + 1,25 V.
b) – 1,25 V.
c) + 1,75 V.
d) – 1,75 V.
e) + 3,75 V.
Ni 2+
+ 2 e – Ni E 0
= – 0,25 V
Au 3+
+ 3 e –
Au E 0
= + 1,50 V
Au 3+
+ e –
Au E 0
= + 1,50 V
Ni Ni 2+
+ e – E 0
= + 0,25 V
3
2
62 2
63 3
2 Au 3+
+ 3 Ni  2 Au + 3 Ni +2
E 0
= + 1,75 V
PROF. VINICIUS SILVA
Estes objetos foram recobertos com um
metal através de um processo químico chamado de
ELETRÓLISE
PROF. VINICIUS SILVA
Pode-se dizer que
ELETRÓLISE
é o fenômeno de decomposição de uma
substância pela ação de uma
CORRENTE ELÉTRICA
A eletrólise ocorre com soluções onde existam íons ou
com substâncias iônicas fundidas
PROF. VINICIUS SILVA
Uma fonte de energia
faz passar uma
corrente elétrica pelo
recipiente contendo a
solução, ou a
substância fundida,
provocando a reação
química e liberando as
espécies finais nos
eletrodos
ÂNIONS
GERADOR
CÁTIONS
ELÉTRONS
+ –
+ –
ELÉTRONS
PROF. VINICIUS SILVA
01) As reações de eletrólise só ocorrem em sistemas que
contenham ________ em movimento. Nessas transformações
há consumo de energia _____________ .
Completam-se, respectivamente, com:
a) átomos e luminosa.
b) moléculas e luminosa.
c) moléculas e térmica.
d) átomos e elétrica.
e) íons e elétrica.
ÍONS
ELÉTRICA
PROF. VINICIUS SILVA
02) Em um processo de eletrólise é correto afirmar
que:
a) não há passagem de corrente elétrica.
b) substâncias são apenas oxidadas.
c) substâncias são apenas reduzidas
d) o elemento oxidante doa elétrons.
e) oxidação e redução são sempre simultâneas.
PROF. VINICIUS SILVA
Podemos dividir a eletrólise em
ÍGNEA e AQUOSA
ELETRÓLISE ÍGNEA
Ocorre com a substância iônica na fase
líquida (fundida)
ELETRÓLISE AQUOSA
Ocorre quando o eletrólito
se encontra dissolvido na ÁGUA
PROF. VINICIUS SILVA
ÂNIONS
GERADOR
CÁTIONS
ELÉTRONS
+ –
+ –
ELÉTRONS
No pólo negativo (cátodo)
os cátions
recebem elétrons
(sofrem redução)
e descarregam.
C x+ + C
A x – A
-x e
No pólo positivo (ânodo)
os ânions
perdem elétrons
(sofrem oxidação)
e descarregam.
-x e
Na eletrólise
o pólo negativo é o cátodo
e o pólo positivo o ânodo.
PROF. VINICIUS SILVA
Eletrólise ígnea do
CLORETO DE SÓDIO ( NaCl )
No estado fundido teremos os íons
sódio (Na+
) e cloreto (Cl–
)
Pólo negativo: Na+
+ e –  Na
Pólo positivo: Cl – – e –  Cl22 2
2 2 2
Reação global:
Na+
+ 2 e –
 Na2 2
Cl – – e–  Cl22 2
2 NaCl  Na2 + Cl2
PROF. VINICIUS SILVA
01) No cátodo de uma célula de eletrólise sempre ocorre:
a) deposição de metais.
b) uma semi-reação de redução.
c) produção de corrente elétrica.
d) desprendimento de hidrogênio.
e) corrosão química.
+
+
-
-
GERADOR
ânodo cátodo
cátionsânions
elétrons
elétrons
C
x +
+ C-x e
PROF. VINICIUS SILVA
02) A eletrólise de cloreto de sódio fundido produz sódio
metálico e gás cloro. Nesse processo, cada íon:
a) sódio recebe dois elétrons.
b) cloreto recebe um elétron.
c) sódio recebe um elétron.
d) cloreto perde dois elétrons.
e) sódio perde um elétron.
Pólo positivo: Cl – – e –  Cl22 2
Pólo negativo: Na+
+ e –  Na2 2 2
Na + Cl
–
PROF. VINICIUS SILVA
03) O alumínio é obtido industrialmente pela eletrólise ígnea
da alumina (Al2O3). Indique a alternativa falsa:
a) O íon alumínio sofre redução.
b) O gás oxigênio é liberado no ânodo.
c) O alumínio é produzido no cátodo.
d) O metal alumínio é agente oxidante.
e) O íon O2- sofre oxidação.
Al
+3
O
–2
32
Pólo negativo: Al+3
+ e –
 Al
Pólo positivo: O – 2 – e –  3/2 O23 6
2 6 2
+
+
-
-
GERADOR
ânodo cátodo
cátionsânions
elétrons
elétrons
PROF. VINICIUS SILVA
Na eletrólise aquosa teremos a presença de
“ DOIS CÁTIONS “ e “ DOIS ÂNIONS “
Na eletrólise aquosa teremos a presença de
“ DOIS CÁTIONS “ e “ DOIS ÂNIONS “
Neste caso teremos que observar a
“ ORDEM DE DESCARGA DOS ÍONS ”
PÓLO POSITIVO
A oxidrila descarrega antes que os ânions
oxigenados e fluoreto
ÂNIONS
NÃO-OXIGENADOS
> OH – ÂNIONS OXIGENADOS
o F –
>
PROF. VINICIUS SILVA
PÓLO NEGATIVO
O íon H+
descarrega antes dos cátions
dos alcalinos, alcalinos terrosos e alumínio
DEMAIS
CÁTIONS
> H+ CÁTIONS DOS ALCALINOS (1A),
ALCALINOS TERROSOS (2A) e Al3+
>
PROF. VINICIUS SILVA
Na descarga do H ocorre a seguinte reação:+
2 OH –
– 2 e –
H2O + 1/2 O2-
2 H + 2 e H2-+
Na descarga do OH ocorre a seguinte reação:-
PROF. VINICIUS SILVA
Eletrólise aquosa do NaCl
ionização da água : H2O  H+
+ OH
–
dissociação do NaCl : NaCl  Na+
+ Cl –
o Cl –
tem prioridade diante do OH –
No ânodo (pólo positivo)
–2 Cl –
2 e  Cl2
o H+
tem prioridade diante do Na+
No cátodo (pólo negativo)
2 H+
+ 2 e –
 H2
PROF. VINICIUS SILVA
– –2 Cl – 2 e  Cl2ÂNODO :
CÁTODO : 2 H + 2 e  H2
+ –
ficam na solução os íons Na+
e OH –
tornando a mesma básica
devido á formação do NaOH
A reação global que ocorre nesta
eletrólise aquosa é:
2 NaCl + 2 H2O H2 + Cl2 + 2 NaOH
PROF. VINICIUS SILVA
GERADOR
ELÉTRONS
+ –
+ –
ELÉTRONS
CÁTODO
OH
–
Cl
Na
+
– Cl
Na
OH
+
–
–
Cl2
2 H +
H + H +
ÂNODO
ELETRÓLISE AQUOSA DO NaClELETRÓLISE AQUOSA DO NaCl
Cl – – e–
 Cl22 2
2 H + e–2  H2
+
A solução final
apresenta
caráter básico,
devido à formação do
NaOH
A solução final
apresenta
caráter básico,
devido à formação do
NaOH
PROF. VINICIUS SILVA
Eletrólise aquosa do CuSO4Eletrólise aquosa do CuSO4
Ionização da água
H2O H + OH+ –
Dissociação do CuSO4
CuSO4 Cu + SO4
2+ 2 –
No ânodo (pólo positivo) a oxidrila tem
prioridade diante do sulfato
2 OH – 2 e H2O + 1/2 O2
– -
No cátodo (pólo negativo) o íon cúprico tem
prioridade diante do H
+
Cu + 2 e Cu-2+
Ficam na solução os íons H e SO4
tornando a mesma ácida devido á
formação do H2SO4
+ 2 –
PROF. VINICIUS SILVA
01) Quando se faz passar uma corrente elétrica através de uma
solução aquosa de iodeto de potássio pode-se verificar que:
a) ocorre migração de K+
para o ânodo e I –
para o cátodo.
b) ocorre migração do H+
para o cátodo e I –
para o ânodo.
c) a solução torna-se ácida devido à formação de HI.
d) a solução permanece neutra devido à formação de H2
e I2
.
e) há formação de I2
no cátodo.
ionização da água : H2O  H+
+ OH –
dissociação do KI : KI  K+
+ I –
2 H+
2 e–
 H2+
Pólo negativo:
(cátodo)
Ficam na soluçãoFicam na soluçãoK +K +
OH –OH –
–  I22 I –Pólo positivo:
(ânodo)
2 e–
PROF. VINICIUS SILVA
02) Na eletrólise de uma solução aquosa diluída de ácido
sulfúrico:
a) Quais são os gases produzidos?
b) O que ocorre com a concentração da solução?
c) Escreva a equação global.
Ionização da água:Ionização da água:
H2O H + OH+ –
Ionização do ácido sulfúrico:Ionização do ácido sulfúrico:
H2SO4 2 H + SO4+ –2
Pólo negativo:
(cátodo)
2 H + 2 e  H2+ –
Pólo positivo:
(ânodo)
– –2 OH – 2 e  1/2 O2 + H2O
A solução vai ficando CONCENTRADA em H2SO4
2 H + 2 OH  H2 + ½ O2 + H2O+ – PROF. VINICIUS SILVA
Michael Faraday
formulou duas leis que regem
o aspecto quantitativo da eletrólise
A massa, “m”, de uma substância,
formada ou transformada numa eletrólise, é
diretamente proporcional à carga elétrica, Q,
que atravessa o circuito
Sabe-se que: Q = i x t
m = K’ x i x tm = K’ x i x t
A primeira lei de FARADAY
pode ser escrita na seguinte forma:
CONSEQÜENTEMENTE
PROF. VINICIUS SILVA
A massa, m, de uma substância,
formada ou transformada numa eletrólise,
é diretamente proporcional ao
equivalente-grama, E, dessa substância
m = K’’x E
PROF. VINICIUS SILVA
Associando as duas leis, teremos:
A constante “ K “ vale:
Então :
m = K x E x Q m = K x E x i x t
1
96500
=m
E . i . t
96500
PROF. VINICIUS SILVA
01) Uma solução de cloreto de prata é eletrolisada durante
965 segundos por uma corrente elétrica de 1 ampèr (A).
Qual a massa de prata depositada no cátodo?
Dado: Ag = 108 g / mol
t = 965 s
i = 1 A
m = ? m =
E . i . t
96500
m = 1,08 g
E =
1
108 = 108 g
m =
108 . 1 . 965
96500
PROF. VINICIUS SILVA
A carga total transportada
por 1 mol de elétrons é de 96500 C
e é denominada de 1 Faraday (F),
em homenagem ao físico-químico inglês
Michael Faraday
1 MOL DE ELÉTRONS
Ou
6,02 x 1023
ELÉTRONS
TRANSPORTA
1 FARADAY
ou
96500 C
PROF. VINICIUS SILVA
01) Uma solução de cloreto de prata é eletrolisada durante 965 s
por uma corrente elétrica de 1 ampèr (A).
Qual a massa de prata depositada no cátodo ?
Dado: Ag = 108 g / mol
Ag+ + 1 e –
 Ag Pela cuba eletrolítica passa:
Q = 1 x 965 = 965 C
96500 C 108 g
965 C m g
96500
108965
m =
x
m = 1,08 g
PROF. VINICIUS SILVA
02) Uma carga elétrica de 9650 C eletrolisa uma solução
contendo íons de cobre II. Qual a massa depositada no
eletrodo ?
Dado: Cu = 63,5 g / mol
Cu +2
+ 2 e –
 Cu
2 . 96500 C 63,5 g
9650 C m g
2 . 96500
63,5 . 9650
m = m = 3,16 g
PROF. VINICIUS SILVA
03) Numa célula eletrolítica contendo solução aquosa de nitrato de
prata flui uma corrente elétrica de 5,0 A durante 9650 segundos.
Nessa experiência, quantos gramas de prata metálica são
obtidos?
Dado: Ag = 108 g/mol
a) 108 g.
b) 100 g.
c) 54,0 g.
d) 50,0 g.
e) 10,0 g.
i = 5,0 A
t = 9650 s
m = ?
Ag+
+ 1 e –
 Ag (s)
96500 C 108 g
5 x 9650 C m g
96500
5 x 9650 x 108
m =
96500
5211000
= m = 54,0 g
PROF. VINICIUS SILVA
04) Eletrolisa-se uma solução de CuCl2
, durante 32 minutos, com uma
corrente de 5A, obtém-se nas CNTP, o cloro num volume em mL,
de:
a) 1400.
b) 1920.
c) 1600.
d) 9650.
e) 1114.
i = 5,0 A
t = 32 min
V = ? mL
= 1920 s
2 Cl –
+ 2 e –
 Cl2 (g)
2 . 96500 C 22,4 L
5 . 1920 C V
2 . 96500
5 . 1920 . 22,4
V =
193000
215040
=
V = 1,114 L ou 1114 mL
PROF. VINICIUS SILVA
05) A corrente elétrica necessária para depositar 10,8 g de prata
através da eletrólise de uma solução de nitrato de prata durante
5 minutos é de:
Dado: Ag = 108 g/mol
a) 32,16 A .
b) 3,0 A.
c) 6,2 A.
d) 4,3 A.
e) 31,3 A.
i = ? A
t = 5 min
m = 10,8 g
= 300 s
Ag + 1 e  Ag (s)+ –
96500 C 108 g
i . 300 C 10,8 g
300 x 108
96500 x 10,8
i = i = 32,16 A
PROF. VINICIUS SILVA
06) Calcule as massas dos metais depositadas em 3 cubas
eletrolíticas, ligadas em série, submetidas a uma corrente de
4A, durante 40 minutos e 12 segundos conforme esquema:
Dados: Cu = 63,5 u; Ag = 108 u.; Fe = 56 u.
GERADOR
CuSO4 FeCl3 AgNO3
m
= constante
E
mCu mFe mAg
= =
ECu EFe EAg
PROF. VINICIUS SILVA
t = 40 min 12 s
i = 4 A
= 2412 s
Cu+2
+ 2 e –
 Cu (s)
Q = 4 x 2412 = 9648 C
2 x 96500 C  63,5g
9648 C  m g m = 3,17g
mCu mFe mAg
= =
ECu EFe EAg
(PA)Cu+2
63,5
Ecu+2
= = = 31,75g
2 2
(PA)Fe+3
56
EFe+3
= = = 18,66g
3 3
(PA)Ag+
108
EAg+
= = = 108g
1 1
3,17 mFe mAg
= =
31,75 18,66 108
m = 1,86g m = 10,78g
PROF. VINICIUS SILVA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Equilibrio1.daniela
Equilibrio1.danielaEquilibrio1.daniela
Equilibrio1.daniela
Luiz Fernando Prado
 
Estudo das Soluções
Estudo das SoluçõesEstudo das Soluções
Estudo das Soluções
Vinny Silva
 
Reaçoes quimicas
Reaçoes quimicasReaçoes quimicas
Reaçoes quimicas
Adrianne Mendonça
 
Equilíbrio Iônico
Equilíbrio IônicoEquilíbrio Iônico
Equilíbrio Iônico
Paulo Filho
 
solubilidade e precipitação
solubilidade e precipitaçãosolubilidade e precipitação
solubilidade e precipitação
Fersay
 
Aula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - SaisAula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - Sais
Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Equilibrio Químico
Equilibrio QuímicoEquilibrio Químico
Equilibrio Químico
ursomaiaalfa
 
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Fernando Abreu
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
José Nunes da Silva Jr.
 
Química Geral 2016/1 Aula 15
Química Geral 2016/1 Aula 15Química Geral 2016/1 Aula 15
Química Geral 2016/1 Aula 15
Ednilsom Orestes
 
Aula de oxirredução com experimento - Oxirredução com um problemão - http://q...
Aula de oxirredução com experimento - Oxirredução com um problemão - http://q...Aula de oxirredução com experimento - Oxirredução com um problemão - http://q...
Aula de oxirredução com experimento - Oxirredução com um problemão - http://q...
Karoline dos Santos Tarnowski
 
Teste chama 2014
Teste chama 2014Teste chama 2014
Extracao acido-base
Extracao acido-baseExtracao acido-base
Extracao acido-base
Lucas Valente
 
Reações com carbonatos e bicarbonatos
Reações com carbonatos e bicarbonatosReações com carbonatos e bicarbonatos
Reações com carbonatos e bicarbonatos
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
Fernando Lucas
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificações
Joanna de Paoli
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
Carlos Kramer
 
Equilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitaçãoEquilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitação
Adrianne Mendonça
 
Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química
Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação químicaLei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química
Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química
Carlos Kramer
 
2 estequiometria
2  estequiometria2  estequiometria
2 estequiometria
daniela pinto
 

Mais procurados (20)

Equilibrio1.daniela
Equilibrio1.danielaEquilibrio1.daniela
Equilibrio1.daniela
 
Estudo das Soluções
Estudo das SoluçõesEstudo das Soluções
Estudo das Soluções
 
Reaçoes quimicas
Reaçoes quimicasReaçoes quimicas
Reaçoes quimicas
 
Equilíbrio Iônico
Equilíbrio IônicoEquilíbrio Iônico
Equilíbrio Iônico
 
solubilidade e precipitação
solubilidade e precipitaçãosolubilidade e precipitação
solubilidade e precipitação
 
Aula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - SaisAula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - Sais
 
Equilibrio Químico
Equilibrio QuímicoEquilibrio Químico
Equilibrio Químico
 
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando AbreuEletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
Eletroquímica: pilha e eletrólise - Prof. Fernando Abreu
 
Cinética Química
Cinética QuímicaCinética Química
Cinética Química
 
Química Geral 2016/1 Aula 15
Química Geral 2016/1 Aula 15Química Geral 2016/1 Aula 15
Química Geral 2016/1 Aula 15
 
Aula de oxirredução com experimento - Oxirredução com um problemão - http://q...
Aula de oxirredução com experimento - Oxirredução com um problemão - http://q...Aula de oxirredução com experimento - Oxirredução com um problemão - http://q...
Aula de oxirredução com experimento - Oxirredução com um problemão - http://q...
 
Teste chama 2014
Teste chama 2014Teste chama 2014
Teste chama 2014
 
Extracao acido-base
Extracao acido-baseExtracao acido-base
Extracao acido-base
 
Reações com carbonatos e bicarbonatos
Reações com carbonatos e bicarbonatosReações com carbonatos e bicarbonatos
Reações com carbonatos e bicarbonatos
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Reações químicas e classificações
Reações químicas e classificaçõesReações químicas e classificações
Reações químicas e classificações
 
Equilíbrio químico
Equilíbrio químicoEquilíbrio químico
Equilíbrio químico
 
Equilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitaçãoEquilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitação
 
Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química
Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação químicaLei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química
Lei de ação das massas - Lei da velocidade de uma reação química
 
2 estequiometria
2  estequiometria2  estequiometria
2 estequiometria
 

Destaque

Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]
leveson
 
Resumo ind eletrolitica
Resumo ind eletroliticaResumo ind eletrolitica
Resumo ind eletrolitica
Alexandra Pereira
 
Produção de-alumínio-primário
Produção de-alumínio-primárioProdução de-alumínio-primário
Produção de-alumínio-primário
Rosilene Rose
 
Aula de eletôquimica
Aula de eletôquimicaAula de eletôquimica
Aula de eletôquimica
Cursos Profissionalizantes
 
Aluminio
Aluminio Aluminio
Alumínio
AlumínioAlumínio
Alumínio
Aline Costa
 

Destaque (6)

Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]
 
Resumo ind eletrolitica
Resumo ind eletroliticaResumo ind eletrolitica
Resumo ind eletrolitica
 
Produção de-alumínio-primário
Produção de-alumínio-primárioProdução de-alumínio-primário
Produção de-alumínio-primário
 
Aula de eletôquimica
Aula de eletôquimicaAula de eletôquimica
Aula de eletôquimica
 
Aluminio
Aluminio Aluminio
Aluminio
 
Alumínio
AlumínioAlumínio
Alumínio
 

Semelhante a EletroquÍmica

Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptxAulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
sintiasousa3
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
Estude Mais
 
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redoxCORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CleideSilva988844
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
Felicio1956
 
Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica
Felicio1956
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
Felicio1956
 
Química - Eletrólise
Química - EletróliseQuímica - Eletrólise
Química - Eletrólise
Carson Souza
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
Alberto Pethrus
 
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2seriesResolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Eldmara Santos
 
Eletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletroliseEletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletrolise
daiaprof
 
Eletroquímica ii
Eletroquímica iiEletroquímica ii
Eletroquímica ii
japquimica
 
TEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICATEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICA
Cursos Profissionalizantes
 
Eletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ FundamentosEletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ Fundamentos
Profa Fabíola Química
 
Eletroquímica eletrólise
Eletroquímica   eletróliseEletroquímica   eletrólise
Eletroquímica eletrólise
Quimica Ensino
 
Exercícios 3º valdecir
Exercícios   3º valdecirExercícios   3º valdecir
Exercícios 3º valdecir
valdecirkelvin
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
cris_bastardis
 
Eletrólise kelvin
Eletrólise kelvinEletrólise kelvin
Eletrólise kelvin
valdecirkelvin
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
Luciano José Rezende
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
Luciano José Rezende
 
Lista de exercícios 35 eletrólise
Lista de exercícios 35   eletróliseLista de exercícios 35   eletrólise
Lista de exercícios 35 eletrólise
Colegio CMC
 

Semelhante a EletroquÍmica (20)

Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptxAulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
 
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redoxCORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
 
Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica Aula de Eletroquímica
Aula de Eletroquímica
 
Apostila de Química
Apostila de QuímicaApostila de Química
Apostila de Química
 
Química - Eletrólise
Química - EletróliseQuímica - Eletrólise
Química - Eletrólise
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
 
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2seriesResolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
 
Eletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletroliseEletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletrolise
 
Eletroquímica ii
Eletroquímica iiEletroquímica ii
Eletroquímica ii
 
TEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICATEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICA
 
Eletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ FundamentosEletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ Fundamentos
 
Eletroquímica eletrólise
Eletroquímica   eletróliseEletroquímica   eletrólise
Eletroquímica eletrólise
 
Exercícios 3º valdecir
Exercícios   3º valdecirExercícios   3º valdecir
Exercícios 3º valdecir
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Eletrólise kelvin
Eletrólise kelvinEletrólise kelvin
Eletrólise kelvin
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
 
Lista de exercícios 35 eletrólise
Lista de exercícios 35   eletróliseLista de exercícios 35   eletrólise
Lista de exercícios 35 eletrólise
 

Mais de Vinny Silva

Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
Vinny Silva
 
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEMResumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
Vinny Silva
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Vinny Silva
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
Vinny Silva
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
Vinny Silva
 
FUNÇÕES INORGÂNICAS
FUNÇÕES INORGÂNICASFUNÇÕES INORGÂNICAS
FUNÇÕES INORGÂNICAS
Vinny Silva
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
Vinny Silva
 
Reações Orgânicas
Reações OrgânicasReações Orgânicas
Reações Orgânicas
Vinny Silva
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
Vinny Silva
 
Tabela e Propriedades periódicas
Tabela e Propriedades periódicas Tabela e Propriedades periódicas
Tabela e Propriedades periódicas
Vinny Silva
 
Atomística
AtomísticaAtomística
Atomística
Vinny Silva
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Vinny Silva
 
HIDROCARBONETO
HIDROCARBONETOHIDROCARBONETO
HIDROCARBONETO
Vinny Silva
 
Materiais de laboratorio
Materiais de laboratorioMateriais de laboratorio
Materiais de laboratorio
Vinny Silva
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
Vinny Silva
 
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICAINTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
Vinny Silva
 
ESTUDO DOS GASES
ESTUDO DOS GASESESTUDO DOS GASES
ESTUDO DOS GASES
Vinny Silva
 
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análiseIntroducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Vinny Silva
 

Mais de Vinny Silva (18)

Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
Introdução a química (Substâncias, Misturas, separação...)
 
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEMResumo dos principais temas de química para o ENEM
Resumo dos principais temas de química para o ENEM
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
FUNÇÕES INORGÂNICAS
FUNÇÕES INORGÂNICASFUNÇÕES INORGÂNICAS
FUNÇÕES INORGÂNICAS
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Reações Orgânicas
Reações OrgânicasReações Orgânicas
Reações Orgânicas
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Tabela e Propriedades periódicas
Tabela e Propriedades periódicas Tabela e Propriedades periódicas
Tabela e Propriedades periódicas
 
Atomística
AtomísticaAtomística
Atomística
 
Funções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadasFunções oxigenadas e nitrogenadas
Funções oxigenadas e nitrogenadas
 
HIDROCARBONETO
HIDROCARBONETOHIDROCARBONETO
HIDROCARBONETO
 
Materiais de laboratorio
Materiais de laboratorioMateriais de laboratorio
Materiais de laboratorio
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICAINTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
INTRODUÇÃO A QUÍMICA ORGÂNICA
 
ESTUDO DOS GASES
ESTUDO DOS GASESESTUDO DOS GASES
ESTUDO DOS GASES
 
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análiseIntroducao quimica, materia, substância, mistura, análise
Introducao quimica, materia, substância, mistura, análise
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 

EletroquÍmica

  • 1. REAÇÕES QUÍMICAS PRODUZINDO CORRENTE ELÉTRICA CORRENTE ELÉTRICA PRODUZINDO REAÇÃO QUÍMICA PROF. VINICIUS SILVA
  • 2. A relação entre as reações químicas e a corrente elétrica é estudada por um ramo da química chamado ELETROQUÍMICA Quando uma reação química de óxido redução, espontânea, produz energia elétrica teremos uma PILHA ELETROQUÍMICA Quando uma corrente elétrica provoca uma reação química teremos uma ELETRÓLISE PROF. VINICIUS SILVA
  • 3. PILHA DE DANIELLPILHA DE DANIELL Esta pilha baseia-se na seguinte reação: Zn + CuCuSO4 + ZnSO4 ou, na forma iônica Zn + CuCu2+ + Zn2+ ** ELÉTRONS PROF. VINICIUS SILVA
  • 4. Zn2+ Zn2+ Zn2+ Zn2+ Cu2+ Cu2+ Cu2+ Cu2+ ELÉTRONS PONTE SALINA CÁTIONSÂNIONS E isto seria possível montando um esquema do tipo representado a seguir PROF. VINICIUS SILVA
  • 5. Zn2+ Zn2+ Zn2+ Zn2+ ELÉTRONS PONTE SALINA CÁTIONSÂNIONS À medida que a reação vai ocorrendo poderemos fazer as seguintes observações O eletrodo de zinco vai se desgastando com o passar do tempo O eletrodo de cobre terá sua massa aumentada Cu2+ Cu2+ Cu2+ Cu2+ solução de ZnSO4 vai ficando mais concentrada Zn2+ Zn2+ Zn2+ Zn2+ A solução de CuSO4 vai ficando mais diluída Nas soluções teremos a passagem dos íons, em excesso, de um lado para o outro através da ponte salina
  • 6. Neste processo teremos, simultaneamente, a ocorrência das seguintes reações: Zn 2 e – +Zn2+ (semi-reação de oxidação) CuCu2+ + 2 e – (semi-reação de redução) Cu2+ Zn + Zn2+ Cu+ (reação global) PROF. VINICIUS SILVA
  • 7. Zn2+ Zn2+ Zn2+ Zn2+ Cu2+ Cu2+ Cu2+ Cu2+ ELÉTRONS PONTE SALINA CÁTIONS O pólo de onde saem os elétrons ocorrendo a oxidação chama-se ANODO e corresponde ao PÓLO NEGATIVO ÂNODO O pólo onde chegam os elétrons ocorrendo a redução chama-se CATODO e corresponde ao PÓLO POSITIVO CÁTODO + PROF. VINICIUS SILVA
  • 8. REPRESENTAÇÃO DE UMA PILHA Uma pilha, segundo a IUPAC, deve ser representada da seguinte forma: Para a pilha de DANIELL Zn0 Cu2+ Zn2+ Cu0 M1 M2M1 M2 0 x+ y+ 0 PROF. VINICIUS SILVA
  • 9. Co 01) Observando a pilha abaixo, responda: a) Quais as semi-reações? Co2+ Au3+ Au b) Qual a reação global? 3 2Co – e Co2+ Au3+ + e Au- -6 6 33 2 2 Co – 2 e Co2+ semi-reação de oxidação- Au3+ + 3 e Au semi-reação de redução- 2 Au (reação global)3 Co + 2 Au3+ 3 Co2+ + PROF. VINICIUS SILVA
  • 10. c) Quem sofre oxidação? Co Co Co2+ Au3+ Au Au3+d) Quem sofre redução? e) Qual o eletrodo positivo ou cátodo? Au f) Qual o eletrodo negativo ou ânodo? Co g) Que eletrodo será gasto? Co h) Qual dos eletrodos terá a sua massa aumentada? Au PROF. VINICIUS SILVA
  • 11. 02) (Covest–2005) Podemos dizer que, na célula eletroquímica: a) o magnésio sofre redução. b) o ferro é o ânodo. c) os elétrons fluem, pelo circuito externo, do magnésio para o ferro. d) há dissolução do eletrodo de ferro. e) a concentração da solução de Mg2+ diminui com o tempo. Mg Mg2+ Fe3+ Fe PROF. VINICIUS SILVA
  • 12. 03) As relações existentes entre os fenômenos elétricos e as reações química são estudadas: a) na termoquímica. b) na eletroquímica. c) na cinética química. d) no equilíbrio químico. e) na ebuliometria. PROF. VINICIUS SILVA
  • 13. 04) O pólo onde saem os elétrons, em uma pilha, é: a) cátodo. b) pólo positivo. c) ânodo. d) o eletrodo que aumenta a massa. e) o que ocorre redução. PROF. VINICIUS SILVA
  • 14. Os metais que fazem parte de uma reação de óxido-redução têm uma tendência a CEDER ou RECEBER ELÉTRONS Essa tendência é determinada pelo potencial de eletrodo (E), medido em volts (V) PROF. VINICIUS SILVA
  • 15. Quanto maior for a medida do potencial de oxidação, maior é a tendência do metal ceder elétrons Quanto maior for a medida do potencial de redução, maior é a tendência do metal ganhar elétrons PROF. VINICIUS SILVA
  • 16. Este potencial, em geral, é medido a 1 atm, 25°C e solução 1 mol/L Sendo assim, nestas condições, Chamado de POTENCIAL NORMAL DE ELETRODO (E°) Esse potencial é medido tomando-se como referencial um eletrodo de hidrogênio, que tem a ele atribuído o potencial “0,00 V” PROF. VINICIUS SILVA
  • 17. TABELA DE POTENCIAIS-PADRÃO DE REDUÇÃO (1 atm e 25°C) PROF. VINICIUS SILVA
  • 18. Para a pilha de Daniell os potenciais são: Zn2 e – +Zn2+ CuCu2+ + 2 e – E° = – 0,76 Vred E° = + 0,34 Vred Como o cobre tem um maior potencial normal de redução ele vai ganhar elétrons, sofrendo redução, e o zinco vai perder elétrons, sofrendo oxidação CuCu2+ + 2 e – E° = + 0,34 Vred Zn 2 e – +Zn2+ E° = + 0,76 Voxi Zn + Cu2+ Zn2+ + Cu ΔE = + 1,10 V PROF. VINICIUS SILVA
  • 19. 01) Conhecendo as seguintes semi-reações e os seus potenciais padrão de redução abaixo, determine a “ d.d.p “ da pilha formada pelos eletrodos indicados: Sn2 e – +Sn2+ AgAg1+ + 1 e – E° = – 0,14 V E° = + 0,80 V O potencial de redução da prata é maior que o do estanho A prata sofre redução e o estanho sofre oxidaçãoA prata sofre redução e o estanho sofre oxidação AgAg1+ + e – E° = + 0,80 V Sn 2 e – +Sn2+ E° = + 0,14 V 12 22 + 0,94 V a) + 0,54 V. b) + 0,66 V. c) + 1,46 V. d) + 0,94 V. e) + 1,74 V. PROF. VINICIUS SILVA
  • 20. 02)(Covest-2006) O ácido ascórbico, mais conhecido por vitamina C, é uma substância que apresenta atividade redox. Sendo o potencial de redução do ácido ascórbico, em pH = 7, igual a 0,06 V, podemos compará-lo com outras substâncias conhecidas, cujos potenciais de redução a pH = 7 são também apresentados: O2 (g) -4 e H+ Fe2+Fe3+ + -e E° = 0,816 V E° = 0,77 V E° = – 0,42 V + (aq) H2O (l) (aq)(aq) H+ (aq) -2 e+ H2 (g) + Com base nessas informações, podemos afirmar que o ácido ascórbico deve ser capaz de: Ácido ascórbico: E = 0,06 V (redução) a) reduzir o íon Fe3+ b) oxidar o íon Fe2+ c) oxidar o O2. d) reduzir a água. e) oxidar o íon H+ PROF. VINICIUS SILVA
  • 21. 03) Considere as seguintes semi-reações e os potenciais normais de redução: O potencial da pilha formada pela junção dessas duas semi-reações é: a) + 1,25 V. b) – 1,25 V. c) + 1,75 V. d) – 1,75 V. e) + 3,75 V. Ni 2+ + 2 e – Ni E 0 = – 0,25 V Au 3+ + 3 e – Au E 0 = + 1,50 V Au 3+ + e – Au E 0 = + 1,50 V Ni Ni 2+ + e – E 0 = + 0,25 V 3 2 62 2 63 3 2 Au 3+ + 3 Ni  2 Au + 3 Ni +2 E 0 = + 1,75 V PROF. VINICIUS SILVA
  • 22. Estes objetos foram recobertos com um metal através de um processo químico chamado de ELETRÓLISE PROF. VINICIUS SILVA
  • 23. Pode-se dizer que ELETRÓLISE é o fenômeno de decomposição de uma substância pela ação de uma CORRENTE ELÉTRICA A eletrólise ocorre com soluções onde existam íons ou com substâncias iônicas fundidas PROF. VINICIUS SILVA
  • 24. Uma fonte de energia faz passar uma corrente elétrica pelo recipiente contendo a solução, ou a substância fundida, provocando a reação química e liberando as espécies finais nos eletrodos ÂNIONS GERADOR CÁTIONS ELÉTRONS + – + – ELÉTRONS PROF. VINICIUS SILVA
  • 25. 01) As reações de eletrólise só ocorrem em sistemas que contenham ________ em movimento. Nessas transformações há consumo de energia _____________ . Completam-se, respectivamente, com: a) átomos e luminosa. b) moléculas e luminosa. c) moléculas e térmica. d) átomos e elétrica. e) íons e elétrica. ÍONS ELÉTRICA PROF. VINICIUS SILVA
  • 26. 02) Em um processo de eletrólise é correto afirmar que: a) não há passagem de corrente elétrica. b) substâncias são apenas oxidadas. c) substâncias são apenas reduzidas d) o elemento oxidante doa elétrons. e) oxidação e redução são sempre simultâneas. PROF. VINICIUS SILVA
  • 27. Podemos dividir a eletrólise em ÍGNEA e AQUOSA ELETRÓLISE ÍGNEA Ocorre com a substância iônica na fase líquida (fundida) ELETRÓLISE AQUOSA Ocorre quando o eletrólito se encontra dissolvido na ÁGUA PROF. VINICIUS SILVA
  • 28. ÂNIONS GERADOR CÁTIONS ELÉTRONS + – + – ELÉTRONS No pólo negativo (cátodo) os cátions recebem elétrons (sofrem redução) e descarregam. C x+ + C A x – A -x e No pólo positivo (ânodo) os ânions perdem elétrons (sofrem oxidação) e descarregam. -x e Na eletrólise o pólo negativo é o cátodo e o pólo positivo o ânodo. PROF. VINICIUS SILVA
  • 29. Eletrólise ígnea do CLORETO DE SÓDIO ( NaCl ) No estado fundido teremos os íons sódio (Na+ ) e cloreto (Cl– ) Pólo negativo: Na+ + e –  Na Pólo positivo: Cl – – e –  Cl22 2 2 2 2 Reação global: Na+ + 2 e –  Na2 2 Cl – – e–  Cl22 2 2 NaCl  Na2 + Cl2 PROF. VINICIUS SILVA
  • 30. 01) No cátodo de uma célula de eletrólise sempre ocorre: a) deposição de metais. b) uma semi-reação de redução. c) produção de corrente elétrica. d) desprendimento de hidrogênio. e) corrosão química. + + - - GERADOR ânodo cátodo cátionsânions elétrons elétrons C x + + C-x e PROF. VINICIUS SILVA
  • 31. 02) A eletrólise de cloreto de sódio fundido produz sódio metálico e gás cloro. Nesse processo, cada íon: a) sódio recebe dois elétrons. b) cloreto recebe um elétron. c) sódio recebe um elétron. d) cloreto perde dois elétrons. e) sódio perde um elétron. Pólo positivo: Cl – – e –  Cl22 2 Pólo negativo: Na+ + e –  Na2 2 2 Na + Cl – PROF. VINICIUS SILVA
  • 32. 03) O alumínio é obtido industrialmente pela eletrólise ígnea da alumina (Al2O3). Indique a alternativa falsa: a) O íon alumínio sofre redução. b) O gás oxigênio é liberado no ânodo. c) O alumínio é produzido no cátodo. d) O metal alumínio é agente oxidante. e) O íon O2- sofre oxidação. Al +3 O –2 32 Pólo negativo: Al+3 + e –  Al Pólo positivo: O – 2 – e –  3/2 O23 6 2 6 2 + + - - GERADOR ânodo cátodo cátionsânions elétrons elétrons PROF. VINICIUS SILVA
  • 33. Na eletrólise aquosa teremos a presença de “ DOIS CÁTIONS “ e “ DOIS ÂNIONS “ Na eletrólise aquosa teremos a presença de “ DOIS CÁTIONS “ e “ DOIS ÂNIONS “ Neste caso teremos que observar a “ ORDEM DE DESCARGA DOS ÍONS ” PÓLO POSITIVO A oxidrila descarrega antes que os ânions oxigenados e fluoreto ÂNIONS NÃO-OXIGENADOS > OH – ÂNIONS OXIGENADOS o F – > PROF. VINICIUS SILVA
  • 34. PÓLO NEGATIVO O íon H+ descarrega antes dos cátions dos alcalinos, alcalinos terrosos e alumínio DEMAIS CÁTIONS > H+ CÁTIONS DOS ALCALINOS (1A), ALCALINOS TERROSOS (2A) e Al3+ > PROF. VINICIUS SILVA
  • 35. Na descarga do H ocorre a seguinte reação:+ 2 OH – – 2 e – H2O + 1/2 O2- 2 H + 2 e H2-+ Na descarga do OH ocorre a seguinte reação:- PROF. VINICIUS SILVA
  • 36. Eletrólise aquosa do NaCl ionização da água : H2O  H+ + OH – dissociação do NaCl : NaCl  Na+ + Cl – o Cl – tem prioridade diante do OH – No ânodo (pólo positivo) –2 Cl – 2 e  Cl2 o H+ tem prioridade diante do Na+ No cátodo (pólo negativo) 2 H+ + 2 e –  H2 PROF. VINICIUS SILVA
  • 37. – –2 Cl – 2 e  Cl2ÂNODO : CÁTODO : 2 H + 2 e  H2 + – ficam na solução os íons Na+ e OH – tornando a mesma básica devido á formação do NaOH A reação global que ocorre nesta eletrólise aquosa é: 2 NaCl + 2 H2O H2 + Cl2 + 2 NaOH PROF. VINICIUS SILVA
  • 38. GERADOR ELÉTRONS + – + – ELÉTRONS CÁTODO OH – Cl Na + – Cl Na OH + – – Cl2 2 H + H + H + ÂNODO ELETRÓLISE AQUOSA DO NaClELETRÓLISE AQUOSA DO NaCl Cl – – e–  Cl22 2 2 H + e–2  H2 + A solução final apresenta caráter básico, devido à formação do NaOH A solução final apresenta caráter básico, devido à formação do NaOH PROF. VINICIUS SILVA
  • 39. Eletrólise aquosa do CuSO4Eletrólise aquosa do CuSO4 Ionização da água H2O H + OH+ – Dissociação do CuSO4 CuSO4 Cu + SO4 2+ 2 – No ânodo (pólo positivo) a oxidrila tem prioridade diante do sulfato 2 OH – 2 e H2O + 1/2 O2 – - No cátodo (pólo negativo) o íon cúprico tem prioridade diante do H + Cu + 2 e Cu-2+ Ficam na solução os íons H e SO4 tornando a mesma ácida devido á formação do H2SO4 + 2 – PROF. VINICIUS SILVA
  • 40. 01) Quando se faz passar uma corrente elétrica através de uma solução aquosa de iodeto de potássio pode-se verificar que: a) ocorre migração de K+ para o ânodo e I – para o cátodo. b) ocorre migração do H+ para o cátodo e I – para o ânodo. c) a solução torna-se ácida devido à formação de HI. d) a solução permanece neutra devido à formação de H2 e I2 . e) há formação de I2 no cátodo. ionização da água : H2O  H+ + OH – dissociação do KI : KI  K+ + I – 2 H+ 2 e–  H2+ Pólo negativo: (cátodo) Ficam na soluçãoFicam na soluçãoK +K + OH –OH – –  I22 I –Pólo positivo: (ânodo) 2 e– PROF. VINICIUS SILVA
  • 41. 02) Na eletrólise de uma solução aquosa diluída de ácido sulfúrico: a) Quais são os gases produzidos? b) O que ocorre com a concentração da solução? c) Escreva a equação global. Ionização da água:Ionização da água: H2O H + OH+ – Ionização do ácido sulfúrico:Ionização do ácido sulfúrico: H2SO4 2 H + SO4+ –2 Pólo negativo: (cátodo) 2 H + 2 e  H2+ – Pólo positivo: (ânodo) – –2 OH – 2 e  1/2 O2 + H2O A solução vai ficando CONCENTRADA em H2SO4 2 H + 2 OH  H2 + ½ O2 + H2O+ – PROF. VINICIUS SILVA
  • 42. Michael Faraday formulou duas leis que regem o aspecto quantitativo da eletrólise
  • 43. A massa, “m”, de uma substância, formada ou transformada numa eletrólise, é diretamente proporcional à carga elétrica, Q, que atravessa o circuito Sabe-se que: Q = i x t m = K’ x i x tm = K’ x i x t A primeira lei de FARADAY pode ser escrita na seguinte forma: CONSEQÜENTEMENTE PROF. VINICIUS SILVA
  • 44. A massa, m, de uma substância, formada ou transformada numa eletrólise, é diretamente proporcional ao equivalente-grama, E, dessa substância m = K’’x E PROF. VINICIUS SILVA
  • 45. Associando as duas leis, teremos: A constante “ K “ vale: Então : m = K x E x Q m = K x E x i x t 1 96500 =m E . i . t 96500 PROF. VINICIUS SILVA
  • 46. 01) Uma solução de cloreto de prata é eletrolisada durante 965 segundos por uma corrente elétrica de 1 ampèr (A). Qual a massa de prata depositada no cátodo? Dado: Ag = 108 g / mol t = 965 s i = 1 A m = ? m = E . i . t 96500 m = 1,08 g E = 1 108 = 108 g m = 108 . 1 . 965 96500 PROF. VINICIUS SILVA
  • 47. A carga total transportada por 1 mol de elétrons é de 96500 C e é denominada de 1 Faraday (F), em homenagem ao físico-químico inglês Michael Faraday 1 MOL DE ELÉTRONS Ou 6,02 x 1023 ELÉTRONS TRANSPORTA 1 FARADAY ou 96500 C PROF. VINICIUS SILVA
  • 48. 01) Uma solução de cloreto de prata é eletrolisada durante 965 s por uma corrente elétrica de 1 ampèr (A). Qual a massa de prata depositada no cátodo ? Dado: Ag = 108 g / mol Ag+ + 1 e –  Ag Pela cuba eletrolítica passa: Q = 1 x 965 = 965 C 96500 C 108 g 965 C m g 96500 108965 m = x m = 1,08 g PROF. VINICIUS SILVA
  • 49. 02) Uma carga elétrica de 9650 C eletrolisa uma solução contendo íons de cobre II. Qual a massa depositada no eletrodo ? Dado: Cu = 63,5 g / mol Cu +2 + 2 e –  Cu 2 . 96500 C 63,5 g 9650 C m g 2 . 96500 63,5 . 9650 m = m = 3,16 g PROF. VINICIUS SILVA
  • 50. 03) Numa célula eletrolítica contendo solução aquosa de nitrato de prata flui uma corrente elétrica de 5,0 A durante 9650 segundos. Nessa experiência, quantos gramas de prata metálica são obtidos? Dado: Ag = 108 g/mol a) 108 g. b) 100 g. c) 54,0 g. d) 50,0 g. e) 10,0 g. i = 5,0 A t = 9650 s m = ? Ag+ + 1 e –  Ag (s) 96500 C 108 g 5 x 9650 C m g 96500 5 x 9650 x 108 m = 96500 5211000 = m = 54,0 g PROF. VINICIUS SILVA
  • 51. 04) Eletrolisa-se uma solução de CuCl2 , durante 32 minutos, com uma corrente de 5A, obtém-se nas CNTP, o cloro num volume em mL, de: a) 1400. b) 1920. c) 1600. d) 9650. e) 1114. i = 5,0 A t = 32 min V = ? mL = 1920 s 2 Cl – + 2 e –  Cl2 (g) 2 . 96500 C 22,4 L 5 . 1920 C V 2 . 96500 5 . 1920 . 22,4 V = 193000 215040 = V = 1,114 L ou 1114 mL PROF. VINICIUS SILVA
  • 52. 05) A corrente elétrica necessária para depositar 10,8 g de prata através da eletrólise de uma solução de nitrato de prata durante 5 minutos é de: Dado: Ag = 108 g/mol a) 32,16 A . b) 3,0 A. c) 6,2 A. d) 4,3 A. e) 31,3 A. i = ? A t = 5 min m = 10,8 g = 300 s Ag + 1 e  Ag (s)+ – 96500 C 108 g i . 300 C 10,8 g 300 x 108 96500 x 10,8 i = i = 32,16 A PROF. VINICIUS SILVA
  • 53. 06) Calcule as massas dos metais depositadas em 3 cubas eletrolíticas, ligadas em série, submetidas a uma corrente de 4A, durante 40 minutos e 12 segundos conforme esquema: Dados: Cu = 63,5 u; Ag = 108 u.; Fe = 56 u. GERADOR CuSO4 FeCl3 AgNO3 m = constante E mCu mFe mAg = = ECu EFe EAg PROF. VINICIUS SILVA
  • 54. t = 40 min 12 s i = 4 A = 2412 s Cu+2 + 2 e –  Cu (s) Q = 4 x 2412 = 9648 C 2 x 96500 C  63,5g 9648 C  m g m = 3,17g mCu mFe mAg = = ECu EFe EAg (PA)Cu+2 63,5 Ecu+2 = = = 31,75g 2 2 (PA)Fe+3 56 EFe+3 = = = 18,66g 3 3 (PA)Ag+ 108 EAg+ = = = 108g 1 1 3,17 mFe mAg = = 31,75 18,66 108 m = 1,86g m = 10,78g PROF. VINICIUS SILVA