SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
PRINCÍPIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA
TEORIA DO CAMPO
CRISTALINO - TCC
Universidade Federal da Paraíba
Centro de Ciências Exatas e da Natureza
Departamento de Química
Prof. Dr. Ary da Silva Maia
Teoria do Campo Cristalino (TCC)
• Modelo Eletrostático:
– Prediz que os orbitais d em um complexo metálico
não são degenerados.
– O desdobramento energético dos orbitais d
depende do campo cristalino (i.e. o arranjo e o tipo
dos ligantes)
• Os ligantes criam um campo elétrico em torno
do metal:
– Os ligantes são considerados cargas pontuais e não
apresentam interações covalentes com os metais.
• Cada ligante é considerado como uma carga
pontual:
– Atrações eletrostáticas existem entre entre o íon
metálico e os ligantes.
– Interações repulsivas existem os elétrons nos
orbitais d e as cargas pontuais dos ligantes
Campo Cristalino Octaédrico
• Os orbitais dz2 e dx2-y2 apontam diretamente
para os ligantes:
– Maior repulsão é sentida
– Estes orbitais passam a apresentar uma energia
maior que os orbitais dyz, dxy, and dxz
Campo Cristalino Octaédrico
Campo Cristalino Octaédrico
Desdobramento dos Orbitais d
em um Campo Octaédrico
Denota a paridade de
um orbital se o
sistema contém um
centro de inversão
• o símbolo, e, se refere ao nível duplamente degenerado
• o símbolo, t, se refere ao nível triplamente degenerado
• o símbolo, g, significa gerade (Alemão para “par”)
• o símbolo, u, significa ungerade (Alemão para “ímpar”)
Desdobramento dos Orbitais d
em um Campo Octaédrico
•oct é determinado peloa força do campo cristalino
• Campo Fraco e Campo Forte
• oct(campo fraco) < oct(campo forte)
• Os valores de oct são obtidos através de dados de espectroscopia eletrônica.
Exemplo: [Ti(H2O)6]3+
• um complexo d1, t2g
1eg
0 eg
t2g
max=20,300 cm-1
E=243 kJ/mol
Absorção mostra a transição
de:
t2g
1eg
0 para t2g
0eg
1
Sistemas multi-eletrônicos são
mais complicados.
Fatores que afetam oct
• Identidade e estado de oxidação do metal
– Um aumento no estado de oxidação aumenta oct
– oct aumenta para baixo em uma tríade
• Natureza dos ligantes
• Resultou na Série Espectroquímica dos
ligantes
I-
<Br-
<[SCN]-
<Cl-
<F-
<[OH]-
<[ox]2-
~~H2O<[NCS]-
<NH3<en<bpy<phen<[CN]-
~~CO
weak field ligands strong field ligands
increasing oct
Valores de oct para vários
Complexos do bloco d
Complexo  /
cm-1
Complexo  /
cm-1
Complexo  /
cm-1
[TiF6]3- 17000 [Cr(CN)6]3- 26600 [Co(NH3)6]3+ 22900
[Ti(H2O)6]3+ 20300 [MnF6]2- 21800 [Co(NH3)6]2+ 10200
[V(H2O)6]3+ 17850 [Fe(H2O)6]3
+
13700 [Co(en)3]3+ 24000
[V(H2O)6]2+ 12400 [Fe(H2O)6]2
+
9400 [Co(H2O)6]3+ 18200
[CrF6]3- 15000 [Fe(ox)3]3- 14100 [Co(H2O)6]2+ 9300
[Cr(H2O)6]3+ 17400 [Fe(CN)6]3- 35000 [Ni(H2O)6]2+ 8500
[Cr(H2O)6]2+ 14100 [Fe(CN)6]4- 33800 [Ni(NH3)6]2+ 10800
[Cr(NH3)6]3+ 21600 [CoF6]3- 13100 [Ni(en)3]2+ 11500
Variação do oct em uma Tríade
Série Espectroquímica dos Íons
Metálicos
• As tendências apresentadas anteriormente no
oct e dados experimentais geram uma série
espectroquímica para os íons metálicos, a qual
é independente dos ligantes:
Mn(II)<Ni(II)<Co(II)<Fe(III)<Cr(III)<Co(III)<Ru(III)<Mo(III)<Rh(III)<Pd(II)<Ir(III)<Pt(IV)
increasing field strength
Campo Forte x Campo Fraco
Energia de Estabilização do
Campo Cristalino
• A energia dos orbiatis não desdobrados é chamado
de baricentro.
• Com relação ao oct, os orbitais t2g são diminuidos
em 0.4 oct e os orbitais eg orbitals são aumentados
em 0.6 oct.
Energia de Estabilização do
Campo Cristalino
• Para um complexo d1,
a configuração do
estado fundamental é
t2g
1
• Em relação ao
baricentro, a energia é
- 0.4 oct
• Esta é chamada energia de estabilização do campo
cristalino (EECC) – Em inglês (CFSE – Crystal
Field Stabilization Energy)
Energia de Estabilização do
Campo Cristalino
• Para um complexo d2,
a configuração do
estado fundamental é
t2g
2
• Em relação ao
baricentro, a energia é
- (2 x 0.4) oct =
-0.8 oct
Energia de Estabilização do
Campo Cristalino
• Para um complexo d3,
a configuração do
estado fundamental é
t2g
3
• Em relação ao
baricentro, a energia é
- (3 x 0.4) oct =
-1.2 oct
alto spin d4 baixo spin d4
A configuração preferencial depende da
energia de emparelhamento (P).
P depende de dois fatores:
– a perda na energia de troca no emparelhamento
dos elétrons
– A repulsão coulombica entre os elétrons
emparelhados
eg
t2g
eg
t2g
Energia de Estabilização do
Campo Cristalino
Energia de Troca
• A repulsão entre elétrons com spins anti-
paralelos é maior do que com spins
paralelos.
• A diferença na energia entre as duas
configurações é a energia de troca,
representada por K.
– Onde N é o número de elétrons com spins
paralelos e o valor atual de K depende do
átomo ou íon.
vs.
Complexos de spin alto e baixo:
• Para complexos de spin alto,
oct < P
– Campo cristalino fraco
• Para complexos de spin baixo,
oct > P
– Campo cristalino forte
Energias de Estabilização do
Campo Cristalino
dn Alto spin = campo fraco Baixo spin = campo forte
Configuração
eletrônica
EECC EECC
incluindo P
Configuração
eletrônica
EECC EECC
incluindo P
d1 t2g
1eg
0 -0.4oct
d2 t2g
2eg
0 -0.8oct
d3 t2g
3eg
0 -1.2oct
d4 t2g
3eg
1 -0.6oct t2g
4eg
0 -1.6oct -1.6oct+P
d5 t2g
3eg
2 0 t2g
5eg
0 -2.0oct -2.0oct+2P
d6 t2g
4eg
2 -0.4oct -0.4oct+P t2g
6eg
0 -2.4oct -2.4oct+3P
d7 t2g
5eg
2 -0.8oct -0.8oct+2P t2g
6eg
1 -1.8oct -1.8oct+3P
d8 t2g
6eg
2 -1.2oct -1.2oct+3P
d9 t2g
6eg
3 -0.6oct -0.6oct+4P
d10 t2g
6eg
4 0
Prevendo complexos de spin alto
ou baixo
• Impossível sem os valores de oct e P
• Com dados experimentiais, pode-se fazer
algumas comparações para predizer o spin
• Considere os complexos [Co(H2O)6]3+,
[Co(ox)3]3-, and [Co(CN)6]3-
– Pelos dados magnéticos, [Co(H2O)6]3+ é de baixo
spin
[Co(H2O)6]3+, [Co(ox)3]3-, e
[Co(CN)6]3-
• [Co(H2O)6]3+ é de spin baixo
• Complexos de spin baixo favorecem ligantes
de campo forte, assim qualquer complexo
igualmente ou mais forte que o [Co(H2O)6]3+
também será de spin baixo.
• [Co(ox)3]3- e [Co(CN)6]3- são ambos de baixo
spin.
I-
<Br-
<[SCN]-
<Cl-
<F-
<[OH]-
<[ox]2-
~~H2O<[NCS]-
<NH3<en<bpy<phen<[CN]-
~~CO
weak field ligands strong field ligands
increasing oct
Exercício:
• Sabendo que [Fe(H2O)6]3+ é um complexo de
spin alto, prediga a característica de [FeF6]3- e
[Fe(en)3]3+.
I-
<Br-
<[SCN]-
<Cl-
<F-
<[OH]-
<[ox]2-
~~H2O<[NCS]-
<NH3<en<bpy<phen<[CN]-
~~CO
weak field ligands strong field ligands
increasing oct
Campo Fraco vs. Campo Forte
I-
<Br-
<[SCN]-
<Cl-
<F-
<[OH]-
<[ox]2-
~~H2O<[NCS]-
<NH3<en<bpy<phen<[CN]-
~~CO
weak field ligands strong field ligands
increasing oct
Distorções de Jahn-Teller
(Efeito Jahn-Teller )
• O teorema preve que qualquer sistema
molecular não linear em um estado eletrônico
degenerado será instável e sofrerá distroção
para formar um sistema de menor simetria e
menor energia, perdendo a degenerecência, por
causa disto.
• Para um complexo de alto spin d4 , a
configuração eletrônica é t2g
3eg
1.
– O elétron eg tem que ocupar ou o dz
2 ou o dx
2
-y
2
• Se o orbital dz
2 for ocupado haverá uma
repulsão maior dos ligantes axiais do sistema
octaédrico.
• Se o orbital dx
2
-y
2 for ocupado haverá uma
repulsão maior dos ligantes equatoriais do
sistema octaédrico.
Distorções de Jahn-Teller
(Efeito Jahn-Teller )
• Estas repulsões resultam num alongamento das
ligações entre os ligantes axiais ou
equatoriais.
alongamento axial alongamento equatorial
Distorções de Jahn-Teller
(Efeito Jahn-Teller )
Cores nos Complexos
eg
t2g
[Ti(OH2)6]3+
Luz Branca
400-700 nm
Violeta-Azul: 400-480 nm
Amarelo-verde: 480-590 nm
Laranja-Vermelho: 590-700 nm
hn
eg
t2g
o
Espectro de Absorção: max = 510 nm ou n = 21.790 cm-
1
480-590 nm
Relações de energia entre as
cores: Cores do espectro visível
Cor
Comprimento de
onda
Freqüência
vermelho ~ 625-740 nm ~ 480-405 THz
laranja ~ 590-625 nm ~ 510-480 THz
amarelo ~ 565-590 nm ~ 530-510 THz
verde ~ 500-565 nm ~ 600-530 THz
ciano ~ 485-500 nm ~ 620-600 THz
azul ~ 440-485 nm ~ 680-620 THz
violeta ~ 380-440 nm ~ 790-680 THz
Espectro Contínuo
q
Nch
DA
10**
 
Onde:
h = 6,62608 x 10-34 J.s (Const. de Plank)
c = 2,99792 x 1017 nm/s (Velocidade da Luz)
(comprimento de onda em nm)
NA = 6,02214 x 1023 mol-1 (Num. Avogadro)
A Roda das Cores
Comprimento de onda,  (nm)
Se luz vermelha é absorvida
o complexo aparece verde
Se luz violeta é absorvida
o complexo aparece amarelo
eg
t2g
oct
t2g
oct
 pequena
luz vermelha de baixa
energia absorvida
 grande
luz azul de alta energia absorvida
Cor das transições d-d depende da magnitude de
eg
1. Para um dado ligante, a cor depende do estado de oxidação do íon metálico
[V(H2O)6]3+
V(III) = d2 ion
Efeito da magnitude de Δ na cor dos complexos
Luz violeta absorvida
Complexo aparece amarelo
Luz amarela absorvida
Complexo aparece violeta
[V(H2O)6]2+
V(II) = d3 ion
eg
t2g
oct
 pequeno
t2g
oct
 grande
eg
Efeito da magnitude de Δ na cor dos complexos
2Para um dado íon metálico, a cor depende do ligante
[Cr(NH3)6]3+ [Cr(NH3)5Cl]2+
3+ 2+
Valores de 10 Dq para vários complexos:
Complexo 10 Dq/
kJ/mol
Complexo 10 Dq/
kJ/mol
Complexo 10 Dq/
kJ/mol
[TiF6]3-
203,4 [Cr(CN)6]3-
318,2 [Co(NH3)6]3+
273,9
[Ti(H2O)6]3+
242,8 [MnF6]2-
260,8 [Co(NH3)6]2+
122,0
[V(H2O)6]3+
213,5 [Fe(H2O)6]3+
163,9 [Co(en)3]3+
287,1
[V(H2O)6]2+
148,3 [Fe(H2O)6]2+
112,4 [Co(H2O)6]3+
217,7
[CrF6]3-
179,4 [Fe(ox)3]3-
168,7 [Co(H2O)6]2+
111,3
[Cr(H2O)6]3+
208,1 [Fe(CN)6]3-
418,7 [Ni(H2O)6]2+
101,7
[Cr(H2O)6]2+
168,7 [Fe(CN)6]4-
404,3 [Ni(NH3)6]2+
129,2
[Cr(NH3)6]3+
258,4 [CoF6]3-
156,7 [Ni(en)3]2+
137,6
A cor e a série espectroquímica
Complexo tem….
Ligante de campo forte = grande delta
Luz absorvida é….
Comprimento de onda curto= energia mais alta
Ligantes de campo fraco
Complexos de spin alto
Ligantes de campo forte
Complexos de spin baixo
I- < Br- < S2- < SCN- < Cl-< NO3
- < F- < OH- < ox2-
< H2O < NCS- < CH3CN < NH3 < en < bpy
< phen < NO2
- < phosph < CN- < CO
Pequeno  Grande 
c. HCl / 
resfriamento
O que causa a mudança de cor?
[Co(H2O)6]2+
(aq) + 4 HCl(aq) [CoCl4]2-
(aq) + 6 H2O + 4 H+
(aq)
2+ 2-
- mesmo metal
Rosa suave Azul intenso
- num. de eletrons desemparelhados?
- mudança de ligantes?
- mudança na geometria?
Campo Cristalino Tetraédrico
• Nenhum dos orbitais d se
posiciona diretamente em
relação aos ligantes.
• No entanto, os orbitais dxy,
dyz, e dxz estão próximos.
Relação entre tet e oct
• Por causa da forte repulsão sentida pelos orbitais dxy,
dyz, e dxz, o desdobramento é invertido comparado ao do
octaédrico.
• Uma vez que os orbitais não se posicionam diretamente
sobre os ligantes o desdobramento é menor.
tet = 4/9 oct  1/2 oct
Campo Cristalino Tetraédrico
• O subscrito gerade (g) e ungerade (u) não é
necessário para o arranjo tetraédrico porque
este não apresenta centro de inverare not
needed for the tetrahedron because it does not
contain a center of inversion.
• Uma vez que tet é muito menor que oct todos os
complexos tetraédricos são de alto spin.
• Uma vez que menores quantidades de energia são
necessárias para uma absorção t2  e do que uma
eg  t2g, complexos tetraédricos e octaédricos sempre
apresentam cores diferentes.
Notação para Transições
Eletrônicas
• Para transições eletrônicas causadas por absorção
e emissão de energia, usa-se a seguinte notação:
– Emissão: (nível maior energia)  (nível menor energia)
– Absorção: (nível maior energia)  (nível menor energia)
• Exemplo: Represente a transição do nível e para o
t2 em um complexo tetraédrico
– t2  e (Absorção)
Campo Cristalino Quadrado
Planar
• Um complexo quadrado planar é o
complexo derivado pela remoção de dois
ligantes axiais de um complexo octaédrico.
Campo Cristalino Quadrado
Planar
• A remoção dos ligantes axiais, estabiliza
fortemente o orbital dz
2 e estabiliza
fracamente os orbitais dyz e dxz .
• A diferença de energia entre dxy e dx
2-y
2
favorece muitos complexos quadrado planares
d8 a serem diamagneticos.
Campo Cristalino Quadrado
Planar
sp
eg
t2g
dxz dyz
dz
2
dxy
dx
2
-y
2
Ni
NC
NC CN
CN
2-
Paramagnético vs. Diamagnético
orbital
energy
[NiCl4]2-
[Ni(CN)4]2-
Outros
Campos
Cristalinos
Usos da Teoria do Campo
Cristalino
• Reúne as propriedades das relações de
estruturas, magnéticas e eletrônicas.
• Tendências nas EECCs auxilia na
compreensão da termodinâmica e cinética.
• Não explica por que certos ligantes são de
campo forte ou fraco.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Química inorgânica não tão concisa j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa   j.d. leeQuímica inorgânica não tão concisa   j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa j.d. leeRê Magna
 
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoReações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoJosé Nunes da Silva Jr.
 
Aula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaAula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaGustavo Silveira
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETOEliando Oliveira
 
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
Aula   polaridade,  geometria molecular e forças intermolecularesAula   polaridade,  geometria molecular e forças intermoleculares
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermolecularesProfª Alda Ernestina
 
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioCybele Sobrenome
 
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoQuímica Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoCarlos Priante
 
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em AromáticosReações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em AromáticosJosé Nunes da Silva Jr.
 

Mais procurados (20)

Reações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e CetonasReações de Aldeídos e Cetonas
Reações de Aldeídos e Cetonas
 
Química inorgânica não tão concisa j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa   j.d. leeQuímica inorgânica não tão concisa   j.d. lee
Química inorgânica não tão concisa j.d. lee
 
Ácidos e Bases
Ácidos e BasesÁcidos e Bases
Ácidos e Bases
 
Potenciometria
PotenciometriaPotenciometria
Potenciometria
 
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoReações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
 
Átomos
ÁtomosÁtomos
Átomos
 
simetria-molecular-2
 simetria-molecular-2 simetria-molecular-2
simetria-molecular-2
 
Aula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaAula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílica
 
Química orgânica 3º ano COMPLETO
Química orgânica 3º ano   COMPLETOQuímica orgânica 3º ano   COMPLETO
Química orgânica 3º ano COMPLETO
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Aula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - SaisAula de Digital de Química - Sais
Aula de Digital de Química - Sais
 
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
Aula   polaridade,  geometria molecular e forças intermolecularesAula   polaridade,  geometria molecular e forças intermoleculares
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
 
Reações de Eliminação
Reações de EliminaçãoReações de Eliminação
Reações de Eliminação
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
 
Aula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redoxAula 8 -_proc_redox
Aula 8 -_proc_redox
 
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoQuímica Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
 
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em AromáticosReações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
Reações de Substituição Eletrofílica em Aromáticos
 
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculasAula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 

Destaque

Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]Carlos Alberto Santos
 
Elementos de Transicao - química
Elementos de Transicao - química Elementos de Transicao - química
Elementos de Transicao - química Renata Olegario
 
Química Inorganica 2
Química Inorganica 2Química Inorganica 2
Química Inorganica 2Bestia M
 
Auladeteoriadebandas
AuladeteoriadebandasAuladeteoriadebandas
Auladeteoriadebandasiqscquimica
 
IFCE - Apresentação Institucional 2010
IFCE - Apresentação Institucional 2010IFCE - Apresentação Institucional 2010
IFCE - Apresentação Institucional 2010ifce
 
72285373 apostila-quimica-inorganica
72285373 apostila-quimica-inorganica72285373 apostila-quimica-inorganica
72285373 apostila-quimica-inorganicauagno
 
Actinídeos e lantanídeos
Actinídeos e lantanídeosActinídeos e lantanídeos
Actinídeos e lantanídeosAllan Cruz Silva
 
Ligações metálicas
Ligações metálicasLigações metálicas
Ligações metálicasquimicabare
 
Tabela Periódica dos Elementos
Tabela Periódica dos ElementosTabela Periódica dos Elementos
Tabela Periódica dos Elementosdaniela_silva
 
Metales alcalinos
Metales alcalinosMetales alcalinos
Metales alcalinosggargue
 

Destaque (20)

Campo cristalino-1
Campo cristalino-1Campo cristalino-1
Campo cristalino-1
 
Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
 
Qet2006 1
Qet2006 1Qet2006 1
Qet2006 1
 
Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]Simetria molecular e grupo de ponto[1]
Simetria molecular e grupo de ponto[1]
 
Elementos de Transicao - química
Elementos de Transicao - química Elementos de Transicao - química
Elementos de Transicao - química
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
Química Inorganica 2
Química Inorganica 2Química Inorganica 2
Química Inorganica 2
 
Olho Humano
Olho HumanoOlho Humano
Olho Humano
 
Auladeteoriadebandas
AuladeteoriadebandasAuladeteoriadebandas
Auladeteoriadebandas
 
Capitulo 4 para internet
Capitulo 4 para internetCapitulo 4 para internet
Capitulo 4 para internet
 
IFCE - Apresentação Institucional 2010
IFCE - Apresentação Institucional 2010IFCE - Apresentação Institucional 2010
IFCE - Apresentação Institucional 2010
 
72285373 apostila-quimica-inorganica
72285373 apostila-quimica-inorganica72285373 apostila-quimica-inorganica
72285373 apostila-quimica-inorganica
 
Cristalino
CristalinoCristalino
Cristalino
 
Osmose reversa3
Osmose reversa3Osmose reversa3
Osmose reversa3
 
Actinídeos e lantanídeos
Actinídeos e lantanídeosActinídeos e lantanídeos
Actinídeos e lantanídeos
 
Ligações metálicas
Ligações metálicasLigações metálicas
Ligações metálicas
 
Modelo do meu trabalho
Modelo do meu trabalhoModelo do meu trabalho
Modelo do meu trabalho
 
Tabela Periódica dos Elementos
Tabela Periódica dos ElementosTabela Periódica dos Elementos
Tabela Periódica dos Elementos
 
Metales alcalinos
Metales alcalinosMetales alcalinos
Metales alcalinos
 

Semelhante a Teoria do campo cristalino

Livro ligação química de complexos
Livro ligação química de complexosLivro ligação química de complexos
Livro ligação química de complexosJanaina Leitinho
 
Exercicios ciencia dos metais
Exercicios   ciencia dos metaisExercicios   ciencia dos metais
Exercicios ciencia dos metaisValdo Halib
 
Energia reticular em sólidos iônicos.pdf
Energia reticular em sólidos iônicos.pdfEnergia reticular em sólidos iônicos.pdf
Energia reticular em sólidos iônicos.pdfViniciusBarrosAssis1
 
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioSíntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioCybele Sobrenome
 
Estruturas cristalinas
Estruturas cristalinasEstruturas cristalinas
Estruturas cristalinaselizethalves
 
Aula06 classificao peridica-parte-2cbm13012022
Aula06 classificao peridica-parte-2cbm13012022Aula06 classificao peridica-parte-2cbm13012022
Aula06 classificao peridica-parte-2cbm13012022SandroMendes25
 
Exercícios Resolvidos Quimica
Exercícios Resolvidos QuimicaExercícios Resolvidos Quimica
Exercícios Resolvidos QuimicaLuiz Fabiano
 
Exercícios Resolvidos Química
Exercícios Resolvidos QuímicaExercícios Resolvidos Química
Exercícios Resolvidos QuímicaLuiz Fabiano
 
Lista de exercicios 450
Lista de exercicios 450Lista de exercicios 450
Lista de exercicios 450Maíra Sampaio
 
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aulawww.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo AulaVídeo Aulas Apoio
 
Lista de Exercícios Estrutura Atômica
Lista de Exercícios Estrutura AtômicaLista de Exercícios Estrutura Atômica
Lista de Exercícios Estrutura Atômicaiqscquimica
 
Oxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
Oxirredução (Regra do Nox) (1).pptOxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
Oxirredução (Regra do Nox) (1).pptPedroHenrique159156
 
Oxirredução (Regra do Nox).pdf
Oxirredução (Regra do Nox).pdfOxirredução (Regra do Nox).pdf
Oxirredução (Regra do Nox).pdfHlioBuenagaSevilha
 

Semelhante a Teoria do campo cristalino (20)

Livro ligação química de complexos
Livro ligação química de complexosLivro ligação química de complexos
Livro ligação química de complexos
 
Quimica geral 10
Quimica geral 10Quimica geral 10
Quimica geral 10
 
Energia de orbitais
Energia de orbitais Energia de orbitais
Energia de orbitais
 
Exercicios ciencia dos metais
Exercicios   ciencia dos metaisExercicios   ciencia dos metais
Exercicios ciencia dos metais
 
Energia reticular em sólidos iônicos.pdf
Energia reticular em sólidos iônicos.pdfEnergia reticular em sólidos iônicos.pdf
Energia reticular em sólidos iônicos.pdf
 
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássioSíntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio
 
Aula geral-meri
Aula  geral-meriAula  geral-meri
Aula geral-meri
 
Cemat
CematCemat
Cemat
 
Estruturas cristalinas
Estruturas cristalinasEstruturas cristalinas
Estruturas cristalinas
 
Aula06 classificao peridica-parte-2cbm13012022
Aula06 classificao peridica-parte-2cbm13012022Aula06 classificao peridica-parte-2cbm13012022
Aula06 classificao peridica-parte-2cbm13012022
 
Exercícios Resolvidos Quimica
Exercícios Resolvidos QuimicaExercícios Resolvidos Quimica
Exercícios Resolvidos Quimica
 
Exercícios Resolvidos Química
Exercícios Resolvidos QuímicaExercícios Resolvidos Química
Exercícios Resolvidos Química
 
Lista de exercicios 450
Lista de exercicios 450Lista de exercicios 450
Lista de exercicios 450
 
Aula_2_ICM_Lig_Qui.pdf
Aula_2_ICM_Lig_Qui.pdfAula_2_ICM_Lig_Qui.pdf
Aula_2_ICM_Lig_Qui.pdf
 
teoria do orbital
teoria do orbitalteoria do orbital
teoria do orbital
 
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aulawww.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aula
www.centroapoio.com - Química - Tabela Periódica - Vídeo Aula
 
Lista de Exercícios Estrutura Atômica
Lista de Exercícios Estrutura AtômicaLista de Exercícios Estrutura Atômica
Lista de Exercícios Estrutura Atômica
 
Unidade 01 Teoria Estrutural
Unidade 01   Teoria EstruturalUnidade 01   Teoria Estrutural
Unidade 01 Teoria Estrutural
 
Oxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
Oxirredução (Regra do Nox) (1).pptOxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
Oxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
 
Oxirredução (Regra do Nox).pdf
Oxirredução (Regra do Nox).pdfOxirredução (Regra do Nox).pdf
Oxirredução (Regra do Nox).pdf
 

Último

From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfRodolpho Concurde
 
Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORDRONDINELLYRAMOS1
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Dirceu Resende
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)Alessandro Almeida
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAMarcio Venturelli
 

Último (7)

From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Apostila e caderno de exercicios de WORD
Apostila e caderno de exercicios de  WORDApostila e caderno de exercicios de  WORD
Apostila e caderno de exercicios de WORD
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIAEAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
EAD Curso - CIÊNCIA DE DADOS NA INDÚSTTRIA
 

Teoria do campo cristalino

  • 1. PRINCÍPIOS DE QUÍMICA INORGÂNICA TEORIA DO CAMPO CRISTALINO - TCC Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Química Prof. Dr. Ary da Silva Maia
  • 2. Teoria do Campo Cristalino (TCC) • Modelo Eletrostático: – Prediz que os orbitais d em um complexo metálico não são degenerados. – O desdobramento energético dos orbitais d depende do campo cristalino (i.e. o arranjo e o tipo dos ligantes) • Os ligantes criam um campo elétrico em torno do metal: – Os ligantes são considerados cargas pontuais e não apresentam interações covalentes com os metais.
  • 3. • Cada ligante é considerado como uma carga pontual: – Atrações eletrostáticas existem entre entre o íon metálico e os ligantes. – Interações repulsivas existem os elétrons nos orbitais d e as cargas pontuais dos ligantes Campo Cristalino Octaédrico
  • 4. • Os orbitais dz2 e dx2-y2 apontam diretamente para os ligantes: – Maior repulsão é sentida – Estes orbitais passam a apresentar uma energia maior que os orbitais dyz, dxy, and dxz Campo Cristalino Octaédrico
  • 6. Desdobramento dos Orbitais d em um Campo Octaédrico Denota a paridade de um orbital se o sistema contém um centro de inversão • o símbolo, e, se refere ao nível duplamente degenerado • o símbolo, t, se refere ao nível triplamente degenerado • o símbolo, g, significa gerade (Alemão para “par”) • o símbolo, u, significa ungerade (Alemão para “ímpar”)
  • 7. Desdobramento dos Orbitais d em um Campo Octaédrico •oct é determinado peloa força do campo cristalino • Campo Fraco e Campo Forte • oct(campo fraco) < oct(campo forte) • Os valores de oct são obtidos através de dados de espectroscopia eletrônica.
  • 8. Exemplo: [Ti(H2O)6]3+ • um complexo d1, t2g 1eg 0 eg t2g max=20,300 cm-1 E=243 kJ/mol Absorção mostra a transição de: t2g 1eg 0 para t2g 0eg 1 Sistemas multi-eletrônicos são mais complicados.
  • 9. Fatores que afetam oct • Identidade e estado de oxidação do metal – Um aumento no estado de oxidação aumenta oct – oct aumenta para baixo em uma tríade • Natureza dos ligantes • Resultou na Série Espectroquímica dos ligantes I- <Br- <[SCN]- <Cl- <F- <[OH]- <[ox]2- ~~H2O<[NCS]- <NH3<en<bpy<phen<[CN]- ~~CO weak field ligands strong field ligands increasing oct
  • 10. Valores de oct para vários Complexos do bloco d Complexo  / cm-1 Complexo  / cm-1 Complexo  / cm-1 [TiF6]3- 17000 [Cr(CN)6]3- 26600 [Co(NH3)6]3+ 22900 [Ti(H2O)6]3+ 20300 [MnF6]2- 21800 [Co(NH3)6]2+ 10200 [V(H2O)6]3+ 17850 [Fe(H2O)6]3 + 13700 [Co(en)3]3+ 24000 [V(H2O)6]2+ 12400 [Fe(H2O)6]2 + 9400 [Co(H2O)6]3+ 18200 [CrF6]3- 15000 [Fe(ox)3]3- 14100 [Co(H2O)6]2+ 9300 [Cr(H2O)6]3+ 17400 [Fe(CN)6]3- 35000 [Ni(H2O)6]2+ 8500 [Cr(H2O)6]2+ 14100 [Fe(CN)6]4- 33800 [Ni(NH3)6]2+ 10800 [Cr(NH3)6]3+ 21600 [CoF6]3- 13100 [Ni(en)3]2+ 11500
  • 11. Variação do oct em uma Tríade
  • 12. Série Espectroquímica dos Íons Metálicos • As tendências apresentadas anteriormente no oct e dados experimentais geram uma série espectroquímica para os íons metálicos, a qual é independente dos ligantes: Mn(II)<Ni(II)<Co(II)<Fe(III)<Cr(III)<Co(III)<Ru(III)<Mo(III)<Rh(III)<Pd(II)<Ir(III)<Pt(IV) increasing field strength
  • 13. Campo Forte x Campo Fraco
  • 14. Energia de Estabilização do Campo Cristalino • A energia dos orbiatis não desdobrados é chamado de baricentro. • Com relação ao oct, os orbitais t2g são diminuidos em 0.4 oct e os orbitais eg orbitals são aumentados em 0.6 oct.
  • 15. Energia de Estabilização do Campo Cristalino • Para um complexo d1, a configuração do estado fundamental é t2g 1 • Em relação ao baricentro, a energia é - 0.4 oct • Esta é chamada energia de estabilização do campo cristalino (EECC) – Em inglês (CFSE – Crystal Field Stabilization Energy)
  • 16. Energia de Estabilização do Campo Cristalino • Para um complexo d2, a configuração do estado fundamental é t2g 2 • Em relação ao baricentro, a energia é - (2 x 0.4) oct = -0.8 oct
  • 17. Energia de Estabilização do Campo Cristalino • Para um complexo d3, a configuração do estado fundamental é t2g 3 • Em relação ao baricentro, a energia é - (3 x 0.4) oct = -1.2 oct
  • 18. alto spin d4 baixo spin d4 A configuração preferencial depende da energia de emparelhamento (P). P depende de dois fatores: – a perda na energia de troca no emparelhamento dos elétrons – A repulsão coulombica entre os elétrons emparelhados eg t2g eg t2g Energia de Estabilização do Campo Cristalino
  • 19. Energia de Troca • A repulsão entre elétrons com spins anti- paralelos é maior do que com spins paralelos. • A diferença na energia entre as duas configurações é a energia de troca, representada por K. – Onde N é o número de elétrons com spins paralelos e o valor atual de K depende do átomo ou íon. vs.
  • 20. Complexos de spin alto e baixo: • Para complexos de spin alto, oct < P – Campo cristalino fraco • Para complexos de spin baixo, oct > P – Campo cristalino forte
  • 21. Energias de Estabilização do Campo Cristalino dn Alto spin = campo fraco Baixo spin = campo forte Configuração eletrônica EECC EECC incluindo P Configuração eletrônica EECC EECC incluindo P d1 t2g 1eg 0 -0.4oct d2 t2g 2eg 0 -0.8oct d3 t2g 3eg 0 -1.2oct d4 t2g 3eg 1 -0.6oct t2g 4eg 0 -1.6oct -1.6oct+P d5 t2g 3eg 2 0 t2g 5eg 0 -2.0oct -2.0oct+2P d6 t2g 4eg 2 -0.4oct -0.4oct+P t2g 6eg 0 -2.4oct -2.4oct+3P d7 t2g 5eg 2 -0.8oct -0.8oct+2P t2g 6eg 1 -1.8oct -1.8oct+3P d8 t2g 6eg 2 -1.2oct -1.2oct+3P d9 t2g 6eg 3 -0.6oct -0.6oct+4P d10 t2g 6eg 4 0
  • 22. Prevendo complexos de spin alto ou baixo • Impossível sem os valores de oct e P • Com dados experimentiais, pode-se fazer algumas comparações para predizer o spin • Considere os complexos [Co(H2O)6]3+, [Co(ox)3]3-, and [Co(CN)6]3- – Pelos dados magnéticos, [Co(H2O)6]3+ é de baixo spin
  • 23. [Co(H2O)6]3+, [Co(ox)3]3-, e [Co(CN)6]3- • [Co(H2O)6]3+ é de spin baixo • Complexos de spin baixo favorecem ligantes de campo forte, assim qualquer complexo igualmente ou mais forte que o [Co(H2O)6]3+ também será de spin baixo. • [Co(ox)3]3- e [Co(CN)6]3- são ambos de baixo spin. I- <Br- <[SCN]- <Cl- <F- <[OH]- <[ox]2- ~~H2O<[NCS]- <NH3<en<bpy<phen<[CN]- ~~CO weak field ligands strong field ligands increasing oct
  • 24. Exercício: • Sabendo que [Fe(H2O)6]3+ é um complexo de spin alto, prediga a característica de [FeF6]3- e [Fe(en)3]3+. I- <Br- <[SCN]- <Cl- <F- <[OH]- <[ox]2- ~~H2O<[NCS]- <NH3<en<bpy<phen<[CN]- ~~CO weak field ligands strong field ligands increasing oct
  • 25. Campo Fraco vs. Campo Forte I- <Br- <[SCN]- <Cl- <F- <[OH]- <[ox]2- ~~H2O<[NCS]- <NH3<en<bpy<phen<[CN]- ~~CO weak field ligands strong field ligands increasing oct
  • 26. Distorções de Jahn-Teller (Efeito Jahn-Teller ) • O teorema preve que qualquer sistema molecular não linear em um estado eletrônico degenerado será instável e sofrerá distroção para formar um sistema de menor simetria e menor energia, perdendo a degenerecência, por causa disto.
  • 27. • Para um complexo de alto spin d4 , a configuração eletrônica é t2g 3eg 1. – O elétron eg tem que ocupar ou o dz 2 ou o dx 2 -y 2 • Se o orbital dz 2 for ocupado haverá uma repulsão maior dos ligantes axiais do sistema octaédrico. • Se o orbital dx 2 -y 2 for ocupado haverá uma repulsão maior dos ligantes equatoriais do sistema octaédrico. Distorções de Jahn-Teller (Efeito Jahn-Teller )
  • 28. • Estas repulsões resultam num alongamento das ligações entre os ligantes axiais ou equatoriais. alongamento axial alongamento equatorial Distorções de Jahn-Teller (Efeito Jahn-Teller )
  • 29. Cores nos Complexos eg t2g [Ti(OH2)6]3+ Luz Branca 400-700 nm Violeta-Azul: 400-480 nm Amarelo-verde: 480-590 nm Laranja-Vermelho: 590-700 nm hn eg t2g o Espectro de Absorção: max = 510 nm ou n = 21.790 cm- 1 480-590 nm
  • 30. Relações de energia entre as cores: Cores do espectro visível Cor Comprimento de onda Freqüência vermelho ~ 625-740 nm ~ 480-405 THz laranja ~ 590-625 nm ~ 510-480 THz amarelo ~ 565-590 nm ~ 530-510 THz verde ~ 500-565 nm ~ 600-530 THz ciano ~ 485-500 nm ~ 620-600 THz azul ~ 440-485 nm ~ 680-620 THz violeta ~ 380-440 nm ~ 790-680 THz Espectro Contínuo q Nch DA 10**   Onde: h = 6,62608 x 10-34 J.s (Const. de Plank) c = 2,99792 x 1017 nm/s (Velocidade da Luz) (comprimento de onda em nm) NA = 6,02214 x 1023 mol-1 (Num. Avogadro)
  • 31. A Roda das Cores Comprimento de onda,  (nm) Se luz vermelha é absorvida o complexo aparece verde Se luz violeta é absorvida o complexo aparece amarelo eg t2g oct t2g oct  pequena luz vermelha de baixa energia absorvida  grande luz azul de alta energia absorvida Cor das transições d-d depende da magnitude de eg
  • 32. 1. Para um dado ligante, a cor depende do estado de oxidação do íon metálico [V(H2O)6]3+ V(III) = d2 ion Efeito da magnitude de Δ na cor dos complexos Luz violeta absorvida Complexo aparece amarelo Luz amarela absorvida Complexo aparece violeta [V(H2O)6]2+ V(II) = d3 ion eg t2g oct  pequeno t2g oct  grande eg
  • 33. Efeito da magnitude de Δ na cor dos complexos 2Para um dado íon metálico, a cor depende do ligante [Cr(NH3)6]3+ [Cr(NH3)5Cl]2+ 3+ 2+
  • 34. Valores de 10 Dq para vários complexos: Complexo 10 Dq/ kJ/mol Complexo 10 Dq/ kJ/mol Complexo 10 Dq/ kJ/mol [TiF6]3- 203,4 [Cr(CN)6]3- 318,2 [Co(NH3)6]3+ 273,9 [Ti(H2O)6]3+ 242,8 [MnF6]2- 260,8 [Co(NH3)6]2+ 122,0 [V(H2O)6]3+ 213,5 [Fe(H2O)6]3+ 163,9 [Co(en)3]3+ 287,1 [V(H2O)6]2+ 148,3 [Fe(H2O)6]2+ 112,4 [Co(H2O)6]3+ 217,7 [CrF6]3- 179,4 [Fe(ox)3]3- 168,7 [Co(H2O)6]2+ 111,3 [Cr(H2O)6]3+ 208,1 [Fe(CN)6]3- 418,7 [Ni(H2O)6]2+ 101,7 [Cr(H2O)6]2+ 168,7 [Fe(CN)6]4- 404,3 [Ni(NH3)6]2+ 129,2 [Cr(NH3)6]3+ 258,4 [CoF6]3- 156,7 [Ni(en)3]2+ 137,6
  • 35. A cor e a série espectroquímica Complexo tem…. Ligante de campo forte = grande delta Luz absorvida é…. Comprimento de onda curto= energia mais alta Ligantes de campo fraco Complexos de spin alto Ligantes de campo forte Complexos de spin baixo I- < Br- < S2- < SCN- < Cl-< NO3 - < F- < OH- < ox2- < H2O < NCS- < CH3CN < NH3 < en < bpy < phen < NO2 - < phosph < CN- < CO Pequeno  Grande 
  • 36. c. HCl /  resfriamento O que causa a mudança de cor? [Co(H2O)6]2+ (aq) + 4 HCl(aq) [CoCl4]2- (aq) + 6 H2O + 4 H+ (aq) 2+ 2- - mesmo metal Rosa suave Azul intenso - num. de eletrons desemparelhados? - mudança de ligantes? - mudança na geometria?
  • 37. Campo Cristalino Tetraédrico • Nenhum dos orbitais d se posiciona diretamente em relação aos ligantes. • No entanto, os orbitais dxy, dyz, e dxz estão próximos.
  • 38. Relação entre tet e oct • Por causa da forte repulsão sentida pelos orbitais dxy, dyz, e dxz, o desdobramento é invertido comparado ao do octaédrico. • Uma vez que os orbitais não se posicionam diretamente sobre os ligantes o desdobramento é menor. tet = 4/9 oct  1/2 oct
  • 39. Campo Cristalino Tetraédrico • O subscrito gerade (g) e ungerade (u) não é necessário para o arranjo tetraédrico porque este não apresenta centro de inverare not needed for the tetrahedron because it does not contain a center of inversion. • Uma vez que tet é muito menor que oct todos os complexos tetraédricos são de alto spin. • Uma vez que menores quantidades de energia são necessárias para uma absorção t2  e do que uma eg  t2g, complexos tetraédricos e octaédricos sempre apresentam cores diferentes.
  • 40. Notação para Transições Eletrônicas • Para transições eletrônicas causadas por absorção e emissão de energia, usa-se a seguinte notação: – Emissão: (nível maior energia)  (nível menor energia) – Absorção: (nível maior energia)  (nível menor energia) • Exemplo: Represente a transição do nível e para o t2 em um complexo tetraédrico – t2  e (Absorção)
  • 41. Campo Cristalino Quadrado Planar • Um complexo quadrado planar é o complexo derivado pela remoção de dois ligantes axiais de um complexo octaédrico.
  • 42. Campo Cristalino Quadrado Planar • A remoção dos ligantes axiais, estabiliza fortemente o orbital dz 2 e estabiliza fracamente os orbitais dyz e dxz . • A diferença de energia entre dxy e dx 2-y 2 favorece muitos complexos quadrado planares d8 a serem diamagneticos.
  • 43. Campo Cristalino Quadrado Planar sp eg t2g dxz dyz dz 2 dxy dx 2 -y 2 Ni NC NC CN CN 2-
  • 46. Usos da Teoria do Campo Cristalino • Reúne as propriedades das relações de estruturas, magnéticas e eletrônicas. • Tendências nas EECCs auxilia na compreensão da termodinâmica e cinética. • Não explica por que certos ligantes são de campo forte ou fraco.