SlideShare uma empresa Scribd logo
CIEP-386- GUILHERME DA SILVEIRA FILHOCIEP-386- GUILHERME DA SILVEIRA FILHO
Prof. JABFelicio
Eletroquímica
A eletroquímica é a parte da Química que estuda não só os fenômenos envolvidos
na produção de corrente elétrica a partir da transferência de elétrons ocorrida em
reações de óxido-redução, mas também a utilização de corrente elétrica na
produção dessas reações. O seu estudo pode ser dividido em duas partes: Pilhas e
Eletrólise
1) Pilhas
São dispositivos nos quais uma reação espontânea de óxido-redução produz corrente
elétrica.
Revisão de Reações de oxi-redução
Uma reação eletroquímica sempre é uma reação de oxi-redução.
Ex.:
Podemos verificar que de acordo com a reação acima, temos:
1- elemento que sofre oxidação........ Zn (existe a perda de elétrons, logo o seu nox.
aumenta)
2- elemento que sofre redução.......... Cu (existe o ganho de elétrons, logo o seu nox
diminui).
3- agente oxidante ............Cu2+
( é a espécie que se reduz ou é a espécie com que faz
o zinco metálico se oxidar)
4- agente redutor................Zn 0
( é a espécie que se oxida ou a espécie com que faz
o íon cobre se reduzir).
Em uma reação eletroquímica sempre uma espécie se reduz e outra se oxida. Nunca as
duas podem oxidar ou se reduzir.
Ordem de Reatividade de Metais
1
Pilhas de Daniell
A montagem da pilha de Daniell consiste em:
1- uma placa metálica de cobre (eletrodo)
2- uma placa metálica de zinco (eletrodo)
3- uma solução de sulfato de cobre ( CuSO4) cor azul.
4- uma solução de sulfato de zinco (ZnSO4)
5- um tubo de vidro em forma de U contendo( K2SO4), chamada de ponte salina.
6- um fio condutor externo
7- uma lâmpada ou voltímetro (Teste da passagem de elétrons)
O tubo U funciona como uma ponte salina para o equilíbrio eletrolítico e funcionamento
da pilha, fornecendo:
a) ânions (SO4
-2
) para onde ocorreu oxidação, onde há falta deles; por isso esse lado
da pilha é chamado de ânodo;
b) cátions (K+
) para onde ocorreu redução, onde há falta deles; por isso esse lado da
pilha é chamado de cátodo.
Tem a finalidade de manter as duas semicelas neutras através da migração de
íons (corrente elétrica)
Obs. O eletrodo onde ocorre a redução é chamado de cátodo (pólo positivo), onde
chegam os elétrons. O eletrodo onde ocorre a oxidação é chamado de ânodo (pólo
negativo), de onde partem os elétrons
Ânodo: Zn(s) → Zn2+
(aq) + 2é
Cátodo: Cu2+
(aq) + 2é → Cu(s)
______________________________________
reação global Zn (s) + Cu2+
(aq) → Zn2+
(aq) + Cu(s)
2
Representação oficial por convenção mundial de uma pilha
A pilha estudada pode ser representada por:
Zn0
/ Zn2+
// Cu2+
/ Cu0
Potencial das Pilhas
Na pilha de Daniell, os eletrodos são de zinco( Zn) e cobre (Cu). Tanto os íons de
zinco (Zn2+
) como os de cobre (Cu2+
) têm uma certa tendência de receber elétrons; porém,
os íons de cobre são os que sofrem redução.
Podemos concluir, então, que a tendência do íon cobre em sofrer redução é maior
que a do íon zinco.
Assim, dizemos que os íons Cu2+
tem maior potencial de redução.
E red Cu2+ > E red Zn2+
Logo, o zinco sofrerá oxidação, o que nos permite concluir que ele apresenta maior
potencial de oxidação.
E oxi Zn > E oxi Cu
Obs. Em uma pilha, a espécie que apresenta maior E red sofre redução e, portanto, a outra
espécie, de maior E oxi, sofre oxidação
3
Tabela de Potenciais de Oxidação e Redução
4
‘
5
Cálculo do Potencial de uma Pilha
A diferença de potencial ou ddp ( ΔE) de uma pilha depende das espécies envolvidas, das
suas concentrações e da sua temperatura. Por esse motivo, o ΔE é medido na chamada
condição padrão, que corresponde a espécies com concentração 1mol/L e possíveis
gases envolvidos com pressão de 1 atmosfera a 25°C. Nessa condições, a diferença de
potencial da pilha será representada por ΔE0
.
ΔE0
= (E0
red maior) – ( E0
red menor )
ou
ΔE0
= (E0
oxi maior) – ( E0
oxi menor )
No nosso exemplo podemos então calcular a ddp de nossa pilha, de acordo com os
potenciais de oxidação e redução de cada espécie dada:
ΔE0
= (E0
oxi maior) – ( E0
oxi menor )
ΔE0
= + 0,76V – ( - 0,34V)
ΔE0
= + 1,10 V
Obs. Para saber se uma reação ocorre ou não devemos observar o potencial padrão (E°)
de cada espécie envolvida na reação. A soma dos Eo
deve ser positiva, ou seja ΔE0
>O.
Eletrólise Ígnea
Na Eletrólise Ígnea, uma Substância Iônica, geralmente um Sal, é colocada em
uma cuba ou célula eletrolítica e é aquecida até atingir a sua temperatura de fusão. No
estado líquido ou fundido, as substâncias iônicas se dissociam e seus íons se
movimentam livre na cuba eletrolítica.
EQUAÇÃO DE DISSOCIAÇÃO IÔNICA DO NaCl FUNDIDO
NaCℓ → Na +
+ Cℓ -
Você já sabe que, quando ligamos o gerador de corrente elétrica ou a pilha, a
mesma transporta os elétrons dos ânions para os cátions, provocando a migração dos
ânions para o pólo positivo e a migração dos cátions para o pólo negativo.
Assim,se a substância iônica utilizada eletrólise ígnea for NaCℓ, teremos:
6
Assim teremos as seguintes reações:
a) Migração do ânion Cℓ-
para o ânodo (+):
ocorre oxidação: 2 Cℓ-
→ Cℓ2 + 2 e- (geração de gás cloro)
b) Migração do cátion Na+
para o cátodo (-):
ocorre redução: 2 Na+
+ 2 e- → Nao
( sódio metálico)
Reação total da célula: 2 NaCℓ → 2Na(s) + Cℓ2(g)
OBS.1 Quando os ânions F-1
, Cl-1
, Br-1
, I-1
, N-3
, O-2
se oxidam, formam substâncias simples
biatômicas , logo, são necessários 2 ânions de cada espécie para que a molécula
biatômica possa ser formada.
Ex. 2 F-1
→ F2 + 2é
OBS.2 Quando cátions de Metais se Reduzem, formam substância simples
Monoatômicas
Ex: Nao
, Ko
, Mgo
, Ago
, Nio
, Ko
, etc.
7
ELETRÓLISE AQUOSA
Na Eletrólise em Solução Aquosa, coloca-se em uma cuba ou célula eletrolítica
ma solução formada pelo solvente água e por um soluto que pode ser um sal, um ácido
ou uma base.
A característica mais importante deste tipo de eletrólise é que, neste caso, além
dos íons provenientes da dissociação iônicas ou então, da ionização do soluto,
encontramos também os íons da ionização da água.
Ex. Eletrólise aquosa do sal NaCl.
NaCℓ→ Na+
+ Cℓ -
H2O → H+
OH -
Observe que temos um total de dois íons cátions e dois íons ânions, porém somente um
cátion um ânion poderão migrar para cada eletrodo.
Preferência de descarga no catodo
Quando o hidrogênio ganha a competição, teremos a redução do mesmo no catodo
2H+
+ 2é → H2
8
Preferência de descarga no anodo
Quando a hidroxila ganha a competição, teremos a oxidação da mesma no anodo
2OH-
→ H2O + ½ O2 + 2é
No nosso exemplo, teremos
2NaCℓ→ 2Na+
+ 2Cℓ -
2H2O → 2H+
+ 2OH -
Catodo: 2H+
+ 2é → H2
Anodo: 2Cℓ-
→ Cℓ2 + 2é
Somando-se as semi-equações, acharemos a equação global:
2NaCℓ + 2 H2O → H2 + Cℓ2 + 2Na+
+ 2OH-
Obteremos os seguintes produtos:
Gás cloro no anodo, gás hidrogênio no catodo. Vamos obter também a soda cáustica
( NaOH).
Essa eletrólise é usada para obtenção industrial de soda cáustica.
Estequiometria da Eletrólise
Se em 1 mol de elétrons possui 6,02 x 10 23
elétrons, podemos então calcular a carga
de 1 mol de é.
1 é..........................1,6 x 10 -19
coulombs
6,02 x 10 23
.................x
x = 96500 C ou 1 Faradays ( F)
Podemos dizer que 1 mol de é transporta 96500 C = 1 F
Michael Faradays descobriu experimentalmente que a massa depositada nos
eletrodos, para determinado eletrólito, é diretamente proporcional à carga que passa pela
solução.
m α ∆Q .........
sendo ∆Q = i∆t
então m α i∆t
9
∆Q = carga elétrica
i = corrente elétrica
∆t = intervalo de tempo, em segundos.
Exercícios:
1)Escreva as equações que representam a redução dos seguintes íons:
a) Ni2+
b) Al 3+
c) Cu+
d) Pb+4
2) Consultando a série de reatividade acima, indique se as reações abaixo
representadas por seus reagentes ocorrem ou não.
a) Mn + Fe2+
→
b) Mg + Ni2+
→
c) Cu + Zn2+
→
d) Pt + H+
→
e) Ag + Hg+
→
PILHAS
1)Dada a célula eletroquímica ilustrada, considere os seguintes potenciais-padrão de
redução.
E° E°
Zn2+/Zn0
= - 076V Au3+/ Au0
= + 1,50V
A partir dessas informações, responda:
a) qual a reação catódica?
b) qual a reação anódica?
c) qual a reação global da pilha?
d) a ddp da pilha é ?
e) a célula é espontânea ? Justifique
10
2) Considere as montagens abaixo, onde temos uma placa de zinco dentro de uma
solução contendo íons Zn2+ ( recipiente A) e uma placa de prata dentro de uma solução
contendo íons Ag+. As duas soluções são unidas por um tubo em U contendo solução de
KCℓ.
Considerando os seguintes potenciais
Zn2+
(aq) + 2 e- → Zn(s) Eo
= -0 76 V
Ag+
(aq) + e- → Ag (s) Eo
= + 0,80 V
Ao unirmos as placas metálicas com um fio, a pilha começa a funcionar. Com base
nesses dados, responda:
a) Qual dos eletrodos é o anodo?
b) Qual dos eletrodos é o catodo?
c) Qual espécie química é oxidada e qual é reduzida?
d) Qual a ddp da pilha?
e) Escreva as equações das semi-reações de oxidação e redução e da reação global.
3) A fantástica proliferação de telefones celulares provocou uma discussão quanto ao
destino a ser dado para as baterias na hora do descarte. Constituídas pelos metais níquel
e cádmio, o seu depósito em lixões causa contaminação ambiental. Hoje, o destino
dessas baterias é de responsabilidade do fabricante e a ele devem ser devolvidas para
reciclagem. A reação global de descarga de uma bateria de NiCd pode ser representada
por
Cd + NiO2 + 2 H2O → Cd(OH)2 + Ni(OH)2
Analisando essa equação, responda:
a) Durante a descarga, quem oxida? Quem reduz?
b) Qual material constitui o anodo dessa pilha?
3A)
De acordo com a pilha do exercício 1 responda:
a)Quem é o anodo?
b) Quem é o catodo?
c) De onde partem os elétrons?
d) Qual a placa que sofre oxidação?
11
e) Qual a placa que sofre redução?
f) Qual a solução que vai ficar diluída ?
g) Qual a solução que vai ficar concentrada?
h) Qual a semi reação de oxidação?
i) Qual a semi reação de redução?
j) Qual a reação global da pilha?
k)Qual a DDP da pilha ?
l)Qual o pólo negativo da pilha?
m) Qual o pólo positivo da pilha ?
5) De acordo com a pilha abaixo, responda as mesmas perguntas conforme o exercício 4:
Al Al 3+
+ 3é Pot. De Oxidação E0
= 1,66 V
Cu Cu 2+
+ 2é Pot. De Oxidação E0
= - 0,34 V
4) Uma bandeja de prata perde o lustre ao reagir com o enxofre presente em certos
alimentos como ovos, ou com substâncias presentes no ar atmosférico (SO2 e também
H2S). Quando isso ocorre, forma-se um revestimento escuro de sulfeto de prata, Ag2S.
Esse revestimento pode ser removido colocando-se a bandeja em uma panela de
alumínio com água quente e um pouco de detergente.
A reação que ocorre nesse processo é a seguinte:
3 Ag2S + 2 Aℓ → Aℓ2S3 + 6 Ag
a) Podemos considerar que se formou uma pilha entre a prata e o alumínio?
b) Escreva as semi-reações de oxidação e de redução.
c) Escreva a equação global
5) Dados os potenciais-padrão de oxidação.
A0
A3+
+ 3é E0
= + 1,50V
B0
B1+
+ 1é E0
= - 0,80V
C0
C 2+
+ 2é E0
= - 2,05V
D0
D 2+
+ 2é E0
= + 0,76V
a) Escolha as espécies que formarão a pilha de maior ddp
12
b) Melhor agente redutor.
c) Melhor agente oxidante.
ELETRÓLISE ÍGNEA
1) Equacione as semi-reações envolvidas na eletrólise ígnea do NiCl2, indicando os
produtos no cátodo e no ânodo, bem como a reação global da eletrólise.
2) A corrosão de ferro metálico envolve a formação de íons Fe3+
. Para evitá-la, chapas de
ferro são recobertas por uma camada de outro metal. Em latas de alimentos a camada é
de estanho metálico e em canos d’água, de zinco metálico. Explique por que:
a) a camada de zinco evita a corrosão de canos d’água;
b) quando a camada de estanho é danificada, expondo a superfície do ferro, a corrosão
acontece mais rapidamente do que quando a referida camada está ausente.
(Dado: potenciais - padrão de redução a 25ºC )
Zn2+
+ 2é Zn (s) E0
= - 0,763 V
Fe2+
+ 2é Fe(s) E0
= -0,409 V
Sn2+
+ 2é Sn(s) E0
= -0,136 V
3) Ferro zincado é o ferro que contém pequena quantidade de zinco metálico. A partir dos
potenciais-padrão de redução, listados a seguir, explique os seguintes fatos observados
no cotidiano.
E0
(V)
Fe2+
+ 2é = Fe - 0,440
Zn2+
+ 2é = Zn - 0,763
Al3+
+ 3é = Al - 1,663
a) Rebites de ferro em esquadrias de alumínio causam corrosão do alumínio.
b) Pregos de ferro zincado são resistentes à ferrugem.
13
ELETRÓLISE AQUOSA
1) Equacione as reações que ocorrem na eletrólise aquosa das substâncias a seguir,
indicando os produtos formados nos eletrodos e na solução. Diga também qual o caráter
da solução formada
a) CuBr2
b) CaCℓ2
c) Na2SO4
d) AgNO3
e) NaI
2) Por uma solução aquosa de H2SO4 contida em uma cuba eletrolítica, fez se passar durante
965s uma corrente de 10A. Calcule o volume de O2(g) na cNTP, produzido no anodo e o volume
de H2(g), nas CNTP, produzido no catodo
3) Qual o tempo necessário para obtermos 3,175g de cobre a partir de uma solução sulfato de
cobre, sabendo que a corrente elétrica é de 100A?
4) Por uma solução aquosa de um sal sulfato de cobre II, contida em uma cubra eletrolítica faz-
se passar, durante 4.825s, uma corrente de 2A. Qual é a massa de cobre depositada no
catodo?
5) Calcular a massa de alumínio produzida na eletrólise ígnea da alumina (Aℓ2O3), quando se
faz passar,por uma cuba eletrolítica uma corrente de 96,5A durante 1min.e 40seg.
6) Em uma determinada eletrólise usando solução de CuSO4 para deposição de Cu em uma
peça, a quantidade de cargas envolvidas foi igual a 19 300C. Qual amassa de cobre que se
depositou?
7) Escreva a equação global que representa a eletrólise do NaCl em meio aquoso.
Sabendo que são produzidos 7.200g de hidrogênio, calcule
a) a massa de NaCl consumido;
b) a massa de cloro produzido;
c) o volume de cloro produzido em C.N.T.P.
14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eletrólise aquosa
Eletrólise aquosaEletrólise aquosa
Eletrólise aquosa
Edson Karot
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
Paola Botelho
 
Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]
leveson
 
Equilíbrio da Oxidação e Redução
Equilíbrio da Oxidação e ReduçãoEquilíbrio da Oxidação e Redução
Equilíbrio da Oxidação e Redução
Dharma Initiative
 
TEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICATEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICA
Cursos Profissionalizantes
 
Equilibrio oxidação e redução
Equilibrio oxidação e  reduçãoEquilibrio oxidação e  redução
Equilibrio oxidação e redução
Adrianne Mendonça
 
Eletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
Eletroquímica Para Jovens do Ensino MédioEletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
Eletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
Rene Lins
 
Aula i fbaiano_eletroquimica
Aula i fbaiano_eletroquimicaAula i fbaiano_eletroquimica
Aula i fbaiano_eletroquimica
Saulo Luis Capim
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Conceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de reduçãoConceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de redução
Celestino Silva
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
Deivide Henrique
 
Aula+escrita+eletrólise
Aula+escrita+eletróliseAula+escrita+eletrólise
Exercícios eletrólise
Exercícios   eletróliseExercícios   eletrólise
Exercícios eletrólise
valdecirkelvin
 
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferroImportância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Débora Neves
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
cris_bastardis
 
Eletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHASEletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHAS
Ana Dias
 
Capitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e reduçãoCapitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e redução
Flavio Cardoso Reis
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
Alberto Pethrus
 

Mais procurados (18)

Eletrólise aquosa
Eletrólise aquosaEletrólise aquosa
Eletrólise aquosa
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]Eletroquimica 2 em[1]
Eletroquimica 2 em[1]
 
Equilíbrio da Oxidação e Redução
Equilíbrio da Oxidação e ReduçãoEquilíbrio da Oxidação e Redução
Equilíbrio da Oxidação e Redução
 
TEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICATEORIA da ELETROQUÍMICA
TEORIA da ELETROQUÍMICA
 
Equilibrio oxidação e redução
Equilibrio oxidação e  reduçãoEquilibrio oxidação e  redução
Equilibrio oxidação e redução
 
Eletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
Eletroquímica Para Jovens do Ensino MédioEletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
Eletroquímica Para Jovens do Ensino Médio
 
Aula i fbaiano_eletroquimica
Aula i fbaiano_eletroquimicaAula i fbaiano_eletroquimica
Aula i fbaiano_eletroquimica
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Conceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de reduçãoConceito de oxidação e de redução
Conceito de oxidação e de redução
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Aula+escrita+eletrólise
Aula+escrita+eletróliseAula+escrita+eletrólise
Aula+escrita+eletrólise
 
Exercícios eletrólise
Exercícios   eletróliseExercícios   eletrólise
Exercícios eletrólise
 
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferroImportância da oxidação e da redução na extracção do ferro
Importância da oxidação e da redução na extracção do ferro
 
Eletroquímica
EletroquímicaEletroquímica
Eletroquímica
 
Eletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHASEletroquimica PILHAS
Eletroquimica PILHAS
 
Capitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e reduçãoCapitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e redução
 
PILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTASPILHAS DE VOLTAS
PILHAS DE VOLTAS
 

Semelhante a Aula de Eletroquímica

Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptxAulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
sintiasousa3
 
Aula pilhas
Aula pilhasAula pilhas
Aula pilhas
Andre Semensato
 
Química - Eletrólise
Química - EletróliseQuímica - Eletrólise
Química - Eletrólise
Carson Souza
 
Eletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ FundamentosEletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ Fundamentos
Profa Fabíola Química
 
Eletroquímica eletrólise
Eletroquímica   eletróliseEletroquímica   eletrólise
Eletroquímica eletrólise
Quimica Ensino
 
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redoxCORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CleideSilva988844
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
Luciano José Rezende
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
Luciano José Rezende
 
Pr tica 9
Pr tica 9Pr tica 9
Pr tica 9
Paula Almeida
 
eletroquimica.pdf
eletroquimica.pdfeletroquimica.pdf
eletroquimica.pdf
NeodelsioTiago
 
EletroquÍmica
EletroquÍmicaEletroquÍmica
EletroquÍmica
Vinny Silva
 
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2seriesResolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Eldmara Santos
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
KeslleyAFerreira
 
Leveson
LevesonLeveson
Leveson
leveson
 
Leveson
LevesonLeveson
Leveson
leveson
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
Estude Mais
 
Eletroquímica - células eletrolíticas
Eletroquímica  -  células eletrolíticasEletroquímica  -  células eletrolíticas
Eletroquímica - células eletrolíticas
stagewd
 
Eletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletroliseEletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletrolise
daiaprof
 
Eletroquímica
Eletroquímica Eletroquímica
Eletroquímica
redacao_portal
 
Eletroquímica2
Eletroquímica2Eletroquímica2
Eletroquímica2
jorgehenriqueangelim
 

Semelhante a Aula de Eletroquímica (20)

Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptxAulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
 
Aula pilhas
Aula pilhasAula pilhas
Aula pilhas
 
Química - Eletrólise
Química - EletróliseQuímica - Eletrólise
Química - Eletrólise
 
Eletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ FundamentosEletrólise_ Fundamentos
Eletrólise_ Fundamentos
 
Eletroquímica eletrólise
Eletroquímica   eletróliseEletroquímica   eletrólise
Eletroquímica eletrólise
 
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redoxCORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
CORREÇÃO DA LISTA de exercício sobre redox
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
 
Experimental eletroquímica
Experimental eletroquímicaExperimental eletroquímica
Experimental eletroquímica
 
Pr tica 9
Pr tica 9Pr tica 9
Pr tica 9
 
eletroquimica.pdf
eletroquimica.pdfeletroquimica.pdf
eletroquimica.pdf
 
EletroquÍmica
EletroquÍmicaEletroquÍmica
EletroquÍmica
 
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2seriesResolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
Resolucao dos exercicios_sobre_pilhas_-_3bimestre_-_2series
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Leveson
LevesonLeveson
Leveson
 
Leveson
LevesonLeveson
Leveson
 
Exercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimicaExercicio de eletroquimica
Exercicio de eletroquimica
 
Eletroquímica - células eletrolíticas
Eletroquímica  -  células eletrolíticasEletroquímica  -  células eletrolíticas
Eletroquímica - células eletrolíticas
 
Eletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletroliseEletroquimica e eletrolise
Eletroquimica e eletrolise
 
Eletroquímica
Eletroquímica Eletroquímica
Eletroquímica
 
Eletroquímica2
Eletroquímica2Eletroquímica2
Eletroquímica2
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

Aula de Eletroquímica

  • 1. CIEP-386- GUILHERME DA SILVEIRA FILHOCIEP-386- GUILHERME DA SILVEIRA FILHO Prof. JABFelicio Eletroquímica A eletroquímica é a parte da Química que estuda não só os fenômenos envolvidos na produção de corrente elétrica a partir da transferência de elétrons ocorrida em reações de óxido-redução, mas também a utilização de corrente elétrica na produção dessas reações. O seu estudo pode ser dividido em duas partes: Pilhas e Eletrólise 1) Pilhas São dispositivos nos quais uma reação espontânea de óxido-redução produz corrente elétrica. Revisão de Reações de oxi-redução Uma reação eletroquímica sempre é uma reação de oxi-redução. Ex.: Podemos verificar que de acordo com a reação acima, temos: 1- elemento que sofre oxidação........ Zn (existe a perda de elétrons, logo o seu nox. aumenta) 2- elemento que sofre redução.......... Cu (existe o ganho de elétrons, logo o seu nox diminui). 3- agente oxidante ............Cu2+ ( é a espécie que se reduz ou é a espécie com que faz o zinco metálico se oxidar) 4- agente redutor................Zn 0 ( é a espécie que se oxida ou a espécie com que faz o íon cobre se reduzir). Em uma reação eletroquímica sempre uma espécie se reduz e outra se oxida. Nunca as duas podem oxidar ou se reduzir. Ordem de Reatividade de Metais 1
  • 2. Pilhas de Daniell A montagem da pilha de Daniell consiste em: 1- uma placa metálica de cobre (eletrodo) 2- uma placa metálica de zinco (eletrodo) 3- uma solução de sulfato de cobre ( CuSO4) cor azul. 4- uma solução de sulfato de zinco (ZnSO4) 5- um tubo de vidro em forma de U contendo( K2SO4), chamada de ponte salina. 6- um fio condutor externo 7- uma lâmpada ou voltímetro (Teste da passagem de elétrons) O tubo U funciona como uma ponte salina para o equilíbrio eletrolítico e funcionamento da pilha, fornecendo: a) ânions (SO4 -2 ) para onde ocorreu oxidação, onde há falta deles; por isso esse lado da pilha é chamado de ânodo; b) cátions (K+ ) para onde ocorreu redução, onde há falta deles; por isso esse lado da pilha é chamado de cátodo. Tem a finalidade de manter as duas semicelas neutras através da migração de íons (corrente elétrica) Obs. O eletrodo onde ocorre a redução é chamado de cátodo (pólo positivo), onde chegam os elétrons. O eletrodo onde ocorre a oxidação é chamado de ânodo (pólo negativo), de onde partem os elétrons Ânodo: Zn(s) → Zn2+ (aq) + 2é Cátodo: Cu2+ (aq) + 2é → Cu(s) ______________________________________ reação global Zn (s) + Cu2+ (aq) → Zn2+ (aq) + Cu(s) 2
  • 3. Representação oficial por convenção mundial de uma pilha A pilha estudada pode ser representada por: Zn0 / Zn2+ // Cu2+ / Cu0 Potencial das Pilhas Na pilha de Daniell, os eletrodos são de zinco( Zn) e cobre (Cu). Tanto os íons de zinco (Zn2+ ) como os de cobre (Cu2+ ) têm uma certa tendência de receber elétrons; porém, os íons de cobre são os que sofrem redução. Podemos concluir, então, que a tendência do íon cobre em sofrer redução é maior que a do íon zinco. Assim, dizemos que os íons Cu2+ tem maior potencial de redução. E red Cu2+ > E red Zn2+ Logo, o zinco sofrerá oxidação, o que nos permite concluir que ele apresenta maior potencial de oxidação. E oxi Zn > E oxi Cu Obs. Em uma pilha, a espécie que apresenta maior E red sofre redução e, portanto, a outra espécie, de maior E oxi, sofre oxidação 3
  • 4. Tabela de Potenciais de Oxidação e Redução 4
  • 6. Cálculo do Potencial de uma Pilha A diferença de potencial ou ddp ( ΔE) de uma pilha depende das espécies envolvidas, das suas concentrações e da sua temperatura. Por esse motivo, o ΔE é medido na chamada condição padrão, que corresponde a espécies com concentração 1mol/L e possíveis gases envolvidos com pressão de 1 atmosfera a 25°C. Nessa condições, a diferença de potencial da pilha será representada por ΔE0 . ΔE0 = (E0 red maior) – ( E0 red menor ) ou ΔE0 = (E0 oxi maior) – ( E0 oxi menor ) No nosso exemplo podemos então calcular a ddp de nossa pilha, de acordo com os potenciais de oxidação e redução de cada espécie dada: ΔE0 = (E0 oxi maior) – ( E0 oxi menor ) ΔE0 = + 0,76V – ( - 0,34V) ΔE0 = + 1,10 V Obs. Para saber se uma reação ocorre ou não devemos observar o potencial padrão (E°) de cada espécie envolvida na reação. A soma dos Eo deve ser positiva, ou seja ΔE0 >O. Eletrólise Ígnea Na Eletrólise Ígnea, uma Substância Iônica, geralmente um Sal, é colocada em uma cuba ou célula eletrolítica e é aquecida até atingir a sua temperatura de fusão. No estado líquido ou fundido, as substâncias iônicas se dissociam e seus íons se movimentam livre na cuba eletrolítica. EQUAÇÃO DE DISSOCIAÇÃO IÔNICA DO NaCl FUNDIDO NaCℓ → Na + + Cℓ - Você já sabe que, quando ligamos o gerador de corrente elétrica ou a pilha, a mesma transporta os elétrons dos ânions para os cátions, provocando a migração dos ânions para o pólo positivo e a migração dos cátions para o pólo negativo. Assim,se a substância iônica utilizada eletrólise ígnea for NaCℓ, teremos: 6
  • 7. Assim teremos as seguintes reações: a) Migração do ânion Cℓ- para o ânodo (+): ocorre oxidação: 2 Cℓ- → Cℓ2 + 2 e- (geração de gás cloro) b) Migração do cátion Na+ para o cátodo (-): ocorre redução: 2 Na+ + 2 e- → Nao ( sódio metálico) Reação total da célula: 2 NaCℓ → 2Na(s) + Cℓ2(g) OBS.1 Quando os ânions F-1 , Cl-1 , Br-1 , I-1 , N-3 , O-2 se oxidam, formam substâncias simples biatômicas , logo, são necessários 2 ânions de cada espécie para que a molécula biatômica possa ser formada. Ex. 2 F-1 → F2 + 2é OBS.2 Quando cátions de Metais se Reduzem, formam substância simples Monoatômicas Ex: Nao , Ko , Mgo , Ago , Nio , Ko , etc. 7
  • 8. ELETRÓLISE AQUOSA Na Eletrólise em Solução Aquosa, coloca-se em uma cuba ou célula eletrolítica ma solução formada pelo solvente água e por um soluto que pode ser um sal, um ácido ou uma base. A característica mais importante deste tipo de eletrólise é que, neste caso, além dos íons provenientes da dissociação iônicas ou então, da ionização do soluto, encontramos também os íons da ionização da água. Ex. Eletrólise aquosa do sal NaCl. NaCℓ→ Na+ + Cℓ - H2O → H+ OH - Observe que temos um total de dois íons cátions e dois íons ânions, porém somente um cátion um ânion poderão migrar para cada eletrodo. Preferência de descarga no catodo Quando o hidrogênio ganha a competição, teremos a redução do mesmo no catodo 2H+ + 2é → H2 8
  • 9. Preferência de descarga no anodo Quando a hidroxila ganha a competição, teremos a oxidação da mesma no anodo 2OH- → H2O + ½ O2 + 2é No nosso exemplo, teremos 2NaCℓ→ 2Na+ + 2Cℓ - 2H2O → 2H+ + 2OH - Catodo: 2H+ + 2é → H2 Anodo: 2Cℓ- → Cℓ2 + 2é Somando-se as semi-equações, acharemos a equação global: 2NaCℓ + 2 H2O → H2 + Cℓ2 + 2Na+ + 2OH- Obteremos os seguintes produtos: Gás cloro no anodo, gás hidrogênio no catodo. Vamos obter também a soda cáustica ( NaOH). Essa eletrólise é usada para obtenção industrial de soda cáustica. Estequiometria da Eletrólise Se em 1 mol de elétrons possui 6,02 x 10 23 elétrons, podemos então calcular a carga de 1 mol de é. 1 é..........................1,6 x 10 -19 coulombs 6,02 x 10 23 .................x x = 96500 C ou 1 Faradays ( F) Podemos dizer que 1 mol de é transporta 96500 C = 1 F Michael Faradays descobriu experimentalmente que a massa depositada nos eletrodos, para determinado eletrólito, é diretamente proporcional à carga que passa pela solução. m α ∆Q ......... sendo ∆Q = i∆t então m α i∆t 9
  • 10. ∆Q = carga elétrica i = corrente elétrica ∆t = intervalo de tempo, em segundos. Exercícios: 1)Escreva as equações que representam a redução dos seguintes íons: a) Ni2+ b) Al 3+ c) Cu+ d) Pb+4 2) Consultando a série de reatividade acima, indique se as reações abaixo representadas por seus reagentes ocorrem ou não. a) Mn + Fe2+ → b) Mg + Ni2+ → c) Cu + Zn2+ → d) Pt + H+ → e) Ag + Hg+ → PILHAS 1)Dada a célula eletroquímica ilustrada, considere os seguintes potenciais-padrão de redução. E° E° Zn2+/Zn0 = - 076V Au3+/ Au0 = + 1,50V A partir dessas informações, responda: a) qual a reação catódica? b) qual a reação anódica? c) qual a reação global da pilha? d) a ddp da pilha é ? e) a célula é espontânea ? Justifique 10
  • 11. 2) Considere as montagens abaixo, onde temos uma placa de zinco dentro de uma solução contendo íons Zn2+ ( recipiente A) e uma placa de prata dentro de uma solução contendo íons Ag+. As duas soluções são unidas por um tubo em U contendo solução de KCℓ. Considerando os seguintes potenciais Zn2+ (aq) + 2 e- → Zn(s) Eo = -0 76 V Ag+ (aq) + e- → Ag (s) Eo = + 0,80 V Ao unirmos as placas metálicas com um fio, a pilha começa a funcionar. Com base nesses dados, responda: a) Qual dos eletrodos é o anodo? b) Qual dos eletrodos é o catodo? c) Qual espécie química é oxidada e qual é reduzida? d) Qual a ddp da pilha? e) Escreva as equações das semi-reações de oxidação e redução e da reação global. 3) A fantástica proliferação de telefones celulares provocou uma discussão quanto ao destino a ser dado para as baterias na hora do descarte. Constituídas pelos metais níquel e cádmio, o seu depósito em lixões causa contaminação ambiental. Hoje, o destino dessas baterias é de responsabilidade do fabricante e a ele devem ser devolvidas para reciclagem. A reação global de descarga de uma bateria de NiCd pode ser representada por Cd + NiO2 + 2 H2O → Cd(OH)2 + Ni(OH)2 Analisando essa equação, responda: a) Durante a descarga, quem oxida? Quem reduz? b) Qual material constitui o anodo dessa pilha? 3A) De acordo com a pilha do exercício 1 responda: a)Quem é o anodo? b) Quem é o catodo? c) De onde partem os elétrons? d) Qual a placa que sofre oxidação? 11
  • 12. e) Qual a placa que sofre redução? f) Qual a solução que vai ficar diluída ? g) Qual a solução que vai ficar concentrada? h) Qual a semi reação de oxidação? i) Qual a semi reação de redução? j) Qual a reação global da pilha? k)Qual a DDP da pilha ? l)Qual o pólo negativo da pilha? m) Qual o pólo positivo da pilha ? 5) De acordo com a pilha abaixo, responda as mesmas perguntas conforme o exercício 4: Al Al 3+ + 3é Pot. De Oxidação E0 = 1,66 V Cu Cu 2+ + 2é Pot. De Oxidação E0 = - 0,34 V 4) Uma bandeja de prata perde o lustre ao reagir com o enxofre presente em certos alimentos como ovos, ou com substâncias presentes no ar atmosférico (SO2 e também H2S). Quando isso ocorre, forma-se um revestimento escuro de sulfeto de prata, Ag2S. Esse revestimento pode ser removido colocando-se a bandeja em uma panela de alumínio com água quente e um pouco de detergente. A reação que ocorre nesse processo é a seguinte: 3 Ag2S + 2 Aℓ → Aℓ2S3 + 6 Ag a) Podemos considerar que se formou uma pilha entre a prata e o alumínio? b) Escreva as semi-reações de oxidação e de redução. c) Escreva a equação global 5) Dados os potenciais-padrão de oxidação. A0 A3+ + 3é E0 = + 1,50V B0 B1+ + 1é E0 = - 0,80V C0 C 2+ + 2é E0 = - 2,05V D0 D 2+ + 2é E0 = + 0,76V a) Escolha as espécies que formarão a pilha de maior ddp 12
  • 13. b) Melhor agente redutor. c) Melhor agente oxidante. ELETRÓLISE ÍGNEA 1) Equacione as semi-reações envolvidas na eletrólise ígnea do NiCl2, indicando os produtos no cátodo e no ânodo, bem como a reação global da eletrólise. 2) A corrosão de ferro metálico envolve a formação de íons Fe3+ . Para evitá-la, chapas de ferro são recobertas por uma camada de outro metal. Em latas de alimentos a camada é de estanho metálico e em canos d’água, de zinco metálico. Explique por que: a) a camada de zinco evita a corrosão de canos d’água; b) quando a camada de estanho é danificada, expondo a superfície do ferro, a corrosão acontece mais rapidamente do que quando a referida camada está ausente. (Dado: potenciais - padrão de redução a 25ºC ) Zn2+ + 2é Zn (s) E0 = - 0,763 V Fe2+ + 2é Fe(s) E0 = -0,409 V Sn2+ + 2é Sn(s) E0 = -0,136 V 3) Ferro zincado é o ferro que contém pequena quantidade de zinco metálico. A partir dos potenciais-padrão de redução, listados a seguir, explique os seguintes fatos observados no cotidiano. E0 (V) Fe2+ + 2é = Fe - 0,440 Zn2+ + 2é = Zn - 0,763 Al3+ + 3é = Al - 1,663 a) Rebites de ferro em esquadrias de alumínio causam corrosão do alumínio. b) Pregos de ferro zincado são resistentes à ferrugem. 13
  • 14. ELETRÓLISE AQUOSA 1) Equacione as reações que ocorrem na eletrólise aquosa das substâncias a seguir, indicando os produtos formados nos eletrodos e na solução. Diga também qual o caráter da solução formada a) CuBr2 b) CaCℓ2 c) Na2SO4 d) AgNO3 e) NaI 2) Por uma solução aquosa de H2SO4 contida em uma cuba eletrolítica, fez se passar durante 965s uma corrente de 10A. Calcule o volume de O2(g) na cNTP, produzido no anodo e o volume de H2(g), nas CNTP, produzido no catodo 3) Qual o tempo necessário para obtermos 3,175g de cobre a partir de uma solução sulfato de cobre, sabendo que a corrente elétrica é de 100A? 4) Por uma solução aquosa de um sal sulfato de cobre II, contida em uma cubra eletrolítica faz- se passar, durante 4.825s, uma corrente de 2A. Qual é a massa de cobre depositada no catodo? 5) Calcular a massa de alumínio produzida na eletrólise ígnea da alumina (Aℓ2O3), quando se faz passar,por uma cuba eletrolítica uma corrente de 96,5A durante 1min.e 40seg. 6) Em uma determinada eletrólise usando solução de CuSO4 para deposição de Cu em uma peça, a quantidade de cargas envolvidas foi igual a 19 300C. Qual amassa de cobre que se depositou? 7) Escreva a equação global que representa a eletrólise do NaCl em meio aquoso. Sabendo que são produzidos 7.200g de hidrogênio, calcule a) a massa de NaCl consumido; b) a massa de cloro produzido; c) o volume de cloro produzido em C.N.T.P. 14