SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
LIGAÇÕES QUÍMICAS EQUIPE: ANDREZA  WELLINGTON HERALDO NICHOLAS ROGER
Introdução Ao longo do século XIX, enquanto se formulava a teoria atômica,  sucederam-se com maior ou menor grau de acerto suposições  sobre a natureza das forças que mantêm unidos os átomos nos  compostos químicos.  Uma das hipóteses mais aceitas foi a de Berzelius, segundo a qual  as combinações  químicas obedecem ao princípio da atração entre cargas elétricas  de sinais opostos.
Os átomos ligam-se para adquirir maior estabilidade com o mínimo de energia.
O gás hélio (He)  O gás neônio (Ne) O gás argônio (Ar),  O gás criptônio (Kr),  O gás xenônio (Xe)  Gases Nobres (8A): são encontrados isoladamente porque são estáveis por natureza. O gás hélio (He) tem dois elétrons na camada K. O neônio (Ne), argônio (Ar),criptônio (Kr), xenônio (Xe), radônio (Rn) e Ununóctio apresentam oito elétrons na camada de valência (que é a última camada).
Sendo que o radônio  tem sido aplicado como fonte de radiação em canceroterapia, oferecendo algumas vantagens sobre o rádio. Utiliza-se também como indicador radioactivo para a detecção de fugas de gases e na medida da velocidade de escoamento de fluidos. Também é utilizado em sismógrafos e como fonte de neutrons.O átomo de rádon é altamente instável. Todos os seus isótopos têm semi-vidas extremamente curtas e emitem radiação alfa, transformando-se em polónio. O rádon é formado na desintegração do rádio e, portanto, todos os minerais que contêm rádio têm também rádon.
Ununóctio (do latim um, um, oito) é o nome provisório do elemento químico superpesado  sintético de número atômico 118 (118 prótons e 118 elétrons). Seu símbolo químico provisório  e Ocupa o grupo 18 (VIIIA ou 0) da tabela periódica juntamente com os gases nobres. Pela posição na tabela periódica, a previsão é que apresente propriedades químicas similares ao radônio. Por isso, também é conhecido pelo nome de eka-radônio. Provavelmente será o segundo elemento gasoso radioativo, e o primeiro gás com semicondutividade.
As ligações químicas podem ser classificadas em 3 categorias: E. Eletropositivo + E. Eletronegativo Iônica E. Eletronegativo + E. Eletronegativo Covalente E. Eletropositivo + E. Eletropositivo Metálica
Ligação Iônica
A ligação iônica ocorre entre metais e não metais e entre metais e hidrogênio. Num composto iônico, a quantidade de cargas negativas e positivas é igual. Cristal de cloreto de sódio A ligação entre o sódio (11Na) e o cloro (17Cl) é um exemplo característico de ligação iônica. Observe a distribuição dos elétrons em camadas para os dois elementos: Na   2 - 8 - 1        Cl   2 - 8 - 7
± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± elétrontotalmentetransferido sódio#e=2+8+1=#p + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – cloro#e=2+8+7=#p Ligação Iônica no NaCl Carga positiva Íon sódio  #e = #p -1 Carga negativa íon cloreto #e = #p+1
Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Na+ Na+ Na+ Na+ Cl- Na+ Na+ Na+ Na+ Cl- Cl- Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Ligação Iônica no NaCl Opostos se  atraem. Sódios se acomodam entre cloros. formam-se cristais cúbicos perfeitos.
Para o cloro interessa adicionar um elétron à sua última camada, completando a quantidade de oito elétrons nela. Ao sódio interessa perder o elétron de sua camada M, assim a anterior passará a ser a última, já possuindo a quantidade necessária de elétrons. Na representação da ligação, utilizamos somente os elétrons da última camada de cada átomo. A seta indica quem cede e quem recebe o elétron. Cada elétron cedido deve ser simbolizado por uma seta. Esta representação é conhecida por fórmula eletrônica ou de Lewis. Então:  METAL + NÃO-METAL ->  LIGAÇÃO IÔNICA
Se os íons já estão formados e eletronicamente estáveis, haverá assim uma interação eletrostática, mais conhecida como ligação iônica. Esse fenômeno químico acontece obedecendo à regra: cargas com sinais opostos se atraem. Veja a equação:                                          Ca2+ + CO32- -> CaCO3 Há, no entanto, uma tênue linha divisória entre a ligação covalente e a iônica. Com relação à eletronegatividade dos elementos participantes, Linus Pauling estabeleceu que se a diferença de eletronegatividade(ΔE) for superior à 1,7, a ligação é iônica. No entanto, pode-se dizer que a ligação Carbono-Bromo (ΔE < 1,65) tem caráter levemente iônico.
É reconhecido como um dos quatro maiores cientistas da humanidade (Galileu, Newton e Einstein).
(28 de Fevereiro de 1901, Portland, Estados Unidos da América – 19 de Agosto de 1994) Foi um químico quântico e bioquímico dos Estados Unidos da América. Também é reconhecido como cristalográfico, biólogo molecular e pesquisador médico. Pauling é amplamente reconhecido como um dos principais químicos do século XX. Foi pioneiro na aplicação da Mecânica Quântica em Química, e em 1954 foi galardoado com o Prêmio Nobel da Química pelo seu trabalho relativo à natureza das ligações químicas.
Ligação covalente ou moleculares Substâncias covalentes: formado entre não-metais
VALÊNCIA Habilidade que os elementos possuem de estabelecer ligações químicas Elétrons de valência: elétrons mais externos do átomo e que participam das ligações químicas
Ocorre, em geral , entre átomos de não metais onde a diferença de eletronegatividade seja baixa. A  ligação  covalente e decorre do compartilhamento o de pares de elét rons, com spins oposto os ou Anti –paralelos, formando moléculas. - se o par de elét rons é constituído por um elétron de cada átomo envolvido, a  ligação é dita covalente e  normal ; - se o par de elét rons é cedido por apenas um dos átomos a ligação é dita covalente e dativa ou coordenada .
Cl - Cl ,[object Object]
Ex: Molécula de Cl2
Elétrons de valência são os elétrons dos orbitais mais externos.
Um elétron de cada átomo é compartilhado com o outro, gerando uma camada completa para ambos. ,[object Object]
Tem uma grande faixa de energias de ligação => pontos de fusão
 Energias da ordem de centenas de kJ/mol
 Ex: Carbono na estrutura do diamante  3550°C
 Ex: Bismuto  270°C,[object Object]
Molécula deetileno Mero de etileno Molécula depolietileno Exemplo em polímeros	 ,[object Object]
 Na molécula de etileno (C2H4), os carbonos compartilham dois pares de elétrons.
A ligação covalente dupla pode se romper em duas simples permitindo a ligação com outros “meros” para formar uma longa molécula de polietileno.,[object Object]
24 Ligação Covalente(cont.) ,[object Object]
Forma-se com átomos de alta eletronegatividade
A ligação covalente é direcional e forma ângulos bem definidos (apresenta um certo grau de ligação iônica)
A ligação covalente é forte = 125-300 Kcal/mol
Esse tipo de ligação é comum em compostos orgânicos, por exemplo em materiais poliméricose diamante.Ex: metano (CH4)
Ligações de hidrogênioligammoléculas de água ,[object Object]
 Elétrons preferem O em relaçãoao H
Ligações de Hidrogênioformam-se entre O de umamolécula de água e o H de outra+ – O H + H – O H Ligações de  Hidrogênio + + H +
Devidoàsligações de hidrogênio, a água apresenta: ,[object Object],				   ligações de hidrogênio  				   na interface ar-água ,[object Object],[object Object]
Adesão: moléculas de água se associam 	   com outrasmoléculasousuperfícies,[object Object]
Devidoàsligações de hidrogênio, a água resiste a mudanças de temperatura Água apresenta altos  valores de Calorespecífico: calor necessário para mudar a temperatura Calor de Vaporização: calornecessário para                                  converter líquido em gas
Devido às ligações de hidrogênio, a densidade diminui sob congelamento Gelo flutua !
Água comosolvente Substâncias que se dissolvem em água = hidrofílicas Polares Iônicas Substâncias que são insolúveis em água = hidrofóbicas Não-polares
NaCl dissolve em Água Ligações Iônicas de NaCl têm cargas +/- Água tem cargas +/- parciais O  tende a juntar-se ao Na+ H tende a juntar-se ao Cl-
– + Dissociação + Íon hidrogênio Água íon hidroxido Umas poucas moléculas de água naturalmente se dissociam em íons ,[object Object]
íon hidrogênio é positivo e ácido,[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.Funções Orgânicas Nitrogenadas.
Funções Orgânicas Nitrogenadas.
 
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
Aula   polaridade,  geometria molecular e forças intermolecularesAula   polaridade,  geometria molecular e forças intermoleculares
Aula polaridade, geometria molecular e forças intermoleculares
 
Calculo estequiometrico
Calculo estequiometricoCalculo estequiometrico
Calculo estequiometrico
 
Funções orgânicas slide
Funções orgânicas slideFunções orgânicas slide
Funções orgânicas slide
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Balanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicasBalanceamento de equações químicas
Balanceamento de equações químicas
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Leis ponderais
Leis ponderaisLeis ponderais
Leis ponderais
 
Introdução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânicaIntrodução a Quimica orgânica
Introdução a Quimica orgânica
 
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbonoQuímica Orgânica: introdução ao estudo do carbono
Química Orgânica: introdução ao estudo do carbono
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Química Orgânica: CARBONO
Química Orgânica: CARBONOQuímica Orgânica: CARBONO
Química Orgânica: CARBONO
 
Equilíbrio Químico
Equilíbrio QuímicoEquilíbrio Químico
Equilíbrio Químico
 
Forças intermoleculares
Forças intermoleculares Forças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Ligações covalentes
Ligações covalentesLigações covalentes
Ligações covalentes
 
Aula - Ligação Química
Aula - Ligação QuímicaAula - Ligação Química
Aula - Ligação Química
 
Polaridade de ligações e moléculas
Polaridade de ligações e moléculasPolaridade de ligações e moléculas
Polaridade de ligações e moléculas
 
Aula funções oxigenadas
Aula  funções oxigenadasAula  funções oxigenadas
Aula funções oxigenadas
 

Destaque

Destaque (6)

Ligaçoes quimicas
Ligaçoes quimicasLigaçoes quimicas
Ligaçoes quimicas
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Ligações químicas
Ligações químicas  Ligações químicas
Ligações químicas
 
Química orgânica - Isomeria
Química orgânica - IsomeriaQuímica orgânica - Isomeria
Química orgânica - Isomeria
 
Isomeria em nosso cotidiano
Isomeria em nosso cotidianoIsomeria em nosso cotidiano
Isomeria em nosso cotidiano
 

Semelhante a Ligações químicas

3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemploSimone Belorte de Andrade
 
Ligacoes quimicas geometria
Ligacoes quimicas   geometriaLigacoes quimicas   geometria
Ligacoes quimicas geometriaRafael Milan
 
aula ligações químicas - iônica e covalente.ppt
aula ligações químicas - iônica e covalente.pptaula ligações químicas - iônica e covalente.ppt
aula ligações químicas - iônica e covalente.pptPedro Ribeiro
 
2. Interações Intramoleculares.pptx
2. Interações Intramoleculares.pptx2. Interações Intramoleculares.pptx
2. Interações Intramoleculares.pptxBentoLopes5
 
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularLigações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularCarlos Priante
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações QuímicasVinny Silva
 
Ligações covalentes trabalho de quimica
Ligações covalentes trabalho de quimicaLigações covalentes trabalho de quimica
Ligações covalentes trabalho de quimicaslidesescolares
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptRicardoBrunoFelix
 
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.MariajulianaAraujode1
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptGluciaCoutinho3
 
Ligações interatômicas
Ligações interatômicasLigações interatômicas
Ligações interatômicasdianalove15
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicasEfraim Lima
 
Aula 5_ Revisão tabela e ligações iônicas.ppt
Aula 5_ Revisão tabela e ligações iônicas.pptAula 5_ Revisão tabela e ligações iônicas.ppt
Aula 5_ Revisão tabela e ligações iônicas.pptGustavoPlaster1
 

Semelhante a Ligações químicas (20)

Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
3o ano-ensino-medio-ligacoes-quimicas exemplo
 
Ligacoes quimicas geometria
Ligacoes quimicas   geometriaLigacoes quimicas   geometria
Ligacoes quimicas geometria
 
Ligações
LigaçõesLigações
Ligações
 
aula ligações químicas - iônica e covalente.ppt
aula ligações químicas - iônica e covalente.pptaula ligações químicas - iônica e covalente.ppt
aula ligações químicas - iônica e covalente.ppt
 
Trabalho de química
Trabalho de químicaTrabalho de química
Trabalho de química
 
Ligações Químicas.ppt
Ligações Químicas.pptLigações Químicas.ppt
Ligações Químicas.ppt
 
Ligacoes quimicas
Ligacoes quimicasLigacoes quimicas
Ligacoes quimicas
 
2. Interações Intramoleculares.pptx
2. Interações Intramoleculares.pptx2. Interações Intramoleculares.pptx
2. Interações Intramoleculares.pptx
 
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecularLigações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
Ligações químicas, Forças intermoleculares, Geometria molecular
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Ligações covalentes trabalho de quimica
Ligações covalentes trabalho de quimicaLigações covalentes trabalho de quimica
Ligações covalentes trabalho de quimica
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
 
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
aula 3 ligações químicas. aula sobre a estrutura das ligações.
 
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.pptAula_3_Ligações Químicas.ppt
Aula_3_Ligações Químicas.ppt
 
Aula_3_Ligações Químicas.pdf
Aula_3_Ligações Químicas.pdfAula_3_Ligações Químicas.pdf
Aula_3_Ligações Químicas.pdf
 
Ligações interatômicas
Ligações interatômicasLigações interatômicas
Ligações interatômicas
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
Aula 5_ Revisão tabela e ligações iônicas.ppt
Aula 5_ Revisão tabela e ligações iônicas.pptAula 5_ Revisão tabela e ligações iônicas.ppt
Aula 5_ Revisão tabela e ligações iônicas.ppt
 
ligação quimica ifms.ppt
ligação quimica ifms.pptligação quimica ifms.ppt
ligação quimica ifms.ppt
 

Último

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxmariiiaaa1290
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 

Último (20)

MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 

Ligações químicas

  • 1. LIGAÇÕES QUÍMICAS EQUIPE: ANDREZA WELLINGTON HERALDO NICHOLAS ROGER
  • 2. Introdução Ao longo do século XIX, enquanto se formulava a teoria atômica, sucederam-se com maior ou menor grau de acerto suposições sobre a natureza das forças que mantêm unidos os átomos nos compostos químicos. Uma das hipóteses mais aceitas foi a de Berzelius, segundo a qual as combinações químicas obedecem ao princípio da atração entre cargas elétricas de sinais opostos.
  • 3. Os átomos ligam-se para adquirir maior estabilidade com o mínimo de energia.
  • 4. O gás hélio (He) O gás neônio (Ne) O gás argônio (Ar), O gás criptônio (Kr), O gás xenônio (Xe) Gases Nobres (8A): são encontrados isoladamente porque são estáveis por natureza. O gás hélio (He) tem dois elétrons na camada K. O neônio (Ne), argônio (Ar),criptônio (Kr), xenônio (Xe), radônio (Rn) e Ununóctio apresentam oito elétrons na camada de valência (que é a última camada).
  • 5. Sendo que o radônio tem sido aplicado como fonte de radiação em canceroterapia, oferecendo algumas vantagens sobre o rádio. Utiliza-se também como indicador radioactivo para a detecção de fugas de gases e na medida da velocidade de escoamento de fluidos. Também é utilizado em sismógrafos e como fonte de neutrons.O átomo de rádon é altamente instável. Todos os seus isótopos têm semi-vidas extremamente curtas e emitem radiação alfa, transformando-se em polónio. O rádon é formado na desintegração do rádio e, portanto, todos os minerais que contêm rádio têm também rádon.
  • 6. Ununóctio (do latim um, um, oito) é o nome provisório do elemento químico superpesado sintético de número atômico 118 (118 prótons e 118 elétrons). Seu símbolo químico provisório e Ocupa o grupo 18 (VIIIA ou 0) da tabela periódica juntamente com os gases nobres. Pela posição na tabela periódica, a previsão é que apresente propriedades químicas similares ao radônio. Por isso, também é conhecido pelo nome de eka-radônio. Provavelmente será o segundo elemento gasoso radioativo, e o primeiro gás com semicondutividade.
  • 7. As ligações químicas podem ser classificadas em 3 categorias: E. Eletropositivo + E. Eletronegativo Iônica E. Eletronegativo + E. Eletronegativo Covalente E. Eletropositivo + E. Eletropositivo Metálica
  • 9. A ligação iônica ocorre entre metais e não metais e entre metais e hidrogênio. Num composto iônico, a quantidade de cargas negativas e positivas é igual. Cristal de cloreto de sódio A ligação entre o sódio (11Na) e o cloro (17Cl) é um exemplo característico de ligação iônica. Observe a distribuição dos elétrons em camadas para os dois elementos: Na   2 - 8 - 1        Cl   2 - 8 - 7
  • 10. ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± ± elétrontotalmentetransferido sódio#e=2+8+1=#p + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – cloro#e=2+8+7=#p Ligação Iônica no NaCl Carga positiva Íon sódio #e = #p -1 Carga negativa íon cloreto #e = #p+1
  • 11. Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Cl- Cl- Cl- Cl- Cl- Na+ Na+ Na+ Na+ Cl- Na+ Na+ Na+ Na+ Cl- Cl- Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Na+ Ligação Iônica no NaCl Opostos se atraem. Sódios se acomodam entre cloros. formam-se cristais cúbicos perfeitos.
  • 12. Para o cloro interessa adicionar um elétron à sua última camada, completando a quantidade de oito elétrons nela. Ao sódio interessa perder o elétron de sua camada M, assim a anterior passará a ser a última, já possuindo a quantidade necessária de elétrons. Na representação da ligação, utilizamos somente os elétrons da última camada de cada átomo. A seta indica quem cede e quem recebe o elétron. Cada elétron cedido deve ser simbolizado por uma seta. Esta representação é conhecida por fórmula eletrônica ou de Lewis. Então: METAL + NÃO-METAL ->  LIGAÇÃO IÔNICA
  • 13. Se os íons já estão formados e eletronicamente estáveis, haverá assim uma interação eletrostática, mais conhecida como ligação iônica. Esse fenômeno químico acontece obedecendo à regra: cargas com sinais opostos se atraem. Veja a equação: Ca2+ + CO32- -> CaCO3 Há, no entanto, uma tênue linha divisória entre a ligação covalente e a iônica. Com relação à eletronegatividade dos elementos participantes, Linus Pauling estabeleceu que se a diferença de eletronegatividade(ΔE) for superior à 1,7, a ligação é iônica. No entanto, pode-se dizer que a ligação Carbono-Bromo (ΔE < 1,65) tem caráter levemente iônico.
  • 14. É reconhecido como um dos quatro maiores cientistas da humanidade (Galileu, Newton e Einstein).
  • 15. (28 de Fevereiro de 1901, Portland, Estados Unidos da América – 19 de Agosto de 1994) Foi um químico quântico e bioquímico dos Estados Unidos da América. Também é reconhecido como cristalográfico, biólogo molecular e pesquisador médico. Pauling é amplamente reconhecido como um dos principais químicos do século XX. Foi pioneiro na aplicação da Mecânica Quântica em Química, e em 1954 foi galardoado com o Prêmio Nobel da Química pelo seu trabalho relativo à natureza das ligações químicas.
  • 16. Ligação covalente ou moleculares Substâncias covalentes: formado entre não-metais
  • 17. VALÊNCIA Habilidade que os elementos possuem de estabelecer ligações químicas Elétrons de valência: elétrons mais externos do átomo e que participam das ligações químicas
  • 18. Ocorre, em geral , entre átomos de não metais onde a diferença de eletronegatividade seja baixa. A ligação covalente e decorre do compartilhamento o de pares de elét rons, com spins oposto os ou Anti –paralelos, formando moléculas. - se o par de elét rons é constituído por um elétron de cada átomo envolvido, a ligação é dita covalente e normal ; - se o par de elét rons é cedido por apenas um dos átomos a ligação é dita covalente e dativa ou coordenada .
  • 19.
  • 21. Elétrons de valência são os elétrons dos orbitais mais externos.
  • 22.
  • 23. Tem uma grande faixa de energias de ligação => pontos de fusão
  • 24. Energias da ordem de centenas de kJ/mol
  • 25. Ex: Carbono na estrutura do diamante  3550°C
  • 26.
  • 27.
  • 28. Na molécula de etileno (C2H4), os carbonos compartilham dois pares de elétrons.
  • 29.
  • 30.
  • 31. Forma-se com átomos de alta eletronegatividade
  • 32. A ligação covalente é direcional e forma ângulos bem definidos (apresenta um certo grau de ligação iônica)
  • 33. A ligação covalente é forte = 125-300 Kcal/mol
  • 34. Esse tipo de ligação é comum em compostos orgânicos, por exemplo em materiais poliméricose diamante.Ex: metano (CH4)
  • 35.
  • 36. Elétrons preferem O em relaçãoao H
  • 37. Ligações de Hidrogênioformam-se entre O de umamolécula de água e o H de outra+ – O H + H – O H Ligações de Hidrogênio + + H +
  • 38.
  • 39.
  • 40. Devidoàsligações de hidrogênio, a água resiste a mudanças de temperatura Água apresenta altos valores de Calorespecífico: calor necessário para mudar a temperatura Calor de Vaporização: calornecessário para converter líquido em gas
  • 41. Devido às ligações de hidrogênio, a densidade diminui sob congelamento Gelo flutua !
  • 42. Água comosolvente Substâncias que se dissolvem em água = hidrofílicas Polares Iônicas Substâncias que são insolúveis em água = hidrofóbicas Não-polares
  • 43. NaCl dissolve em Água Ligações Iônicas de NaCl têm cargas +/- Água tem cargas +/- parciais O tende a juntar-se ao Na+ H tende a juntar-se ao Cl-
  • 44.
  • 45.
  • 46. Podemos concluir que: Ametal + Ametal -> Ligação Covalente -> Substância molecular -> Sólido ou Líquido ou Gás Analogamente, podemos dizer que, para atingir o octeto, os ametais do grupo 6A(16) devem compartilhar dois pares de elétrons; os do grupo 5A(15), três pares; e os do 4A(14), quatro pares.
  • 47. Ligação Metálica É a formação de nossos metais
  • 48. Ligação metálica é a ligação entre metais e metais. Formam as chamadas ligas metálicas que são cada vez mais importantes para o nosso dia-a-dia.No estado sólido, os metais se agrupam de forma geometricamente ordenados formando as células, ou grades ou retículo cristalino.Uma amostra de metal é constituída por um grande número de células unitárias formadas por cátions desse metal. Na ligação entre átomos de um elemento metálico ocorre liberação parcial dos elétrons mais externos, com a conseqüente formação de cátions, que formam as células unitárias. Esses cátions têm suas cargas estabilizadas pelos elétrons que foram liberados e que ficam envolvendo a estrutura como uma nuvem eletrônica. São dotados de um  certo movimento e, por isso, chamados de elétrons livres. Essa movimentação dos elétrons livres explica por que os metais são bons condutores elétricos e térmicos. A consideração de que a corrente elétrica é um fluxo de elétrons levou à criação da Teoria da Nuvem Eletrônicaou Teoria do “Mar” de elétrons.Pode-se dizer que o metal seria um aglomerado de átomos neutros e cátions, mergulhados numa nuvem ou “mar” de elétrons livres. Esta nuvem de elétrons funcionaria como a ligação metálica, que mantém os átomos unidos.  
  • 50.
  • 51. Forma-se com átomos de baixa eletronegatividade (apresentam no máximo 3 elétrons de valência)
  • 52. Então, os elétrons de valência são divididos com todos os átomos (não estão ligados a nenhum átomo em particular) e assim eles estão livres para conduzir
  • 53. A ligação metálica não é direcional porque os elétrons livres protegem o átomo carregado positivamente das forças repulsivas eletrostáticas
  • 54. A ligação metálica é geralmente forte (um pouco menos que a iônica e covalente)= 20-200 Kcal/mol
  • 56. Estes elétrons são compartilhados pelos átomos, formando uma nuvem eletrônica, responsável pela alta condutividade elétrica e térmica destes materiais. Elétrons de valência Átomo+elétrons das camadas mais internas
  • 57. São estas ligações e suas estruturas que os metais apresentam uma série de propriedades bem características, como por exemplo, o brilho metálico, a condutividade elétrica, o alto ponto de fusão e ebulição, a maleabilidade, a ductilidade, a alta densidade e a resistência á tração. As ligas metálicas são a união de dois ou mais metais. Às vezes com não-metais e metais. As ligas têm mais aplicação do que os metais puros.Algumas ligas:- bronze (cobre + estanho) – usado em estátuas, sinos
  • 58. - aço comum (ferro + 0,1 a 0,8% de carbono) – com maior resistência à tração, é usado em construção, pontes, fogões, geladeiras.
  • 59. - aço inoxidável (ferro + 0,1 de carbono + 18% de cromo + 8% de níquel) – não enferruja (diferente do ferro e do aço comum), é usado em vagões de metrô, fogões, pias e talheres.
  • 60. - latão (cobre + zinco) – usado em armas e torneiras.
  • 61. - ouro / em jóias (75% de ouro ou prata + 25% de cobre) – usado para fabricação de jóias. Utiliza-se 25% de cobre para o ouro 18K. E o ouro 24K é considerado ouro puro. As substâncias metálicas são representadas graficamente pelo símbolo do elemento:Exemplo: Fe, Cu, Na, Ag, Au, Ca, Hg, Mg, Cs, Li.