SlideShare uma empresa Scribd logo
03/25/15 1mcscak.:
CURSO
TÉCNICO DE
ENFERMAGEM
Professora Ms.:
Maria da Conceição S. C. de Almeida Krometsek -
COREn-PB 126.406 ENF
E-mail: mcscak@gmail.com
03/25/15 2mcscak.:
Disciplina:
Saúde Pública
Semestre 2015.01
Tema 06
03/25/15 3mcscak.:
NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM
03/25/15 4mcscak.:
SUMÁRIO
 Alimentos
 Nutrientes
 Alimentação
 Nutrição
 Alimentação equilibrada e dieta
 Guia alimentar / Pirâmide alimentar
 Dietoterapia
 Dietas hospitalares
03/25/15 mcscak.: 5
ALIMENTOS
03/25/15 6mcscak.:
 Capacitação e atuação dos profissionais de saúde em
ambientes multidisciplinares.
 Importância de conhecimentos diversos e atualizados para esta
atuação.
 Preocupação com o bem-estar social e mental dos pacientes bem
como seu bem-estar físico  individualidade em termos
nutricionais, estilo de vida e enfermidades.
 Necessidade de alterações comportamentais para melhorar hábitos
dietéticos e processos de aprendizado.
 A nutrição previne o aparecimento de doenças através de uma
alimentação saudável e de forma terapêutica no controle de
doenças crônicas. Também é essencial no tratamento de diversas
enfermidades (doenças) que acometem o ser humano.
03/25/15 7mcscak.:
 Alimentos
 Nutrientes
 Alimentação
 Alimentação saudável
 Tipos de dietas
 Dietas em ambientes de tratamento
de saúde
03/25/15 8mcscak.:
Alimentos
 Produtos naturais ou elaborados, que, quando
ingeridos diariamente, fornecem energia e
substancias nutritivas ao organismo.
 São substancias sólidas ou liquidas que,
levadas ao tubo digestivo, são degradadas e
depois usadas para formar e/ou manter os
tecidos do corpo, regular processos orgânicos
e fornecer energia.
03/25/15 9mcscak.:
Alimentos
 Não existem alimentos perfeitos, ou seja,
nenhum alimento possui todos os nutrientes
responsáveis por regular, construir ou manter
os tecidos os tecidos e fornecer energia.
 A única exceção é o leite materno consumido
até os 6 meses de vida.
03/25/15 10mcscak.:
Alimentos
 Existem alimentos que só fornecem as chamadas
calorias vazias, ou seja, são concentrados em
certas substancias que se transformam apenas
em energia após a digestão, como é o caso das
bebidas alcoólicas e refrigerantes.
03/25/15 11mcscak.:
Nutrientes
 São todas as substancias químicas que fazem
parte dos alimentos. São absorvidos pelo
organismo, sendo indispensáveis para o seu
funcionamento.
 Os nutrientes
 irão formar os tecidos e os órgãos
 manter as atividades vitais e fazer a
manutenção necessária para o crescimento,
desenvolvimento e estabilidade,
 fornecer energia necessária ao organismo.
03/25/15 mcscak.: 12
 São ofertados em quantidades
variadas ao organismo.
São classificados em:
 Macronutrientes
 Micronutrientes
03/25/15 13mcscak.:
CLASSIFICAÇÃO DOS NUTRIENTES
 O organismo precisa em
grandes quantidades.
 São amplamente
encontrados nos
alimentos.
 São especificamente os
carboidratos, as
gorduras e as
proteínas.
 São substancias que o
organismo precisa absorver
em pequenas quantidades,
embora sejam muito
importantes para o
funcionamento orgânico.
 Existem dois tipos de
micronutrientes: as
vitaminas e os minerais.
Macronutrientes Micronutrientes
03/25/15 14mcscak.:
NUTRIENTES
03/25/15 15mcscak.:
Alimentação
 É a forma e a maneira de proporcionar
ao organismo os alimentos que são
indispensáveis.
 Este ato de buscar os alimentos, os
modificar se necessário, levá-los à
boca, os mastigar e os deglutir; além
de necessário é um ato social.
 Como se trata de um ato aprendido é ao
mesmo tempo educável. A alimentação é
um ato necessário, mas é passível de
educação e assim de modificação.
03/25/15 16mcscak.:
 Existe uma relação entre nutrição, saúde e
bem-estar físico e mental do indivíduo.
 Estudos comprovam que a boa alimentação tem
um papel fundamental na prevenção e no
tratamento de doenças.
 Há mais de 2000 anos, Hipócrates já afirmava
que “teu alimento seja teu remédio e que teu
remédio seja teu alimento”.
 O equilíbrio na dieta é um dos motivos que
permitiu ao ser humano ter vida mais longa no
século XX.
03/25/15 17mcscak.:
Alimentação saudável
Para o bem estar físico
– A alimentação
saudável deve fornecer
água, carboidrato,
proteína, lipídio,
vitaminas, fibras e
minerais, os quais são
insubstituíveis e
indispensáveis ao bom
funcionamento do
organismo
(Brasil, 2006)
03/25/15 18mcscak.:
Alimentação saudável
Para bem estar físico – a
alimentação variada e
adequada previne:
•Deficiências
nutricionais.
•Melhora a função
imunológica.
• Previne doenças
crônicas não
transmissíveis.
03/25/15 19mcscak.:
Alimentação saudável
Para o bem estar
mental – alimentar-
se de forma mais
harmônica e
prazerosa,
valorizando cada
alimento e seu sabor.
03/25/15 20mcscak.:
Alimentação saudável
Para o bem estar
social – respeitar a
cultura,
acessibilidade
financeira,
sabor e
variedade.
03/25/15 21mcscak.:
“Alimentação saudável” pode adquirir
muitos significados dependendo do país
ou região de um mesmo país, cultura e
época. Porém em geral a alimentação
saudável é sempre composta de uma
alimentação equilibrada.
03/25/15 22mcscak.:
Princípios da
alimentação saudável
 Variedade:
 É importante comer diferentes tipos de alimentos
pertencentes aos diversos grupos; a qualidade dos
alimentos tem de ser observada.
 Moderação:
 Não se deve comer nem mais nem menos do que o
organismo precisa; é importante estar atento à
quantidade certa de alimentos.
 Equilíbrio:
 Quantidade e qualidade são importantes; o ideal é
consumir alimentos variados, respeitando as
quantidades de porções recomendadas para cada grupo
de alimentos. Ou seja, “comer de tudo um pouco”.
03/25/15 23mcscak.:
RESUMO:
 Alimentação normal (equilibrada) deve ser
 quantitativamente SUFICIENTE
 qualitativamente COMPLETA
 além de HARMONIOSA em seus componentes e
 ADEQUADA à sua finalidade e ao organismo a
que se destina.
03/25/15 24mcscak.:
Alimentação saudável
Os dez passos
para
alimentação
saudável
03/25/15 25mcscak.:
Alimentação saudável
01 – Faça pelo menos três refeições por dia.
02 – Incluam diariamente seis
porções do grupo de cereais (arroz,
milho, trigo, pães e massas).
03/25/15 26mcscak.:
Alimentação saudável
03 – Coma diariamente pelo menos três
porções de legumes e verduras.
04 – Coma feijão com arroz todos os
dias ou pelo menos cinco vezes por
semana.
03/25/15 27mcscak.:
Alimentação saudável
05 – Consuma diariamente três porções
de leite e derivados e uma porção de
carnes, aves, peixes ou ovos. Retirar
gordura.
06 – Consuma, no máximo,
uma porção por dia de
óleos vegetais, azeite,
manteiga ou margarina.
03/25/15 28mcscak.:
Alimentação saudável
07 – Evite refrigerantes e sucos industrializados,
bolos, biscoitos doces e recheados, sobremesas e
outras guloseimas como regra da alimentação.
08 – Diminua a quantidade de sal na
comida e retire o saleiro da mesa.
03/25/15 29mcscak.:
Alimentação saudável
09 – Beba pelo menos 2 litros (6 a 8 copos)
de água por dia.
10 – Pratique pelo menos 30
minutos de atividade física todos
os dias e evite as bebidas
alcoólicas e o fumo. 
03/25/15 30mcscak.:
Nutrição
 Conjunto de processos fisiológicos pelos
quais o organismo recebe, transforma, absorve
e utiliza as substâncias químicas e os
nutrientes contidos nos alimentos.
 A nutrição completa se faz no interior de
cada célula. Esse processo natural não
depende da vontade do ser humano.
 Existem muitas maneiras de se alimentar, mas
só uma de se nutrir.
03/25/15 31mcscak.:
Uma pessoa pode achar que está bem alimentada
e talvez possa não estar bem nutrida.
 Consumir alimentos diversificados vão
proporcionar nutrientes ao organismo.
03/25/15 32mcscak.:
 Os alimentos podem ser organizados
em categorias a partir da função
que os nutrientes oferecem, como
 energéticos
 construtores e
 reguladores.
03/25/15 33mcscak.:
Alimentação saudável
Alimentos energéticosAlimentos energéticos
São os que fornecem carboidratos e lipídios (gorduras) ao
corpo.
Carboidratos – geralmente são de origem vegetal. São
capazes de oferecer nutrientes que serão transformados
em glicose, que será utilizada pelas células em energia para
sua manutenção.
♦ Fontes: cereais - arroz, milho, trigo, aveia e seus produtos:
farinhas, pães, macarrão, massas, bolos e biscoitos;
tubérculos – batata, batata-doce, inhame, e suas farinhas e
amidos.
03/25/15 34mcscak.:
Alimentação saudável
Alimentos energéticos
Lipídios - possuem alto valor
energético, protegem os
órgãos vitais e o organismo
contra a perda excessiva de
calor.
♦ Fontes:
óleos e gorduras vegetais –
azeite de oliva
gordura de coco
óleos vegetais
margarina.
03/25/15 35mcscak.:
Alimentação saudável -
Carboidratos
♦ Gorduras de origem animal –
banha suína, gordura de
animais, pele de aves,
manteiga, creme de leite,
queijos amarelos.
♦ Outras fontes de gordura –
frutas oleaginosas
(amendoim, castanhas, nozes,
avelã).
03/25/15 36mcscak.:
Alimentação saudável
Alimentos construtores
• Fornecem proteínas ao corpo.
• São componentes indispensáveis a toda célula viva.
• São substâncias que vão formar e manter os músculos, os
ossos, o sangue, os órgãos, a pele e o cérebro, construir
novos tecidos, promover o crescimento e contribuir para
a resistência do organismo às doenças.
♦ Fontes: carne suína, bovina, de aves, peixes, ovos, leite e
derivados, leguminosas secas (feijão, ervilha, lentilha,
soja).
03/25/15 37mcscak.:
Alimentação saudável
Carboidrato simples - O açúcar é rico em calorias e pobre
em nutrientes tornando-se um alimento com calorias vazias,
portanto é um grande vilão para saúde.
Fazem parte desse grupo o açúcar branco, açúcar mascavo,
mel, melado, mel de cana, refrigerantes e doces em geral.
Devem ser consumidos com moderação e com orientação.
mascavo
demerara
cristal
03/25/15 38mcscak.:
Alimentação saudável
Alimentos reguladores:
Fornecem vitaminas minerais, fibras e água.
 Vitaminas – são compostos orgânicos que aparecem nos
alimentos em pequenas concentrações, mas
desempenham funções especificas e vitais nas células e
nos tecidos do corpo. Não podem ser sintetizadas pelo
organismo, e sua ausência ou absorção inadequada
provocam doenças de carência especifica. Por isso as
vitaminas não podem faltar na alimentação.
♦ Fontes: frutas, verduras e legumes.
03/25/15 39mcscak.:
Alimentação saudável
Alimentos reguladores
Minerais - são concentrados no corpo e nos alimentos.
São partes integrantes de hormônios, enzimas e
vitaminas e fornecem os constituintes enriquecedores de
ossos e dentes. Cálcio, fósforo, enxofre, cloro e
magnésio são necessários ao organismo em grandes
quantidades diárias. Ferro, flúor, zinco, cobre, iodo,
cromo e cobalto são necessários em quantidades menores.
♦ Fontes: frutas, verduras e legumes.
03/25/15 40mcscak.:
Alimentação
saudável
Alimentos reguladores
Fibras – não são digeridas ou
absorvidas pelo organismo.
• Não possuem valor nutritivo ou
energético mas participam
ativamente da mecânica da
digestão, tornando-se mais fácil
e completa.
• Ajudam o alimento a se
movimentar através do intestino,
facilitando assim, o seu
funcionamento. Com poucas
fibras, o intestino trabalha com
dificuldade.
• Colaboram para controlar os
níveis de gordura no sangue e de
glicose, evitando glicemias
muito altas.
03/25/15 41mcscak.:
Alimentação saudável
Alimentos reguladoresAlimentos reguladores
Água –
principal componente do corpo humano
constitui cerca de 2/3 do peso corpóreo total.
Junto com o oxigênio, é o elemento mais importante para a
manutenção da vida.
Possui funções construtora e reguladora.
03/25/15 42mcscak.:
Proposta de refeição equilibrada
 Salada de alface, tomate e cenoura 
alimentos reguladores.
 Arroz  alimento energético.
 Feijão  alimento construtor.
 Bife grelhado ou frango assado 
alimento construtor.
 Suco de abacaxi  alimento energético.
 Óleo para o preparo dos alimentos 
alimento energético.
03/25/15 mcscak.: 43
Alimentação
equilibrada e dieta
03/25/15 44mcscak.:
 Regime alimentar –
estado que um
indivíduo se
encontra com
restrições
alimentares,
podendo ser
temporário ou
permanente.
 Dieta
alimentar –
conjunto das
refeições e ações
alimentícias que
se faz durante um
dia ou um período.
03/25/15 45mcscak.:
 As proporções exatas de cada alimento
não são iguais para todos os indivíduos -
as necessidades de nutrientes variam com a
atividade que desenvolve e as necessidades
fisiológicas de cada um.
03/25/15 46mcscak.:
 As necessidades
variam de acordo com
 a idade
 o sexo
 a atividade física
 os padrões culturais
e sociais.
 Exemplo: A indicação
alimentar para uma
criança não é a
mesma para a sua mãe
e seu pai.
03/25/15 mcscak.: 47
Guia alimentar
pirâmide alimentar
03/25/15 48mcscak.:
 Uma das preocupações das
autoridades sanitárias e da OMS é
orientar a população para uma alimentação
adequada.
 Há muito vem sendo desenvolvidos
programas e guias alimentares para
orientação e educação, voltados para
uma alimentação adequada.
 São padrões criados baseados nos
hábitos e nas informações científicas.
03/25/15 49mcscak.:
Guia alimentar
 Objetivo – atualizar e unificar as
informações passadas à comunidade que
contribuem e melhoram a alimentação e a saúde
da população.
 Buscam orientar sobre os alimentos
generalistas para que os padrões regionais
não sejam prejudicados e assim haja uma
adaptação aos conceitos informados.
 Desde 1970, diversos modelos de guias já
serviram como orientadores, como a roda dos
alimentos e a pirâmide alimentar, como se
verá a seguir.
03/25/15 50mcscak.:
Dez passos para alimentação
saudável para menores de 2
anos. 2002
“Como está sua
alimentação” e o Dez
passos para uma
alimentação saudável
para maiores de 2
anos.
Alimentos Regionais
Brasileiros.
PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
03/25/15 51mcscak.:
Guia pratico de preparo de
alimentos para crianças menores de
12 meses que não podem ser
amamentadas.2004
Guia alimentar
para a população
brasileira
Cadernos de Atenção
Básica: alimentação e
nutrição- Obesidade.
03/25/15 52mcscak.:
 Está dividida em grupos.
 Permite uma melhor escolha
dos alimentos.
 Melhor combinação para a
alimentação diária.
Roda dos alimentos = é uma representação
gráfica criada em Portugal em 1977, no âmbito
da Campanha de Educação Alimentar "Saber comer
é saber viver", que ajuda a escolher e combinar
os alimentos que deverão fazer parte
da alimentação diária.
03/25/15 53mcscak.:
Pirâmide alimentar
 Os primeiros modelos surgiram nos anos
1970; periodicamente surgem novos
esquemas, adaptados aos hábitos e às
necessidades de cada sociedade e aos
avanços das pesquisas científicas.
 Foi criada para ajudar e a entender
como equilibrar esses alimentos
diariamente. Os alimentos são agrupados
de acordo com as suas funções e seus
nutrientes.
03/25/15 54mcscak.:
Pirâmide alimentar
1992 – Departamento de Agricultura dos Estados
Unidos (USDA) implantou a pirâmide alimentar
como guia alimentar.
03/25/15 55mcscak.:
Pirâmide alimentar
 1996 – nova versão da pirâmide alimentar com
o acréscimo de atividade física na base.
03/25/15 56mcscak.:
Pirâmide alimentar
 2005 – o USDA apresentou uma nova versão da
pirâmide alimentar chamada My Piramid (minha
pirâmide).
Os profissionais de saúde
vem demonstrando
resistência a esta nova
versão  não apresentação
dos alimentos; a única
maneira de saber os
detalhes dos alimentos
indicados é através do
acesso ao site
www.pyramid.gov e digitar
os dados pessoais  plano
alimentar personalizado.
03/25/15 57mcscak.:
Pirâmide alimentar
 O governo americano
propõe novas
recomendações
nutricionais e
alteração da
pirâmide para a
representação de um
prato.
 “My plate” é o nome
do novo programa
encabeçado por
Michelle Obama.
03/25/15 58mcscak.:
03/25/15 59mcscak.:
Os grupos de alimentos na pirâmide
 A pirâmide de alimentos é um instrumento
educativo que pode ser facilmente usado pela
população, mostrando o que pode ser consumido
no dia-a-dia.
 Trata-se de um guia geral que permite
escolher uma dieta saudável e conveniente,
que garanta todos os nutrientes necessários
para a nossa saúde e bem-estar.
 A pirâmide original foi baseada nas
necessidades energéticas de indivíduos
adultos e apresenta a forma como se verá a
seguir.
03/25/15 60mcscak.:
03/25/15 61mcscak.:
1º patamar – carboidratos: pães,
cereais, massas e tubérculos
 Na base da pirâmide
estão os alimentos
fontes de
carboidratos:
 Cereais (arroz)
 Cereais integrais e
seus derivados (pães,
granolas e massas)
 Tubérculos
feculentos (batatas,
macaxeira).
Indicações – cerca de
9 porções no decorrer
do dia.
Esses alimentos fornecem energia
para nosso organismo  consumo em
maior quantidade.
03/25/15 62mcscak.:
2º patamar – verduras,
hortaliças e frutas
 Esses alimentos ocupam
o segundo patamar da
pirâmide; apresentam
funções semelhantes.
São chamados alimentos
reguladores, fornecem
vitaminas e sais
minerais que
precisamos. São também
ricos em fibras e água.
 Quanto maior a
variedade e a
quantidade de consumo
ao dia, melhor.
03/25/15 63mcscak.:
3º patamar – leite e derivados;
peixes e carnes; leguminosas
 Indica-se o consumo
cerca de 2 porções
de cada grupo ao dia
e é necessário
diversificar o
consumo das fontes
protéicas.
03/25/15 64mcscak.:
 O 3º patamar da pirâmide
alimentar apresenta três
grupos alimentares que
oferecem principalmente
proteínas, a saber:
 Leite e derivados
 Peixes, carnes e carnes brancas – recomenda-
se carnes magras, frango sem pele e o peixe
sem couro. O melhor é consumir carnes
assadas, cozidas ou grelhadas.
 Leguminosas – são boas fontes de proteínas de
origem vegetal, como a soja e seus derivados.
03/25/15 65mcscak.:
4º patamar – açúcar, doces,
carne vermelha e manteiga
 O topo da pirâmide
pode ter variação
entre as três
pirâmides, mas em
todas estão os
alimentos que devem
ser consumidos com
moderação e terem
consumo mensal e não
diário.
 Não existe indicação
do número de
porções, mas a
recomendação é de
consumo moderado.
03/25/15 mcscak.: 66
DIETOTERAPIA
03/25/15 67mcscak.:
Dietoterapia
 Desde os tempos remotos a humanidade já
utilizava os alimentos e ervas para fins
medicinais, pois, ainda não existiam o que
chamamos hoje de medicamentos.
Hipócrates, da Grécia antiga,
considerado o Pai da Medicina,
afirmou há mais de 2 mil anos: “Que
teu remédio seja teu alimento e que
teu alimento seja teu remédio”.
03/25/15 68mcscak.:
 A dietoterapia é uma ferramenta da
saúde, e em especial do profissional
nutricionista, que usa dos alimentos
(principalmente), para o tratamento e
prevenção de enfermidades, levando ao
organismo a adquirir os nutrientes
necessários para o bom desempenho nas
diversas áreas de atividade e saúde.
03/25/15 69mcscak.:
Dietas terapêuticas restritivas aplicadas
conforme enfermidade do paciente
 Reduzidas em macro e micronutrientes
Hipoglicídicas
Hipolipídicas
Hipossódica
Hipoprotéicas
03/25/15 70mcscak.:
Tipo de dieta Indicada para
Hipoglícidica – dieta pobre em
glicídios (carboidratos e
açúcares); objetivo: diminuir a
quantidade desse nutrientes, sem
reduzir necessariamente as
calorias.
Portadores de diabetes, que é
pobre em glicídios simples, em
destaque a sacarose, o
tradicional açúcar de mesa.
Hipolípidica - Dieta pobre em
gorduras, principalmente
saturadas.
Pacientes com altas taxas de
colesterol e obesos.
Hipossódica - Dieta pobre em
sódio (Na), que se concentra em
especial no sal de cozinha
(cloreto de sódio - NaCl).
Pacientes hipertensos,
cardiopatas, com retenção de
líquidos (edemas), dentre
outros.
Hipoprotéica - Dieta pobre em
proteínas.
Pacientes que com ingestão
controlada de proteínas, como os
portadores de insuficiência
renal, cirrose hepática.
03/25/15 71mcscak.:
Dietas terapêuticas restritivas aplicadas
conforme enfermidade do paciente
 Aumentadas em macro e micronutrientes
Hipercalóricas
Hiperprotéicas
Hiperglícidica
Hiperlipídica
03/25/15 72mcscak.:
Tipo de dieta Indicada para
Hipercalórica - Dieta rica em
energia.
Prevenir e tratar principalmente
a desnutrição.
Hiperprotéica - Dieta rica em
proteínas.
Usada também nos casos de
desnutrição; pacientes
traumatizados como os queimados,
para o desenvolvimento
hiperplasia de novas células,
principalmente para
reconstituição do tecido
lesionado.
Hiperglícidica - Aplicada em casos específicos de
atletas e também em casos de
intoxicação alcoólica. Na
terapêutica de cirrose hepática,
com restrição de gorduras e
proteínas, a dieta torna-se
hiperglicídica.
Hiperlipídica – dieta com uma
boa quantidade de gorduras.
Geralmente indicada para
tratamento de desnutrição grave
e portadores de fibrose cística.
03/25/15 73mcscak.:
Consistência da dieta ofertada
 A consistência também é uma fator levado em
consideração, pois, muitas vezes o sistema
digestório não se encontra fisiologicamnte
normal, dentre as consistências
dietoterápicas temos:
 dieta normal/ livre
 dieta branda
 dieta pastosa
 dieta líquida
 dieta líquida restrita
03/25/15 74mcscak.:
Dieta normal / livre
 Comumente associada à dieta terapêutica
livre, trata-se de uma refeição normal,
indicada para pacientes sem restrições
alimentares ou sem indicações
dietoterápicas especificas. O paciente
pode receber qualquer tipo de
preparação de acordo com sua tolerância
alimentar.
03/25/15 75mcscak.:
03/25/15 76mcscak.:
Dieta branda
 Dieta composta por
 alimentos mais cozidos
 fibras abrandadas por cocção ou subdivisão;
de consistência mais mole, normal em
calorias e nutrientes;
 moderada em resíduos;
 fácil de se mastigar, deglutir e também
digerir.
Indicada para pacientes com enfermidades
leves e usada como transição para dieta
livre.
03/25/15 77mcscak.:
03/25/15 78mcscak.:
Dieta pastosa
 Tem como objetivo fornecer uma dieta que
possa ser mastigada e deglutida com pouco
ou nenhum esforço.
 É composta por alimentos bem macios, bem
cozidos, em forma de purê e papas.
 Indicada geralmente para pacientes com
disfagia, dificuldades de mastigação
(ausência de dentes ou problemas
motores), alterações gastrintestinais ou
outras manifestações clinicas como pós-
cirurgia.
03/25/15 79mcscak.:
03/25/15 80mcscak.:
Dieta líquida
 Objetivo: fornecer ao paciente uma dieta que
permite minimizar o trabalho do trato
gastrintestinal e a presença de resíduos no
cólon.
 Indicada para pacientes com problemas de
mastigação, deglutição e digestão, com trato
gastrintestinal com alterações moderadas e
para o pós-operatório de cirurgias do trato
gastrintestinal.
 Tem curto tempo de uso.
 Alimentos recomendados:
 Preparações com alimentos liquidificados e
amassados.
03/25/15 81mcscak.:
A dieta líquida pode ser
dividida em:
 Dieta líquida clara –
Fornece líquidos, eletrólitos e
pequena quantidade de energia:
Chás, suco de frutas coados,
geleia de mocotó, gelatinas,
sorvetes a base de frutas coadas
(sem leite).
03/25/15 82mcscak.:
 Dieta líquida completa: constituída de
líquidos e semi-líquidos, mas pobre em
fibras.
 Alimentos recomendados:
 Mingaus a 3% (arroz, milho, mucilon,
maisena);
 caldos e sopas liquidificadas;
 sucos diluídos e/ou coados;
 leite, iogurte, creme de leite, queijos
cremosos;
 gelatina, geléia de mocotó, pudim,
sorvetes;
 chá, café, chocolate, mate, bebidas não
gasosas, sucos de frutas e de vegetais
coados;
 mingau de cereais, sopa de vegetais
peneirados, cremosas e caldos de
carnes;
 óleos vegetais.
03/25/15 mcscak.: 83
Dietas
hospitalares
03/25/15 84mcscak.:
03/25/15 85mcscak.:
Todos os hospitais possuem manuais
estabelecendo dietas específicas
padronizadas, delineadas para
uniformidade e conveniência de
serviço, baseadas em padrão
dietético apropriado.
03/25/15 86mcscak.:
 As necessidades nutricionais dos pacientes
deverão ser determinadas depois de diversas
analises como:
 estado nutricional
 histórico de cirurgia e medicamentos e
outros tratamentos médicos
 efeito de patologia que acomete o paciente
 perdas nutricionais decorrentes.
03/25/15 87mcscak.:
 Durante a internação hospitalar, o paciente
estará passivo a diversas dietas terapêuticas
específicas, além das apropriadas para o pré
e o pós-operatório. Estas dietas podem
temporárias ou permanentes e, sendo assim,
serão seguidas após a alta hospitalar.
 Além das dietas-padrão relatadas (normal,
branda, pastosa, líquida), outras dietas
específicas se destacam, como está
apresentado a seguir:
03/25/15 88mcscak.:
 Dieta isenta de glúten – específica para portadores
diagnosticados com doença celíaca. O paciente não deve
então consumir alguns cereais e seus derivados –
trigo, centeio,cevada e aveia.
 Dieta baixa em purinas – dieta específica para
portadores de gota, doença caracterizada pelo aumento
exagerado de ácido úrico no sangue. Evitar o consumo de
alimentos como carne vermelha, frutos do mar, peixes,
como sardinha e salmão, e miúdos..
 Dieta baixa em colesterol – para pacientes cardiopatas
ou com altos níveis de colesterol. Alimentos a serem
restringidos são os gordurosos de origem animal. Essa
dieta pode ser temporária ou permanente.
 Dieta para pacientes renais crônicos – indivíduos com
doença renal crônica ou que estejam em fase de diálise,
necessitam uma dieta extremamente restritiva e específica
inclusive no volume hídrico.
03/25/15 89mcscak.:
 Dietas para preparo de exames: alguns exames
bioquímicos e funcionais, invasivos ou não precisam de
restrições alimentares ou de preparo específico. Para
cada exame existe a indicação nutricional específica.
a) Pesquisa de Gordura nas Fezes (Sudam III):
observar presença de gordura nas fezes.
Característica principal: consumir uma grande
quantidade de gordura/dia.
Deve ser iniciada três dias antes da realização do
exame.
03/25/15 90mcscak.:
c) Colonoscopia:
visualizar todo o cólon.
Características:
dieta líquida sem resíduos
com maior oferta hídrica.
- Tempo:
oferecer na véspera do
exame.
- Alimentos permitidos:
macarrão, purê de batatas,
sopas coadas, caldo de
galinha, peixe, ovos, queijo
branco, cremes, pudins,
torradas, biscoito de
polvilho, sorvetes,
gelatinas, geleias, suco de
frutas coadas.
- Alimentos proibidos:
carnes, verduras, polpa de
frutas, cereais integrais.
- Dia do exame: realizada
lavagem intestinal.
d) Pesquisa de Sangue
Oculto nas fezes:
observar presença de
hemácias nas fezes.
- Características: não
consumir carnes de
qualquer tipo (vermelhas
e brancas), vegetais
(beterraba, rabanete,
tomate, cenoura, nabo,
abóbora, espinafre,
alface), feijão, gema de
ovo, goiabada.
- Tempo: 3 a 4 dias antes
do exame.
03/25/15 mcscak.: 91
Terapia nutricional
vias de administração
03/25/15 92mcscak.:
A nutrição
pode ser feita
por via oral, ou seja, pela
maneira natural do processo
de alimentação.
por um modo
especial.
nutrição
enteral
nutrição
parenteral.
03/25/15 93mcscak.:
 A nutrição enteral
ocorre quando o
alimento é colocado
diretamente em uma
área do tubo
digestivo,
geralmente o
estômago ou o jejuno
através de sondas
que podem entrar
pela narina ou boca
ou por um orifício
feito por cirurgia
diretamente no
abdômen do paciente.
 A nutrição
parenteral –
realizada quando o
paciente é
alimentado com
preparados para
administração
diretamente na veia,
não passando pelo
tubo digestivo.
03/25/15 94mcscak.:
Nutrição enteral ou terapia
nutricional enteral (NE)
 Dieta de consistência líquida que
fornece os nutrientes necessários para
manter o estado nutricional adequado
aos pacientes incapacitados de se
alimentarem por via oral, mas possuem o
sistema digestório ainda em
funcionamento adequado, com função
intestinal preservada, sem obstrução ou
que não sejam doentes terminais.
03/25/15 95mcscak.:
Indicações para dieta NE
Pacientes com
• AVE
• depressão
• anorexia nervosa
• câncer
• Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
• caquexia
• grandes queimados
• lesões de face e mandíbula
• distúrbios neurológicos
• pós-operatório de risco nutricional
• coma.
03/25/15 96mcscak.:
Nutrição enteral
PRESCRIÇÃO:
 nutricionista / médico especializado.
TIPOS DE DIETAS
1- Formulações caseiras / Naturais: utilizados alimentos in
natura, sucos de fruta coados e sopas liquidificadas – atentar
para os valores nutricionais e higiênicos.
2- Formulações Industriais: dieta modulares ou completas – menor
manipulação e menor risco de contaminação.
FATORES QUE DETERMINAM A ESCOLHA DAS FORMULAÇÕES
 Tempo de utilização
 Via de acesso
 Poder aquisitivo do paciente
 Estado nutricional.
03/25/15 97mcscak.:
Nutrição enteral
 Padrões para administração da dieta por
sonda:
 não ser viscosa
 não ter partículas
 cuidados com a higienização.
 Esta via de nutrição pode ser temporária ou
permanente.
 Uso prolongado pode acarretar dificuldades
digestivas ou entéricas.
 Monitoramento e correções nutricionais serão
necessários para melhores resultados.
03/25/15 98mcscak.:
Nutrição enteral
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO/ VIAS DE ACESSO DA N.E.
 Vão depender da patologia de base, da
previsão de permanência da sonda de
alimentação e da preferência do paciente.
 Vias de acesso:
 Acesso transnasal
 Gastrotomia
 Jejunostomia
03/25/15 99mcscak.:
Acesso transnasal – utilização da
 sonda nasogástrica, com entrada da sonda pelo
nariz e chegada no estomago ou
 sonda nasoentérica, com entrada da sonda pelo
nariz e chegada ao duodeno.
As sondas são vias de aceso de curto prazo.
03/25/15 100mcscak.:
Vias de Administração / Vias de Acesso da
Nutrição Enteral
 Gastrotomia
endoscópica
percutânea (PEG):
sonda fixada no estomago
ou
Jejunostomia
percutânea direta
(JEP) – ainda em
desenvolvimento e nem
sempre empregada.
 Gastrotomia ou
jejunostomia por
punção:através de
acesso cirúrgico.
As estomias são vias de acesso de
longo prazo.
03/25/15 101mcscak.:
Cuidados de Enfermagem na
terapia nutricional enteral
 O enfermeiro é membro da Equipe
multiprofissional de Terapia Enteral (EMTN)
tem como principal responsabilidade a
administração da Terapia Nutricional (TN),
acompanhando todo o processo objetivando a
prevenção e a detecção precoce de
complicações.
03/25/15 102mcscak.:
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL
 Lavar as mãos antes de manusear a dieta;
 Conferir prescrição da dieta: identificação do
paciente, tipo de dieta, via de administração, volume
prescrito;
 Observar temperatura, aspecto, volume e consistência
antes de administrar a dieta.
 Elevar cabeceira no mínimo 30°
 Aspirar conteúdo gástrico sempre antes de administrar
dieta ou medicação para avaliar aspecto e volume do
refluxo;
 Registrar no prontuário do paciente se houver refluxo,
e comunicar ao médico ou enfermeiro;
 Avaliar aceitação da dieta pelo paciente baseado nos
seguintes parâmetros: presença de ruídos hidroaéreos,
ausência de distensão abdominal e/ou vômitos, aspecto e
volume do refluxo gastroesofágico.
03/25/15 103mcscak.:
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
NA TERAPIA NUTRICIONAL
ENTERAL(continuação)
Instalar dieta com equipo próprio e exclusivo, devendo
trocá-lo a cada dieta.
Controlar gotejamento/velocidade de infusão conforme
forma de administração: gravitacional ou em bomba de
infusão.
Lavar percurso da SNG/SNE após infusão da dieta com 20ml
de água potável.
Lavar as mãos após procedimento.
Registrar no impresso modelo nº122 – HGV (Evolução e
Prescrição de Enfermagem) a aceitação da dieta, o volume
administrado e características do refluxo gastroesofágico.
03/25/15 104mcscak.:
Terapia nutricional parenteral (TNP)
 Indicação:
 Prevenir ou tratar a desnutrição em
pacientes que não apresentam funcionamento
adequado do trato gastrointestinal e que não
podem receber alimentação por via oral ou
enteral.
 O médico tem responsabilidade exclusiva por
esta dieta.
 A via de administração dos nutrientes é
realizada através de uma veia (via
intravenosa).
03/25/15 105mcscak.:
 Sua administração nunca deve ser de
emergência: antes de receber a TNP, o
paciente precisa estar
hemodinamicamente estável, ou seja, a
circulação sangüínea deve estar
funcionando normalmente.
 Quando a TNP é indicada, torna-se
necessário um acesso venoso e uma
técnica de infusão apropriada para o
sucesso da nutrição.
03/25/15 106mcscak.:
 Vias de acesso:
 Via cateter em uma veia central
(NPC)
 Via dispositivo inserido em veia
periférica, normalmente no
antebraço (NPP).
 Por shunt arteriovenoso utilizado
para hemodiálise ou exclusivo
para nutrição parenteral, em
pacientes cuja cateterização
central não seja possível.
A TNP com
previsão com mais
de 7 dias de
duração deve ser
realizada por
meio de um
acesso venoso
central,
para evitar
o risco de
trombo flebite.
03/25/15 mcscak.: 107
Sistemas de
nutrição
parenteral
03/25/15 108mcscak.:
Sistema múltiplos frascos
(MF) = administração de
múltiplos frascos com
nutrientes, separados em
aminoácidos, glicose e
lipídios.
Flexibilidade e facilidade de
ajustes a rápidas mudanças
nas necessidades do paciente,
principalmente em UTI.
Sistema 3 em 1 (3:1)
Todos os componentes das
necessidades diárias da
TNP encontram-se
misturados em um único
recipiente.
Administração mais fácil +
custos, preparo e manejo
menores + melhor
assimilação + menos
complicações.
Sistema mais utilizado.
03/25/15 109mcscak.:
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
CATÉTER CENTRAL
 Curativo comum – a cada 48 horas
 Curativo transparente - a cada 6 dias
 Observar:
 sangramento local, hematoma, enfisema, edema, dispnéia
 Registrar:
 data, local da inserção, nome do médico
 Rx de tórax
 Acesso exclusivo p/ NPT
 O equipo deve ser trocado a cada 24hrs.
03/25/15 110mcscak.:
CUIDADOS DE ENFERMAGEM (continuação)
NUTRIÇÃO PARENTERAL
 Conferir prescrição
médica: volume e tipo de
NPT;
 Avaliar acesso venoso
central antes de cada
administração.
 Registrar volume, data,
hora, nome do paciente,
leito e enfermaria.
 Devem-se evitar alterações
de velocidade durante a
infusão.
 Controlar rigorosamente
o gotejamento (equipo
microgotas) e velocidade
de infusão (bomba de
infusão) nas 24h  evita-
se assim
oscilações do
gotejamento e
alterações nas
concentrações séricas
da glicose.
 Não é recomendável
ultrapassar 24 hs de
infusão da NP  o
risco de crescimento
bacteriano ou fúngico
aumenta
03/25/15 111mcscak.:
Pratique uma alimentação saudável!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
Karina Pereira
 
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdfSlide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
pastoraAna
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
Jefferson Costa
 
dietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.pptdietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.ppt
Heder13
 
Aulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietéticaAulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietética
Fabiano de Carvalho
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Marcelo Silva
 
Nutricão
NutricãoNutricão
Nutricão
Rosa Vinteesete
 
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteralAlimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Tuanny Sampaio - Estética Avançada
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdf
Marcela Cardoso
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
Rubens Junior
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
AULA 1 Introduçao a Nutricao.ppt
AULA 1 Introduçao a Nutricao.pptAULA 1 Introduçao a Nutricao.ppt
AULA 1 Introduçao a Nutricao.ppt
AldeniseCurveloGMore
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
Alexandra Caetano
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
Lourdes Piedade
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
Nadia Morais Tonussi
 
Nutrição e saúde
Nutrição e saúdeNutrição e saúde
Nutrição e saúde
Telma Justa Freitas
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
Elyda Santos
 
Necessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no IdosoNecessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no Idoso
Amanda Thomé
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
Renata Nobre
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso

Mais procurados (20)

Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdfSlide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
Slide Aula 1 - Noções Básicas de Nutrição e Dietética.pdf
 
Apostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapiaApostila de dietoterapia
Apostila de dietoterapia
 
dietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.pptdietas hospitalares.ppt
dietas hospitalares.ppt
 
Aulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietéticaAulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietética
 
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
 
Nutricão
NutricãoNutricão
Nutricão
 
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteralAlimentação do paciente - Nutrição enteral
Alimentação do paciente - Nutrição enteral
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdf
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
AULA 1 Introduçao a Nutricao.ppt
AULA 1 Introduçao a Nutricao.pptAULA 1 Introduçao a Nutricao.ppt
AULA 1 Introduçao a Nutricao.ppt
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
 
Nutrição e saúde
Nutrição e saúdeNutrição e saúde
Nutrição e saúde
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Necessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no IdosoNecessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no Idoso
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 

Destaque

Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutrição
melodilva
 
Alimentos, nutrientes e saúde
Alimentos, nutrientes e saúdeAlimentos, nutrientes e saúde
Alimentos, nutrientes e saúde
Cristiane Koch
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
paulabarrela
 
Alimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientesAlimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientes
Maria Pontes
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
Externato Santo Antonio
 
Alimentaçao Saudavel 19 01 10
Alimentaçao Saudavel 19 01 10Alimentaçao Saudavel 19 01 10
Alimentaçao Saudavel 19 01 10
Augusto Mota
 
A1 introdução à nutrição
A1 introdução à nutriçãoA1 introdução à nutrição
A1 introdução à nutrição
Leticia Sopeña Casarin
 
Power point alimentação e cozinha saudáveis
Power point alimentação e cozinha saudáveisPower point alimentação e cozinha saudáveis
Power point alimentação e cozinha saudáveis
lurdesmon
 
Alimentação saudavel 2013
Alimentação saudavel 2013Alimentação saudavel 2013
Alimentação saudavel 2013
Meire de Fatima
 
Slides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãoSlides sobre alimentação
Slides sobre alimentação
thayscler
 
Dietoterapia (Dietas De Hospital)
Dietoterapia (Dietas De Hospital)Dietoterapia (Dietas De Hospital)
Dietoterapia (Dietas De Hospital)
EnFerMeriithhaa !!!
 
Power Point Nutrição 2
Power Point Nutrição 2Power Point Nutrição 2
Power Point Nutrição 2
alforreca567
 
Ppt alimentação
Ppt alimentaçãoPpt alimentação
Ppt alimentação
fernandessmtp
 
Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009
guest764b902
 
Os diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietasOs diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietas
Túlio Arantes
 
Desnutrição Infantil
Desnutrição InfantilDesnutrição Infantil
Desnutrição Infantil
Efigênia Barros
 
Nutrição na gestação Enfermagem
Nutrição na gestação EnfermagemNutrição na gestação Enfermagem
Nutrição na gestação Enfermagem
Luh Soares
 

Destaque (18)

Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutrição
 
Alimentos, nutrientes e saúde
Alimentos, nutrientes e saúdeAlimentos, nutrientes e saúde
Alimentos, nutrientes e saúde
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
 
Alimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientesAlimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientes
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
 
Alimentaçao Saudavel 19 01 10
Alimentaçao Saudavel 19 01 10Alimentaçao Saudavel 19 01 10
Alimentaçao Saudavel 19 01 10
 
A1 introdução à nutrição
A1 introdução à nutriçãoA1 introdução à nutrição
A1 introdução à nutrição
 
Power point alimentação e cozinha saudáveis
Power point alimentação e cozinha saudáveisPower point alimentação e cozinha saudáveis
Power point alimentação e cozinha saudáveis
 
Alimentação saudavel 2013
Alimentação saudavel 2013Alimentação saudavel 2013
Alimentação saudavel 2013
 
Slides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãoSlides sobre alimentação
Slides sobre alimentação
 
Dietoterapia (Dietas De Hospital)
Dietoterapia (Dietas De Hospital)Dietoterapia (Dietas De Hospital)
Dietoterapia (Dietas De Hospital)
 
Power Point Nutrição 2
Power Point Nutrição 2Power Point Nutrição 2
Power Point Nutrição 2
 
Ppt alimentação
Ppt alimentaçãoPpt alimentação
Ppt alimentação
 
Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009Palestra Alimentação Saudável -2009
Palestra Alimentação Saudável -2009
 
Os diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietasOs diferentes tipos de dietas
Os diferentes tipos de dietas
 
Desnutrição Infantil
Desnutrição InfantilDesnutrição Infantil
Desnutrição Infantil
 
Nutrição na gestação Enfermagem
Nutrição na gestação EnfermagemNutrição na gestação Enfermagem
Nutrição na gestação Enfermagem
 

Semelhante a Tema nutrição aplicadaenferm

Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
Paulo Roberto
 
AulaNutri.pdf
AulaNutri.pdfAulaNutri.pdf
AulaNutri.pdf
ArianeRodriguez6
 
Cartilha Saúde Alimentação
Cartilha Saúde AlimentaçãoCartilha Saúde Alimentação
Cartilha Saúde Alimentação
Governo de Santa Catarina
 
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
carlosmoreira
 
Dia mundial da alimentação
Dia mundial da alimentaçãoDia mundial da alimentação
Dia mundial da alimentação
Luluzinhavelhinha
 
Meu primeiro slide - alimentação saudável
Meu primeiro slide - alimentação saudávelMeu primeiro slide - alimentação saudável
Meu primeiro slide - alimentação saudável
Kailane Lima
 
Cuidados com alimentação na terceira idade
Cuidados com alimentação na terceira idadeCuidados com alimentação na terceira idade
Cuidados com alimentação na terceira idade
Liane Agostini de Souza
 
NutriçãO E Capacidades FíSicas 2003
NutriçãO E Capacidades FíSicas 2003NutriçãO E Capacidades FíSicas 2003
NutriçãO E Capacidades FíSicas 2003
EmidioFilipe
 
11ºTec1_6575_Cuidados na alimentação e Hidratação04Outubro - Cópia (1) (1).pptx
11ºTec1_6575_Cuidados na alimentação e Hidratação04Outubro - Cópia (1) (1).pptx11ºTec1_6575_Cuidados na alimentação e Hidratação04Outubro - Cópia (1) (1).pptx
11ºTec1_6575_Cuidados na alimentação e Hidratação04Outubro - Cópia (1) (1).pptx
danielarodrigues796845
 
Pirâmide Alimentar grupo 2
Pirâmide Alimentar grupo 2Pirâmide Alimentar grupo 2
Pirâmide Alimentar grupo 2
Ione CoRez
 
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
Cristiana Gomes
 
Alimentos e qualidade de vida
Alimentos  e qualidade de vida Alimentos  e qualidade de vida
Alimentos e qualidade de vida
DonaRayane
 
Alimentacao pre escolar
Alimentacao pre escolarAlimentacao pre escolar
Alimentacao pre escolar
Cláudio Fernandes Dos Santos
 
Celiacardoso mod3ativ3
Celiacardoso mod3ativ3Celiacardoso mod3ativ3
Celiacardoso mod3ativ3
celiacardoso
 
NutriçãO Dicas AlimentaçãO SaudáVel 1
NutriçãO Dicas AlimentaçãO SaudáVel 1NutriçãO Dicas AlimentaçãO SaudáVel 1
NutriçãO Dicas AlimentaçãO SaudáVel 1
TomateVerdeFrito
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
kassionline
 
101 dicas-beleza-e-saude
101 dicas-beleza-e-saude101 dicas-beleza-e-saude
101 dicas-beleza-e-saude
Clara Marques
 
alimentação saudável joaçaba marlene herter dalmolin
alimentação saudável joaçaba marlene herter dalmolinalimentação saudável joaçaba marlene herter dalmolin
alimentação saudável joaçaba marlene herter dalmolin
marlene_herter
 
A L I M E N T AÇÃ O P A L E S T R A
A L I M E N T AÇÃ O P A L E S T R AA L I M E N T AÇÃ O P A L E S T R A
A L I M E N T AÇÃ O P A L E S T R A
guest764b902
 

Semelhante a Tema nutrição aplicadaenferm (20)

Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
 
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
 
AulaNutri.pdf
AulaNutri.pdfAulaNutri.pdf
AulaNutri.pdf
 
Cartilha Saúde Alimentação
Cartilha Saúde AlimentaçãoCartilha Saúde Alimentação
Cartilha Saúde Alimentação
 
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
 
Dia mundial da alimentação
Dia mundial da alimentaçãoDia mundial da alimentação
Dia mundial da alimentação
 
Meu primeiro slide - alimentação saudável
Meu primeiro slide - alimentação saudávelMeu primeiro slide - alimentação saudável
Meu primeiro slide - alimentação saudável
 
Cuidados com alimentação na terceira idade
Cuidados com alimentação na terceira idadeCuidados com alimentação na terceira idade
Cuidados com alimentação na terceira idade
 
NutriçãO E Capacidades FíSicas 2003
NutriçãO E Capacidades FíSicas 2003NutriçãO E Capacidades FíSicas 2003
NutriçãO E Capacidades FíSicas 2003
 
11ºTec1_6575_Cuidados na alimentação e Hidratação04Outubro - Cópia (1) (1).pptx
11ºTec1_6575_Cuidados na alimentação e Hidratação04Outubro - Cópia (1) (1).pptx11ºTec1_6575_Cuidados na alimentação e Hidratação04Outubro - Cópia (1) (1).pptx
11ºTec1_6575_Cuidados na alimentação e Hidratação04Outubro - Cópia (1) (1).pptx
 
Pirâmide Alimentar grupo 2
Pirâmide Alimentar grupo 2Pirâmide Alimentar grupo 2
Pirâmide Alimentar grupo 2
 
Alimentação
AlimentaçãoAlimentação
Alimentação
 
Alimentos e qualidade de vida
Alimentos  e qualidade de vida Alimentos  e qualidade de vida
Alimentos e qualidade de vida
 
Alimentacao pre escolar
Alimentacao pre escolarAlimentacao pre escolar
Alimentacao pre escolar
 
Celiacardoso mod3ativ3
Celiacardoso mod3ativ3Celiacardoso mod3ativ3
Celiacardoso mod3ativ3
 
NutriçãO Dicas AlimentaçãO SaudáVel 1
NutriçãO Dicas AlimentaçãO SaudáVel 1NutriçãO Dicas AlimentaçãO SaudáVel 1
NutriçãO Dicas AlimentaçãO SaudáVel 1
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
 
101 dicas-beleza-e-saude
101 dicas-beleza-e-saude101 dicas-beleza-e-saude
101 dicas-beleza-e-saude
 
alimentação saudável joaçaba marlene herter dalmolin
alimentação saudável joaçaba marlene herter dalmolinalimentação saudável joaçaba marlene herter dalmolin
alimentação saudável joaçaba marlene herter dalmolin
 
A L I M E N T AÇÃ O P A L E S T R A
A L I M E N T AÇÃ O P A L E S T R AA L I M E N T AÇÃ O P A L E S T R A
A L I M E N T AÇÃ O P A L E S T R A
 

Último

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 

Último (6)

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 

Tema nutrição aplicadaenferm

  • 1. 03/25/15 1mcscak.: CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM Professora Ms.: Maria da Conceição S. C. de Almeida Krometsek - COREn-PB 126.406 ENF E-mail: mcscak@gmail.com
  • 4. 03/25/15 4mcscak.: SUMÁRIO  Alimentos  Nutrientes  Alimentação  Nutrição  Alimentação equilibrada e dieta  Guia alimentar / Pirâmide alimentar  Dietoterapia  Dietas hospitalares
  • 6. 03/25/15 6mcscak.:  Capacitação e atuação dos profissionais de saúde em ambientes multidisciplinares.  Importância de conhecimentos diversos e atualizados para esta atuação.  Preocupação com o bem-estar social e mental dos pacientes bem como seu bem-estar físico  individualidade em termos nutricionais, estilo de vida e enfermidades.  Necessidade de alterações comportamentais para melhorar hábitos dietéticos e processos de aprendizado.  A nutrição previne o aparecimento de doenças através de uma alimentação saudável e de forma terapêutica no controle de doenças crônicas. Também é essencial no tratamento de diversas enfermidades (doenças) que acometem o ser humano.
  • 7. 03/25/15 7mcscak.:  Alimentos  Nutrientes  Alimentação  Alimentação saudável  Tipos de dietas  Dietas em ambientes de tratamento de saúde
  • 8. 03/25/15 8mcscak.: Alimentos  Produtos naturais ou elaborados, que, quando ingeridos diariamente, fornecem energia e substancias nutritivas ao organismo.  São substancias sólidas ou liquidas que, levadas ao tubo digestivo, são degradadas e depois usadas para formar e/ou manter os tecidos do corpo, regular processos orgânicos e fornecer energia.
  • 9. 03/25/15 9mcscak.: Alimentos  Não existem alimentos perfeitos, ou seja, nenhum alimento possui todos os nutrientes responsáveis por regular, construir ou manter os tecidos os tecidos e fornecer energia.  A única exceção é o leite materno consumido até os 6 meses de vida.
  • 10. 03/25/15 10mcscak.: Alimentos  Existem alimentos que só fornecem as chamadas calorias vazias, ou seja, são concentrados em certas substancias que se transformam apenas em energia após a digestão, como é o caso das bebidas alcoólicas e refrigerantes.
  • 11. 03/25/15 11mcscak.: Nutrientes  São todas as substancias químicas que fazem parte dos alimentos. São absorvidos pelo organismo, sendo indispensáveis para o seu funcionamento.  Os nutrientes  irão formar os tecidos e os órgãos  manter as atividades vitais e fazer a manutenção necessária para o crescimento, desenvolvimento e estabilidade,  fornecer energia necessária ao organismo.
  • 12. 03/25/15 mcscak.: 12  São ofertados em quantidades variadas ao organismo. São classificados em:  Macronutrientes  Micronutrientes
  • 13. 03/25/15 13mcscak.: CLASSIFICAÇÃO DOS NUTRIENTES  O organismo precisa em grandes quantidades.  São amplamente encontrados nos alimentos.  São especificamente os carboidratos, as gorduras e as proteínas.  São substancias que o organismo precisa absorver em pequenas quantidades, embora sejam muito importantes para o funcionamento orgânico.  Existem dois tipos de micronutrientes: as vitaminas e os minerais. Macronutrientes Micronutrientes
  • 15. 03/25/15 15mcscak.: Alimentação  É a forma e a maneira de proporcionar ao organismo os alimentos que são indispensáveis.  Este ato de buscar os alimentos, os modificar se necessário, levá-los à boca, os mastigar e os deglutir; além de necessário é um ato social.  Como se trata de um ato aprendido é ao mesmo tempo educável. A alimentação é um ato necessário, mas é passível de educação e assim de modificação.
  • 16. 03/25/15 16mcscak.:  Existe uma relação entre nutrição, saúde e bem-estar físico e mental do indivíduo.  Estudos comprovam que a boa alimentação tem um papel fundamental na prevenção e no tratamento de doenças.  Há mais de 2000 anos, Hipócrates já afirmava que “teu alimento seja teu remédio e que teu remédio seja teu alimento”.  O equilíbrio na dieta é um dos motivos que permitiu ao ser humano ter vida mais longa no século XX.
  • 17. 03/25/15 17mcscak.: Alimentação saudável Para o bem estar físico – A alimentação saudável deve fornecer água, carboidrato, proteína, lipídio, vitaminas, fibras e minerais, os quais são insubstituíveis e indispensáveis ao bom funcionamento do organismo (Brasil, 2006)
  • 18. 03/25/15 18mcscak.: Alimentação saudável Para bem estar físico – a alimentação variada e adequada previne: •Deficiências nutricionais. •Melhora a função imunológica. • Previne doenças crônicas não transmissíveis.
  • 19. 03/25/15 19mcscak.: Alimentação saudável Para o bem estar mental – alimentar- se de forma mais harmônica e prazerosa, valorizando cada alimento e seu sabor.
  • 20. 03/25/15 20mcscak.: Alimentação saudável Para o bem estar social – respeitar a cultura, acessibilidade financeira, sabor e variedade.
  • 21. 03/25/15 21mcscak.: “Alimentação saudável” pode adquirir muitos significados dependendo do país ou região de um mesmo país, cultura e época. Porém em geral a alimentação saudável é sempre composta de uma alimentação equilibrada.
  • 22. 03/25/15 22mcscak.: Princípios da alimentação saudável  Variedade:  É importante comer diferentes tipos de alimentos pertencentes aos diversos grupos; a qualidade dos alimentos tem de ser observada.  Moderação:  Não se deve comer nem mais nem menos do que o organismo precisa; é importante estar atento à quantidade certa de alimentos.  Equilíbrio:  Quantidade e qualidade são importantes; o ideal é consumir alimentos variados, respeitando as quantidades de porções recomendadas para cada grupo de alimentos. Ou seja, “comer de tudo um pouco”.
  • 23. 03/25/15 23mcscak.: RESUMO:  Alimentação normal (equilibrada) deve ser  quantitativamente SUFICIENTE  qualitativamente COMPLETA  além de HARMONIOSA em seus componentes e  ADEQUADA à sua finalidade e ao organismo a que se destina.
  • 24. 03/25/15 24mcscak.: Alimentação saudável Os dez passos para alimentação saudável
  • 25. 03/25/15 25mcscak.: Alimentação saudável 01 – Faça pelo menos três refeições por dia. 02 – Incluam diariamente seis porções do grupo de cereais (arroz, milho, trigo, pães e massas).
  • 26. 03/25/15 26mcscak.: Alimentação saudável 03 – Coma diariamente pelo menos três porções de legumes e verduras. 04 – Coma feijão com arroz todos os dias ou pelo menos cinco vezes por semana.
  • 27. 03/25/15 27mcscak.: Alimentação saudável 05 – Consuma diariamente três porções de leite e derivados e uma porção de carnes, aves, peixes ou ovos. Retirar gordura. 06 – Consuma, no máximo, uma porção por dia de óleos vegetais, azeite, manteiga ou margarina.
  • 28. 03/25/15 28mcscak.: Alimentação saudável 07 – Evite refrigerantes e sucos industrializados, bolos, biscoitos doces e recheados, sobremesas e outras guloseimas como regra da alimentação. 08 – Diminua a quantidade de sal na comida e retire o saleiro da mesa.
  • 29. 03/25/15 29mcscak.: Alimentação saudável 09 – Beba pelo menos 2 litros (6 a 8 copos) de água por dia. 10 – Pratique pelo menos 30 minutos de atividade física todos os dias e evite as bebidas alcoólicas e o fumo. 
  • 30. 03/25/15 30mcscak.: Nutrição  Conjunto de processos fisiológicos pelos quais o organismo recebe, transforma, absorve e utiliza as substâncias químicas e os nutrientes contidos nos alimentos.  A nutrição completa se faz no interior de cada célula. Esse processo natural não depende da vontade do ser humano.  Existem muitas maneiras de se alimentar, mas só uma de se nutrir.
  • 31. 03/25/15 31mcscak.: Uma pessoa pode achar que está bem alimentada e talvez possa não estar bem nutrida.  Consumir alimentos diversificados vão proporcionar nutrientes ao organismo.
  • 32. 03/25/15 32mcscak.:  Os alimentos podem ser organizados em categorias a partir da função que os nutrientes oferecem, como  energéticos  construtores e  reguladores.
  • 33. 03/25/15 33mcscak.: Alimentação saudável Alimentos energéticosAlimentos energéticos São os que fornecem carboidratos e lipídios (gorduras) ao corpo. Carboidratos – geralmente são de origem vegetal. São capazes de oferecer nutrientes que serão transformados em glicose, que será utilizada pelas células em energia para sua manutenção. ♦ Fontes: cereais - arroz, milho, trigo, aveia e seus produtos: farinhas, pães, macarrão, massas, bolos e biscoitos; tubérculos – batata, batata-doce, inhame, e suas farinhas e amidos.
  • 34. 03/25/15 34mcscak.: Alimentação saudável Alimentos energéticos Lipídios - possuem alto valor energético, protegem os órgãos vitais e o organismo contra a perda excessiva de calor. ♦ Fontes: óleos e gorduras vegetais – azeite de oliva gordura de coco óleos vegetais margarina.
  • 35. 03/25/15 35mcscak.: Alimentação saudável - Carboidratos ♦ Gorduras de origem animal – banha suína, gordura de animais, pele de aves, manteiga, creme de leite, queijos amarelos. ♦ Outras fontes de gordura – frutas oleaginosas (amendoim, castanhas, nozes, avelã).
  • 36. 03/25/15 36mcscak.: Alimentação saudável Alimentos construtores • Fornecem proteínas ao corpo. • São componentes indispensáveis a toda célula viva. • São substâncias que vão formar e manter os músculos, os ossos, o sangue, os órgãos, a pele e o cérebro, construir novos tecidos, promover o crescimento e contribuir para a resistência do organismo às doenças. ♦ Fontes: carne suína, bovina, de aves, peixes, ovos, leite e derivados, leguminosas secas (feijão, ervilha, lentilha, soja).
  • 37. 03/25/15 37mcscak.: Alimentação saudável Carboidrato simples - O açúcar é rico em calorias e pobre em nutrientes tornando-se um alimento com calorias vazias, portanto é um grande vilão para saúde. Fazem parte desse grupo o açúcar branco, açúcar mascavo, mel, melado, mel de cana, refrigerantes e doces em geral. Devem ser consumidos com moderação e com orientação. mascavo demerara cristal
  • 38. 03/25/15 38mcscak.: Alimentação saudável Alimentos reguladores: Fornecem vitaminas minerais, fibras e água.  Vitaminas – são compostos orgânicos que aparecem nos alimentos em pequenas concentrações, mas desempenham funções especificas e vitais nas células e nos tecidos do corpo. Não podem ser sintetizadas pelo organismo, e sua ausência ou absorção inadequada provocam doenças de carência especifica. Por isso as vitaminas não podem faltar na alimentação. ♦ Fontes: frutas, verduras e legumes.
  • 39. 03/25/15 39mcscak.: Alimentação saudável Alimentos reguladores Minerais - são concentrados no corpo e nos alimentos. São partes integrantes de hormônios, enzimas e vitaminas e fornecem os constituintes enriquecedores de ossos e dentes. Cálcio, fósforo, enxofre, cloro e magnésio são necessários ao organismo em grandes quantidades diárias. Ferro, flúor, zinco, cobre, iodo, cromo e cobalto são necessários em quantidades menores. ♦ Fontes: frutas, verduras e legumes.
  • 40. 03/25/15 40mcscak.: Alimentação saudável Alimentos reguladores Fibras – não são digeridas ou absorvidas pelo organismo. • Não possuem valor nutritivo ou energético mas participam ativamente da mecânica da digestão, tornando-se mais fácil e completa. • Ajudam o alimento a se movimentar através do intestino, facilitando assim, o seu funcionamento. Com poucas fibras, o intestino trabalha com dificuldade. • Colaboram para controlar os níveis de gordura no sangue e de glicose, evitando glicemias muito altas.
  • 41. 03/25/15 41mcscak.: Alimentação saudável Alimentos reguladoresAlimentos reguladores Água – principal componente do corpo humano constitui cerca de 2/3 do peso corpóreo total. Junto com o oxigênio, é o elemento mais importante para a manutenção da vida. Possui funções construtora e reguladora.
  • 42. 03/25/15 42mcscak.: Proposta de refeição equilibrada  Salada de alface, tomate e cenoura  alimentos reguladores.  Arroz  alimento energético.  Feijão  alimento construtor.  Bife grelhado ou frango assado  alimento construtor.  Suco de abacaxi  alimento energético.  Óleo para o preparo dos alimentos  alimento energético.
  • 44. 03/25/15 44mcscak.:  Regime alimentar – estado que um indivíduo se encontra com restrições alimentares, podendo ser temporário ou permanente.  Dieta alimentar – conjunto das refeições e ações alimentícias que se faz durante um dia ou um período.
  • 45. 03/25/15 45mcscak.:  As proporções exatas de cada alimento não são iguais para todos os indivíduos - as necessidades de nutrientes variam com a atividade que desenvolve e as necessidades fisiológicas de cada um.
  • 46. 03/25/15 46mcscak.:  As necessidades variam de acordo com  a idade  o sexo  a atividade física  os padrões culturais e sociais.  Exemplo: A indicação alimentar para uma criança não é a mesma para a sua mãe e seu pai.
  • 47. 03/25/15 mcscak.: 47 Guia alimentar pirâmide alimentar
  • 48. 03/25/15 48mcscak.:  Uma das preocupações das autoridades sanitárias e da OMS é orientar a população para uma alimentação adequada.  Há muito vem sendo desenvolvidos programas e guias alimentares para orientação e educação, voltados para uma alimentação adequada.  São padrões criados baseados nos hábitos e nas informações científicas.
  • 49. 03/25/15 49mcscak.: Guia alimentar  Objetivo – atualizar e unificar as informações passadas à comunidade que contribuem e melhoram a alimentação e a saúde da população.  Buscam orientar sobre os alimentos generalistas para que os padrões regionais não sejam prejudicados e assim haja uma adaptação aos conceitos informados.  Desde 1970, diversos modelos de guias já serviram como orientadores, como a roda dos alimentos e a pirâmide alimentar, como se verá a seguir.
  • 50. 03/25/15 50mcscak.: Dez passos para alimentação saudável para menores de 2 anos. 2002 “Como está sua alimentação” e o Dez passos para uma alimentação saudável para maiores de 2 anos. Alimentos Regionais Brasileiros. PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL
  • 51. 03/25/15 51mcscak.: Guia pratico de preparo de alimentos para crianças menores de 12 meses que não podem ser amamentadas.2004 Guia alimentar para a população brasileira Cadernos de Atenção Básica: alimentação e nutrição- Obesidade.
  • 52. 03/25/15 52mcscak.:  Está dividida em grupos.  Permite uma melhor escolha dos alimentos.  Melhor combinação para a alimentação diária. Roda dos alimentos = é uma representação gráfica criada em Portugal em 1977, no âmbito da Campanha de Educação Alimentar "Saber comer é saber viver", que ajuda a escolher e combinar os alimentos que deverão fazer parte da alimentação diária.
  • 53. 03/25/15 53mcscak.: Pirâmide alimentar  Os primeiros modelos surgiram nos anos 1970; periodicamente surgem novos esquemas, adaptados aos hábitos e às necessidades de cada sociedade e aos avanços das pesquisas científicas.  Foi criada para ajudar e a entender como equilibrar esses alimentos diariamente. Os alimentos são agrupados de acordo com as suas funções e seus nutrientes.
  • 54. 03/25/15 54mcscak.: Pirâmide alimentar 1992 – Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) implantou a pirâmide alimentar como guia alimentar.
  • 55. 03/25/15 55mcscak.: Pirâmide alimentar  1996 – nova versão da pirâmide alimentar com o acréscimo de atividade física na base.
  • 56. 03/25/15 56mcscak.: Pirâmide alimentar  2005 – o USDA apresentou uma nova versão da pirâmide alimentar chamada My Piramid (minha pirâmide). Os profissionais de saúde vem demonstrando resistência a esta nova versão  não apresentação dos alimentos; a única maneira de saber os detalhes dos alimentos indicados é através do acesso ao site www.pyramid.gov e digitar os dados pessoais  plano alimentar personalizado.
  • 57. 03/25/15 57mcscak.: Pirâmide alimentar  O governo americano propõe novas recomendações nutricionais e alteração da pirâmide para a representação de um prato.  “My plate” é o nome do novo programa encabeçado por Michelle Obama.
  • 59. 03/25/15 59mcscak.: Os grupos de alimentos na pirâmide  A pirâmide de alimentos é um instrumento educativo que pode ser facilmente usado pela população, mostrando o que pode ser consumido no dia-a-dia.  Trata-se de um guia geral que permite escolher uma dieta saudável e conveniente, que garanta todos os nutrientes necessários para a nossa saúde e bem-estar.  A pirâmide original foi baseada nas necessidades energéticas de indivíduos adultos e apresenta a forma como se verá a seguir.
  • 61. 03/25/15 61mcscak.: 1º patamar – carboidratos: pães, cereais, massas e tubérculos  Na base da pirâmide estão os alimentos fontes de carboidratos:  Cereais (arroz)  Cereais integrais e seus derivados (pães, granolas e massas)  Tubérculos feculentos (batatas, macaxeira). Indicações – cerca de 9 porções no decorrer do dia. Esses alimentos fornecem energia para nosso organismo  consumo em maior quantidade.
  • 62. 03/25/15 62mcscak.: 2º patamar – verduras, hortaliças e frutas  Esses alimentos ocupam o segundo patamar da pirâmide; apresentam funções semelhantes. São chamados alimentos reguladores, fornecem vitaminas e sais minerais que precisamos. São também ricos em fibras e água.  Quanto maior a variedade e a quantidade de consumo ao dia, melhor.
  • 63. 03/25/15 63mcscak.: 3º patamar – leite e derivados; peixes e carnes; leguminosas  Indica-se o consumo cerca de 2 porções de cada grupo ao dia e é necessário diversificar o consumo das fontes protéicas.
  • 64. 03/25/15 64mcscak.:  O 3º patamar da pirâmide alimentar apresenta três grupos alimentares que oferecem principalmente proteínas, a saber:  Leite e derivados  Peixes, carnes e carnes brancas – recomenda- se carnes magras, frango sem pele e o peixe sem couro. O melhor é consumir carnes assadas, cozidas ou grelhadas.  Leguminosas – são boas fontes de proteínas de origem vegetal, como a soja e seus derivados.
  • 65. 03/25/15 65mcscak.: 4º patamar – açúcar, doces, carne vermelha e manteiga  O topo da pirâmide pode ter variação entre as três pirâmides, mas em todas estão os alimentos que devem ser consumidos com moderação e terem consumo mensal e não diário.  Não existe indicação do número de porções, mas a recomendação é de consumo moderado.
  • 67. 03/25/15 67mcscak.: Dietoterapia  Desde os tempos remotos a humanidade já utilizava os alimentos e ervas para fins medicinais, pois, ainda não existiam o que chamamos hoje de medicamentos. Hipócrates, da Grécia antiga, considerado o Pai da Medicina, afirmou há mais de 2 mil anos: “Que teu remédio seja teu alimento e que teu alimento seja teu remédio”.
  • 68. 03/25/15 68mcscak.:  A dietoterapia é uma ferramenta da saúde, e em especial do profissional nutricionista, que usa dos alimentos (principalmente), para o tratamento e prevenção de enfermidades, levando ao organismo a adquirir os nutrientes necessários para o bom desempenho nas diversas áreas de atividade e saúde.
  • 69. 03/25/15 69mcscak.: Dietas terapêuticas restritivas aplicadas conforme enfermidade do paciente  Reduzidas em macro e micronutrientes Hipoglicídicas Hipolipídicas Hipossódica Hipoprotéicas
  • 70. 03/25/15 70mcscak.: Tipo de dieta Indicada para Hipoglícidica – dieta pobre em glicídios (carboidratos e açúcares); objetivo: diminuir a quantidade desse nutrientes, sem reduzir necessariamente as calorias. Portadores de diabetes, que é pobre em glicídios simples, em destaque a sacarose, o tradicional açúcar de mesa. Hipolípidica - Dieta pobre em gorduras, principalmente saturadas. Pacientes com altas taxas de colesterol e obesos. Hipossódica - Dieta pobre em sódio (Na), que se concentra em especial no sal de cozinha (cloreto de sódio - NaCl). Pacientes hipertensos, cardiopatas, com retenção de líquidos (edemas), dentre outros. Hipoprotéica - Dieta pobre em proteínas. Pacientes que com ingestão controlada de proteínas, como os portadores de insuficiência renal, cirrose hepática.
  • 71. 03/25/15 71mcscak.: Dietas terapêuticas restritivas aplicadas conforme enfermidade do paciente  Aumentadas em macro e micronutrientes Hipercalóricas Hiperprotéicas Hiperglícidica Hiperlipídica
  • 72. 03/25/15 72mcscak.: Tipo de dieta Indicada para Hipercalórica - Dieta rica em energia. Prevenir e tratar principalmente a desnutrição. Hiperprotéica - Dieta rica em proteínas. Usada também nos casos de desnutrição; pacientes traumatizados como os queimados, para o desenvolvimento hiperplasia de novas células, principalmente para reconstituição do tecido lesionado. Hiperglícidica - Aplicada em casos específicos de atletas e também em casos de intoxicação alcoólica. Na terapêutica de cirrose hepática, com restrição de gorduras e proteínas, a dieta torna-se hiperglicídica. Hiperlipídica – dieta com uma boa quantidade de gorduras. Geralmente indicada para tratamento de desnutrição grave e portadores de fibrose cística.
  • 73. 03/25/15 73mcscak.: Consistência da dieta ofertada  A consistência também é uma fator levado em consideração, pois, muitas vezes o sistema digestório não se encontra fisiologicamnte normal, dentre as consistências dietoterápicas temos:  dieta normal/ livre  dieta branda  dieta pastosa  dieta líquida  dieta líquida restrita
  • 74. 03/25/15 74mcscak.: Dieta normal / livre  Comumente associada à dieta terapêutica livre, trata-se de uma refeição normal, indicada para pacientes sem restrições alimentares ou sem indicações dietoterápicas especificas. O paciente pode receber qualquer tipo de preparação de acordo com sua tolerância alimentar.
  • 76. 03/25/15 76mcscak.: Dieta branda  Dieta composta por  alimentos mais cozidos  fibras abrandadas por cocção ou subdivisão; de consistência mais mole, normal em calorias e nutrientes;  moderada em resíduos;  fácil de se mastigar, deglutir e também digerir. Indicada para pacientes com enfermidades leves e usada como transição para dieta livre.
  • 78. 03/25/15 78mcscak.: Dieta pastosa  Tem como objetivo fornecer uma dieta que possa ser mastigada e deglutida com pouco ou nenhum esforço.  É composta por alimentos bem macios, bem cozidos, em forma de purê e papas.  Indicada geralmente para pacientes com disfagia, dificuldades de mastigação (ausência de dentes ou problemas motores), alterações gastrintestinais ou outras manifestações clinicas como pós- cirurgia.
  • 80. 03/25/15 80mcscak.: Dieta líquida  Objetivo: fornecer ao paciente uma dieta que permite minimizar o trabalho do trato gastrintestinal e a presença de resíduos no cólon.  Indicada para pacientes com problemas de mastigação, deglutição e digestão, com trato gastrintestinal com alterações moderadas e para o pós-operatório de cirurgias do trato gastrintestinal.  Tem curto tempo de uso.  Alimentos recomendados:  Preparações com alimentos liquidificados e amassados.
  • 81. 03/25/15 81mcscak.: A dieta líquida pode ser dividida em:  Dieta líquida clara – Fornece líquidos, eletrólitos e pequena quantidade de energia: Chás, suco de frutas coados, geleia de mocotó, gelatinas, sorvetes a base de frutas coadas (sem leite).
  • 82. 03/25/15 82mcscak.:  Dieta líquida completa: constituída de líquidos e semi-líquidos, mas pobre em fibras.  Alimentos recomendados:  Mingaus a 3% (arroz, milho, mucilon, maisena);  caldos e sopas liquidificadas;  sucos diluídos e/ou coados;  leite, iogurte, creme de leite, queijos cremosos;  gelatina, geléia de mocotó, pudim, sorvetes;  chá, café, chocolate, mate, bebidas não gasosas, sucos de frutas e de vegetais coados;  mingau de cereais, sopa de vegetais peneirados, cremosas e caldos de carnes;  óleos vegetais.
  • 85. 03/25/15 85mcscak.: Todos os hospitais possuem manuais estabelecendo dietas específicas padronizadas, delineadas para uniformidade e conveniência de serviço, baseadas em padrão dietético apropriado.
  • 86. 03/25/15 86mcscak.:  As necessidades nutricionais dos pacientes deverão ser determinadas depois de diversas analises como:  estado nutricional  histórico de cirurgia e medicamentos e outros tratamentos médicos  efeito de patologia que acomete o paciente  perdas nutricionais decorrentes.
  • 87. 03/25/15 87mcscak.:  Durante a internação hospitalar, o paciente estará passivo a diversas dietas terapêuticas específicas, além das apropriadas para o pré e o pós-operatório. Estas dietas podem temporárias ou permanentes e, sendo assim, serão seguidas após a alta hospitalar.  Além das dietas-padrão relatadas (normal, branda, pastosa, líquida), outras dietas específicas se destacam, como está apresentado a seguir:
  • 88. 03/25/15 88mcscak.:  Dieta isenta de glúten – específica para portadores diagnosticados com doença celíaca. O paciente não deve então consumir alguns cereais e seus derivados – trigo, centeio,cevada e aveia.  Dieta baixa em purinas – dieta específica para portadores de gota, doença caracterizada pelo aumento exagerado de ácido úrico no sangue. Evitar o consumo de alimentos como carne vermelha, frutos do mar, peixes, como sardinha e salmão, e miúdos..  Dieta baixa em colesterol – para pacientes cardiopatas ou com altos níveis de colesterol. Alimentos a serem restringidos são os gordurosos de origem animal. Essa dieta pode ser temporária ou permanente.  Dieta para pacientes renais crônicos – indivíduos com doença renal crônica ou que estejam em fase de diálise, necessitam uma dieta extremamente restritiva e específica inclusive no volume hídrico.
  • 89. 03/25/15 89mcscak.:  Dietas para preparo de exames: alguns exames bioquímicos e funcionais, invasivos ou não precisam de restrições alimentares ou de preparo específico. Para cada exame existe a indicação nutricional específica. a) Pesquisa de Gordura nas Fezes (Sudam III): observar presença de gordura nas fezes. Característica principal: consumir uma grande quantidade de gordura/dia. Deve ser iniciada três dias antes da realização do exame.
  • 90. 03/25/15 90mcscak.: c) Colonoscopia: visualizar todo o cólon. Características: dieta líquida sem resíduos com maior oferta hídrica. - Tempo: oferecer na véspera do exame. - Alimentos permitidos: macarrão, purê de batatas, sopas coadas, caldo de galinha, peixe, ovos, queijo branco, cremes, pudins, torradas, biscoito de polvilho, sorvetes, gelatinas, geleias, suco de frutas coadas. - Alimentos proibidos: carnes, verduras, polpa de frutas, cereais integrais. - Dia do exame: realizada lavagem intestinal. d) Pesquisa de Sangue Oculto nas fezes: observar presença de hemácias nas fezes. - Características: não consumir carnes de qualquer tipo (vermelhas e brancas), vegetais (beterraba, rabanete, tomate, cenoura, nabo, abóbora, espinafre, alface), feijão, gema de ovo, goiabada. - Tempo: 3 a 4 dias antes do exame.
  • 91. 03/25/15 mcscak.: 91 Terapia nutricional vias de administração
  • 92. 03/25/15 92mcscak.: A nutrição pode ser feita por via oral, ou seja, pela maneira natural do processo de alimentação. por um modo especial. nutrição enteral nutrição parenteral.
  • 93. 03/25/15 93mcscak.:  A nutrição enteral ocorre quando o alimento é colocado diretamente em uma área do tubo digestivo, geralmente o estômago ou o jejuno através de sondas que podem entrar pela narina ou boca ou por um orifício feito por cirurgia diretamente no abdômen do paciente.  A nutrição parenteral – realizada quando o paciente é alimentado com preparados para administração diretamente na veia, não passando pelo tubo digestivo.
  • 94. 03/25/15 94mcscak.: Nutrição enteral ou terapia nutricional enteral (NE)  Dieta de consistência líquida que fornece os nutrientes necessários para manter o estado nutricional adequado aos pacientes incapacitados de se alimentarem por via oral, mas possuem o sistema digestório ainda em funcionamento adequado, com função intestinal preservada, sem obstrução ou que não sejam doentes terminais.
  • 95. 03/25/15 95mcscak.: Indicações para dieta NE Pacientes com • AVE • depressão • anorexia nervosa • câncer • Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica • caquexia • grandes queimados • lesões de face e mandíbula • distúrbios neurológicos • pós-operatório de risco nutricional • coma.
  • 96. 03/25/15 96mcscak.: Nutrição enteral PRESCRIÇÃO:  nutricionista / médico especializado. TIPOS DE DIETAS 1- Formulações caseiras / Naturais: utilizados alimentos in natura, sucos de fruta coados e sopas liquidificadas – atentar para os valores nutricionais e higiênicos. 2- Formulações Industriais: dieta modulares ou completas – menor manipulação e menor risco de contaminação. FATORES QUE DETERMINAM A ESCOLHA DAS FORMULAÇÕES  Tempo de utilização  Via de acesso  Poder aquisitivo do paciente  Estado nutricional.
  • 97. 03/25/15 97mcscak.: Nutrição enteral  Padrões para administração da dieta por sonda:  não ser viscosa  não ter partículas  cuidados com a higienização.  Esta via de nutrição pode ser temporária ou permanente.  Uso prolongado pode acarretar dificuldades digestivas ou entéricas.  Monitoramento e correções nutricionais serão necessários para melhores resultados.
  • 98. 03/25/15 98mcscak.: Nutrição enteral VIAS DE ADMINISTRAÇÃO/ VIAS DE ACESSO DA N.E.  Vão depender da patologia de base, da previsão de permanência da sonda de alimentação e da preferência do paciente.  Vias de acesso:  Acesso transnasal  Gastrotomia  Jejunostomia
  • 99. 03/25/15 99mcscak.: Acesso transnasal – utilização da  sonda nasogástrica, com entrada da sonda pelo nariz e chegada no estomago ou  sonda nasoentérica, com entrada da sonda pelo nariz e chegada ao duodeno. As sondas são vias de aceso de curto prazo.
  • 100. 03/25/15 100mcscak.: Vias de Administração / Vias de Acesso da Nutrição Enteral  Gastrotomia endoscópica percutânea (PEG): sonda fixada no estomago ou Jejunostomia percutânea direta (JEP) – ainda em desenvolvimento e nem sempre empregada.  Gastrotomia ou jejunostomia por punção:através de acesso cirúrgico. As estomias são vias de acesso de longo prazo.
  • 101. 03/25/15 101mcscak.: Cuidados de Enfermagem na terapia nutricional enteral  O enfermeiro é membro da Equipe multiprofissional de Terapia Enteral (EMTN) tem como principal responsabilidade a administração da Terapia Nutricional (TN), acompanhando todo o processo objetivando a prevenção e a detecção precoce de complicações.
  • 102. 03/25/15 102mcscak.: CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL  Lavar as mãos antes de manusear a dieta;  Conferir prescrição da dieta: identificação do paciente, tipo de dieta, via de administração, volume prescrito;  Observar temperatura, aspecto, volume e consistência antes de administrar a dieta.  Elevar cabeceira no mínimo 30°  Aspirar conteúdo gástrico sempre antes de administrar dieta ou medicação para avaliar aspecto e volume do refluxo;  Registrar no prontuário do paciente se houver refluxo, e comunicar ao médico ou enfermeiro;  Avaliar aceitação da dieta pelo paciente baseado nos seguintes parâmetros: presença de ruídos hidroaéreos, ausência de distensão abdominal e/ou vômitos, aspecto e volume do refluxo gastroesofágico.
  • 103. 03/25/15 103mcscak.: CUIDADOS DE ENFERMAGEM NA TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL(continuação) Instalar dieta com equipo próprio e exclusivo, devendo trocá-lo a cada dieta. Controlar gotejamento/velocidade de infusão conforme forma de administração: gravitacional ou em bomba de infusão. Lavar percurso da SNG/SNE após infusão da dieta com 20ml de água potável. Lavar as mãos após procedimento. Registrar no impresso modelo nº122 – HGV (Evolução e Prescrição de Enfermagem) a aceitação da dieta, o volume administrado e características do refluxo gastroesofágico.
  • 104. 03/25/15 104mcscak.: Terapia nutricional parenteral (TNP)  Indicação:  Prevenir ou tratar a desnutrição em pacientes que não apresentam funcionamento adequado do trato gastrointestinal e que não podem receber alimentação por via oral ou enteral.  O médico tem responsabilidade exclusiva por esta dieta.  A via de administração dos nutrientes é realizada através de uma veia (via intravenosa).
  • 105. 03/25/15 105mcscak.:  Sua administração nunca deve ser de emergência: antes de receber a TNP, o paciente precisa estar hemodinamicamente estável, ou seja, a circulação sangüínea deve estar funcionando normalmente.  Quando a TNP é indicada, torna-se necessário um acesso venoso e uma técnica de infusão apropriada para o sucesso da nutrição.
  • 106. 03/25/15 106mcscak.:  Vias de acesso:  Via cateter em uma veia central (NPC)  Via dispositivo inserido em veia periférica, normalmente no antebraço (NPP).  Por shunt arteriovenoso utilizado para hemodiálise ou exclusivo para nutrição parenteral, em pacientes cuja cateterização central não seja possível. A TNP com previsão com mais de 7 dias de duração deve ser realizada por meio de um acesso venoso central, para evitar o risco de trombo flebite.
  • 107. 03/25/15 mcscak.: 107 Sistemas de nutrição parenteral
  • 108. 03/25/15 108mcscak.: Sistema múltiplos frascos (MF) = administração de múltiplos frascos com nutrientes, separados em aminoácidos, glicose e lipídios. Flexibilidade e facilidade de ajustes a rápidas mudanças nas necessidades do paciente, principalmente em UTI. Sistema 3 em 1 (3:1) Todos os componentes das necessidades diárias da TNP encontram-se misturados em um único recipiente. Administração mais fácil + custos, preparo e manejo menores + melhor assimilação + menos complicações. Sistema mais utilizado.
  • 109. 03/25/15 109mcscak.: CUIDADOS DE ENFERMAGEM CATÉTER CENTRAL  Curativo comum – a cada 48 horas  Curativo transparente - a cada 6 dias  Observar:  sangramento local, hematoma, enfisema, edema, dispnéia  Registrar:  data, local da inserção, nome do médico  Rx de tórax  Acesso exclusivo p/ NPT  O equipo deve ser trocado a cada 24hrs.
  • 110. 03/25/15 110mcscak.: CUIDADOS DE ENFERMAGEM (continuação) NUTRIÇÃO PARENTERAL  Conferir prescrição médica: volume e tipo de NPT;  Avaliar acesso venoso central antes de cada administração.  Registrar volume, data, hora, nome do paciente, leito e enfermaria.  Devem-se evitar alterações de velocidade durante a infusão.  Controlar rigorosamente o gotejamento (equipo microgotas) e velocidade de infusão (bomba de infusão) nas 24h  evita- se assim oscilações do gotejamento e alterações nas concentrações séricas da glicose.  Não é recomendável ultrapassar 24 hs de infusão da NP  o risco de crescimento bacteriano ou fúngico aumenta
  • 111. 03/25/15 111mcscak.: Pratique uma alimentação saudável!