SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Abílio Cardoso Teixeira | SCI1: CHPorto – Hospital Santo António | abilio.cardosoteixeira@gmail.com
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
NUTRIÇÃO NO ENSINO
DE ENFERMAGEM
Grupo de Trabalho
2
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Abílio Cardoso Teixeira (CHP-HSA)
Bruno Magalhães (IPOFG-Porto)
Carlos Leite (CHVNG/E)
Fábio Vieira (CHP-HSA)
José Santos (IPOFG-Lisboa)
Margarida Oliveira (CHP-HSA)
Paula Meireis (CHP-HSA)
Paulo Alves (UCP)
Rui Pedro Silva (CHP-HSA)
“Trazer” os Enfermeiros para a discussão/ reflexão sobre
Nutrição
Finais de 2008: estabelecidos primeiros contactos para a
criação do grupo
Vastos conhecimentos dos diferentes membros e experiências
nas mais diversas áreas.
2009: Inicio dos trabalhos
Parceria informal com APTF e SPCI
Programa do X Congresso Anual da APNEP
Cursos direccionados para a Enfermagem
"Ensino da Nutrição no Curso de Licenciatura em
Enfermagem“
Da pluralidade nasceu e dela cresceremos!
Grupo de Trabalho
3
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
4
“Incomparably the most important office of the nurse, after she has
taken care of the patient's air, is to take care to observe the effects of
his food ... it is quite incalculable the good that would certainly come
from such sound and close observation in this most neglected branch
of nursing” Nightingale, Florence (1860) Notes on Nursing. Harrison and Sons. Londres.
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
5
6
• 1. Enfermagem e (/na) Nutrição
• 2. Nutrição no Ensino da
Enfermagem – Resultados de um
inquérito
• 2.1 O questionário
• 2.2 Resultados
A Abordar:
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Apresentar os resultados do inquérito
“O Ensino da Nutrição no curso de
Licenciatura em Enfermagem em
Portugal” ;
Fomentar a discussão sobre a
pertinência/ relevância do papel da
Enfermagem na Nutrição;
7
1. A Enfermagem e (/na) Nutrição
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Mudanças no sistema de Saúde e no seio da Enfermagem
“Ser enfermeiro” hoje é diferente do antigamente
O Enfermeiro não pode ser autista
Enfermagem: contínuo
Curso de licenciatura → desenvolvimento profissional
Papel do Enfermeiro na Nutrição
Cada vez mais debatido/ discutido
Porém, pouco encontramos “escrito”
Enfermeiro não é detentor de todo o saber
Sozinho não resolve os problemas
Enquadrado numa equipa multidisciplinar
8
1. A Enfermagem e (/na) Nutrição
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Berkowitz, Bobbie; Borchard, Maleyse (2009) Advocating for the prevention of childhood obesity: a
call to action for nursing. Online Journal of Issues in Nursing 14, 8
• Encorajar pais a adoptarem estilos de vida saudáveis;
• Avaliar a adopção das mudanças no estilo de vida dos pais;
• Utilizar técnicas de aconselhamento.
Byron, Elis; Gastmans, Chris; Casterlé, Bernardette (2009) Decision‐making about artificial feedind in
end‐of‐life care: literature review. Journal of Advance Nursing 63, 2‐14
• Impacto directo limitado, mas um significativo impacto indirecto no processo de tomada de
decisão;
• Apesar de reconhecer o seu importante papel, o Enfermeiro sente que este não está claramente
definido.
Holmes, S (2006) Barriers to effective nutritional care for older adults. Nursing Standard 21, 50 ‐ 54
• Para um adequado suporte nutricional: identificação daqueles cuja saúde poderá ser melhorada
com intervenção nutricional;
• Sempre que possível a refeição deve ser oferecida à mesa;
• Falha na qualidade/ quantidade dos conhecimentos das Enfermeiras face à nutrição.
9
1. A Enfermagem e (/na) Nutrição
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Todd, Vi et al. (2005) Percutaneous endoscopic gastrostomy (PEG): the role and perspective of
nurses. Journal of Clinical Nursing 14, 187‐194
• Enfermeiro é reconhecido como tendo um importante papel na alimentação a longo-termo no
doente com PEG;
• Participação na tomada destas decisões poderá ser desconfortável para o Enfermeiro, no entanto,
o seu papel poderá ser incrementado.
Tsaloglidou, A et al. (2007) Nurses’ ethical decision‐making role in artificial nutritional support.
British Journal of Nursing. 16, 996‐1001
• Recomendado que o Enfermeiro aumente os seus conhecimentos em suporte nutricional.
Fulbrook, Paul; Bongers, Anke; Albarran, John (2007) A European survey of enteral nutrition practices
and procedures n adult intensive care units. Journal of Clinical Nursing. 16, 2132-2141
• Envolvimento dos Enfermeiros no desenvolvimento de protocolos de Nutrição Artificial é
reduzido;
• A revisão das práticas de suporte nutricional deverá ser realizada pela equipa multidisciplinar.
10
1. A Enfermagem e (/na) Nutrição
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Wilson, Rick (2007) Nutritional Care for older people in hospitals. British Journal of Nursing 16,
700‐701
• A importância da alimentação no cuidar e tratar do paciente é à muito avocada pelos
Enfermeiros;
• Porém é uma área negligenciada pelos Enfermeiros;
Serra, Sueli; Scochi, Carmen (2004) Dificuldades maternas no processo de aleitamento materno de
prematuros em uma UTI nenonatal. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 12, 597-605
• Orientação às mães para o aleitamento;
• Apoiar a competência dos pais para o cuidado do bebé em cuidados intensivos.
Whitehurst, Emma (2009) The importance of nutrition support in the head-injured patient. British
Journal of Neuroscience Nursing. 5. 8-12
• A adequada instituição e manutenção de suporte nutricional é tarefa de todos os membros da
equipa multidisciplinar;
• Enfermeiros “responsáveis” pela área de nutrição são importantes para a promoção de boas
práticas;
11
1. A Enfermagem e (/na) Nutrição
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Sutton, C et. Al (2005) The introduction of a nutrition clinical nurse specialist results in a reduction in
the rate of catheter sepsis. Clinical Nutrition. 24, 220-223
• Promoção da qualidade de cuidados, reduzindo os custos (associados ao CVC)
12
13
2. O Estudo
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Estudo exploratório – descritivo, transversal.
População: coordenadores ou regentes de disciplina de nutrição do curso de enfermagem.
41 escolas e universidades em Portugal.
Instrumento de colheita de dados: questionário (10 perguntas fechadas, enviado via correio e
e-mail).
14
2.1 O Questionário
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
15
2.2 Resultados
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Publico
65%
Privado
35%
Instituição
16
2.2 Resultados
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
UC
Autónoma
47%UC
Integrada
53%
Unidade Curricular
17
2.2 Resultados
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Obrigatória
100%
Opcional
0%
Conteúdo do Plano de Estudos
18
2.2 Resultados
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
< 1 < 2 2 < 3 3 -
Series1 1 1 2 2 1 10
0
2
4
6
8
10
12
UCTS
Unidades de Crédito
19
2.2 Resultados
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
59%23%
6%
12%
Categoria Profissional do Docente
Enfermeiro Nutricionista Médico Outro
20
2.2 Resultados
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Frequência
0
1
2
3
4
5
6
1 2 4
1 + 2 +
3 + 4 +
5 + 6
1 + 2 2 + 3
2 + 3 +
5
Semestre
21
2.2 Resultados
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Unidade Curricular Integrada Unidade Curricular Autónoma
Máximo Média Máximo Média
ECTS 7,0 1,091 6,0 1,647
Aulas Teóricas 41 10,55 40 10,65
Aulas Teórico-Práticas 19 4,36 15 1,59
Orientação Tutorial 10 1,40 5 ,41
Prática Laboratorial 22 3,80 4 ,24
Outro 32 3,40 18 1,71
22
2.3 Análise dos Resultados
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
Taxa de resposta: 17 instituições (41,5%)
Tempo dedicado à nutrição: Muito distinto entre instituições
Tempo médio dedicado a aulas teóricas:
10.6 horas (Unidade Curricular Integrada)
10.7 horas (Unidade Curricular Autónoma)
53% das instituições: não tem uma unidade curricular autónoma de nutrição.
59% dos docentes é Enfermeiro.
É de ponderar que a nutrição não seja uma temática primordial, pois tem um enorme
impacto clínico e financeiro.
23
3. Reflexões
Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
• Mais tempo do currículo do CLE para a área da nutrição.
• Assistem-se a inúmeras mudanças capazes de impulsionar a mudança em Enfermagem.
• É sabido, tacitamente, o papel da Enfermagem no processo de promoção da saúde e
prevenção da doença. Mas o que falta?
• Em inúmeras realidades os Enfermeiros não têm “medo” e/ou “receio” de investigar e
publicar os seus estudos, dando visibilidade “efectiva” ao que realmente fazem. É este um
passo?
• Em Portugal, o Enfermeiro tem um papel preponderante e reconhecido dentro da equipa
multidisciplinar. Não se pode esquecer que tem um papel e de o desempenhar com
qualidade. Serão as especialidades, preconizadas com o MDP, um modo de aumentar a
qualidade dos cuidados?
24
 A mudança far-se-á se todos
caminharmos na mesma direcção…
 Um só não pode mudar o mundo,
mas todos juntos poderemos
impulsionar essa mudança!
3. Reflexões

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vidaMarcelo Silva
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfMarcela Cardoso
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALElyda Santos
 
Aulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietéticaAulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietéticaFabiano de Carvalho
 
Terapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeoTerapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeoJamille Salvador
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralAlexandra Caetano
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfAna Alves
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoKetlenBatista
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoLetícia Gonzaga
 
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEMAULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEMAnaRaquel435561
 
Introdução a Nutrição
Introdução a NutriçãoIntrodução a Nutrição
Introdução a NutriçãoPaulo Matias
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxssuser51d27c1
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteKetlenBatista
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteProqualis
 

Mais procurados (20)

Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
 
Livro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdfLivro dietas hospitalares pdf
Livro dietas hospitalares pdf
 
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERALNUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
NUTRIÇÃO PARENTERAL E NUTRIÇÃO ENTERAL
 
Aulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietéticaAulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietética
 
Terapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeoTerapia nutricional com vídeo
Terapia nutricional com vídeo
 
Nutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteralNutrição enteral e parenteral
Nutrição enteral e parenteral
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idosoNutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
Nutrição normal e dietética: alimentação do adulto e do idoso
 
Nutrição do idoso
Nutrição do idosoNutrição do idoso
Nutrição do idoso
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEMAULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
AULA NUTRIÇÃO APLICADA A ENFERMAGEM
 
Introdução a Nutrição
Introdução a NutriçãoIntrodução a Nutrição
Introdução a Nutrição
 
Apresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutriçãoApresentação dieta e nutrição
Apresentação dieta e nutrição
 
Macronutrientes
MacronutrientesMacronutrientes
Macronutrientes
 
nutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptxnutrição enteral e parenteral.pptx
nutrição enteral e parenteral.pptx
 
Estado nutricional
Estado nutricionalEstado nutricional
Estado nutricional
 
AULA 1 Introduçao a Nutricao.ppt
AULA 1 Introduçao a Nutricao.pptAULA 1 Introduçao a Nutricao.ppt
AULA 1 Introduçao a Nutricao.ppt
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
 
Nutricão
NutricãoNutricão
Nutricão
 
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do pacienteAula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
Aula sobre cuidados paliativos e segurança do paciente
 

Destaque

Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutriçãomelodilva
 
Alimentos, nutrientes e saúde
Alimentos, nutrientes e saúdeAlimentos, nutrientes e saúde
Alimentos, nutrientes e saúdeCristiane Koch
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudávelpaulabarrela
 
Alimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientesAlimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientesMaria Pontes
 
Alimentaçao Saudavel 19 01 10
Alimentaçao Saudavel 19 01 10Alimentaçao Saudavel 19 01 10
Alimentaçao Saudavel 19 01 10Augusto Mota
 
Alimentação saudavel 2013
Alimentação saudavel 2013Alimentação saudavel 2013
Alimentação saudavel 2013Meire de Fatima
 
Power point alimentação e cozinha saudáveis
Power point alimentação e cozinha saudáveisPower point alimentação e cozinha saudáveis
Power point alimentação e cozinha saudáveislurdesmon
 
Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralnatybortoletto
 
Funções Basicas do Alimento no Corpo Humano
Funções Basicas do Alimento no Corpo HumanoFunções Basicas do Alimento no Corpo Humano
Funções Basicas do Alimento no Corpo Humanopatgunu
 
Alimentação / Nutrientes e suas funções
Alimentação / Nutrientes e suas funçõesAlimentação / Nutrientes e suas funções
Alimentação / Nutrientes e suas funçõesRosa Pereira
 
Slides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãoSlides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãothayscler
 
AlimentaçãO Saudavel
AlimentaçãO SaudavelAlimentaçãO Saudavel
AlimentaçãO Saudavelprofanabela
 
Alimentos Saudáveis e não Saudáveis
Alimentos Saudáveis e não SaudáveisAlimentos Saudáveis e não Saudáveis
Alimentos Saudáveis e não SaudáveisMichele Pó
 
II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminasII. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminasRebeca Vale
 

Destaque (20)

Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutrição
 
Alimentos, nutrientes e saúde
Alimentos, nutrientes e saúdeAlimentos, nutrientes e saúde
Alimentos, nutrientes e saúde
 
A1 introdução à nutrição
A1 introdução à nutriçãoA1 introdução à nutrição
A1 introdução à nutrição
 
Alimentação saudável
Alimentação saudávelAlimentação saudável
Alimentação saudável
 
Alimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientesAlimentos e-nutrientes
Alimentos e-nutrientes
 
Alimentação Saudável
Alimentação SaudávelAlimentação Saudável
Alimentação Saudável
 
Alimentaçao Saudavel 19 01 10
Alimentaçao Saudavel 19 01 10Alimentaçao Saudavel 19 01 10
Alimentaçao Saudavel 19 01 10
 
Nutrição
NutriçãoNutrição
Nutrição
 
Alimentação saudavel 2013
Alimentação saudavel 2013Alimentação saudavel 2013
Alimentação saudavel 2013
 
0. nutrição na enfermagem
0. nutrição na enfermagem0. nutrição na enfermagem
0. nutrição na enfermagem
 
Power point alimentação e cozinha saudáveis
Power point alimentação e cozinha saudáveisPower point alimentação e cozinha saudáveis
Power point alimentação e cozinha saudáveis
 
Aula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteralAula nutrição enteral e parenteral
Aula nutrição enteral e parenteral
 
Funções Basicas do Alimento no Corpo Humano
Funções Basicas do Alimento no Corpo HumanoFunções Basicas do Alimento no Corpo Humano
Funções Basicas do Alimento no Corpo Humano
 
Alimentação / Nutrientes e suas funções
Alimentação / Nutrientes e suas funçõesAlimentação / Nutrientes e suas funções
Alimentação / Nutrientes e suas funções
 
Slides sobre alimentação
Slides sobre alimentaçãoSlides sobre alimentação
Slides sobre alimentação
 
AlimentaçãO Saudavel
AlimentaçãO SaudavelAlimentaçãO Saudavel
AlimentaçãO Saudavel
 
Alimentos Saudáveis e não Saudáveis
Alimentos Saudáveis e não SaudáveisAlimentos Saudáveis e não Saudáveis
Alimentos Saudáveis e não Saudáveis
 
Ppt alimentação
Ppt alimentaçãoPpt alimentação
Ppt alimentação
 
Nutrição e saúde
Nutrição e saúdeNutrição e saúde
Nutrição e saúde
 
II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminasII. 1 Água, sais minerais e vitaminas
II. 1 Água, sais minerais e vitaminas
 

Semelhante a Nutrição no Ensino da Enfermagem

Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef
Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef
Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...
Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...
Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...Biblioteca Virtual
 
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementaçãoXVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementaçãoAbilio Cardoso Teixeira
 
Nutrição e Feridas - Da teoria à prática
Nutrição e Feridas - Da teoria à práticaNutrição e Feridas - Da teoria à prática
Nutrição e Feridas - Da teoria à práticaAbilio Cardoso Teixeira
 
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AME
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AMERecomendações para alimentação complementar em cr sob AME
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AMEgisa_legal
 
Cuidados a ter na preparação da Nutrição Artificial (V Curso do GNA)
Cuidados a ter na preparação da Nutrição Artificial (V Curso do GNA)Cuidados a ter na preparação da Nutrição Artificial (V Curso do GNA)
Cuidados a ter na preparação da Nutrição Artificial (V Curso do GNA)Abilio Cardoso Teixeira
 
apresentação pet saúde Vivência usf nestor guimarães
apresentação pet saúde Vivência usf nestor  guimarãesapresentação pet saúde Vivência usf nestor  guimarães
apresentação pet saúde Vivência usf nestor guimarãesmichele funato
 
Pronutri sicnut-vd
Pronutri sicnut-vdPronutri sicnut-vd
Pronutri sicnut-vdMab Davilla
 
Educação permanente como dispositivo de mudanca em saude
Educação permanente como  dispositivo de mudanca em saudeEducação permanente como  dispositivo de mudanca em saude
Educação permanente como dispositivo de mudanca em saudeJoana Coutinho
 

Semelhante a Nutrição no Ensino da Enfermagem (16)

Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef
Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef
Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef
 
Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...
Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...
Impacto De Treinamento Baseado Na Iniciativa Hospital Amigo Da CriançA Sobre ...
 
6. feridas
6. feridas6. feridas
6. feridas
 
REVISTA DE ENFERNAGEM
REVISTA DE ENFERNAGEMREVISTA DE ENFERNAGEM
REVISTA DE ENFERNAGEM
 
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementaçãoXVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
XVI Congresso Anual da APNEP - Protocolos de Nutrição em UCI: implementação
 
Nutrição e Feridas - Da teoria à prática
Nutrição e Feridas - Da teoria à práticaNutrição e Feridas - Da teoria à prática
Nutrição e Feridas - Da teoria à prática
 
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AME
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AMERecomendações para alimentação complementar em cr sob AME
Recomendações para alimentação complementar em cr sob AME
 
Aval. nutricional 2009
Aval. nutricional   2009Aval. nutricional   2009
Aval. nutricional 2009
 
ppt farmaeduca (joparpet)
ppt farmaeduca (joparpet)ppt farmaeduca (joparpet)
ppt farmaeduca (joparpet)
 
Aleitamento materno2 (2) (1)
Aleitamento materno2 (2) (1)Aleitamento materno2 (2) (1)
Aleitamento materno2 (2) (1)
 
Cuidados a ter na preparação da Nutrição Artificial (V Curso do GNA)
Cuidados a ter na preparação da Nutrição Artificial (V Curso do GNA)Cuidados a ter na preparação da Nutrição Artificial (V Curso do GNA)
Cuidados a ter na preparação da Nutrição Artificial (V Curso do GNA)
 
Aconselhamento em Amamentação: prática efetiva?
Aconselhamento em Amamentação: prática efetiva? Aconselhamento em Amamentação: prática efetiva?
Aconselhamento em Amamentação: prática efetiva?
 
apresentação pet saúde Vivência usf nestor guimarães
apresentação pet saúde Vivência usf nestor  guimarãesapresentação pet saúde Vivência usf nestor  guimarães
apresentação pet saúde Vivência usf nestor guimarães
 
Pronutri sicnut-vd
Pronutri sicnut-vdPronutri sicnut-vd
Pronutri sicnut-vd
 
Educação permanente como dispositivo de mudanca em saude
Educação permanente como  dispositivo de mudanca em saudeEducação permanente como  dispositivo de mudanca em saude
Educação permanente como dispositivo de mudanca em saude
 
O nutricionista
O nutricionistaO nutricionista
O nutricionista
 

Mais de Abilio Cardoso Teixeira

Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...Abilio Cardoso Teixeira
 
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...Abilio Cardoso Teixeira
 
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativos
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativosNovas tendências em cuidados intensivos: paliativos
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativosAbilio Cardoso Teixeira
 
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridadesA investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridadesAbilio Cardoso Teixeira
 
Nutrição e as feridas – uma estreita relação
Nutrição e as feridas – uma estreita relaçãoNutrição e as feridas – uma estreita relação
Nutrição e as feridas – uma estreita relaçãoAbilio Cardoso Teixeira
 
2016, 02 iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
2016, 02   iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...2016, 02   iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
2016, 02 iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...Abilio Cardoso Teixeira
 
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"Abilio Cardoso Teixeira
 
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...Abilio Cardoso Teixeira
 
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?Abilio Cardoso Teixeira
 
A importância da nutrição na prevenção de feridas
A importância da nutrição na prevenção de feridasA importância da nutrição na prevenção de feridas
A importância da nutrição na prevenção de feridasAbilio Cardoso Teixeira
 
Ciclo de investigação em cuidados intensivos
Ciclo de investigação em cuidados intensivosCiclo de investigação em cuidados intensivos
Ciclo de investigação em cuidados intensivosAbilio Cardoso Teixeira
 
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...Abilio Cardoso Teixeira
 
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...Abilio Cardoso Teixeira
 
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição ParenteralNutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição ParenteralAbilio Cardoso Teixeira
 
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetivaAutonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetivaAbilio Cardoso Teixeira
 

Mais de Abilio Cardoso Teixeira (20)

Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
Como fazer a diferença no doente crítico? - A nutrição no doente crítico: rea...
 
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
Reflexões sobre nutrição no hospital - A otimização de atitudes interdependen...
 
Comunicação em cuidados intensivos
Comunicação em cuidados intensivosComunicação em cuidados intensivos
Comunicação em cuidados intensivos
 
Nutrição em Cuidados Intensivos
Nutrição em Cuidados IntensivosNutrição em Cuidados Intensivos
Nutrição em Cuidados Intensivos
 
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativos
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativosNovas tendências em cuidados intensivos: paliativos
Novas tendências em cuidados intensivos: paliativos
 
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridadesA investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
A investigação em nutrição e enfermagem - limites e prioridades
 
Nutrição e as feridas – uma estreita relação
Nutrição e as feridas – uma estreita relaçãoNutrição e as feridas – uma estreita relação
Nutrição e as feridas – uma estreita relação
 
2016, 02 iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
2016, 02   iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...2016, 02   iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
2016, 02 iii congresso internacional de cuidados intensivos e unidades inte...
 
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
Gestão e Segurança - Qual o novo rumo? "Enfermagem Baseada na Evidência"
 
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
Prática Baseada na evidência. Que impacto na praxis dos cuidados de enfermage...
 
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
Enfermagem nas Equipas de Suporte Nutricional - Realidade ou utopia?
 
A importância da nutrição na prevenção de feridas
A importância da nutrição na prevenção de feridasA importância da nutrição na prevenção de feridas
A importância da nutrição na prevenção de feridas
 
Ciclo de investigação em cuidados intensivos
Ciclo de investigação em cuidados intensivosCiclo de investigação em cuidados intensivos
Ciclo de investigação em cuidados intensivos
 
Comunicação em Cuidados Intensivos
Comunicação em Cuidados IntensivosComunicação em Cuidados Intensivos
Comunicação em Cuidados Intensivos
 
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
Intervenção Psicossocial na Comunidade - Empoderamento Profissional para inte...
 
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
Encontro - Enfermagem e Empoderamento Comunitário: Empoderamento Profissional...
 
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição ParenteralNutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
Nutrição Enteral vs Nutrição Parenteral
 
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetivaAutonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
Autonomia em Cuidados Intensivos: a minha perspetiva
 
Prática Baseada na Evidência
Prática Baseada na EvidênciaPrática Baseada na Evidência
Prática Baseada na Evidência
 
Avaliação do Resíduo Gástrico
Avaliação do Resíduo GástricoAvaliação do Resíduo Gástrico
Avaliação do Resíduo Gástrico
 

Nutrição no Ensino da Enfermagem

  • 1. Abílio Cardoso Teixeira | SCI1: CHPorto – Hospital Santo António | abilio.cardosoteixeira@gmail.com Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep NUTRIÇÃO NO ENSINO DE ENFERMAGEM
  • 2. Grupo de Trabalho 2 Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Abílio Cardoso Teixeira (CHP-HSA) Bruno Magalhães (IPOFG-Porto) Carlos Leite (CHVNG/E) Fábio Vieira (CHP-HSA) José Santos (IPOFG-Lisboa) Margarida Oliveira (CHP-HSA) Paula Meireis (CHP-HSA) Paulo Alves (UCP) Rui Pedro Silva (CHP-HSA) “Trazer” os Enfermeiros para a discussão/ reflexão sobre Nutrição Finais de 2008: estabelecidos primeiros contactos para a criação do grupo Vastos conhecimentos dos diferentes membros e experiências nas mais diversas áreas. 2009: Inicio dos trabalhos Parceria informal com APTF e SPCI Programa do X Congresso Anual da APNEP Cursos direccionados para a Enfermagem "Ensino da Nutrição no Curso de Licenciatura em Enfermagem“ Da pluralidade nasceu e dela cresceremos!
  • 3. Grupo de Trabalho 3 Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
  • 4. 4 “Incomparably the most important office of the nurse, after she has taken care of the patient's air, is to take care to observe the effects of his food ... it is quite incalculable the good that would certainly come from such sound and close observation in this most neglected branch of nursing” Nightingale, Florence (1860) Notes on Nursing. Harrison and Sons. Londres. Nutrição no Ensino da Enfermagem Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
  • 5. 5
  • 6. 6 • 1. Enfermagem e (/na) Nutrição • 2. Nutrição no Ensino da Enfermagem – Resultados de um inquérito • 2.1 O questionário • 2.2 Resultados A Abordar: Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Apresentar os resultados do inquérito “O Ensino da Nutrição no curso de Licenciatura em Enfermagem em Portugal” ; Fomentar a discussão sobre a pertinência/ relevância do papel da Enfermagem na Nutrição;
  • 7. 7 1. A Enfermagem e (/na) Nutrição Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Mudanças no sistema de Saúde e no seio da Enfermagem “Ser enfermeiro” hoje é diferente do antigamente O Enfermeiro não pode ser autista Enfermagem: contínuo Curso de licenciatura → desenvolvimento profissional Papel do Enfermeiro na Nutrição Cada vez mais debatido/ discutido Porém, pouco encontramos “escrito” Enfermeiro não é detentor de todo o saber Sozinho não resolve os problemas Enquadrado numa equipa multidisciplinar
  • 8. 8 1. A Enfermagem e (/na) Nutrição Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Berkowitz, Bobbie; Borchard, Maleyse (2009) Advocating for the prevention of childhood obesity: a call to action for nursing. Online Journal of Issues in Nursing 14, 8 • Encorajar pais a adoptarem estilos de vida saudáveis; • Avaliar a adopção das mudanças no estilo de vida dos pais; • Utilizar técnicas de aconselhamento. Byron, Elis; Gastmans, Chris; Casterlé, Bernardette (2009) Decision‐making about artificial feedind in end‐of‐life care: literature review. Journal of Advance Nursing 63, 2‐14 • Impacto directo limitado, mas um significativo impacto indirecto no processo de tomada de decisão; • Apesar de reconhecer o seu importante papel, o Enfermeiro sente que este não está claramente definido. Holmes, S (2006) Barriers to effective nutritional care for older adults. Nursing Standard 21, 50 ‐ 54 • Para um adequado suporte nutricional: identificação daqueles cuja saúde poderá ser melhorada com intervenção nutricional; • Sempre que possível a refeição deve ser oferecida à mesa; • Falha na qualidade/ quantidade dos conhecimentos das Enfermeiras face à nutrição.
  • 9. 9 1. A Enfermagem e (/na) Nutrição Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Todd, Vi et al. (2005) Percutaneous endoscopic gastrostomy (PEG): the role and perspective of nurses. Journal of Clinical Nursing 14, 187‐194 • Enfermeiro é reconhecido como tendo um importante papel na alimentação a longo-termo no doente com PEG; • Participação na tomada destas decisões poderá ser desconfortável para o Enfermeiro, no entanto, o seu papel poderá ser incrementado. Tsaloglidou, A et al. (2007) Nurses’ ethical decision‐making role in artificial nutritional support. British Journal of Nursing. 16, 996‐1001 • Recomendado que o Enfermeiro aumente os seus conhecimentos em suporte nutricional. Fulbrook, Paul; Bongers, Anke; Albarran, John (2007) A European survey of enteral nutrition practices and procedures n adult intensive care units. Journal of Clinical Nursing. 16, 2132-2141 • Envolvimento dos Enfermeiros no desenvolvimento de protocolos de Nutrição Artificial é reduzido; • A revisão das práticas de suporte nutricional deverá ser realizada pela equipa multidisciplinar.
  • 10. 10 1. A Enfermagem e (/na) Nutrição Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Wilson, Rick (2007) Nutritional Care for older people in hospitals. British Journal of Nursing 16, 700‐701 • A importância da alimentação no cuidar e tratar do paciente é à muito avocada pelos Enfermeiros; • Porém é uma área negligenciada pelos Enfermeiros; Serra, Sueli; Scochi, Carmen (2004) Dificuldades maternas no processo de aleitamento materno de prematuros em uma UTI nenonatal. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 12, 597-605 • Orientação às mães para o aleitamento; • Apoiar a competência dos pais para o cuidado do bebé em cuidados intensivos. Whitehurst, Emma (2009) The importance of nutrition support in the head-injured patient. British Journal of Neuroscience Nursing. 5. 8-12 • A adequada instituição e manutenção de suporte nutricional é tarefa de todos os membros da equipa multidisciplinar; • Enfermeiros “responsáveis” pela área de nutrição são importantes para a promoção de boas práticas;
  • 11. 11 1. A Enfermagem e (/na) Nutrição Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Sutton, C et. Al (2005) The introduction of a nutrition clinical nurse specialist results in a reduction in the rate of catheter sepsis. Clinical Nutrition. 24, 220-223 • Promoção da qualidade de cuidados, reduzindo os custos (associados ao CVC)
  • 12. 12
  • 13. 13 2. O Estudo Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Estudo exploratório – descritivo, transversal. População: coordenadores ou regentes de disciplina de nutrição do curso de enfermagem. 41 escolas e universidades em Portugal. Instrumento de colheita de dados: questionário (10 perguntas fechadas, enviado via correio e e-mail).
  • 14. 14 2.1 O Questionário Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep
  • 15. 15 2.2 Resultados Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Publico 65% Privado 35% Instituição
  • 16. 16 2.2 Resultados Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep UC Autónoma 47%UC Integrada 53% Unidade Curricular
  • 17. 17 2.2 Resultados Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Obrigatória 100% Opcional 0% Conteúdo do Plano de Estudos
  • 18. 18 2.2 Resultados Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep < 1 < 2 2 < 3 3 - Series1 1 1 2 2 1 10 0 2 4 6 8 10 12 UCTS Unidades de Crédito
  • 19. 19 2.2 Resultados Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep 59%23% 6% 12% Categoria Profissional do Docente Enfermeiro Nutricionista Médico Outro
  • 20. 20 2.2 Resultados Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Frequência 0 1 2 3 4 5 6 1 2 4 1 + 2 + 3 + 4 + 5 + 6 1 + 2 2 + 3 2 + 3 + 5 Semestre
  • 21. 21 2.2 Resultados Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Unidade Curricular Integrada Unidade Curricular Autónoma Máximo Média Máximo Média ECTS 7,0 1,091 6,0 1,647 Aulas Teóricas 41 10,55 40 10,65 Aulas Teórico-Práticas 19 4,36 15 1,59 Orientação Tutorial 10 1,40 5 ,41 Prática Laboratorial 22 3,80 4 ,24 Outro 32 3,40 18 1,71
  • 22. 22 2.3 Análise dos Resultados Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep Taxa de resposta: 17 instituições (41,5%) Tempo dedicado à nutrição: Muito distinto entre instituições Tempo médio dedicado a aulas teóricas: 10.6 horas (Unidade Curricular Integrada) 10.7 horas (Unidade Curricular Autónoma) 53% das instituições: não tem uma unidade curricular autónoma de nutrição. 59% dos docentes é Enfermeiro. É de ponderar que a nutrição não seja uma temática primordial, pois tem um enorme impacto clínico e financeiro.
  • 23. 23 3. Reflexões Grupo de Trabalho de Enfermagem: enf.apnep@gmail.com | twitter.com/enf_apnep • Mais tempo do currículo do CLE para a área da nutrição. • Assistem-se a inúmeras mudanças capazes de impulsionar a mudança em Enfermagem. • É sabido, tacitamente, o papel da Enfermagem no processo de promoção da saúde e prevenção da doença. Mas o que falta? • Em inúmeras realidades os Enfermeiros não têm “medo” e/ou “receio” de investigar e publicar os seus estudos, dando visibilidade “efectiva” ao que realmente fazem. É este um passo? • Em Portugal, o Enfermeiro tem um papel preponderante e reconhecido dentro da equipa multidisciplinar. Não se pode esquecer que tem um papel e de o desempenhar com qualidade. Serão as especialidades, preconizadas com o MDP, um modo de aumentar a qualidade dos cuidados?
  • 24. 24  A mudança far-se-á se todos caminharmos na mesma direcção…  Um só não pode mudar o mundo, mas todos juntos poderemos impulsionar essa mudança! 3. Reflexões