SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
A SOCIEDADE PORTUGUESA
DOS SÉCULOS XIII E XIV
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
O clero e a nobreza eram grupos sociais privilegiados,
porque ocupavam importantes cargos na administração do
reino, recebiam terras e não pagavam impostos.
A sociedade portuguesa no
século XIII estava organizada
em três grupos sociais:
O clero, a nobreza e o povo.
No topo da sociedade
encontrava-se o rei.
Pirâmide social.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
O rei tinha como funções:
- comandar o exército;
- decretar a paz e a guerra;
- fazer leis;
- ordenar a cobrança de impostos;
- distribuir benefícios (terras,
rendas e títulos);
- aplicar a justiça suprema;
- cunhar a moeda.
O REI
O rei era a pessoa mais importante
da sociedade portuguesa, ao qual
todos os grupos sociais deviam
fidelidade, obediência e auxílio.
Rei.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
Além da atividade religiosa,
dedicava-se ao ensino, à leitura e
cópia de livros, à assistência a
pobres, peregrinos e doentes.
O CLERO
O ensino.
Monge copista.
O clero ocupava uma posição
social de grande importância. Era o
único que sabia ler e escrever.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
O clero estava dividido em dois grupos:
- O clero secular, constituído por bispos
e padres, que vivia nas aldeias e nas
cidades, próximo das populações.
- O clero regular, formado por frades,
monges e freiras, que vivia em
comunidade e obedecia a uma regra.
O CLERO
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
Os monges que viviam segundo
uma regra pertenciam a uma
ordem religiosa:
- monástica, monges que
viviam em mosteiros;
- militar, monges que, para
além da prática religiosa, se
dedicavam à defesa, à
conquista e ao povoamento
do território.
O CLERO
Dormitório
Refeitório
Claustro
Igreja
Horta EnfermariaBiblioteca
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
Tinham a responsabilidade da defesa mas também
da administração do reino.
A NOBREZA
A nobreza, grupo social privilegiado, era constituída por descendentes de reis,
importantes famílias e cavaleiros.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
O senhorio ou domínio senhorial era o nome dado às propriedades
que pertenciam à nobreza.
A NOBREZA
Estas propriedades eram
constituídas:
- pela reserva, terras diretamente
exploradas pelo senhor;
- pelos mansos, terras cultivadas
por camponeses que, por isso,
pagavam rendas ao senhor.
Igreja
Casa senhoralCasa senhorial
Reserva
AldeiaMoinho
Mansos
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
Em tempos de paz, os nobres
ocupavam os dias a administrar as
suas propriedades (os senhorios),
em caçadas ou em atividades de
preparação para a guerra.
A NOBREZA
Torneio medieval.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
As noites eram preenchidas com jogos de salão, como o xadrez, as
damas, os dados e as cartas.
Por vezes, assistiam à atuação dos jograis e dos saltimbancos.
A NOBREZA
Atuação de jograis.Banquete numa casa senhorial.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
Na Idade Média era muito difícil
ascender socialmente – o nascimento
determinava o grupo social a que cada
um pertencia.
O POVO
O povo era o grupo social não
privilegiado, o único que trabalhava
e pagava rendas e impostos.
Recolha de impostos.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
O POVO
Dedicava-se à agricultura, à pastorícia, à pesca,
ao artesanato e aos serviços domésticos.
O povo trabalhava nas terras dos
senhores (do clero ou da nobreza).
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
Para se protegerem do frio, faziam uma fogueira
ou dormiam junto dos animais.
O POVO
Os camponeses viviam em casas
ou choupanas de madeira, com
uma só divisão que partilhavam
com os animais.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
O POVO
O povo não tinha dias de descanso e os
momentos de distração eram a ida à
missa ou a procissões e romarias.
Por vezes, era permitida a sua presença
em festas organizadas pelos senhores.Romaria.
Procissão.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
1. Indica qual o tema tratado na apresentação.
………………………………………………………………………………………………………
2. Na resposta a cada um dos itens, assinala com um X as opções
corretas.
2.1. A sociedade portuguesa do século XIII estava dividida em
três grupos sociais:
ricos, pobres e escravos.
nobreza, clero e povo.
burguesia, comerciantes e família real.
A organização da sociedade portuguesa nos séculos XIII e XIV.
ATIVIDADES DE CONSOLIDAÇÃO DO POWERPOINT
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
2.2. Os grupos sociais privilegiados eram:
a nobreza e a burguesia.
os ricos e os nobres.
a nobreza e o clero.
2.3. Alguns dos privilégios do clero e da nobreza eram:
não pagar impostos.
pagar elevados impostos ao rei.
possuir grandes propriedades.
receber doações do rei.
2.4. As principais funções do clero eram:
rezar.
combater ao lado do rei.
copiar livros.
prestar cuidados de saúde aos
pobres.
aplicar a justiça nas suas terras.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
2.5. Completa a frase.
O clero estava dividido em clero _________, que vivia nos
mosteiros ou _________, e em clero _________, que vivia junto
das populações. Este grupo social era muito respeitado uma vez
que era o único que sabia ______ e _________. Os monges
organizavam o seu dia em função de um conjunto de obrigações
que estabeleciam os seus horários e as diferentes tarefas, isto é,
seguiam uma ________.
2.6. As ordens religiosas podiam ser de dois tipos:
as ordens religiosas militares, cujos membros permaneciam
enclausurados nos mosteiros a rezar pelo sucesso das batalhas.
as ordens religiosas monásticas, cujos membros permaneciam
enclausurados nos mosteiros seguindo a regra.
as ordens religiosas militares, cujos membros se dedicavam à
defesa, à conquista e ao povoamento do território.
regular
conventos secular
ler escrever
regra
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
2.7. Nos mosteiros, existiam vários espaços nos quais os monges
iam realizando as atividades diárias. Associa as afirmações
presentes na coluna A às palavras da coluna B.
1 – Assistiam à missa.
2 – Ao ar livre, aproveitavam para
rezar e ler.
3 – Cultivavam os legumes para
consumo no mosteiro.
4 – Cuidavam dos doentes.
5 – Reuniam-se para as refeições.
6 – Faziam a cópia de livros antigos.
A – Claustro
B – Refeitório
C – Enfermaria
D – Horta
E – Biblioteca
F – Igreja
COLUNA A COLUNA B
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
2.9. Às terras doadas pelo rei aos membros do clero e da
nobreza dava-se o nome de…
mansos.
2.10. As propriedades dos senhores estavam organizadas em
duas áreas. Identifica-as.
A reserva, onde se localizavam os terrenos explorados
diretamente pelos camponeses, e a aldeia.
A reserva, onde se situava o castelo ou a casa senhorial, a
floresta, o lagar e o forno.
Os mansos, onde ficava o castelo e a floresta.
Os mansos, onde se situavam os terrenos explorados
diretamente pelos camponeses, e a aldeia.
2.8. As principais funções da nobreza eram…
combater.
reserva. senhorio.
aplicar a justiça
nas suas terras.
fornecer alimento
aos pobres.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
2.11. O povo dedicava-se a muitas atividades, das quais
dependia a economia do Reino. Identifica-as.
Trabalhavam nas terras dos senhores.
Aplicavam a justiça aos senhores.
Dedicavam-se à agricultura.
Dedicavam-se à pastorícia.
Trabalhavam no artesanato.
Administravam as terras nas quais trabalhavam.
A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
2.12. O povo pertencia ao grupo dos...
privilegiados, porque eram livres.
não privilegiados, porque tinham muitas obrigações e nenhuns
direitos.
2.13. O povo era um grupo social constituído por:
camponeses, pescadores, artesãos e pequenos comerciantes.
camponeses, pescadores, monges, cavaleiros e pequenos
comerciantes.
A SOCIEDADE PORTUGUESA
DOS SÉCULOS XIII E XIV

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xivcattonia
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Maria Gomes
 
Sociedade medieval
Sociedade medievalSociedade medieval
Sociedade medievalcattonia
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristãcattonia
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVCarlos Vieira
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsAnabela Sobral
 
Portugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIVPortugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIVmartamariafonseca
 
A herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalA herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalLuisa Jesus
 
Concelhos e cortes
Concelhos e cortesConcelhos e cortes
Concelhos e cortescattonia
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIINelson Faustino
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaVítor Santos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1Vítor Santos
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)mari_punk
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIcruchinho
 
Povos da Península Ibérica
Povos da Península IbéricaPovos da Península Ibérica
Povos da Península IbéricaHelena Rocha
 
Da união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaDa união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaxicao97
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesJoão Fernandes
 

Mais procurados (20)

Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
Crise de 1383 85
Crise de 1383 85Crise de 1383 85
Crise de 1383 85
 
Sociedade medieval
Sociedade medievalSociedade medieval
Sociedade medieval
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
Ppt os descobrimentos
Ppt os descobrimentosPpt os descobrimentos
Ppt os descobrimentos
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
 
Portugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIVPortugal nos séculos XIII e XIV
Portugal nos séculos XIII e XIV
 
A herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalA herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugal
 
O reinado de D.João V
O reinado de D.João VO reinado de D.João V
O reinado de D.João V
 
Concelhos e cortes
Concelhos e cortesConcelhos e cortes
Concelhos e cortes
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na península
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
 
Portugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVIPortugal nos séculos XV e XVI
Portugal nos séculos XV e XVI
 
Povos da Península Ibérica
Povos da Península IbéricaPovos da Península Ibérica
Povos da Península Ibérica
 
Sociedade Medieval
Sociedade MedievalSociedade Medieval
Sociedade Medieval
 
Da união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independênciaDa união ibérica à restauração da independência
Da união ibérica à restauração da independência
 
Descobrimentos Portugueses
Descobrimentos PortuguesesDescobrimentos Portugueses
Descobrimentos Portugueses
 

Destaque

5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americanavitormbsantos
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Laboratório de História
 
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e DemográficasApresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e DemográficasLaboratório de História
 
Filosofia - Lógica Pragmática
Filosofia   - Lógica PragmáticaFilosofia   - Lógica Pragmática
Filosofia - Lógica PragmáticaLuciano Carvalho
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Laboratório de História
 
A difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugalA difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugalEduardo Sousa
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIIDina Baptista
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricasacbaptista
 
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCarlos Vieira
 

Destaque (19)

5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
 
Apresentação O Estado Novo
Apresentação O Estado NovoApresentação O Estado Novo
Apresentação O Estado Novo
 
Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415Apresentação A Revolução Francesa 1415
Apresentação A Revolução Francesa 1415
 
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e DemográficasApresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
Apresentação Portugal Coordenadas Económicas e Demográficas
 
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
Apresentação A Filosofia das Luzes 1415
 
Apresentação As opções totalitárias
Apresentação As opções totalitáriasApresentação As opções totalitárias
Apresentação As opções totalitárias
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 
Filosofia - Lógica Pragmática
Filosofia   - Lógica PragmáticaFilosofia   - Lógica Pragmática
Filosofia - Lógica Pragmática
 
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo AtenienseApresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
Apresentação n.º 1 O Modelo Ateniense
 
Romanico final 2
Romanico final 2Romanico final 2
Romanico final 2
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
A difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugalA difícil implantação do liberalismo em portugal
A difícil implantação do liberalismo em portugal
 
P.ant vieira bio
P.ant vieira bioP.ant vieira bio
P.ant vieira bio
 
Relato hagiografico
Relato hagiograficoRelato hagiografico
Relato hagiografico
 
Epígrafe sermao
Epígrafe sermaoEpígrafe sermao
Epígrafe sermao
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
 
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacionalCultura do Palácio - Maneirismo internacional
Cultura do Palácio - Maneirismo internacional
 

Semelhante a Sociedade Portuguesa Sécs XIII-XIV

Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaAnabela Sobral
 
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completoPortugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completocapell18
 
1261614439 portugal no_seculo_xiii
1261614439 portugal no_seculo_xiii1261614439 portugal no_seculo_xiii
1261614439 portugal no_seculo_xiiiPelo Siro
 
6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociaisR C
 
Ae nvt5 aula_revisoes6
Ae nvt5 aula_revisoes6Ae nvt5 aula_revisoes6
Ae nvt5 aula_revisoes6paulomaia1972
 
A sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xiiA sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xiidiogomonteiro77
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVCarlos Vieira
 
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XIIA sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XIICarla Freitas
 
A vida quotidiana no sec.xiii diogo barbosa -5ºa
A vida quotidiana no sec.xiii   diogo barbosa -5ºaA vida quotidiana no sec.xiii   diogo barbosa -5ºa
A vida quotidiana no sec.xiii diogo barbosa -5ºadafgpt
 
O Povoamento do Reino-1
O Povoamento do Reino-1O Povoamento do Reino-1
O Povoamento do Reino-1HistN
 
O Povoamento do Reino
O Povoamento do ReinoO Povoamento do Reino
O Povoamento do Reinogueste8a21
 
O Povoamento do Reino
O Povoamento do ReinoO Povoamento do Reino
O Povoamento do Reinoguestc968e9
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoAna Pereira
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade médiaHCA_10I
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeiaNTTL98
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiiiR C
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIIIlourdesingles
 
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIA Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIJorge Almeida
 
História sociedade sec xiii
História sociedade sec xiiiHistória sociedade sec xiii
História sociedade sec xiiiINED
 

Semelhante a Sociedade Portuguesa Sécs XIII-XIV (20)

Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
 
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completoPortugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
 
1261614439 portugal no_seculo_xiii
1261614439 portugal no_seculo_xiii1261614439 portugal no_seculo_xiii
1261614439 portugal no_seculo_xiii
 
6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais6 portugalsecx ii-igrupossociais
6 portugalsecx ii-igrupossociais
 
Ae nvt5 aula_revisoes6
Ae nvt5 aula_revisoes6Ae nvt5 aula_revisoes6
Ae nvt5 aula_revisoes6
 
A sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xiiA sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xii
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XIIA sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
 
A vida quotidiana no sec.xiii diogo barbosa -5ºa
A vida quotidiana no sec.xiii   diogo barbosa -5ºaA vida quotidiana no sec.xiii   diogo barbosa -5ºa
A vida quotidiana no sec.xiii diogo barbosa -5ºa
 
O Povoamento do Reino-1
O Povoamento do Reino-1O Povoamento do Reino-1
O Povoamento do Reino-1
 
O Povoamento do Reino
O Povoamento do ReinoO Povoamento do Reino
O Povoamento do Reino
 
O Povoamento do Reino
O Povoamento do ReinoO Povoamento do Reino
O Povoamento do Reino
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
 
Medieval
MedievalMedieval
Medieval
 
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIA Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
 
História sociedade sec xiii
História sociedade sec xiiiHistória sociedade sec xiii
História sociedade sec xiii
 

Mais de Catarina Castro

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos Catarina Castro
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettCatarina Castro
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeCatarina Castro
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Catarina Castro
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalCatarina Castro
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais Catarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iCatarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralCatarina Castro
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarCatarina Castro
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solarCatarina Castro
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralCatarina Castro
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloCatarina Castro
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaCatarina Castro
 

Mais de Catarina Castro (20)

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar i
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geral
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solar
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do Litoral
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 

Último

Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 

Último (20)

Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 

Sociedade Portuguesa Sécs XIII-XIV

  • 1. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV
  • 2. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV O clero e a nobreza eram grupos sociais privilegiados, porque ocupavam importantes cargos na administração do reino, recebiam terras e não pagavam impostos. A sociedade portuguesa no século XIII estava organizada em três grupos sociais: O clero, a nobreza e o povo. No topo da sociedade encontrava-se o rei. Pirâmide social.
  • 3. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV O rei tinha como funções: - comandar o exército; - decretar a paz e a guerra; - fazer leis; - ordenar a cobrança de impostos; - distribuir benefícios (terras, rendas e títulos); - aplicar a justiça suprema; - cunhar a moeda. O REI O rei era a pessoa mais importante da sociedade portuguesa, ao qual todos os grupos sociais deviam fidelidade, obediência e auxílio. Rei.
  • 4. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV Além da atividade religiosa, dedicava-se ao ensino, à leitura e cópia de livros, à assistência a pobres, peregrinos e doentes. O CLERO O ensino. Monge copista. O clero ocupava uma posição social de grande importância. Era o único que sabia ler e escrever.
  • 5. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV O clero estava dividido em dois grupos: - O clero secular, constituído por bispos e padres, que vivia nas aldeias e nas cidades, próximo das populações. - O clero regular, formado por frades, monges e freiras, que vivia em comunidade e obedecia a uma regra. O CLERO
  • 6. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV Os monges que viviam segundo uma regra pertenciam a uma ordem religiosa: - monástica, monges que viviam em mosteiros; - militar, monges que, para além da prática religiosa, se dedicavam à defesa, à conquista e ao povoamento do território. O CLERO Dormitório Refeitório Claustro Igreja Horta EnfermariaBiblioteca
  • 7. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV Tinham a responsabilidade da defesa mas também da administração do reino. A NOBREZA A nobreza, grupo social privilegiado, era constituída por descendentes de reis, importantes famílias e cavaleiros.
  • 8. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV O senhorio ou domínio senhorial era o nome dado às propriedades que pertenciam à nobreza. A NOBREZA Estas propriedades eram constituídas: - pela reserva, terras diretamente exploradas pelo senhor; - pelos mansos, terras cultivadas por camponeses que, por isso, pagavam rendas ao senhor. Igreja Casa senhoralCasa senhorial Reserva AldeiaMoinho Mansos
  • 9. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV Em tempos de paz, os nobres ocupavam os dias a administrar as suas propriedades (os senhorios), em caçadas ou em atividades de preparação para a guerra. A NOBREZA Torneio medieval.
  • 10. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV As noites eram preenchidas com jogos de salão, como o xadrez, as damas, os dados e as cartas. Por vezes, assistiam à atuação dos jograis e dos saltimbancos. A NOBREZA Atuação de jograis.Banquete numa casa senhorial.
  • 11. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV Na Idade Média era muito difícil ascender socialmente – o nascimento determinava o grupo social a que cada um pertencia. O POVO O povo era o grupo social não privilegiado, o único que trabalhava e pagava rendas e impostos. Recolha de impostos.
  • 12. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV O POVO Dedicava-se à agricultura, à pastorícia, à pesca, ao artesanato e aos serviços domésticos. O povo trabalhava nas terras dos senhores (do clero ou da nobreza).
  • 13. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV Para se protegerem do frio, faziam uma fogueira ou dormiam junto dos animais. O POVO Os camponeses viviam em casas ou choupanas de madeira, com uma só divisão que partilhavam com os animais.
  • 14. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV O POVO O povo não tinha dias de descanso e os momentos de distração eram a ida à missa ou a procissões e romarias. Por vezes, era permitida a sua presença em festas organizadas pelos senhores.Romaria. Procissão.
  • 15. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV 1. Indica qual o tema tratado na apresentação. ……………………………………………………………………………………………………… 2. Na resposta a cada um dos itens, assinala com um X as opções corretas. 2.1. A sociedade portuguesa do século XIII estava dividida em três grupos sociais: ricos, pobres e escravos. nobreza, clero e povo. burguesia, comerciantes e família real. A organização da sociedade portuguesa nos séculos XIII e XIV. ATIVIDADES DE CONSOLIDAÇÃO DO POWERPOINT
  • 16. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV 2.2. Os grupos sociais privilegiados eram: a nobreza e a burguesia. os ricos e os nobres. a nobreza e o clero. 2.3. Alguns dos privilégios do clero e da nobreza eram: não pagar impostos. pagar elevados impostos ao rei. possuir grandes propriedades. receber doações do rei. 2.4. As principais funções do clero eram: rezar. combater ao lado do rei. copiar livros. prestar cuidados de saúde aos pobres. aplicar a justiça nas suas terras.
  • 17. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV 2.5. Completa a frase. O clero estava dividido em clero _________, que vivia nos mosteiros ou _________, e em clero _________, que vivia junto das populações. Este grupo social era muito respeitado uma vez que era o único que sabia ______ e _________. Os monges organizavam o seu dia em função de um conjunto de obrigações que estabeleciam os seus horários e as diferentes tarefas, isto é, seguiam uma ________. 2.6. As ordens religiosas podiam ser de dois tipos: as ordens religiosas militares, cujos membros permaneciam enclausurados nos mosteiros a rezar pelo sucesso das batalhas. as ordens religiosas monásticas, cujos membros permaneciam enclausurados nos mosteiros seguindo a regra. as ordens religiosas militares, cujos membros se dedicavam à defesa, à conquista e ao povoamento do território. regular conventos secular ler escrever regra
  • 18. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV 2.7. Nos mosteiros, existiam vários espaços nos quais os monges iam realizando as atividades diárias. Associa as afirmações presentes na coluna A às palavras da coluna B. 1 – Assistiam à missa. 2 – Ao ar livre, aproveitavam para rezar e ler. 3 – Cultivavam os legumes para consumo no mosteiro. 4 – Cuidavam dos doentes. 5 – Reuniam-se para as refeições. 6 – Faziam a cópia de livros antigos. A – Claustro B – Refeitório C – Enfermaria D – Horta E – Biblioteca F – Igreja COLUNA A COLUNA B
  • 19. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV 2.9. Às terras doadas pelo rei aos membros do clero e da nobreza dava-se o nome de… mansos. 2.10. As propriedades dos senhores estavam organizadas em duas áreas. Identifica-as. A reserva, onde se localizavam os terrenos explorados diretamente pelos camponeses, e a aldeia. A reserva, onde se situava o castelo ou a casa senhorial, a floresta, o lagar e o forno. Os mansos, onde ficava o castelo e a floresta. Os mansos, onde se situavam os terrenos explorados diretamente pelos camponeses, e a aldeia. 2.8. As principais funções da nobreza eram… combater. reserva. senhorio. aplicar a justiça nas suas terras. fornecer alimento aos pobres.
  • 20. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV 2.11. O povo dedicava-se a muitas atividades, das quais dependia a economia do Reino. Identifica-as. Trabalhavam nas terras dos senhores. Aplicavam a justiça aos senhores. Dedicavam-se à agricultura. Dedicavam-se à pastorícia. Trabalhavam no artesanato. Administravam as terras nas quais trabalhavam.
  • 21. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV 2.12. O povo pertencia ao grupo dos... privilegiados, porque eram livres. não privilegiados, porque tinham muitas obrigações e nenhuns direitos. 2.13. O povo era um grupo social constituído por: camponeses, pescadores, artesãos e pequenos comerciantes. camponeses, pescadores, monges, cavaleiros e pequenos comerciantes.
  • 22. A SOCIEDADE PORTUGUESA DOS SÉCULOS XIII E XIV