SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
O fortalecimento do poder do rei
O fortalecimento
do poder do rei
PODER RÉGIO
Coroa, ceptro e globo com cruz
Centralização do poder régio
• Foi uma construção progressiva em que o rei teve um papel fundamental,
assumindo-se como o suserano dos suseranos numa monarquia feudal.
Algumas iniciativas foram marcantes neste processo, principalmente com o
rei D. Afonso II e D. Afonso III.
• Cabia ao rei respeitar os vários poderes, concelhos e senhorios e ao
mesmo tempo unificar o território de forma coesa.
• Papel do Rei:
• Cabia ao rei a justiça, a fiscalidade e a defesa do reino:
– Chefia militar;
– Manutenção da paz e justiça internas – juiz supremo;
– Legislador supremo: com D. Afonso II surgem as Leis Gerais que são
aplicadas a todo o reino, fortalecendo o poder régio, pois sobrepunham-
se aos particularismos e poderes locais, combatendo privilégios
senhoriais;
– Cunhagem da moeda;
– Tabelamento de preços.
O fortalecimento do poder do rei
O fortalecimento
do poder do rei
PODER RÉGIO
Rei Jaime I e Cortes de Aragão
Rei e privilegiados
O fortalecimento do poder do rei
O fortalecimento
do poder do rei
PODER RÉGIO
Rei e Corte
Reestruturação da administração
central
• Em finais do século XIV a monarquia portuguesa evoluía largamente para uma
monarquia centralizada.
Quem eram os funcionários e os órgãos que até ao séc. XIII ajudaram o rei
na centralização da sua governação?
Funcionários:
•Alferes-mor
•Mordomo-mor
•Chanceler
REI
• Cúria Régia- aconselhava o rei nas questões militares, económicas,
judiciais; quando as questões eram de foro nacional, realizavam-se as
Cúrias extraordinárias.
• Aos seus membros eram, agora, exigidas mais competência e conhecimentos
técnicos, nomeadamente em matéria jurídica.
• Aos legistas foi o rei buscar os seus novos conselheiros que faziam parte do
Conselho régio;
• As funções judiciais da antiga Cúria Régia transitaram para os tribunais superiores;
• As cortes apresentam-se agora mais bem representativas, no que aos três estados
do reino, toca, conferindo-lhes uma dimensão nacional
O fortalecimento do poder do rei
O fortalecimento
do poder do rei
PODER RÉGIO
As funções das Cortes
Reestruturação da
administração local
• As doações régias – senhorios e concelhos- originaram abusos. Ora neste
processo de fortalecimento régio, D. Afonso III estabeleceu uma nova organização
administrativa:
 dividiu reino em comarcas, subdivididas em julgados e estes em almoxarifados; aqui
um conjunto de funcionários régios superentendia a cobrança das rendas fundiárias e
dos direitos militares, judiciais e fiscais devidos à Coroa.
meirinhos (oficial de justiça, meirinhos tinham como função executar prisões, citações,
penhoras e mandados judiciais), corregedores (magistrado administrativo e judicial que
representava a Coroa em cada uma das comarcas de Portugal), juízes, almoxarifes,
(cobradores dos direitos reais) mordomos ( ajudava o rei a gerir administrativamente o
reino) e nos concelhos havia ainda os, alcaide-mor (governador de um cidade ou vila
acastelada ou fortificada), e os vereadores.
O fortalecimento do poder do rei
O fortalecimento
do poder do rei
,
PODER RÉGIO
Fortalecimento do poder régio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioSusana Simões
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1Vítor Santos
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorialSusana Simões
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º AnoA Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º AnoGonçalo Martins
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosRaffaella Ergün
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugalVítor Santos
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundoCatarinaTavares28
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romanabamp
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordensMaria Gomes
 

Mais procurados (20)

O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Absolutismo joanino
Absolutismo joaninoAbsolutismo joanino
Absolutismo joanino
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
 
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º AnoA Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
A Abertura Europeia ao Mundo - História A 10º Ano
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos HídricosGeografia A 10 ano - Recursos Hídricos
Geografia A 10 ano - Recursos Hídricos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
 
Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
 

Destaque

9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder RealHistN
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anojorgina8
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANOCarina Vale
 
Poder na idade média
Poder na idade médiaPoder na idade média
Poder na idade médiaMaria Gomes
 
Idade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteIdade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteJoão Lima
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorialMaria Gomes
 
Carta de foral
Carta de foralCarta de foral
Carta de foralLaboreiro
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoVítor Santos
 
A intervenção no poder local
A intervenção no poder localA intervenção no poder local
A intervenção no poder localKarina Bastos
 
Alqueva Dam
Alqueva DamAlqueva Dam
Alqueva Damluisaam
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizadaNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Desvantagens da construção da barragem corrigido pelo professor
Desvantagens da construção da barragem   corrigido pelo professorDesvantagens da construção da barragem   corrigido pelo professor
Desvantagens da construção da barragem corrigido pelo professorantoniopedropinheiro
 

Destaque (20)

9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real9 A Afirmação da Monarquia e a  Centralização do Poder Real
9 A Afirmação da Monarquia e a Centralização do Poder Real
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
País rural e senhorial
País rural e senhorialPaís rural e senhorial
País rural e senhorial
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
Poder na idade média
Poder na idade médiaPoder na idade média
Poder na idade média
 
Idade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e ArteIdade Média - Poder e Arte
Idade Média - Poder e Arte
 
A Reconquista
A ReconquistaA Reconquista
A Reconquista
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
 
Carta de foral
Carta de foralCarta de foral
Carta de foral
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
A intervenção no poder local
A intervenção no poder localA intervenção no poder local
A intervenção no poder local
 
Alqueva Dam
Alqueva DamAlqueva Dam
Alqueva Dam
 
O Poder Local
O Poder LocalO Poder Local
O Poder Local
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
 
Alqueva
AlquevaAlqueva
Alqueva
 
Barragens
BarragensBarragens
Barragens
 
Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
 
Desvantagens da construção da barragem corrigido pelo professor
Desvantagens da construção da barragem   corrigido pelo professorDesvantagens da construção da barragem   corrigido pelo professor
Desvantagens da construção da barragem corrigido pelo professor
 
A Sociedade Senhorial
A Sociedade SenhorialA Sociedade Senhorial
A Sociedade Senhorial
 

Semelhante a Fortalecimento do poder régio

Da idade média à idade moderna
Da idade média à idade modernaDa idade média à idade moderna
Da idade média à idade modernaMari Oliveira
 
S E N H O R E S, C O N C E L H O S E P O D E R RÉ G I O
S E N H O R E S,  C O N C E L H O S  E  P O D E R  RÉ G I OS E N H O R E S,  C O N C E L H O S  E  P O D E R  RÉ G I O
S E N H O R E S, C O N C E L H O S E P O D E R RÉ G I Olarsen69
 
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).pptAnabela Costa
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
A formação da europa feudal
A formação da europa feudalA formação da europa feudal
A formação da europa feudalSalete Lima
 
A reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialA reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialSusana Simões
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império RomanoPitágoras
 
O apogeu do Império Romano_Apontamentos
O apogeu do Império Romano_ApontamentosO apogeu do Império Romano_Apontamentos
O apogeu do Império Romano_ApontamentosPatrícia Morais
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Laboratório de História
 
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)Wilton Moretto
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalSusana Simões
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoBeatrizMarques25
 
M1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romanoM1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romanoJoão Neves
 
Poder na idade média
Poder na idade médiaPoder na idade média
Poder na idade médiaMaria Gomes
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal Laguat
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal Laguat
 

Semelhante a Fortalecimento do poder régio (20)

Da idade média à idade moderna
Da idade média à idade modernaDa idade média à idade moderna
Da idade média à idade moderna
 
S E N H O R E S, C O N C E L H O S E P O D E R RÉ G I O
S E N H O R E S,  C O N C E L H O S  E  P O D E R  RÉ G I OS E N H O R E S,  C O N C E L H O S  E  P O D E R  RÉ G I O
S E N H O R E S, C O N C E L H O S E P O D E R RÉ G I O
 
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
A formação da europa feudal
A formação da europa feudalA formação da europa feudal
A formação da europa feudal
 
A reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperialA reestruturação das instituições no período imperial
A reestruturação das instituições no período imperial
 
Monarquias nacionais francesa e inglesa 2019
Monarquias nacionais francesa e inglesa 2019Monarquias nacionais francesa e inglesa 2019
Monarquias nacionais francesa e inglesa 2019
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
O apogeu do Império Romano_Apontamentos
O apogeu do Império Romano_ApontamentosO apogeu do Império Romano_Apontamentos
O apogeu do Império Romano_Apontamentos
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
A formação das monarquias nacionais modernas (aula 10)
 
Idade moderna
Idade modernaIdade moderna
Idade moderna
 
Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
 
M1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romanoM1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romano
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
Poder na idade média
Poder na idade médiaPoder na idade média
Poder na idade média
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 
A Civilização Feudal
A Civilização Feudal A Civilização Feudal
A Civilização Feudal
 

Último

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniCassio Meira Jr.
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 

Último (20)

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e TaniModelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
Modelos de Desenvolvimento Motor - Gallahue, Newell e Tani
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 

Fortalecimento do poder régio

  • 1. O fortalecimento do poder do rei O fortalecimento do poder do rei PODER RÉGIO Coroa, ceptro e globo com cruz
  • 2. Centralização do poder régio • Foi uma construção progressiva em que o rei teve um papel fundamental, assumindo-se como o suserano dos suseranos numa monarquia feudal. Algumas iniciativas foram marcantes neste processo, principalmente com o rei D. Afonso II e D. Afonso III. • Cabia ao rei respeitar os vários poderes, concelhos e senhorios e ao mesmo tempo unificar o território de forma coesa. • Papel do Rei: • Cabia ao rei a justiça, a fiscalidade e a defesa do reino: – Chefia militar; – Manutenção da paz e justiça internas – juiz supremo; – Legislador supremo: com D. Afonso II surgem as Leis Gerais que são aplicadas a todo o reino, fortalecendo o poder régio, pois sobrepunham- se aos particularismos e poderes locais, combatendo privilégios senhoriais; – Cunhagem da moeda; – Tabelamento de preços.
  • 3. O fortalecimento do poder do rei O fortalecimento do poder do rei PODER RÉGIO Rei Jaime I e Cortes de Aragão Rei e privilegiados
  • 4. O fortalecimento do poder do rei O fortalecimento do poder do rei PODER RÉGIO Rei e Corte
  • 5. Reestruturação da administração central • Em finais do século XIV a monarquia portuguesa evoluía largamente para uma monarquia centralizada. Quem eram os funcionários e os órgãos que até ao séc. XIII ajudaram o rei na centralização da sua governação? Funcionários: •Alferes-mor •Mordomo-mor •Chanceler
  • 6. REI • Cúria Régia- aconselhava o rei nas questões militares, económicas, judiciais; quando as questões eram de foro nacional, realizavam-se as Cúrias extraordinárias.
  • 7.
  • 8. • Aos seus membros eram, agora, exigidas mais competência e conhecimentos técnicos, nomeadamente em matéria jurídica. • Aos legistas foi o rei buscar os seus novos conselheiros que faziam parte do Conselho régio; • As funções judiciais da antiga Cúria Régia transitaram para os tribunais superiores; • As cortes apresentam-se agora mais bem representativas, no que aos três estados do reino, toca, conferindo-lhes uma dimensão nacional
  • 9. O fortalecimento do poder do rei O fortalecimento do poder do rei PODER RÉGIO As funções das Cortes
  • 10. Reestruturação da administração local • As doações régias – senhorios e concelhos- originaram abusos. Ora neste processo de fortalecimento régio, D. Afonso III estabeleceu uma nova organização administrativa:  dividiu reino em comarcas, subdivididas em julgados e estes em almoxarifados; aqui um conjunto de funcionários régios superentendia a cobrança das rendas fundiárias e dos direitos militares, judiciais e fiscais devidos à Coroa. meirinhos (oficial de justiça, meirinhos tinham como função executar prisões, citações, penhoras e mandados judiciais), corregedores (magistrado administrativo e judicial que representava a Coroa em cada uma das comarcas de Portugal), juízes, almoxarifes, (cobradores dos direitos reais) mordomos ( ajudava o rei a gerir administrativamente o reino) e nos concelhos havia ainda os, alcaide-mor (governador de um cidade ou vila acastelada ou fortificada), e os vereadores.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14. O fortalecimento do poder do rei O fortalecimento do poder do rei , PODER RÉGIO