SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Encontros – 12.o ano ▪ Noémia Jorge, Cecília Aguiar, Miguel Magalhães
José Saramago
O Ano da Morte de Ricardo Reis
RETOMA DE
CONTEÚDOS
Séc. XVII
BARROCO
Séc. XIX
ROMANTISMO
José Saramago | O Ano da Morte de Ricardo Reis
Friso cronológico
José Saramago (1922-2010)
O Ano da Morte de Ricardo Reis
1984
IDADE
MÉDIA
Séc. XV-XVI
RENASCIMENTO REALISMO
Séc. XX
MODERNISMO
LITERATURA
CONTEMPORÂNEA
Representações do
sentimento amoroso
↕
Crítica social
Representações do
espaço e deambulação
↕
Crítica social
José Saramago | O Ano da Morte de Ricardo Reis
RETOMA DE
CONTEÚDOS
Representações do espaço e deambulação | Crítica social
Bernardo Soares
Livro do
Desassossego
Lisboa
Espaço
físico e
social
Cesário Verde
Cânticos do
Realismo
Fernão Lopes
Crónica de
D. João I
Poetas
contemporâneos
Eça de
Queirós
Os Maias
José Saramago
O Ano da Morte de
Ricardo Reis
Representações do espaço e deambulação | Crítica social
Fernão Lopes
Crónica de
D. João I
Lisboa
Espaço em que decorrem os acontecimentos relatados
↓
• Aclamação do Mestre de Avis (cap. 11) pelo povo
• Preparação do cerco (cap. 115) pelo povo, de forma
empenhada e entusiástica
• Cerco de Lisboa (cap. 148) – vivência da miséria devido à falta
de mantimentos
Crise política de 1383-1385
Período histórico em que o país esteve sem rei
Valor simbólico
Espaço de tomada de consciência de liberdades e
responsabilidades – afirmação da consciência
coletiva (povo)
Representações do espaço e deambulação| Crítica social
Eça de Queirós
Os Maias
Lisboa
Espaço em que decorre a maioria dos
acontecimentos
↓
• Intriga secundária: amores de Pedro e Monforte
• Intriga principal: amores de Carlos da Maia e
Maria Eduarda
Outros espaços:
• Santa Olávia (infância de Carlos)
• Coimbra (estudos de Carlos)
• Sintra (ida de Carlos a Sintra, à procura de Maria
Eduarda)
Oposição cidade (capital) / campo
Representações do espaço e deambulação| Crítica social
 Jantar no Hotel Central - Literatura, Crítica
literária, Finanças, História de Portugal
 Corridas de cavalos (Hipódromo de Belém) –
falso cosmopolitismo, falta de civismo,
provincianismo
 Jantar dos Gouvarinhos – mediocridade mental
da aristocracia e da classe dirigente
 Episódio dos Jornais – Jornalismo corrupto e
parcial
 Sarau da Trindade (teatro da Trindade) – atraso
cultural, provincianismo
ESPAÇO SOCIAL
Sociedade lisboeta da segunda
metade do século XIX
Eça de
Queirós
Os Maias
CRÓNICA DE COSTUMES
Episódios da vida romântica
Representações do espaço e deambulação | Crítica social
Cesário Verde
Cânticos do
Realismo
Lisboa
Espaço observado e descrito pelo sujeito poético
↓
Deambulação e imaginação: o observador acidental
Espaço social criticado pelo sujeito poético
Representação
minuciosa e realista,
segundo a perceção
sensorial e a
reflexão / análise do
sujeito poético.
Captação de exteriores e
interiores e de pequenos
episódios do quotidiano,
decorrente da
deambulação do sujeito
poético pela cidade e da
observação acidental.
Ociosidade, inércia,
artificialidade.
Ex.: criado do bairro
burguês, dentistas,
arlequins, lojistas…
Representação da cidade
Povo / classes
trabalhadoras
Burguesia
Marginais que
vivem na cidade
Degradação social e
moral.
Ex.: ladrões,
bêbedos, jogadores,
prostitutas…
Alvo de simpatia e
solidariedade por parte
do sujeito poético
Alvo de crítica e
ironia por parte do
sujeito poético
Alvo de crítica por
parte do sujeito
poético
Produtividade,
vitalidade, autenticidade.
Ex.: vendedora de
legumes, calafates,
obreiras, varinas…
Tipos sociais
Representações do espaço e deambulação | Crítica social
Bernardo
Soares
Livro do
Desassossego
Lisboa
Espaço observado e descrito
por Bernardo Soares
Deambulação: o observador acidental
Espaço social focado: vida citadina,
modernidade do imaginário urbano
Bernardo Soares faz
da deambulação uma
das matérias
principais da sua
prosa.
A essência da existência
de Soares é marcada
pela centralidade do ato
de olhar (“ver”,
“reparar”, “pressentir”).
Representações do espaço e deambulação | Crítica social
Lisboa
Espaço focado
na poesia contemporânea
Exemplos
Eugénio de Andrade
Em Lisboa com
Cesário Verde
Poetas
contemporâneos
Alexandre O’Neill
Ex.: E de novo, Lisboa
Um adeus português
Lisboa: Ao serviço da
intertextualidade
Lisboa: ao serviço
da crítica social
(representa
Portugal)
Representações do espaço e deambulação | Crítica social
Lisboa
Espaço observado e descrito sob o olhar
do protagonista, Ricardo Reis
A deambulação por Lisboa dá origem à
viagem literária (obra de Luís de Camões,
Cesário Verde, Fernando Pessoa…)
Ricardo Reis deambula pela cidade de Lisboa
(Rua do Alecrim, Rua dos Sapateiros
Terreiro do Paço, Praça Luís de Camões…),
procurando encontrar a pátria que deixou ao
ir para o Brasil. Traz nas suas memórias uma
imagem utópica de Portugal, mas encontra
representado em Lisboa um país distópico,
caracterizado por um controlo autoritário e
totalitarista.
José Saramago
O Ano da Morte de
Ricardo Reis
Voltar
Representações do sentimento amoroso | Crítica social
Obras românticas
• Frei Luís de Sousa
• Amor de Perdição
• Viagens na Minha
Terra
AMOR
Luís de Camões
• Rimas
• Os Lusíadas
Lírica
trovadoresca
Eça de Queirós
• Os Maias
• A Ilustre Casa de
Ramires
Gil Vicente
• Farsa de
Inês Pereira
• Auto da
Feira
José Saramago
O Ano da Morte
de Ricardo Reis
Representações do amor | Crítica social
CANTIGA DE AMIGO
Representação
do sentimento amoroso e
da “coita de amor” sob o
ângulo da jovem
enamorada
Poesia trovadoresca
Voltar
CANTIGA DE AMOR
Representação
do sentimento amoroso e
da “coita de amor” do
trovador, que presta
vassalagem amorosa à sua
“senhor”
CANTIGA DE ESCÁRNIO E
MALDIZER
Ridicularização do amor
cortês
Gil Vicente
Farsa de Inês Pereira
Conceção materialista
do casamento (sem amor,
forma de ascensão social)
→ crítica social
Auto da Feira
Desvalorização da
instituição
casamento (intenção de
troca de cônjuges)
→ crítica social
Luís de Camões
Rimas
Reflexão sobre a experiência
amorosa:
• oscilação entre o amor
espiritual e o amor carnal
• sentimentos contraditórios
provocados pelo amor
Os Lusíadas
Dimensão simbólica
do amor:
• recompensa pelos feitos
grandiosos
Representações do amor | Crítica social
Frei Luís de Sousa
Amor de Perdição
Viagens na Minha Terra
Obras românticas Eça de Queirós
Os Maias
• Amor trágico, associado
ao Destino
• Desvalorização do amor
(adultério)
↓
crítica social
A Ilustre Casa de
Ramires
Desvalorização do amor
(casamento por interesse,
adultério)
↓
crítica social
José Saramago
O Ano da Morte
de Ricardo Reis
Duas experiências
afetivas, dois caminhos
Ricardo Reis
Lídia Marcenda
Amor-paixão
• Protagonizado pelo herói e
pela heroína românticos
• Marcado pela intensidade
e pelo excesso
• Causador de sofrimento
• Amor trágico, associado ao
Destino
• Nem sempre
correspondido
• Desvalorização do amor
(casamento por interesse)
Representações do amor
Ricardo Reis / Lídia
Relação carnal, marcada pelo
envolvimento físico:
• Lídia apaixona-se por Ricardo Reis,
provocando nele um duplo efeito
de atração e de menosprezo;
• Lídia sofre por amor, consciente de que a relação
não tem futuro, devido a preconceitos sociais /
diferença de classes sociais (doutor vs. criada);
• Lídia engravida.
COMPROMETIMENTO AMOROSO
“Enlacemos as mãos”
Ricardo Reis / Marcenda
Envolvimento poético-afetivo / misto
de atração espiritual e física:
• Marcenda exerce sobre Ricardo Reis
um efeito de fascínio, devido à sua
fragilidade (mão paralisada); inexperiente mas desejosa
de conhecer o amor, Marcenda aproxima-se de
Ricardo Reis;
• A relação assume contornos predominantemente
platónicos/espirituais (é consumada por dois beijos);
• Ricardo Reis pede Marcenda em casamento, mas
esta recusa a proposta.
DESCOMPROMETIMENTO AMOROSO
“Desenlacemos as mãos” Voltar

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimoDina Baptista
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaVanda Sousa
 
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxSíntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxLaraCosta708069
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagemameliapadrao
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisDina Baptista
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMaria Teixiera
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoaguest0f0d8
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemPaulo Vitorino
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiroguest155834
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraDavid Caçador
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frasesnando_reis
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaSamuel Neves
 

Mais procurados (20)

Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação CríticaEstrutura do Texto de Apreciação Crítica
Estrutura do Texto de Apreciação Crítica
 
Os maias personagens
Os maias personagensOs maias personagens
Os maias personagens
 
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptxSíntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
Síntese_ José Saramago - O ano da morte de Ricardo Reis.pptx
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Estrutura mensagem
Estrutura mensagemEstrutura mensagem
Estrutura mensagem
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Características poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo ReisCaracterísticas poéticas de Ricardo Reis
Características poéticas de Ricardo Reis
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Nevoeiro
Nevoeiro   Nevoeiro
Nevoeiro
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 

Semelhante a Representações do espaço e deambulação em Saramago

Semelhante a Representações do espaço e deambulação em Saramago (20)

Síntese da subunidade.ppt
Síntese da subunidade.pptSíntese da subunidade.ppt
Síntese da subunidade.ppt
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
 
Cesarioverde2
Cesarioverde2Cesarioverde2
Cesarioverde2
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reis
 
Romantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - ProsaRomantismo no Brasil - Prosa
Romantismo no Brasil - Prosa
 
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.pptSíntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
Síntese da unidade 6-Mensagens11-Cesário Verde.ppt
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Destaques Enciclopédicos 17 08-2014 a 23-08-2014
Destaques Enciclopédicos 17 08-2014 a 23-08-2014Destaques Enciclopédicos 17 08-2014 a 23-08-2014
Destaques Enciclopédicos 17 08-2014 a 23-08-2014
 
Linha de tempo
Linha de tempo Linha de tempo
Linha de tempo
 
Linha de tempo 1
Linha de tempo 1Linha de tempo 1
Linha de tempo 1
 
Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2Quinhentismo (século xvi)2
Quinhentismo (século xvi)2
 
Modernismo
ModernismoModernismo
Modernismo
 
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.pptMODERNISMO escola literária mais recente.ppt
MODERNISMO escola literária mais recente.ppt
 
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica BrasileiraLiteratura: Primeira Geração Romântica Brasileira
Literatura: Primeira Geração Romântica Brasileira
 
Escola literaria.ppt
Escola literaria.pptEscola literaria.ppt
Escola literaria.ppt
 
A rosa do_povo
A rosa do_povoA rosa do_povo
A rosa do_povo
 
Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.Concepção do amor romântico.
Concepção do amor romântico.
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 

Mais de Catarina Castro

Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettCatarina Castro
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeCatarina Castro
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Catarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalCatarina Castro
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais Catarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iCatarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralCatarina Castro
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarCatarina Castro
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solarCatarina Castro
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralCatarina Castro
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloCatarina Castro
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaCatarina Castro
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosCatarina Castro
 
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloDiversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloCatarina Castro
 

Mais de Catarina Castro (20)

Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar i
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geral
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solar
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do Litoral
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
 
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloDiversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do Subsolo
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 

Representações do espaço e deambulação em Saramago

  • 1. Encontros – 12.o ano ▪ Noémia Jorge, Cecília Aguiar, Miguel Magalhães José Saramago O Ano da Morte de Ricardo Reis RETOMA DE CONTEÚDOS
  • 2. Séc. XVII BARROCO Séc. XIX ROMANTISMO José Saramago | O Ano da Morte de Ricardo Reis Friso cronológico José Saramago (1922-2010) O Ano da Morte de Ricardo Reis 1984 IDADE MÉDIA Séc. XV-XVI RENASCIMENTO REALISMO Séc. XX MODERNISMO LITERATURA CONTEMPORÂNEA
  • 3. Representações do sentimento amoroso ↕ Crítica social Representações do espaço e deambulação ↕ Crítica social José Saramago | O Ano da Morte de Ricardo Reis RETOMA DE CONTEÚDOS
  • 4. Representações do espaço e deambulação | Crítica social Bernardo Soares Livro do Desassossego Lisboa Espaço físico e social Cesário Verde Cânticos do Realismo Fernão Lopes Crónica de D. João I Poetas contemporâneos Eça de Queirós Os Maias José Saramago O Ano da Morte de Ricardo Reis
  • 5. Representações do espaço e deambulação | Crítica social Fernão Lopes Crónica de D. João I Lisboa Espaço em que decorrem os acontecimentos relatados ↓ • Aclamação do Mestre de Avis (cap. 11) pelo povo • Preparação do cerco (cap. 115) pelo povo, de forma empenhada e entusiástica • Cerco de Lisboa (cap. 148) – vivência da miséria devido à falta de mantimentos Crise política de 1383-1385 Período histórico em que o país esteve sem rei Valor simbólico Espaço de tomada de consciência de liberdades e responsabilidades – afirmação da consciência coletiva (povo)
  • 6. Representações do espaço e deambulação| Crítica social Eça de Queirós Os Maias Lisboa Espaço em que decorre a maioria dos acontecimentos ↓ • Intriga secundária: amores de Pedro e Monforte • Intriga principal: amores de Carlos da Maia e Maria Eduarda Outros espaços: • Santa Olávia (infância de Carlos) • Coimbra (estudos de Carlos) • Sintra (ida de Carlos a Sintra, à procura de Maria Eduarda) Oposição cidade (capital) / campo
  • 7. Representações do espaço e deambulação| Crítica social  Jantar no Hotel Central - Literatura, Crítica literária, Finanças, História de Portugal  Corridas de cavalos (Hipódromo de Belém) – falso cosmopolitismo, falta de civismo, provincianismo  Jantar dos Gouvarinhos – mediocridade mental da aristocracia e da classe dirigente  Episódio dos Jornais – Jornalismo corrupto e parcial  Sarau da Trindade (teatro da Trindade) – atraso cultural, provincianismo ESPAÇO SOCIAL Sociedade lisboeta da segunda metade do século XIX Eça de Queirós Os Maias CRÓNICA DE COSTUMES Episódios da vida romântica
  • 8. Representações do espaço e deambulação | Crítica social Cesário Verde Cânticos do Realismo Lisboa Espaço observado e descrito pelo sujeito poético ↓ Deambulação e imaginação: o observador acidental Espaço social criticado pelo sujeito poético Representação minuciosa e realista, segundo a perceção sensorial e a reflexão / análise do sujeito poético. Captação de exteriores e interiores e de pequenos episódios do quotidiano, decorrente da deambulação do sujeito poético pela cidade e da observação acidental.
  • 9. Ociosidade, inércia, artificialidade. Ex.: criado do bairro burguês, dentistas, arlequins, lojistas… Representação da cidade Povo / classes trabalhadoras Burguesia Marginais que vivem na cidade Degradação social e moral. Ex.: ladrões, bêbedos, jogadores, prostitutas… Alvo de simpatia e solidariedade por parte do sujeito poético Alvo de crítica e ironia por parte do sujeito poético Alvo de crítica por parte do sujeito poético Produtividade, vitalidade, autenticidade. Ex.: vendedora de legumes, calafates, obreiras, varinas… Tipos sociais
  • 10. Representações do espaço e deambulação | Crítica social Bernardo Soares Livro do Desassossego Lisboa Espaço observado e descrito por Bernardo Soares Deambulação: o observador acidental Espaço social focado: vida citadina, modernidade do imaginário urbano Bernardo Soares faz da deambulação uma das matérias principais da sua prosa. A essência da existência de Soares é marcada pela centralidade do ato de olhar (“ver”, “reparar”, “pressentir”).
  • 11. Representações do espaço e deambulação | Crítica social Lisboa Espaço focado na poesia contemporânea Exemplos Eugénio de Andrade Em Lisboa com Cesário Verde Poetas contemporâneos Alexandre O’Neill Ex.: E de novo, Lisboa Um adeus português Lisboa: Ao serviço da intertextualidade Lisboa: ao serviço da crítica social (representa Portugal)
  • 12. Representações do espaço e deambulação | Crítica social Lisboa Espaço observado e descrito sob o olhar do protagonista, Ricardo Reis A deambulação por Lisboa dá origem à viagem literária (obra de Luís de Camões, Cesário Verde, Fernando Pessoa…) Ricardo Reis deambula pela cidade de Lisboa (Rua do Alecrim, Rua dos Sapateiros Terreiro do Paço, Praça Luís de Camões…), procurando encontrar a pátria que deixou ao ir para o Brasil. Traz nas suas memórias uma imagem utópica de Portugal, mas encontra representado em Lisboa um país distópico, caracterizado por um controlo autoritário e totalitarista. José Saramago O Ano da Morte de Ricardo Reis Voltar
  • 13. Representações do sentimento amoroso | Crítica social Obras românticas • Frei Luís de Sousa • Amor de Perdição • Viagens na Minha Terra AMOR Luís de Camões • Rimas • Os Lusíadas Lírica trovadoresca Eça de Queirós • Os Maias • A Ilustre Casa de Ramires Gil Vicente • Farsa de Inês Pereira • Auto da Feira José Saramago O Ano da Morte de Ricardo Reis
  • 14. Representações do amor | Crítica social CANTIGA DE AMIGO Representação do sentimento amoroso e da “coita de amor” sob o ângulo da jovem enamorada Poesia trovadoresca Voltar CANTIGA DE AMOR Representação do sentimento amoroso e da “coita de amor” do trovador, que presta vassalagem amorosa à sua “senhor” CANTIGA DE ESCÁRNIO E MALDIZER Ridicularização do amor cortês Gil Vicente Farsa de Inês Pereira Conceção materialista do casamento (sem amor, forma de ascensão social) → crítica social Auto da Feira Desvalorização da instituição casamento (intenção de troca de cônjuges) → crítica social Luís de Camões Rimas Reflexão sobre a experiência amorosa: • oscilação entre o amor espiritual e o amor carnal • sentimentos contraditórios provocados pelo amor Os Lusíadas Dimensão simbólica do amor: • recompensa pelos feitos grandiosos
  • 15. Representações do amor | Crítica social Frei Luís de Sousa Amor de Perdição Viagens na Minha Terra Obras românticas Eça de Queirós Os Maias • Amor trágico, associado ao Destino • Desvalorização do amor (adultério) ↓ crítica social A Ilustre Casa de Ramires Desvalorização do amor (casamento por interesse, adultério) ↓ crítica social José Saramago O Ano da Morte de Ricardo Reis Duas experiências afetivas, dois caminhos Ricardo Reis Lídia Marcenda Amor-paixão • Protagonizado pelo herói e pela heroína românticos • Marcado pela intensidade e pelo excesso • Causador de sofrimento • Amor trágico, associado ao Destino • Nem sempre correspondido • Desvalorização do amor (casamento por interesse)
  • 16. Representações do amor Ricardo Reis / Lídia Relação carnal, marcada pelo envolvimento físico: • Lídia apaixona-se por Ricardo Reis, provocando nele um duplo efeito de atração e de menosprezo; • Lídia sofre por amor, consciente de que a relação não tem futuro, devido a preconceitos sociais / diferença de classes sociais (doutor vs. criada); • Lídia engravida. COMPROMETIMENTO AMOROSO “Enlacemos as mãos”
  • 17. Ricardo Reis / Marcenda Envolvimento poético-afetivo / misto de atração espiritual e física: • Marcenda exerce sobre Ricardo Reis um efeito de fascínio, devido à sua fragilidade (mão paralisada); inexperiente mas desejosa de conhecer o amor, Marcenda aproxima-se de Ricardo Reis; • A relação assume contornos predominantemente platónicos/espirituais (é consumada por dois beijos); • Ricardo Reis pede Marcenda em casamento, mas esta recusa a proposta. DESCOMPROMETIMENTO AMOROSO “Desenlacemos as mãos” Voltar