SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 45
Baixar para ler offline
OS RECURSOS NATURAIS DE QUE A POPULAÇÃO DISPÕE:
USOS, LIMITES E POTENCIALIDADES.
Recursos energéticos
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• No nosso subsolo existem, no
entanto, importantes reservas de
urânio, a partir do qual seria
possível a produção de energia
nuclear.
 De uma forma geral, Portugal é pobre em recursos
energéticos.
• Não possui explorações de
petróleo nem de gás natural e as
jazidas de carvão são de
pequena importância e de fraca
qualidade.
 Porém, a produção interna
deste mineral tem vindo a
diminuir, em parte pela
dificuldade em competir nos
mercados internacionais.
Se o panorama nacional
relativamente às energias não
renováveis é desanimador, o
mesmo já não acontece com as
fontes energéticas renováveis.
 Apesar de existirem no nosso país boas condições para o
aproveitamento de algumas energias alternativas, só há poucos anos
se começou a agir no sentido da sua verdadeira exploração.
 As fontes de energia mais utilizadas continuam a ser os
combustíveis fósseis, nomeadamente o carvão, o petróleo e o gás
natural.
Fig. Evolução do consumo de energia primária em Portugal
(2000-2011)
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 Embora com algum atraso
em relação a muitos outros
países da Europa e do
Mundo…
Em 2011, o peso do consumo dos principais setores de atividade
económica foi de cerca de 30% na indústria, 37% nos transportes,
17% no doméstico, 11,4% nos serviços e 5,4% nos outros setores
(onde se inclui agricultura, pesca, construção e obras públicas).
Fig. Consumo de energia final por setor (2011)
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• Portugal registou, nas
últimas décadas, um
aumento contínuo do
consumo de energia final,
com uma forte incidência dos
setores da indústria e dos
transportes.
 Portugal ainda é um dos países da UE com menor consumo de
eletricidade per capita – apenas Malta, Bulgária, Hungria, Polónia,
Lituânia, Letónia e Roménia registaram consumos per capita mais baixos.
Fig. Consumo de energia final e energia elétrica per capita (1990-2011)
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• Isto acontece devido:
 menor desenvolvimento das atividades
económicas;
 população não ter ainda atingido as
condições de conforto e de posse de
equipamentos típicos dos países mais
desenvolvidos.
 A escassez de recursos
energéticos endógenos
acaba por colocar o nosso país
numa enorme dependência
em relação ao exterior.
Fig. Taxa de dependência energética (2000-2011)
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 Em 2011, a taxa de dependência
energética atingia ainda os 77,1%,
apesar dos esforços realizados nos
últimos anos ao nível das fontes
renováveis.
• aumentar a eficiência energética;
• diminuir a dependência dos
combustíveis fósseis;
• diversificar as fontes de energia;
• apostar nas energias renováveis;
• reforçar as preocupações ambientais
do setor, sem descurar a manutenção da
competitividade do tecido produtivo
nacional.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 É importante continuar a pautar a
politica energética do nosso país por
alguns princípios fundamentais:
Fig. Exploração de petróleoFig. Gás natural
Fig. Energia eólica
OS RECURSOS ENERGÉTICOS NÃO RENOVÁVEIS
 A importância do petróleo continuará, contudo, a manifestar-se
pelo facto de alimentar setores importantes como os transportes e a
industria, especialmente a química.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
PETRÓLEO
• nosso país continua a registar
uma grande dependência de
petróleo no consumo interno
bruto de energia (2010: 50% do
consumo total de energia
primária).
• após 2005: redução
progressiva no consumo
desta fonte de energia, fruto
do investimento realizado nas
fontes energéticas
renováveis.
 O petróleo que chega ao nosso
país vem principalmente do Golfo
Pérsico (Arábia Saudita, Irão,
Iraque, Líbia, etc.) e da África
(Nigéria, Egito, Argélia, Angola,
etc.), uma vez que ainda não é
possível a sua produção em
território nacional.
 Portugal continua, no entanto, a investir nesta matéria:
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• quer na exploração das
potencialidades do subsolo
nacional através da concessão
de algumas áreas e da realização
de sondagens noutras.
• quer através de acordos
que vai estabelecendo
com alguns dos países
produtores (Brasil e
Angola);
Fig. Exploração de petróleo –
situação atual das concessões
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
Fig. Pesquisa de petróleo – sísmica e
sondagens
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• existe em grande quantidade e em
muitas regiões do Mundo, nomeadamente
no Médio Oriente, na Rússia, na Europa
Ocidental e em África.
• extraído de “bolsas de gás”, jazidas
naturais subterrâneas cobertas por
estratos impermeáveis que impedem a
sua saída para o exterior.
• forma-se nessas jazidas subterrâneas,
como resultado da decomposição de
sedimentos orgânicos ao longo de
milhares de anos.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
OS RECURSOS ENERGÉTICOS NÃO RENOVÁVEIS
GÁS NATURAL
• fonte energética mais limpa e a que
causa menos problemas em termos
ambientais (na sua combustão não ocorre
a libertação de compostos e de resíduos
suscetíveis de alterar o equilíbrio
ecológico).
• diversas aplicações: consumos
doméstico e industrial; produção de
energia elétrica; abastecimento dos
transportes.
• apresenta-se como uma alternativa ao
petróleo.
•introduzido em Portugal em 1997;
contribui para a diversificação da estrutura
da oferta de energia e para a redução da
dependência face ao petróleo.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
GÁS NATURAL
Fig. Sines – Rede de
Gasodutos
 O gás natural atualmente consumido em Portugal é um recurso
exógeno, proveniente principalmente de jazidas argelinas e nigerianas, e
chega ao nosso país através de um sistema de gasodutos que nos liga
ao Norte de África.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
Fig. Rede de gasodutos que serve
Portugal - 2012
• Portugal possui algumas jazidas de fraca
quantidade e qualidade;
• encerramento de todas as minas
existentes no território nacional.
• carvão consumido é proveniente
essencialmente da Colômbia, da África do
Sul e dos Estados Unidos da América;
• destina-se à produção de eletricidade
(centrais termoelétricas), bem como a
alimentar, do ponto de vista energético, as
indústrias cimenteira e siderúrgica.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
OS RECURSOS ENERGÉTICOS NÃO RENOVÁVEIS
CARVÃO
Fig. Amostra de carvãoFig. Mina de carvãoFig. Transporte de carvão
Fig. Localização das principais
centrais termelétricas
 No ano 2010, o carvão representou 7,2% do total do consumo de energia
primária e constituiu um dos principais recursos do subsolo importados.
Fig. Principais recursos do subsolo importados (2011)
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 Globalmente, prevê-se uma redução progressiva do peso do carvão na
produção de eletricidade, devido ao seu impacte nas emissões de CO2.
Fig. Principais emissões resultantes da queima de carvão
OS RECURSOS ENERGÉTICOS RENOVÁVEIS
• os aproveitamentos hídricos e eólicos são os que representam
a maior fatia na produção de eletricidade no nosso pais.
Fig. Evolução da energia elétrica produzida a partir de fontes
renováveis em Portugal (2004-2012)
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• Em Portugal, a produção de energia elétrica a partir de fontes de
energia renovável tem vindo a aumentar.
ENERGIA HÍDRICA
Fig. Localização das principais
barragens em Portugal continental (2011)
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• aproveitamento da energia hídrica
está normalmente associado a barragens
hidroelétricas e mini-hídricas.
• No nosso país, o aproveitamento
hidrelétrico tem lugar em cerca de uma
centena de grandes barragens e em
aproximadamente 800 mini-hídricas.
• encontram-se predominantemente
localizadas na região Norte, onde as
características do relevo e da rede
hidrográfica proporcionam melhores
condições para a sua construção.
Fig. Barragem do Alqueva
Para os próximos anos estão programados novos investimentos,
procurando aumentar o contributo desta fonte renovável no mix
energético do nosso país.
Fig. Empreendimentos recentes do setor hidrelétrico
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 A produção deste tipo de energia está, contudo,
diretamente dependente dos valores de precipitação
registados.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
ENERGIA HÍDRICA
 Pelo contrário, nos anos mais
secos, apenas cerca de 20% da
energia elétrica consumida
provém dos recursos hídricos.
 Quando estes são mais
elevados, a contribuição das
centrais hidrelétricas atinge um
valor próximo dos 50%.
 Verifica-se, assim, que a produção a partir destes dois tipos de
centrais – hidrelétricas e térmicas – é complementar e está
inversamente relacionada.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 A produção hidroelétrica apresenta, portanto, grandes variações
interanuais, resultantes das oscilações no regime hidrológico e,
consequentemente, da quantidade de água nas barragens.
• Estas variações na
disponibilidade de energia
hidroelétrica são compensadas
recorrendo às centrais térmicas.
• proporcionam, para além do
armazenamento da água para a
produção de energia;
• a captação de água para rega e
consumo doméstico;
• a regularização dos caudais dos rios;
• locais de abastecimento de água para
o combate aos incêndios florestais;
• a prática de atividades de lazer;
• e a navegabilidade de alguns cursos
de água.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 As albufeiras das barragens são um
elemento marcante na paisagem do
nosso país:
Fig. Barragem de Castelo de
Bode
Fig. Sistema de regaFig. Rio Douro
Fig. Albufeira de Castelo de
Bode
Fig. Prática de canoagemFig. Vale superior do rio Douro
• não sendo um dos países
mais ventosos da Europa,
Portugal tem condições
muito favoráveis para o
aproveitamento da energia
eólica, em especial nos
arquipélagos da Madeira e
dos Açores, que são as zonas
do território nacional onde o
potencial eólico é mais
elevado.
Fig. Distribuição dos parques eólicos em
Portugal (2011)
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
ENERGIA EÓLICA
 Ao longo da última década, o setor eólico tem vindo a desenvolver-
se de forma assinalável. Possuímos uma capacidade instalada de
4450 MW, distribuída por 223 parques com 2408 aerogeradores ao
longo de todo o território continental.
Fig. Energia eólica em Portugal – potência
instalada, MW (2000-2012)
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 Os investimentos realizados na
promoção da utilização deste tipo de
energia colocaram Portugal no 11.º
lugar mundial em termos de
capacidade instalada e
contabilizando a capacidade
instalada por habitante, ocupamos
mesmo a 3.ª posição mundial
(2010).
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 A nova estratégia futura para a expansão do setor passa pela chamada
eólica offshore. A opção offshore está a ser promovida a partir de
tecnologia nacional, num cada vez mais importante cluster industrial ligado
a este setor, localizado em Viana do Castelo.
• fonte de energia com largas tradições em
Portugal;
• resulta do aproveitamento energético
dos resíduos das florestas e dos
provenientes de explorações
agroalimentares.
• resíduos florestais: para além da
produção energética, permite manter a
floresta limpa.
• representa apenas cerca de 12% do total
da energia elétrica produzida a partir de
fontes energéticas renováveis.
• existem atualmente perto de uma centena
de sistemas de produção de biogás.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
ENERGIA DA BIOMASSA
Fig. Plantação de cana-de-açúcarFig. Resíduos florestais
Fonte: Ciência Viva
Fig. Central de Biomassa de
Mortágua
Fig. Biodigestor – Abrantes
• tem origem no interior da Terra, nas
zonas afetadas por vulcanismo.
• As zonas de maior temperatura
localizadas a menores profundidades são
as que mais interessam para a exploração
energética.
• as áreas passiveis de aproveitamento
energético distribuem-se de forma
desigual pelo território (predominância a
norte).
• As nascentes termais com águas quentes
localizam-se principalmente nas zonas
Norte e Centro do Maciço Hespérico.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
ENERGIA GEOTÉRMICA
Fig. São Miguel, AçoresFig. Furnas – São Miguel,
Açores
Fig. Maciço Antigo – serra do Gerês
 Existem alguns exemplos de aproveitamento deste tipo de energia,
como no caso da central geotérmica da Ribeira Grande, no
arquipélago dos Açores, que produz energia elétrica com potencial para
garantir, na sua fase final, a satisfação de uma parte muito significativa
das necessidades de energia elétrica da ilha de São Miguel.
Fig. Central geotérmica da Ribeira Grande – Açores
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
Fig. Potência instalada nas centrais
geotérmicas dos Açores
Fonte: IGA
Fig. Central Geotérmica Piloto
de Pico Vermelho -
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• Portugal é um dos países da Europa
com maior disponibilidade de
radiação solar (aproximadamente
entre 2200 a 3000 horas de sol por
ano).
• este recurso tem sido mal
aproveitado para usos tipicamente
energéticos.
• Aproveitar a energia solar significa
utilizá-la diretamente para uma função,
como seja aquecer um fluido –
sistemas solares térmicos – ou
produzir energia elétrica – sistemas
fotovoltaicos.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
ENERGIA SOLAR
• satisfação das necessidades básicas de energia
elétrica a habitações que se encontram distantes da rede
publica de distribuição;
• aplicações na sinalização marítima (boias e faróis);
• aplicações em passagens de nível ferroviárias;
• e nas telecomunicações (retransmissores de televisão e
sistemas de SOS instalados nas autoestradas e estradas
nacionais).
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 Aplicações da energia solar fotovoltaica:
Central Solar Fotovoltaica de
Amareleja
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• entrou em funcionamento em
2008 no concelho de Moura;
• a maior do Mundo à data de
construção;
• produz cerca de 46,4
megawatts, o suficiente para
abastecer cerca de 30 mil
habitações.
 Outros projetos estão já em funcionamento, permitindo que a
energia solar contribua com 0,7% do total da energia elétrica
produzida a partir de fontes energéticas renováveis.
O aproveitamento energético do oceano faz-se através do movimento
das ondas e da utilização da energia das marés – energia maremotriz.
Fig.Produçãomaremotrizecomparação
comosmaioresprojetosportipodeenergia
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
ENERGIA DAS ONDAS E DAS MARÉS
 Em Portugal, as zonas costeiras (nomeadamente a costa
ocidental do continente e as ilhas açorianas) têm condições naturais
muito favoráveis para o aproveitamento da energia das ondas.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 o nosso país é um dos pioneiros na produção deste tipo de energia,
com centrais de aproveitamento da energia das ondas na ilha do Pico,
na Póvoa de Varzim e em Peniche, embora com tecnologia distinta.
• Apesar da evolução positiva, as energias renováveis representam, nos
anos normais, cerca de metade da energia elétrica produzida no
sistema eletroprodutor nacional, sendo o restante obtido a partir das
centrais térmicas alimentadas por combustíveis fósseis importados.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 Produção de energias renováveis:
• Esta situação torna o nosso país extremamente dependente do
exterior, em termos de recursos energéticos, nomeadamente em relação
ao petróleo. Contudo, a introdução do gás natural, a partir de 1997,
permitiu reduzir essa dependência e, simultaneamente, diversificar
as fontes de energia e os países fornecedores.
REDES DE DISTRIBUIÇÃO E CONSUMO
 O consumo energético em Portugal tem aumentado de forma
acentuada nas últimas décadas, obrigando a grandes importações
de energia primária, sobretudo petróleo, carvão e gás natural.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 Estas matérias-primas tem, no entanto, de ser deslocadas
para as centrais no sentido se serem convertidas e
posteriormente levadas até ao consumidor final.
 Em Portugal, o maior oleoduto liga a
refinaria de Sines à estação de
armazenamento de Aveiras de Cima,
numa extensão de 147 km.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 O petróleo pode ser distribuído por
redes de oleodutos que permitem o seu
transporte até às grandes áreas de
transformação (complexos
petroquímicos).
 os principais portos recetores desta
matéria-prima são Sines e Leixões, onde
existem refinarias que procedem ao
tratamento do crude transformando-o
quimicamente num enorme número de
substâncias.
 A refinaria de Sines e a de maior dimensão do pais, sendo
atualmente responsável por 70% da nossa capacidade de refinação. A
localização estratégica e as excelentes infraestruturas portuárias fazem
deste complexo um dos maiores da Península Ibérica.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 Estes centros petroquímicos acabaram por atrair também para a sua
proximidade determinado tipo de indústrias que trabalham diretamente
com estas matérias-primas ou que gastam enormes quantidades de
recursos energéticos.
Fig. Refinaria de Sines
Fonte:BoasNotícias,Ummundoem
crescimento–Sapo.pt.
 Para as restantes áreas do
território nacional, os derivados
do petróleo seguem, depois de
transformados, em camiões-
cisterna.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 A relação entre o consumo de petróleo, a localização industrial e
a consequente atração de mão de obra acabou por contribuir
também para um reforço da tendência de litoralização do
território nacional.
 O carvão, depois da suspensão
da sua exploração, em 1994, por
falta de viabilidade económica das
minas, é também importado.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 Este recurso exógeno chega
aos principais portos nacionais por
via marítima, seguindo
posteriormente por via ferroviária
para as centrais de Sines e do
Pego (Abrantes).
 construído um troço entre Braga
e Sines, que possui uma ligação a
partir de Leiria à rede espanhola.
Esta rede transporta o gás natural
contratado à empresa Sonatrach,
na Argélia, que entra em Espanha
através do gasoduto Europa-
Magrebe.
Fig. Gasoduto de Sines
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
 Quanto ao gás natural, Portugal
apostou, na criação de uma rede de
gasodutos que permitissem
trazer e distribuir o gás natural
produzido na Argélia.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
Fig. Rede de gasodutos que serve Portugal
(2012)
 À medida que se procura
diversificar o número de países
fornecedores de gás natural, o
transporte por barco até Sines
ganha importância.
• Prevê-se que a rede nacional de
gasodutos se densifique à medida
que o consumo de gás natural se
vai difundindo a outras áreas do
país.
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• Ali existe uma central de
regaseificação, uma vez que o seu
transporte em barco é feito no
estado líquido, nos chamados
navios metaneiros.
 Para se conseguir uma correta gestão das redes de
distribuição e consumo dos vários recursos energéticos:
A exploração e distribuição dos recursos energéticos
• bem como a preocupação de
aproximar os centros
produtores das principais
áreas consumidoras;
• existe a necessidade
de gerir de forma
eficaz o mix de fontes
disponíveis;
 diminuindo custos e promovendo a maior eficiência
energética possível.
FIM DA
APRESENTAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsoloOs problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Ilda Bicacro
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
Raffaella Ergün
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantes
Idalina Leite
 
Unidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território portuguêsUnidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território português
Carlos Gomes
 

Mais procurados (20)

Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsoloOs problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 
Principais problemas sociodemográficos
Principais problemas sociodemográficos Principais problemas sociodemográficos
Principais problemas sociodemográficos
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Testes geografia a
Testes geografia aTestes geografia a
Testes geografia a
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
Os recursos do subsolo
Os recursos do subsoloOs recursos do subsolo
Os recursos do subsolo
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantes
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícola
 
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloDiversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do Subsolo
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
 
Verdes são os campos
Verdes são os camposVerdes são os campos
Verdes são os campos
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
 
A rede hidrográfica
A rede hidrográficaA rede hidrográfica
A rede hidrográfica
 
Unidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território portuguêsUnidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território português
 

Semelhante a Recursos Energéticos

Recursos do Subsolo
Recursos do SubsoloRecursos do Subsolo
Recursos do Subsolo
ana pinho
 
Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
manjosp
 
ae_geo_pt_ppt14.pptx geografia 10 ano recursos energeticos no subsolo
ae_geo_pt_ppt14.pptx geografia 10 ano recursos energeticos no subsoloae_geo_pt_ppt14.pptx geografia 10 ano recursos energeticos no subsolo
ae_geo_pt_ppt14.pptx geografia 10 ano recursos energeticos no subsolo
Francisco636144
 
Transição hidrotérmica: Canadá x Brasil
Transição hidrotérmica: Canadá x BrasilTransição hidrotérmica: Canadá x Brasil
Transição hidrotérmica: Canadá x Brasil
Leonam Guimarães
 
3º_ciclo_-_energias_renováveis (1).pptx
3º_ciclo_-_energias_renováveis (1).pptx3º_ciclo_-_energias_renováveis (1).pptx
3º_ciclo_-_energias_renováveis (1).pptx
ssuserdd7b12
 
Energy in our life - Presentation - Brno Meeting
Energy in our life - Presentation - Brno MeetingEnergy in our life - Presentation - Brno Meeting
Energy in our life - Presentation - Brno Meeting
energycomenius
 
Fontes de energia alternativa
Fontes de energia alternativa Fontes de energia alternativa
Fontes de energia alternativa
Silvino1
 
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No BrasilCrise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
ProjetoBr
 

Semelhante a Recursos Energéticos (20)

Recursos do Subsolo
Recursos do SubsoloRecursos do Subsolo
Recursos do Subsolo
 
Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
 
Energia- Geografia
Energia- GeografiaEnergia- Geografia
Energia- Geografia
 
ae_geo_pt_ppt14.pptx geografia 10 ano recursos energeticos no subsolo
ae_geo_pt_ppt14.pptx geografia 10 ano recursos energeticos no subsoloae_geo_pt_ppt14.pptx geografia 10 ano recursos energeticos no subsolo
ae_geo_pt_ppt14.pptx geografia 10 ano recursos energeticos no subsolo
 
Transição hidrotérmica: Canadá x Brasil
Transição hidrotérmica: Canadá x BrasilTransição hidrotérmica: Canadá x Brasil
Transição hidrotérmica: Canadá x Brasil
 
Energia no Brasil
Energia no BrasilEnergia no Brasil
Energia no Brasil
 
3º_ciclo_-_energias_renováveis (1).pptx
3º_ciclo_-_energias_renováveis (1).pptx3º_ciclo_-_energias_renováveis (1).pptx
3º_ciclo_-_energias_renováveis (1).pptx
 
Geração de energia com fontes renováveis
Geração de energia com fontes renováveisGeração de energia com fontes renováveis
Geração de energia com fontes renováveis
 
Energy in our life - Presentation - Brno Meeting
Energy in our life - Presentation - Brno MeetingEnergy in our life - Presentation - Brno Meeting
Energy in our life - Presentation - Brno Meeting
 
Energy in our life (portuguese version)
Energy in our life (portuguese version)Energy in our life (portuguese version)
Energy in our life (portuguese version)
 
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
 
Pordata
PordataPordata
Pordata
 
Energiae meioambientenobrasil
Energiae meioambientenobrasilEnergiae meioambientenobrasil
Energiae meioambientenobrasil
 
Aula 19 fontes de energia no brasil
Aula 19   fontes de energia no brasilAula 19   fontes de energia no brasil
Aula 19 fontes de energia no brasil
 
Fontes de energia alternativa
Fontes de energia alternativa Fontes de energia alternativa
Fontes de energia alternativa
 
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No BrasilCrise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
 
Trabalho_QIO_2006_He2.pdf
Trabalho_QIO_2006_He2.pdfTrabalho_QIO_2006_He2.pdf
Trabalho_QIO_2006_He2.pdf
 
Objeto De Aprendizagem
Objeto De AprendizagemObjeto De Aprendizagem
Objeto De Aprendizagem
 
Trabalho Portugues
Trabalho PortuguesTrabalho Portugues
Trabalho Portugues
 
Energias renováveis
Energias renováveisEnergias renováveis
Energias renováveis
 

Mais de Catarina Castro

Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Catarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Catarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Catarina Castro
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
Catarina Castro
 

Mais de Catarina Castro (20)

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar i
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geral
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solar
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do Litoral
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 
Distribuição da População Portuguesa
Distribuição da População PortuguesaDistribuição da População Portuguesa
Distribuição da População Portuguesa
 
As Disponibilidades Hídricas
As Disponibilidades HídricasAs Disponibilidades Hídricas
As Disponibilidades Hídricas
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 

Recursos Energéticos

  • 1. OS RECURSOS NATURAIS DE QUE A POPULAÇÃO DISPÕE: USOS, LIMITES E POTENCIALIDADES. Recursos energéticos
  • 2. A exploração e distribuição dos recursos energéticos • No nosso subsolo existem, no entanto, importantes reservas de urânio, a partir do qual seria possível a produção de energia nuclear.  De uma forma geral, Portugal é pobre em recursos energéticos. • Não possui explorações de petróleo nem de gás natural e as jazidas de carvão são de pequena importância e de fraca qualidade.  Porém, a produção interna deste mineral tem vindo a diminuir, em parte pela dificuldade em competir nos mercados internacionais. Se o panorama nacional relativamente às energias não renováveis é desanimador, o mesmo já não acontece com as fontes energéticas renováveis.
  • 3.  Apesar de existirem no nosso país boas condições para o aproveitamento de algumas energias alternativas, só há poucos anos se começou a agir no sentido da sua verdadeira exploração.  As fontes de energia mais utilizadas continuam a ser os combustíveis fósseis, nomeadamente o carvão, o petróleo e o gás natural. Fig. Evolução do consumo de energia primária em Portugal (2000-2011) A exploração e distribuição dos recursos energéticos
  • 4.  Embora com algum atraso em relação a muitos outros países da Europa e do Mundo… Em 2011, o peso do consumo dos principais setores de atividade económica foi de cerca de 30% na indústria, 37% nos transportes, 17% no doméstico, 11,4% nos serviços e 5,4% nos outros setores (onde se inclui agricultura, pesca, construção e obras públicas). Fig. Consumo de energia final por setor (2011) A exploração e distribuição dos recursos energéticos • Portugal registou, nas últimas décadas, um aumento contínuo do consumo de energia final, com uma forte incidência dos setores da indústria e dos transportes.
  • 5.  Portugal ainda é um dos países da UE com menor consumo de eletricidade per capita – apenas Malta, Bulgária, Hungria, Polónia, Lituânia, Letónia e Roménia registaram consumos per capita mais baixos. Fig. Consumo de energia final e energia elétrica per capita (1990-2011) A exploração e distribuição dos recursos energéticos • Isto acontece devido:  menor desenvolvimento das atividades económicas;  população não ter ainda atingido as condições de conforto e de posse de equipamentos típicos dos países mais desenvolvidos.
  • 6.  A escassez de recursos energéticos endógenos acaba por colocar o nosso país numa enorme dependência em relação ao exterior. Fig. Taxa de dependência energética (2000-2011) A exploração e distribuição dos recursos energéticos  Em 2011, a taxa de dependência energética atingia ainda os 77,1%, apesar dos esforços realizados nos últimos anos ao nível das fontes renováveis.
  • 7. • aumentar a eficiência energética; • diminuir a dependência dos combustíveis fósseis; • diversificar as fontes de energia; • apostar nas energias renováveis; • reforçar as preocupações ambientais do setor, sem descurar a manutenção da competitividade do tecido produtivo nacional. A exploração e distribuição dos recursos energéticos  É importante continuar a pautar a politica energética do nosso país por alguns princípios fundamentais: Fig. Exploração de petróleoFig. Gás natural Fig. Energia eólica
  • 8. OS RECURSOS ENERGÉTICOS NÃO RENOVÁVEIS  A importância do petróleo continuará, contudo, a manifestar-se pelo facto de alimentar setores importantes como os transportes e a industria, especialmente a química. A exploração e distribuição dos recursos energéticos PETRÓLEO • nosso país continua a registar uma grande dependência de petróleo no consumo interno bruto de energia (2010: 50% do consumo total de energia primária). • após 2005: redução progressiva no consumo desta fonte de energia, fruto do investimento realizado nas fontes energéticas renováveis.
  • 9.  O petróleo que chega ao nosso país vem principalmente do Golfo Pérsico (Arábia Saudita, Irão, Iraque, Líbia, etc.) e da África (Nigéria, Egito, Argélia, Angola, etc.), uma vez que ainda não é possível a sua produção em território nacional.  Portugal continua, no entanto, a investir nesta matéria: A exploração e distribuição dos recursos energéticos • quer na exploração das potencialidades do subsolo nacional através da concessão de algumas áreas e da realização de sondagens noutras. • quer através de acordos que vai estabelecendo com alguns dos países produtores (Brasil e Angola);
  • 10. Fig. Exploração de petróleo – situação atual das concessões A exploração e distribuição dos recursos energéticos
  • 11. Fig. Pesquisa de petróleo – sísmica e sondagens A exploração e distribuição dos recursos energéticos
  • 12. • existe em grande quantidade e em muitas regiões do Mundo, nomeadamente no Médio Oriente, na Rússia, na Europa Ocidental e em África. • extraído de “bolsas de gás”, jazidas naturais subterrâneas cobertas por estratos impermeáveis que impedem a sua saída para o exterior. • forma-se nessas jazidas subterrâneas, como resultado da decomposição de sedimentos orgânicos ao longo de milhares de anos. A exploração e distribuição dos recursos energéticos OS RECURSOS ENERGÉTICOS NÃO RENOVÁVEIS GÁS NATURAL
  • 13. • fonte energética mais limpa e a que causa menos problemas em termos ambientais (na sua combustão não ocorre a libertação de compostos e de resíduos suscetíveis de alterar o equilíbrio ecológico). • diversas aplicações: consumos doméstico e industrial; produção de energia elétrica; abastecimento dos transportes. • apresenta-se como uma alternativa ao petróleo. •introduzido em Portugal em 1997; contribui para a diversificação da estrutura da oferta de energia e para a redução da dependência face ao petróleo. A exploração e distribuição dos recursos energéticos GÁS NATURAL Fig. Sines – Rede de Gasodutos
  • 14.  O gás natural atualmente consumido em Portugal é um recurso exógeno, proveniente principalmente de jazidas argelinas e nigerianas, e chega ao nosso país através de um sistema de gasodutos que nos liga ao Norte de África. A exploração e distribuição dos recursos energéticos Fig. Rede de gasodutos que serve Portugal - 2012
  • 15. • Portugal possui algumas jazidas de fraca quantidade e qualidade; • encerramento de todas as minas existentes no território nacional. • carvão consumido é proveniente essencialmente da Colômbia, da África do Sul e dos Estados Unidos da América; • destina-se à produção de eletricidade (centrais termoelétricas), bem como a alimentar, do ponto de vista energético, as indústrias cimenteira e siderúrgica. A exploração e distribuição dos recursos energéticos OS RECURSOS ENERGÉTICOS NÃO RENOVÁVEIS CARVÃO Fig. Amostra de carvãoFig. Mina de carvãoFig. Transporte de carvão Fig. Localização das principais centrais termelétricas
  • 16.  No ano 2010, o carvão representou 7,2% do total do consumo de energia primária e constituiu um dos principais recursos do subsolo importados. Fig. Principais recursos do subsolo importados (2011) A exploração e distribuição dos recursos energéticos  Globalmente, prevê-se uma redução progressiva do peso do carvão na produção de eletricidade, devido ao seu impacte nas emissões de CO2. Fig. Principais emissões resultantes da queima de carvão
  • 17. OS RECURSOS ENERGÉTICOS RENOVÁVEIS • os aproveitamentos hídricos e eólicos são os que representam a maior fatia na produção de eletricidade no nosso pais. Fig. Evolução da energia elétrica produzida a partir de fontes renováveis em Portugal (2004-2012) A exploração e distribuição dos recursos energéticos • Em Portugal, a produção de energia elétrica a partir de fontes de energia renovável tem vindo a aumentar.
  • 18. ENERGIA HÍDRICA Fig. Localização das principais barragens em Portugal continental (2011) A exploração e distribuição dos recursos energéticos • aproveitamento da energia hídrica está normalmente associado a barragens hidroelétricas e mini-hídricas. • No nosso país, o aproveitamento hidrelétrico tem lugar em cerca de uma centena de grandes barragens e em aproximadamente 800 mini-hídricas. • encontram-se predominantemente localizadas na região Norte, onde as características do relevo e da rede hidrográfica proporcionam melhores condições para a sua construção. Fig. Barragem do Alqueva
  • 19. Para os próximos anos estão programados novos investimentos, procurando aumentar o contributo desta fonte renovável no mix energético do nosso país. Fig. Empreendimentos recentes do setor hidrelétrico A exploração e distribuição dos recursos energéticos
  • 20.  A produção deste tipo de energia está, contudo, diretamente dependente dos valores de precipitação registados. A exploração e distribuição dos recursos energéticos ENERGIA HÍDRICA  Pelo contrário, nos anos mais secos, apenas cerca de 20% da energia elétrica consumida provém dos recursos hídricos.  Quando estes são mais elevados, a contribuição das centrais hidrelétricas atinge um valor próximo dos 50%.
  • 21.  Verifica-se, assim, que a produção a partir destes dois tipos de centrais – hidrelétricas e térmicas – é complementar e está inversamente relacionada. A exploração e distribuição dos recursos energéticos  A produção hidroelétrica apresenta, portanto, grandes variações interanuais, resultantes das oscilações no regime hidrológico e, consequentemente, da quantidade de água nas barragens. • Estas variações na disponibilidade de energia hidroelétrica são compensadas recorrendo às centrais térmicas.
  • 22. • proporcionam, para além do armazenamento da água para a produção de energia; • a captação de água para rega e consumo doméstico; • a regularização dos caudais dos rios; • locais de abastecimento de água para o combate aos incêndios florestais; • a prática de atividades de lazer; • e a navegabilidade de alguns cursos de água. A exploração e distribuição dos recursos energéticos  As albufeiras das barragens são um elemento marcante na paisagem do nosso país: Fig. Barragem de Castelo de Bode Fig. Sistema de regaFig. Rio Douro Fig. Albufeira de Castelo de Bode Fig. Prática de canoagemFig. Vale superior do rio Douro
  • 23. • não sendo um dos países mais ventosos da Europa, Portugal tem condições muito favoráveis para o aproveitamento da energia eólica, em especial nos arquipélagos da Madeira e dos Açores, que são as zonas do território nacional onde o potencial eólico é mais elevado. Fig. Distribuição dos parques eólicos em Portugal (2011) A exploração e distribuição dos recursos energéticos ENERGIA EÓLICA
  • 24.  Ao longo da última década, o setor eólico tem vindo a desenvolver- se de forma assinalável. Possuímos uma capacidade instalada de 4450 MW, distribuída por 223 parques com 2408 aerogeradores ao longo de todo o território continental. Fig. Energia eólica em Portugal – potência instalada, MW (2000-2012) A exploração e distribuição dos recursos energéticos
  • 25.  Os investimentos realizados na promoção da utilização deste tipo de energia colocaram Portugal no 11.º lugar mundial em termos de capacidade instalada e contabilizando a capacidade instalada por habitante, ocupamos mesmo a 3.ª posição mundial (2010). A exploração e distribuição dos recursos energéticos  A nova estratégia futura para a expansão do setor passa pela chamada eólica offshore. A opção offshore está a ser promovida a partir de tecnologia nacional, num cada vez mais importante cluster industrial ligado a este setor, localizado em Viana do Castelo.
  • 26. • fonte de energia com largas tradições em Portugal; • resulta do aproveitamento energético dos resíduos das florestas e dos provenientes de explorações agroalimentares. • resíduos florestais: para além da produção energética, permite manter a floresta limpa. • representa apenas cerca de 12% do total da energia elétrica produzida a partir de fontes energéticas renováveis. • existem atualmente perto de uma centena de sistemas de produção de biogás. A exploração e distribuição dos recursos energéticos ENERGIA DA BIOMASSA Fig. Plantação de cana-de-açúcarFig. Resíduos florestais Fonte: Ciência Viva Fig. Central de Biomassa de Mortágua Fig. Biodigestor – Abrantes
  • 27. • tem origem no interior da Terra, nas zonas afetadas por vulcanismo. • As zonas de maior temperatura localizadas a menores profundidades são as que mais interessam para a exploração energética. • as áreas passiveis de aproveitamento energético distribuem-se de forma desigual pelo território (predominância a norte). • As nascentes termais com águas quentes localizam-se principalmente nas zonas Norte e Centro do Maciço Hespérico. A exploração e distribuição dos recursos energéticos ENERGIA GEOTÉRMICA Fig. São Miguel, AçoresFig. Furnas – São Miguel, Açores Fig. Maciço Antigo – serra do Gerês
  • 28.  Existem alguns exemplos de aproveitamento deste tipo de energia, como no caso da central geotérmica da Ribeira Grande, no arquipélago dos Açores, que produz energia elétrica com potencial para garantir, na sua fase final, a satisfação de uma parte muito significativa das necessidades de energia elétrica da ilha de São Miguel. Fig. Central geotérmica da Ribeira Grande – Açores A exploração e distribuição dos recursos energéticos
  • 29. Fig. Potência instalada nas centrais geotérmicas dos Açores Fonte: IGA Fig. Central Geotérmica Piloto de Pico Vermelho - A exploração e distribuição dos recursos energéticos
  • 30. • Portugal é um dos países da Europa com maior disponibilidade de radiação solar (aproximadamente entre 2200 a 3000 horas de sol por ano). • este recurso tem sido mal aproveitado para usos tipicamente energéticos. • Aproveitar a energia solar significa utilizá-la diretamente para uma função, como seja aquecer um fluido – sistemas solares térmicos – ou produzir energia elétrica – sistemas fotovoltaicos. A exploração e distribuição dos recursos energéticos ENERGIA SOLAR
  • 31. • satisfação das necessidades básicas de energia elétrica a habitações que se encontram distantes da rede publica de distribuição; • aplicações na sinalização marítima (boias e faróis); • aplicações em passagens de nível ferroviárias; • e nas telecomunicações (retransmissores de televisão e sistemas de SOS instalados nas autoestradas e estradas nacionais). A exploração e distribuição dos recursos energéticos  Aplicações da energia solar fotovoltaica:
  • 32. Central Solar Fotovoltaica de Amareleja A exploração e distribuição dos recursos energéticos • entrou em funcionamento em 2008 no concelho de Moura; • a maior do Mundo à data de construção; • produz cerca de 46,4 megawatts, o suficiente para abastecer cerca de 30 mil habitações.  Outros projetos estão já em funcionamento, permitindo que a energia solar contribua com 0,7% do total da energia elétrica produzida a partir de fontes energéticas renováveis.
  • 33. O aproveitamento energético do oceano faz-se através do movimento das ondas e da utilização da energia das marés – energia maremotriz. Fig.Produçãomaremotrizecomparação comosmaioresprojetosportipodeenergia A exploração e distribuição dos recursos energéticos ENERGIA DAS ONDAS E DAS MARÉS
  • 34.  Em Portugal, as zonas costeiras (nomeadamente a costa ocidental do continente e as ilhas açorianas) têm condições naturais muito favoráveis para o aproveitamento da energia das ondas. A exploração e distribuição dos recursos energéticos  o nosso país é um dos pioneiros na produção deste tipo de energia, com centrais de aproveitamento da energia das ondas na ilha do Pico, na Póvoa de Varzim e em Peniche, embora com tecnologia distinta.
  • 35. • Apesar da evolução positiva, as energias renováveis representam, nos anos normais, cerca de metade da energia elétrica produzida no sistema eletroprodutor nacional, sendo o restante obtido a partir das centrais térmicas alimentadas por combustíveis fósseis importados. A exploração e distribuição dos recursos energéticos  Produção de energias renováveis: • Esta situação torna o nosso país extremamente dependente do exterior, em termos de recursos energéticos, nomeadamente em relação ao petróleo. Contudo, a introdução do gás natural, a partir de 1997, permitiu reduzir essa dependência e, simultaneamente, diversificar as fontes de energia e os países fornecedores.
  • 36. REDES DE DISTRIBUIÇÃO E CONSUMO  O consumo energético em Portugal tem aumentado de forma acentuada nas últimas décadas, obrigando a grandes importações de energia primária, sobretudo petróleo, carvão e gás natural. A exploração e distribuição dos recursos energéticos  Estas matérias-primas tem, no entanto, de ser deslocadas para as centrais no sentido se serem convertidas e posteriormente levadas até ao consumidor final.
  • 37.  Em Portugal, o maior oleoduto liga a refinaria de Sines à estação de armazenamento de Aveiras de Cima, numa extensão de 147 km. A exploração e distribuição dos recursos energéticos  O petróleo pode ser distribuído por redes de oleodutos que permitem o seu transporte até às grandes áreas de transformação (complexos petroquímicos).  os principais portos recetores desta matéria-prima são Sines e Leixões, onde existem refinarias que procedem ao tratamento do crude transformando-o quimicamente num enorme número de substâncias.
  • 38.  A refinaria de Sines e a de maior dimensão do pais, sendo atualmente responsável por 70% da nossa capacidade de refinação. A localização estratégica e as excelentes infraestruturas portuárias fazem deste complexo um dos maiores da Península Ibérica. A exploração e distribuição dos recursos energéticos  Estes centros petroquímicos acabaram por atrair também para a sua proximidade determinado tipo de indústrias que trabalham diretamente com estas matérias-primas ou que gastam enormes quantidades de recursos energéticos. Fig. Refinaria de Sines Fonte:BoasNotícias,Ummundoem crescimento–Sapo.pt.
  • 39.  Para as restantes áreas do território nacional, os derivados do petróleo seguem, depois de transformados, em camiões- cisterna. A exploração e distribuição dos recursos energéticos  A relação entre o consumo de petróleo, a localização industrial e a consequente atração de mão de obra acabou por contribuir também para um reforço da tendência de litoralização do território nacional.
  • 40.  O carvão, depois da suspensão da sua exploração, em 1994, por falta de viabilidade económica das minas, é também importado. A exploração e distribuição dos recursos energéticos  Este recurso exógeno chega aos principais portos nacionais por via marítima, seguindo posteriormente por via ferroviária para as centrais de Sines e do Pego (Abrantes).
  • 41.  construído um troço entre Braga e Sines, que possui uma ligação a partir de Leiria à rede espanhola. Esta rede transporta o gás natural contratado à empresa Sonatrach, na Argélia, que entra em Espanha através do gasoduto Europa- Magrebe. Fig. Gasoduto de Sines A exploração e distribuição dos recursos energéticos  Quanto ao gás natural, Portugal apostou, na criação de uma rede de gasodutos que permitissem trazer e distribuir o gás natural produzido na Argélia.
  • 42. A exploração e distribuição dos recursos energéticos Fig. Rede de gasodutos que serve Portugal (2012)
  • 43.  À medida que se procura diversificar o número de países fornecedores de gás natural, o transporte por barco até Sines ganha importância. • Prevê-se que a rede nacional de gasodutos se densifique à medida que o consumo de gás natural se vai difundindo a outras áreas do país. A exploração e distribuição dos recursos energéticos • Ali existe uma central de regaseificação, uma vez que o seu transporte em barco é feito no estado líquido, nos chamados navios metaneiros.
  • 44.  Para se conseguir uma correta gestão das redes de distribuição e consumo dos vários recursos energéticos: A exploração e distribuição dos recursos energéticos • bem como a preocupação de aproximar os centros produtores das principais áreas consumidoras; • existe a necessidade de gerir de forma eficaz o mix de fontes disponíveis;  diminuindo custos e promovendo a maior eficiência energética possível.