SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
A SOCIEDADE EUROPEIA NOS SÉCULOS  IX A XIII.
OS REINOS EUROPEUS APÓS O FIM DAS INVASÕES.
CONSEQUÊNCIAS DAS INVASÕES Incapacidade dos reis para organizarem a defesa eficaz  das populações. Reforçou o poder dos nobres, grandes proprietários, que  tinham lugares fortificados e guerreiros ao seu serviço .
REGRESSÃO ECONÓMICA A POPULAÇÃO DECRESCEU AS CIDADES PERDERAM IMPORTÂNCIA. O COMÉRCIO ENFRAQUECEU A PRODUÇÃO AGRÍCOLA DIMINUIU
A MAIOR PARTE DA POPULAÇÃO VIVIA NO CAMPO. ,[object Object],[object Object],[object Object]
BAIXA PRODUTIVIDADE CAMPOS MAL APROVEITADOS INSTRUMENTOS RUDIMENTARES TERRAS CANSADAS POUSIO
PRIVILEGIADOS NÃO PRIVILEGIADOS SOCIEDADE TRINITÁRIA
Aos membros do clero, Deus manda ensinar a manter a verdadeira fé e a ministrar a sagrada água do baptismo(...). Devem, sem cessar, rezar pelo bem do povo. Os nobres são os guerreiros, os protectores das igrejas. Defendem todos os homens, grandes e pequenos (...) A outra classe é a dos não livres. Esta raça de infelizes nada possui sem sofrimento. São eles quem fornece a todos provisões e vestuário; por isso nenhum homem livre poderia viver sem eles.
SECULAR REGULAR BISPOS  PÁROCOS Vivem com a  população ABADES MONGES Vivem nos Conventos e Mosteiros CLERO ALTO CLERO BAIXO CLERO
BAPTISMO DE CLÓVIS REI DOS FRANCOS Com as invasões aumentou o prestígio da igreja, junto da qual as populações encontrava apoio. O prestígio reforçou-se à medida que os povos germanos se convertiam ao cristianismo.
S. BENTO DE NÚRSIA, NO SÉCULO VI, FUNDOU A PRIMEIRA GRANDE ORDEM RELIGIOSA– A ORDEM BENEDITINA . MONAQUISMO
UM MOSTEIRO NA IDADE MÉDIA IGREJA HOSPEDARIA ENFERMARIA REFEITÓRIO POMAR HORTA SCRIPTÓRIO DORMITÓRIO CLAUSTROS
Os mosteiros eram centros de cultura: Escreviam-se crónicas,copiavam-se os textos sagrados e manuscritos antigos. Os monges dividiam o seu tempo pelo trabalho manual, os estudos e a oração.
Os membros do clero eram os únicos que sabiam ler e ercrever. As escolas existentes estavam localizadas nos mosteiros e nas igrejas. As bibliotecas localizavam-se nos mosteiros.
Os monges desbravavam terrenos,dedicavam-se aos trabalhos do campo, distribuiam pequenas parcelas dos seus domínios por colonos, a quem ensinavam novas técnicas agrícolas.
Prestavam assistência às populações.
 
Ordens Religiosas Militares Comunidades de cavaleiros unidos por um modo de vida religioso, semelhante ao dos monges, que lutavam pelas causas da cristandade contra os muçulmanos.
Cristo, simbolizando a Igreja, entrega a espada da justiça a um cavaleiro cruzado. Esses cruzados eram portadores de armas benzidas pelo clero. Eram vistos como cavaleiros puros e espirituais ao serviço de Cristo e da cristandade. Participavam nas CRUZADAS. Cruzados
REFORÇO DO PRESTÍGIO E DA INDEPENDÊNCIA DA IGREJA: SÉCULO XI  O PAPA GREGÓRIO VII
Procurou libertar a igreja do domínio dos reis e dos grandes senhores. Fez com que a nomeação dos bispos e abades se tornassem competência exclusiva da igreja. Os reis devem submeter-se à autoridade da igreja. Autoridade Suprema Da Cristandade
Exército Próprio Nobreza Aplicação da Justiça
Recebiam Impostos Cunhavam moeda
Domínio Senhorial / Senhorio
Nos domínios senhoriais viviam e trabalhavam camponeses livres -  colonos  - e camponeses não livres -  servos . ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O espírito de cavalaria animou os nobres a participar nas cruzadas à Terra Santa para expulsar os muçulmanos dos lugares santos. Cruzados Atacando os Muçulmanos em Jerusalém,
ou Torneios  e  Justas : Os  senhores  faziam  Guerras  Privadas
Para evitar a frequência dessas guerras instituiu-se a  - Paz de Deus –  proibição de atacar pessoas indefesas e as  - Tréguas de Deus –  proibição de fazer guerra  em determinados períodos do calendário litúrgico. S. Luís Salvando uma Sarracena e o Filho
Banquetes Jogos Músicos e Jograis Caça
Ondas do mar de Vigo, Se viste meu amigo! E ai, deus, se verrá cedo! Ondas do mar levado, Se viste meu amado! E ai, deus, se verrá cedo! Se viste meu amigo,  O por que eu sospiro! E ai, deus, se verrá cedo! Se viste meu amado, O por que ei gran cuidado! E ai, deus, se verrá cedo!
Povo As pessoas do povo, em frança, bebem apenas água e comem maçãs com pão escuro de centeio. Não comem carne, salvo algumas vezes, um pouco de toucinho ou as tripas e a cabeça dos animais que matam para os nobres (...)
Trabalhos  Agrícolas Guardar cereais Tratar dos animais Tratar dos campos
SAIO GREVAS Os Camponeses e Sua Habitação PLANTA DE UMA CASA DE CAMPONÊS 1   – Banco-arca  2 – Armário  3 – Leito fechado  4 – Arca 5 – Lareira  6 – Banco  7 – Mesa arca
Camponeses dançando numa romaria Músicos populares
Contrato De vassalagem HOMENAGEM JURAMENTO INVESTIDURA
SUSERANO VASSALO PROTECÇÃO FEUDO AUXÍLIO CONSELHO
SOCIEDADE FEUDAL FEUDALISMO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade médiaHCA_10I
 
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIA Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIJorge Almeida
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANOCarina Vale
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romanocattonia
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americanacattonia
 
Reformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educaçãoReformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educaçãoMaria Gomes
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhioSusana Simões
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Carla Teixeira
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorialMaria Gomes
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANOCarina Vale
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medievalcattonia
 
Antigo Regime Conceitos
Antigo Regime ConceitosAntigo Regime Conceitos
Antigo Regime ConceitosIsabel Ribeiro
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1Carla Teixeira
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 

Mais procurados (20)

A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
 
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XIIA Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
A Sociedade Europeia nos séculos IX a XII
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
A queda do império romano
A queda do império romanoA queda do império romano
A queda do império romano
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
Reformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educaçãoReformas pombalinas: educação
Reformas pombalinas: educação
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
Antigo Regime Conceitos
Antigo Regime ConceitosAntigo Regime Conceitos
Antigo Regime Conceitos
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 

Destaque

A Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IXA Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IXPatrícia Morais
 
Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXTeresa Maia
 
Cultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosCultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosVítor Santos
 
A sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xiiA sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xiiantoniopedropinheiro
 
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii MosteirosAvida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii MosteirosManuela Cavaco
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesIsidro Santos
 
A Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IXA Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IXhistoriajovem2011
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românicaAna Barreiros
 
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4João Couto
 
CenáRio Europeu
CenáRio EuropeuCenáRio Europeu
CenáRio Europeubloghist
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeiaNTTL98
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesNúcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Hgp trabalho - Portugal no século XIII
Hgp   trabalho - Portugal no século XIIIHgp   trabalho - Portugal no século XIII
Hgp trabalho - Portugal no século XIIIAna Paiva
 

Destaque (20)

A Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IXA Europa cristã nos séculos VI a IX
A Europa cristã nos séculos VI a IX
 
Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IX
 
Cultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunosCultura do mosteiro_1_alunos
Cultura do mosteiro_1_alunos
 
Cultura do mosteiro
Cultura do mosteiroCultura do mosteiro
Cultura do mosteiro
 
A sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xiiA sociedade europeia nos séculos ix a xii
A sociedade europeia nos séculos ix a xii
 
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii MosteirosAvida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
 
A Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IXA Europa cristã nos séc. VI a IX
A Europa cristã nos séc. VI a IX
 
Queda do império
Queda do impérioQueda do império
Queda do império
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
 
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
 
A África antiga
A África antigaA África antiga
A África antiga
 
Mosteiros
MosteirosMosteiros
Mosteiros
 
Oceania características gerais
Oceania características geraisOceania características gerais
Oceania características gerais
 
CenáRio Europeu
CenáRio EuropeuCenáRio Europeu
CenáRio Europeu
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
Hgp trabalho - Portugal no século XIII
Hgp   trabalho - Portugal no século XIIIHgp   trabalho - Portugal no século XIII
Hgp trabalho - Portugal no século XIII
 
O Continente Asiático
O Continente AsiáticoO Continente Asiático
O Continente Asiático
 

Semelhante a A sociedade europeia nos séculos IX a XII

Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaAnabela Sobral
 
Sociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIVSociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIVCátia Botelho
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiiiR C
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIIIlourdesingles
 
A vida quotidiana no sec.xiii diogo barbosa -5ºa
A vida quotidiana no sec.xiii   diogo barbosa -5ºaA vida quotidiana no sec.xiii   diogo barbosa -5ºa
A vida quotidiana no sec.xiii diogo barbosa -5ºadafgpt
 
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVCatarina Castro
 
O Povoamento do Reino-1
O Povoamento do Reino-1O Povoamento do Reino-1
O Povoamento do Reino-1HistN
 
O Povoamento do Reino
O Povoamento do ReinoO Povoamento do Reino
O Povoamento do Reinogueste8a21
 
O Povoamento do Reino
O Povoamento do ReinoO Povoamento do Reino
O Povoamento do Reinoguestc968e9
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoAna Pereira
 
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completoPortugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completocapell18
 
Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiCarla Freitas
 
História sociedade sec xiii
História sociedade sec xiiiHistória sociedade sec xiii
História sociedade sec xiiiINED
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompletoGustavo Cuin
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompletoGustavo Cuin
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompletoGustavo Cuin
 
Feudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaFeudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaEdenilson Morais
 

Semelhante a A sociedade europeia nos séculos IX a XII (20)

Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
 
Sociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIVSociedade nos séculos XIII e XIV
Sociedade nos séculos XIII e XIV
 
5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii5 portugalnoséculo xiii
5 portugalnoséculo xiii
 
Portugal no século XIII
Portugal no século XIIIPortugal no século XIII
Portugal no século XIII
 
A vida quotidiana no sec.xiii diogo barbosa -5ºa
A vida quotidiana no sec.xiii   diogo barbosa -5ºaA vida quotidiana no sec.xiii   diogo barbosa -5ºa
A vida quotidiana no sec.xiii diogo barbosa -5ºa
 
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
 
O Povoamento do Reino-1
O Povoamento do Reino-1O Povoamento do Reino-1
O Povoamento do Reino-1
 
O Povoamento do Reino
O Povoamento do ReinoO Povoamento do Reino
O Povoamento do Reino
 
O Povoamento do Reino
O Povoamento do ReinoO Povoamento do Reino
O Povoamento do Reino
 
1° ano aula slide - feudalismo
1° ano   aula slide - feudalismo1° ano   aula slide - feudalismo
1° ano aula slide - feudalismo
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
 
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completoPortugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
 
Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
 
História sociedade sec xiii
História sociedade sec xiiiHistória sociedade sec xiii
História sociedade sec xiii
 
Feudalismo ens médio
Feudalismo ens médioFeudalismo ens médio
Feudalismo ens médio
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompleto
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompleto
 
Idade médiacompleto
Idade médiacompletoIdade médiacompleto
Idade médiacompleto
 
Feudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade MédiaFeudalimo Baixa Idade Média
Feudalimo Baixa Idade Média
 

Mais de Carla Freitas

Mais de Carla Freitas (20)

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
 

Último

As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 

Último (20)

As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 

A sociedade europeia nos séculos IX a XII

  • 1. A SOCIEDADE EUROPEIA NOS SÉCULOS IX A XIII.
  • 2. OS REINOS EUROPEUS APÓS O FIM DAS INVASÕES.
  • 3. CONSEQUÊNCIAS DAS INVASÕES Incapacidade dos reis para organizarem a defesa eficaz das populações. Reforçou o poder dos nobres, grandes proprietários, que tinham lugares fortificados e guerreiros ao seu serviço .
  • 4. REGRESSÃO ECONÓMICA A POPULAÇÃO DECRESCEU AS CIDADES PERDERAM IMPORTÂNCIA. O COMÉRCIO ENFRAQUECEU A PRODUÇÃO AGRÍCOLA DIMINUIU
  • 5.
  • 6. BAIXA PRODUTIVIDADE CAMPOS MAL APROVEITADOS INSTRUMENTOS RUDIMENTARES TERRAS CANSADAS POUSIO
  • 7. PRIVILEGIADOS NÃO PRIVILEGIADOS SOCIEDADE TRINITÁRIA
  • 8. Aos membros do clero, Deus manda ensinar a manter a verdadeira fé e a ministrar a sagrada água do baptismo(...). Devem, sem cessar, rezar pelo bem do povo. Os nobres são os guerreiros, os protectores das igrejas. Defendem todos os homens, grandes e pequenos (...) A outra classe é a dos não livres. Esta raça de infelizes nada possui sem sofrimento. São eles quem fornece a todos provisões e vestuário; por isso nenhum homem livre poderia viver sem eles.
  • 9. SECULAR REGULAR BISPOS PÁROCOS Vivem com a população ABADES MONGES Vivem nos Conventos e Mosteiros CLERO ALTO CLERO BAIXO CLERO
  • 10. BAPTISMO DE CLÓVIS REI DOS FRANCOS Com as invasões aumentou o prestígio da igreja, junto da qual as populações encontrava apoio. O prestígio reforçou-se à medida que os povos germanos se convertiam ao cristianismo.
  • 11. S. BENTO DE NÚRSIA, NO SÉCULO VI, FUNDOU A PRIMEIRA GRANDE ORDEM RELIGIOSA– A ORDEM BENEDITINA . MONAQUISMO
  • 12. UM MOSTEIRO NA IDADE MÉDIA IGREJA HOSPEDARIA ENFERMARIA REFEITÓRIO POMAR HORTA SCRIPTÓRIO DORMITÓRIO CLAUSTROS
  • 13. Os mosteiros eram centros de cultura: Escreviam-se crónicas,copiavam-se os textos sagrados e manuscritos antigos. Os monges dividiam o seu tempo pelo trabalho manual, os estudos e a oração.
  • 14. Os membros do clero eram os únicos que sabiam ler e ercrever. As escolas existentes estavam localizadas nos mosteiros e nas igrejas. As bibliotecas localizavam-se nos mosteiros.
  • 15. Os monges desbravavam terrenos,dedicavam-se aos trabalhos do campo, distribuiam pequenas parcelas dos seus domínios por colonos, a quem ensinavam novas técnicas agrícolas.
  • 16. Prestavam assistência às populações.
  • 17.  
  • 18. Ordens Religiosas Militares Comunidades de cavaleiros unidos por um modo de vida religioso, semelhante ao dos monges, que lutavam pelas causas da cristandade contra os muçulmanos.
  • 19. Cristo, simbolizando a Igreja, entrega a espada da justiça a um cavaleiro cruzado. Esses cruzados eram portadores de armas benzidas pelo clero. Eram vistos como cavaleiros puros e espirituais ao serviço de Cristo e da cristandade. Participavam nas CRUZADAS. Cruzados
  • 20. REFORÇO DO PRESTÍGIO E DA INDEPENDÊNCIA DA IGREJA: SÉCULO XI O PAPA GREGÓRIO VII
  • 21. Procurou libertar a igreja do domínio dos reis e dos grandes senhores. Fez com que a nomeação dos bispos e abades se tornassem competência exclusiva da igreja. Os reis devem submeter-se à autoridade da igreja. Autoridade Suprema Da Cristandade
  • 22. Exército Próprio Nobreza Aplicação da Justiça
  • 25.
  • 26. O espírito de cavalaria animou os nobres a participar nas cruzadas à Terra Santa para expulsar os muçulmanos dos lugares santos. Cruzados Atacando os Muçulmanos em Jerusalém,
  • 27. ou Torneios e Justas : Os senhores faziam Guerras Privadas
  • 28. Para evitar a frequência dessas guerras instituiu-se a - Paz de Deus – proibição de atacar pessoas indefesas e as - Tréguas de Deus – proibição de fazer guerra em determinados períodos do calendário litúrgico. S. Luís Salvando uma Sarracena e o Filho
  • 29. Banquetes Jogos Músicos e Jograis Caça
  • 30. Ondas do mar de Vigo, Se viste meu amigo! E ai, deus, se verrá cedo! Ondas do mar levado, Se viste meu amado! E ai, deus, se verrá cedo! Se viste meu amigo, O por que eu sospiro! E ai, deus, se verrá cedo! Se viste meu amado, O por que ei gran cuidado! E ai, deus, se verrá cedo!
  • 31. Povo As pessoas do povo, em frança, bebem apenas água e comem maçãs com pão escuro de centeio. Não comem carne, salvo algumas vezes, um pouco de toucinho ou as tripas e a cabeça dos animais que matam para os nobres (...)
  • 32. Trabalhos Agrícolas Guardar cereais Tratar dos animais Tratar dos campos
  • 33. SAIO GREVAS Os Camponeses e Sua Habitação PLANTA DE UMA CASA DE CAMPONÊS 1 – Banco-arca 2 – Armário 3 – Leito fechado 4 – Arca 5 – Lareira 6 – Banco 7 – Mesa arca
  • 34. Camponeses dançando numa romaria Músicos populares
  • 35. Contrato De vassalagem HOMENAGEM JURAMENTO INVESTIDURA
  • 36. SUSERANO VASSALO PROTECÇÃO FEUDO AUXÍLIO CONSELHO