SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
Potencialidades do litoral
OS RECURSOS NATURAIS DE QUE A POPULAÇÃO DISPÕE:
USOS, LIMITES E POTENCIALIDADES.
As potencialidades do litoral
Fig. Distribuição da população mundial e importância das áreas litorais
• Atualmente, uma elevada percentagem da
população mundial vive em áreas litorais.
• Estima-se que 75% da população mundial, em
2100, habite nestas áreas.
O
LITORAL
As potencialidades do litoral
Fig. LisboaFig. Praia dos Pescadores -Espinho
• a sua diversidade e riqueza
ecológica;
• a fertilidade dos solos;
• o clima ameno;
• e a facilidade ao nível das
comunicações.
Fig. Póvoa de Varzim
 As elevadas concentrações
demográficas verificadas nas
áreas litorais devem-se a vários
fatores, dos quais se destacam:
As potencialidades do litoral
 Em Portugal, é também na proximidade da zona litoral que vive a
maior parte da população e é aí que têm vindo a concentrar-se os
maiores aglomerados urbanos e muitas atividades económicas,
nomeadamente piscatórias, portuárias e turísticas.
• Quando falamos em litoral, não existe um consenso quanto aos seus
limites, no entanto existem várias definições de área litoral que
depende dos critérios utilizados.
As potencialidades do litoral
 Em Portugal, as áreas litorais são caracterizadas, na recente
Estratégia Nacional para a Gestão Integrada da Zona Costeira, da
seguinte forma:
As potencialidades do litoral
Fig. Conceito de zona costeira (limites)
 As áreas litorais são complexas e a sua ocupação deve ser
condicionada, de forma a promover o equilíbrio natural.
• A nossa costa tem estado sujeita a
variadas formas de intervenção
humana e a alterações naturais.
• De todas as alterações naturais
destaca-se a erosão marinha,
responsável pelos processos de
desgaste, transporte e
acumulação de materiais ao longo
do litoral.
As potencialidades do litoral
• uma das mais extensas da
União Europeia, com um
comprimento da ordem dos
2586 km.
• apresenta um contorno
praticamente retilíneo, embora a
sua constituição geológica e a ação
erosiva do mar sejam responsáveis
por algumas das suas formas
particulares.
• Em algumas áreas, a costa
portuguesa apresenta-se, alta e
rochosa e, noutras, baixa e
arenosa.
Fig. Características da linha de costa em
Portugal continental
A COSTA PORTUGUESA
FIG. Costa alta e rochosa – Magoito, Sintra
Fig. Costa baixa e arenosa – Praia do
Guincho, Cascais
As potencialidades do litoral
Fig. Evolução de uma costa de arriba
 Os litorais
rochosos:
• Nos litorais rochosos encontramos as
arribas, formas de relevo altas de paredes
quase verticais.
• Quando uma arriba está em contato direto com o mar, a ação
erosiva do mar provoca o recuo progressivo da arriba.
As potencialidades do litoral
Fig. Arriba viva – Azenhas do Mar, Sintra Fig. Arriba morta (fóssil) – Praia da Falésia,
Algarve
• Aos poucos o mar deixa de exercer essa ação na parte inferior da
vertente, transformando as arribas vivas em arribas mortas (ou
fósseis).
As potencialidades do litoral
Fig. Costa baixa e arenosa – Praia de Melides, Alentejo.
 Os litorais
arenosos:
• Os litorais arenosos, de costa baixa,
ocupam 37,5% da costa continental. A
origem dos sedimentos é diversa, podendo
resultar da desagregação das arribas ou
do transporte fluvial.
 A construção de
barragens ao longo dos
anos conduziu à
crescente retenção de
sedimentos, levando ao
estreitamento
progressivo das
acumulações de areia ao
longo da costa.
Fig. Barragem de Castelo de Bode
As potencialidades do litoral
Fig. Paliçadas – Praia do Guincho, Cascais
Fig. Campos de Masseira – Póvoa de Varzim
 O Homem ao longo dos anos
tem alterado estas áreas
transformando-as em campos
agrícolas, por exemplos as
masseiras, ou em áreas
urbanas.
 Como forma de diminuir os
efeitos do estreitamento
progressivo das praias têm-se
realizado intervenções ao nível
da cobertura vegetal e da
construção de paliçadas ao
longo das zonas dunares.
As potencialidades do litoral
Fig. Localização dos estuários do
Tejo e do SadoFig. Lisboa e o rio Tejo.
Os Estuários e os Deltas
• Os estuários e os deltas
localizam-se na foz dos cursos de
água.
• Na costa portuguesa destacam-se
os estuários Tejo e do Sado pela
sua dimensão e pela importância
ecológica que possuem.
As potencialidades do litoral
Fig. Localização das rias de Aveiro e
Formosa
Fig. “Ria” Formosa – Faro.
As costas lagunares
• As lagunas são constituídas por
zonas húmidas, isoladas do mar por
cordões litorais ou por restingas.
• Na costa portuguesa destacam-se
a “ria” de Aveiro, ou haff-delta de
Aveiro e a “ria” Formosa ou a “ria
de Faro”.
As potencialidades do litoral
Fig. Localização dos cabos, do tômbolo
de Peniche e da Concha de São
MartinhoFig. S. Martinho do Porto.
Outros elementos
morfológicos do litoral
Fig. Tômbolo de Peniche
 Ao longo da costa continental,
podemos ainda encontrar vários
cabos e outros acidentes do litoral
significativos como, por exemplo, o
tômbolo de Peniche e a Concha
de São Martinho do Porto.
As potencialidades do litoral
Fig. Principais portos de pesca portugueses.
Principais portos de pesca:
 Na costa
portuguesa, os
acidentes do
litoral foram
aproveitados para
a localização dos
portos de pesca e
dos portos
comerciais.
Fig. Porto de pesca da Póvoa de Varzim
Fig. Porto de Leixões
 A plataforma
continental, o talude e
a planície abissal
fazem parte de um
conjunto de unidades da
estrutura das áreas
litorais.
As potencialidades do litoral
Fig. Perfil transversal de uma margem continental
Os recursos piscatórios
 As melhores condições para a abundância e diversidade de
recursos piscícolas encontram-se na plataforma continental e nas
zonas de encontro das correntes marítimas.
As potencialidades do litoral
Fig. Plataforma continental
A plataforma continental
 A plataforma continental
portuguesa é estreita e
raramente ultrapassa os 60 km de
largura. Nas regiões autónomas é
praticamente inexistente.
 É na plataforma continental
que encontramos a maior
riqueza de recursos piscícolas,
devido à conjugação de diversos
fatores, dos quais se destacam:
• a riqueza de nutrientes;
• a reduzida profundidade das
águas;
• os elevados teores de oxigénio;
• o baixo teor de sal.
As potencialidades do litoral
As correntes marítimas
Fig. Correntes marítimas de superfície
As correntes marítimas permitem a renovação das águas e dos
nutrientes, aumentando a variedade e espécies marinhas.
As potencialidades do litoral
 A riqueza piscícola de Portugal deve-se à sua localização
geográfica, pois localiza-se numa área de encontro entre várias
massas de água com diferentes proveniências, das quais se
destacam:
• as águas profundas do oceano Atlântico Norte;
• as águas de origem mediterrânica;
• as águas do Atlântico Nordeste.
As potencialidades do litoral
Fig. Upwelling
 O fenómeno de
“upwelling” provoca uma
maior agitação e oxigenação
das águas, a diminuição da
temperatura e faz ainda
ascender à superfície
grandes quantidades de
nutrientes, o que contribui
para que sejam atraídos à
nossa costa várias espécies,
nomeadamente a sardinha e
o carapau.
FIM DA
APRESENTAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Ilda Bicacro
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoAntonino Miguel
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosRaffaella Ergün
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoOxana Marian
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoCarla Teixeira
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícolaMaria Adelaide
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Miguel Sargento
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)Andreia Pacheco
 
Política Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºanoPolítica Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºanoIdalina Leite
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Ilda Bicacro
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsoloOs problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsoloIlda Bicacro
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasRaffaella Ergün
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoDavide Ferreira
 
Pp a pesca em portugal
Pp a pesca em portugalPp a pesca em portugal
Pp a pesca em portugalmariasilva3851
 
A intervenção no poder local
A intervenção no poder localA intervenção no poder local
A intervenção no poder localKarina Bastos
 

Mais procurados (20)

Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícola
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Política Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºanoPolítica Comum das Pescas-10ºano
Política Comum das Pescas-10ºano
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsoloOs problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
 
A Pesca
A PescaA Pesca
A Pesca
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
Produção agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- AlentejoProdução agrícola nacional- Alentejo
Produção agrícola nacional- Alentejo
 
Pp a pesca em portugal
Pp a pesca em portugalPp a pesca em portugal
Pp a pesca em portugal
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
A intervenção no poder local
A intervenção no poder localA intervenção no poder local
A intervenção no poder local
 

Semelhante a Potencialidades do litoral português: recursos naturais e usos

Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralmariasilva3851
 
Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralmariasilva3851
 
Trabalho acabado definitivamente acabado
Trabalho acabado definitivamente acabadoTrabalho acabado definitivamente acabado
Trabalho acabado definitivamente acabadoLiliana Guerreiro
 
Costa portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evoluçãoCosta portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evoluçãoIdalina Leite
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2manjosp
 
6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correçãoCliaLouro2
 
Ap carina e joanas
Ap carina e joanasAp carina e joanas
Ap carina e joanasjpeuromat
 
Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...
Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...
Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...CIDAADS
 
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte3
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte3Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte3
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte3Antonio Pessoa
 
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)Matheus Do Nascimento
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricasacbaptista
 
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
SituacoesmeteorologicastipicasdeportugalSituacoesmeteorologicastipicasdeportugal
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugaljeldomingues
 
Rios portugueses, da nascente à foz_3
Rios portugueses, da nascente à foz_3Rios portugueses, da nascente à foz_3
Rios portugueses, da nascente à foz_3Idalina Leite
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualIdalina Leite
 

Semelhante a Potencialidades do litoral português: recursos naturais e usos (20)

Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoral
 
Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoral
 
Trabalho acabado definitivamente acabado
Trabalho acabado definitivamente acabadoTrabalho acabado definitivamente acabado
Trabalho acabado definitivamente acabado
 
Costa portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evoluçãoCosta portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evolução
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
 
6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção
 
Costa portuguesa
Costa portuguesaCosta portuguesa
Costa portuguesa
 
Ap carina e joanas
Ap carina e joanasAp carina e joanas
Ap carina e joanas
 
Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...
Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...
Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...
 
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte3
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte3Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte3
Aula dominios morfoclimaticos_do_brasil_16-05-2012_parte3
 
Conguefu
ConguefuConguefu
Conguefu
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
 
Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
 
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
Ecossistema costeiro (apresentação e slides)
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
 
ORDENAMENTO DO LITORAL
ORDENAMENTO DO LITORAL  ORDENAMENTO DO LITORAL
ORDENAMENTO DO LITORAL
 
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
SituacoesmeteorologicastipicasdeportugalSituacoesmeteorologicastipicasdeportugal
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
 
Rios portugueses, da nascente à foz_3
Rios portugueses, da nascente à foz_3Rios portugueses, da nascente à foz_3
Rios portugueses, da nascente à foz_3
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
 

Mais de Catarina Castro

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos Catarina Castro
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettCatarina Castro
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeCatarina Castro
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Catarina Castro
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalCatarina Castro
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais Catarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iCatarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralCatarina Castro
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarCatarina Castro
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solarCatarina Castro
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloCatarina Castro
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaCatarina Castro
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosCatarina Castro
 

Mais de Catarina Castro (20)

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar i
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geral
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solar
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
 

Último

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 

Último (20)

ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 

Potencialidades do litoral português: recursos naturais e usos

  • 1. Potencialidades do litoral OS RECURSOS NATURAIS DE QUE A POPULAÇÃO DISPÕE: USOS, LIMITES E POTENCIALIDADES.
  • 2. As potencialidades do litoral Fig. Distribuição da população mundial e importância das áreas litorais • Atualmente, uma elevada percentagem da população mundial vive em áreas litorais. • Estima-se que 75% da população mundial, em 2100, habite nestas áreas. O LITORAL
  • 3. As potencialidades do litoral Fig. LisboaFig. Praia dos Pescadores -Espinho • a sua diversidade e riqueza ecológica; • a fertilidade dos solos; • o clima ameno; • e a facilidade ao nível das comunicações. Fig. Póvoa de Varzim  As elevadas concentrações demográficas verificadas nas áreas litorais devem-se a vários fatores, dos quais se destacam:
  • 4. As potencialidades do litoral  Em Portugal, é também na proximidade da zona litoral que vive a maior parte da população e é aí que têm vindo a concentrar-se os maiores aglomerados urbanos e muitas atividades económicas, nomeadamente piscatórias, portuárias e turísticas. • Quando falamos em litoral, não existe um consenso quanto aos seus limites, no entanto existem várias definições de área litoral que depende dos critérios utilizados.
  • 5. As potencialidades do litoral  Em Portugal, as áreas litorais são caracterizadas, na recente Estratégia Nacional para a Gestão Integrada da Zona Costeira, da seguinte forma:
  • 6. As potencialidades do litoral Fig. Conceito de zona costeira (limites)  As áreas litorais são complexas e a sua ocupação deve ser condicionada, de forma a promover o equilíbrio natural.
  • 7. • A nossa costa tem estado sujeita a variadas formas de intervenção humana e a alterações naturais. • De todas as alterações naturais destaca-se a erosão marinha, responsável pelos processos de desgaste, transporte e acumulação de materiais ao longo do litoral. As potencialidades do litoral • uma das mais extensas da União Europeia, com um comprimento da ordem dos 2586 km. • apresenta um contorno praticamente retilíneo, embora a sua constituição geológica e a ação erosiva do mar sejam responsáveis por algumas das suas formas particulares. • Em algumas áreas, a costa portuguesa apresenta-se, alta e rochosa e, noutras, baixa e arenosa. Fig. Características da linha de costa em Portugal continental A COSTA PORTUGUESA FIG. Costa alta e rochosa – Magoito, Sintra Fig. Costa baixa e arenosa – Praia do Guincho, Cascais
  • 8. As potencialidades do litoral Fig. Evolução de uma costa de arriba  Os litorais rochosos: • Nos litorais rochosos encontramos as arribas, formas de relevo altas de paredes quase verticais. • Quando uma arriba está em contato direto com o mar, a ação erosiva do mar provoca o recuo progressivo da arriba.
  • 9. As potencialidades do litoral Fig. Arriba viva – Azenhas do Mar, Sintra Fig. Arriba morta (fóssil) – Praia da Falésia, Algarve • Aos poucos o mar deixa de exercer essa ação na parte inferior da vertente, transformando as arribas vivas em arribas mortas (ou fósseis).
  • 10. As potencialidades do litoral Fig. Costa baixa e arenosa – Praia de Melides, Alentejo.  Os litorais arenosos: • Os litorais arenosos, de costa baixa, ocupam 37,5% da costa continental. A origem dos sedimentos é diversa, podendo resultar da desagregação das arribas ou do transporte fluvial.  A construção de barragens ao longo dos anos conduziu à crescente retenção de sedimentos, levando ao estreitamento progressivo das acumulações de areia ao longo da costa. Fig. Barragem de Castelo de Bode
  • 11. As potencialidades do litoral Fig. Paliçadas – Praia do Guincho, Cascais Fig. Campos de Masseira – Póvoa de Varzim  O Homem ao longo dos anos tem alterado estas áreas transformando-as em campos agrícolas, por exemplos as masseiras, ou em áreas urbanas.  Como forma de diminuir os efeitos do estreitamento progressivo das praias têm-se realizado intervenções ao nível da cobertura vegetal e da construção de paliçadas ao longo das zonas dunares.
  • 12. As potencialidades do litoral Fig. Localização dos estuários do Tejo e do SadoFig. Lisboa e o rio Tejo. Os Estuários e os Deltas • Os estuários e os deltas localizam-se na foz dos cursos de água. • Na costa portuguesa destacam-se os estuários Tejo e do Sado pela sua dimensão e pela importância ecológica que possuem.
  • 13. As potencialidades do litoral Fig. Localização das rias de Aveiro e Formosa Fig. “Ria” Formosa – Faro. As costas lagunares • As lagunas são constituídas por zonas húmidas, isoladas do mar por cordões litorais ou por restingas. • Na costa portuguesa destacam-se a “ria” de Aveiro, ou haff-delta de Aveiro e a “ria” Formosa ou a “ria de Faro”.
  • 14. As potencialidades do litoral Fig. Localização dos cabos, do tômbolo de Peniche e da Concha de São MartinhoFig. S. Martinho do Porto. Outros elementos morfológicos do litoral Fig. Tômbolo de Peniche  Ao longo da costa continental, podemos ainda encontrar vários cabos e outros acidentes do litoral significativos como, por exemplo, o tômbolo de Peniche e a Concha de São Martinho do Porto.
  • 15. As potencialidades do litoral Fig. Principais portos de pesca portugueses. Principais portos de pesca:  Na costa portuguesa, os acidentes do litoral foram aproveitados para a localização dos portos de pesca e dos portos comerciais. Fig. Porto de pesca da Póvoa de Varzim Fig. Porto de Leixões
  • 16.  A plataforma continental, o talude e a planície abissal fazem parte de um conjunto de unidades da estrutura das áreas litorais. As potencialidades do litoral Fig. Perfil transversal de uma margem continental Os recursos piscatórios  As melhores condições para a abundância e diversidade de recursos piscícolas encontram-se na plataforma continental e nas zonas de encontro das correntes marítimas.
  • 17. As potencialidades do litoral Fig. Plataforma continental A plataforma continental  A plataforma continental portuguesa é estreita e raramente ultrapassa os 60 km de largura. Nas regiões autónomas é praticamente inexistente.  É na plataforma continental que encontramos a maior riqueza de recursos piscícolas, devido à conjugação de diversos fatores, dos quais se destacam: • a riqueza de nutrientes; • a reduzida profundidade das águas; • os elevados teores de oxigénio; • o baixo teor de sal.
  • 18. As potencialidades do litoral As correntes marítimas Fig. Correntes marítimas de superfície As correntes marítimas permitem a renovação das águas e dos nutrientes, aumentando a variedade e espécies marinhas.
  • 19. As potencialidades do litoral  A riqueza piscícola de Portugal deve-se à sua localização geográfica, pois localiza-se numa área de encontro entre várias massas de água com diferentes proveniências, das quais se destacam: • as águas profundas do oceano Atlântico Norte; • as águas de origem mediterrânica; • as águas do Atlântico Nordeste.
  • 20. As potencialidades do litoral Fig. Upwelling  O fenómeno de “upwelling” provoca uma maior agitação e oxigenação das águas, a diminuição da temperatura e faz ainda ascender à superfície grandes quantidades de nutrientes, o que contribui para que sejam atraídos à nossa costa várias espécies, nomeadamente a sardinha e o carapau.