SlideShare uma empresa Scribd logo
Portugal no contexto europeu
do Séc. XII a XIV
Carlos Jorge Canto Vieira
Introdução
   Trabalho realizado em sala de aula pelos alunos do 7º ano,
    turma 2, da Escola Básica 2,3 Roque Gameiro, Amadora;

   Ano lectivo 2011/2012;

   O manual utilizado para a realização do
trabalho foi o “História 7” da Texto Editora.




                                                                 2
O DINAMISMO DO MUNDO RURAL NOS
                    SÉC. XII E XIII
     FÁBIO FERREIRA, MARIANA VIDREIRO, MARIANA CHARUTO

                                                         3
O crescimento demográfico
    Entre os séc. XI e XIII a população europeia foi
    crescendo com o contributo:
       Do ambiente de relativa paz;
       Do aperfeiçoamento dos transportes e da agricultura
       Isso contribuiu para que se registasse um grande
        aumento da natalidade e diminuição da mortalidade, o
        que originou o crescimento da população.




                                                               4
A ocupação dos novos espaços
   Os reis, os grandes senhores (laicos e eclesiásticos) e as
    ordens religiosas tomaram por a iniciativa de ocupar novos
    espaços:
       Iniciou-se assim o movimento das arroteias que consistia nos
        desbravamento das florestas e dos terrenos incultos e na secagem
        dos pântanos.




                                                                           5
A ocupação dos novos espaços
   Em Portugal a ordem religiosa que mais se destacou
    foi a ordem de Cister:
       À volta das terras arroteadas e cultivadas surgiram novas
        aldeias como consequência do crescimento demográfico
        que se verificava na época;
       Essas aldeias tinham o nome de vilas novas.




                                                                    6
A ocupação dos novos espaços
   A conquista de novos espaços por toda a Europa provocou
    mobilidade na população o que deu lugar a um alargamento
    dos espaços habitados.
   Em Portugal a Reconquista Cristã atraiu alguns guerreiros do
    norte da Europa que acabaram por se fixar no nosso país.




                                                                   7
OS PROGRESSOS TÉCNICOS NA
              AGRICULTURA E TRANSPORTES
ANDRÉ LUZIA, BEATRIZ PINTO, DUARTE NASCIMENTO, FRANCISCO LOPES

                                                                 8
IMPORTÂNCIA DAS FEIRAS
CATARINA OLIVEIRA, FRANCISCO TORRES, JOÃO SERRANO

                                                    9
SENHORES, CONCELHOS E PODER RÉGIO
         PEDRO ESTEVES, PATRÍCIA CORREIA, JOANA FERNANDES


                                                            10
Senhorios laicos e eclesiásticos nos
séc. XII e XIII
   Portugal
       a sociedade continuava a ser
        tripartida.


   Durante a reconquista cristã
       os reis doavam terras ao clero e à
        nobreza para os recompensar
        pelos serviços prestados e para
        garantir a sua ocupação e defesa.

                                             11
Senhorios laicos e eclesiásticos nos
séc. XII e XIII
   Senhorios ou domínios senhoriais
       terras doadas pelo rei ao clero e à nobreza:
         Laicos- se fossem dadas aos nobres.

         Eclesiásticos- se fossem dadas ao clero

            - estes situavam-se principalmente no norte




                                                          12
Senhorios laicos e eclesiásticos nos
séc. XII e XIII
   Grandes Senhores
       Não pagavam impostos ao rei;
       Impediam a entrada de funcionários régios nos seus
        domínios;
       Exerciam a justiça sobre os seus camponeses;
       Cobravam-lhes impostos;
       Os senhores do clero gozavam ainda do direito de leis
        próprias e de asilo;



                                                           13
A Organização Concelhia
   Reconquista Cristã
       os reis e os senhores promoviam o
        povoamento          dos         territórios
        reconquistados, através da carta de foral;
           Carta de Foral- é um documento que
            estabelece os impostos e os direitos dos
            habitantes do concelho.




                                                       14
A Organização Concelhia
   Concelho
       é um território autónomo com
        várias regalias concedidas aos
        moradores.




                                         15
A Organização Concelhia
   Poder do Concelho
       Assembleia de notáveis ou homens bons
           Elegia os diversos magistrados
           Os homens bons por serem ricos para combaterem a
            cavalo e habitarem na vila, designavam-se cavaleiros
            vilãos (os que combatiam a pé designavam-se de peões).




                                                                16
A Organização Concelhia
   Vilãos
       Habitantes do concelho
       em tempo de paz dedicavam-se à agricultura, ao
        comércio e às atividades artesanais




                                                     17
A Organização Concelhia
   Poder real no concelho
       representado pelo alcaide e pelos juízes de fora
        (nomeados pelo monarca).




                                                       18
O PODER RÉGIO
CATARINA VALENTE, GONÇALO PALMEIRA E LUÍS TOSTE

                                                  19
Os órgãos do poder
   Após a reconquista cristã ,o rei não abdica de
    alguns direitos como:
       cunhagem de moedas;
       chefia dos exércitos;
       justiça suprema.

       Devido às lutas contra os muçulmanos concentravam-se
        esforços à união em torno do monarca.


                                                               20
Os órgãos do poder
   Rei
        governava e exercia justiça com
        ajuda de um pequeno grupo de
        funcionários e alguns conselheiros
        (cúria régia).


   Cúria régia
       assembleia consultiva composta por
        membros da família real e membros
        da Alta Nobreza e Alto Clero.

                                             21
22
Fortalecimento do poder real
   Rei
         Evita e pune os abusos dos nobres e clérigos impondo a sua
          autoridade.


   Coroa
         pretende reintegrar os seus bens subtraídos de forma ilícita.
              Confirmações
                   São acompanhadas por inquirições
                   Tem finalidade de recuperar os bens da coroa.
                   contribuíram para o fortalecimento do poder real
              Leis da Desamortização
                   Proíbem os clérigos de adquirirem propriedades.
                                                                          23
                   têm o objetivo de reduzir o poder do clero.
LISBOA NOS CIRCUITOS DO COMÉRCIO
                         EUROPEU
             ALDA TEIXEIRA, LUIS KING, RAFAEL RAMIRES

                                                        24
Comércio Europeu nos séc. XIII e XIV
   Zonas de comércio:
    -   Inglaterra
    -   França
    -   Vale do Reno
    -   Flandres
    -   Norte de Itália


   O desenvolvimento do comércio internacional
    reativou a circulação monetária.
                                                  25
Comércio Europeu nos séc. XIII e XIV
   Rotas comerciais:
       Mediterrânico
           serve de ligação entre o oriente e o ocidente, realizam-se trocas
            de materiais como especiarias, perfumes, etc. (em troca de
            ouro, prata e armas).



       Atlântico
            permite a distribuição de produtos do mediterrâneo
        e orientais pelo norte da Europa.


                                                                            26
Comércio Europeu nos séc. XIII e XIV

     Por Terra
         as principais rotas ligavam a Itália, a Flandres e a região de
          champagne e Alemanha;


     Principais Rios Europeus
         Eram importantes vias de comércio.




                                                                           27
O Incremento do comércio externo
Português
   Portugal, assumiu desde início um papel importante da
    ligação dos principais pontos de comércio.
   O país não permaneceu isolado, e nos finais do séc. XIII
    existiam numerosos mercadores estrangeiros em Lisboa.
   Os portugueses estabeleceram uma feitoria que manteve a
    sua atividade até ao séc. XVI.




                                                               28
Exportações e Importações - Portuguesas
   Exportações:
       Principais destinos: Norte de África, Norte da
        Europa e Itália.
           Sal, azeite, vinho, frutos secos e cortiça.




                                                          29
Exportações e Importações - Portuguesas
   Importações:
       Em troca importávamos:
           Cereais, especiarias, madeiras, ferro, armas e artigos
            de luxo.




                                                                     30
A CULTURA
ANA MARGARIDA MATALOTO, BEATRIZ OLIVEIRA, AFONSO ROCHA

                                                         31
Cultura Monástica
   Séc. XII;
       Mosteiros- importantes centros de cultura e de saber;
       Escolas monásticas- preparação dos futuros clérigos;
       Bibliotecas- local onde eram guardados alguns
        manuscritos antigos (scriptorium);
       Escolas urbanas- escolas eclesiásticas e episcopais que
        funcionavam nas sés ou catedrais;
       Surgem novos centros monásticos:
           Santa Cruz de Coimbra;
           Alcobaça.

                                                                  32
Cultura Monástica
   Surgem novos centros episcopais:
       Lisboa,
       Braga,
       Coimbra.




                                       33
Cultura Cortesã
   Renovação cultural
       Séc. XII
       Local de convívio e festa
       Poesia trovadoresca:
         Primeira manifestação literária portuguesa;
         Cantigas de amor;
         Cantigas de amigo;
         Cantigas de escárnio e maldizer;



                                                        34
Cultura Cortesã
   Outras formas literárias:
       Anais
       Crónicas
       Livros de linhagem
       Romances de cavalaria




                                35
Cultura popular
   Povo maioritariamente analfabeto
       Festejavam uma cultura própria;
       Consequências:
           vivencia do quotidiano
           pregações religiosas
           Tradições
           Contos
           lendas

     transmitida oralmente


                                          36
Cultura popular
 Local:
    –   Festas;
    –   Feiras;
    –   Romarias;
    –   Bailes.


 Malabaristas, feirantes, contadores de histórias, músicos
de rua e jograis conviviam:
    –Na corte;
    –Nos palácios;
    –Nas praças públicas.

                                                          37
RELIGIÃO
CATARINA AMARO, DIOGO SÁ, JOÃO ALMEIDA


                                         38
Religião
   Clero ganha prestígio e aumenta os lucros  melhoria da
    forma de vida .
   Ordens de Cluny e Cister
       tornam-se ricas e poderosas .
       Novas práticas
           defendiam
               Humildade
               pureza
               simplicidade
           surgem duas novas ordens
               Ordem dos Franciscanos .
               Ordem dos Dominicanos .
                                                              39
Religião ( continuação )
   Essa ordens
       não viviam isolados nos mosteiros rurais
       escolhiam as cidades para o desenvolvimento da ação de pregação
       proibiam o Clero de possuir bens  os seus membros eram
        conhecidos por frades mendicantes .
       foram responsáveis pela difusão do ensino em centros urbanos
       fundaram conventos nas principais cidades do reino (masculinos e
        femininos) .




                                                                           40
                                                       Frade Mendicante
Universidades
   O ensino torna-se insuficiente .
   Primeiras Universidades
       Estudos gerais.
           Surgem em Bolonha (1088) e em Paris (1158) .
           Base  Latim;
           Primeiro Nível  obrigatório  Letras
                                          Ciências
                                          Direito
           Segundo Nível  facultativo  Medicina
                                         Teologia
                                                      Universidade de Bolonha

                                                                        41
Universidades ( continuação )
    Em Portugal
         D. Dinis apoia a criação de uma futura universidade;
         1290
              Papa Nicolau IV  aprova o início da atividade letiva .




                 Coimbra                               Papa Nicolau IV   42
    Primeira Universidade Portuguesa .

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Vítor Santos
 
Londres centro da economia mundo
Londres   centro da economia mundoLondres   centro da economia mundo
Londres centro da economia mundo
EconomicSintese
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
Carina Vale
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
cattonia
 
Reinvenção das formas artísticas
Reinvenção das formas artísticasReinvenção das formas artísticas
Reinvenção das formas artísticas
cattonia
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
Susana Simões
 
Revolução Agrícola
Revolução AgrícolaRevolução Agrícola
Revolução Agrícola
Carlos Vieira
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
Maria Gomes
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
Vítor Santos
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Cátia Botelho
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
cattonia
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
O reinado de D.João V
O reinado de D.João VO reinado de D.João V
O reinado de D.João V
anabelasilvasobral
 
Geografia rh perguntas
Geografia rh perguntasGeografia rh perguntas
Geografia rh perguntas
Carlos Ferreira
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
Carla Teixeira
 

Mais procurados (20)

Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Londres centro da economia mundo
Londres   centro da economia mundoLondres   centro da economia mundo
Londres centro da economia mundo
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
Reconquista Cristã
Reconquista CristãReconquista Cristã
Reconquista Cristã
 
Reinvenção das formas artísticas
Reinvenção das formas artísticasReinvenção das formas artísticas
Reinvenção das formas artísticas
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
A sociedade medieval
A sociedade medievalA sociedade medieval
A sociedade medieval
 
Revolução Agrícola
Revolução AgrícolaRevolução Agrícola
Revolução Agrícola
 
Domínio senhorial
Domínio senhorialDomínio senhorial
Domínio senhorial
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
O reinado de D.João V
O reinado de D.João VO reinado de D.João V
O reinado de D.João V
 
Geografia rh perguntas
Geografia rh perguntasGeografia rh perguntas
Geografia rh perguntas
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
 

Semelhante a Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV

Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Carlos Vieira
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
José Fernando Rodrigues
 
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Catarina Castro
 
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completoPortugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
capell18
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
NTTL98
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Ana Pereira
 
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
osemprefixe
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
Anabela Sobral
 
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
Edna Calderaro
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
Kerol Brombal
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
BeatrizMarques25
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
Ana Barreiros
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
Carina Vale
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
CEF Arapoanga
 
A sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos sécA sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos séc
Escoladocs
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Laboratório de História
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
andrecarlosocosta
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 

Semelhante a Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV (20)

Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
 
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIVSociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
Sociedade Portuguesa dos séculos XIII e XIV
 
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completoPortugal no século xiii   ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
Portugal no século xiii ambiente natural e os grupos sociais - muito completo
 
A sociedade europeia
A sociedade europeiaA sociedade europeia
A sociedade europeia
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
 
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
 
Quotidiano na idade média
Quotidiano na idade médiaQuotidiano na idade média
Quotidiano na idade média
 
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
7º ano - HISTÓRIA 1 - Slides. smileleiva
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média3˚ano 6 a 8 a alta idade média
3˚ano 6 a 8 a alta idade média
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
A sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos sécA sociedade senhorial nos séc
A sociedade senhorial nos séc
 
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
Guia de estudo n.º3 A Europa nos séculos XIII e XIV 1516
 
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
Ceep resumo2ªfeudal brasilcolônia2011
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 

Mais de Carlos Vieira

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Carlos Vieira
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Carlos Vieira
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
Carlos Vieira
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
Carlos Vieira
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
Carlos Vieira
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
Carlos Vieira
 
Danton
DantonDanton
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Carlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Carlos Vieira
 

Mais de Carlos Vieira (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 

Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV

  • 1. Portugal no contexto europeu do Séc. XII a XIV Carlos Jorge Canto Vieira
  • 2. Introdução  Trabalho realizado em sala de aula pelos alunos do 7º ano, turma 2, da Escola Básica 2,3 Roque Gameiro, Amadora;  Ano lectivo 2011/2012;  O manual utilizado para a realização do trabalho foi o “História 7” da Texto Editora. 2
  • 3. O DINAMISMO DO MUNDO RURAL NOS SÉC. XII E XIII FÁBIO FERREIRA, MARIANA VIDREIRO, MARIANA CHARUTO 3
  • 4. O crescimento demográfico  Entre os séc. XI e XIII a população europeia foi crescendo com o contributo:  Do ambiente de relativa paz;  Do aperfeiçoamento dos transportes e da agricultura  Isso contribuiu para que se registasse um grande aumento da natalidade e diminuição da mortalidade, o que originou o crescimento da população. 4
  • 5. A ocupação dos novos espaços  Os reis, os grandes senhores (laicos e eclesiásticos) e as ordens religiosas tomaram por a iniciativa de ocupar novos espaços:  Iniciou-se assim o movimento das arroteias que consistia nos desbravamento das florestas e dos terrenos incultos e na secagem dos pântanos. 5
  • 6. A ocupação dos novos espaços  Em Portugal a ordem religiosa que mais se destacou foi a ordem de Cister:  À volta das terras arroteadas e cultivadas surgiram novas aldeias como consequência do crescimento demográfico que se verificava na época;  Essas aldeias tinham o nome de vilas novas. 6
  • 7. A ocupação dos novos espaços  A conquista de novos espaços por toda a Europa provocou mobilidade na população o que deu lugar a um alargamento dos espaços habitados.  Em Portugal a Reconquista Cristã atraiu alguns guerreiros do norte da Europa que acabaram por se fixar no nosso país. 7
  • 8. OS PROGRESSOS TÉCNICOS NA AGRICULTURA E TRANSPORTES ANDRÉ LUZIA, BEATRIZ PINTO, DUARTE NASCIMENTO, FRANCISCO LOPES 8
  • 9. IMPORTÂNCIA DAS FEIRAS CATARINA OLIVEIRA, FRANCISCO TORRES, JOÃO SERRANO 9
  • 10. SENHORES, CONCELHOS E PODER RÉGIO PEDRO ESTEVES, PATRÍCIA CORREIA, JOANA FERNANDES 10
  • 11. Senhorios laicos e eclesiásticos nos séc. XII e XIII  Portugal  a sociedade continuava a ser tripartida.  Durante a reconquista cristã  os reis doavam terras ao clero e à nobreza para os recompensar pelos serviços prestados e para garantir a sua ocupação e defesa. 11
  • 12. Senhorios laicos e eclesiásticos nos séc. XII e XIII  Senhorios ou domínios senhoriais  terras doadas pelo rei ao clero e à nobreza:  Laicos- se fossem dadas aos nobres.  Eclesiásticos- se fossem dadas ao clero - estes situavam-se principalmente no norte 12
  • 13. Senhorios laicos e eclesiásticos nos séc. XII e XIII  Grandes Senhores  Não pagavam impostos ao rei;  Impediam a entrada de funcionários régios nos seus domínios;  Exerciam a justiça sobre os seus camponeses;  Cobravam-lhes impostos;  Os senhores do clero gozavam ainda do direito de leis próprias e de asilo; 13
  • 14. A Organização Concelhia  Reconquista Cristã  os reis e os senhores promoviam o povoamento dos territórios reconquistados, através da carta de foral;  Carta de Foral- é um documento que estabelece os impostos e os direitos dos habitantes do concelho. 14
  • 15. A Organização Concelhia  Concelho  é um território autónomo com várias regalias concedidas aos moradores. 15
  • 16. A Organização Concelhia  Poder do Concelho  Assembleia de notáveis ou homens bons  Elegia os diversos magistrados  Os homens bons por serem ricos para combaterem a cavalo e habitarem na vila, designavam-se cavaleiros vilãos (os que combatiam a pé designavam-se de peões). 16
  • 17. A Organização Concelhia  Vilãos  Habitantes do concelho  em tempo de paz dedicavam-se à agricultura, ao comércio e às atividades artesanais 17
  • 18. A Organização Concelhia  Poder real no concelho  representado pelo alcaide e pelos juízes de fora (nomeados pelo monarca). 18
  • 19. O PODER RÉGIO CATARINA VALENTE, GONÇALO PALMEIRA E LUÍS TOSTE 19
  • 20. Os órgãos do poder  Após a reconquista cristã ,o rei não abdica de alguns direitos como:  cunhagem de moedas;  chefia dos exércitos;  justiça suprema.  Devido às lutas contra os muçulmanos concentravam-se esforços à união em torno do monarca. 20
  • 21. Os órgãos do poder  Rei  governava e exercia justiça com ajuda de um pequeno grupo de funcionários e alguns conselheiros (cúria régia).  Cúria régia  assembleia consultiva composta por membros da família real e membros da Alta Nobreza e Alto Clero. 21
  • 22. 22
  • 23. Fortalecimento do poder real  Rei  Evita e pune os abusos dos nobres e clérigos impondo a sua autoridade.  Coroa  pretende reintegrar os seus bens subtraídos de forma ilícita.  Confirmações  São acompanhadas por inquirições  Tem finalidade de recuperar os bens da coroa.  contribuíram para o fortalecimento do poder real  Leis da Desamortização  Proíbem os clérigos de adquirirem propriedades. 23  têm o objetivo de reduzir o poder do clero.
  • 24. LISBOA NOS CIRCUITOS DO COMÉRCIO EUROPEU ALDA TEIXEIRA, LUIS KING, RAFAEL RAMIRES 24
  • 25. Comércio Europeu nos séc. XIII e XIV  Zonas de comércio: - Inglaterra - França - Vale do Reno - Flandres - Norte de Itália  O desenvolvimento do comércio internacional reativou a circulação monetária. 25
  • 26. Comércio Europeu nos séc. XIII e XIV  Rotas comerciais:  Mediterrânico  serve de ligação entre o oriente e o ocidente, realizam-se trocas de materiais como especiarias, perfumes, etc. (em troca de ouro, prata e armas).  Atlântico  permite a distribuição de produtos do mediterrâneo e orientais pelo norte da Europa. 26
  • 27. Comércio Europeu nos séc. XIII e XIV  Por Terra  as principais rotas ligavam a Itália, a Flandres e a região de champagne e Alemanha;  Principais Rios Europeus  Eram importantes vias de comércio. 27
  • 28. O Incremento do comércio externo Português  Portugal, assumiu desde início um papel importante da ligação dos principais pontos de comércio.  O país não permaneceu isolado, e nos finais do séc. XIII existiam numerosos mercadores estrangeiros em Lisboa.  Os portugueses estabeleceram uma feitoria que manteve a sua atividade até ao séc. XVI. 28
  • 29. Exportações e Importações - Portuguesas  Exportações:  Principais destinos: Norte de África, Norte da Europa e Itália.  Sal, azeite, vinho, frutos secos e cortiça. 29
  • 30. Exportações e Importações - Portuguesas  Importações:  Em troca importávamos:  Cereais, especiarias, madeiras, ferro, armas e artigos de luxo. 30
  • 31. A CULTURA ANA MARGARIDA MATALOTO, BEATRIZ OLIVEIRA, AFONSO ROCHA 31
  • 32. Cultura Monástica  Séc. XII;  Mosteiros- importantes centros de cultura e de saber;  Escolas monásticas- preparação dos futuros clérigos;  Bibliotecas- local onde eram guardados alguns manuscritos antigos (scriptorium);  Escolas urbanas- escolas eclesiásticas e episcopais que funcionavam nas sés ou catedrais;  Surgem novos centros monásticos:  Santa Cruz de Coimbra;  Alcobaça. 32
  • 33. Cultura Monástica  Surgem novos centros episcopais:  Lisboa,  Braga,  Coimbra. 33
  • 34. Cultura Cortesã  Renovação cultural  Séc. XII  Local de convívio e festa  Poesia trovadoresca:  Primeira manifestação literária portuguesa;  Cantigas de amor;  Cantigas de amigo;  Cantigas de escárnio e maldizer; 34
  • 35. Cultura Cortesã  Outras formas literárias:  Anais  Crónicas  Livros de linhagem  Romances de cavalaria 35
  • 36. Cultura popular  Povo maioritariamente analfabeto  Festejavam uma cultura própria;  Consequências:  vivencia do quotidiano  pregações religiosas  Tradições  Contos  lendas  transmitida oralmente 36
  • 37. Cultura popular  Local: – Festas; – Feiras; – Romarias; – Bailes.  Malabaristas, feirantes, contadores de histórias, músicos de rua e jograis conviviam: –Na corte; –Nos palácios; –Nas praças públicas. 37
  • 38. RELIGIÃO CATARINA AMARO, DIOGO SÁ, JOÃO ALMEIDA 38
  • 39. Religião  Clero ganha prestígio e aumenta os lucros  melhoria da forma de vida .  Ordens de Cluny e Cister  tornam-se ricas e poderosas .  Novas práticas  defendiam  Humildade  pureza  simplicidade  surgem duas novas ordens  Ordem dos Franciscanos .  Ordem dos Dominicanos . 39
  • 40. Religião ( continuação )  Essa ordens  não viviam isolados nos mosteiros rurais  escolhiam as cidades para o desenvolvimento da ação de pregação  proibiam o Clero de possuir bens  os seus membros eram conhecidos por frades mendicantes .  foram responsáveis pela difusão do ensino em centros urbanos  fundaram conventos nas principais cidades do reino (masculinos e femininos) . 40 Frade Mendicante
  • 41. Universidades  O ensino torna-se insuficiente .  Primeiras Universidades  Estudos gerais.  Surgem em Bolonha (1088) e em Paris (1158) .  Base  Latim;  Primeiro Nível  obrigatório  Letras  Ciências  Direito  Segundo Nível  facultativo  Medicina Teologia Universidade de Bolonha 41
  • 42. Universidades ( continuação )  Em Portugal  D. Dinis apoia a criação de uma futura universidade;  1290  Papa Nicolau IV  aprova o início da atividade letiva . Coimbra Papa Nicolau IV 42 Primeira Universidade Portuguesa .