SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
OS RECURSOS NATURAIS DE QUE A POPULAÇÃO DISPÕE:
USOS, LIMITES E POTENCIALIDADES
Os problemas e as potencialidades no
aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 Para esta situação contribuem fatores de variada ordem:
 elevados custos de exploração, diretamente relacionados com
a difícil acessibilidade das minas;
 reduzido valor económico dos minérios.
 o impacte ambiental negativo, muito penalizador para as
empresas e com reflexos negativos no preço do produto final.
 Em Portugal, verifica-se uma relativa abundância de recursos
do subsolo. Contudo, a sua exploração tem, na maior parte dos
casos, fraca viabilidade do ponto de vista económico.
No geral, estes fatores são os grandes responsáveis pela baixa
produção nacional do setor mineiro e pela forte dependência
externa do pais relativamente a estes recursos.
CUSTOS DE EXPLORAÇÃO
• parte significativa das jazidas,
principalmente de minerais
metálicos e energéticos, localiza-
se no Interior Norte e Centro, ou
seja, em áreas onde o relevo
acidentado e a escassez de
infraestruturas viárias tornam
difícil a acessibilidade e
aumentam significativamente os
custos inerentes ao transporte e,
por consequência, os custos de
exploração.
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 A acessibilidade aos recursos constitui um dos elementos básicos
da competitividade das explorações mineiras.
 Os custos de
exploração
dependem
também do fator
mão de obra.
• Esta situação é tanto mais
grave quanto sabemos que a
grande parte das empresas
do setor tem reduzida
dimensão, fraca capacidade
económica e um atraso
tecnológico significativo, se
comparado com outros ramos
de atividade.
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 custo consideravelmente mais elevado do
que em outros países, nomeadamente na
China, onde a mão de obra é mais abundante,
mais barata e a exigência é menor em relação
a normas de higiene e segurança no trabalho.
 o que obriga a canalizar grande parte destes produtos para
o mercado externo, com os inevitáveis custos de exportação e
a perda das mais-valias que seriam obtidas através da sua
transformação em território nacional.
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 A estas condicionantes acrescem ainda:
• os baixos teores de
muitos dos nossos
minérios (com exceção do
cobre produzido nas minas
de Neves Corvo);
• bem como o fraco
desenvolvimento das
indústrias siderúrgica
e metalúrgica;
 A conjugação destes fatores acabou por provocar o encerramento
e abandono de muitas minas e o desaparecimento de muitos dos
estabelecimentos em atividade, principalmente desde a década de
80 do século passado.
Fig.Minasabandonadas
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 A quebra no número de
estabelecimentos e no
pessoal ao serviço, para
além de empobrecer o
tecido económico nacional e
reforçar as debilidades
sociais de muitas áreas do
interior do país…
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 origina situações de enorme risco
para o ambiente, uma vez que estas
“chagas ambientais” são
responsáveis pela libertação
incontrolada, para o solo, para os
cursos de água e para a
atmosfera, de substâncias
altamente prejudiciais a saúde.
Fig. Evolução do número de estabelecimentos em
atividade no setor da indústria extrativa (2003-2011)Fig. Mina de S. Domingos (mina abandonada no Alentejo)
IMPACTES AMBIENTAIS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA
 salientam-se a contaminação
dos solos e das águas
(superficiais e subterrâneas);
 a degradação da paisagem;
 e a poluição atmosférica e
sonora.
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 A indústria extrativa tem
uma série de
consequências negativas
sobre o ambiente,
principalmente nas áreas ou
regiões onde se processa a
exploração.
 A contaminação dos solos e das águas verifica-se
frequentemente no caso da exploração dos minérios metálicos…
Mina de Caulino da Quinta da Rosa em Rio Maior
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 se os resíduos da exploração não forem convenientemente
depositados, dão origem a produtos químicos, tóxicos e radioativos
que acabam por se disseminar nos solos e nos aquíferos.
 Estas provocam muitas vezes
a destruição de vastas áreas
florestais e agrícolas e ate o
desaparecimento de colinas e
montanhas, as quais acabam
por se transformar,
frequentemente, em autênticas
crateras, cheias de lixo e água
estagnada, com inevitáveis
problemas ao nível da segurança
e saúde públicas.
Fig. Danos provocados na paisagem
por uma exploração a céu aberto –
serra da Arrábida (Setúbal)
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 A degradação da paisagem acontece perante a formação de
escombreiras, em consequência da acumulação de detritos
produzidos pela extração mineira, mas sobretudo quando se verificam
explorações a céu aberto, como sucede na maior parte dos casos
com as pedreiras.
 A poluição atmosférica e a
poluição sonora resultam
sobretudo do movimento das
máquinas e dos constantes
rebentamentos de cargas
explosivas…
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 para além do barulho que
produzem, são também responsáveis
pela contaminação do ar pela
libertação de grandes quantidades de
partículas e poeiras, muitas vezes
com elevado teor químico.
Fig. Explosão numa pedreira
 identificação de
todas as situações
problemáticas, quer
no que diz respeito a
minas abandonadas
quer no que
concerne a minas
ainda em laboração;
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 Em Portugal existe uma série de minas abandonadas, áreas
degradadas e minas ativas a necessitar de reabilitação ambiental
e paisagística.
• torna-se fundamental adotar estratégias que permitam, no
futuro, minimizar as consequências negativas do setor:
• categorização
das situações de
risco, no sentido de
priorizar as
intervenções,
avançando primeiro
com as situações de
maior risco;
• monitorização
das
intervenções,
adotando uma
postura pró-ativa,
responsável e que
envolva as
populações locais.
Algumas das medidas adotadas
passaram pela:
 colocação de vedações;
 selagem ou preenchimento de poços
mineiros;
 abatimentos de antigas estruturas
subterrâneas;
 selagens de subsistências.
Fig.Minassujeitasaestudos,projetoseobras
derecuperação(2011)
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 Estão a ser desenvolvidos
trabalhos em várias áreas mineiras
abandonadas, consideradas como
prioritárias, no sentido da resolução de
algumas destas situações, quer ao
nível da recuperação ambiental de
áreas degradadas, quer ao nível da
segurança de minas abandonadas.
 por exemplo: casos de
acidentes com petroleiros,
responsáveis pelas
chamadas marés negras.
• Portugal está numa situação
particularmente vulnerável, pela
posição geográfica que ocupa,
junto a uma das principais rotas de
petroleiros a nível mundial –
ligação entre os países árabes e
os países da Europa Ocidental.
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 A distribuição e o consumo de energia têm também
impactes negativos em termos ambientais.
• Ao nível da distribuição,
colocam-se, sobretudo,
problemas de segurança no
transporte e armazenamento
dos combustíveis.
 originada pela refinação do
petróleo e produção termoelétrica,
mas também pelo consumo de energia
final de origem fóssil nos transportes,
nas indústrias, nos serviços e nas
atividades domésticas.
Fig. Emissões de poluentes da frota automóvel na Europa
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 Quanto ao consumo
de energia, os impactes
verificam-se
principalmente em
termos de poluição
atmosférica.
Estas consequências têm motivado um esforço global de contenção
das emissões de poluentes atmosféricos, em particular de CO2.
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 A queima de combustíveis fósseis constitui a principal razão
para a subida da concentração de gases responsáveis pelo aumento
do efeito de estufa.
 As consequências desse aumento são de dimensões ainda
difíceis de quantificar. Passam, no entanto, por:
 alterações no sistema climático;
 subida do nível médio das águas do mar;
 modificações profundas na produtividade agrícola;
 aparecimento de novas doenças, etc.
 Como a distribuição e o
consumo de energia no nosso
país estão predominantemente
concentrados na faixa costeira
ocidental a norte de Setúbal…
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 acaba por ser esta a zona
do território mais afetada pelos
problemas ambientais
originados pelo setor
energético.
 importa valorizar e potencializar a exploração destes
recursos endógenos, de forma sustentada, para que, através do
seu uso racional, possamos reduzir a nossa dependência em
relação a países terceiros e tornar Portugal mais competitivo no
mercado internacional.
Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
 Existem perspetivas bastante positivas na exploração e
utilização dos recursos do subsolo, quer a nível do território
continental quer na Zona Económica Exclusiva (ZEE).
 Os recursos do subsolo, sobretudo os subsetores dos minerais
de construção e das águas minerais naturais e de nascente,
constituem riquezas nacionais só parcialmente conhecidas e
exploradas.
 limitação progressiva dos
impactes ambientais
decorrentes desta atividade.
Novas perspetivas de exploração e
utilização dos recursos do subsolo
Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
 A potencialização destes recursos passa
obrigatoriamente por dois princípios fundamentais:
 aposta continua na
qualidade do produto
final;
 No setor dos recursos minerais (metálicos, para construção e
industriais), as expectativas atuais são bastante promissoras.
RECURSOS MINERAIS
 A nova Estratégia Nacional para os Recursos Geológicos
define claramente os eixos de atuação futura:
• adequação das bases do setor;
• desenvolvimento do conhecimento e valorização do potencial
nacional;
• divulgação e promoção do potencial nacional;
• sustentabilidade económica, social, ambiental e territorial.
Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
Devem ainda ser promovidos estudos no sentido de criar novas
captações e aumentar o caudal das existentes.
ÁGUAS MINERAIS
 O considerável potencial hidromineral no que diz respeito às
águas minerais naturais e de nascente, visível no elevado
número de ocorrências e na grande diversidade hidroquímica, é
um capital que pode ser rentabilizado.
 Para aumentar o contributo deste subsetor na criação de
riqueza é necessário desenvolver instrumentos que defendam
a qualidade dos recursos hídricos, garantindo a existência de
um produto de altíssima qualidade.
Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
• a valorização das unidades
termais em todas as suas
vertentes turísticas, gerando
a oferta de serviços
orientados para os cuidados
com o corpo, que se situam
na fronteira entre a medicina,
a estética, o desporto e o
lazer…
TERMALISMO
• constitui um dos exemplos de recursos endógenos a
que o nosso pais devera dar uma maior atenção.
 podem constituir-se como
polos geradores de emprego e
criadores de riqueza,
contribuindo para combater o
despovoamento, a
desertificação, a baixa
densidade populacional e o
envelhecimento da população
em muitas regiões do país.
Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
 As unidades termais podem assumir-se como destinos
alternativos aos grandes centros turísticos de massas,
proporcionando, para além de serviços específicos na área da
saúde, espaços de repouso e de reencontro com a natureza.
Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
 O atual cenário energético nacional é caracterizado por uma
forte dependência externa, com um sistema energético
fortemente dependente de fontes primárias de origem fóssil
(petróleo, gás natural e carvão) e com uma procura energética
com taxas de crescimento superiores às do crescimento do PIB.
RECURSOS ENERGÉTICOS
Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
 Empenhado na redução da dependência energética externa,
no aumento da eficiência energética e na redução das emissões de
CO2, o Governo definiu as grandes linhas estratégicas para o
setor da energia – a ENE 2020.
Fonte:www.windup.pt
Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
 A Estratégia Nacional para a Energia altera e atualiza a anterior
estratégia, definindo uma agenda para a competitividade, o
crescimento e uma diminuição da dependência energética do país,
através…
 da aposta nas energias renováveis e na promoção da eficiência
energética, garantindo a segurança do abastecimento energético e
a sustentabilidade económica e ambiental do modelo energético
nacional, contribuindo para a redução de emissões de CO2.
Fonte:www.energia2020.fc.ul.pt
Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
 O sobrecusto das energias limpas em Portugal atinge um
valor muito elevado. A mudança na paisagem, com a proliferação
do número de parques eólicos, trouxe um custo que pesa na
carteira de cada consumidor.
 O aproveitamento dos
recursos energéticos
endógenos, em especial no
que refere às energias
renováveis assume uma
importância decisiva.
 No entanto, os
investimentos realizados
nas energias renováveis
tem provocado um aceso
debate em vários quadrantes
da sociedade portuguesa.
 Os subsídios do Estado à produção renovável resultaram num
agravamento em centenas de milhares de euros que vai acabar por
se refletir na fatura elétrica de todos.
Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
 As opções energéticas de
Portugal constituem, assim, um
dos maiores desafios que o país
terá de enfrentar a médio prazo,
em prol do crescimento
económico e do
desenvolvimento.
 Para os próximos anos, a
grande dificuldade vai ser a
manutenção da aposta nas energias
renováveis (estrategicamente
correta) e a gestão dos custos
associados a esta opção.
A repartição equitativa
deste esforço é um desafio
enorme, especialmente
numa situação económica
muito difícil.
Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
FIM DA
APRESENTAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarIlda Bicacro
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimosmanjosp
 
Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºsemariajosantos
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsIlda Bicacro
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosRaffaella Ergün
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solarCatarina Castro
 
Teste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correçãoTeste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correçãoCarlos Ferreira
 
Unidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território portuguêsUnidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território portuguêsCarlos Gomes
 
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos AçoresO Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos AçoresJoana Marques
 
Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosmanjosp
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseJulianaOmendes
 
Recursos do Subsolo
Recursos do SubsoloRecursos do Subsolo
Recursos do Subsoloana pinho
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoHneves
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticosIlda Bicacro
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaIlda Bicacro
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasIlda Bicacro
 
Trabalho da industria extrativa 10º se
Trabalho da industria extrativa  10º seTrabalho da industria extrativa  10º se
Trabalho da industria extrativa 10º semariajosantos
 
Atmosfera e-a-radiacao-solar
Atmosfera e-a-radiacao-solarAtmosfera e-a-radiacao-solar
Atmosfera e-a-radiacao-solarze almeida
 

Mais procurados (20)

Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
 
Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºse
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Teste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correçãoTeste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correção
 
Unidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território portuguêsUnidades geomorfológicas do território português
Unidades geomorfológicas do território português
 
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos AçoresO Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
O Clima de Portugal e Arquipélago dos Açores
 
4 variação da temperatura em portugal
4  variação da temperatura em portugal4  variação da temperatura em portugal
4 variação da temperatura em portugal
 
Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
 
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro SínteseFrei Luís de Sousa - Quadro Síntese
Frei Luís de Sousa - Quadro Síntese
 
Recursos do Subsolo
Recursos do SubsoloRecursos do Subsolo
Recursos do Subsolo
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Trabalho da industria extrativa 10º se
Trabalho da industria extrativa  10º seTrabalho da industria extrativa  10º se
Trabalho da industria extrativa 10º se
 
Atmosfera e-a-radiacao-solar
Atmosfera e-a-radiacao-solarAtmosfera e-a-radiacao-solar
Atmosfera e-a-radiacao-solar
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
 

Semelhante a Recursos naturais: usos, limites e potencialidades

Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) lAula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) lHomero Alves de Lima
 
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicosRecursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicosMarisa Ferreira
 
Problemas subsolo 10º se
Problemas subsolo 10º seProblemas subsolo 10º se
Problemas subsolo 10º semariajosantos
 
Utilização-recursos.pptx
Utilização-recursos.pptxUtilização-recursos.pptx
Utilização-recursos.pptxSusanaMarques87
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoOxana Marian
 
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lllAula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lllHomero Alves de Lima
 
Os recursos do subsolo
Os recursos do subsoloOs recursos do subsolo
Os recursos do subsoloCatalin Danu
 
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-Rafael Duarte
 
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresIntervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresmargaridabt
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos MineraisFilipe Leal
 
5 intervenção do homem
5   intervenção do homem5   intervenção do homem
5 intervenção do homemmargaridabt
 
Revisão ii geografia
Revisão ii   geografiaRevisão ii   geografia
Revisão ii geografiaIone Rocha
 
Estudos Ambientais de Alexandre Pessoa da Silva
Estudos Ambientais de Alexandre Pessoa da SilvaEstudos Ambientais de Alexandre Pessoa da Silva
Estudos Ambientais de Alexandre Pessoa da Silvareporterdofuturo
 

Semelhante a Recursos naturais: usos, limites e potencialidades (20)

Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) lAula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
Aula 05 auxiliar de mineração (mineração e meio ambiente) l
 
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicosRecursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
 
Problemas subsolo 10º se
Problemas subsolo 10º seProblemas subsolo 10º se
Problemas subsolo 10º se
 
Utilização-recursos.pptx
Utilização-recursos.pptxUtilização-recursos.pptx
Utilização-recursos.pptx
 
Trab. Geo2 (2)..
Trab. Geo2 (2)..Trab. Geo2 (2)..
Trab. Geo2 (2)..
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
 
Mineração x agricultura
Mineração x agriculturaMineração x agricultura
Mineração x agricultura
 
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lllAula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
Aula 09 auxiliar de mineração (métodos de lavra) lll
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Os recursos do subsolo
Os recursos do subsoloOs recursos do subsolo
Os recursos do subsolo
 
A1_ARTIGO_02.pdf
A1_ARTIGO_02.pdfA1_ARTIGO_02.pdf
A1_ARTIGO_02.pdf
 
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
6377042 a-intervencao-do-homem-nos-subsistemas-terrestres-
 
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestresIntervenção do homem nos subsistemas terrestres
Intervenção do homem nos subsistemas terrestres
 
1º Mc Grupo 06
1º Mc   Grupo 061º Mc   Grupo 06
1º Mc Grupo 06
 
Petróleo e gás
Petróleo e gásPetróleo e gás
Petróleo e gás
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
5 intervenção do homem
5   intervenção do homem5   intervenção do homem
5 intervenção do homem
 
Mineiros por um dia
Mineiros por um diaMineiros por um dia
Mineiros por um dia
 
Revisão ii geografia
Revisão ii   geografiaRevisão ii   geografia
Revisão ii geografia
 
Estudos Ambientais de Alexandre Pessoa da Silva
Estudos Ambientais de Alexandre Pessoa da SilvaEstudos Ambientais de Alexandre Pessoa da Silva
Estudos Ambientais de Alexandre Pessoa da Silva
 

Mais de Catarina Castro

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos Catarina Castro
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettCatarina Castro
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeCatarina Castro
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Catarina Castro
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisCatarina Castro
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalCatarina Castro
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais Catarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iCatarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralCatarina Castro
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarCatarina Castro
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralCatarina Castro
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaCatarina Castro
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosCatarina Castro
 
Distribuição da População Portuguesa
Distribuição da População PortuguesaDistribuição da População Portuguesa
Distribuição da População PortuguesaCatarina Castro
 

Mais de Catarina Castro (20)

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos "O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - Retoma de Conteúdos
 
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos PeixesSíntese Sermão de Santo António aos Peixes
Síntese Sermão de Santo António aos Peixes
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida GarrettContextualização histórico literária - Almeida Garrett
Contextualização histórico literária - Almeida Garrett
 
Linguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - IntertextualidadeLinguística textual - Intertextualidade
Linguística textual - Intertextualidade
 
Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)Texto narrativo (características)
Texto narrativo (características)
 
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reisSíntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
Síntese José Saramago, O ano da morte de ricardo reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo ReisContextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
Contextualização histórico literária - O Ano da Morte de Ricardo Reis
 
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de PortugalA Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
A Constituição do Território Nacional e a Posição Geográfica de Portugal
 
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
As Vagas Revolucionárias Liberais e Nacionais
 
Variabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar iVariabilidade da radiação solar i
Variabilidade da radiação solar i
 
Variabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geralVariabilidade da radiação solar geral
Variabilidade da radiação solar geral
 
Variabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solarVariabilidade da radiaçã solar
Variabilidade da radiaçã solar
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do Litoral
 
Recursos Energéticos
Recursos EnergéticosRecursos Energéticos
Recursos Energéticos
 
Evolução da População Portuguesa
Evolução da População PortuguesaEvolução da População Portuguesa
Evolução da População Portuguesa
 
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos SociodemográficosEstruturas e Comportamentos Sociodemográficos
Estruturas e Comportamentos Sociodemográficos
 
Distribuição da População Portuguesa
Distribuição da População PortuguesaDistribuição da População Portuguesa
Distribuição da População Portuguesa
 

Último

Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 

Último (20)

Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 

Recursos naturais: usos, limites e potencialidades

  • 1. OS RECURSOS NATURAIS DE QUE A POPULAÇÃO DISPÕE: USOS, LIMITES E POTENCIALIDADES Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
  • 2. Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  Para esta situação contribuem fatores de variada ordem:  elevados custos de exploração, diretamente relacionados com a difícil acessibilidade das minas;  reduzido valor económico dos minérios.  o impacte ambiental negativo, muito penalizador para as empresas e com reflexos negativos no preço do produto final.  Em Portugal, verifica-se uma relativa abundância de recursos do subsolo. Contudo, a sua exploração tem, na maior parte dos casos, fraca viabilidade do ponto de vista económico. No geral, estes fatores são os grandes responsáveis pela baixa produção nacional do setor mineiro e pela forte dependência externa do pais relativamente a estes recursos.
  • 3. CUSTOS DE EXPLORAÇÃO • parte significativa das jazidas, principalmente de minerais metálicos e energéticos, localiza- se no Interior Norte e Centro, ou seja, em áreas onde o relevo acidentado e a escassez de infraestruturas viárias tornam difícil a acessibilidade e aumentam significativamente os custos inerentes ao transporte e, por consequência, os custos de exploração. Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  A acessibilidade aos recursos constitui um dos elementos básicos da competitividade das explorações mineiras.
  • 4.  Os custos de exploração dependem também do fator mão de obra. • Esta situação é tanto mais grave quanto sabemos que a grande parte das empresas do setor tem reduzida dimensão, fraca capacidade económica e um atraso tecnológico significativo, se comparado com outros ramos de atividade. Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  custo consideravelmente mais elevado do que em outros países, nomeadamente na China, onde a mão de obra é mais abundante, mais barata e a exigência é menor em relação a normas de higiene e segurança no trabalho.
  • 5.  o que obriga a canalizar grande parte destes produtos para o mercado externo, com os inevitáveis custos de exportação e a perda das mais-valias que seriam obtidas através da sua transformação em território nacional. Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  A estas condicionantes acrescem ainda: • os baixos teores de muitos dos nossos minérios (com exceção do cobre produzido nas minas de Neves Corvo); • bem como o fraco desenvolvimento das indústrias siderúrgica e metalúrgica;
  • 6.  A conjugação destes fatores acabou por provocar o encerramento e abandono de muitas minas e o desaparecimento de muitos dos estabelecimentos em atividade, principalmente desde a década de 80 do século passado. Fig.Minasabandonadas Os problemas na exploração dos recursos do subsolo
  • 7.  A quebra no número de estabelecimentos e no pessoal ao serviço, para além de empobrecer o tecido económico nacional e reforçar as debilidades sociais de muitas áreas do interior do país… Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  origina situações de enorme risco para o ambiente, uma vez que estas “chagas ambientais” são responsáveis pela libertação incontrolada, para o solo, para os cursos de água e para a atmosfera, de substâncias altamente prejudiciais a saúde. Fig. Evolução do número de estabelecimentos em atividade no setor da indústria extrativa (2003-2011)Fig. Mina de S. Domingos (mina abandonada no Alentejo)
  • 8. IMPACTES AMBIENTAIS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA  salientam-se a contaminação dos solos e das águas (superficiais e subterrâneas);  a degradação da paisagem;  e a poluição atmosférica e sonora. Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  A indústria extrativa tem uma série de consequências negativas sobre o ambiente, principalmente nas áreas ou regiões onde se processa a exploração.
  • 9.  A contaminação dos solos e das águas verifica-se frequentemente no caso da exploração dos minérios metálicos… Mina de Caulino da Quinta da Rosa em Rio Maior Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  se os resíduos da exploração não forem convenientemente depositados, dão origem a produtos químicos, tóxicos e radioativos que acabam por se disseminar nos solos e nos aquíferos.
  • 10.  Estas provocam muitas vezes a destruição de vastas áreas florestais e agrícolas e ate o desaparecimento de colinas e montanhas, as quais acabam por se transformar, frequentemente, em autênticas crateras, cheias de lixo e água estagnada, com inevitáveis problemas ao nível da segurança e saúde públicas. Fig. Danos provocados na paisagem por uma exploração a céu aberto – serra da Arrábida (Setúbal) Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  A degradação da paisagem acontece perante a formação de escombreiras, em consequência da acumulação de detritos produzidos pela extração mineira, mas sobretudo quando se verificam explorações a céu aberto, como sucede na maior parte dos casos com as pedreiras.
  • 11.  A poluição atmosférica e a poluição sonora resultam sobretudo do movimento das máquinas e dos constantes rebentamentos de cargas explosivas… Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  para além do barulho que produzem, são também responsáveis pela contaminação do ar pela libertação de grandes quantidades de partículas e poeiras, muitas vezes com elevado teor químico. Fig. Explosão numa pedreira
  • 12.  identificação de todas as situações problemáticas, quer no que diz respeito a minas abandonadas quer no que concerne a minas ainda em laboração; Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  Em Portugal existe uma série de minas abandonadas, áreas degradadas e minas ativas a necessitar de reabilitação ambiental e paisagística. • torna-se fundamental adotar estratégias que permitam, no futuro, minimizar as consequências negativas do setor: • categorização das situações de risco, no sentido de priorizar as intervenções, avançando primeiro com as situações de maior risco; • monitorização das intervenções, adotando uma postura pró-ativa, responsável e que envolva as populações locais.
  • 13. Algumas das medidas adotadas passaram pela:  colocação de vedações;  selagem ou preenchimento de poços mineiros;  abatimentos de antigas estruturas subterrâneas;  selagens de subsistências. Fig.Minassujeitasaestudos,projetoseobras derecuperação(2011) Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  Estão a ser desenvolvidos trabalhos em várias áreas mineiras abandonadas, consideradas como prioritárias, no sentido da resolução de algumas destas situações, quer ao nível da recuperação ambiental de áreas degradadas, quer ao nível da segurança de minas abandonadas.
  • 14.  por exemplo: casos de acidentes com petroleiros, responsáveis pelas chamadas marés negras. • Portugal está numa situação particularmente vulnerável, pela posição geográfica que ocupa, junto a uma das principais rotas de petroleiros a nível mundial – ligação entre os países árabes e os países da Europa Ocidental. Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  A distribuição e o consumo de energia têm também impactes negativos em termos ambientais. • Ao nível da distribuição, colocam-se, sobretudo, problemas de segurança no transporte e armazenamento dos combustíveis.
  • 15.  originada pela refinação do petróleo e produção termoelétrica, mas também pelo consumo de energia final de origem fóssil nos transportes, nas indústrias, nos serviços e nas atividades domésticas. Fig. Emissões de poluentes da frota automóvel na Europa Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  Quanto ao consumo de energia, os impactes verificam-se principalmente em termos de poluição atmosférica.
  • 16. Estas consequências têm motivado um esforço global de contenção das emissões de poluentes atmosféricos, em particular de CO2. Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  A queima de combustíveis fósseis constitui a principal razão para a subida da concentração de gases responsáveis pelo aumento do efeito de estufa.  As consequências desse aumento são de dimensões ainda difíceis de quantificar. Passam, no entanto, por:  alterações no sistema climático;  subida do nível médio das águas do mar;  modificações profundas na produtividade agrícola;  aparecimento de novas doenças, etc.
  • 17.  Como a distribuição e o consumo de energia no nosso país estão predominantemente concentrados na faixa costeira ocidental a norte de Setúbal… Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  acaba por ser esta a zona do território mais afetada pelos problemas ambientais originados pelo setor energético.
  • 18.  importa valorizar e potencializar a exploração destes recursos endógenos, de forma sustentada, para que, através do seu uso racional, possamos reduzir a nossa dependência em relação a países terceiros e tornar Portugal mais competitivo no mercado internacional. Os problemas na exploração dos recursos do subsolo  Existem perspetivas bastante positivas na exploração e utilização dos recursos do subsolo, quer a nível do território continental quer na Zona Económica Exclusiva (ZEE).  Os recursos do subsolo, sobretudo os subsetores dos minerais de construção e das águas minerais naturais e de nascente, constituem riquezas nacionais só parcialmente conhecidas e exploradas.
  • 19.  limitação progressiva dos impactes ambientais decorrentes desta atividade. Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo  A potencialização destes recursos passa obrigatoriamente por dois princípios fundamentais:  aposta continua na qualidade do produto final;
  • 20.  No setor dos recursos minerais (metálicos, para construção e industriais), as expectativas atuais são bastante promissoras. RECURSOS MINERAIS  A nova Estratégia Nacional para os Recursos Geológicos define claramente os eixos de atuação futura: • adequação das bases do setor; • desenvolvimento do conhecimento e valorização do potencial nacional; • divulgação e promoção do potencial nacional; • sustentabilidade económica, social, ambiental e territorial. Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
  • 21. Devem ainda ser promovidos estudos no sentido de criar novas captações e aumentar o caudal das existentes. ÁGUAS MINERAIS  O considerável potencial hidromineral no que diz respeito às águas minerais naturais e de nascente, visível no elevado número de ocorrências e na grande diversidade hidroquímica, é um capital que pode ser rentabilizado.  Para aumentar o contributo deste subsetor na criação de riqueza é necessário desenvolver instrumentos que defendam a qualidade dos recursos hídricos, garantindo a existência de um produto de altíssima qualidade. Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
  • 22. • a valorização das unidades termais em todas as suas vertentes turísticas, gerando a oferta de serviços orientados para os cuidados com o corpo, que se situam na fronteira entre a medicina, a estética, o desporto e o lazer… TERMALISMO • constitui um dos exemplos de recursos endógenos a que o nosso pais devera dar uma maior atenção.  podem constituir-se como polos geradores de emprego e criadores de riqueza, contribuindo para combater o despovoamento, a desertificação, a baixa densidade populacional e o envelhecimento da população em muitas regiões do país. Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
  • 23.  As unidades termais podem assumir-se como destinos alternativos aos grandes centros turísticos de massas, proporcionando, para além de serviços específicos na área da saúde, espaços de repouso e de reencontro com a natureza. Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
  • 24.  O atual cenário energético nacional é caracterizado por uma forte dependência externa, com um sistema energético fortemente dependente de fontes primárias de origem fóssil (petróleo, gás natural e carvão) e com uma procura energética com taxas de crescimento superiores às do crescimento do PIB. RECURSOS ENERGÉTICOS Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
  • 25.  Empenhado na redução da dependência energética externa, no aumento da eficiência energética e na redução das emissões de CO2, o Governo definiu as grandes linhas estratégicas para o setor da energia – a ENE 2020. Fonte:www.windup.pt Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
  • 26.  A Estratégia Nacional para a Energia altera e atualiza a anterior estratégia, definindo uma agenda para a competitividade, o crescimento e uma diminuição da dependência energética do país, através…  da aposta nas energias renováveis e na promoção da eficiência energética, garantindo a segurança do abastecimento energético e a sustentabilidade económica e ambiental do modelo energético nacional, contribuindo para a redução de emissões de CO2. Fonte:www.energia2020.fc.ul.pt Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
  • 27.  O sobrecusto das energias limpas em Portugal atinge um valor muito elevado. A mudança na paisagem, com a proliferação do número de parques eólicos, trouxe um custo que pesa na carteira de cada consumidor.  O aproveitamento dos recursos energéticos endógenos, em especial no que refere às energias renováveis assume uma importância decisiva.  No entanto, os investimentos realizados nas energias renováveis tem provocado um aceso debate em vários quadrantes da sociedade portuguesa.  Os subsídios do Estado à produção renovável resultaram num agravamento em centenas de milhares de euros que vai acabar por se refletir na fatura elétrica de todos. Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo
  • 28.  As opções energéticas de Portugal constituem, assim, um dos maiores desafios que o país terá de enfrentar a médio prazo, em prol do crescimento económico e do desenvolvimento.  Para os próximos anos, a grande dificuldade vai ser a manutenção da aposta nas energias renováveis (estrategicamente correta) e a gestão dos custos associados a esta opção. A repartição equitativa deste esforço é um desafio enorme, especialmente numa situação económica muito difícil. Novas perspetivas de exploração e utilização dos recursos do subsolo