SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
DO CONDADO PORTUCALENSE À
FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
No século XI, já vários territórios
tinham sido conquistados aos
Muçulmanos e existiam reinos
cristãos que ocupavam o Norte e
o Centro da Península Ibérica.
Mas os combates continuavam…
OS REINOS CRISTÃOS
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Neles participaram muitos cavaleiros,
vindos de toda a Europa,
respondendo ao apelo dos reis
cristãos.
Eram os cruzados.
Destes cavaleiros, destacaram-se:
A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE
D. Raimundo
D. Henrique
Cruzado.
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Pela ajuda prestada a Afonso VI, rei de Leão e
Castela, recebeu:
 o Condado da Galiza;
 e o direito de casar com a filha mais velha do
rei, D. Urraca.
D. Raimundo
A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE
Pela ajuda prestada a Afonso VI, rei de Leão e
Castela:
 casou com a outra filha de Afonso VI,
D. Teresa;
 e foi-lhe confiado o Condado Portucalense,
que ia das margens do rio Minho até
terrenos a sul do Mondego.
D. Henrique
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Em contrapartida, D. Raimundo e D. Henrique
juraram fidelidade e obediência ao rei de Leão e
Castela, ficando obrigados:
 a lutar sob as suas ordens;
 a conquistar novos territórios aos Muçulmanos;
 e a apoiá-lo em tudo o que necessitasse.
A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE
Afonso VI, rei de Leão
e Castela.
Juramento de fidelidade
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
O Conde D. Henrique tentou
alargar o território do Condado
Portucalense para sul e
libertar-se destas obrigações e
aumentar a sua autonomia…
A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Quando D. Henrique morreu, D. Afonso
Henriques era ainda uma criança, pelo
que a direção do Condado Portucalense
ficou entregue a sua mãe, D. Teresa.
Conde D. Henrique e D. Teresa.
A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE
O governo de D. Teresa não agradou aos
nobres portucalenses devido à sua
ligação familiar ao reino de Leão e
Castela e à influência que sobre ela
exercia Fernão Peres de Trava, um nobre
galego.
Receavam que D. Teresa colocasse em
causa a desejada independência do
Condado…
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
D. Afonso Henriques acabou por aderir à
causa da independência do Condado e,
com o auxílio dos nobres portucalenses,
revoltou-se contra D. Teresa...
DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL
Estátua de D. Afonso Henriques,
no Castelo de Guimarães.
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Em junho de 1128, D. Afonso Henriques venceu as tropas de D.
Teresa na Batalha de
S. Mamede, nos arredores de Guimarães.
DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL
Pintura da Batalha de S. Mamede.
A Batalha de S. Mamede
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Depois da Batalha de S. Mamede, D. Afonso Henriques teve que alcançar
dois importantes desafios:
- reforçar a autonomia do Condado Portucalense, enfrentando o rei de
Leão e Castela;
- povoar e alargar o território para sul, lutando contra os exércitos
muçulmanos.
DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL
Castelo de Guimarães, onde
D. Afonso Henriques se
instalou inicialmente.
As prioridades de D. Afonso Henriques
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Seguiram-se anos de guerra com
Afonso VII, rei de Leão e Castela,
até que este reconheceu
a independência de Portugal,
em 1143, através da assinatura
do Tratado de Zamora.
DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL
A independência de Portugal
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
1147 foi um ano decisivo para o novo reino.
O território português foi alargado até ao rio Tejo, com as conquistas de:
DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL
Conquista de Lisboa
(feita através de cerco).
Conquista de Santarém
(feita através de assalto).
SANTARÉM LISBOA
O alargamento do território
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Faltava ainda que o Papa reconhecesse Portugal como um reino
independente, o que aconteceu apenas em 1179.
DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL
Bula Manifestis Probatum.
O reconhecimento do Papa
A Bula Manifestis Probatum, do Papa Alexandre III, reconheceu
Portugal como reino independente e D. Afonso Henriques como rei.
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Quando D. Afonso Henriques morreu,
os exércitos portugueses estavam já
no Alentejo, embora, por vezes, as
forças muçulmanas recuperassem
alguns territórios…
AS FRONTEIRAS DO REINO DE PORTUGAL
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Foi no reinado de D. Afonso III que o
Algarve foi definitivamente
conquistado em 1249, terminando o
período da Reconquista.
O acordo definitivo sobre as
fronteiras de Portugal foi alcançado
em 1297, no reinado de D. Dinis, com
a assinatura do Tratado de Alcanises.
AS FRONTEIRAS DO REINO DE PORTUGAL
5º ano
DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL
Existem dois tipos de fronteiras:
São as que são conseguidas através de acordos políticos e guerras,
como sucede com a maior parte das fronteiras de Portugal.
São as que são definidas pela Natureza, como rios, cadeias
montanhosas, etc. Exemplo: rio Tejo.
AS FRONTEIRAS DO REINO DE PORTUGAL
FRONTEIRAS CONVENCIONAIS
FRONTEIRAS NATURAIS
5º ano

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
mari_punk
 
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕESFicha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
ensinovirtual3ciclo
 
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricaOs primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
paulasalvador
 
A herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalA herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugal
Luisa Jesus
 

Mais procurados (20)

O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
 
Romanos
RomanosRomanos
Romanos
 
Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)Reconquista Cristã (Resumo)
Reconquista Cristã (Resumo)
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da  Península IbéricaRomanização da  Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
18 reconquista cristã e a formação de portugal
18   reconquista cristã e a formação de portugal18   reconquista cristã e a formação de portugal
18 reconquista cristã e a formação de portugal
 
A crise de 1383
A crise de 1383A crise de 1383
A crise de 1383
 
Ppt os descobrimentos
Ppt os descobrimentosPpt os descobrimentos
Ppt os descobrimentos
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
1.ª Dinastia
1.ª Dinastia1.ª Dinastia
1.ª Dinastia
 
Arte romanica gotica
Arte romanica goticaArte romanica gotica
Arte romanica gotica
 
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕESFicha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
Ficha de Trabalho sobre a expansão portuguesa - 8º ANO - SOLUÇÕES
 
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibéricaOs primeiros povos a habitar a península ibérica
Os primeiros povos a habitar a península ibérica
 
Crise dinastica
Crise dinasticaCrise dinastica
Crise dinastica
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
Império Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIIIImpério Português nos séculos XVI a XVIII
Império Português nos séculos XVI a XVIII
 
A herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugalA herança muçulmana em portugal
A herança muçulmana em portugal
 

Semelhante a Formacao de portugal

Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
patriciacanico
 
Apresentação PowerPoint_História_Formacao_Reino_de_Portugal[24914].pptx
Apresentação PowerPoint_História_Formacao_Reino_de_Portugal[24914].pptxApresentação PowerPoint_História_Formacao_Reino_de_Portugal[24914].pptx
Apresentação PowerPoint_História_Formacao_Reino_de_Portugal[24914].pptx
ulissesantos1
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
Anabela Sobral
 
História da cultura portuguesa
História da cultura portuguesaHistória da cultura portuguesa
História da cultura portuguesa
Patrícia Vitorino
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
Hugo Ferreira
 
Reis De Portugal
Reis De PortugalReis De Portugal
Reis De Portugal
Helena
 

Semelhante a Formacao de portugal (20)

981
981981
981
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
A+história+de+portugal
A+história+de+portugalA+história+de+portugal
A+história+de+portugal
 
Formaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugalFormaçaõ de portugal
Formaçaõ de portugal
 
D. Afonso Henriques
D. Afonso HenriquesD. Afonso Henriques
D. Afonso Henriques
 
A formação do Condado Portucalense.pptx
A formação do Condado Portucalense.pptxA formação do Condado Portucalense.pptx
A formação do Condado Portucalense.pptx
 
Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal
 
Resumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiroResumo da matéria para o teste fevereiro
Resumo da matéria para o teste fevereiro
 
Apresentação PowerPoint_História_Formacao_Reino_de_Portugal[24914].pptx
Apresentação PowerPoint_História_Formacao_Reino_de_Portugal[24914].pptxApresentação PowerPoint_História_Formacao_Reino_de_Portugal[24914].pptx
Apresentação PowerPoint_História_Formacao_Reino_de_Portugal[24914].pptx
 
B4 a formacao de portugal
B4 a formacao de portugal B4 a formacao de portugal
B4 a formacao de portugal
 
A formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território portuguêsA formação e alargamento do território português
A formação e alargamento do território português
 
A FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De PortugalA FormaçãO De Portugal
A FormaçãO De Portugal
 
Criação de uma identidade nacional CEF B9
Criação de uma identidade nacional CEF B9Criação de uma identidade nacional CEF B9
Criação de uma identidade nacional CEF B9
 
Reconquista 2
Reconquista  2Reconquista  2
Reconquista 2
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Afonsohenriques 110706071735-phpapp01
Afonsohenriques 110706071735-phpapp01Afonsohenriques 110706071735-phpapp01
Afonsohenriques 110706071735-phpapp01
 
História da cultura portuguesa
História da cultura portuguesaHistória da cultura portuguesa
História da cultura portuguesa
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
 
Reis De Portugal
Reis De PortugalReis De Portugal
Reis De Portugal
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 

Formacao de portugal

  • 1. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL 5º ano
  • 2. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL No século XI, já vários territórios tinham sido conquistados aos Muçulmanos e existiam reinos cristãos que ocupavam o Norte e o Centro da Península Ibérica. Mas os combates continuavam… OS REINOS CRISTÃOS 5º ano
  • 3. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Neles participaram muitos cavaleiros, vindos de toda a Europa, respondendo ao apelo dos reis cristãos. Eram os cruzados. Destes cavaleiros, destacaram-se: A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE D. Raimundo D. Henrique Cruzado. 5º ano
  • 4. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Pela ajuda prestada a Afonso VI, rei de Leão e Castela, recebeu:  o Condado da Galiza;  e o direito de casar com a filha mais velha do rei, D. Urraca. D. Raimundo A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE 5º ano
  • 5. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE Pela ajuda prestada a Afonso VI, rei de Leão e Castela:  casou com a outra filha de Afonso VI, D. Teresa;  e foi-lhe confiado o Condado Portucalense, que ia das margens do rio Minho até terrenos a sul do Mondego. D. Henrique 5º ano
  • 6. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Em contrapartida, D. Raimundo e D. Henrique juraram fidelidade e obediência ao rei de Leão e Castela, ficando obrigados:  a lutar sob as suas ordens;  a conquistar novos territórios aos Muçulmanos;  e a apoiá-lo em tudo o que necessitasse. A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE Afonso VI, rei de Leão e Castela. Juramento de fidelidade 5º ano
  • 7. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL O Conde D. Henrique tentou alargar o território do Condado Portucalense para sul e libertar-se destas obrigações e aumentar a sua autonomia… A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE 5º ano
  • 8. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Quando D. Henrique morreu, D. Afonso Henriques era ainda uma criança, pelo que a direção do Condado Portucalense ficou entregue a sua mãe, D. Teresa. Conde D. Henrique e D. Teresa. A FORMAÇÃO DO CONDADO PORTUCALENSE O governo de D. Teresa não agradou aos nobres portucalenses devido à sua ligação familiar ao reino de Leão e Castela e à influência que sobre ela exercia Fernão Peres de Trava, um nobre galego. Receavam que D. Teresa colocasse em causa a desejada independência do Condado… 5º ano
  • 9. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL D. Afonso Henriques acabou por aderir à causa da independência do Condado e, com o auxílio dos nobres portucalenses, revoltou-se contra D. Teresa... DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL Estátua de D. Afonso Henriques, no Castelo de Guimarães. 5º ano
  • 10. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Em junho de 1128, D. Afonso Henriques venceu as tropas de D. Teresa na Batalha de S. Mamede, nos arredores de Guimarães. DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL Pintura da Batalha de S. Mamede. A Batalha de S. Mamede 5º ano
  • 11. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Depois da Batalha de S. Mamede, D. Afonso Henriques teve que alcançar dois importantes desafios: - reforçar a autonomia do Condado Portucalense, enfrentando o rei de Leão e Castela; - povoar e alargar o território para sul, lutando contra os exércitos muçulmanos. DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL Castelo de Guimarães, onde D. Afonso Henriques se instalou inicialmente. As prioridades de D. Afonso Henriques 5º ano
  • 12. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Seguiram-se anos de guerra com Afonso VII, rei de Leão e Castela, até que este reconheceu a independência de Portugal, em 1143, através da assinatura do Tratado de Zamora. DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL A independência de Portugal 5º ano
  • 13. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL 1147 foi um ano decisivo para o novo reino. O território português foi alargado até ao rio Tejo, com as conquistas de: DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL Conquista de Lisboa (feita através de cerco). Conquista de Santarém (feita através de assalto). SANTARÉM LISBOA O alargamento do território 5º ano
  • 14. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Faltava ainda que o Papa reconhecesse Portugal como um reino independente, o que aconteceu apenas em 1179. DO CONDADO PORTUCALENSE AO REINO DE PORTUGAL Bula Manifestis Probatum. O reconhecimento do Papa A Bula Manifestis Probatum, do Papa Alexandre III, reconheceu Portugal como reino independente e D. Afonso Henriques como rei. 5º ano
  • 15. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Quando D. Afonso Henriques morreu, os exércitos portugueses estavam já no Alentejo, embora, por vezes, as forças muçulmanas recuperassem alguns territórios… AS FRONTEIRAS DO REINO DE PORTUGAL 5º ano
  • 16. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Foi no reinado de D. Afonso III que o Algarve foi definitivamente conquistado em 1249, terminando o período da Reconquista. O acordo definitivo sobre as fronteiras de Portugal foi alcançado em 1297, no reinado de D. Dinis, com a assinatura do Tratado de Alcanises. AS FRONTEIRAS DO REINO DE PORTUGAL 5º ano
  • 17. DO CONDADO PORTUCALENSE À FORMAÇÃO DO REINO DE PORTUGAL Existem dois tipos de fronteiras: São as que são conseguidas através de acordos políticos e guerras, como sucede com a maior parte das fronteiras de Portugal. São as que são definidas pela Natureza, como rios, cadeias montanhosas, etc. Exemplo: rio Tejo. AS FRONTEIRAS DO REINO DE PORTUGAL FRONTEIRAS CONVENCIONAIS FRONTEIRAS NATURAIS 5º ano

Notas do Editor

  1. Filme de animação sobre D. Afonso Henriques