SlideShare uma empresa Scribd logo
- Discutir a escrita e a infância como conceitos que
não se excluem.
- Discutir a possibilidade de que a escrita possa vir
a tornar-se, também, mais um brinco para a
infância.
Objetivo do texto
Para isso o texto irá:
• Situar infância e escrita;
• Refletir sobre a forma como as crianças pequenas se
relacionam com a linguagem;
• Refletir sobre a pré-história da linguagem escrita,
segundo Vygotski (2000).
• Refletir a formação de conceitos cotidianos e
científicos, segundo Vygotski, articulados com a
apropriação da linguagem escrita.
“[...] é não apenas um período da vida, mas, mais
que isso, ela é parte da condição que nos torna
humanos” (MEYER; VASCONCELLOS; LOPES, apud
GOULART, 2012, p.2).
• Estudos desenvolvidos por Ariès tornaram possível
fazer a pergunta “o que é infância?”, questão que
nos situa como homens e mulheres da
modernidade.
• Ariés (1981) afirma que durante toda a Idade
Média, havia uma representação da criança sem
traços infantis, um adulto miniaturizado, o que
representaria uma ausência do sentimento de
infância nas sociedades europeias daquela época.
Heywood (2004) questiona se realmente não haveria
o sentimento de infância na Idade Média, ou se Ariès,
por buscá-lo com os olhos da modernidade e não o
encontrando da forma como considerava ser correto,
conclui pela ausência desse sentimento.
• Stearns (2006, p.11) apresenta uma visão
diferente daquela defendida por Ariès,
apontando que “todas as sociedades, ao longo
da história, e a maior parte das famílias,
lidaram amplamente com a infância e a
criança”.
Ainda que pensada em um mesmo tempo,
a infância não é a mesma para todas as
crianças, variando por:
Classe Social
Etnia
Religião
Historicidade
Raça
Os diversos momentos históricos
também irão definir formas
diferentes de se ver a criança em
sua relação com o mundo e,
como consequência, com a
cultura escrita
O que estamos considerando “ESCRITA”?
• A cultura escrita - o lugar -
simbólico e material - que o escrito
ocupa em/para determinado grupo
social, comunidade ou sociedade.
Galvão
(2010, p. 218)
• Aquilo que se
convencionou tratar de
tecnologia
Ong
(1998)
A infância, a escrita e o brinquedo
no Ciclo de Alfabetização
Pensar a escrita articulada com a infância não é uma
tarefa simples, porque, para alguns aprender a
escrever é o primeiro passo para a saída da infância.
X
Mas, para outros, a escrita ocupa lugar especial na
infância, constitui-se como possibilidade de exercício
de autoria.
Articulação entre a infância, a escrita e o
brinquedo
Na perspectiva de Vygotski (2000)  implica lembrar
que se ensinava às crianças a desenhar letras e
construir palavras, mas não se ensinava a linguagem
escrita.
Infelizmente, a afirmativa continua verdadeira,
nos dias de hoje, uma vez que ainda ensinam às
crianças apenas a desenhar letras e não a linguagem
escrita.
Para Vygostski a escrita é um simbolismo de
segunda ordem, isto é, um sistema de signos que
designam os sons e as palavras da linguagem
falada, que são signos das relações e entidades
reais, e que irão, aos poucos, transformar-se em
um simbolismo direto.
A escrita como simbolismo de
segunda ordem
Para aprender a ler e escrever, a criança precisa
compreender que a escrita representa a fala e
não os objetos aos quais se referem as
palavras.
A importância do Faz-de-Conta
Para a criança, há uma ligação entre percepção
e significado.
No entanto, quando se envolve com jogos de
imaginação (faz-de-conta), a ação da criança
surge das ideias e não das coisas.
Importância do brincar para
aprendizagem da escrita
Os objetos tem força determinante no
comportamento da criança  daí a importância do
brinquedo (VIGOTSKI,1991)
A ação em uma situação imaginária ensina a criança
a dirigir seu comportamento não somente pela
percepção imediata dos objetos ou pela situação
imediata. Com isso objetos perdem sua força
determinadora.
O objeto é dominante para a criança.
Porém, no brinquedo, os significados são
dominantes e os objetos são deslocados para uma
situação subordinada.
A situação imaginária é a 1ª manifestação da
emancipação da criança em relação às situações
concretas e funcionais (VIGOTSKI, 1991).
Jogo simbólico – Faz-de-conta
Mentiras
Mário Quintana
Lili vive no mundo do faz de conta...
Faz de conta que isto é um avião.
Zzzzzuuu...
Depois aterrissou em um pique
e virou um trem.
Tuc tuc tuc tuc...
Entrou pelo túnel, chispando.
Mas debaixo da mesa havia bandidos.
Pum! Pum! Pum!
O trem descarrilou.
E o mocinho?
Onde é que está o mocinho?
Meu Deus! onde é que está o mocinho?!
No auge da confusão, levaram Lili para cama, à força.
E o trem ficou tristemente derribado no chão,
Fazendo de conta que era mesmo uma lata de sardinha.
É grande a importância dada ao brinquedo, como
parte da construção do simbolismo na criança.
Por meio do brinquedo a criança perceberá que
determinados objetos podem denotar outros,
tornando-se, assim, seus signos.
No brinquedos os objetos podem
se tornar signos
Como ocorre no brinquedo, na língua escrita, a
criança precisará entender a questão da substituição.
Sob a influência dos gestos, crianças mais velhas começam
a descobrir que os objetos podem também substituir as
coisas que indicam.
Ao se fazer jogos com as crianças, em que um dado objeto
passa a denotar outro, elas irão modificar a estrutura
corriqueira do objeto, adquirindo este a função de signo,
independente dos gestos da criança.
A substituição no brinquedo
A aprendizagem da linguagem escrita pode ser
vista como um dos produtos do processo de
brincar.
A escrita como um simbolismo de segunda
ordem precisa ser compreendida como um
objeto substitutivo da fala.
A aprendizagem da linguagem escrita
pode acontecer APENAS a partir do
brinquedo e sem atividades intencionais
de ensino.
Não se
pretende
com isso
afirmar
que
Que o brinquedo tem um papel
significativo e que NÃO É APENAS
UM ADEREÇO sem importância na
prática pedagógica.
PRETENDE
-SE SIM
AFIRMAR
QUE:
Não será pelo treino e pelo desenho de letras que as
crianças aprenderão sobre a escrita. Mas o processo de
brincar, por meio do qual a criança percebe a
possibilidade de um objeto denotar outro, poderá
contribuir para o desenvolvimento de mecanismos
psíquicos importantes para a compreensão do que é a
escrita e do que ela representa, embora se trate de
simbolizações de naturezas diferentes.
A escrita e a infância não podem estar
interligadas de qualquer forma.
Brincar X Treinar Letras
Segundo Vigotski, mais faremos pela crianças
pequenas para que aprendam a ler e
escrever brincando com elas e as deixando
brincar livremente do que treinando letras e
as obrigando a fazer dever de casa em
materiais estruturados.
A importância do ensino no
aprendizado da escrita
Sendo a escrita uma convenção, seu aprendizado
não ocorrerá sem intervenção de atividades de
ensino.
O brincar também desempenha papel importante
no processo de aprendizagem da escrita e, muitas
vezes, isso não é percebido por aqueles que
trabalham com as crianças no Ciclo de Alfabetização
A infância é uma condição de nos
tornarmos seres humanos e para isso,
a educação, a escola é fundamental
em nossas vidas, principalmente em
nosso país, marcado por uma
diferença acentuada das classes
sociais.
Crianças destituídas do direito à
infância?
Ainda encontramos crianças vivendo em descompasso
com o que se pode pensar como um ideal de condições
mínimas de existência. Encontramos crianças que são
destituídas do direito à infância, independente da
classe social a que pertencem, seja por precisar
trabalhar ou por terem seu tempo tomado por
compromissos considerados produtivos (balé, natação,
aula de línguas, dentre outras).
QUAL EDUCAÇÃO PARA A INFÂNCIA?
UMA EDUCAÇÃO CAPAZ DE CONDUZIR A UMA
VIVÊNCIA DE INFÂNCIA PERMEADA DE
DESCOBERTAS, BRINCADEIRAS E
APRENDIZAGENS CONSTANTES.
UMA EDUCAÇÃO AS TORNEM CIDADÃS,
DETENTORAS DE DIREITOS, QUE PRODUZAM
CULTURA, E SEJAM POR ELA PRODUZIDAS
(KRAMER, 2007).
A formação de conceitos
Para Vigotski, a formação de conceitos está presente já na
fase mais precoce da infância, estruturando-se e
desenvolvendo-se somente na puberdade.
No período de alfabetização, enquanto é vivenciado o
processo de ensinar e aprender a ler e a escrever a partir
das práticas sociais, convivendo dentro e fora da escola
com o sistema de escrita alfabético,
vamos organizando a formação dos conceitos.
Na mediação entre o sujeito e o objeto de
conhecimento, Vigotski identifica duas
linhas de formação de conceitos:
Os conceitos cotidianos
Os conceitos científicos
Crianças pequenas constroem conceitos no
relacionamento com as pessoas mais próximas (família e
amigos), em suas atividades práticas, interagindo com o
mundo em que vivem, em uma relação experimental e
intuitiva, com características primitivas e fora do campo
das reflexões, da consciência.
Esses conceitos são formados no dia a dia em conversas
informais, brincadeiras, descobertas, questionamentos,
quando a criança aprende aquilo que sua capacidade
psicológica permite naquele momento.
Os conceitos cotidianos
O desenvolvimento dos conceitos científicos aparecem
com o início da escolarização. Eles são elaborados a
partir do processo de reflexão, análise e compreensão,
marcados por explicações conscientes sobre assuntos
sistematizados pela cultura letrada.
Os conceitos científicos
Sinalizam a construção de várias funções psicológicas
superiores do sujeito como: memória mediada,
atenção voluntária, raciocínio lógico, abstração,
comparação e diferenciação.
Sua concretização ocorre na fase da adolescência,
período em que o indivíduo se torna capaz de interagir
com seus parceiros, opinar, criticar, reclamar, sugerir e
deixar sua marca conscientemente.
Os conceitos científicos e as funções
psicológicas
É na e pela escola que o indivíduo passa
dos conceitos cotidianos, que construiu no
seu dia a dia, para os conceitos científicos,
característicos do trabalho intelectual e
necessários ao seu futuro crescimento
pessoal.
O papel da escola e do professor
As diferenças entre os Conceitos
Cotidianos e Científicos:
A diferença principal entre os conceitos
cotidianos e científicos está ancorada no grau de
consciência da criança.
Os conceitos cotidianos são vivenciados no dia a
dia a partir do nascimento, fazendo parte do
contexto sócio-histórico-cultural em que
estamos inseridos, através dos conhecimentos
produzidos pela humanidade.
Já os conceitos científicos surgem em ambientes
específicos, como a escola – acompanhados de
pensamentos conscientes e sistematizados, que vão
sendo internalizados pela criança a partir de suas
necessidades, seus interesses e incentivos
oferecidos/mediados pelo(a) professor(a) ou por um(a)
colega mais experiente.
PACTO NACIONAL PELA
ALFABETIZAÇÃO NA
IDADE CERTA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Vera Marlize Schröer
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
proletramentoalfa
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
Magda Marques
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
VidaRevista Consultoria e Treinamento
 
As atividades pré numéricas e a construção do conceito de número pel...
As  atividades  pré numéricas  e  a  construção  do  conceito  de número  pel...As  atividades  pré numéricas  e  a  construção  do  conceito  de número  pel...
As atividades pré numéricas e a construção do conceito de número pel...
Edeil Reis do Espírito Santo
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
Edilene Sampaio
 
O papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhosO papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhos
Marta Lemos
 
Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014
Naysa Taboada
 
Primeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosPrimeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e Desafios
ACTEBA
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Fernanda Tulio
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Arivaldom
 
Espaços Da Educação Infantil
Espaços Da Educação InfantilEspaços Da Educação Infantil
Espaços Da Educação Infantil
Paulo Fochi
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Emilia ferreiro
Emilia ferreiroEmilia ferreiro
Afetividade
AfetividadeAfetividade
Afetividade
Margarete Tesch
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
Bruna Braga
 
Orientaçõs para período de sondagem
Orientaçõs para período de sondagemOrientaçõs para período de sondagem
Orientaçõs para período de sondagem
josivaldopassos
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
Colmanetti
 
Slides rcnei 05052014
Slides rcnei 05052014Slides rcnei 05052014
Slides rcnei 05052014
João Alberto
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
Edeil Reis do Espírito Santo
 

Mais procurados (20)

Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAICSistema de Escrita Alfabética - PNAIC
Sistema de Escrita Alfabética - PNAIC
 
Slides leitura
Slides leituraSlides leitura
Slides leitura
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Gêneros textuais anos inicias
Gêneros textuais   anos iniciasGêneros textuais   anos inicias
Gêneros textuais anos inicias
 
As atividades pré numéricas e a construção do conceito de número pel...
As  atividades  pré numéricas  e  a  construção  do  conceito  de número  pel...As  atividades  pré numéricas  e  a  construção  do  conceito  de número  pel...
As atividades pré numéricas e a construção do conceito de número pel...
 
Deficiência Intelectual
Deficiência IntelectualDeficiência Intelectual
Deficiência Intelectual
 
O papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhosO papel da família na educação dos filhos
O papel da família na educação dos filhos
 
Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014Alfabetização e linguagem_2014
Alfabetização e linguagem_2014
 
Primeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e DesafiosPrimeira Infância - Olhares e Desafios
Primeira Infância - Olhares e Desafios
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Espaços Da Educação Infantil
Espaços Da Educação InfantilEspaços Da Educação Infantil
Espaços Da Educação Infantil
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Emilia ferreiro
Emilia ferreiroEmilia ferreiro
Emilia ferreiro
 
Afetividade
AfetividadeAfetividade
Afetividade
 
Psicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua EscritaPsicogênese da Língua Escrita
Psicogênese da Língua Escrita
 
Orientaçõs para período de sondagem
Orientaçõs para período de sondagemOrientaçõs para período de sondagem
Orientaçõs para período de sondagem
 
1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais1 apresentação reunião de pais
1 apresentação reunião de pais
 
Slides rcnei 05052014
Slides rcnei 05052014Slides rcnei 05052014
Slides rcnei 05052014
 
Níveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaicNíveis de escrita (1)pnaic
Níveis de escrita (1)pnaic
 

Destaque

Sintese síntese do livro “psicogênese da língua escrita”
Sintese síntese do livro “psicogênese da língua escrita”   Sintese síntese do livro “psicogênese da língua escrita”
Sintese síntese do livro “psicogênese da língua escrita”
♥Marcinhatinelli♥
 
PNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campoPNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campo
ElieneDias
 
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anosTexto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas
ElieneDias
 
Lilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracolLilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracol
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dançaPNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridadePNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda   PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3 construção snd
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3   construção sndPNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3   construção snd
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3 construção snd
ElieneDias
 
PNAIC - Matemática - Caderno 2 Início
PNAIC - Matemática - Caderno 2  InícioPNAIC - Matemática - Caderno 2  Início
PNAIC - Matemática - Caderno 2 Início
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
ElieneDias
 
Jogos aplicados em sala por alfabetizadoras do PNAIC Biguaçu/SC
Jogos aplicados em sala por alfabetizadoras do PNAIC Biguaçu/SCJogos aplicados em sala por alfabetizadoras do PNAIC Biguaçu/SC
Jogos aplicados em sala por alfabetizadoras do PNAIC Biguaçu/SC
Rosilane
 
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho PedagógicoPNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogosPNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoPNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
ElieneDias
 
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemáticaPNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
ElieneDias
 

Destaque (20)

Sintese síntese do livro “psicogênese da língua escrita”
Sintese síntese do livro “psicogênese da língua escrita”   Sintese síntese do livro “psicogênese da língua escrita”
Sintese síntese do livro “psicogênese da língua escrita”
 
PNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campoPNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campo
 
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anosTexto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
 
PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas
 
Lilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracolLilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracol
 
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dançaPNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
 
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
 
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridadePNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
 
PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda   PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3 construção snd
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3   construção sndPNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3   construção snd
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno 3 construção snd
 
PNAIC - Matemática - Caderno 2 Início
PNAIC - Matemática - Caderno 2  InícioPNAIC - Matemática - Caderno 2  Início
PNAIC - Matemática - Caderno 2 Início
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
 
Jogos aplicados em sala por alfabetizadoras do PNAIC Biguaçu/SC
Jogos aplicados em sala por alfabetizadoras do PNAIC Biguaçu/SCJogos aplicados em sala por alfabetizadoras do PNAIC Biguaçu/SC
Jogos aplicados em sala por alfabetizadoras do PNAIC Biguaçu/SC
 
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho PedagógicoPNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
PNAIC - Matemática - Organização do Trabalho Pedagógico
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogosPNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
 
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoPNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
 
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemáticaPNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
PNAIC - Matemática - Direitos da aprendizagem em matemática
 
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
 

Semelhante a PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança

A leitura e sua relação
A leitura e sua relaçãoA leitura e sua relação
A leitura e sua relação
Lilian Miranda
 
Lingua De Sinais
Lingua De SinaisLingua De Sinais
Lingua De Sinais
asustecnologia
 
Trabalho ciclo
Trabalho cicloTrabalho ciclo
Trabalho ciclo
Jady Lorrana
 
CriançA e o Faz De Conta
CriançA e o Faz De ContaCriançA e o Faz De Conta
CriançA e o Faz De Conta
marlene_herter
 
Slide_(1).pptx
Slide_(1).pptxSlide_(1).pptx
Slide_(1).pptx
DeboraCaroline16
 
Brincar de brincar
Brincar de brincarBrincar de brincar
A relação entre o brincar e o desenvolvimento infantil,
A relação entre o brincar e o  desenvolvimento infantil,A relação entre o brincar e o  desenvolvimento infantil,
A relação entre o brincar e o desenvolvimento infantil,
Caminhos do Autismo
 
Criança e o faz de conta
Criança e o faz de contaCriança e o faz de conta
Criança e o faz de conta
anapaulafauzi
 
Criança e o faz de conta
Criança e o faz de contaCriança e o faz de conta
Criança e o faz de conta
anapaulafauzi
 
Criança e o faz de conta
Criança e o faz de contaCriança e o faz de conta
Criança e o faz de conta
anapaulafauzi
 
Estela alessandra muzzi
Estela alessandra muzziEstela alessandra muzzi
Estela alessandra muzzi
Fernando Pissuto
 
2633
26332633
2633
lucima
 
Função social da escrita eliane poster
Função social da escrita eliane  posterFunção social da escrita eliane  poster
Função social da escrita eliane poster
Eliane Tramontin Silveira Moleta
 
Brincar vygotsky
Brincar  vygotskyBrincar  vygotsky
Brincar vygotsky
caciano soares
 
Brincar
BrincarBrincar
Brincar
Ana Serra
 
Interacionismo
InteracionismoInteracionismo
Interacionismo
drycaaa
 
Lúdico na sla de aula
Lúdico na sla de aulaLúdico na sla de aula
Lúdico na sla de aula
Celismara Seleguin
 
texto do Percival Brito
texto do Percival Britotexto do Percival Brito
texto do Percival Brito
Miriam Camargo
 
Brincar+ vygotsky
Brincar+ vygotskyBrincar+ vygotsky
Aula sobre vygotsky
Aula sobre vygotskyAula sobre vygotsky
Aula sobre vygotsky
Diego Alvarez
 

Semelhante a PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança (20)

A leitura e sua relação
A leitura e sua relaçãoA leitura e sua relação
A leitura e sua relação
 
Lingua De Sinais
Lingua De SinaisLingua De Sinais
Lingua De Sinais
 
Trabalho ciclo
Trabalho cicloTrabalho ciclo
Trabalho ciclo
 
CriançA e o Faz De Conta
CriançA e o Faz De ContaCriançA e o Faz De Conta
CriançA e o Faz De Conta
 
Slide_(1).pptx
Slide_(1).pptxSlide_(1).pptx
Slide_(1).pptx
 
Brincar de brincar
Brincar de brincarBrincar de brincar
Brincar de brincar
 
A relação entre o brincar e o desenvolvimento infantil,
A relação entre o brincar e o  desenvolvimento infantil,A relação entre o brincar e o  desenvolvimento infantil,
A relação entre o brincar e o desenvolvimento infantil,
 
Criança e o faz de conta
Criança e o faz de contaCriança e o faz de conta
Criança e o faz de conta
 
Criança e o faz de conta
Criança e o faz de contaCriança e o faz de conta
Criança e o faz de conta
 
Criança e o faz de conta
Criança e o faz de contaCriança e o faz de conta
Criança e o faz de conta
 
Estela alessandra muzzi
Estela alessandra muzziEstela alessandra muzzi
Estela alessandra muzzi
 
2633
26332633
2633
 
Função social da escrita eliane poster
Função social da escrita eliane  posterFunção social da escrita eliane  poster
Função social da escrita eliane poster
 
Brincar vygotsky
Brincar  vygotskyBrincar  vygotsky
Brincar vygotsky
 
Brincar
BrincarBrincar
Brincar
 
Interacionismo
InteracionismoInteracionismo
Interacionismo
 
Lúdico na sla de aula
Lúdico na sla de aulaLúdico na sla de aula
Lúdico na sla de aula
 
texto do Percival Brito
texto do Percival Britotexto do Percival Brito
texto do Percival Brito
 
Brincar+ vygotsky
Brincar+ vygotskyBrincar+ vygotsky
Brincar+ vygotsky
 
Aula sobre vygotsky
Aula sobre vygotskyAula sobre vygotsky
Aula sobre vygotsky
 

Mais de ElieneDias

PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias  PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoPNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasPNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirleyPNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmosPNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - As operações, as práticas sociais e a calculadora.
PNAIC - MATEMÁTICA - As operações, as práticas sociais e a calculadora.PNAIC - MATEMÁTICA - As operações, as práticas sociais e a calculadora.
PNAIC - MATEMÁTICA - As operações, as práticas sociais e a calculadora.
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Apresentação do caderno 04 pacto
PNAIC - MATEMÁTICA - Apresentação do caderno 04 pactoPNAIC - MATEMÁTICA - Apresentação do caderno 04 pacto
PNAIC - MATEMÁTICA - Apresentação do caderno 04 pacto
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Sistema de numeração decimal cad. 3 (1)
PNAIC - MATEMÁTICA - Sistema de numeração decimal   cad. 3 (1)PNAIC - MATEMÁTICA - Sistema de numeração decimal   cad. 3 (1)
PNAIC - MATEMÁTICA - Sistema de numeração decimal cad. 3 (1)
ElieneDias
 
PNAIC - Projeto "Escrever é uma Arte" - Prof.Sária
PNAIC - Projeto "Escrever é uma Arte" - Prof.SáriaPNAIC - Projeto "Escrever é uma Arte" - Prof.Sária
PNAIC - Projeto "Escrever é uma Arte" - Prof.Sária
ElieneDias
 
PNAIC - Projeto "Alimentos Saudáveis - Prof. Celia
PNAIC - Projeto "Alimentos Saudáveis - Prof. CeliaPNAIC - Projeto "Alimentos Saudáveis - Prof. Celia
PNAIC - Projeto "Alimentos Saudáveis - Prof. Celia
ElieneDias
 
PNAIC -Sequência Didática "Estudando os Animais - Prof.Vilmácia
PNAIC -Sequência Didática "Estudando os Animais - Prof.VilmáciaPNAIC -Sequência Didática "Estudando os Animais - Prof.Vilmácia
PNAIC -Sequência Didática "Estudando os Animais - Prof.Vilmácia
ElieneDias
 
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. IrenyPNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
ElieneDias
 
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. FloripesPNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
ElieneDias
 
PNAIC - Projeto Respeitando as Diferenças - Prof. Nívea
PNAIC - Projeto Respeitando as Diferenças - Prof. NíveaPNAIC - Projeto Respeitando as Diferenças - Prof. Nívea
PNAIC - Projeto Respeitando as Diferenças - Prof. Nívea
ElieneDias
 

Mais de ElieneDias (15)

PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
 
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias  PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
 
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoPNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasPNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirleyPNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmosPNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
 
PNAIC - MATEMÁTICA - As operações, as práticas sociais e a calculadora.
PNAIC - MATEMÁTICA - As operações, as práticas sociais e a calculadora.PNAIC - MATEMÁTICA - As operações, as práticas sociais e a calculadora.
PNAIC - MATEMÁTICA - As operações, as práticas sociais e a calculadora.
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Apresentação do caderno 04 pacto
PNAIC - MATEMÁTICA - Apresentação do caderno 04 pactoPNAIC - MATEMÁTICA - Apresentação do caderno 04 pacto
PNAIC - MATEMÁTICA - Apresentação do caderno 04 pacto
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Sistema de numeração decimal cad. 3 (1)
PNAIC - MATEMÁTICA - Sistema de numeração decimal   cad. 3 (1)PNAIC - MATEMÁTICA - Sistema de numeração decimal   cad. 3 (1)
PNAIC - MATEMÁTICA - Sistema de numeração decimal cad. 3 (1)
 
PNAIC - Projeto "Escrever é uma Arte" - Prof.Sária
PNAIC - Projeto "Escrever é uma Arte" - Prof.SáriaPNAIC - Projeto "Escrever é uma Arte" - Prof.Sária
PNAIC - Projeto "Escrever é uma Arte" - Prof.Sária
 
PNAIC - Projeto "Alimentos Saudáveis - Prof. Celia
PNAIC - Projeto "Alimentos Saudáveis - Prof. CeliaPNAIC - Projeto "Alimentos Saudáveis - Prof. Celia
PNAIC - Projeto "Alimentos Saudáveis - Prof. Celia
 
PNAIC -Sequência Didática "Estudando os Animais - Prof.Vilmácia
PNAIC -Sequência Didática "Estudando os Animais - Prof.VilmáciaPNAIC -Sequência Didática "Estudando os Animais - Prof.Vilmácia
PNAIC -Sequência Didática "Estudando os Animais - Prof.Vilmácia
 
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. IrenyPNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
PNAIC - Projeto Revivendo as Brincadeiras de Antigamente - Prof. Ireny
 
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. FloripesPNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
 
PNAIC - Projeto Respeitando as Diferenças - Prof. Nívea
PNAIC - Projeto Respeitando as Diferenças - Prof. NíveaPNAIC - Projeto Respeitando as Diferenças - Prof. Nívea
PNAIC - Projeto Respeitando as Diferenças - Prof. Nívea
 

Último

3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
FredPaixaoeSilva
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 

Último (20)

3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 

PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança

  • 1.
  • 2. - Discutir a escrita e a infância como conceitos que não se excluem. - Discutir a possibilidade de que a escrita possa vir a tornar-se, também, mais um brinco para a infância. Objetivo do texto
  • 3. Para isso o texto irá: • Situar infância e escrita; • Refletir sobre a forma como as crianças pequenas se relacionam com a linguagem; • Refletir sobre a pré-história da linguagem escrita, segundo Vygotski (2000). • Refletir a formação de conceitos cotidianos e científicos, segundo Vygotski, articulados com a apropriação da linguagem escrita.
  • 4. “[...] é não apenas um período da vida, mas, mais que isso, ela é parte da condição que nos torna humanos” (MEYER; VASCONCELLOS; LOPES, apud GOULART, 2012, p.2).
  • 5. • Estudos desenvolvidos por Ariès tornaram possível fazer a pergunta “o que é infância?”, questão que nos situa como homens e mulheres da modernidade. • Ariés (1981) afirma que durante toda a Idade Média, havia uma representação da criança sem traços infantis, um adulto miniaturizado, o que representaria uma ausência do sentimento de infância nas sociedades europeias daquela época.
  • 6. Heywood (2004) questiona se realmente não haveria o sentimento de infância na Idade Média, ou se Ariès, por buscá-lo com os olhos da modernidade e não o encontrando da forma como considerava ser correto, conclui pela ausência desse sentimento.
  • 7. • Stearns (2006, p.11) apresenta uma visão diferente daquela defendida por Ariès, apontando que “todas as sociedades, ao longo da história, e a maior parte das famílias, lidaram amplamente com a infância e a criança”.
  • 8. Ainda que pensada em um mesmo tempo, a infância não é a mesma para todas as crianças, variando por: Classe Social Etnia Religião Historicidade Raça
  • 9. Os diversos momentos históricos também irão definir formas diferentes de se ver a criança em sua relação com o mundo e, como consequência, com a cultura escrita
  • 10.
  • 11. O que estamos considerando “ESCRITA”? • A cultura escrita - o lugar - simbólico e material - que o escrito ocupa em/para determinado grupo social, comunidade ou sociedade. Galvão (2010, p. 218) • Aquilo que se convencionou tratar de tecnologia Ong (1998)
  • 12. A infância, a escrita e o brinquedo no Ciclo de Alfabetização Pensar a escrita articulada com a infância não é uma tarefa simples, porque, para alguns aprender a escrever é o primeiro passo para a saída da infância. X Mas, para outros, a escrita ocupa lugar especial na infância, constitui-se como possibilidade de exercício de autoria.
  • 13. Articulação entre a infância, a escrita e o brinquedo Na perspectiva de Vygotski (2000)  implica lembrar que se ensinava às crianças a desenhar letras e construir palavras, mas não se ensinava a linguagem escrita. Infelizmente, a afirmativa continua verdadeira, nos dias de hoje, uma vez que ainda ensinam às crianças apenas a desenhar letras e não a linguagem escrita.
  • 14. Para Vygostski a escrita é um simbolismo de segunda ordem, isto é, um sistema de signos que designam os sons e as palavras da linguagem falada, que são signos das relações e entidades reais, e que irão, aos poucos, transformar-se em um simbolismo direto. A escrita como simbolismo de segunda ordem
  • 15. Para aprender a ler e escrever, a criança precisa compreender que a escrita representa a fala e não os objetos aos quais se referem as palavras.
  • 16. A importância do Faz-de-Conta Para a criança, há uma ligação entre percepção e significado. No entanto, quando se envolve com jogos de imaginação (faz-de-conta), a ação da criança surge das ideias e não das coisas.
  • 17. Importância do brincar para aprendizagem da escrita Os objetos tem força determinante no comportamento da criança  daí a importância do brinquedo (VIGOTSKI,1991) A ação em uma situação imaginária ensina a criança a dirigir seu comportamento não somente pela percepção imediata dos objetos ou pela situação imediata. Com isso objetos perdem sua força determinadora.
  • 18. O objeto é dominante para a criança. Porém, no brinquedo, os significados são dominantes e os objetos são deslocados para uma situação subordinada. A situação imaginária é a 1ª manifestação da emancipação da criança em relação às situações concretas e funcionais (VIGOTSKI, 1991).
  • 19. Jogo simbólico – Faz-de-conta
  • 20. Mentiras Mário Quintana Lili vive no mundo do faz de conta... Faz de conta que isto é um avião. Zzzzzuuu... Depois aterrissou em um pique e virou um trem. Tuc tuc tuc tuc... Entrou pelo túnel, chispando. Mas debaixo da mesa havia bandidos. Pum! Pum! Pum! O trem descarrilou. E o mocinho? Onde é que está o mocinho? Meu Deus! onde é que está o mocinho?! No auge da confusão, levaram Lili para cama, à força. E o trem ficou tristemente derribado no chão, Fazendo de conta que era mesmo uma lata de sardinha.
  • 21. É grande a importância dada ao brinquedo, como parte da construção do simbolismo na criança. Por meio do brinquedo a criança perceberá que determinados objetos podem denotar outros, tornando-se, assim, seus signos. No brinquedos os objetos podem se tornar signos
  • 22. Como ocorre no brinquedo, na língua escrita, a criança precisará entender a questão da substituição. Sob a influência dos gestos, crianças mais velhas começam a descobrir que os objetos podem também substituir as coisas que indicam. Ao se fazer jogos com as crianças, em que um dado objeto passa a denotar outro, elas irão modificar a estrutura corriqueira do objeto, adquirindo este a função de signo, independente dos gestos da criança. A substituição no brinquedo
  • 23. A aprendizagem da linguagem escrita pode ser vista como um dos produtos do processo de brincar. A escrita como um simbolismo de segunda ordem precisa ser compreendida como um objeto substitutivo da fala.
  • 24. A aprendizagem da linguagem escrita pode acontecer APENAS a partir do brinquedo e sem atividades intencionais de ensino. Não se pretende com isso afirmar que
  • 25. Que o brinquedo tem um papel significativo e que NÃO É APENAS UM ADEREÇO sem importância na prática pedagógica. PRETENDE -SE SIM AFIRMAR QUE:
  • 26. Não será pelo treino e pelo desenho de letras que as crianças aprenderão sobre a escrita. Mas o processo de brincar, por meio do qual a criança percebe a possibilidade de um objeto denotar outro, poderá contribuir para o desenvolvimento de mecanismos psíquicos importantes para a compreensão do que é a escrita e do que ela representa, embora se trate de simbolizações de naturezas diferentes. A escrita e a infância não podem estar interligadas de qualquer forma.
  • 27. Brincar X Treinar Letras Segundo Vigotski, mais faremos pela crianças pequenas para que aprendam a ler e escrever brincando com elas e as deixando brincar livremente do que treinando letras e as obrigando a fazer dever de casa em materiais estruturados.
  • 28. A importância do ensino no aprendizado da escrita Sendo a escrita uma convenção, seu aprendizado não ocorrerá sem intervenção de atividades de ensino. O brincar também desempenha papel importante no processo de aprendizagem da escrita e, muitas vezes, isso não é percebido por aqueles que trabalham com as crianças no Ciclo de Alfabetização
  • 29. A infância é uma condição de nos tornarmos seres humanos e para isso, a educação, a escola é fundamental em nossas vidas, principalmente em nosso país, marcado por uma diferença acentuada das classes sociais.
  • 30. Crianças destituídas do direito à infância? Ainda encontramos crianças vivendo em descompasso com o que se pode pensar como um ideal de condições mínimas de existência. Encontramos crianças que são destituídas do direito à infância, independente da classe social a que pertencem, seja por precisar trabalhar ou por terem seu tempo tomado por compromissos considerados produtivos (balé, natação, aula de línguas, dentre outras).
  • 31. QUAL EDUCAÇÃO PARA A INFÂNCIA? UMA EDUCAÇÃO CAPAZ DE CONDUZIR A UMA VIVÊNCIA DE INFÂNCIA PERMEADA DE DESCOBERTAS, BRINCADEIRAS E APRENDIZAGENS CONSTANTES. UMA EDUCAÇÃO AS TORNEM CIDADÃS, DETENTORAS DE DIREITOS, QUE PRODUZAM CULTURA, E SEJAM POR ELA PRODUZIDAS (KRAMER, 2007).
  • 32.
  • 33. A formação de conceitos Para Vigotski, a formação de conceitos está presente já na fase mais precoce da infância, estruturando-se e desenvolvendo-se somente na puberdade. No período de alfabetização, enquanto é vivenciado o processo de ensinar e aprender a ler e a escrever a partir das práticas sociais, convivendo dentro e fora da escola com o sistema de escrita alfabético, vamos organizando a formação dos conceitos.
  • 34. Na mediação entre o sujeito e o objeto de conhecimento, Vigotski identifica duas linhas de formação de conceitos: Os conceitos cotidianos Os conceitos científicos
  • 35. Crianças pequenas constroem conceitos no relacionamento com as pessoas mais próximas (família e amigos), em suas atividades práticas, interagindo com o mundo em que vivem, em uma relação experimental e intuitiva, com características primitivas e fora do campo das reflexões, da consciência. Esses conceitos são formados no dia a dia em conversas informais, brincadeiras, descobertas, questionamentos, quando a criança aprende aquilo que sua capacidade psicológica permite naquele momento. Os conceitos cotidianos
  • 36. O desenvolvimento dos conceitos científicos aparecem com o início da escolarização. Eles são elaborados a partir do processo de reflexão, análise e compreensão, marcados por explicações conscientes sobre assuntos sistematizados pela cultura letrada. Os conceitos científicos
  • 37. Sinalizam a construção de várias funções psicológicas superiores do sujeito como: memória mediada, atenção voluntária, raciocínio lógico, abstração, comparação e diferenciação. Sua concretização ocorre na fase da adolescência, período em que o indivíduo se torna capaz de interagir com seus parceiros, opinar, criticar, reclamar, sugerir e deixar sua marca conscientemente. Os conceitos científicos e as funções psicológicas
  • 38. É na e pela escola que o indivíduo passa dos conceitos cotidianos, que construiu no seu dia a dia, para os conceitos científicos, característicos do trabalho intelectual e necessários ao seu futuro crescimento pessoal. O papel da escola e do professor
  • 39. As diferenças entre os Conceitos Cotidianos e Científicos: A diferença principal entre os conceitos cotidianos e científicos está ancorada no grau de consciência da criança. Os conceitos cotidianos são vivenciados no dia a dia a partir do nascimento, fazendo parte do contexto sócio-histórico-cultural em que estamos inseridos, através dos conhecimentos produzidos pela humanidade.
  • 40. Já os conceitos científicos surgem em ambientes específicos, como a escola – acompanhados de pensamentos conscientes e sistematizados, que vão sendo internalizados pela criança a partir de suas necessidades, seus interesses e incentivos oferecidos/mediados pelo(a) professor(a) ou por um(a) colega mais experiente.
  • 41.
  • 42.

Notas do Editor

  1. (AMBAS PROFESSORAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL)
  2. Discutir a escrita e a infância como conceitos que não se excluem. (se completam e se interpenetram). Discutir a possibilidade de que a escrita possa vir a tornar-se também mais um brinco para a infância brinco tanto no sentido do brincar do jogo, como também (e por que não?) no de ornamento, enfeite, arrumação. Estes objetivos foram pensados tendo em vista o diálogo do PNAIC quanto as diversas diferenças e semelhanças culturais, as diversas linguagens e formas de discursos com um só compromisso: pactuar que estamos envolvidos em uma dinâmica de formação de professores, para garantir que nossas crianças se alfabetizem até os oito anos de idade. Os autores indicam então que o que eles defendem é que a criança aprenda a ler e a escrever mas, também, que brinque, sorria e viva plenamente sua infância.
  3. Buscar na turma o conceito de infância.... (Após apresentar essa reflexão em seu texto Ana Lúcia e Regina questionam: Você já resolveu a essa pergunta, professor? Já pensou sobre ela em outros momentos? O objetivo é discutir com você e defender a ideia de que a infância... *
  4. Havia mesmo ausência onde Ariés viu ou era diferença? Mas de tudo fica a necessidade imperiosa de pensar o conceito de infância como algo demarcado pelo tempo.
  5. Mesmo sendo Ariés a referência devemos ter olhar crítico sobre a história e percebermos que a infância pode ser demarcado por outras questões.
  6. Então ....Além da historicidade há outros aspectos como Raça, Etnia Religião e ...sobre tudo Classe Social Crianças das Camadas populares X Médias e Elites Crianças Indígenas X Branças ou Afrodescendentes, do campo, das florestas ribeirinhas Por outro lado (próximo slide)
  7. A imagem a seguir ira contribuir para uma reflexão sobre essa questão.
  8. DESCRIÇÃO DA IMAGEM SEGUNDO O TEXTO: UMA CRIANÇA PEQUENA, DE CINCO ANOS – SEGUNDO OS CRÉDITOS QUE A ACOMPANHAM – ESCREVENDO UM ALFABETO. MAS NÃO SE SABE QUEM É ESSA CRIANÇA E QUAL É A ESCRITA QUE ELA ESTÁ PRATICANDO... NÃO É MESMO? TERIA ELA DIMENSÃO DO QUE REPRESENTA OU ESTAVA APENAS DESENHANDO-O? APENAS PODEMOS AFIRMAR QUE A CRIANÇA ESTA SE RELACIONANDO COM A ESCRITA E QUE ESTE GESTO FOI E SERÁ REPRODUZIDO POR MILHARES DE OUTRAS CRIANÇAS PELOS SÉCULOS SUBSEQUENTES.
  9. Espaços reservados para a infância na escola são encontrados apenas na Educação Infantil. Na rotina do Ensino Fundamental não há espaço para as brincadeiras de jogos de papeis (aqueles que envolvem a brincadeira de faz-de-conta em que a criança representa ludicamente situações similares às que vivenciou ou que imaginou)
  10. Para Vigostski a linguagem escrita ainda ocupava um lugar bastante estreito na prática escolar o que ainda é verdade para os dias de hoje INFELIZMENTE.
  11. Ao usar o cabo de vassoura p representar o cavalo ela constrói a noção de que um objeto pode ser substituído por outro pela representação ... Isso é fundamental para a aquisição da escrita.
  12. Para Vigoski, isso é um simbolismo de segunda ordem e, como se desenvolve no brinquedo, pode-se concluir que a brincadeira do faz-de-conta desempenha um importante papel para o desenvolvimento da linguagem escrita.
  13. SIMBOLISMO DE SEGUNDA ORDEM: UMA REPRESENTAÇÃO NÃO DA REALIDADE EM SI, MAS DE ALGO QUE JÁ DENOMINA A REALIDADE, NO CASO A FALA
  14. O MOMENTO QUE ERA PARA SER DE DESCOBERTA FICA ENFADONHO PODENDO DESESTIMULAR A CRIANÇA P DESVENDAR OS SENTIDOS E SIGNIFICADOS P O USO DA ESCRITA EM SUA SOCIEDADE.
  15. Crianças de diferentes níveis socioeconômicos podem ficar distantes do que pode e deve contemplar uma infância plenamente lúdica e significativa para suas aprendizagens. Aqui,
  16. Para promover essa educação Vigotiski nos dá referências para pensar a infância e os processos de ensino e aprendizagem nela desenvolvidos. As autores destacam nesse ponto do texto que elas fizeram questão de trazer os fundamentos teóricos dos conceitos cotidianos e científicos que apesar de ser a parte mais conhecida do trabalho de Vigotski é pouco explorada e compreendida e q elas trazem tais conceitos a fim de possamos verificar o quanto o trabalho pedagógico em sala de aula tem para desenvolver quando tomamos consciência de tais pressupostos. Percebamos que a teoria sobre a formação de conceitos difere das outras ?
  17. Se cruzam desde o nascimento da criança
  18. Exemplo: A CRIANÇA FAZ USO DE CONCEITOS COTIDIANOS QUANDO PEGA UM LIVRO E LÊ PARA OUTRAS CRIANÇS OU PARA UM ADULTO. MESMO QUE AINDA NÃO SAIBA LER CONVENCIONALMENTE, ELA ESTÁ PRATICNADO SUA FORMAÇÃO DE LEITORA, SUA ATITUDE LEITORA, LENDO IMAGENS, SIGNOS QUE PARA ELA TÊM SIGNIFICADO, QUE FAZEM SENTIDO NAQUILO QUE ELA QUER PARA O MOMENTO, AINDA QUE NÃO TENHA ALCANÇADO O OUTRO CONCEITO PADRÃO OU CONVENCIONAL DA LEITURA.