SlideShare uma empresa Scribd logo
PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias
Mais fascinante de todas as formas, a mais antiga,
tradicional e autêntica expressão do contador de histórias.
Não requer nenhum acessório e se processa por meio da
voz do narrador, de sua postura.
É a maneira ideal para contar uma história e a que mais
contribui para estimular a criatividade.
Técnica: o narrador, com as mãos livres, concentra toda sua
força na expressão corporal.
Lendas, fábulas, histórias recolhidas da tradição são as
recomendadas para serem contadas sob a forma de simples
narrativa.
SIMPLES NARRATIVA
COM O LIVRO
Há textos que requerem, indispensavelmente, a
apresentação do livro, pois a ilustração os complementa.
Há livros onde a apresentação gráfica e a imagem é tão rica
quanto o texto(às vezes mais rica).
Essa apresentação, além de incentivar o gosto pela
leitura(mesmo no caso dos ainda não alfabetizados),
contribui para desenvolver a sequência lógica do
pensamento infantil.
Técnica: mostrar o livro para a classe virando lentamente as
páginas com a mão direita, enquanto a esquerda sustenta a
parte inferior do livro, aberto de frente para o público. O
narrador conta a história com suas próprias palavras.
COM GRAVURAS
Quando usar: quando o formato dos livros for pequeno; as
ilustrações que antecipam acontecimentos não mantêm
correspondência com o texto; a publicação em revistas de
histórias ao lado de outras matérias.
As imagens podem ser ampliadas em cartolina(papel resistente)
ou também fazer colagem
As gravuras favorecem, sobretudo as crianças pequenas,
permitem que elas observem detalhes e contribuem para a
organização de seu pensamento. Isso lhes facilitará, mais tarde, a
identificação da ideia central, fatos principais, fatos secundários,
etc.
Técnica: antes da narrativa, empilham-se as gravuras em
ordem, viradas para baixo. À medida que vai contando, o
narrador as coloca uma a uma no suporte prático.
COM O FLANELÓGRAFO
Há histórias em que a personagem principal entra e sai de
cena, movimenta-se num vai-e-vém durante o enredo.
As figuras podem ser confeccionadas em flanela, feltro ou
papel-camurça. Outra opção é usar recortes de revistas,
personagens recortados em papel de lustro em cores
variadas ou em cartolina.
Técnica: cada personagem é colocado, individualmente,
ocupando seu lugar no quadro, dando ideia de movimento.
O mais importante é a ação do personagem principal, num
movimento constante.
COM INTERFERÊNCIAS DO NARRADOR
E DOS OUVINTES
Consiste numa participação ativa dos ouvintes, pela voz
e/ou gestos para tornar a narrativa mais atraente.
Técnicas:
Interferência falada: uma palavra, uma frase, que se
repetem em determinados momentos do enredo.
Interferência cantada: um estribilho que se repete
também no momento exato.
Interferência de grupo: no momento oportuno, o
narrador apenas com um gesto divide os ouvintes em
dois grupos e cada grupo fala ou canta e ao mesmo
tempo gesticula, conforme a sugestão do enredo.
COM DESENHOS
Aguça a curiosidade dos ouvintes e é um recurso atraente
no caso da história de poucos personagens e traços rápidos.
Técnica: no quadro de giz ou em papel de metro.
Enquanto narra, a professora vai desenhando o
personagem. Em dado momento interrompe a narrativa e
convida os ouvintes a irem ao quadro e expressarem suas
próprias ideias. O esboço de uma figura simples torna-se
um ideia luminosa.
PARA CATIVAR A PLATÉIA
Faça uma seleção de títulos que despertem em você a
vontade de passá-los aos alunos. É importante abrir o
universo deles para diferentes narrativas, com temas como
a vida e a morte, nossa origem e a humanidade, além de
mitos.
Para se familiarizar com a narrativa, treine contando para
amigos e familiares.
Comece a narrar para grupos menores, enquanto você
conhece as suas possibilidades. Reúna os ouvintes em roda
para que eles se sintam próximos de você.
Escolha recursos , como desenhos, bonecos, músicas e
movimentos de dança, com os quais você se sinta mais à
vontade.
Use elementos expressivos, como imitação de vozes e
movimentos com as mãos(estalar de dedos e palmas).
Empregados na hora certa, eles fazem a diferença.
Imagine os detalhes de todas as cenas e descubra a melhor
maneira de entoar cada trecho(sem se preocupar em
decorá-las).
Preste atenção em alguns refrões ou frases de impacto que
podem ser repetidos sempre do mesmo jeito – porque são
bonitos ou soam bem.
Quanto mais a história for contada, maior o número de
novas imagens que são incorporadas a cada cena. Esta é
uma peculiaridade da oralidade: cada um recria o conto.
Projete a voz na sala e amplie os gestos para que o público
não se disperse. Quando o enredo pedir um tom mais
suave, todos entenderão o recurso e farão silêncio para
ouvir.
Antes ou depois da narração, conte de onde vem a história:
de um livro, de um filme, da mitologia grega ou se
aconteceu com alguém conhecido. Assim, a turma fica
sabendo que também pode passá-la adiante.
Ignore as peraltices de alguns e conte a história para o resto
da classe. Se alguma coisa que os bagunceiros fizerem
permitir, vale incorporá-la à performance, sem quebrar o
clima da história.
Contar histórias sempre envolve alguns imprevistos. O
importante não é ter medo. Geralmente, as crianças
querem que a narração prossiga. Então, elas vão ajudar
você.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto poetas na escola
Projeto poetas na escolaProjeto poetas na escola
Projeto poetas na escola
Eunice Vieira
 
Projeto de poesia
Projeto de poesiaProjeto de poesia
Projeto de poesia
josyzap
 
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
Maylu Souza
 
Música na escola htpc
Música na escola  htpcMúsica na escola  htpc
Música na escola htpc
Luana Maria Ferreira Fernandes
 
Alfabetização com diferentes portadores textuais
Alfabetização com diferentes portadores textuaisAlfabetização com diferentes portadores textuais
Alfabetização com diferentes portadores textuais
Daiana Bomfim
 
Sarau de poesias
Sarau de poesiasSarau de poesias
Sarau de poesias
Sel78
 
Contando HistóRias[1]
Contando HistóRias[1]Contando HistóRias[1]
Contando HistóRias[1]
guest9b23a8
 
Contando Histã³Rias[1]
Contando Histã³Rias[1]Contando Histã³Rias[1]
Contando Histã³Rias[1]
guest3463d5
 
Literatura Juvenil 2013.1 Dom Quixote
Literatura Juvenil 2013.1 Dom Quixote Literatura Juvenil 2013.1 Dom Quixote
Literatura Juvenil 2013.1 Dom Quixote
Tati Garcia
 
Fábulas - proj. Esc.MarizetiMendes-VHA/RO.
Fábulas - proj. Esc.MarizetiMendes-VHA/RO.Fábulas - proj. Esc.MarizetiMendes-VHA/RO.
Fábulas - proj. Esc.MarizetiMendes-VHA/RO.
Ana Campana
 
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/ROPROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
Penha Kiffer
 
Projeto: Fábulas fabulosas
Projeto: Fábulas fabulosasProjeto: Fábulas fabulosas
Projeto: Fábulas fabulosas
simonha
 
Digital curso
Digital cursoDigital curso
Digital curso
nancecosta
 
Plano de aula Pedagogia 2013
Plano de aula Pedagogia 2013Plano de aula Pedagogia 2013
Plano de aula Pedagogia 2013
Alana Barbosa
 
Proj monteiro lobato_46
Proj monteiro lobato_46Proj monteiro lobato_46
Proj monteiro lobato_46
Eliane Pellizzaro
 
Atividade a dinamizar na biblioteca escolar
Atividade a dinamizar na biblioteca escolarAtividade a dinamizar na biblioteca escolar
Atividade a dinamizar na biblioteca escolar
mariajonasilva
 

Mais procurados (16)

Projeto poetas na escola
Projeto poetas na escolaProjeto poetas na escola
Projeto poetas na escola
 
Projeto de poesia
Projeto de poesiaProjeto de poesia
Projeto de poesia
 
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
A importância-da-visita-dos-familiares-para-o-rn-de-uti-neo (1)
 
Música na escola htpc
Música na escola  htpcMúsica na escola  htpc
Música na escola htpc
 
Alfabetização com diferentes portadores textuais
Alfabetização com diferentes portadores textuaisAlfabetização com diferentes portadores textuais
Alfabetização com diferentes portadores textuais
 
Sarau de poesias
Sarau de poesiasSarau de poesias
Sarau de poesias
 
Contando HistóRias[1]
Contando HistóRias[1]Contando HistóRias[1]
Contando HistóRias[1]
 
Contando Histã³Rias[1]
Contando Histã³Rias[1]Contando Histã³Rias[1]
Contando Histã³Rias[1]
 
Literatura Juvenil 2013.1 Dom Quixote
Literatura Juvenil 2013.1 Dom Quixote Literatura Juvenil 2013.1 Dom Quixote
Literatura Juvenil 2013.1 Dom Quixote
 
Fábulas - proj. Esc.MarizetiMendes-VHA/RO.
Fábulas - proj. Esc.MarizetiMendes-VHA/RO.Fábulas - proj. Esc.MarizetiMendes-VHA/RO.
Fábulas - proj. Esc.MarizetiMendes-VHA/RO.
 
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/ROPROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
PROJETO: FÁBULAS NA SALA DE AULA - ESCOLA GENIVAL NUNES DA COSTA - VILHENA/RO
 
Projeto: Fábulas fabulosas
Projeto: Fábulas fabulosasProjeto: Fábulas fabulosas
Projeto: Fábulas fabulosas
 
Digital curso
Digital cursoDigital curso
Digital curso
 
Plano de aula Pedagogia 2013
Plano de aula Pedagogia 2013Plano de aula Pedagogia 2013
Plano de aula Pedagogia 2013
 
Proj monteiro lobato_46
Proj monteiro lobato_46Proj monteiro lobato_46
Proj monteiro lobato_46
 
Atividade a dinamizar na biblioteca escolar
Atividade a dinamizar na biblioteca escolarAtividade a dinamizar na biblioteca escolar
Atividade a dinamizar na biblioteca escolar
 

Semelhante a PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias

Menu
Menu Menu
Menu
Luciana
 
Menu
MenuMenu
Menu
Luciana
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosCaderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
valdirnicioli1
 
Contação de histórias
Contação de históriasContação de histórias
Contação de histórias
Karen Kampa
 
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013 Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
Lismara de Oliveira
 
LP: Ficha da BD
LP: Ficha da BDLP: Ficha da BD
LP: Ficha da BD
7F
 
A contação de histórias andaimes para a formação de leitores-estácio
A contação de histórias andaimes para a formação de leitores-estácioA contação de histórias andaimes para a formação de leitores-estácio
A contação de histórias andaimes para a formação de leitores-estácio
Maria Deuza dos Santos
 
A arte de contar histórias andrea e patricia
A arte de contar histórias  andrea e patriciaA arte de contar histórias  andrea e patricia
A arte de contar histórias andrea e patricia
Luana Maria Ferreira Fernandes
 
Laboratório de Contação de Histórias
Laboratório de Contação de HistóriasLaboratório de Contação de Histórias
Laboratório de Contação de Histórias
Evany Nascimento
 
A arte de contar histórias
A arte de contar históriasA arte de contar histórias
A arte de contar histórias
Jackson Santos
 
Curso 7 classica
Curso 7 classicaCurso 7 classica
Curso 7 classica
Tatiana Schiavon
 
livro - eu conto contigo - formato digital - horizontal 2.pdf
livro - eu conto contigo - formato digital - horizontal 2.pdflivro - eu conto contigo - formato digital - horizontal 2.pdf
livro - eu conto contigo - formato digital - horizontal 2.pdf
fernandamoliterno1
 
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagemEstudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
unidadebetinho
 
Tessituras: apresentação de Rosane Castro
Tessituras: apresentação de Rosane CastroTessituras: apresentação de Rosane Castro
Tessituras: apresentação de Rosane Castro
Ana Paula Cecato
 
Tapetes de histórias
Tapetes de históriasTapetes de histórias
Tapetes de histórias
Escolas de Soure
 
A Arte de Contar Histórias (Introdução)
A Arte de Contar Histórias (Introdução)A Arte de Contar Histórias (Introdução)
A Arte de Contar Histórias (Introdução)
letraefel
 
A arte de contar histórias renata bomfim
A arte de contar histórias renata bomfimA arte de contar histórias renata bomfim
A arte de contar histórias renata bomfim
letraefel
 
A Arte de Contar Histórias (Introdução)
A Arte de Contar Histórias (Introdução)A Arte de Contar Histórias (Introdução)
A Arte de Contar Histórias (Introdução)
letraefel
 
Roteiro minha apresentação brasillis final
Roteiro minha apresentação brasillis finalRoteiro minha apresentação brasillis final
Roteiro minha apresentação brasillis final
Pedro Milliet
 
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docxPROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
EscolaMunicipalMaria16
 

Semelhante a PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias (20)

Menu
Menu Menu
Menu
 
Menu
MenuMenu
Menu
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernosCaderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
Caderno de apoio a pratica pedagogica contos classicos mitologicos e modernos
 
Contação de histórias
Contação de históriasContação de histórias
Contação de histórias
 
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013 Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
Teatro - Formação de Arte para RMD's - 18/09/2013
 
LP: Ficha da BD
LP: Ficha da BDLP: Ficha da BD
LP: Ficha da BD
 
A contação de histórias andaimes para a formação de leitores-estácio
A contação de histórias andaimes para a formação de leitores-estácioA contação de histórias andaimes para a formação de leitores-estácio
A contação de histórias andaimes para a formação de leitores-estácio
 
A arte de contar histórias andrea e patricia
A arte de contar histórias  andrea e patriciaA arte de contar histórias  andrea e patricia
A arte de contar histórias andrea e patricia
 
Laboratório de Contação de Histórias
Laboratório de Contação de HistóriasLaboratório de Contação de Histórias
Laboratório de Contação de Histórias
 
A arte de contar histórias
A arte de contar históriasA arte de contar histórias
A arte de contar histórias
 
Curso 7 classica
Curso 7 classicaCurso 7 classica
Curso 7 classica
 
livro - eu conto contigo - formato digital - horizontal 2.pdf
livro - eu conto contigo - formato digital - horizontal 2.pdflivro - eu conto contigo - formato digital - horizontal 2.pdf
livro - eu conto contigo - formato digital - horizontal 2.pdf
 
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagemEstudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
 
Tessituras: apresentação de Rosane Castro
Tessituras: apresentação de Rosane CastroTessituras: apresentação de Rosane Castro
Tessituras: apresentação de Rosane Castro
 
Tapetes de histórias
Tapetes de históriasTapetes de histórias
Tapetes de histórias
 
A Arte de Contar Histórias (Introdução)
A Arte de Contar Histórias (Introdução)A Arte de Contar Histórias (Introdução)
A Arte de Contar Histórias (Introdução)
 
A arte de contar histórias renata bomfim
A arte de contar histórias renata bomfimA arte de contar histórias renata bomfim
A arte de contar histórias renata bomfim
 
A Arte de Contar Histórias (Introdução)
A Arte de Contar Histórias (Introdução)A Arte de Contar Histórias (Introdução)
A Arte de Contar Histórias (Introdução)
 
Roteiro minha apresentação brasillis final
Roteiro minha apresentação brasillis finalRoteiro minha apresentação brasillis final
Roteiro minha apresentação brasillis final
 
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docxPROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
PROJETO Ed Inf 2023 Ler é Bom Expreimente.docx
 

Mais de ElieneDias

PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criançaPNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
ElieneDias
 
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anosTexto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoPNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda   PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridadePNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campoPNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campo
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dançaPNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
ElieneDias
 
Lilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracolLilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracol
ElieneDias
 
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoPNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasPNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirleyPNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmosPNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
ElieneDias
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogosPNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
ElieneDias
 

Mais de ElieneDias (20)

PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas PNAIC 2015 - Luas e luas
PNAIC 2015 - Luas e luas
 
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criançaPNAIC 2015 - Texto 4   o lugar da cultura escrita na educação da criança
PNAIC 2015 - Texto 4 o lugar da cultura escrita na educação da criança
 
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anosTexto 03   A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
Texto 03 A criança, a educaçaõ infantil e o ensino fundamental de nove anos
 
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetizaçãoPNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
PNAIC 2015 - Texto 02 A criança no ciclo de alfabetização
 
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educaçãoPNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
PNAIC 2015 - Texto 01 Concepção de infância, criança e educação
 
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
PNAIC 2015 - Brincadeiras de criança
 
PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda   PNAIC 2015 - A roda
PNAIC 2015 - A roda
 
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridadePNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
PNAIC 2015 - Jogos e interdisciplinaridade
 
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
PNAIC 2015 - Uma experiência com os textos da tradição oral no ciclo de alfab...
 
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
PNAIC 2015 - Sequência didática majê molê.
 
PNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campoPNAIC 2015 - Educação do campo
PNAIC 2015 - Educação do campo
 
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadePNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
PNAIC 2015 - Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
 
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
PNAIC 2015 - Ciclo de alfabetização e os direitos de aprendizagem (1)
 
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dançaPNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
PNAIC 2015 - A dança da lingua e linguagem da dança
 
Lilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracolLilito um amor de caracol
Lilito um amor de caracol
 
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 CurrículoPNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
PNAIC 2015 - Caderno 1 Currículo
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemasPNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações na resolução problemas
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirleyPNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números   profa. shirley
PNAIC - MATEMÁTICA - Operações com números profa. shirley
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmosPNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
PNAIC - MATEMÁTICA - Cálculos e algoritmos
 
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogosPNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
PNAIC - MATEMÁTICA - Caderno jogos
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 

PNAIC 2015 - Formas de apresentação de histórias

  • 2. Mais fascinante de todas as formas, a mais antiga, tradicional e autêntica expressão do contador de histórias. Não requer nenhum acessório e se processa por meio da voz do narrador, de sua postura. É a maneira ideal para contar uma história e a que mais contribui para estimular a criatividade. Técnica: o narrador, com as mãos livres, concentra toda sua força na expressão corporal. Lendas, fábulas, histórias recolhidas da tradição são as recomendadas para serem contadas sob a forma de simples narrativa. SIMPLES NARRATIVA
  • 3. COM O LIVRO Há textos que requerem, indispensavelmente, a apresentação do livro, pois a ilustração os complementa. Há livros onde a apresentação gráfica e a imagem é tão rica quanto o texto(às vezes mais rica). Essa apresentação, além de incentivar o gosto pela leitura(mesmo no caso dos ainda não alfabetizados), contribui para desenvolver a sequência lógica do pensamento infantil. Técnica: mostrar o livro para a classe virando lentamente as páginas com a mão direita, enquanto a esquerda sustenta a parte inferior do livro, aberto de frente para o público. O narrador conta a história com suas próprias palavras.
  • 4. COM GRAVURAS Quando usar: quando o formato dos livros for pequeno; as ilustrações que antecipam acontecimentos não mantêm correspondência com o texto; a publicação em revistas de histórias ao lado de outras matérias. As imagens podem ser ampliadas em cartolina(papel resistente) ou também fazer colagem As gravuras favorecem, sobretudo as crianças pequenas, permitem que elas observem detalhes e contribuem para a organização de seu pensamento. Isso lhes facilitará, mais tarde, a identificação da ideia central, fatos principais, fatos secundários, etc. Técnica: antes da narrativa, empilham-se as gravuras em ordem, viradas para baixo. À medida que vai contando, o narrador as coloca uma a uma no suporte prático.
  • 5. COM O FLANELÓGRAFO Há histórias em que a personagem principal entra e sai de cena, movimenta-se num vai-e-vém durante o enredo. As figuras podem ser confeccionadas em flanela, feltro ou papel-camurça. Outra opção é usar recortes de revistas, personagens recortados em papel de lustro em cores variadas ou em cartolina. Técnica: cada personagem é colocado, individualmente, ocupando seu lugar no quadro, dando ideia de movimento. O mais importante é a ação do personagem principal, num movimento constante.
  • 6. COM INTERFERÊNCIAS DO NARRADOR E DOS OUVINTES Consiste numa participação ativa dos ouvintes, pela voz e/ou gestos para tornar a narrativa mais atraente. Técnicas: Interferência falada: uma palavra, uma frase, que se repetem em determinados momentos do enredo. Interferência cantada: um estribilho que se repete também no momento exato. Interferência de grupo: no momento oportuno, o narrador apenas com um gesto divide os ouvintes em dois grupos e cada grupo fala ou canta e ao mesmo tempo gesticula, conforme a sugestão do enredo.
  • 7. COM DESENHOS Aguça a curiosidade dos ouvintes e é um recurso atraente no caso da história de poucos personagens e traços rápidos. Técnica: no quadro de giz ou em papel de metro. Enquanto narra, a professora vai desenhando o personagem. Em dado momento interrompe a narrativa e convida os ouvintes a irem ao quadro e expressarem suas próprias ideias. O esboço de uma figura simples torna-se um ideia luminosa.
  • 8. PARA CATIVAR A PLATÉIA Faça uma seleção de títulos que despertem em você a vontade de passá-los aos alunos. É importante abrir o universo deles para diferentes narrativas, com temas como a vida e a morte, nossa origem e a humanidade, além de mitos. Para se familiarizar com a narrativa, treine contando para amigos e familiares. Comece a narrar para grupos menores, enquanto você conhece as suas possibilidades. Reúna os ouvintes em roda para que eles se sintam próximos de você.
  • 9. Escolha recursos , como desenhos, bonecos, músicas e movimentos de dança, com os quais você se sinta mais à vontade. Use elementos expressivos, como imitação de vozes e movimentos com as mãos(estalar de dedos e palmas). Empregados na hora certa, eles fazem a diferença. Imagine os detalhes de todas as cenas e descubra a melhor maneira de entoar cada trecho(sem se preocupar em decorá-las). Preste atenção em alguns refrões ou frases de impacto que podem ser repetidos sempre do mesmo jeito – porque são bonitos ou soam bem.
  • 10. Quanto mais a história for contada, maior o número de novas imagens que são incorporadas a cada cena. Esta é uma peculiaridade da oralidade: cada um recria o conto. Projete a voz na sala e amplie os gestos para que o público não se disperse. Quando o enredo pedir um tom mais suave, todos entenderão o recurso e farão silêncio para ouvir. Antes ou depois da narração, conte de onde vem a história: de um livro, de um filme, da mitologia grega ou se aconteceu com alguém conhecido. Assim, a turma fica sabendo que também pode passá-la adiante. Ignore as peraltices de alguns e conte a história para o resto da classe. Se alguma coisa que os bagunceiros fizerem permitir, vale incorporá-la à performance, sem quebrar o clima da história.
  • 11. Contar histórias sempre envolve alguns imprevistos. O importante não é ter medo. Geralmente, as crianças querem que a narração prossiga. Então, elas vão ajudar você.