SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
 Conceito
Atetose significa sem postura fixa. O resultado da flutuação do tônus é um controle
postural contra a gravidade descontínuo e instável, caracterizada por movimentos
involuntários.
 DISCINÉTICOS: Criança que movimenta-se demais e não consegue controlar seus
movimentos.
 DISTÔNICOS: Mudanças repentinas de tônus. Uma criança com espasticidade pode
ter um “elemento distônico”.
 Causa
É o resultado de uma lesão principalmente nos gânglios basais (GB) resultando em
movimentos involuntários.
Papel dos gânglios basais no controle motor:
1. Importante para o controle do movimento – o principal trabalho do GB é refinar a
informação transportadas às áreas de associação do córtex e às áreas motoras do
córtex.
2. Eles têm ação parecida à do cerebelo:
 dimensionam a amplitude do esforço motor
 ajudam na realização prático do planejamento motor
 têm uma parte importante para atingir a meta de uma atividade
 Incidência e Prevalência
A forma atetóide da PC tem sua incidência variável de um país para outro, em função
dos cuidados dispensados aos recém-nascidos. Costuma-se a atribuir aos altos níveis
de bilirrubina associados à incompatibilidade de Rh; mais associado com partos
prematuros e à asfixia neonatal e baixa idade gestacional com hipóxia.
Distribuição:
 Geralmente quadriplégicos
 Alguns hemiplégicos, embora isso seja raro
Quadro Clínico
Quatro subgrupos de crianças com atetose:
 Atetose pura.
 Coreoatetose.
 Atetose com espasmos tônicos intermitentes – espasmos distônicos.
 Atetose com espasticidade.
Todos têm em comum:
a) Tônus postural anormal
b) Movimentos involuntários
Coréia:
São movimentos involuntários das articulações, sendo arrítmicos, rápidos e de distribuição
variável.
A atetose é o fluxo contínuo de movimentos
lentos, sinuosos, de contorção, geralmente nas
mãos e nos pés. A coréia e a atetose podem
ocorrer simultaneamente (coreoatetose).
 Características Gerais
 Tônus Postural anormal
 Graduação insuficiente, ou nenhuma, nos movimentos posturais e voluntários
 Padrões posturais: muito assimétricos e controle de cabeça e de tronco muito
pobres.
 Contraturas e deformidades
 Problemas associados:
Comunicação e respiração, alimentação, visão, emocional.
 Princípios do Tratamento
1. Estabilizar tônus postural.
2. Conseguir co-contração proximal.
3. Visar o controle estático e então adicionar ao movimento.
4. Trabalhar em atividades que promovam simetria e alinhamento. Particularmente o
uso da preensão bi-lateral.
5. Ajustar as reações de balanço: usar repetição, contagem, etc.
 Referências Bibliográficas
http://interfisio.com.br/?artigo&ID=295&url=Cadeia-Cinetica-Fechada-na-Paralisia-
Cerebral-Atetoide
http://www.concursoefisioterapia.com/2014/07/tipos-de-motricidade-involuntaria.html
http://patologiasemovimentos.blogspot.com.br/2009/11/coreia-e-atetose.html
http://www.bobathbh.com.br/
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
Biancaglorinha
 
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
Fisioterapeuta
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Nay Ribeiro
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
pauloalambert
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
dapab
 

Mais procurados (20)

Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
 
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
 
Avaliação respiratória
Avaliação respiratóriaAvaliação respiratória
Avaliação respiratória
 
Bobath
BobathBobath
Bobath
 
Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
ESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMS
ESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMSESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMS
ESCALA MOTORA INFANTIL DE ALBERTA - AIMS
 
Biomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozeloBiomecanica do pé e tornozelo
Biomecanica do pé e tornozelo
 
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de VidaDesenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Estudo de caso clinico
Estudo de caso clinicoEstudo de caso clinico
Estudo de caso clinico
 
Dor em Membros Superiores
Dor em Membros SuperioresDor em Membros Superiores
Dor em Membros Superiores
 
Propedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonarPropedêutica pulmonar
Propedêutica pulmonar
 
Técnicas de cinesioterapia respiratória
Técnicas de cinesioterapia respiratóriaTécnicas de cinesioterapia respiratória
Técnicas de cinesioterapia respiratória
 
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxiaRevisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral ataxia
 

Semelhante a Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo

Acidente vascular encefálico parte2
Acidente vascular encefálico parte2Acidente vascular encefálico parte2
Acidente vascular encefálico parte2
Jumooca
 
Glossário Essencial de Problemas Neuromotores
Glossário Essencial de Problemas NeuromotoresGlossário Essencial de Problemas Neuromotores
Glossário Essencial de Problemas Neuromotores
Joaquim Colôa
 

Semelhante a Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo (20)

Manuseios
ManuseiosManuseios
Manuseios
 
Tratamento pc
Tratamento pcTratamento pc
Tratamento pc
 
Paralisia cerebral em Odontologia
Paralisia cerebral em OdontologiaParalisia cerebral em Odontologia
Paralisia cerebral em Odontologia
 
Jornal Paralisia Cerebral
 Jornal Paralisia Cerebral  Jornal Paralisia Cerebral
Jornal Paralisia Cerebral
 
disturbios cerebelares
disturbios cerebelaresdisturbios cerebelares
disturbios cerebelares
 
Desenvolvimento motor atípico
Desenvolvimento motor atípicoDesenvolvimento motor atípico
Desenvolvimento motor atípico
 
Estabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica Laboral
Estabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica LaboralEstabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica Laboral
Estabilização Segmentar associada a RPG como Recurso para a Ginástica Laboral
 
(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf
(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf
(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf
 
Pc aulaintrodutória
Pc aulaintrodutóriaPc aulaintrodutória
Pc aulaintrodutória
 
Hidroterapia na paralisia cerebral
Hidroterapia na paralisia cerebralHidroterapia na paralisia cerebral
Hidroterapia na paralisia cerebral
 
REFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICAS
REFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICASREFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICAS
REFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICAS
 
Tremor
TremorTremor
Tremor
 
REEDUCAÇÃO FUNCIONAL - CONCEITOS E MÉTODOS
REEDUCAÇÃO FUNCIONAL - CONCEITOS E MÉTODOSREEDUCAÇÃO FUNCIONAL - CONCEITOS E MÉTODOS
REEDUCAÇÃO FUNCIONAL - CONCEITOS E MÉTODOS
 
Coordenação16
Coordenação16Coordenação16
Coordenação16
 
Coordenação
CoordenaçãoCoordenação
Coordenação
 
Coordenação14
Coordenação14Coordenação14
Coordenação14
 
Sinais e sintomas neurológicos aula2 ps
Sinais e sintomas neurológicos aula2 psSinais e sintomas neurológicos aula2 ps
Sinais e sintomas neurológicos aula2 ps
 
Acidente vascular encefálico parte2
Acidente vascular encefálico parte2Acidente vascular encefálico parte2
Acidente vascular encefálico parte2
 
Ataxia e ..
Ataxia e ..Ataxia e ..
Ataxia e ..
 
Glossário Essencial de Problemas Neuromotores
Glossário Essencial de Problemas NeuromotoresGlossário Essencial de Problemas Neuromotores
Glossário Essencial de Problemas Neuromotores
 

Mais de Fisioterapeuta

Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
Fisioterapeuta
 

Mais de Fisioterapeuta (14)

Síndrome de Down - Revisão
Síndrome de Down - RevisãoSíndrome de Down - Revisão
Síndrome de Down - Revisão
 
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão 2
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão 2Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão 2
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão 2
 
Lesão de plexo braquial
Lesão de plexo braquialLesão de plexo braquial
Lesão de plexo braquial
 
Lesão de Plexo Braquial – Revisão de Artigo
Lesão de Plexo Braquial – Revisão de ArtigoLesão de Plexo Braquial – Revisão de Artigo
Lesão de Plexo Braquial – Revisão de Artigo
 
Paralisia Cerebral Ataxia – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Ataxia – Revisão de ArtigoParalisia Cerebral Ataxia – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Ataxia – Revisão de Artigo
 
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão de Artigo
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão de ArtigoDistrofia Muscular de Duchenne – Revisão de Artigo
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão de Artigo
 
Distrofia muscular de duchenne
Distrofia muscular de duchenneDistrofia muscular de duchenne
Distrofia muscular de duchenne
 
Paralisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóideParalisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóide
 
Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebralFunção motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
 
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) – revisão 2
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) – revisão 2Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) – revisão 2
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) – revisão 2
 
Amiotrofia Muscular Espinhal - Revisão
Amiotrofia Muscular Espinhal - RevisãoAmiotrofia Muscular Espinhal - Revisão
Amiotrofia Muscular Espinhal - Revisão
 
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De ArtigoAmiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
 
Necrose
NecroseNecrose
Necrose
 
Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (8)

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 

Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo

  • 1.
  • 2.  Conceito Atetose significa sem postura fixa. O resultado da flutuação do tônus é um controle postural contra a gravidade descontínuo e instável, caracterizada por movimentos involuntários.  DISCINÉTICOS: Criança que movimenta-se demais e não consegue controlar seus movimentos.  DISTÔNICOS: Mudanças repentinas de tônus. Uma criança com espasticidade pode ter um “elemento distônico”.
  • 3.  Causa É o resultado de uma lesão principalmente nos gânglios basais (GB) resultando em movimentos involuntários. Papel dos gânglios basais no controle motor: 1. Importante para o controle do movimento – o principal trabalho do GB é refinar a informação transportadas às áreas de associação do córtex e às áreas motoras do córtex. 2. Eles têm ação parecida à do cerebelo:  dimensionam a amplitude do esforço motor  ajudam na realização prático do planejamento motor  têm uma parte importante para atingir a meta de uma atividade
  • 4.  Incidência e Prevalência A forma atetóide da PC tem sua incidência variável de um país para outro, em função dos cuidados dispensados aos recém-nascidos. Costuma-se a atribuir aos altos níveis de bilirrubina associados à incompatibilidade de Rh; mais associado com partos prematuros e à asfixia neonatal e baixa idade gestacional com hipóxia. Distribuição:  Geralmente quadriplégicos  Alguns hemiplégicos, embora isso seja raro
  • 5. Quadro Clínico Quatro subgrupos de crianças com atetose:  Atetose pura.  Coreoatetose.  Atetose com espasmos tônicos intermitentes – espasmos distônicos.  Atetose com espasticidade. Todos têm em comum: a) Tônus postural anormal b) Movimentos involuntários
  • 6. Coréia: São movimentos involuntários das articulações, sendo arrítmicos, rápidos e de distribuição variável. A atetose é o fluxo contínuo de movimentos lentos, sinuosos, de contorção, geralmente nas mãos e nos pés. A coréia e a atetose podem ocorrer simultaneamente (coreoatetose).
  • 7.  Características Gerais  Tônus Postural anormal  Graduação insuficiente, ou nenhuma, nos movimentos posturais e voluntários  Padrões posturais: muito assimétricos e controle de cabeça e de tronco muito pobres.  Contraturas e deformidades  Problemas associados: Comunicação e respiração, alimentação, visão, emocional.
  • 8.  Princípios do Tratamento 1. Estabilizar tônus postural. 2. Conseguir co-contração proximal. 3. Visar o controle estático e então adicionar ao movimento. 4. Trabalhar em atividades que promovam simetria e alinhamento. Particularmente o uso da preensão bi-lateral. 5. Ajustar as reações de balanço: usar repetição, contagem, etc.