SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Revisão sobre Paralisia Cerebral- Ataxia
Novembro, 2016.
Paralisia Cerebral :
 A paralisia cerebral descreve um grupo de desordens permanentes do desenvolvimento
do movimento e postura atribuído a um distúrbio não progressivo que ocorre durante o
desenvolvimento do cérebro fetal ou infantil, podendo contribuir para limitações no perfil
de funcionalidade do paciente;
 A desordem motora na paralisia cerebral pode ser acompanhada por distúrbios
sensoriais, perceptivos, cognitivos, de comunicação e comportamental;
 As causas podem ser multifatoriais, como congênitas, genéticas, inflamatórias,
infecciosas, atóxicas, traumáticas e metabólicas;
 A nível de funcionalidade, pode ser classificada em hemiparética, diparética e
quadriparética;
 Quanto ao nível de tônus muscular, pode ser classificada em espástica, discinética,
atáxica e mista;
Ataxia:
 A palavra ataxia tem origem gregra e significa desorganização;
 “O conceito de ataxia designa a falta de coordenação dos diversos grupos
musculares que participam do movimento. O distúrbio pode referir-se tanto a
velocidade e amplitude do movimento como na direção e na força com a qual ele é
realizado.”
 Caracterizada pela presença de dismetria (desorientação espacial/distância),
disdiadococinesia (dificuldade em movimentos rápidos e alternados), decomposição de
movimentos (aceleração/desaceleração) e disartria (
 A principal função do cerebelo é controlar o equilíbrio e coordenar os movimentos, quando
ocorre uma lesão do cerebelo as crianças com lesão apresentam ataxia ou seja, marcha
“cambaleante” por causa da deficiência de equilíbrio, e apresentam, ainda, pouca
coordenação dos movimentos com incapacidade para realizar movimentos alternados
rápidos e dificuldade para atingir um alvo.
Ataxia de Friedreich
 Ataxia de Friedreich (FRDA) é uma desordem neurodegenerativa recessiva autossômica, é
a ataxia hereditário mais comum.
 O gente utilizado para identificação é o FXN;
 Com início dos sintomas entre os 7 e os 20 anos;
 Apresenta ausência de reflexos miotáticos em MI e presença do reflexo cutâneo plantar
extensor (sinal de Babinski);
 Falta de equilíbrio e coordenação, fraqueza em MI, perda sensorial, arreflexia, disartria,
disfagia, escoliose, deformidades nos pés, cardiomiopatia e diabetes.
Ataxia de Machado-Joseph (DMJ)
 A Doença de Machado-Joseph (DMJ) é hereditária, progressiva e degenerativa;
 Ela gera grande incapacidade motora, porém, sem nunca alterar o intelecto;
 É resultante de uma alteração genética e caracterizada por inúmeros problemas como
desequilíbrio, descoordenação de movimentos, a espasticidade (articulação deficiente e
conseqüente rigidez dos membros) e a limitação dos movimentos oculares;
 Os sintomas da doença aparecem entre 10 e 60 anos.
 No inicio da doença a pessoa começa a caminhar como se estivesse “embriagada” depois
apresenta movimentos e gestos bruscos, não só nas pernas, mas também nos braços e
nas mãos. Não se equilibra bem em pé e apresenta também dificuldade na visão, não
enxerga bem para os lados.
 Nos países desenvolvidos a prevalência encontrada de PC varia de 1,5 a 5,9/1000
nascidos vivos;
 Estima-se que a incidência de PC nos países em desenvolvimento seja de 7:1000
nascidos .
 A PC atáxica é o diagnóstico menos comum (cerca de 5% a 10% de todos os casos);
 “O Rio Grande do Sul, especialmente, tem muitas pessoas portadoras desta
doença devido ao grande número de migrantes açorianos. Como esta doença é
originária da Ilha dos Açores, em Portugal, temos em solo gaúcho muitas famílias
atingidas pela enfermidade”
 A PC atáxica apresenta baixo tônus muscular, espaticidade e os movimentos são
desajeitados e a marcha é instável , com base alargada e “cambaleante”;
 A postura também pode ficar comprometida, de modo em que o tronco tenha
movimentos espasmódicos irregulares na posição sentada (ataxia ou desequilbrio
do tronco).
 Pode haver tremor nos membros, que vai piorando no final de um movimento com
objetivo determinado , chamado tremor de intenção;
Tratamento Fisioterapêutico:
 Após a realização da anamnese e avaliação física do paciente, o fisioterapeuta deve ser capaz de
identificar o diagnóstico de suas limitações funcionais ou incapacidades e/ou de suas deficiências e
com base nessas informações e estabelecer o plano de tratamento;
 Aumento de tônus, atráves da mobilização passiva de forma rápida;
 Exercícios de propriocepção, percepção do movimento e equilíbrio através de exercícios que
trabalhem dissociação de cintura, precisão de movimentos, manutenção e transferências de
posturas e a marcha, proporcionando ao paciente a capacidade de realizar suas AVD’s e obter uma
melhor qualidade de vida;
 A cinesioterapia pode prevenir a disfunção e promover o desenvolvimento, melhorar, restaurar
ou manter a força, resistência á fadiga e preparo cardiovascular, mobilidade e flexibilidade,
estabilidade, relaxamento, coordenação, equilíbrio e habilidades funcionais; (uso de caneleiras
em punho e tornozelo).
 Os exercícios ativo livre e ativo assistido contribuem dando um feedback sensorial da contração
músculo, desenvolvendo a coordenação e a habilidade motora para as AVD’s e mantêm a
elasticidade e contratilidade fisiológica dos músculos;
 As mudanças de posturas e transferências proporcionam dissociação de cinturas, melhoram o
controle neuromuscular e aumentam o equilíbrio estático e dinâmico que resultam no melhor
desempenho;
 Treino de marcha na barra paralela.
 Além da fisioterapia motora, a fonoaudiologia e a terapia ocupacional.
Eventualmente, pode ser necessário o uso de um medicamento para diminuir
algum sintoma.
Referências Bibliográficas:
 Musselman, Kristin E. et ai. "Prevalência de Ataxia em crianças: uma revisão
sistemática." Neurology 82,1 (2014):. 80-89 PMC . Rede. 06 de outubro de 2016;
 Parolin Schnekenberg R, Perkins EM, Miller JW, et al. De novo as mutações pontuais em
pacientes com diagnóstico de paralisia cerebral atáxica. Cérebro .2015; 138 (7): 1817-
1832. doi: 10.1093 / cérebro / awv117.
 http://www.aappad.com.br/manual.pdf (Ataxias Diagnóstico e Terapia Aplicada)
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxia
Revisão sobre paralisia cerebral  ataxia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
Ágatha Mayara
 
Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) . Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) .
Dani Drp
 

Mais procurados (20)

Quadril
QuadrilQuadril
Quadril
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Bobath
BobathBobath
Bobath
 
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Fisioterapia em Pediatria apresentação
Fisioterapia em Pediatria apresentaçãoFisioterapia em Pediatria apresentação
Fisioterapia em Pediatria apresentação
 
Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath Noções do Método Bobath
Noções do Método Bobath
 
Trauma raquimedular
Trauma raquimedularTrauma raquimedular
Trauma raquimedular
 
Manual de goniometria
Manual de goniometriaManual de goniometria
Manual de goniometria
 
Cotovelo
CotoveloCotovelo
Cotovelo
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
 
Aula 1 anamese
Aula 1 anameseAula 1 anamese
Aula 1 anamese
 
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivosNocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
Nocoes do-metodo-bobath reflexos primitivos
 
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologiaAula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
Aula 1 unidade i fundamentos de cinesiologia
 
Joelho
JoelhoJoelho
Joelho
 
Biomecanica da marcha
Biomecanica da marchaBiomecanica da marcha
Biomecanica da marcha
 
Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) . Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) .
 

Semelhante a Revisão sobre paralisia cerebral ataxia

Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Nay Ribeiro
 
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebralTreinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
JoannaRita
 
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
Fisioterapeuta
 
Exercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idososExercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idosos
Natha Fisioterapia
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
Pedui
 

Semelhante a Revisão sobre paralisia cerebral ataxia (20)

Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Paralisia cerebral em Odontologia
Paralisia cerebral em OdontologiaParalisia cerebral em Odontologia
Paralisia cerebral em Odontologia
 
Pc aulaintrodutória
Pc aulaintrodutóriaPc aulaintrodutória
Pc aulaintrodutória
 
SÍNDROMES GERIÁTRICAS geriatria e gerontologia .pptx
SÍNDROMES GERIÁTRICAS geriatria e gerontologia .pptxSÍNDROMES GERIÁTRICAS geriatria e gerontologia .pptx
SÍNDROMES GERIÁTRICAS geriatria e gerontologia .pptx
 
Jornal Paralisia Cerebral
 Jornal Paralisia Cerebral  Jornal Paralisia Cerebral
Jornal Paralisia Cerebral
 
Tratamento pc
Tratamento pcTratamento pc
Tratamento pc
 
Paralisia Cerebral descomplicada
Paralisia Cerebral descomplicadaParalisia Cerebral descomplicada
Paralisia Cerebral descomplicada
 
Deficiência Física - Paralisia Cerebral, Distrofia Muscular de Duchenne e Mie...
Deficiência Física - Paralisia Cerebral, Distrofia Muscular de Duchenne e Mie...Deficiência Física - Paralisia Cerebral, Distrofia Muscular de Duchenne e Mie...
Deficiência Física - Paralisia Cerebral, Distrofia Muscular de Duchenne e Mie...
 
Hidroterapia na paralisia cerebral
Hidroterapia na paralisia cerebralHidroterapia na paralisia cerebral
Hidroterapia na paralisia cerebral
 
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebralTreinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
Treinamento de fora em sujeitos portadores de acidente vasculas cerebral
 
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
A interferência da alteração de tônus sobre a reabilitação fisioterapêutica a...
 
Síndrome de duchenne.point.poetha
Síndrome de duchenne.point.poethaSíndrome de duchenne.point.poetha
Síndrome de duchenne.point.poetha
 
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebralA musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
 
disturbios cerebelares
disturbios cerebelaresdisturbios cerebelares
disturbios cerebelares
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Patologias
PatologiasPatologias
Patologias
 
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causas
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causasDoença de alzheimer na fisioterapia suas causas
Doença de alzheimer na fisioterapia suas causas
 
PRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptx
PRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptxPRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptx
PRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
Exercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idososExercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idosos
 
Doenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervosoDoenças do sistema nervoso
Doenças do sistema nervoso
 

Mais de Fisioterapeuta

Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
Fisioterapeuta
 

Mais de Fisioterapeuta (15)

Síndrome de Down - Revisão
Síndrome de Down - RevisãoSíndrome de Down - Revisão
Síndrome de Down - Revisão
 
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão 2
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão 2Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão 2
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão 2
 
Lesão de plexo braquial
Lesão de plexo braquialLesão de plexo braquial
Lesão de plexo braquial
 
Lesão de Plexo Braquial – Revisão de Artigo
Lesão de Plexo Braquial – Revisão de ArtigoLesão de Plexo Braquial – Revisão de Artigo
Lesão de Plexo Braquial – Revisão de Artigo
 
Paralisia Cerebral Ataxia – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Ataxia – Revisão de ArtigoParalisia Cerebral Ataxia – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Ataxia – Revisão de Artigo
 
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão de Artigo
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão de ArtigoDistrofia Muscular de Duchenne – Revisão de Artigo
Distrofia Muscular de Duchenne – Revisão de Artigo
 
Distrofia muscular de duchenne
Distrofia muscular de duchenneDistrofia muscular de duchenne
Distrofia muscular de duchenne
 
Paralisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóideParalisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóide
 
Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebralFunção motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
 
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) – revisão 2
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) – revisão 2Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) – revisão 2
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) – revisão 2
 
Amiotrofia Muscular Espinhal - Revisão
Amiotrofia Muscular Espinhal - RevisãoAmiotrofia Muscular Espinhal - Revisão
Amiotrofia Muscular Espinhal - Revisão
 
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De ArtigoAmiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
Amiotrofia Muscular Espinhal (AME) Revisão De Artigo
 
Necrose
NecroseNecrose
Necrose
 
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em FisioterapiaTestes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
Testes especiais de coluna lombar e pelve em Fisioterapia
 
Síndrome de down
Síndrome de down Síndrome de down
Síndrome de down
 

Revisão sobre paralisia cerebral ataxia

  • 1. Revisão sobre Paralisia Cerebral- Ataxia Novembro, 2016.
  • 2. Paralisia Cerebral :  A paralisia cerebral descreve um grupo de desordens permanentes do desenvolvimento do movimento e postura atribuído a um distúrbio não progressivo que ocorre durante o desenvolvimento do cérebro fetal ou infantil, podendo contribuir para limitações no perfil de funcionalidade do paciente;  A desordem motora na paralisia cerebral pode ser acompanhada por distúrbios sensoriais, perceptivos, cognitivos, de comunicação e comportamental;  As causas podem ser multifatoriais, como congênitas, genéticas, inflamatórias, infecciosas, atóxicas, traumáticas e metabólicas;  A nível de funcionalidade, pode ser classificada em hemiparética, diparética e quadriparética;  Quanto ao nível de tônus muscular, pode ser classificada em espástica, discinética, atáxica e mista;
  • 3. Ataxia:  A palavra ataxia tem origem gregra e significa desorganização;  “O conceito de ataxia designa a falta de coordenação dos diversos grupos musculares que participam do movimento. O distúrbio pode referir-se tanto a velocidade e amplitude do movimento como na direção e na força com a qual ele é realizado.”  Caracterizada pela presença de dismetria (desorientação espacial/distância), disdiadococinesia (dificuldade em movimentos rápidos e alternados), decomposição de movimentos (aceleração/desaceleração) e disartria (  A principal função do cerebelo é controlar o equilíbrio e coordenar os movimentos, quando ocorre uma lesão do cerebelo as crianças com lesão apresentam ataxia ou seja, marcha “cambaleante” por causa da deficiência de equilíbrio, e apresentam, ainda, pouca coordenação dos movimentos com incapacidade para realizar movimentos alternados rápidos e dificuldade para atingir um alvo.
  • 4. Ataxia de Friedreich  Ataxia de Friedreich (FRDA) é uma desordem neurodegenerativa recessiva autossômica, é a ataxia hereditário mais comum.  O gente utilizado para identificação é o FXN;  Com início dos sintomas entre os 7 e os 20 anos;  Apresenta ausência de reflexos miotáticos em MI e presença do reflexo cutâneo plantar extensor (sinal de Babinski);  Falta de equilíbrio e coordenação, fraqueza em MI, perda sensorial, arreflexia, disartria, disfagia, escoliose, deformidades nos pés, cardiomiopatia e diabetes.
  • 5. Ataxia de Machado-Joseph (DMJ)  A Doença de Machado-Joseph (DMJ) é hereditária, progressiva e degenerativa;  Ela gera grande incapacidade motora, porém, sem nunca alterar o intelecto;  É resultante de uma alteração genética e caracterizada por inúmeros problemas como desequilíbrio, descoordenação de movimentos, a espasticidade (articulação deficiente e conseqüente rigidez dos membros) e a limitação dos movimentos oculares;  Os sintomas da doença aparecem entre 10 e 60 anos.  No inicio da doença a pessoa começa a caminhar como se estivesse “embriagada” depois apresenta movimentos e gestos bruscos, não só nas pernas, mas também nos braços e nas mãos. Não se equilibra bem em pé e apresenta também dificuldade na visão, não enxerga bem para os lados.
  • 6.  Nos países desenvolvidos a prevalência encontrada de PC varia de 1,5 a 5,9/1000 nascidos vivos;  Estima-se que a incidência de PC nos países em desenvolvimento seja de 7:1000 nascidos .  A PC atáxica é o diagnóstico menos comum (cerca de 5% a 10% de todos os casos);  “O Rio Grande do Sul, especialmente, tem muitas pessoas portadoras desta doença devido ao grande número de migrantes açorianos. Como esta doença é originária da Ilha dos Açores, em Portugal, temos em solo gaúcho muitas famílias atingidas pela enfermidade”
  • 7.  A PC atáxica apresenta baixo tônus muscular, espaticidade e os movimentos são desajeitados e a marcha é instável , com base alargada e “cambaleante”;  A postura também pode ficar comprometida, de modo em que o tronco tenha movimentos espasmódicos irregulares na posição sentada (ataxia ou desequilbrio do tronco).  Pode haver tremor nos membros, que vai piorando no final de um movimento com objetivo determinado , chamado tremor de intenção;
  • 8. Tratamento Fisioterapêutico:  Após a realização da anamnese e avaliação física do paciente, o fisioterapeuta deve ser capaz de identificar o diagnóstico de suas limitações funcionais ou incapacidades e/ou de suas deficiências e com base nessas informações e estabelecer o plano de tratamento;  Aumento de tônus, atráves da mobilização passiva de forma rápida;  Exercícios de propriocepção, percepção do movimento e equilíbrio através de exercícios que trabalhem dissociação de cintura, precisão de movimentos, manutenção e transferências de posturas e a marcha, proporcionando ao paciente a capacidade de realizar suas AVD’s e obter uma melhor qualidade de vida;
  • 9.  A cinesioterapia pode prevenir a disfunção e promover o desenvolvimento, melhorar, restaurar ou manter a força, resistência á fadiga e preparo cardiovascular, mobilidade e flexibilidade, estabilidade, relaxamento, coordenação, equilíbrio e habilidades funcionais; (uso de caneleiras em punho e tornozelo).  Os exercícios ativo livre e ativo assistido contribuem dando um feedback sensorial da contração músculo, desenvolvendo a coordenação e a habilidade motora para as AVD’s e mantêm a elasticidade e contratilidade fisiológica dos músculos;  As mudanças de posturas e transferências proporcionam dissociação de cinturas, melhoram o controle neuromuscular e aumentam o equilíbrio estático e dinâmico que resultam no melhor desempenho;  Treino de marcha na barra paralela.
  • 10.  Além da fisioterapia motora, a fonoaudiologia e a terapia ocupacional. Eventualmente, pode ser necessário o uso de um medicamento para diminuir algum sintoma.
  • 11. Referências Bibliográficas:  Musselman, Kristin E. et ai. "Prevalência de Ataxia em crianças: uma revisão sistemática." Neurology 82,1 (2014):. 80-89 PMC . Rede. 06 de outubro de 2016;  Parolin Schnekenberg R, Perkins EM, Miller JW, et al. De novo as mutações pontuais em pacientes com diagnóstico de paralisia cerebral atáxica. Cérebro .2015; 138 (7): 1817- 1832. doi: 10.1093 / cérebro / awv117.  http://www.aappad.com.br/manual.pdf (Ataxias Diagnóstico e Terapia Aplicada)