Manuseios

20.500 visualizações

Publicada em

2 comentários
18 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.500
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
258
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
530
Comentários
2
Gostaram
18
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manuseios

  1. 1. Princípios Básicos dos Manuseios Fisioterapia Aplicada em Pediatria
  2. 2. Posturas e Movimentos Postura e Movimento Normal  O movimento normal requer sempre uma postura inicial adequada e este movimento ocorre numa seqüência determinada com pequenas variações.
  3. 3. Postura e movimento primitivo  É definido como aquele que pertence a estágios muito precoces do desenvolvimento normal de crianças que vão do nascimento aos 3 ou 4 meses de idade. Posturas e Movimentos
  4. 4.  Postura e movimento anormal ou patológico  O movimento anormal pode ser definido como aquele não visto em nenhum estágio do desenvolvimento de um bebê normal. Posturas e Movimentos
  5. 5. Aspectos Sensíveis dos Manuseios  Posicionamento das mãos  Não existem pontos-chave específicos  Movimentos constantes das mãos: feedback desorganizado (a criança tem que sentir, saber para onde vão as mãos)  Pressão  De moderada a profunda  Deve ser previsível  Propriocepção  Tomada de peso e transferência
  6. 6.  Velocidade do movimento  Lento: inibitório/calmante  Veloz: excitatório  Ritmo do movimento  Movimentos previsíveis repetitivos promovem organização  Corpo do terapeuta  Coordenação com movimentos da criança  Ajustes posturais Aspectos Sensíveis do Manuseio
  7. 7. Facilitação  É o processo em que as mãos e o corpo do terapeuta promovem alinhamento e direção do movimento do paciente.  São técnicas usadas para ajudar o paciente a se mover com menor esforço possível.  Ela requer do terapeuta, um bom conhecimento de movimento normal e do desenvolvimento sensório-motor normal.  O aprendizado ocorre através da sensação – receptores na pele e grandes articulações.
  8. 8. Escala Neuroevolutiva  Controle cervical  Extensão de tronco  Rolamento em bloco  Rolamento dissociado  Sentar (long sitting, side sitting)  Arrasta  4 apoios  Engatinha  Ajoelhado  Semi-ajoelhado  De pé  Marcha Lateral  Marcha para frente
  9. 9. Pontos - chaves  São pontos através dos quais se podem influenciar o tônus e a postura do corpo ou segmento corporal  Através deles realizamos os manuseios para ajudar a criança a conseguir movimentos normais.  Pontos-chaves  Cabeça, pescoço e a coluna  Cinturas escapular e pélvica
  10. 10. Pontos-chaves de inibição e facilitação  Cabeça  Extensão (facilita a extensão do corpo)  Flexão (inibe espasticidade extensora e facilita o controle da cabeça)  Lateralização (em casos de hemiplegia, facilita a extensão do lado acometido)
  11. 11.  Membros superiores  Rotação Interna (inibe extensão e facilita flexão)  Rotação Externa (inibe flexão e facilita extensão)  Abdução horizontal (inibe espasticidade extensora dos flexores do pescoço e músculos peitorais)  Elevação combinada (inibe espasticidade flexora)  Extensão em diagonal (inibe espasticidade flexora e facilita abdução horizontal)  Abdução do polegar com antebraço em supinação (inibe a pronação e flexão do punho e mão)  Dissociação de cinturas (facilita o rolamento) Pontos-chaves de inibição e facilitação
  12. 12.  Membros inferiores  Flexão do quadril (facilita abdução, rotação lateral e DF)  Rotação lateral com extensão (facilita abdução e DF)  DF dos 3º e 4º dedos (inibe espasticidade em extensão) Pontos-chaves de inibição e facilitação
  13. 13.  Quando a criança está sob nossas mãos, devemos ter a sensibilidade para percebermos as variadas mudanças de tônus muscular sob nossas mãos.  Devemos usar nossas mãos efetivamente e economicamente.  Além dos pontos-chaves, a ênfase é na simetria. Manuseios
  14. 14. Manuseios  Bebê normal:  O controle da cabeça é a base para todos os movimentos e atividades.  Qualquer que seja o movimento, a posição da cabeça é ajustada, mantendo-a firme na linha média do corpo.  Bebê com alteração:  O controle da cabeça está atrasado e inadequado.  Os padrões anormais do corpo provêm da cabeça, do pescoço e da coluna.
  15. 15.  Bebê com alteração:  Em razão da presença de tônus postural anormal, seus movimentos são iniciados de uma postura assimétrica, instável, que perturba o alinhamento da cabeça, do pescoço e do tronco, resultando em distribuição do peso irregular.  Reações posturais automáticas, tais como equilíbrio, podem ser ausentes, retardadas ou exageradas. Manuseios
  16. 16.  Objetivo:  cessar qualquer atividade indesejada e estabelecer tônus postural mais normal,  facilitar reações posturais mais normais e movimentos voluntários guiados, levando à participação ativa da própria criança.  O manuseio de uma criança nesses “pontos- chaves” será baseado na avaliação do tônus postural, padrões posturais e de movimento e habilidades funcionais em relação à idade. Manuseios
  17. 17.  Hipertonia  Inibir as reações anormais a partir dos “pontos-chaves”, ajudando a criança a ajustar as mudanças na postura.  Facilitar os padrões de movimento mais normais e reações posturais automáticas.  Hipotonia  Estabilizaremos os pontos-chaves, dando à criança um ponto de estabilidade (fixação), permitindo que ela mantenha sua postura contra a gravidade e organize, gradue e melhore a qualidade de seus movimentos Manuseios
  18. 18. É importante nos Manuseios  Conhecer as razões das dificuldades da criança p/ mover-se e como elas variam  Verificar como seus padrões de postura e de mov. Anormais afetam todo o corpo e quais técnicas de manuseios podem minimizar ou mudar essas reações  Ser sensível às mudanças no tônus  Permitir à criança que pratique qualquer habilidade nova adquirida  Lembrar-se de que habilidades físicas, de comunicação e intelectuais não podem ser consideradas isoladamente.
  19. 19. PRINCÍPIOS DE TRATAMENTO
  20. 20. QUADRIPLEGIA ESPÁSTICA  Neuromotor  Tratar dinamicamente a criança como um todo  Usar grandes amplitudes de movimento e aumentar a mobilidade geral  Trabalhar com estabilidade para o controle gradual nas tomadas de peso.  Guiar o movimento inicial para reduzir o esforço inicial  Ajudar a criança a ter controle sobre seus movimentos  Utilizar a rotação de tronco para reduzir o tônus
  21. 21.  Estrutura/alinhamento/ amplitude  Trabalhar para simetria  Atividades para alongar e fortalecer músculos  Tônus muscular  Usar o manuseio para inibir ou diminuir o tônus e simultaneamente facilitar o controle ativo  Usar técnicas de propriocepção com balanceio, vibração e tração para reduzir tônus  Sensorial  Dar oportunidade à criança para fazer transições de movimento dentro de seu ambiente QUADRIPLEGIA ESPÁSTICA
  22. 22. DIPLEGIA ESPÁSTICA  Neuromotor  Tratar a criança como um todo  Trabalhar atividades de jogos funcionais para desenvolver controle em rotação  Ênfase em melhorar controle de tronco para desenvolver reações posturais e aumentar a dissociação das diferentes partes do corpo  Acentuar as tomadas de peso lateral e diagonal e componentes de movimento nas transições funcionais  Tônus muscular  Mesmo das quadriplegias
  23. 23.  Neuromotor  Tratar a criança como um todo: propriocepção e tátil, compressão, pressão profunda, aproximação articular  Ensinar a criança a se manter na linha média e graduar os movimentos fora dela, primeiramente em planos sem rotação e depois introduzindo rotação  Use fixações distais, apoiando numa mesa, segurando um objeto, etc, para ajudar na sustentação da atividade muscular  Usar posturas altas: sentada ou em pé. ATETOSE
  24. 24.  Tônus Muscular  Compressão , pressão profunda e manuseio firme  Dar estímulo proprioceptivo e tátil para ajudar o bebê a manter a atividade muscular e estabilidade postural  Biomecânica/ Muscular/ Esqueleto  Desenvolver controle na linha média  Acrescentar a rotação depois de obter o controle na linha média  Melhorar o alinhamento biomecânico  Estabilidade da cintura escapular e pélvica ATETOSE
  25. 25.  Sensorial  Graduar o input sensorial e observar os resultados  Não mudar mãos constantemente, manter uma pressão firme e profunda  Movimento inicialmente deverá ser fora dos seus padrões conhecidos de movimento. ATETOSE
  26. 26. HEMIPLEGIA  Neuromotor  Tratar a criança como um todo  Melhorar habilidades na linha média  Trabalhar para controle do lado mais envolvido. Ênfase para melhorar base de apoio e descarga de peso  Trabalhar com atividades de tomada de peso com o corpo sobre os membros para melhorar controle proximal e função distal.  Há risco de desenvolver escoliose secundária aos movimentos assimétricos  Sensorial  Trabalhar estímulos proprioceptivos e táteis variados
  27. 27. ATAXIA  O tratamento precisa ser realizado com bastante suporte emocional, para ajudar a criança a perder o medo de se movimentar.  Saber esperar a criança responder ao input recebido, se adaptar e dar resposta  Ajudar a criança a desenvolver sequência de movimento através da repetição  Fazer atividades para aumentar a consciência corporal
  28. 28.  Input de sustentação ajuda a criança a sentir a base de suporte e reduz a flutuação corporal. Pressão profunda ajuda a criança a definir a propriocepção corporal  Sustentar a compressão articular, através de tomada de peso na base de apoio  Trabalhar em superfícies móveis,ajuda a ampliar as reações de balanço  Movimentos em grandes arcos de movimento ATAXIA

×