SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
DESENVOLVIMENTOS DOS
                     REFLEXOS




 Trabalho realizado por:
    Maria João nº15
   Rita Barradas nº22
Disciplina: Saúde Infantil
        2011/2012
ÍNDICE
   Introdução
   O que é um Reflexo?
   Reflexos aos 3 anos
   Reflexo de Marcha Automática
    Reflexo de Sucção
   Reflexo de Preensão Palmar
   Reflexo de Moro
   Reflexo de Galant
   Reflexo de Tonicidade Axial
   Reflexo de Escalar
   Reflexo de Marcha
   Fim/Vídeos
INTRODUÇÃO
 Na disciplina de Saúde Infantil, foi-nos solicitado a
  realização de um trabalho sobre o
  Desenvolvimento dos Reflexos dos bebés.
 Passemos à apresentação…
O QUE É UM REFLEXO?
   Reflexo é uma reação corporal automática à
    estimulação, como, por exemplo, o reflexo de Moro.
    Comportamentos reflexos ou respondentes são interações
    estímulo resposta incondicionadas. Muitos reflexos
    permanecem entre os adultos, mas o recém-nascido tem
    alguns reflexos designados reflexos primitivos, que
    desaparecem na medida em que o córtex se vai
    desenvolvendo totalmente.
REFLEXOS AOS 3 ANOS
   Mais ou menos aos três anos, alguns reflexos deveriam
    estar completamente integrados e não voltar a interferir
    com o movimento.
   Os reflexos primitivos não integrados podem causar
    problemas com as capacidades motoras grossa ou fina, com
    a visão, o ouvido, a articulação de palavras e a linguagem.
REFLEXO DE MARCHA AUTOMÁTICA
   O bebé está deitado de barriga para baixo, com as pernas
    flectidas. Quando se lhe toca na planta do pé, estica as
    pernas e empurra o corpo para a frente.
REFLEXO DE SUCÇÃO
   Quando se toca suavemente na boca do bebé, ela abre-se e
    começa a sugar ou a chupar. Desta forma, pode comprovar-
    se se o bebé tem fome ou se está cansado. Se lhe toca e
    suga, é porque tem fome; se chupa é porque está cansado.
REFLEXO DE PREENSÃO PALMAR
   Se um adulto coloca um dedo na palma da mão do bebé, ele
    aperta-o de imediato e com força. Os dedos da criança não
    se fecham simplesmente, mas adaptam-se na perfeição ao
    contorno do dedo do adulto e agarram-se com firmeza.
    Trata-se de uma grande façanha para o bebé: o reflexo é
    tão forte que o recém-nascido, muitas vezes, é capaz de
    aguentar o seu próprio peso suspenso durante uns
    segundos. Este reflexo perde-se por volta dos três meses.
    Nesta altura, a criança continua a agarrar o dedo, mas
    solta-o de seguida. Com quatro ou cinco meses, já é capaz
    de agarrar aquilo que se lhe oferece: um novo padrão de
    movimento e a vontade sobrepõem-se e anulam o reflexo
    inicial.
REFLEXO DE MORO
   O recém-nascido descansa sobre os braços do adulto. De
    repente, o adulto inclina os braços cerca de 30º, pelo que o
    bebé tem a sensação de que vai cair. O reflexo produz-se
    como reacção ao susto: primeiro abre os braços para os
    lados (para que os pais o vejam); depois volta a juntá-los
    e, de seguida, fecha as mãos (para se agarrar).

                                    Reflexo
                                    de moro
REFLEXO DE GALANT
   O bebé está deitado de barriga para baixo.
    Passamos-lhe os dedos pelos rins, paralelamente à
    coluna vertebral. Se se faz no lado esquerdo, o
    corpo curva-se ligeiramente para a
    esquerda, enquanto se o fizermos do lado direito
    alonga-se para a direita.
REFLEXO DE TONICIDADE AXIAL
   O bebé está deitado de barriga para cima. Se roda a
    cabeça para a esquerda, estica a perna e o braço esquerdos
    e flecte o braço direito (como se fosse um jogador de
    esgrima). Porquê? Nesta idade, a cabeça determina a
    postura do corpo e das suas extremidades. É uma reacção
    muito primitiva que os bebés têm em comum com os
    animais.
REFLEXO DE ESCALAR
   Segura-se o bebé debaixo dos braços e mantemo-
    lo erguido. As suas pernas ficam suspensas
    livremente. Se o aproximamos até que o peito de
    um dos pés toque na mesa, automaticamente
    levanta o pé, flecte o joelho e sobe o pé para a
    mesa. Este movimento é originado pelo toque do
    peito do pé.
REFLEXO DE MARCHA
   Seguramos o bebé por debaixo dos braços e mantemo-lo
    erguido. De seguida, começamos a baixá-lo para o chão até
    o pousar. Quando um pé toca no chão, o bebé levanta-
    o, dobra o joelho e dá um passo para a frente. De
    seguida, entra em acção a outra perna. O que parece uma
    predisposição precoce para andar é, na realidade, uma
    parte dos exercícios que o bebé fazia dentro da barriga da
    mãe. Ali, apoiava os pés contra a parede abdominal e
    caminhava sobre ela. Este reflexo apenas se pode observar
    durante três meses, pois, nesta idade, a criança já
    desenvolveu movimentos mais complexos. Caso estes
    reflexos não estejam presentes na idade que deveriam
    estar ou não se manifestam, pode ser indicativo de uma
    possível disfunção neurológica.
FIM
CONCLUSÃO
 Neste trabalho aprendemos vários reflexos que
  nem sabíamos que existiam.
 Aprendemos quando aparecem e quando são
  aperfeiçoados.
 Como devemos fazer com que os bebés façam os
  reflexos.
VIDEOS


   http://www.youtube.com/watch?v=G2msMzsEVv4




   http://www.youtube.com/watch?v=2pgI_rpqKbc
BIBLIOGRAFIA
   http://www.net-bebes.com/bebes/tipos-de-reflexos-
    num-bebe

   http://www.todopapas.com.pt/bebe/saude-do-
    bebe/primeiros-reflexos-dos-bebes-saiba-quais-
    sao-2927

   (Links dos vídeos em cima)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consultablogped1
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaEDSON ALAN QUEIROZ
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaLaped Ufrn
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilStudent
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoEnayad
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éViviane da Silva
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamneselacmuam
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeAngelica Reis Angel
 
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de ArtigoParalisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de ArtigoFisioterapeuta
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimentoagemais
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologicoresenfe2013
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno blogped1
 

Mais procurados (20)

Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Sistema tegumentar
Sistema tegumentarSistema tegumentar
Sistema tegumentar
 
Sensibilidade 14
Sensibilidade 14Sensibilidade 14
Sensibilidade 14
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criançaAcompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
Acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Exame Físico do RN
Exame Físico do RNExame Físico do RN
Exame Físico do RN
 
Exame Físico em Pediatria
Exame Físico em PediatriaExame Físico em Pediatria
Exame Físico em Pediatria
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantilDesenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de ArtigoParalisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
Paralisia Cerebral Atetóide – Revisão de Artigo
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 

Semelhante a Desenvolvimentos dos reflexos

REFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICAS
REFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICASREFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICAS
REFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICASAna Carolina
 
(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf
(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf
(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdfMarthaEmanuely
 
57102594 areas-da-psicomotricidade
57102594 areas-da-psicomotricidade57102594 areas-da-psicomotricidade
57102594 areas-da-psicomotricidadeBeatriz Madeira
 
Shantala – nutricao afetiva
Shantala – nutricao afetivaShantala – nutricao afetiva
Shantala – nutricao afetivamauroba2
 
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anos
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anosDesenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anos
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anoslorrayne nunes
 
Shantala curso de gestante
Shantala curso de gestanteShantala curso de gestante
Shantala curso de gestanteDessa Reis
 
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimentoAula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimentoGustavo Henrique
 
Cartilha Shantala - Unimed
Cartilha Shantala - UnimedCartilha Shantala - Unimed
Cartilha Shantala - UnimedCreche Segura
 
Aula DNPM CEPP - DESENVOLVIMNETO NEUROPISICOMOTOR
Aula DNPM CEPP - DESENVOLVIMNETO NEUROPISICOMOTORAula DNPM CEPP - DESENVOLVIMNETO NEUROPISICOMOTOR
Aula DNPM CEPP - DESENVOLVIMNETO NEUROPISICOMOTORssuser5b3ebd1
 
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idadeDesenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idadeastraquinasns
 
atividade01092014-140909143029-phpapp02.pptx
atividade01092014-140909143029-phpapp02.pptxatividade01092014-140909143029-phpapp02.pptx
atividade01092014-140909143029-phpapp02.pptxAnaoneleoliveiraFurt
 
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Comunicação empresarial apresentação
Comunicação empresarial   apresentaçãoComunicação empresarial   apresentação
Comunicação empresarial apresentaçãoFrancisco Luiz
 

Semelhante a Desenvolvimentos dos reflexos (20)

REFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICAS
REFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICASREFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICAS
REFLEXOS INFANTIS E ESTEREOTIPIAS RÍTMICAS
 
(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf
(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf
(20160917152454)REFLEXOS E REAÇÕES DO BEBÊ.pdf
 
57102594 areas-da-psicomotricidade
57102594 areas-da-psicomotricidade57102594 areas-da-psicomotricidade
57102594 areas-da-psicomotricidade
 
Avaliação clínica e prevenção de alterações do desenvolvimento neuropsicomoto...
Avaliação clínica e prevenção de alterações do desenvolvimento neuropsicomoto...Avaliação clínica e prevenção de alterações do desenvolvimento neuropsicomoto...
Avaliação clínica e prevenção de alterações do desenvolvimento neuropsicomoto...
 
Shantala – nutricao afetiva
Shantala – nutricao afetivaShantala – nutricao afetiva
Shantala – nutricao afetiva
 
Os 5 s para acalmar um bebê até 3 meses
Os 5 s para acalmar um bebê até 3 mesesOs 5 s para acalmar um bebê até 3 meses
Os 5 s para acalmar um bebê até 3 meses
 
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anos
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anosDesenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anos
Desenvolvimento motor normal da criança de 0 à 3 anos
 
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de VidaDesenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
Desenvolvimento Motor no Primeiro Ano de Vida
 
Objetivo e metodologia
Objetivo e metodologiaObjetivo e metodologia
Objetivo e metodologia
 
Shantala curso de gestante
Shantala curso de gestanteShantala curso de gestante
Shantala curso de gestante
 
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimentoAula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
Aula 13 -_crescimento_e_desenvolvimento
 
Cartilha Shantala - Unimed
Cartilha Shantala - UnimedCartilha Shantala - Unimed
Cartilha Shantala - Unimed
 
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 03 MEDIO CETADEB )
PSICOLOGIA PASTORAL  (AULA 03  MEDIO CETADEB  ) PSICOLOGIA PASTORAL  (AULA 03  MEDIO CETADEB  )
PSICOLOGIA PASTORAL (AULA 03 MEDIO CETADEB )
 
slide de david efa ae
slide de david efa aeslide de david efa ae
slide de david efa ae
 
Aula DNPM CEPP - DESENVOLVIMNETO NEUROPISICOMOTOR
Aula DNPM CEPP - DESENVOLVIMNETO NEUROPISICOMOTORAula DNPM CEPP - DESENVOLVIMNETO NEUROPISICOMOTOR
Aula DNPM CEPP - DESENVOLVIMNETO NEUROPISICOMOTOR
 
Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil  Desenvolvimento infantil
Desenvolvimento infantil
 
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idadeDesenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
Desenvolvimento do bebe dos 0 aos 6 meses de idade
 
atividade01092014-140909143029-phpapp02.pptx
atividade01092014-140909143029-phpapp02.pptxatividade01092014-140909143029-phpapp02.pptx
atividade01092014-140909143029-phpapp02.pptx
 
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
 
Comunicação empresarial apresentação
Comunicação empresarial   apresentaçãoComunicação empresarial   apresentação
Comunicação empresarial apresentação
 

Mais de becresforte

Aula lit%e dase urin%e1ria
Aula   lit%e dase urin%e1riaAula   lit%e dase urin%e1ria
Aula lit%e dase urin%e1riabecresforte
 
G proteção ambiental e desenvolvimento sustentável-geologia
G proteção ambiental e desenvolvimento sustentável-geologiaG proteção ambiental e desenvolvimento sustentável-geologia
G proteção ambiental e desenvolvimento sustentável-geologiabecresforte
 
Jornal de estudantes
Jornal de estudantesJornal de estudantes
Jornal de estudantesbecresforte
 
Gastronomie île de france
Gastronomie   île de franceGastronomie   île de france
Gastronomie île de francebecresforte
 
Castelos de Portugal
Castelos de PortugalCastelos de Portugal
Castelos de Portugalbecresforte
 
Publicação1 novembro1112
Publicação1 novembro1112Publicação1 novembro1112
Publicação1 novembro1112becresforte
 
Agenda cultu ra al -outubro- publicação
Agenda cultu ra al -outubro-  publicaçãoAgenda cultu ra al -outubro-  publicação
Agenda cultu ra al -outubro- publicaçãobecresforte
 
Agenda cultu ra al -outubro- publicação
Agenda cultu ra al -outubro-  publicaçãoAgenda cultu ra al -outubro-  publicação
Agenda cultu ra al -outubro- publicaçãobecresforte
 
Pierre auguste renoir regina
Pierre auguste renoir   reginaPierre auguste renoir   regina
Pierre auguste renoir reginabecresforte
 
Jeanne d'arc inês freitas
Jeanne d'arc   inês freitasJeanne d'arc   inês freitas
Jeanne d'arc inês freitasbecresforte
 
Les frères lumière
Les frères lumièreLes frères lumière
Les frères lumièrebecresforte
 
Jeanne d'arc inês freitas
Jeanne d'arc   inês freitasJeanne d'arc   inês freitas
Jeanne d'arc inês freitasbecresforte
 
Charles de Gaulle
Charles de Gaulle   Charles de Gaulle
Charles de Gaulle becresforte
 
Alain chabat daniela f.
Alain chabat   daniela f.Alain chabat   daniela f.
Alain chabat daniela f.becresforte
 
Trabalho biologia final2
Trabalho biologia final2Trabalho biologia final2
Trabalho biologia final2becresforte
 
Biologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luisBiologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luisbecresforte
 
Biologia(apresentação) sara e filipa
Biologia(apresentação) sara e filipaBiologia(apresentação) sara e filipa
Biologia(apresentação) sara e filipabecresforte
 

Mais de becresforte (20)

Aula lit%e dase urin%e1ria
Aula   lit%e dase urin%e1riaAula   lit%e dase urin%e1ria
Aula lit%e dase urin%e1ria
 
G proteção ambiental e desenvolvimento sustentável-geologia
G proteção ambiental e desenvolvimento sustentável-geologiaG proteção ambiental e desenvolvimento sustentável-geologia
G proteção ambiental e desenvolvimento sustentável-geologia
 
Jornal de estudantes
Jornal de estudantesJornal de estudantes
Jornal de estudantes
 
Gastronomie île de france
Gastronomie   île de franceGastronomie   île de france
Gastronomie île de france
 
Castelos de Portugal
Castelos de PortugalCastelos de Portugal
Castelos de Portugal
 
Publicação1 novembro1112
Publicação1 novembro1112Publicação1 novembro1112
Publicação1 novembro1112
 
Agenda cultu ra al -outubro- publicação
Agenda cultu ra al -outubro-  publicaçãoAgenda cultu ra al -outubro-  publicação
Agenda cultu ra al -outubro- publicação
 
Pub b es1213
Pub b es1213Pub b es1213
Pub b es1213
 
Agenda cultu ra al -outubro- publicação
Agenda cultu ra al -outubro-  publicaçãoAgenda cultu ra al -outubro-  publicação
Agenda cultu ra al -outubro- publicação
 
Pierre auguste renoir regina
Pierre auguste renoir   reginaPierre auguste renoir   regina
Pierre auguste renoir regina
 
Jeanne d'arc inês freitas
Jeanne d'arc   inês freitasJeanne d'arc   inês freitas
Jeanne d'arc inês freitas
 
Les frères lumière
Les frères lumièreLes frères lumière
Les frères lumière
 
Jeanne d'arc inês freitas
Jeanne d'arc   inês freitasJeanne d'arc   inês freitas
Jeanne d'arc inês freitas
 
Coco Chanel
Coco Chanel  Coco Chanel
Coco Chanel
 
Charles de Gaulle
Charles de Gaulle   Charles de Gaulle
Charles de Gaulle
 
Annie Girardot
Annie GirardotAnnie Girardot
Annie Girardot
 
Alain chabat daniela f.
Alain chabat   daniela f.Alain chabat   daniela f.
Alain chabat daniela f.
 
Trabalho biologia final2
Trabalho biologia final2Trabalho biologia final2
Trabalho biologia final2
 
Biologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luisBiologia trabalho iulian luis
Biologia trabalho iulian luis
 
Biologia(apresentação) sara e filipa
Biologia(apresentação) sara e filipaBiologia(apresentação) sara e filipa
Biologia(apresentação) sara e filipa
 

Desenvolvimentos dos reflexos

  • 1. DESENVOLVIMENTOS DOS REFLEXOS Trabalho realizado por: Maria João nº15 Rita Barradas nº22 Disciplina: Saúde Infantil 2011/2012
  • 2. ÍNDICE  Introdução  O que é um Reflexo?  Reflexos aos 3 anos  Reflexo de Marcha Automática  Reflexo de Sucção  Reflexo de Preensão Palmar  Reflexo de Moro  Reflexo de Galant  Reflexo de Tonicidade Axial  Reflexo de Escalar  Reflexo de Marcha  Fim/Vídeos
  • 3. INTRODUÇÃO  Na disciplina de Saúde Infantil, foi-nos solicitado a realização de um trabalho sobre o Desenvolvimento dos Reflexos dos bebés.  Passemos à apresentação…
  • 4. O QUE É UM REFLEXO?  Reflexo é uma reação corporal automática à estimulação, como, por exemplo, o reflexo de Moro. Comportamentos reflexos ou respondentes são interações estímulo resposta incondicionadas. Muitos reflexos permanecem entre os adultos, mas o recém-nascido tem alguns reflexos designados reflexos primitivos, que desaparecem na medida em que o córtex se vai desenvolvendo totalmente.
  • 5. REFLEXOS AOS 3 ANOS  Mais ou menos aos três anos, alguns reflexos deveriam estar completamente integrados e não voltar a interferir com o movimento.  Os reflexos primitivos não integrados podem causar problemas com as capacidades motoras grossa ou fina, com a visão, o ouvido, a articulação de palavras e a linguagem.
  • 6. REFLEXO DE MARCHA AUTOMÁTICA  O bebé está deitado de barriga para baixo, com as pernas flectidas. Quando se lhe toca na planta do pé, estica as pernas e empurra o corpo para a frente.
  • 7. REFLEXO DE SUCÇÃO  Quando se toca suavemente na boca do bebé, ela abre-se e começa a sugar ou a chupar. Desta forma, pode comprovar- se se o bebé tem fome ou se está cansado. Se lhe toca e suga, é porque tem fome; se chupa é porque está cansado.
  • 8. REFLEXO DE PREENSÃO PALMAR  Se um adulto coloca um dedo na palma da mão do bebé, ele aperta-o de imediato e com força. Os dedos da criança não se fecham simplesmente, mas adaptam-se na perfeição ao contorno do dedo do adulto e agarram-se com firmeza. Trata-se de uma grande façanha para o bebé: o reflexo é tão forte que o recém-nascido, muitas vezes, é capaz de aguentar o seu próprio peso suspenso durante uns segundos. Este reflexo perde-se por volta dos três meses. Nesta altura, a criança continua a agarrar o dedo, mas solta-o de seguida. Com quatro ou cinco meses, já é capaz de agarrar aquilo que se lhe oferece: um novo padrão de movimento e a vontade sobrepõem-se e anulam o reflexo inicial.
  • 9. REFLEXO DE MORO  O recém-nascido descansa sobre os braços do adulto. De repente, o adulto inclina os braços cerca de 30º, pelo que o bebé tem a sensação de que vai cair. O reflexo produz-se como reacção ao susto: primeiro abre os braços para os lados (para que os pais o vejam); depois volta a juntá-los e, de seguida, fecha as mãos (para se agarrar). Reflexo de moro
  • 10. REFLEXO DE GALANT  O bebé está deitado de barriga para baixo. Passamos-lhe os dedos pelos rins, paralelamente à coluna vertebral. Se se faz no lado esquerdo, o corpo curva-se ligeiramente para a esquerda, enquanto se o fizermos do lado direito alonga-se para a direita.
  • 11. REFLEXO DE TONICIDADE AXIAL  O bebé está deitado de barriga para cima. Se roda a cabeça para a esquerda, estica a perna e o braço esquerdos e flecte o braço direito (como se fosse um jogador de esgrima). Porquê? Nesta idade, a cabeça determina a postura do corpo e das suas extremidades. É uma reacção muito primitiva que os bebés têm em comum com os animais.
  • 12. REFLEXO DE ESCALAR  Segura-se o bebé debaixo dos braços e mantemo- lo erguido. As suas pernas ficam suspensas livremente. Se o aproximamos até que o peito de um dos pés toque na mesa, automaticamente levanta o pé, flecte o joelho e sobe o pé para a mesa. Este movimento é originado pelo toque do peito do pé.
  • 13. REFLEXO DE MARCHA  Seguramos o bebé por debaixo dos braços e mantemo-lo erguido. De seguida, começamos a baixá-lo para o chão até o pousar. Quando um pé toca no chão, o bebé levanta- o, dobra o joelho e dá um passo para a frente. De seguida, entra em acção a outra perna. O que parece uma predisposição precoce para andar é, na realidade, uma parte dos exercícios que o bebé fazia dentro da barriga da mãe. Ali, apoiava os pés contra a parede abdominal e caminhava sobre ela. Este reflexo apenas se pode observar durante três meses, pois, nesta idade, a criança já desenvolveu movimentos mais complexos. Caso estes reflexos não estejam presentes na idade que deveriam estar ou não se manifestam, pode ser indicativo de uma possível disfunção neurológica.
  • 14. FIM
  • 15. CONCLUSÃO  Neste trabalho aprendemos vários reflexos que nem sabíamos que existiam.  Aprendemos quando aparecem e quando são aperfeiçoados.  Como devemos fazer com que os bebés façam os reflexos.
  • 16. VIDEOS  http://www.youtube.com/watch?v=G2msMzsEVv4  http://www.youtube.com/watch?v=2pgI_rpqKbc
  • 17. BIBLIOGRAFIA  http://www.net-bebes.com/bebes/tipos-de-reflexos- num-bebe  http://www.todopapas.com.pt/bebe/saude-do- bebe/primeiros-reflexos-dos-bebes-saiba-quais- sao-2927  (Links dos vídeos em cima)