SlideShare uma empresa Scribd logo
Foi neste contexto que surgiram as rotas comerciais e as feiras medievais
Dois pólos logo despontaram nesse novo ambiente: as cidades italianas em
   especial Veneza, Gênova, Entre as mais famosas feiras estavam as de
                               Champagne.
A      abundância    de
produtos fomentou as
trocas    comerciais   .
Estas       para     se
realizarem
necessitavam de lugares
próprios para onde se
dirigissem           os
compradores           e
vendedores.
-Feiras
-Mercados
As          Feiras
realizavam-se uma
vez por ano e
envolviam
mercadores
vindos das mais
variadas regiões
(Ex: Feiras de
Champagne).     As
feiras    estavam
por          vezes
associadas       a
festas religiosas
e peregrinações.
As feiras eram criadas através de uma Carta de Feira
passada pelo rei. Nesta carta ficavam estabelecidas as
regras que regulamentavam a feiras e as pessoas que a ela
iam vender ou comprar, isto é, os direitos , as regalias e
obrigações dos feirantes, assim como os impostos que
tinham que pagar.
Realizavam-se com maior
frequência              ,
semanalmente          ou
mensalmente e tinham
um âmbito mais restrito ,
ligando o interior com o
com o litoral.
Todo este dinamismo comercial
levou à criação de novas
actividades ligadas à Banca.
Banqueiros que emprestavam dinheiro a juros.

 Aparecimento dos primeiros bancos
cambistas-
pessoas       que
conheciam       os
valores        das
moedas     e    se
incubiam de trocá-
las.
Letra de câmbio



um sistema muito
semelhante        ao
cheque      ,    que
permitiam levantar ,
num outro pa si e
numa outra moeda , a
importância
registada         no
documento.
Cunhagem de moeda
• O fortalecimento do comércio e o surgimento da burguesia
  favoreceram o desenvolvimento e surgimento de muitas
  cidades.
O desenvolvimento urbano manifestou-se primeiro pelo crescimento dos velhos
centros populacionais ou burgos. A população aumentara de tal forma que a área
urbana deixara de a comportar, obrigando à formação de novos bairros fora das
muralhas. Os burgos de fora foram crescendo na zona de arrabalde, terras vizinhas
onde os moradores da cidade possuíam campos de cultivo, vinhedos e pomares.
Mapa da cidade de Braga




O ESPAÇO URBANO
·É circundado por muralhas, com altas torres de vigia, fora das quais se
encontra o arrabalde, local onde se fixam os ofícios poluentes e ruidosos,
e o termo, espaço circundante de campos e aldeias.
· Possui vulgarmente uma planta irregular, que se distribui organicamente,
e algumas vezes uma planta regular, de malha ortogonal, ao estilo romano.
· Organiza-se à volta da praça do mercado – a símbolo das actividades
económicas –, da câmara municipal – símbolo das actividades
administrativas – e da catedral – símbolo do poder religioso.
Tem ruas sinuosas e irregulares que se adaptam ao terreno.
Dentro dos limites cercados das cidades, os terrenos eram caríssimos e procurava-se
aproveitar cada centímetro. As contruções, em geral de madeira, eram colocadas
umas às outras, e os andares superiores eram projetados sobre as ruas, que já eram
estreitas, tornando-as ainda mais sombrias. O perigo de incêndio era constante.
Esse incontrolável crescimento
demográfico dificultava a
observância de padrões de
higiene e de conforto. As
condições sanitárias eram
péssimas: o lixo eram despejado
nas ruas e sua coleta ficava a
cargo das eventuais chuvas; até
que isso ocorresse, formavam-se
montes de detritos, resolvidos
por cães e porcos.
O desevolvimento cmoercial parte 2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
bamp
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
Ana Barreiros
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
Susana Simões
 
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
Henrique Rodrigues
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
Maria Cristina Ribeiro
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
cattonia
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
Carlos Vieira
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Zé Mário
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
cattonia
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
Escoladocs
 
Reinvenção das formas artísticas
Reinvenção das formas artísticasReinvenção das formas artísticas
Reinvenção das formas artísticas
cattonia
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
cattonia
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
Carla Teixeira
 
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaEspaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Rita
 

Mais procurados (20)

Civilização romana
Civilização romanaCivilização romana
Civilização romana
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
 
A romanização da hispânia
A romanização da hispâniaA romanização da hispânia
A romanização da hispânia
 
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
 
2. 3 a romanização da península ibérica
2. 3   a romanização da península ibérica2. 3   a romanização da península ibérica
2. 3 a romanização da península ibérica
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
Império Romano
Império RomanoImpério Romano
Império Romano
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
Reinvenção das formas artísticas
Reinvenção das formas artísticasReinvenção das formas artísticas
Reinvenção das formas artísticas
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2Modelo romano parte 2
Modelo romano parte 2
 
Roma, cidade imperial
Roma, cidade imperialRoma, cidade imperial
Roma, cidade imperial
 
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudançaEspaço civilizacional greco latino a beira da mudança
Espaço civilizacional greco latino a beira da mudança
 

Destaque

Reconquista 2
Reconquista  2Reconquista  2
Reconquista 2
Carla Teixeira
 
Apresentação 3
Apresentação 3Apresentação 3
Apresentação 3
Carla Teixeira
 
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - PortugalCurso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
Altair Costa
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
Carla Teixeira
 
Cursocantogregoriano
CursocantogregorianoCursocantogregoriano
Cursocantogregoriano
Cursos Católicos
 
Canto Gregoriano
Canto GregorianoCanto Gregoriano
Canto Gregoriano
complementoindirecto
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
Carla Teixeira
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
Carla Teixeira
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
Carla Teixeira
 
A reconquista cristã 1
A reconquista cristã 1A reconquista cristã 1
A reconquista cristã 1
Carla Teixeira
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 2
A cristandade ocidental face ao islão  parte 2A cristandade ocidental face ao islão  parte 2
A cristandade ocidental face ao islão parte 2
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval  parte 2A sociedade medieval  parte 2
A sociedade medieval parte 2
Carla Teixeira
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
Carla Teixeira
 
Apresentação 3
Apresentação 3Apresentação 3
Apresentação 3
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 2 a
A sociedade medieval  parte 2 aA sociedade medieval  parte 2 a
A sociedade medieval parte 2 a
Carla Teixeira
 
Os Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade MédiaOs Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade Média
rcarvalho83
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº1 resoluçao
Ficha de trabalho nº1  resoluçaoFicha de trabalho nº1  resoluçao
Ficha de trabalho nº1 resoluçao
Nelson Rolo
 

Destaque (20)

Reconquista 2
Reconquista  2Reconquista  2
Reconquista 2
 
Apresentação 3
Apresentação 3Apresentação 3
Apresentação 3
 
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - PortugalCurso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
Cursocantogregoriano
CursocantogregorianoCursocantogregoriano
Cursocantogregoriano
 
Canto Gregoriano
Canto GregorianoCanto Gregoriano
Canto Gregoriano
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
 
A reconquista cristã 1
A reconquista cristã 1A reconquista cristã 1
A reconquista cristã 1
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 2
A cristandade ocidental face ao islão  parte 2A cristandade ocidental face ao islão  parte 2
A cristandade ocidental face ao islão parte 2
 
A sociedade medieval parte 2
A sociedade medieval  parte 2A sociedade medieval  parte 2
A sociedade medieval parte 2
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Apresentação 3
Apresentação 3Apresentação 3
Apresentação 3
 
A sociedade medieval parte 2 a
A sociedade medieval  parte 2 aA sociedade medieval  parte 2 a
A sociedade medieval parte 2 a
 
Os Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade MédiaOs Instrumentos na Idade Média
Os Instrumentos na Idade Média
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
 
Ficha de trabalho nº1 resoluçao
Ficha de trabalho nº1  resoluçaoFicha de trabalho nº1  resoluçao
Ficha de trabalho nº1 resoluçao
 

Semelhante a O desevolvimento cmoercial parte 2

O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
BeatrizMarques25
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
Carina Vale
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
Carla Freitas
 
20 - Portugal no séc. XII e XIII
20  - Portugal no séc. XII e XIII20  - Portugal no séc. XII e XIII
20 - Portugal no séc. XII e XIII
Carla Freitas
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
cattonia
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
José Fernando Rodrigues
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
João Lima
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
Aulas de História
 
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
dayvidprofessor
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
Aulas de História
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Carolina Medeiros
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
pravda78
 
Cidade deLisboa
Cidade  deLisboaCidade  deLisboa
Cidade deLisboa
aparicioanabela
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
cattonia
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
filomena morais
 
86465.pptx
86465.pptx86465.pptx
O Povoamento do Reino - 2
O Povoamento do Reino - 2O Povoamento do Reino - 2
O Povoamento do Reino - 2
guestc968e9
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
BriefCase
 

Semelhante a O desevolvimento cmoercial parte 2 (20)

O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
 
20 - Portugal no séc. XII e XIII
20  - Portugal no séc. XII e XIII20  - Portugal no séc. XII e XIII
20 - Portugal no séc. XII e XIII
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
 
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
 
Cidade deLisboa
Cidade  deLisboaCidade  deLisboa
Cidade deLisboa
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
 
86465.pptx
86465.pptx86465.pptx
86465.pptx
 
O Povoamento do Reino - 2
O Povoamento do Reino - 2O Povoamento do Reino - 2
O Povoamento do Reino - 2
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2Da rev cient ao iluminismo parte 2
Da rev cient ao iluminismo parte 2
 

O desevolvimento cmoercial parte 2

  • 1. Foi neste contexto que surgiram as rotas comerciais e as feiras medievais Dois pólos logo despontaram nesse novo ambiente: as cidades italianas em especial Veneza, Gênova, Entre as mais famosas feiras estavam as de Champagne.
  • 2. A abundância de produtos fomentou as trocas comerciais . Estas para se realizarem necessitavam de lugares próprios para onde se dirigissem os compradores e vendedores. -Feiras -Mercados
  • 3. As Feiras realizavam-se uma vez por ano e envolviam mercadores vindos das mais variadas regiões (Ex: Feiras de Champagne). As feiras estavam por vezes associadas a festas religiosas e peregrinações.
  • 4. As feiras eram criadas através de uma Carta de Feira passada pelo rei. Nesta carta ficavam estabelecidas as regras que regulamentavam a feiras e as pessoas que a ela iam vender ou comprar, isto é, os direitos , as regalias e obrigações dos feirantes, assim como os impostos que tinham que pagar.
  • 5.
  • 6. Realizavam-se com maior frequência , semanalmente ou mensalmente e tinham um âmbito mais restrito , ligando o interior com o com o litoral.
  • 7. Todo este dinamismo comercial levou à criação de novas actividades ligadas à Banca.
  • 8. Banqueiros que emprestavam dinheiro a juros. Aparecimento dos primeiros bancos
  • 9. cambistas- pessoas que conheciam os valores das moedas e se incubiam de trocá- las.
  • 10. Letra de câmbio um sistema muito semelhante ao cheque , que permitiam levantar , num outro pa si e numa outra moeda , a importância registada no documento.
  • 12. • O fortalecimento do comércio e o surgimento da burguesia favoreceram o desenvolvimento e surgimento de muitas cidades.
  • 13. O desenvolvimento urbano manifestou-se primeiro pelo crescimento dos velhos centros populacionais ou burgos. A população aumentara de tal forma que a área urbana deixara de a comportar, obrigando à formação de novos bairros fora das muralhas. Os burgos de fora foram crescendo na zona de arrabalde, terras vizinhas onde os moradores da cidade possuíam campos de cultivo, vinhedos e pomares.
  • 14. Mapa da cidade de Braga O ESPAÇO URBANO ·É circundado por muralhas, com altas torres de vigia, fora das quais se encontra o arrabalde, local onde se fixam os ofícios poluentes e ruidosos, e o termo, espaço circundante de campos e aldeias. · Possui vulgarmente uma planta irregular, que se distribui organicamente, e algumas vezes uma planta regular, de malha ortogonal, ao estilo romano. · Organiza-se à volta da praça do mercado – a símbolo das actividades económicas –, da câmara municipal – símbolo das actividades administrativas – e da catedral – símbolo do poder religioso.
  • 15. Tem ruas sinuosas e irregulares que se adaptam ao terreno. Dentro dos limites cercados das cidades, os terrenos eram caríssimos e procurava-se aproveitar cada centímetro. As contruções, em geral de madeira, eram colocadas umas às outras, e os andares superiores eram projetados sobre as ruas, que já eram estreitas, tornando-as ainda mais sombrias. O perigo de incêndio era constante.
  • 16.
  • 17. Esse incontrolável crescimento demográfico dificultava a observância de padrões de higiene e de conforto. As condições sanitárias eram péssimas: o lixo eram despejado nas ruas e sua coleta ficava a cargo das eventuais chuvas; até que isso ocorresse, formavam-se montes de detritos, resolvidos por cães e porcos.