SlideShare uma empresa Scribd logo
Indicador de aprendizagem
• Localizar os pólos dinâmicos da
  economia europeia
Clima de relativa
paz que facilitou as
  comunicações
   terrestres e o                   aumento da
 Movimento das                   produção agrícola
     Cruzadas



                 alargamento dos
             mercados e progresso dos
              transportes terrestres e
                    marítimos




          Fatores de
      desenvolvimento do
           comércio
Identifica no mapa as principais rotas de comércio mediterrâneo no século XII.
Foi neste contexto que surgiram as rotas comerciais .
Dois pólos logo despontaram nesse novo ambiente: as cidades italianas em
  especial Veneza, Gênova. Os comerciantes dessas cidades passaram a
monopolizar o comércio de especiarias, comprando-as em portos orientais
         de Constantinopla, Alexandria e Trípoli, para, através do
              Mediterrâneo, revendê-las no mercado europeu.
Mas no norte da Europa, junto as Mar do Norte e ao Mar Báltico, também se formaram
regiões de intenso comércio, servidas em parte delas cidades italianas, que as atingiam
tanto por mar como por terra. Era a região de Flandres, produtora de tecidos, onde se
destacava a cidade de Bruges, e a região do Mar Báltico, que tinha como importantes
centro Hamburgo, Danzig e Lübeck, que ofereciam mel, peles, madeira e peixes vindos
de regiões próximas.




                                                                   Lê o documento da
                                                                         pág. 37
A Liga Hanseática

Era uma associação de cidades do Sacro Império, que se constituiu visando a manutenção
dos privilégios comerciais de seus mercadores e o monopólio da navegação nos mares
Báltico e do Norte. A sua origem está nas primitivas associações de mercadores, e
principalmente nas ligas urbanas que se formaram no Império desde a segunda metade do
século XIII. Essas ligas – como a das cidades do Reno, formada em 1254, e a que agrupava
Lübeck, Kiel, Rostock e Hamburgo, de 1280 – tornaram-se associações mais fortes e
amplas, que passaram a atuar no início do século XIV. Em 1356 a Liga Hanseática foi
formalmente organizada, agrupando cerca de 150 cidades de várias áreas do Sacro Império.
Sob a liderança de Lübeck, as cidades da liga adotaram uma política externa comum,
caracterizada pela intransigente defesa de seus privilégios.
Entre a segunda metade do século XIV e o final do século XV, a Hansa manteve a
exclusividade do tráfego marítimo pelos mares Báltico e do Norte. Comercializava peles,
mel, cera, cereais, madeiras, âmbar, minérios, peixe salgado, cobre, ferro, vinho, sal, lã,
tecidos, etc.
Típica organização medieval, a Hansa não pôde sobreviver muito tempo à formação dos
Estados nacionais europeus, nem à abertura das rotas transoceânicas do Atlântico, fruto
das grandes navegações ibéricas.

                           ARRUDA, José Jobson ,Toda a história: história geral e do Brasil


1-Quais as cidades que integravam a Liga Hanseática?
2-Quais eram os objetivos da formação destas associações?
A      abundância    de
produtos fomentou as
trocas    comerciais   .
Estas       para     se
realizarem
necessitavam de lugares
próprios para onde se
dirigissem           os
compradores           e
vendedores.
-Feiras
-Mercados
Realizavam-se com maior
frequência              ,
semanalmente          ou
mensalmente e tinham
um âmbito mais restrito ,
ligando o interior com o
com o litoral.
Todo este dinamismo comercial
levou à criação de novas
actividades ligadas à Banca.
Feira medieval
Afonso III,pela graça de Deus rei de Portugal , a todos os do meu
reino, saúde. Sabei que mando fazer uma feira na minha vila da Covilhã , em
cada ano, pela festa de santa Maria de Agosto e mando que essa feira dure
oito dias. Todos os que vierem a essa feira vender ou para comprar fiquem
seguros que não serão penhorados por qualquer dívida, a não ser por dívida em
dinheiro feita na dita feira. E para que ninguém tema vir a esta feira, ponho
como pena que quem agredir os homens que vierem a esta feira , me pague seis
mil soldos e o dobro do que tiver retirado ao respectivo dono.
                                                       Chancelaria de D. Afonso III



Afonso III, rei de Portugal , a todos os do meu reino e de todos os outros
reinos que esta carta virem , sabei que eu mando que se faça uma feira no meu
castelo de Guimarães e quero que se faça quatro vezes por ano . E mando que
cada feira dure quatro dias e eu dou a garantia todos os que vierem a esta
feira por motivo de vender ou comprar que não sejam penhorados por dívida
alguma a não ser por dívida de dinheiro feita na própria feira. E determino que
aquele que fizer mal aos homens que vierem a esta feira me pague mil
morabitinos. E nos dias que a feira durar não sejam feitas outras vendas na
Vila de Guimarães, a não ser na feira. E todos os que vierem à dita feira
paguem portagem.
                                       Carta de Feira do Castelo de Guimarães
As feiras eram criadas através de uma Carta de Feira
passada pelo rei. Nesta carta ficavam estabelecidas as
regras que regulamentavam a feiras e as pessoas que a ela
iam vender ou comprar, isto é, os direitos , as regalias e
obrigações dos feirantes, assim como os impostos que
tinham que pagar.
As          Feiras
realizavam-se uma
vez por ano e
envolviam
mercadores
vindos das mais
variadas regiões
(Ex: Feiras de
Champagne).     As
feiras    estavam
por          vezes
associadas       a
festas religiosas
e peregrinações.
As cidades-feiras da Champagne: Lagny, Bar-sur- Aube, Provins e Troyes.


Filipe(1), pela graça de Deus rei de França, aos prebostes, bailios e outros
oficiais do nosso reino que virem as presentes cartas, saúde.
Tendo visto os autos do nosso tribunal sobre o conflito ocorrido entre os
mercadores de Lübeck por um lado e os recebedores da portagem de
Bapaume por outro, pareceu que quando estes mercadores se dirigem às
feiras de Champagne, com as suas mercadorias adquiridas ou compradas na
Alemanha, não devem tomar obrigatoriamente a estrada de Bapaume, mas
podem ir e vir com as suas mercadorias por onde quiserem, pagando as
portagens habituais nos locais a que se destinam.
Em contrapartida, se trouxerem ou escoltarem mercadorias ou dinheiro de
Flandres para as ditas feiras ou para outros locais que fizerem nos ditos
autos, deverão tomar a estrada de Bapaume. Por esta razão, ordenamos que
vos oponhais firmemente a que os ditos mercadores sejam importunados em
contrário ao conteúdo dos ditos autos. In Fernanda Espinosa, Antologia de Textos Históricos Medievais
                                                       (1) Filipe IV, o Belo, rei de França de 1285 a 1314.



Explicar o desenvolvimento e a importância económica do centro urbano a que se
reporta o documento - Os Mercadores de Lübeck nas Feiras de Champagne
• aliança de cidades mercantis que estabeleceu e manteve um monopólio
               comercial sobre quase todo norte da Europa e Báltico, monopolizando
               (sal, madeira, cereais, peles, âmbar …)
   Liga      • uma aliança informal de comerciantes que oferecia a seus associados
Hanseática     maior proteção contra saqueadores e piratas e ajudava a concretizar os
               interesses que a comunidade tinha em comum.


           • situação geográfica, próxima de regiões economicamente activas
             como Flandres, França, países germânicos do oeste, países mediterrâneos
           • segurança dos mercadores, a garantia das operações mercantis e as
 Feiras de   isenções fiscais ajudaram a que essas feiras fossem, durante muito
Champagne    tempo, um grande sucesso.


             • Os “italianos” estabelecem ligação entre os “europeus” e o “0riente”
               ACESSO AOS: Produtos de luxo asiáticos (especiarias, tecidos :seda e
 Cidades       algodão, porcelanas, pérolas e pedras preciosas…), Matérias primas da
 italianas     Ásia Menor e ouro do Norte de África

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
cattonia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Surto urbano 2
Surto urbano 2Surto urbano 2
Surto urbano 2
Carla Teixeira
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
Carla Teixeira
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
Carla Teixeira
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
Vítor Santos
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Nelson Faustino
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
CatarinaTavares28
 
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
Henrique Rodrigues
 
As grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptxAs grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptx
AnabelaMaia7
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
Susana Simões
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
Vítor Santos
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 

Mais procurados (20)

O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Séc. xii a xiv
Séc. xii a xivSéc. xii a xiv
Séc. xii a xiv
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderesA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A multiplicidade de poderes
 
Surto urbano 2
Surto urbano 2Surto urbano 2
Surto urbano 2
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
 
1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo1 o alargamento do conhecimento do mundo
1 o alargamento do conhecimento do mundo
 
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português  a conso...
A identidade civilizacional da europa ocidental e o espaço português a conso...
 
As grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptxAs grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptx
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 

Destaque

A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O surto urbano
O surto urbanoO surto urbano
O surto urbano
carolinagomesss
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Carlos Vieira
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
Ana Barreiros
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
A cristandade ocidental face ao islão  parte 3A cristandade ocidental face ao islão  parte 3
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
Carla Teixeira
 
As Cidades Italianas
As Cidades ItalianasAs Cidades Italianas
As Cidades Italianas
AEDFL
 
Baixa idade média genoma
Baixa idade média   genomaBaixa idade média   genoma
Baixa idade média genoma
Murilo Cisalpino
 
Revisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºRevisões para teste 8º
Revisões para teste 8º
Nuno Faustino
 
Práticas comerciais 4
Práticas comerciais  4Práticas comerciais  4
Práticas comerciais 4
Carla Teixeira
 
Final da idade média
Final da idade médiaFinal da idade média
Final da idade média
caldarte
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
Carla Teixeira
 
Reconquista 2
Reconquista  2Reconquista  2
Reconquista 2
Carla Teixeira
 
Apresentação 3
Apresentação 3Apresentação 3
Apresentação 3
Carla Teixeira
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
Carla Teixeira
 
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - PortugalCurso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
Altair Costa
 
As cidades da Flandres
As cidades da FlandresAs cidades da Flandres
As cidades da Flandres
AEDFL
 
Cursocantogregoriano
CursocantogregorianoCursocantogregoriano
Cursocantogregoriano
Cursos Católicos
 
Canto Gregoriano
Canto GregorianoCanto Gregoriano
Canto Gregoriano
complementoindirecto
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
Carla Teixeira
 

Destaque (20)

A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental: a fragilidade do equilíbrio ...
 
O surto urbano
O surto urbanoO surto urbano
O surto urbano
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
O desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiiiO desenvolvimento económico do século xiii
O desenvolvimento económico do século xiii
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
A cristandade ocidental face ao islão  parte 3A cristandade ocidental face ao islão  parte 3
A cristandade ocidental face ao islão parte 3
 
As Cidades Italianas
As Cidades ItalianasAs Cidades Italianas
As Cidades Italianas
 
Baixa idade média genoma
Baixa idade média   genomaBaixa idade média   genoma
Baixa idade média genoma
 
Revisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºRevisões para teste 8º
Revisões para teste 8º
 
Práticas comerciais 4
Práticas comerciais  4Práticas comerciais  4
Práticas comerciais 4
 
Final da idade média
Final da idade médiaFinal da idade média
Final da idade média
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
Reconquista 2
Reconquista  2Reconquista  2
Reconquista 2
 
Apresentação 3
Apresentação 3Apresentação 3
Apresentação 3
 
A sociedade medieval parte 1
A sociedade medieval  parte 1A sociedade medieval  parte 1
A sociedade medieval parte 1
 
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - PortugalCurso de Canto Gregoriano - Portugal
Curso de Canto Gregoriano - Portugal
 
As cidades da Flandres
As cidades da FlandresAs cidades da Flandres
As cidades da Flandres
 
Cursocantogregoriano
CursocantogregorianoCursocantogregoriano
Cursocantogregoriano
 
Canto Gregoriano
Canto GregorianoCanto Gregoriano
Canto Gregoriano
 
Concelhos 1
Concelhos 1Concelhos 1
Concelhos 1
 

Semelhante a Desenvolvimento comercial parte 3

As grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptxAs grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptx
AnabelaMaia7
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
João Lima
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
José Fernando Rodrigues
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
Carla Teixeira
 
Hist. do brasil
Hist. do brasilHist. do brasil
Hist. do brasil
callll
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
BriefCase
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
Eryka Fernanda
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
pravda78
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
BeatrizMarques25
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Ana Pereira
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
Fátima da História
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Maria Gomes
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Carolina Medeiros
 
As Cidades Alemãs
As  Cidades  AlemãsAs  Cidades  Alemãs
As Cidades Alemãs
AEDFL
 
Mercado romano na antiguidade
Mercado romano na antiguidadeMercado romano na antiguidade
Mercado romano na antiguidade
Maria Ribeiro
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
Vrsa
VrsaVrsa
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Maria Gomes
 
Expansão marítima cp2
Expansão marítima cp2Expansão marítima cp2
Expansão marítima cp2
Carolina Medeiros
 
Economia sec. xiii e xiv
Economia sec. xiii e xivEconomia sec. xiii e xiv
Economia sec. xiii e xiv
cattonia
 

Semelhante a Desenvolvimento comercial parte 3 (20)

As grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptxAs grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptx
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
Hist. do brasil
Hist. do brasilHist. do brasil
Hist. do brasil
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
As Cidades Alemãs
As  Cidades  AlemãsAs  Cidades  Alemãs
As Cidades Alemãs
 
Mercado romano na antiguidade
Mercado romano na antiguidadeMercado romano na antiguidade
Mercado romano na antiguidade
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
Vrsa
VrsaVrsa
Vrsa
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
Expansão marítima cp2
Expansão marítima cp2Expansão marítima cp2
Expansão marítima cp2
 
Economia sec. xiii e xiv
Economia sec. xiii e xivEconomia sec. xiii e xiv
Economia sec. xiii e xiv
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

Desenvolvimento comercial parte 3

  • 1.
  • 2. Indicador de aprendizagem • Localizar os pólos dinâmicos da economia europeia
  • 3. Clima de relativa paz que facilitou as comunicações terrestres e o aumento da Movimento das produção agrícola Cruzadas alargamento dos mercados e progresso dos transportes terrestres e marítimos Fatores de desenvolvimento do comércio
  • 4. Identifica no mapa as principais rotas de comércio mediterrâneo no século XII.
  • 5. Foi neste contexto que surgiram as rotas comerciais . Dois pólos logo despontaram nesse novo ambiente: as cidades italianas em especial Veneza, Gênova. Os comerciantes dessas cidades passaram a monopolizar o comércio de especiarias, comprando-as em portos orientais de Constantinopla, Alexandria e Trípoli, para, através do Mediterrâneo, revendê-las no mercado europeu.
  • 6. Mas no norte da Europa, junto as Mar do Norte e ao Mar Báltico, também se formaram regiões de intenso comércio, servidas em parte delas cidades italianas, que as atingiam tanto por mar como por terra. Era a região de Flandres, produtora de tecidos, onde se destacava a cidade de Bruges, e a região do Mar Báltico, que tinha como importantes centro Hamburgo, Danzig e Lübeck, que ofereciam mel, peles, madeira e peixes vindos de regiões próximas. Lê o documento da pág. 37
  • 7. A Liga Hanseática Era uma associação de cidades do Sacro Império, que se constituiu visando a manutenção dos privilégios comerciais de seus mercadores e o monopólio da navegação nos mares Báltico e do Norte. A sua origem está nas primitivas associações de mercadores, e principalmente nas ligas urbanas que se formaram no Império desde a segunda metade do século XIII. Essas ligas – como a das cidades do Reno, formada em 1254, e a que agrupava Lübeck, Kiel, Rostock e Hamburgo, de 1280 – tornaram-se associações mais fortes e amplas, que passaram a atuar no início do século XIV. Em 1356 a Liga Hanseática foi formalmente organizada, agrupando cerca de 150 cidades de várias áreas do Sacro Império. Sob a liderança de Lübeck, as cidades da liga adotaram uma política externa comum, caracterizada pela intransigente defesa de seus privilégios. Entre a segunda metade do século XIV e o final do século XV, a Hansa manteve a exclusividade do tráfego marítimo pelos mares Báltico e do Norte. Comercializava peles, mel, cera, cereais, madeiras, âmbar, minérios, peixe salgado, cobre, ferro, vinho, sal, lã, tecidos, etc. Típica organização medieval, a Hansa não pôde sobreviver muito tempo à formação dos Estados nacionais europeus, nem à abertura das rotas transoceânicas do Atlântico, fruto das grandes navegações ibéricas. ARRUDA, José Jobson ,Toda a história: história geral e do Brasil 1-Quais as cidades que integravam a Liga Hanseática? 2-Quais eram os objetivos da formação destas associações?
  • 8. A abundância de produtos fomentou as trocas comerciais . Estas para se realizarem necessitavam de lugares próprios para onde se dirigissem os compradores e vendedores. -Feiras -Mercados
  • 9. Realizavam-se com maior frequência , semanalmente ou mensalmente e tinham um âmbito mais restrito , ligando o interior com o com o litoral.
  • 10. Todo este dinamismo comercial levou à criação de novas actividades ligadas à Banca.
  • 12. Afonso III,pela graça de Deus rei de Portugal , a todos os do meu reino, saúde. Sabei que mando fazer uma feira na minha vila da Covilhã , em cada ano, pela festa de santa Maria de Agosto e mando que essa feira dure oito dias. Todos os que vierem a essa feira vender ou para comprar fiquem seguros que não serão penhorados por qualquer dívida, a não ser por dívida em dinheiro feita na dita feira. E para que ninguém tema vir a esta feira, ponho como pena que quem agredir os homens que vierem a esta feira , me pague seis mil soldos e o dobro do que tiver retirado ao respectivo dono. Chancelaria de D. Afonso III Afonso III, rei de Portugal , a todos os do meu reino e de todos os outros reinos que esta carta virem , sabei que eu mando que se faça uma feira no meu castelo de Guimarães e quero que se faça quatro vezes por ano . E mando que cada feira dure quatro dias e eu dou a garantia todos os que vierem a esta feira por motivo de vender ou comprar que não sejam penhorados por dívida alguma a não ser por dívida de dinheiro feita na própria feira. E determino que aquele que fizer mal aos homens que vierem a esta feira me pague mil morabitinos. E nos dias que a feira durar não sejam feitas outras vendas na Vila de Guimarães, a não ser na feira. E todos os que vierem à dita feira paguem portagem. Carta de Feira do Castelo de Guimarães
  • 13. As feiras eram criadas através de uma Carta de Feira passada pelo rei. Nesta carta ficavam estabelecidas as regras que regulamentavam a feiras e as pessoas que a ela iam vender ou comprar, isto é, os direitos , as regalias e obrigações dos feirantes, assim como os impostos que tinham que pagar.
  • 14. As Feiras realizavam-se uma vez por ano e envolviam mercadores vindos das mais variadas regiões (Ex: Feiras de Champagne). As feiras estavam por vezes associadas a festas religiosas e peregrinações.
  • 15.
  • 16. As cidades-feiras da Champagne: Lagny, Bar-sur- Aube, Provins e Troyes. Filipe(1), pela graça de Deus rei de França, aos prebostes, bailios e outros oficiais do nosso reino que virem as presentes cartas, saúde. Tendo visto os autos do nosso tribunal sobre o conflito ocorrido entre os mercadores de Lübeck por um lado e os recebedores da portagem de Bapaume por outro, pareceu que quando estes mercadores se dirigem às feiras de Champagne, com as suas mercadorias adquiridas ou compradas na Alemanha, não devem tomar obrigatoriamente a estrada de Bapaume, mas podem ir e vir com as suas mercadorias por onde quiserem, pagando as portagens habituais nos locais a que se destinam. Em contrapartida, se trouxerem ou escoltarem mercadorias ou dinheiro de Flandres para as ditas feiras ou para outros locais que fizerem nos ditos autos, deverão tomar a estrada de Bapaume. Por esta razão, ordenamos que vos oponhais firmemente a que os ditos mercadores sejam importunados em contrário ao conteúdo dos ditos autos. In Fernanda Espinosa, Antologia de Textos Históricos Medievais (1) Filipe IV, o Belo, rei de França de 1285 a 1314. Explicar o desenvolvimento e a importância económica do centro urbano a que se reporta o documento - Os Mercadores de Lübeck nas Feiras de Champagne
  • 17. • aliança de cidades mercantis que estabeleceu e manteve um monopólio comercial sobre quase todo norte da Europa e Báltico, monopolizando (sal, madeira, cereais, peles, âmbar …) Liga • uma aliança informal de comerciantes que oferecia a seus associados Hanseática maior proteção contra saqueadores e piratas e ajudava a concretizar os interesses que a comunidade tinha em comum. • situação geográfica, próxima de regiões economicamente activas como Flandres, França, países germânicos do oeste, países mediterrâneos • segurança dos mercadores, a garantia das operações mercantis e as Feiras de isenções fiscais ajudaram a que essas feiras fossem, durante muito Champagne tempo, um grande sucesso. • Os “italianos” estabelecem ligação entre os “europeus” e o “0riente” ACESSO AOS: Produtos de luxo asiáticos (especiarias, tecidos :seda e Cidades algodão, porcelanas, pérolas e pedras preciosas…), Matérias primas da italianas Ásia Menor e ouro do Norte de África