SlideShare uma empresa Scribd logo
RENASCIMENTO
   COMERCIAL


                                   VENEZA NA ÉPOCA DA BAIXA IDADE MÉDIA




    ÉPOCA DA BAIXA IDADE MÉDIA ENTRE OS SÉCULOS XI E XVI
ESTE MOMENTO ESTÁ RELACIONADO À REABERTURA DO MAR
MEDITERRÂNEO, QUANDO HOUVE INTENSO COMÉRCIO DE ESPECIARIAS DO
                  OCIDENTE COM O ORIENTE...




     ...MAS NÃO FOI SÓ ISSO. A IDADE MÉDIA FOI UMA ÉPOCA DE
    MUITAS MUDANÇAS, O QUE NEGA A CONCEPÇÃO DE IDADE DAS
                              TREVAS.
A PINTURA MOSTRA UM SENHOR FEUDAL COM SEUS CAVALEIROS.




               O ANO 1000 REPRESENTA O LIMIAR DE UM NOVO TEMPO. A
                  EUROPA MARCHAVA FIRME EM DIREÇÃO A GRANDES
                                TRANSFORMAÇÕES.
O Ano 1000

     INOVAÇÕES TÉCNICAS NA AGRICULTURA
   AUMENTARAM A PRODUÇÃO E DIMINUIRAM A          CAMPONESES FAZEM
    FOME, PROVOCANDO O CRESCIMENTO DA        A COLHEITA DO MÊS DE AGOSTO

        POPULAÇÃO E O ÊXODO RURAL.


ROTAÇÃO TRIENAL, USO DO ADUBO E DO ARADO,
 PLANTIO DE LEGUMINOSAS, CONSTRUÇÃO DE
    PONTES, USO DAS FERRADURAS ETC.


        NA ÉPOCA FOI UMA ESPÉCIE
         DE REVOLUÇÃO AGRÍCOLA              SISTEMA DE PLANTIO COM
                                            ROTAÇÃO TRIENAL
CIDADE EUROPÉIA QUE PRESERVOU AS CARACTERÍSTICAS MEDIEVAIS.




TUDO ISSO CULMINOU COM RENASCER
 DAS CIDADES, MUDANDO O CENÁRIO
          DO OCIDENTE.
MAPA DA EUROPA NA BAIXA IDADE MÉDIA



  MUITAS CIDADES CRESCERAM POR CAUSA DE SUA LOCALIZAÇÃO
PRIVILEGIADA. ESTAVAM NO LITORAL E NOS ENTRONCAMENTOS DAS
 ROTAS DE COMÉRCIO. OBSERVE NO MAPA, QUE ESSE É O CASO DE
                      VÁRIAS CIDADES.
OUTRAS SURGIRAM A PARTIR DOS FEUDOS QUE ATRAÍAM COMERCIANTES
              NAS SUAS CERCANIAS. MUITAS VEZES
     SENHORES FEUDAIS E COMERCIANTES ENTRAVAM CHOQUE.




                   CARCASSONE NA FRANÇA, CIDADE QUE SURGIU A PARTIR DE UM FEUDO



      ESSE PROBLEMA FOI RESOLVIDO APÓS A CONCESSÃO DAS
    CARTAS DE FRANQUIA QUE PERMITIA O COMÉRCIO MEDIANTE
                       UM PAGAMENTO.
NESSE PERÍODO VENEZA E GÊNOVA MONOPOLIZAVAM AS
ROTAS DE COMÉRCIO NO MEDITERRÂNEO, TRAZENDO AS
            ESPECIARIAS DO ORIENTE.
ESSAS DUAS CIDADES ERAM EXEMPLOS DE REPÚBLICAS QUE
    TINHAM MUITA AUTONOMIA E REGIMES POLÍTICOS
 AVANÇADOS. LEMBRAVAM AS CIDADES-ESTADO DA GRÉCIA
                      ANTIGA.
BRUGES NA BÉLGICA




                      NO NORTE DA EUROPA SE DESTACOU A
                           REGIÃO DE FLANDRES QUE
                      MONOPOLIZAVA O COMÉRCIO NO MAR
                          DO NORTE E MAR BÁLTICO.


AMSTERDÃ NA HOLANDA
TAMBÉM NO NORTE DA EUROPA FOI
  CRIADA A LIGA HANSEÁTICA OU
HANSA TEUTÔNICA REUNINDO VÁRIAS
        CIDADES ALEMÃS.




  MERCADORES DA LIGA HANSEÁTICA



                                  INTERNAMENTE PRATICAVA O LIVRE-
                                    COMÉRCIO, EXTERNAMENTE ERA
                                          PROTECIONISTA.




MERCADORES DA LIGA HANSEÁTICA
As feiras medievais
FEIRA MEDIEVAL                                RECRIAÇÃO DE FEIRA MEDIEVAL EM 2006




          ERAM LOCAIS PERMANENTES DE TRANSAÇÕES COMERCIAIS
           FAVORECENDO A EXPANSÃO DA ECONOMIA MONETÁRIA
                 SUBSTITUINDO A ECONOMIA DE TROCAS.
FOI QUANDO SURGIRAM OS BANCOS. FAZIAM O
CÂMBIO DAS MOEDAS E NORMALMENTE PERTENCIAM
         AOS JUDEUS. QUAL O MOTIVO?


    DOUTRINA DA USURA CRIADA PELA IGREJA

  “CONDENAÇÃO DA ATIVIDADE ECONÔMICA EM
   QUE O LUCRO SE DAVA PELO EMPRÉSTIMO A
                   JUROS”




                                             BANCO EM FEIRA MEDIEVAL




   BANCO EM FEIRA MEDIEVAL
A “nova” sociedade
               CLERO

                 NOBRES


                   BURGUESIA

                       SERVOS




 SOCIEDADE ESTAMENTAL                  O BANQUEIRO – PINTURA HOLANDESA.




MOBILIDADE SOCIAL QUASE INEXISTENTE, MAS COM OUTRA
 DINÂMICA. AO LONGO DO TEMPO HOUVE A MUDANÇA DAS
        REGRAS COM ASCENSÃO DA BURGUESIA.
“A Idade Média é nossa infância”

           •   ECONOMIA MONETÁRIA
           •   TRABALHO ASSALARIADO
           •   ARTESANATOS E MANUFATURAS
           •   PRODUÇÃO DE EXCEDENTES
           •   SURGIMENTO DA BURGUESIA



NA BAIXA IDADE MÉDIA SURGIU O CAPITALISMO COMERCIAL.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
Marilia Pimentel
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
Daniel Alves Bronstrup
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
Marcos Oliveira
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Daniel Alves Bronstrup
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Nívia Sales
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
Edenilson Morais
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
dmflores21
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.
Privada
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
Paulo Alexandre
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
Fatima Freitas
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).pptBrasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
dmflores21
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Janaína Tavares
 
EUA no século XIX
EUA no século XIXEUA no século XIX
EUA no século XIX
eiprofessor
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
Claudenilson da Silva
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
ElvisJohnR
 
África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)
Nefer19
 

Mais procurados (20)

A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
 
1° ano - Idade Média Ocidental
1° ano  - Idade Média Ocidental1° ano  - Idade Média Ocidental
1° ano - Idade Média Ocidental
 
Colonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-americaColonizacao espanhola-america
Colonizacao espanhola-america
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
 
Cruzadas
CruzadasCruzadas
Cruzadas
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.E.U.A no século XIX.
E.U.A no século XIX.
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
 
Idade média igreja e cultura
Idade média   igreja e culturaIdade média   igreja e cultura
Idade média igreja e cultura
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).pptBrasil pré colonial (1500-1530).ppt
Brasil pré colonial (1500-1530).ppt
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
EUA no século XIX
EUA no século XIXEUA no século XIX
EUA no século XIX
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)
 

Semelhante a Renascimento Comercial

Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Ana Pereira
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Carolina Medeiros
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
Aulas de História
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
sarahsouzaaa
 
Conseq expansao
Conseq expansaoConseq expansao
Conseq expansao
cattonia
 
Conseq expansao
Conseq expansaoConseq expansao
Conseq expansao
cattonia
 
A era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-anoA era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-ano
Lucas Degiovani
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
Carla Teixeira
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
Carla Teixeira
 
Mineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIIIMineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIII
Aulas de História
 
4 sociedade mineradora
4 sociedade mineradora4 sociedade mineradora
4 sociedade mineradora
Lucas Cechinel
 
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
Flora Domingos
 
Antigo Oriente
Antigo Oriente Antigo Oriente
Antigo Oriente
Aulas de História
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
João Lima
 
BRASIL COLONIA.pdf
BRASIL COLONIA.pdfBRASIL COLONIA.pdf
BRASIL COLONIA.pdf
Rosa Borges
 
Mercantilismo e Grandes Navegações
Mercantilismo e Grandes NavegaçõesMercantilismo e Grandes Navegações
Mercantilismo e Grandes Navegações
Edenilson Morais
 
BAIXA IDADE MÉDIA.pdf
BAIXA IDADE MÉDIA.pdfBAIXA IDADE MÉDIA.pdf
BAIXA IDADE MÉDIA.pdf
MariaAparecidaFerrei84
 
IV UNIDADE
IV UNIDADEIV UNIDADE
IV UNIDADE
Jackeline Póvoas
 

Semelhante a Renascimento Comercial (20)

Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Monarquias Nacionais
Monarquias NacionaisMonarquias Nacionais
Monarquias Nacionais
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
 
Conseq expansao
Conseq expansaoConseq expansao
Conseq expansao
 
Conseq expansao
Conseq expansaoConseq expansao
Conseq expansao
 
A era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-anoA era dos imperios - 9-ano
A era dos imperios - 9-ano
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
Mineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIIIMineração - Século XVIII
Mineração - Século XVIII
 
4 sociedade mineradora
4 sociedade mineradora4 sociedade mineradora
4 sociedade mineradora
 
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
 
Antigo Oriente
Antigo Oriente Antigo Oriente
Antigo Oriente
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
 
BRASIL COLONIA.pdf
BRASIL COLONIA.pdfBRASIL COLONIA.pdf
BRASIL COLONIA.pdf
 
Mercantilismo e Grandes Navegações
Mercantilismo e Grandes NavegaçõesMercantilismo e Grandes Navegações
Mercantilismo e Grandes Navegações
 
BAIXA IDADE MÉDIA.pdf
BAIXA IDADE MÉDIA.pdfBAIXA IDADE MÉDIA.pdf
BAIXA IDADE MÉDIA.pdf
 
IV UNIDADE
IV UNIDADEIV UNIDADE
IV UNIDADE
 

Mais de Aulas de História

Brasil Regência
Brasil RegênciaBrasil Regência
Brasil Regência
Aulas de História
 
Primeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e RegênciaPrimeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e Regência
Aulas de História
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
Aulas de História
 
Europa Napoleônica
Europa NapoleônicaEuropa Napoleônica
Europa Napoleônica
Aulas de História
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
Aulas de História
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Aulas de História
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Aulas de História
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados Unidos
Aulas de História
 
Conjuração baiana
Conjuração baianaConjuração baiana
Conjuração baiana
Aulas de História
 
Conjuração mineira
Conjuração mineiraConjuração mineira
Conjuração mineira
Aulas de História
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
Aulas de História
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
Aulas de História
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
Aulas de História
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Aulas de História
 
Regência
RegênciaRegência
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Aulas de História
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
Aulas de História
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
Aulas de História
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
Aulas de História
 

Mais de Aulas de História (20)

Brasil Regência
Brasil RegênciaBrasil Regência
Brasil Regência
 
Primeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e RegênciaPrimeiro Reinado e Regência
Primeiro Reinado e Regência
 
A Era do Imperialismo
A Era do ImperialismoA Era do Imperialismo
A Era do Imperialismo
 
Europa Napoleônica
Europa NapoleônicaEuropa Napoleônica
Europa Napoleônica
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Independência dos Estados Unidos
Independência dos Estados UnidosIndependência dos Estados Unidos
Independência dos Estados Unidos
 
Conjuração baiana
Conjuração baianaConjuração baiana
Conjuração baiana
 
Conjuração mineira
Conjuração mineiraConjuração mineira
Conjuração mineira
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
República Velha
República VelhaRepública Velha
República Velha
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Regência
RegênciaRegência
Regência
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
Independência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da BahiaIndependência do Brasil e da Bahia
Independência do Brasil e da Bahia
 
Conjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e BaianaConjuração Mineira e Baiana
Conjuração Mineira e Baiana
 

Último

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

Renascimento Comercial

  • 1. RENASCIMENTO COMERCIAL VENEZA NA ÉPOCA DA BAIXA IDADE MÉDIA ÉPOCA DA BAIXA IDADE MÉDIA ENTRE OS SÉCULOS XI E XVI
  • 2. ESTE MOMENTO ESTÁ RELACIONADO À REABERTURA DO MAR MEDITERRÂNEO, QUANDO HOUVE INTENSO COMÉRCIO DE ESPECIARIAS DO OCIDENTE COM O ORIENTE... ...MAS NÃO FOI SÓ ISSO. A IDADE MÉDIA FOI UMA ÉPOCA DE MUITAS MUDANÇAS, O QUE NEGA A CONCEPÇÃO DE IDADE DAS TREVAS.
  • 3. A PINTURA MOSTRA UM SENHOR FEUDAL COM SEUS CAVALEIROS. O ANO 1000 REPRESENTA O LIMIAR DE UM NOVO TEMPO. A EUROPA MARCHAVA FIRME EM DIREÇÃO A GRANDES TRANSFORMAÇÕES.
  • 4. O Ano 1000 INOVAÇÕES TÉCNICAS NA AGRICULTURA AUMENTARAM A PRODUÇÃO E DIMINUIRAM A CAMPONESES FAZEM FOME, PROVOCANDO O CRESCIMENTO DA A COLHEITA DO MÊS DE AGOSTO POPULAÇÃO E O ÊXODO RURAL. ROTAÇÃO TRIENAL, USO DO ADUBO E DO ARADO, PLANTIO DE LEGUMINOSAS, CONSTRUÇÃO DE PONTES, USO DAS FERRADURAS ETC. NA ÉPOCA FOI UMA ESPÉCIE DE REVOLUÇÃO AGRÍCOLA SISTEMA DE PLANTIO COM ROTAÇÃO TRIENAL
  • 5. CIDADE EUROPÉIA QUE PRESERVOU AS CARACTERÍSTICAS MEDIEVAIS. TUDO ISSO CULMINOU COM RENASCER DAS CIDADES, MUDANDO O CENÁRIO DO OCIDENTE.
  • 6. MAPA DA EUROPA NA BAIXA IDADE MÉDIA MUITAS CIDADES CRESCERAM POR CAUSA DE SUA LOCALIZAÇÃO PRIVILEGIADA. ESTAVAM NO LITORAL E NOS ENTRONCAMENTOS DAS ROTAS DE COMÉRCIO. OBSERVE NO MAPA, QUE ESSE É O CASO DE VÁRIAS CIDADES.
  • 7. OUTRAS SURGIRAM A PARTIR DOS FEUDOS QUE ATRAÍAM COMERCIANTES NAS SUAS CERCANIAS. MUITAS VEZES SENHORES FEUDAIS E COMERCIANTES ENTRAVAM CHOQUE. CARCASSONE NA FRANÇA, CIDADE QUE SURGIU A PARTIR DE UM FEUDO ESSE PROBLEMA FOI RESOLVIDO APÓS A CONCESSÃO DAS CARTAS DE FRANQUIA QUE PERMITIA O COMÉRCIO MEDIANTE UM PAGAMENTO.
  • 8. NESSE PERÍODO VENEZA E GÊNOVA MONOPOLIZAVAM AS ROTAS DE COMÉRCIO NO MEDITERRÂNEO, TRAZENDO AS ESPECIARIAS DO ORIENTE.
  • 9. ESSAS DUAS CIDADES ERAM EXEMPLOS DE REPÚBLICAS QUE TINHAM MUITA AUTONOMIA E REGIMES POLÍTICOS AVANÇADOS. LEMBRAVAM AS CIDADES-ESTADO DA GRÉCIA ANTIGA.
  • 10. BRUGES NA BÉLGICA NO NORTE DA EUROPA SE DESTACOU A REGIÃO DE FLANDRES QUE MONOPOLIZAVA O COMÉRCIO NO MAR DO NORTE E MAR BÁLTICO. AMSTERDÃ NA HOLANDA
  • 11. TAMBÉM NO NORTE DA EUROPA FOI CRIADA A LIGA HANSEÁTICA OU HANSA TEUTÔNICA REUNINDO VÁRIAS CIDADES ALEMÃS. MERCADORES DA LIGA HANSEÁTICA INTERNAMENTE PRATICAVA O LIVRE- COMÉRCIO, EXTERNAMENTE ERA PROTECIONISTA. MERCADORES DA LIGA HANSEÁTICA
  • 13. FEIRA MEDIEVAL RECRIAÇÃO DE FEIRA MEDIEVAL EM 2006 ERAM LOCAIS PERMANENTES DE TRANSAÇÕES COMERCIAIS FAVORECENDO A EXPANSÃO DA ECONOMIA MONETÁRIA SUBSTITUINDO A ECONOMIA DE TROCAS.
  • 14. FOI QUANDO SURGIRAM OS BANCOS. FAZIAM O CÂMBIO DAS MOEDAS E NORMALMENTE PERTENCIAM AOS JUDEUS. QUAL O MOTIVO? DOUTRINA DA USURA CRIADA PELA IGREJA “CONDENAÇÃO DA ATIVIDADE ECONÔMICA EM QUE O LUCRO SE DAVA PELO EMPRÉSTIMO A JUROS” BANCO EM FEIRA MEDIEVAL BANCO EM FEIRA MEDIEVAL
  • 15. A “nova” sociedade CLERO NOBRES BURGUESIA SERVOS SOCIEDADE ESTAMENTAL O BANQUEIRO – PINTURA HOLANDESA. MOBILIDADE SOCIAL QUASE INEXISTENTE, MAS COM OUTRA DINÂMICA. AO LONGO DO TEMPO HOUVE A MUDANÇA DAS REGRAS COM ASCENSÃO DA BURGUESIA.
  • 16. “A Idade Média é nossa infância” • ECONOMIA MONETÁRIA • TRABALHO ASSALARIADO • ARTESANATOS E MANUFATURAS • PRODUÇÃO DE EXCEDENTES • SURGIMENTO DA BURGUESIA NA BAIXA IDADE MÉDIA SURGIU O CAPITALISMO COMERCIAL.