SlideShare uma empresa Scribd logo
História 7º Ano Prof. Carla
Freitas
Crescimento Demográfico
 Ficou a dever-se a:
 Melhoria das condições
de vida
 Melhor alimentação
 Diminuição da taxa de
mortalidade
 Diminuição das guerras
 Maior resistência às
doenças
 Aumento da produção
agrícola
Aumento da Produção
Agrícola
 Ficou a dever-se a:
 Arroteias para aumentar a área
de cultivo
 Abate de Florestas
 Drenagem de Pântanos
 Progressos Técnicos
 Utilização do ferro nos
instrumentos agrícolas
 Afolhamento trienal
 Adubação dos campos
 Utilização de novos sistemas de
irrigação (nora e canais de
irrigação)
 Utilização de moinhos de vento
e de água
Melhorias nos transportes
 Ficaram a dever-se a:
 Transportes Terrestres:
 Novo sistema de
atrelagem
 Atrelagem em fila
 Coelheira
 Utilização da Ferradura
 Transportes Marítimos
 Utilização do leme fixo à
popa
 Utilização de
Reanimação do comércio
 Ficou a dever-se a:
 Maior segurança nas
vias de comunicação
devido ao clima de
paz
 Existência de
excedentes
 Crescimento
populacional
 Melhoria nos
transportes
O comércio na Baixa Idade
Média
Principais pólos comerciais
 Pólos comerciais mais
importantes
 Itália (Florença, Veneza, Génova)
 Intermediários entre o Oriente e o
Ocidente, comerciavam essencialmente
produtos como especiarias e sedas.
 Norte da Europa - Liga Hanseática
(Hamburgo, Bruges, Gand, Lubeque)
 Comercializavam trigo, metais, peixe
seco e peles.
 Feiras de Champagne (França)
 Ligação entre comerciantes do Mar do
Norte, do Mar Báltico e do Mediterrâneo
Cambistas
 Cambistas – Avaliavam as
diversas moedas e faziam as trocas
 Letra de Câmbio – Espécie de
cheque que permitia levantar numa
outra cidade e numa outra moeda, a
importância que constava do
documento.
 Banqueiros – Cambistas que
emprestavam dinheiro a troco do
pagamento de juros
Feiras e Mercados
 Almocreves – andavam de terra
em terra com as suas
mercadorias
 Mercados – Eram locais e
regionais e realizavam-se com
frequência
 Feiras – realizavam-se uma a
duas vezes por ano, por vezes
em festas religiosas e juntavam
pessoas de várias regiões e até
de reinos distantes.
 Cartas de Feira (documento que
estabelecia os direitos e deveres
dos feirantes e a paz de feira,
que garantia a segurança e
O Ressurgimento das
Cidades
 As cidades crescem devido a:
 Expansão comercial
 Aumento populacional
 Comerciantes, artesãos e
camponeses em busca de melhores
condições de vida.
Burgos (cidades)
Crescem e constroem-se novas
muralhas para abranger a população
que se tinha instalado em redor do
Burgo original.
Surge um novo grupo social a
 Afolhamento Trienal – Divisão da terra de cultivo em três partes,
utilizando-as para diferentes culturas de forma rotativa, sendo que uma
delas se enocntra em repouso, ou pousio, durante um ano.
 Coelheira – Parte dos arreios que se ajusta sobre o pescoço do cavalo e
onde se prendem os tirantes.
 Cambistas – Os cambistas eram os que se dedicavam ao câmbio.
Nas feiras medievais e nos núcleos urbanos no feudalismo, eles trocavam
moedas de vários valores, por uma de valor único (O valor das moedas
dependia do metal com que eram produzidas).
 Letra de Câmbio – Papel onde o banqueiro que recebia, em depósito,
as moedas em circulação no burgo de seu estabelecimento, dizia ao
banqueiro no local de destino de quem pagava que pagasse ao
comerciante, ou a quem ele indicasse, em moeda local, o equivalente ao
montante depositado.
 Feira – Eram pontos de encontro de mercadores, que ocorriam
ocasionalmente em datas e locais estipulados e que facilitavam o
escoamento de produtos. Surgiram graças à reanimação do comércio.
 Burgo – Designa antiga cidade, normalmente uma cidade comercial, que
se desenvolvia fora das muralhas do núcleo urbano primitivo, senhorial.
 Burguesia – Habitante do burgo, normalmente eram mercadores ou
artesãos, mais tarde passa a designar apenas os mercadores que se
Conceitos a Reter
1. Justificar o aumento demográfico ocorrido nestes
séculos.
2. Identificar progressos técnicos na agricultura e nos
transportes.
3. Justificar a reanimação do comércio.
4. Identificar os principais pólos comerciais na Baixa
Idade Média.
5. Explicar a importância do aparecimento dos
cambistas e banqueiros.
6. Identificar formas de comércio na Idade Média.
7. Justificar o ressurgimento das cidades/burgos.
Metas
O que deves saber desta matéria
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
Carla Teixeira
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
cattonia
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
HCA_10I
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
cattonia
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
Escola Luis de Freitas Branco
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
Carina Vale
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Cátia Botelho
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
Carlos Vieira
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
Carina Vale
 
Condado portucalense
Condado portucalenseCondado portucalense
Condado portucalense
Luisa Jesus
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Cátia Botelho
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
Carina Vale
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
Carla Teixeira
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
Vítor Santos
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
Maria Gomes
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
Susana Simões
 
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
Carla Teixeira
 
Idade Ma
Idade MaIdade Ma
Idade Ma
João Lima
 
A prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansãoA prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansão
Maria Gomes
 

Mais procurados (20)

Concelhos 2
Concelhos 2Concelhos 2
Concelhos 2
 
Portugal medieval
Portugal medievalPortugal medieval
Portugal medieval
 
Cultura na idade média
Cultura na idade médiaCultura na idade média
Cultura na idade média
 
Formacao de portugal
Formacao de portugalFormacao de portugal
Formacao de portugal
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquistaMÓDULO II- 10º ANO-  Idade média: reconquista
MÓDULO II- 10º ANO- Idade média: reconquista
 
Condado portucalense
Condado portucalenseCondado portucalense
Condado portucalense
 
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIVConcelhos e cortes - séculos XIII e XIV
Concelhos e cortes - séculos XIII e XIV
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3Desenvolvimento comercial parte 3
Desenvolvimento comercial parte 3
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
 
Idade Ma
Idade MaIdade Ma
Idade Ma
 
A prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansãoA prioridade portuguesa na expansão
A prioridade portuguesa na expansão
 

Semelhante a 19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
Carla Teixeira
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
Carla Teixeira
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Carlos Vieira
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
pravda78
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
BeatrizMarques25
 
Mapa Mental historia
Mapa Mental historiaMapa Mental historia
Mapa Mental historia
Paula Munhoz Massi
 
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
SEMEC
 
Surto urbano 2
Surto urbano 2Surto urbano 2
Surto urbano 2
Carla Teixeira
 
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
dayvidprofessor
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
José Fernando Rodrigues
 
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
Azul Assessoria Acadêmica
 
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
Azul Assessoria Acadêmica
 
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
Azul Assessoria Acadêmica
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
filomena morais
 
86465.pptx
86465.pptx86465.pptx
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
Eryka Fernanda
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
Deborah Borges
 
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
Flora Domingos
 

Semelhante a 19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII (20)

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades... A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades...
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIVPortugal no contexto europeu do Século XII a XIV
Portugal no contexto europeu do Século XII a XIV
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
 
Mapa Mental historia
Mapa Mental historiaMapa Mental historia
Mapa Mental historia
 
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
 
Surto urbano 2
Surto urbano 2Surto urbano 2
Surto urbano 2
 
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
 
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
 
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
 
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
 
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
a) Explique o que era considerado como riqueza na Idade Média.
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
 
86465.pptx
86465.pptx86465.pptx
86465.pptx
 
O feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismoO feudalismo e o mercantilismo
O feudalismo e o mercantilismo
 
A baixa idade média
A baixa idade médiaA baixa idade média
A baixa idade média
 
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
 

Mais de Carla Freitas

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
Carla Freitas
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Carla Freitas
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Carla Freitas
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
Carla Freitas
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
Carla Freitas
 

Mais de Carla Freitas (20)

11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
11 Ha M5 u3
11 Ha M5 u311 Ha M5 u3
11 Ha M5 u3
 
11 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 111 Ha M5 u5 1
11 Ha M5 u5 1
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
11 ha m5 u2
11 ha m5 u211 ha m5 u2
11 ha m5 u2
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
11 ha m5 u1
11 ha m5 u111 ha m5 u1
11 ha m5 u1
 
11 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 311 ha m4 u4 3
11 ha m4 u4 3
 
11 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 211 ha m4 u4 2
11 ha m4 u4 2
 
11 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 111 ha m4 u4 1
11 ha m4 u4 1
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
11 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 211 ha m4 u2 2
11 ha m4 u2 2
 
11 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 111 ha m4 u2 1
11 ha m4 u2 1
 
11 ha m4 u1
11 ha m4 u111 ha m4 u1
11 ha m4 u1
 
11 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 311 ha m4 u2 3
11 ha m4 u2 3
 

Último

Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 

Último (20)

Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 

19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII

  • 1. História 7º Ano Prof. Carla Freitas
  • 2. Crescimento Demográfico  Ficou a dever-se a:  Melhoria das condições de vida  Melhor alimentação  Diminuição da taxa de mortalidade  Diminuição das guerras  Maior resistência às doenças  Aumento da produção agrícola
  • 3. Aumento da Produção Agrícola  Ficou a dever-se a:  Arroteias para aumentar a área de cultivo  Abate de Florestas  Drenagem de Pântanos  Progressos Técnicos  Utilização do ferro nos instrumentos agrícolas  Afolhamento trienal  Adubação dos campos  Utilização de novos sistemas de irrigação (nora e canais de irrigação)  Utilização de moinhos de vento e de água
  • 4. Melhorias nos transportes  Ficaram a dever-se a:  Transportes Terrestres:  Novo sistema de atrelagem  Atrelagem em fila  Coelheira  Utilização da Ferradura  Transportes Marítimos  Utilização do leme fixo à popa  Utilização de
  • 5. Reanimação do comércio  Ficou a dever-se a:  Maior segurança nas vias de comunicação devido ao clima de paz  Existência de excedentes  Crescimento populacional  Melhoria nos transportes
  • 6. O comércio na Baixa Idade Média
  • 7. Principais pólos comerciais  Pólos comerciais mais importantes  Itália (Florença, Veneza, Génova)  Intermediários entre o Oriente e o Ocidente, comerciavam essencialmente produtos como especiarias e sedas.  Norte da Europa - Liga Hanseática (Hamburgo, Bruges, Gand, Lubeque)  Comercializavam trigo, metais, peixe seco e peles.  Feiras de Champagne (França)  Ligação entre comerciantes do Mar do Norte, do Mar Báltico e do Mediterrâneo
  • 8. Cambistas  Cambistas – Avaliavam as diversas moedas e faziam as trocas  Letra de Câmbio – Espécie de cheque que permitia levantar numa outra cidade e numa outra moeda, a importância que constava do documento.  Banqueiros – Cambistas que emprestavam dinheiro a troco do pagamento de juros
  • 9. Feiras e Mercados  Almocreves – andavam de terra em terra com as suas mercadorias  Mercados – Eram locais e regionais e realizavam-se com frequência  Feiras – realizavam-se uma a duas vezes por ano, por vezes em festas religiosas e juntavam pessoas de várias regiões e até de reinos distantes.  Cartas de Feira (documento que estabelecia os direitos e deveres dos feirantes e a paz de feira, que garantia a segurança e
  • 10. O Ressurgimento das Cidades  As cidades crescem devido a:  Expansão comercial  Aumento populacional  Comerciantes, artesãos e camponeses em busca de melhores condições de vida. Burgos (cidades) Crescem e constroem-se novas muralhas para abranger a população que se tinha instalado em redor do Burgo original. Surge um novo grupo social a
  • 11.  Afolhamento Trienal – Divisão da terra de cultivo em três partes, utilizando-as para diferentes culturas de forma rotativa, sendo que uma delas se enocntra em repouso, ou pousio, durante um ano.  Coelheira – Parte dos arreios que se ajusta sobre o pescoço do cavalo e onde se prendem os tirantes.  Cambistas – Os cambistas eram os que se dedicavam ao câmbio. Nas feiras medievais e nos núcleos urbanos no feudalismo, eles trocavam moedas de vários valores, por uma de valor único (O valor das moedas dependia do metal com que eram produzidas).  Letra de Câmbio – Papel onde o banqueiro que recebia, em depósito, as moedas em circulação no burgo de seu estabelecimento, dizia ao banqueiro no local de destino de quem pagava que pagasse ao comerciante, ou a quem ele indicasse, em moeda local, o equivalente ao montante depositado.  Feira – Eram pontos de encontro de mercadores, que ocorriam ocasionalmente em datas e locais estipulados e que facilitavam o escoamento de produtos. Surgiram graças à reanimação do comércio.  Burgo – Designa antiga cidade, normalmente uma cidade comercial, que se desenvolvia fora das muralhas do núcleo urbano primitivo, senhorial.  Burguesia – Habitante do burgo, normalmente eram mercadores ou artesãos, mais tarde passa a designar apenas os mercadores que se Conceitos a Reter
  • 12. 1. Justificar o aumento demográfico ocorrido nestes séculos. 2. Identificar progressos técnicos na agricultura e nos transportes. 3. Justificar a reanimação do comércio. 4. Identificar os principais pólos comerciais na Baixa Idade Média. 5. Explicar a importância do aparecimento dos cambistas e banqueiros. 6. Identificar formas de comércio na Idade Média. 7. Justificar o ressurgimento das cidades/burgos. Metas O que deves saber desta matéria