SlideShare uma empresa Scribd logo
Escola Secundária de Lagoa
História A
10º ano
Ano letivo 2014/2015
Carcassone, França
Contextualização
Desenvolvimento
agrícola
Crescimento
demográfico
Crescimento
das cidades
Dinamização
das trocas
O que se entende por cidade?
Jacques Le Goff: “Essas cidades, ao contrário daquelas da
Antiguidade romana, não tinham um papel agressivo. Mas era
necessário proteger seus habitantes, suas igrejas, suas casas
seus entrepostos e os instrumentos de trabalho(...). A muralha
assegurava a proteção. (...) seus muros, ameias e torres, pelos
campanários das igrejas e observatórios móveis de vigília (...)
enfim, pelas torrinhas privadas dos burgueses ricos, através de
tudo isso a cidade medieval impunha uma imagem de poder e de
riqueza.”
In: As cidades medievais estão no gênese do estado moderno.
(2005)
Doc. 16 – A, p. 28
O surto urbano
O surto urbano
As cidades
aumentam ao redor
dos castelos
senhoriais;
Perto das vias de
circulação;
Aumento do
número das
cidades e do seu
tamanho;
Junto aos portos.
Bruges, Bélgica
Florença
Paris
Transformação das cidades
As cidades cresceram mas também transformaram-se.
No passado, as cidades eram centros de natureza
política, militar ou religiosa, fortemente dependente da
importância do nobre ou bispo que as habitavam.
Transformação das cidades
Estabelecimento de banqueiros,
artesãos, mercadores e lojistas;
As cidades medievais assumem
natureza económica;
As cidades medievais animam-se.
O surto urbano
Doc. 16 – B, p. 28
“ os mercadores itinerantes,
homens desenraizados e sem
terra”, fixaram-se nas áreas fora
das muralhas das cidades – os
“burgos de fora”;
O burgo “velho” e o “novo”
juntavam-se e rodeavam-se de
novas muralhas;
Surge um novo grupo social – a
burguesia - (Conceito, p. 29);
Nobres procuravam
divertimento e bens
de luxo
Cidades = Centros de atração
Peregrinos em
busca de
hospitalidade e
melhores
condições de vida
A dinamização das trocas locais e regionais
Apesar das feiras internacionais animarem muitas cidades, em
certas épocas do ano, a economia baseava-se nos pequenos
mercados de natureza agrícola, estalecendo ligação entre as
cidades e os campos próximos. Quando as distâncias entre
campo-cidade eram muito elevadas, as ligações eram feitas
pelos almocreves.
A dinamização das trocas locais e regionais
Para o camponês estes mercados eram essenciais, pois
os senhores cobravam pesadas rendas, motivando-o a
produzir cada vez mais e a vender os seus produtos.
Para além dos camponeses, os senhores leigos e
eclesiásticos, também comercializavam os seus produtos
nos mercados.
cereais
ovos frangos
queijo
legumeslã
A dinamização das trocas locais e regionais
Doc. C; p. 32:
Medidas:
A venda dos produtos pelo
“caminho” e fora das horas
estipuladas, era proibida;
Evitava-se o “desvio” de produtos;
Regulavam-se os preços;
Limitavam-se as quantidades que
cada pessoa podia comprar de
determinado produto;
Puniam-se os comerciantes que
tentavam enganar os compradores.
Garantir o
abastecimento
eficaz das
cidades;
Assegurar a
qualidade dos
produtos;
Objetivos:
Os mercados locais representavam o
maior volume de trocas comerciais
da época;
“Economia monetária”
(Conceito, p. 30);
Aumento da rede de trocas;
Reanimação das vias de
comunicação (estradas e rios);
A vida económica baseava-se no
mercado com objetivo de gerar lucro;
“Revolução comercial”.
A dinamização das trocas locais e regionais
Exercícios
Responda às questões 4 e 5, da ficha nº 8, página 28 do Caderno
de Aluno.
4 - Refira, apoiando-se no doc. 3, a evolução das cidades
europeias entre os séculos XI e XVI.
5- Utilizando os dados da imagem do doc. 4, relacione o
renascimento urbano e a revitalização da economia.
4- Refira, apoiando-se no Doc. 3, a evolução das cidades europeias
entre os séculos XI e XIV.
Entre os séculos XI e XIV verificou-se um desenvolvimento urbano que
se pode confirmar pelo aumento da área amuralhada de algumas das
principais cidades europeias.
5-Utilizando os dados da imagem do Doc. 4, relacionar o
renascimento urbano e a revitalização da economia monetária.
O Doc. 4 apresenta-nos a imagem de uma rua da cidade italiana de
Siena, na primeira metade do século XIV. O número de lojas abertas e
o movimento da rua, povoada de mercadores e agricultores que a ela
afluem para vender e comprar produtos, são o reflexo da revitalização
económica que se verificou entre os séculos XI e XIV. O alargamento
dos circuitos mercantis e o aumento do volume de mercadorias
transacionadas fizeram ressuscitar a economia monetária. Doravante,
para a realização das pequenas trocas ou de grandes negócios, tornou-
se necessária a utilização da moeda e, por isso, nas ruas das cidades,
além das lojas e oficinas, tornam-se comuns os estabelecimentos de
cambistas ou banqueiros.
Trabalho de Casa
Responda às questões 4 e 7 da página 31 do manual

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
Carina Vale
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
Carla Freitas
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
Vítor Santos
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
Escola Luis de Freitas Branco
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
Carla Teixeira
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
Joana Filipa Rodrigues
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
As cidades da Flandres
As cidades da FlandresAs cidades da Flandres
As cidades da Flandres
AEDFL
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
Carina Vale
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
Vítor Santos
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
Teresa Maia
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Vítor Santos
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
Susana Grandão
 

Mais procurados (20)

País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
19 - Crescimento económico dos séculos XII e XIII
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crençaA identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
A identidade civilizacional da Europa Ocidental - A unidade da crença
 
Valores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidianoValores, vivências e quotidiano
Valores, vivências e quotidiano
 
O país urbano e concelhio
O país urbano e concelhioO país urbano e concelhio
O país urbano e concelhio
 
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
A cristandade ocidental face ao islão  parte 1A cristandade ocidental face ao islão  parte 1
A cristandade ocidental face ao islão parte 1
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
História A - 10ºano (M2, p3 resumos)
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
As cidades da Flandres
As cidades da FlandresAs cidades da Flandres
As cidades da Flandres
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio  módulo II-10 º ANOPaís urbano concelhio  módulo II-10 º ANO
País urbano concelhio módulo II-10 º ANO
 
01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia01 a geografia cultural europeia
01 a geografia cultural europeia
 
Reforma e contrarreforma
Reforma e contrarreformaReforma e contrarreforma
Reforma e contrarreforma
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
Roma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºanoRoma- Resumo de história 10ºano
Roma- Resumo de história 10ºano
 

Destaque

Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Nelson Faustino
 
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
Carla Teixeira
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
Susana Simões
 
Renascimento.
Renascimento.Renascimento.
Renascimento.
BeahSilva
 
Hau2 aula02
Hau2 aula02Hau2 aula02
Cristandade Ocidental
Cristandade OcidentalCristandade Ocidental
Cristandade Ocidental
Tiago Soares
 
Renascimento na Europa
Renascimento na EuropaRenascimento na Europa
Renascimento na Europa
Carlos Vieira
 
Surto urbano 2
Surto urbano 2Surto urbano 2
Surto urbano 2
Carla Teixeira
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
Lecia Neves
 
Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
Carla Freitas
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
Professor
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
Joana Filipa Rodrigues
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
João Lima
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
Rosário
 

Destaque (15)

Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XIIDesenvolvimento Económico Séculos XI-XII
Desenvolvimento Económico Séculos XI-XII
 
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
O crescimento económico e aparecimento das cidades 1
 
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa OcidentalA identidade civilizacional da Europa Ocidental
A identidade civilizacional da Europa Ocidental
 
Renascimento.
Renascimento.Renascimento.
Renascimento.
 
Hau2 aula02
Hau2 aula02Hau2 aula02
Hau2 aula02
 
Cristandade Ocidental
Cristandade OcidentalCristandade Ocidental
Cristandade Ocidental
 
Renascimento na Europa
Renascimento na EuropaRenascimento na Europa
Renascimento na Europa
 
Surto urbano 2
Surto urbano 2Surto urbano 2
Surto urbano 2
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
 
Atividade industrial
Atividade industrialAtividade industrial
Atividade industrial
 
História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6História A - módulo 3, 4 e 6
História A - módulo 3, 4 e 6
 
idade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedadeidade média - Crescimento ubano e sociedade
idade média - Crescimento ubano e sociedade
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
O Islamismo
O IslamismoO Islamismo
O Islamismo
 

Semelhante a A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades e a dinamização das trocas

H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
José Fernando Rodrigues
 
86465.pptx
86465.pptx86465.pptx
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
sarahsouzaaa
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Maria Gomes
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
Carla Teixeira
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
Carla Teixeira
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
BeatrizMarques25
 
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
dayvidprofessor
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
pravda78
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Maria Gomes
 
HCA M4 A Cidade/ O GóTico
HCA   M4   A Cidade/ O GóTicoHCA   M4   A Cidade/ O GóTico
HCA M4 A Cidade/ O GóTico
Isidro Santos
 
20 - Portugal no séc. XII e XIII
20  - Portugal no séc. XII e XIII20  - Portugal no séc. XII e XIII
20 - Portugal no séc. XII e XIII
Carla Freitas
 
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
Flora Domingos
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
Maria Gomes
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
Carolina Medeiros
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
Aulas de História
 
O renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbanoO renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbano
Nelia Salles Nantes
 
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
SEMEC
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
Carla Cristina
 

Semelhante a A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades e a dinamização das trocas (20)

H8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º anoH8 últimos conteúdos do 7 º ano
H8 últimos conteúdos do 7 º ano
 
86465.pptx
86465.pptx86465.pptx
86465.pptx
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2O desevolvimento cmoercial parte 2
O desevolvimento cmoercial parte 2
 
Importância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºanoImportância das feiras 7ºano
Importância das feiras 7ºano
 
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital2. capítulo 2   mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
2. capítulo 2 mercado, riqueza e as técnicas e acumulação de capital
 
Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1Apresentação 1 do Módulo 1
Apresentação 1 do Módulo 1
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
HCA M4 A Cidade/ O GóTico
HCA   M4   A Cidade/ O GóTicoHCA   M4   A Cidade/ O GóTico
HCA M4 A Cidade/ O GóTico
 
20 - Portugal no séc. XII e XIII
20  - Portugal no séc. XII e XIII20  - Portugal no séc. XII e XIII
20 - Portugal no séc. XII e XIII
 
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
4.1 o contexto europeu do século xii a xiv
 
Idade Média
Idade MédiaIdade Média
Idade Média
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
Renascimento Comercial
Renascimento ComercialRenascimento Comercial
Renascimento Comercial
 
O renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbanoO renascimento com. e urbano
O renascimento com. e urbano
 
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
7ª ano revisão unidade 3 temas 1 e 2 resp
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
 

Mais de Núcleo de Estágio ESL 2014-2015

Introdução à Idade Média
Introdução à Idade MédiaIntrodução à Idade Média
Introdução à Idade Média
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaO Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismoO Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 
1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império
Núcleo de Estágio ESL 2014-2015
 

Mais de Núcleo de Estágio ESL 2014-2015 (12)

Introdução à Idade Média
Introdução à Idade MédiaIntrodução à Idade Média
Introdução à Idade Média
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...O espaço civilizacional greco-latino  à beira da mudança: O Império em crise;...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império em crise;...
 
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
O espaço civilizacional greco-latino à beira da mudança: O Império Romano-Cri...
 
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
9. O Modelo Romano: A Romanização na Península Ibérica
 
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada8. O modelo romano   a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
8. O modelo romano a formação de uma rede escolar urbana uniformizada
 
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografiaO Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
O Modelo Romano - A apologia do império na épica e na historiografia
 
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismoO Modelo Romano - a padronização do urbanismo
O Modelo Romano - a padronização do urbanismo
 
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...O Modelo Romano -   a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
O Modelo Romano - a fixação de modelos artísticos: arquitetura, escultura e...
 
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
4. O Modelo Romano - a progressiva extensão da cidadania; a afirmação imperia...
 
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
3. O Modelo Romano - o culto a Roma e ao imperador; a codificação do direito
 
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
2.O Modelo Romano - das magistraturas republicanas ao poder do imperador
 
1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império1. Roma, a cidade que se fez império
1. Roma, a cidade que se fez império
 

Último

Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

A identidade civilizacional da Europa Ocidental - O renascimento das cidades e a dinamização das trocas

  • 1. Escola Secundária de Lagoa História A 10º ano Ano letivo 2014/2015 Carcassone, França
  • 3. O que se entende por cidade? Jacques Le Goff: “Essas cidades, ao contrário daquelas da Antiguidade romana, não tinham um papel agressivo. Mas era necessário proteger seus habitantes, suas igrejas, suas casas seus entrepostos e os instrumentos de trabalho(...). A muralha assegurava a proteção. (...) seus muros, ameias e torres, pelos campanários das igrejas e observatórios móveis de vigília (...) enfim, pelas torrinhas privadas dos burgueses ricos, através de tudo isso a cidade medieval impunha uma imagem de poder e de riqueza.” In: As cidades medievais estão no gênese do estado moderno. (2005)
  • 4. Doc. 16 – A, p. 28 O surto urbano
  • 5. O surto urbano As cidades aumentam ao redor dos castelos senhoriais; Perto das vias de circulação; Aumento do número das cidades e do seu tamanho; Junto aos portos. Bruges, Bélgica Florença Paris
  • 6. Transformação das cidades As cidades cresceram mas também transformaram-se. No passado, as cidades eram centros de natureza política, militar ou religiosa, fortemente dependente da importância do nobre ou bispo que as habitavam.
  • 7. Transformação das cidades Estabelecimento de banqueiros, artesãos, mercadores e lojistas; As cidades medievais assumem natureza económica; As cidades medievais animam-se.
  • 8. O surto urbano Doc. 16 – B, p. 28 “ os mercadores itinerantes, homens desenraizados e sem terra”, fixaram-se nas áreas fora das muralhas das cidades – os “burgos de fora”; O burgo “velho” e o “novo” juntavam-se e rodeavam-se de novas muralhas; Surge um novo grupo social – a burguesia - (Conceito, p. 29);
  • 9. Nobres procuravam divertimento e bens de luxo Cidades = Centros de atração Peregrinos em busca de hospitalidade e melhores condições de vida
  • 10. A dinamização das trocas locais e regionais Apesar das feiras internacionais animarem muitas cidades, em certas épocas do ano, a economia baseava-se nos pequenos mercados de natureza agrícola, estalecendo ligação entre as cidades e os campos próximos. Quando as distâncias entre campo-cidade eram muito elevadas, as ligações eram feitas pelos almocreves.
  • 11. A dinamização das trocas locais e regionais Para o camponês estes mercados eram essenciais, pois os senhores cobravam pesadas rendas, motivando-o a produzir cada vez mais e a vender os seus produtos. Para além dos camponeses, os senhores leigos e eclesiásticos, também comercializavam os seus produtos nos mercados. cereais ovos frangos queijo legumeslã
  • 12. A dinamização das trocas locais e regionais Doc. C; p. 32: Medidas: A venda dos produtos pelo “caminho” e fora das horas estipuladas, era proibida; Evitava-se o “desvio” de produtos; Regulavam-se os preços; Limitavam-se as quantidades que cada pessoa podia comprar de determinado produto; Puniam-se os comerciantes que tentavam enganar os compradores. Garantir o abastecimento eficaz das cidades; Assegurar a qualidade dos produtos; Objetivos:
  • 13. Os mercados locais representavam o maior volume de trocas comerciais da época; “Economia monetária” (Conceito, p. 30); Aumento da rede de trocas; Reanimação das vias de comunicação (estradas e rios); A vida económica baseava-se no mercado com objetivo de gerar lucro; “Revolução comercial”. A dinamização das trocas locais e regionais
  • 14. Exercícios Responda às questões 4 e 5, da ficha nº 8, página 28 do Caderno de Aluno. 4 - Refira, apoiando-se no doc. 3, a evolução das cidades europeias entre os séculos XI e XVI. 5- Utilizando os dados da imagem do doc. 4, relacione o renascimento urbano e a revitalização da economia.
  • 15. 4- Refira, apoiando-se no Doc. 3, a evolução das cidades europeias entre os séculos XI e XIV. Entre os séculos XI e XIV verificou-se um desenvolvimento urbano que se pode confirmar pelo aumento da área amuralhada de algumas das principais cidades europeias. 5-Utilizando os dados da imagem do Doc. 4, relacionar o renascimento urbano e a revitalização da economia monetária. O Doc. 4 apresenta-nos a imagem de uma rua da cidade italiana de Siena, na primeira metade do século XIV. O número de lojas abertas e o movimento da rua, povoada de mercadores e agricultores que a ela afluem para vender e comprar produtos, são o reflexo da revitalização económica que se verificou entre os séculos XI e XIV. O alargamento dos circuitos mercantis e o aumento do volume de mercadorias transacionadas fizeram ressuscitar a economia monetária. Doravante, para a realização das pequenas trocas ou de grandes negócios, tornou- se necessária a utilização da moeda e, por isso, nas ruas das cidades, além das lojas e oficinas, tornam-se comuns os estabelecimentos de cambistas ou banqueiros.
  • 16. Trabalho de Casa Responda às questões 4 e 7 da página 31 do manual