SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Semiologia Farmacêutica no Manejo
de Problemas de Saúde
Autolimitados
Angelita C Melo
Doutora em Saúde Pública
Docente Universidade Federal de São João Del-Rei área de Farmácia Clínica
Consultora ad hoc Conselho Federal de Farmácia na área clínica
Relevância?
Atuação interdisciplinar
Autonomia do paciente
Epidemia invisível:
problemas associados ao
uso de medicamentos
Semiologia para qual área e modelo de prática?
Semiologia para qual área e modelo de prática?
• área da farmácia voltada à ciência e à prática do uso racional de
medicamentos, na qual os farmacêuticos prestam cuidado ao paciente,
de forma a otimizar a farmacoterapia, promover saúde e bem-estar, e
prevenir doenças
Farmácia Clínica
• modelo de prática que orienta a provisão de diferentes serviços
farmacêuticos direcionados ao paciente, à família e à comunidade
Cuidado Farmacêutico
Para quê?
Semiologia Farmacêutica: identificar as necessidades de
saúde dos pacientes, família e comunidade
SEMIOLOGIA
“semeion” sinal “logos” discurso
Exame físico
Anamnese
Aná: trazer de novo mnesis:
memória
Necessidades saúde dos pacientes
Educação em saúde
Conciliação de medicamentos
Monitorização terapêutica de
medicamentos
Revisão da farmacoterapia
Gestão da condição de saúde
Acompanhamento
farmacoterapêutico
Atender a diferentes necessidades de saúde dos
pacientes por meio de serviços clínicos
(CFF, 2016)
Promoção e
recuperação
da saúde e
prevenção de
doenças
Acesso ao
medicamento
Controle de
sinais e/ou
sintomas
Recuperar a
saúde, manter a
doença
controlada ou
obter a cura da
doença
Manter a
saúde e
minimizar o
risco de
adoecimento
Diagnóstico
correto e
precoce
Dispensação
Manejo de problemas
de saúde
autolimitados
Rastreamento em
saúde
Educação em saúde
Serviços tão
diferentes...
Raciocínio
Clínico geral
único...
Raciocínio clínico e o papel da semiologia?
Prescrição
Semiologia uma
disciplina?
Farmacologia é
uma disciplina!
Semiologia no
contexto do
cuidado à saúde
é mais efetivo...
Processo de cuidado geral único: processo semiológico
parecido mas distinto
Complexidade da anamnese (uma aproximação)
Rastreamentoem
saúde
Educaçãoemsaúde
Dispensação
Manejodeproblemade
saúdeautolimitado
Monitorizaçãoterapêutica
demedicamentos
Conciliação
Revisãodafarmacoterapia
Gestãodacondiçãode
saúde
Acompanhamento
farmacoterapêutico
Manejo de problema de saúde autolimitado
• Conceito: serviço pelo qual o farmacêutico atende a uma demanda
relativa a problema de saúde autolimitado, realiza anamnese, prescreve e
orienta a adoção de medidas não farmacológicas, bem como
medicamentos e outros produtos com finalidade terapêutica, cuja
dispensação não exija prescrição médica e, quando necessário,
encaminha o paciente a outro serviço ou profissional da saúde. Neste
serviço o farmacêutico deve se responsabilizar pelos resultados obtidos
provenientes da sua conduta.
• Termos relacionados: indicação farmacêutica, automedicação assistida,
automedicação responsável, indicación farmacéutica, automedicación
responsable, management of minor illness e responsible self medication.
Manejo de problema de saúde autolimitado
Eu estou com afta o que você me dá?
Manejo de problema de saúde autolimitado
Eu estou com afta o que você me dá?
Coletar e
organizar
informações do
paciente
Identificar
problemas de
saúde
Alertas para
encaminhamento
Plano de
intervenção
Acompanhar
resultados
Exame físico
Privacidade
Anamnese e exame físico
Característica da lesão
Anamnese
Idade: 10 a 40 anos
Número: 1 a 5
Resolução 10 a 14 dias
Recorrência: 1 a 4 meses
Associada:
• menstruação
• alimentos específicos
• trauma
Ulcera oral menor
Encaminhamento ao médico
Ulcera oral maior
Plano de cuidado
Duração do tratamento
Colutórios antissépticos Corticosteróides Anestésicos tópicos
• O quê?
• Qual dosagem?
• Qual posologia?
• Qual duração?
• Como utilizar?
Selecionar
• Paciente
• Serviço de saúde
• Outros profissionais
Documentar
Plano de cuidado
Duração do tratamento
Colutórios antissépticos Corticosteróides Anestésicos tópicos
10mL, 12/12h, 1 minutos
6/6h a 8/8h
8/8h
Redação da prescrição
Elementos textuais
Lista de
instruções/informações
Sequencia de
elementos
Prontuário organizado por problemas com notas de
evolução SOAP
«S» de Subjetivo
• registra o ponto de vista do doente
e também profissional os dados que
não podem ser mensurados
«O» de Objetivo
• Resultados de testes, mensurações...
«A» de Avaliação
• Identifica o problema e o seu grau
de resolução à data
problema deve constituir um
«fato clínico»
Hipótese (diz respeito ao
profissional que a coloca e não
ao doente)
«P» de Plano
• Medidas terapêuticas
• Pedidos de exames
• Encaminhamento e o
aconselhamento
• Agenda a próxima consulta
de reavaliação
Prontuário organizado por problemas com notas de
evolução SOAP
• 29/04/2016 - S: paciente se queixa de afta, após uso de abacaxi. O:
afta única na mucosa interna da boca com diâmetro de cerca de
0,10 cm. A: afta menor. P: Cepacaína spray oral, 2 jatos até de 8 em
8 horas, se houver dor, por até 7 dias e educação em saúde para
ingestão de abacaxi na forma de suco com o uso de água para
limpeza bucal.
• 04/05/2016 - S: paciente relata resolução do problema. O: nada
digno de nota. A: afta resolvida. P: alta do serviço.
Onde estudo
semiologia?
Processo semiológico e semitécnica: formação geral
No início
Processo semiológico e semitécnica: formação geral
Farmácia Comunitária Privada
• Serviço de Manejo de condição clínica autolimitada
Fonte com a análise da evidência científica
Assinatura paga
Ausência completa de
conflito de interesse?
Obrigada!
angelitamelo@ufsj.edu.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaMauro Cunha Xavier Pinto
 
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)Elizeu Ferro
 
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...Cassyano Correr
 
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Farmacêutico Digital
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra CrfMarcelo Polacow Bisson
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaCassyano Correr
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosMauro Cunha Xavier Pinto
 
Insumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e InertesInsumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e InertesSafia Naser
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara motaClara Mota Brum
 
Farmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAMFarmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAMLeonardo Souza
 
Código de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaCódigo de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaMarcelo Polacow Bisson
 
Introdução a Homeopatia
Introdução a HomeopatiaIntrodução a Homeopatia
Introdução a HomeopatiaSafia Naser
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Renato Santos
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesLeonardo Souza
 

Mais procurados (20)

Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
 
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
Farmacoterapia baseada em evidências: Uma abordagem sobre os processos da far...
 
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
Tabela de Tipos de Receitas Port-344/98
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Tipos de receituarios
Tipos de receituariosTipos de receituarios
Tipos de receituarios
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Aula 2 prm
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Insumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e InertesInsumos Ativos e Inertes
Insumos Ativos e Inertes
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
Farmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAMFarmacologia interações e RAM
Farmacologia interações e RAM
 
Código de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêuticaCódigo de ética da profissão farmacêutica
Código de ética da profissão farmacêutica
 
Farmacotécnica
FarmacotécnicaFarmacotécnica
Farmacotécnica
 
Introdução a Homeopatia
Introdução a HomeopatiaIntrodução a Homeopatia
Introdução a Homeopatia
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
Introdução à farmacologia
Introdução à farmacologiaIntrodução à farmacologia
Introdução à farmacologia
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
 

Destaque

Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaGuias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaangelitamelo
 
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...angelitamelo
 
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosMétodo Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosCassyano Correr
 
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslidesharePrescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshareangelitamelo
 
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaFormação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaangelitamelo
 
O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?Cassyano Correr
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitáriaCassyano Correr
 
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_final
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_finalFarmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_final
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_finalangelitamelo
 
Prescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticafarmaefarma
 
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalarAtenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalarRodrigo Xavier
 
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_finalIi congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_finalangelitamelo
 
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticosIi congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticosangelitamelo
 
Cobef fala mesa_redonda_2015
Cobef fala mesa_redonda_2015Cobef fala mesa_redonda_2015
Cobef fala mesa_redonda_2015angelitamelo
 
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015angelitamelo
 
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdfCurso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdffarmaefarma
 
Projeto Piloto de Cuidado Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
Projeto Piloto de Cuidado  Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...Projeto Piloto de Cuidado  Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
Projeto Piloto de Cuidado Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...HorusQualifar
 
Acompanhamento farmacoterapeutico como começar! dr. rinaldo ferreira
Acompanhamento farmacoterapeutico   como começar! dr. rinaldo ferreiraAcompanhamento farmacoterapeutico   como começar! dr. rinaldo ferreira
Acompanhamento farmacoterapeutico como começar! dr. rinaldo ferreiraRinaldo Ferreira
 
Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011Mabi Almeida
 
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Cassyano Correr
 

Destaque (20)

Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaGuias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
 
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
 
Semiologia farmaceutica
Semiologia farmaceuticaSemiologia farmaceutica
Semiologia farmaceutica
 
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados FarmacêuticosMétodo Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
Método Clínico para os Cuidados Farmacêuticos
 
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslidesharePrescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
 
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaFormação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
 
O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
 
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_final
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_finalFarmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_final
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_final
 
Prescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêutica
 
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalarAtenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
Atenã ã o farmaceutica e farmacia clinica -implantaã_ao na farmacia hospitalar
 
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_finalIi congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
 
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticosIi congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
 
Cobef fala mesa_redonda_2015
Cobef fala mesa_redonda_2015Cobef fala mesa_redonda_2015
Cobef fala mesa_redonda_2015
 
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
 
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdfCurso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
 
Projeto Piloto de Cuidado Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
Projeto Piloto de Cuidado  Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...Projeto Piloto de Cuidado  Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
Projeto Piloto de Cuidado Farmacêutica na Atenção Básica em Curitiba- Aprese...
 
Acompanhamento farmacoterapeutico como começar! dr. rinaldo ferreira
Acompanhamento farmacoterapeutico   como começar! dr. rinaldo ferreiraAcompanhamento farmacoterapeutico   como começar! dr. rinaldo ferreira
Acompanhamento farmacoterapeutico como começar! dr. rinaldo ferreira
 
Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011Metododaderpdf1 20141026175011
Metododaderpdf1 20141026175011
 
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
 

Semelhante a Semiologia Farmacêutica no Manejo de Problemas de Saúde Autolimitados

Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...LAFARCLIN UFPB
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfNaidilene Aguilar
 
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdf
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdfAULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdf
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdfAndreaPecceBento
 
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...LAFARCLIN UFPB
 
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...martinsfmf
 
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...LAFARCLIN UFPB
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...angelitamelo
 
0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Rose0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Roselaiscarlini
 
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .OdilonCalian1
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Cassyano Correr
 
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 metodo clinicopara atencao farmaceutica metodo clinicopara atencao farmaceutica
metodo clinicopara atencao farmaceuticaARNON ANDRADE
 
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção FarmacêuticaMétodo Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção FarmacêuticaBruna Bernardi
 
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"JOFARUFPR
 

Semelhante a Semiologia Farmacêutica no Manejo de Problemas de Saúde Autolimitados (20)

Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdfatencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
atencao-farmaceutica farmacia clinica.pdf
 
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdf
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdfAULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdf
AULA 2 2022 SEMIOLOGIA.pdf
 
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
Assistência Clínica na Farmacoterapia Antineoplásica Oral: uma experiência pr...
 
Aula 2 - AF
Aula 2 - AFAula 2 - AF
Aula 2 - AF
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
 
Semiologia e patologia aplicada
Semiologia e patologia aplicadaSemiologia e patologia aplicada
Semiologia e patologia aplicada
 
0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Rose0508 Educação sanitária - Rose
0508 Educação sanitária - Rose
 
Farmacoté..
Farmacoté..Farmacoté..
Farmacoté..
 
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
Farmácia Clínica como iniciar a fazer .
 
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
Projeto DEPICT: um novo sistema para caracterização dos componentes das inter...
 
Conceitos de Atenção Farmacêutica
Conceitos de  Atenção FarmacêuticaConceitos de  Atenção Farmacêutica
Conceitos de Atenção Farmacêutica
 
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 metodo clinicopara atencao farmaceutica metodo clinicopara atencao farmaceutica
metodo clinicopara atencao farmaceutica
 
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção FarmacêuticaMétodo Clínico para Atenção Farmacêutica
Método Clínico para Atenção Farmacêutica
 
Registro em APS
Registro em APSRegistro em APS
Registro em APS
 
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
Palestra 8 - "Reconciliação medicamentosa: Um serviço clínico"
 

Mais de angelitamelo

Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...angelitamelo
 
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínico
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico ClínicoNovas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínico
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínicoangelitamelo
 
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicas
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicasFarmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicas
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicasangelitamelo
 
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicadosDesprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicadosangelitamelo
 
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisExame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisangelitamelo
 
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisExame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisangelitamelo
 
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018angelitamelo
 
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicadosComo melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicadosangelitamelo
 
Provisão de serviços farmacêuticos governança, empreendedorismo e oportunid...
Provisão de serviços farmacêuticos   governança, empreendedorismo e oportunid...Provisão de serviços farmacêuticos   governança, empreendedorismo e oportunid...
Provisão de serviços farmacêuticos governança, empreendedorismo e oportunid...angelitamelo
 
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...angelitamelo
 
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017angelitamelo
 
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slide
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slideEducação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slide
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slideangelitamelo
 
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslidesharePrescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshareangelitamelo
 
Educação farmacêutica riopharma
Educação farmacêutica riopharmaEducação farmacêutica riopharma
Educação farmacêutica riopharmaangelitamelo
 
Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015
Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015
Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015angelitamelo
 
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_final
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_finalFormação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_final
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_finalangelitamelo
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaangelitamelo
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaangelitamelo
 

Mais de angelitamelo (18)

Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
 
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínico
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico ClínicoNovas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínico
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínico
 
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicas
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicasFarmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicas
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicas
 
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicadosDesprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
 
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisExame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
 
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisExame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
 
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
 
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicadosComo melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
 
Provisão de serviços farmacêuticos governança, empreendedorismo e oportunid...
Provisão de serviços farmacêuticos   governança, empreendedorismo e oportunid...Provisão de serviços farmacêuticos   governança, empreendedorismo e oportunid...
Provisão de serviços farmacêuticos governança, empreendedorismo e oportunid...
 
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...
 
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
 
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slide
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slideEducação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slide
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slide
 
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslidesharePrescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
 
Educação farmacêutica riopharma
Educação farmacêutica riopharmaEducação farmacêutica riopharma
Educação farmacêutica riopharma
 
Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015
Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015
Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015
 
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_final
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_finalFormação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_final
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_final
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redonda
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redonda
 

Último

aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdfLEANDROSPANHOL1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdfkathleenrichardanton
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 

Último (14)

aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 

Semiologia Farmacêutica no Manejo de Problemas de Saúde Autolimitados

  • 1. Semiologia Farmacêutica no Manejo de Problemas de Saúde Autolimitados Angelita C Melo Doutora em Saúde Pública Docente Universidade Federal de São João Del-Rei área de Farmácia Clínica Consultora ad hoc Conselho Federal de Farmácia na área clínica
  • 2. Relevância? Atuação interdisciplinar Autonomia do paciente Epidemia invisível: problemas associados ao uso de medicamentos
  • 3. Semiologia para qual área e modelo de prática?
  • 4. Semiologia para qual área e modelo de prática? • área da farmácia voltada à ciência e à prática do uso racional de medicamentos, na qual os farmacêuticos prestam cuidado ao paciente, de forma a otimizar a farmacoterapia, promover saúde e bem-estar, e prevenir doenças Farmácia Clínica • modelo de prática que orienta a provisão de diferentes serviços farmacêuticos direcionados ao paciente, à família e à comunidade Cuidado Farmacêutico Para quê?
  • 5. Semiologia Farmacêutica: identificar as necessidades de saúde dos pacientes, família e comunidade SEMIOLOGIA “semeion” sinal “logos” discurso Exame físico Anamnese Aná: trazer de novo mnesis: memória Necessidades saúde dos pacientes
  • 6. Educação em saúde Conciliação de medicamentos Monitorização terapêutica de medicamentos Revisão da farmacoterapia Gestão da condição de saúde Acompanhamento farmacoterapêutico Atender a diferentes necessidades de saúde dos pacientes por meio de serviços clínicos (CFF, 2016) Promoção e recuperação da saúde e prevenção de doenças Acesso ao medicamento Controle de sinais e/ou sintomas Recuperar a saúde, manter a doença controlada ou obter a cura da doença Manter a saúde e minimizar o risco de adoecimento Diagnóstico correto e precoce Dispensação Manejo de problemas de saúde autolimitados Rastreamento em saúde Educação em saúde Serviços tão diferentes... Raciocínio Clínico geral único...
  • 7. Raciocínio clínico e o papel da semiologia? Prescrição Semiologia uma disciplina? Farmacologia é uma disciplina! Semiologia no contexto do cuidado à saúde é mais efetivo...
  • 8. Processo de cuidado geral único: processo semiológico parecido mas distinto Complexidade da anamnese (uma aproximação) Rastreamentoem saúde Educaçãoemsaúde Dispensação Manejodeproblemade saúdeautolimitado Monitorizaçãoterapêutica demedicamentos Conciliação Revisãodafarmacoterapia Gestãodacondiçãode saúde Acompanhamento farmacoterapêutico
  • 9. Manejo de problema de saúde autolimitado • Conceito: serviço pelo qual o farmacêutico atende a uma demanda relativa a problema de saúde autolimitado, realiza anamnese, prescreve e orienta a adoção de medidas não farmacológicas, bem como medicamentos e outros produtos com finalidade terapêutica, cuja dispensação não exija prescrição médica e, quando necessário, encaminha o paciente a outro serviço ou profissional da saúde. Neste serviço o farmacêutico deve se responsabilizar pelos resultados obtidos provenientes da sua conduta. • Termos relacionados: indicação farmacêutica, automedicação assistida, automedicação responsável, indicación farmacéutica, automedicación responsable, management of minor illness e responsible self medication.
  • 10. Manejo de problema de saúde autolimitado Eu estou com afta o que você me dá?
  • 11. Manejo de problema de saúde autolimitado Eu estou com afta o que você me dá? Coletar e organizar informações do paciente Identificar problemas de saúde Alertas para encaminhamento Plano de intervenção Acompanhar resultados
  • 13. Anamnese e exame físico Característica da lesão
  • 14. Anamnese Idade: 10 a 40 anos Número: 1 a 5 Resolução 10 a 14 dias Recorrência: 1 a 4 meses Associada: • menstruação • alimentos específicos • trauma Ulcera oral menor
  • 16. Plano de cuidado Duração do tratamento Colutórios antissépticos Corticosteróides Anestésicos tópicos • O quê? • Qual dosagem? • Qual posologia? • Qual duração? • Como utilizar? Selecionar • Paciente • Serviço de saúde • Outros profissionais Documentar
  • 17. Plano de cuidado Duração do tratamento Colutórios antissépticos Corticosteróides Anestésicos tópicos 10mL, 12/12h, 1 minutos 6/6h a 8/8h 8/8h
  • 18. Redação da prescrição Elementos textuais Lista de instruções/informações Sequencia de elementos
  • 19. Prontuário organizado por problemas com notas de evolução SOAP «S» de Subjetivo • registra o ponto de vista do doente e também profissional os dados que não podem ser mensurados «O» de Objetivo • Resultados de testes, mensurações... «A» de Avaliação • Identifica o problema e o seu grau de resolução à data problema deve constituir um «fato clínico» Hipótese (diz respeito ao profissional que a coloca e não ao doente) «P» de Plano • Medidas terapêuticas • Pedidos de exames • Encaminhamento e o aconselhamento • Agenda a próxima consulta de reavaliação
  • 20. Prontuário organizado por problemas com notas de evolução SOAP • 29/04/2016 - S: paciente se queixa de afta, após uso de abacaxi. O: afta única na mucosa interna da boca com diâmetro de cerca de 0,10 cm. A: afta menor. P: Cepacaína spray oral, 2 jatos até de 8 em 8 horas, se houver dor, por até 7 dias e educação em saúde para ingestão de abacaxi na forma de suco com o uso de água para limpeza bucal. • 04/05/2016 - S: paciente relata resolução do problema. O: nada digno de nota. A: afta resolvida. P: alta do serviço. Onde estudo semiologia?
  • 21. Processo semiológico e semitécnica: formação geral No início
  • 22. Processo semiológico e semitécnica: formação geral
  • 23. Farmácia Comunitária Privada • Serviço de Manejo de condição clínica autolimitada
  • 24. Fonte com a análise da evidência científica Assinatura paga Ausência completa de conflito de interesse?