SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
As bases do raciocínio clínico para a
prescrição farmacêutica e provisão
de serviços
Angelita C Melo
Doutora em Saúde Pública
Docente Universidade Federal de São João Del-Rei área de Farmácia Clínica
Consultora ad hoc Conselho Federal de Farmácia na área clínica
Portal Saúde Baseada em Evidências do Ministério da
Saúde
• Quem ainda não é cadastrado. Providencie o seu cadastro
(antes do início desta aula)
Deu erro?
Ligue 136 opção 8
Você já está com o seu receituário?
• Providencie o seu receituário padrão
• Instruções:
Pegue uma folha A4 divida ao meio
Identificação do estabelecimento
• Logo
• Endereço
• Telefone/Whats
• CNPJ
Educação em saúde
Conciliação de medicamentos
Monitorização terapêutica de
medicamentos
Revisão da farmacoterapia
Gestão da condição de saúde
Acompanhamento
farmacoterapêutico
Necessidades de saúde dos pacientes e a provisão de
serviços clínicos
(CFF, 2015 in prelo)
Promoção e
recuperação
da saúde e
prevenção de
doenças
Acesso ao
medicamento
Controle de
sinais e/ou
sintomas
Recuperar a
saúde, manter a
doença
controlada ou
obter a cura da
doença
Manter a
saúde e
minimizar o
risco de
adoecimento
Diagnóstico
correto e
precoce
Dispensação
Manejo de problemas de
saúde autolimitados
Educação em saúde
Rastreamento
em saúde
Educação em saúde
Não vale repetir
perguntas
Tem que lembrar de
todas as perguntas
Na ordem que
ocorreram
Sem anotar
Situação problema 1: “Estou com resfriado, quero um
remédio”
Atendam a paciente
• Florisbela Nerifólia, 10 anos
Rua das Flores, 22, (37) 2106-0000
Situação problema 1: “Estou com resfriado, quero um
remédio”
Prescrevam para esta paciente
Sua farmácia ou a Farmácia Boa Saúde
Rua Plantago, 23, Centro, Floris, MG, CEP 333322-
32, CNPJ 234654789/0001-23
Situação problema 1: “Estou com resfriado, quero um
remédio”
Documentem o atendimento no prontuário
Situação problema 1: “Estou com resfriado, quero um
remédio”
Retomando o atendimento prestado
O que a
paciente tem?
Ela pode ser
atendida na
farmácia?
O que vocês
prescreveram
para ela?
Vamos
sistematizar?
Raciocínio Clínico
(CFF, 2015)
Raciocínio clínico não é aleatório
• Blocos de perguntas com objetivos delineados
Bloco 1
• Qual a necessidade de
saúde?
• Qual a necessidade de
saúde?
Bloco 2
• Alertas para
encaminhamento?
• Alertas para
encaminhamento?
Bloco 3
• Seleção de condutas• Seleção de condutas
• Crianças menores de 2 anos
• Idosos frágil
• Maiores de 75 anos
• Crianças menores de 2 anos
• Idosos frágil
• Maiores de 75 anos
Característica do paciente
• asma, DPOC, ICC, imunossupressão crônica
• hipertensão, hipo ou hipertireoidismo, aumento da PIO,
hipertrofia prostática
• asma, DPOC, ICC, imunossupressão crônica
• hipertensão, hipo ou hipertireoidismo, aumento da PIO,
hipertrofia prostática
Comorbidades
• febre, tosse produtiva, delírio, delírio ou dor no peito
• Dor de ouvido >2 dias não responde
• Dor frontal , dor relacionada a posição
• Chiado ou dispneia
• Conjuntivite purulenta
• febre, tosse produtiva, delírio, delírio ou dor no peito
• Dor de ouvido >2 dias não responde
• Dor frontal , dor relacionada a posição
• Chiado ou dispneia
• Conjuntivite purulenta
condições não autolimitadas
• Prescrito
• Automedicação
• Prescrito
• Automedicação
Falha no tratamento
Terapia não-farmacológica
• Aumento da ingestão de líquidos
Água
Remédios caseiros: chá de limão com açúcar, sopa de galinha, chás
quentes
• Umidificação das vias aéreas
Vaporizadores, umidificadores ou nebulizadores?
Gargarejos, irrigação nasal
• Demulcentes: balas e pastilhas (reduzem a irritação das mucosas, e remove o
muco incrustado)
• Descanso
• Alimentação conforme tolerado
(BERARDI et al., 2004)
Explicar: o quê,
porquê, como e
quanto!
Medidas concretas!
Terapia farmacológica
Solução de cloreto de sódio
• Isotônica (0,9%)
Indicações
Duração e posologia de uso
• Hipertônica (3%)
Indicações
Duração e posologia de uso
Analgésicos
• Acetaminofeno
10mg/Kg/dose de 4/4h ou
15mg/Kg/dose de 6/6h
• Máximo: 5 tomadas/dia
• DM: 90mg/kg/dia
• NUNCA: >4g/dia
Quanto tempo sob
supervisão do
farmacêutico?
Terapia farmacológica
Ibuprofeno
• 5 mg/kg peso febre <39,1°C cada 6-8 h
• 10 mg/kg peso febre >39,1°C cada 6-8 h
• DM:
40 mg/kg/día (máximo 800 mg/dia)
40 mg/kg/día (> 40 kg de peso, máximo 1600 mg/dia)
Anti-histamínicos
• Loratadina (MIP)
Adulto: 10 mg, 24/24h
Crianças de 2 a 5 anos 5 mg, 24/24h
Crianças de >6anos 10 mg, 24/24h
Quanto tempo sob
supervisão do
farmacêutico?
Terapia farmacológica
Descongestionantes nasais sistêmicos
• Fenilefrina (MIP)
Adulto: 7,5 a 15mg, 12/12h
Crianças de 2 a 5 anos 5 mg, 12/12h
Crianças de 2 a 6anos 1,875 a 3,75mg, 12/12h
Crianças de >6 a 12 anos 3,75 a 7,5 mg, 12/12h
Crianças de >12anos 7,5 a 15 mg, 12/12h
• Pesquisar adequação de dosagem das associações ao lado para as faixas
etárias
• Pesquisar 3 apresentações líquidas de fenilefrina (em algum bulário)
• Concentração e volume
Quanto tempo sob
supervisão do
farmacêutico?
Refaça raciocínio clínico e a prescrição considerando as
novas informações
• Lembre-se do blocos de objetivos
Bloco 1
• Qual a necessidade de
saúde?
• Qual a necessidade de
saúde?
Bloco 2
• Alertas para
encaminhamento?
• Alertas para
encaminhamento?
Bloco 3
• Seleção de condutas• Seleção de condutas
Redação da receita: documentação do plano de cuidado
para o paciente
Plano de cuidado
Duração do tratamento
• O quê?
• Qual dosagem?
• Qual posologia?
• Qual duração?
• Como utilizar?
Selecionar
Limpeza
NaCl 0,9%
Descongest. tópico nasal
sem vaso.
Descongest. tópico
nasal com vaso.
Descongest.
sistêmico
Hidratação
Umidificação
Demulcente
Resolução
problema
Repouso
T. FarmacológicaT. Não-farmacológica
Analgésico
Antihistamínico
Universo: dinâmico, particular e
complexo
Redação da receita: documentação do plano de
cuidado para o paciente
Elementos textuais
Lista de
instruções/informações
Sequencia de elementos
Registro no prontuário: documentação do cuidado para o
serviço, farmacêutico, equipe e paciente
Manejo de problema de saúde autolimitado
• Conceito: serviço pelo qual o farmacêutico acolhe a uma demanda
relativa a problema de saúde autolimitado, identifica a necessidade de
saúde, prescreve e orienta quanto à adoção de medidas não
farmacológicas, bem como medicamentos e outros produtos com
finalidade terapêutica, cuja dispensação não exija prescrição médica e,
quando necessário, encaminha o paciente a outro profissional ou
serviço de saúde. Neste serviço, o farmacêutico deve se responsabilizar
pelos resultados obtidos, provenientes da sua conduta
• Termos relacionados: indicação farmacêutica, automedicação assistida,
automedicação responsável, indicación farmacéutica, automedicación responsable,
management of minor illness e responsible self medication.
Situação problema 2: “Aquele remédio não está
resolvendo, meu nariz está entupido. Acho que vou tomar
vacina para a gripe!”
• Tudo de novo?
Situação problema 2: “Aquele remédio não está
resolvendo, meu nariz está entupido. Acho que vou tomar
vacina para a gripe!”
• Tudo de novo?
Bloco 1
• Qual a necessidade de
saúde?
• Qual a necessidade de
saúde?
Bloco 2
• Alertas para
encaminhamento?
• Alertas para
encaminhamento?
Bloco 3
• Seleção de condutas• Seleção de condutas
Situação problema 2: “Aquele remédio não está
resolvendo, meu nariz está entupido. Acho que vou tomar
vacina para a gripe!”
Formas de registro no prontuário
• Tradicional
• Estrutura
• Queixa
principal
• Anamnese
• História
familiar
• Exame físico
• Exames
• Hipótese
diagnóstica
• Conduta
• Tradicional
• Estrutura
• Queixa
principal
• Anamnese
• História
familiar
• Exame físico
• Exames
• Hipótese
diagnóstica
• Conduta
Prontuário
orientado
pela fonte
• Década de 1960
• Weed LL. Medical records that guide and teach. N
Engl J Med; 1968
• Problem-Oriented Medical Record
• Década de 1960
• Weed LL. Medical records that guide and teach. N
Engl J Med; 1968
• Problem-Oriented Medical Record
Prontuário orientado por problemas e
evidências
28
Número do
problema
• 1
Problema
• Dor de barriga
com diarreia
Situação
• Ativo
Análise
SOAP
• S: dor de barriga e
diarreia que se
iniciaram há um dia
com 2 evacuações
diárias.
• O: nada digno de
nota
• A: diarreia
• P: TERAPÊUTICO -
Introduzir sais de
rehidratação oral,
manter alimentação
conforme tolerado.
EDUCACIONAL –
alimentos que
auxiliam no controle
da diarreia
Observações
• Nada digno de nota
Prontuário organizado por problemas com notas de
evolução SOAP
«S» de Subjetivo
• registra o ponto de vista do doente
e também profissional os dados que
não podem ser mensurados
«O» de Objetivo
• Resultados de testes,
mensurações...
«A» de Avaliação
• Identifica o problema e o seu grau
de resolução à data
problema deve constituir um
«fato clínico»
Hipótese (diz respeito ao
profissional que a coloca e não
ao doente)
«P» de Plano
• Medidas terapêuticas
• Pedidos de exames
• Encaminhamento e o
aconselhamento
• Agenda a próxima consulta
de reavaliação
Situação problema 2: “Aquele remédio não está
resolvendo, meu nariz está entupido. Acho que vou tomar
vacina para a gripe!”
Qual serviço
foi
prestado?
Educação em saúde
• Conceito: serviço que compreende diferentes estratégias educativas, as
quais integram os saberes popular e científico, de modo a contribuir para
aumentar conhecimentos, desenvolver habilidades e atitudes sobre os
problemas de saúde e seus tratamentos. Tem como objetivo a autonomia
dos pacientes e o comprometimento de todos (pacientes, profissionais,
gestores, cuidadores) com a promoção da saúde, prevenção e controle de
doenças, e melhoria da qualidade de vida. Envolve, ainda, ações de
mobilização da comunidade com o compromisso pela cidadania.
• Termos relacionados: educação higiênica, educação sanitária, orientação sanitária,
educação para a saúde, health education; hygiene education; sanitary education;
educación para la salud e educación en salud, campaña sanitária, educación sanitária.
Prescrição: agora é com vocês!
Dúvida?
Manejo de problema de saúde autolimitado e
classificação de venda
Prescrição farmacológica e classificação de venda
Prescrição
• Fármaco disponível somente com prescrição• Fármaco disponível somente com prescrição
Farmacêutico
• Medicamento disponível sem prescrição médica, mas com aconselhamento
de um farmacêutico
• Medicamento disponível sem prescrição médica, mas com aconselhamento
de um farmacêutico
Farmácia
• Medicamento disponível sem prescrição médica e sem a necessidade de
aconselhamento de um farmacêutico, mas somente em farmácias
• Medicamento disponível sem prescrição médica e sem a necessidade de
aconselhamento de um farmacêutico, mas somente em farmácias
Drugstore
• Medicamento disponível sem prescrição médica e sem a necessidade de
aconselhamento de um farmacêutico
• Medicamento disponível sem prescrição médica e sem a necessidade de
aconselhamento de um farmacêutico
Consulta pública
ANVISA: Lista GITE
Gestão do trabalho
Técnico em
Farmácia
Farmacêutico Médico
Gestão do trabalho em equipe
http://www.pharmacylearning.edu.au/files/task_background/whatstopsprotocols.pdf
Regulamentação da
profissão e atividade
É só começar e persistir...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015
Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015
Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015angelitamelo
 
Avaliação Clínica de Fármacos e Agências Regulatórias
Avaliação Clínica de Fármacos e Agências RegulatóriasAvaliação Clínica de Fármacos e Agências Regulatórias
Avaliação Clínica de Fármacos e Agências RegulatóriasGuilherme Rocha
 
Segurança de Medicamentos
Segurança de MedicamentosSegurança de Medicamentos
Segurança de MedicamentosSafia Naser
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra CrfMarcelo Polacow Bisson
 
Praticas em farmacia clinica apostila
Praticas em farmacia clinica   apostilaPraticas em farmacia clinica   apostila
Praticas em farmacia clinica apostilaDaiane Santos
 
Aula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldtAula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldtlorenasc123
 
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSO farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSCentro Universitário Ages
 
Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)Weslei Andrade
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosLuis Antonio Cezar Junior
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )Marcelo Gomes
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicaçãoAndréa Dantas
 
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdfLivro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdfDenise Bacelar Soares
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoSou Enfermagem
 

Mais procurados (20)

Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015
Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015
Gestão problemas autolimitados_cbf_comunitária_2015
 
Sae pronto unic
Sae pronto unicSae pronto unic
Sae pronto unic
 
Avaliação Clínica de Fármacos e Agências Regulatórias
Avaliação Clínica de Fármacos e Agências RegulatóriasAvaliação Clínica de Fármacos e Agências Regulatórias
Avaliação Clínica de Fármacos e Agências Regulatórias
 
Segurança de Medicamentos
Segurança de MedicamentosSegurança de Medicamentos
Segurança de Medicamentos
 
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição -   Palestra CrfMedicamento Isento de Prescrição -   Palestra Crf
Medicamento Isento de Prescrição - Palestra Crf
 
Prescrição Médica Hospitalar
Prescrição Médica HospitalarPrescrição Médica Hospitalar
Prescrição Médica Hospitalar
 
Praticas em farmacia clinica apostila
Praticas em farmacia clinica   apostilaPraticas em farmacia clinica   apostila
Praticas em farmacia clinica apostila
 
Aula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldtAula cálculo med humboldt
Aula cálculo med humboldt
 
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUSO farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
O farmacêutico na assistência farmacêutica do SUS
 
Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)Passagem de plantão (Rotinas)
Passagem de plantão (Rotinas)
 
“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
“Assistência Farmacêutica No Sus”. Renata Macedo.
 
13 vias de administração
13 vias de administração13 vias de administração
13 vias de administração
 
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos FármacosAtendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
Atendente de Farmácia - Classificação dos Fármacos
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )3  fórmulas e formas farmacêuticas  ( pdf )
3 fórmulas e formas farmacêuticas ( pdf )
 
Calculo de medicação
Calculo de medicaçãoCalculo de medicação
Calculo de medicação
 
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdfLivro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
Plantas medicinais para covid
Plantas medicinais para covid Plantas medicinais para covid
Plantas medicinais para covid
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 

Destaque

Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaGuias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaangelitamelo
 
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaFormação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaangelitamelo
 
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_final
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_finalFarmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_final
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_finalangelitamelo
 
O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?Cassyano Correr
 
Prescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticafarmaefarma
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitáriaCassyano Correr
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoCassyano Correr
 
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticosIi congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticosangelitamelo
 
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_finalIi congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_finalangelitamelo
 
Cobef fala mesa_redonda_2015
Cobef fala mesa_redonda_2015Cobef fala mesa_redonda_2015
Cobef fala mesa_redonda_2015angelitamelo
 
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostilaCuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostilaIsabela Jacyntho
 
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015angelitamelo
 
A importância do farmacêutico no sus
A importância do farmacêutico no susA importância do farmacêutico no sus
A importância do farmacêutico no susDESENVOLVA CONSULTORIA
 
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadoPrescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadofarmaefarma
 
Serviços natal parte 2 EXCELÊNCIA FARMACÊUTICA
Serviços natal parte 2 EXCELÊNCIA FARMACÊUTICAServiços natal parte 2 EXCELÊNCIA FARMACÊUTICA
Serviços natal parte 2 EXCELÊNCIA FARMACÊUTICAfarmaefarma
 
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdfCurso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdffarmaefarma
 
Indicação farmacêutica
Indicação farmacêuticaIndicação farmacêutica
Indicação farmacêuticafarmaefarma
 
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Cassyano Correr
 
Boas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasBoas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasCassyano Correr
 

Destaque (20)

Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêuticaGuias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
Guias de pratica clínica e prescrição farmacêutica
 
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínicaFormação do farmacêutico para a atuação clínica
Formação do farmacêutico para a atuação clínica
 
Semiologia farmaceutica
Semiologia farmaceuticaSemiologia farmaceutica
Semiologia farmaceutica
 
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_final
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_finalFarmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_final
Farmacêutico clínico prescrição_farmacêutica_unifal_2015_final
 
O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?O que são transtornos menores?
O que são transtornos menores?
 
Prescrição farmacêutica
Prescrição farmacêuticaPrescrição farmacêutica
Prescrição farmacêutica
 
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
7 passos para a implementação de serviços farmacêuticos na farmácia comunitária
 
Atribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêuticoAtribuições clínicas do farmacêutico
Atribuições clínicas do farmacêutico
 
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticosIi congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
Ii congresso mineiro de farmacia serviços farmacêuticos
 
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_finalIi congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
Ii congresso mineiro de farmacia competências farmacêutico_final
 
Cobef fala mesa_redonda_2015
Cobef fala mesa_redonda_2015Cobef fala mesa_redonda_2015
Cobef fala mesa_redonda_2015
 
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostilaCuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
 
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
Desevenvolvimento raciocínio clínico_cuidado_farmac_unifal_2015
 
A importância do farmacêutico no sus
A importância do farmacêutico no susA importância do farmacêutico no sus
A importância do farmacêutico no sus
 
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueadoPrescrição farmacêutica oficina para franqueado
Prescrição farmacêutica oficina para franqueado
 
Serviços natal parte 2 EXCELÊNCIA FARMACÊUTICA
Serviços natal parte 2 EXCELÊNCIA FARMACÊUTICAServiços natal parte 2 EXCELÊNCIA FARMACÊUTICA
Serviços natal parte 2 EXCELÊNCIA FARMACÊUTICA
 
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdfCurso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
Curso prescrição farmacêutica em homeopatia ABFH pdf
 
Indicação farmacêutica
Indicação farmacêuticaIndicação farmacêutica
Indicação farmacêutica
 
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
Serviços Farmacêuticos Clínicos: O que dizem as Revisões Sistemáticas?
 
Boas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticasBoas práticas para revisões sistemáticas
Boas práticas para revisões sistemáticas
 

Semelhante a As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de serviços

Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...LAFARCLIN UFPB
 
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...LAFARCLIN UFPB
 
Estudo de caso - gestante.ppt
Estudo de caso - gestante.pptEstudo de caso - gestante.ppt
Estudo de caso - gestante.pptFabianeVieira18
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoCassyano Correr
 
aula 6 AIDIP pdf.pdf
aula 6 AIDIP pdf.pdfaula 6 AIDIP pdf.pdf
aula 6 AIDIP pdf.pdfKeniaBarros4
 
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Gladys Marques - Quando é Pres...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Gladys Marques - Quando é Pres...4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Gladys Marques - Quando é Pres...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Gladys Marques - Quando é Pres...farmaefarma
 
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdfplanejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdfRaquelOlimpio1
 
aidpi_EAB-2019 Aurea.docx
aidpi_EAB-2019 Aurea.docxaidpi_EAB-2019 Aurea.docx
aidpi_EAB-2019 Aurea.docxKarenFeitosa5
 
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...LAFARCLIN UFPB
 
Implementação e Avaliação.pptx
Implementação e Avaliação.pptxImplementação e Avaliação.pptx
Implementação e Avaliação.pptxKeylaSilvaNobrePires
 
Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?eduardo guagliardi
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaSimone Marchesini
 

Semelhante a As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de serviços (20)

Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 03 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Abordadem_centrada_pessoa
Abordadem_centrada_pessoaAbordadem_centrada_pessoa
Abordadem_centrada_pessoa
 
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 04 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Registro em APS
Registro em APSRegistro em APS
Registro em APS
 
Estudo de caso - gestante.ppt
Estudo de caso - gestante.pptEstudo de caso - gestante.ppt
Estudo de caso - gestante.ppt
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
 
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao TratamentoRevisão sobre Adesão ao Tratamento
Revisão sobre Adesão ao Tratamento
 
aula 6 AIDIP pdf.pdf
aula 6 AIDIP pdf.pdfaula 6 AIDIP pdf.pdf
aula 6 AIDIP pdf.pdf
 
ENFERMAGEM
ENFERMAGEM ENFERMAGEM
ENFERMAGEM
 
Cuidados paliativos
Cuidados paliativosCuidados paliativos
Cuidados paliativos
 
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Gladys Marques - Quando é Pres...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Gladys Marques - Quando é Pres...4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Gladys Marques - Quando é Pres...
4° Encontro de Lideranças Farmacêuticas - Dra. Gladys Marques - Quando é Pres...
 
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdfplanejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
 
Planejamento de Enfermagem.pptx
Planejamento de Enfermagem.pptxPlanejamento de Enfermagem.pptx
Planejamento de Enfermagem.pptx
 
aidpi_EAB-2019 Aurea.docx
aidpi_EAB-2019 Aurea.docxaidpi_EAB-2019 Aurea.docx
aidpi_EAB-2019 Aurea.docx
 
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
Aula do módulo 02 do Curso de Serviços farmacêuticos direcionados ao paciente...
 
Polifarmacia
PolifarmaciaPolifarmacia
Polifarmacia
 
Implementação e Avaliação.pptx
Implementação e Avaliação.pptxImplementação e Avaliação.pptx
Implementação e Avaliação.pptx
 
Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?Meu paciente está tomando medicação. E agora?
Meu paciente está tomando medicação. E agora?
 
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós BariátricaAderência ao Tratamento Pós Bariátrica
Aderência ao Tratamento Pós Bariátrica
 
Abordagem Centrada na Pessoa
Abordagem Centrada na PessoaAbordagem Centrada na Pessoa
Abordagem Centrada na Pessoa
 

Mais de angelitamelo

Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...angelitamelo
 
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínico
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico ClínicoNovas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínico
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínicoangelitamelo
 
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicas
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicasFarmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicas
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicasangelitamelo
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...angelitamelo
 
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicadosDesprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicadosangelitamelo
 
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisExame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisangelitamelo
 
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisExame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisangelitamelo
 
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018angelitamelo
 
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicadosComo melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicadosangelitamelo
 
Provisão de serviços farmacêuticos governança, empreendedorismo e oportunid...
Provisão de serviços farmacêuticos   governança, empreendedorismo e oportunid...Provisão de serviços farmacêuticos   governança, empreendedorismo e oportunid...
Provisão de serviços farmacêuticos governança, empreendedorismo e oportunid...angelitamelo
 
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...angelitamelo
 
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017angelitamelo
 
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slide
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slideEducação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slide
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slideangelitamelo
 
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslidesharePrescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshareangelitamelo
 
Educação farmacêutica riopharma
Educação farmacêutica riopharmaEducação farmacêutica riopharma
Educação farmacêutica riopharmaangelitamelo
 
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_final
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_finalFormação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_final
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_finalangelitamelo
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaangelitamelo
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaangelitamelo
 

Mais de angelitamelo (18)

Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
Medicamentos potencialmente perigosos: contaminação de superfícies, risco amb...
 
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínico
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico ClínicoNovas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínico
Novas Diretrizes Curriculares e a Formação do Farmacêutico Clínico
 
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicas
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicasFarmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicas
Farmacêutico Clínico: como desenvolver competências clínicas
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
 
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicadosDesprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
Desprescrição como estratégia para atendimento a pacientes polimedicados
 
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisExame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
 
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionaisExame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
Exame proficiência para farmacêuticos: experiências internacionais
 
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
Formação por competências - Encontro DCN's abril de 2018
 
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicadosComo melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
Como melhorar o controle clínico de pacientes adultos polimedicados
 
Provisão de serviços farmacêuticos governança, empreendedorismo e oportunid...
Provisão de serviços farmacêuticos   governança, empreendedorismo e oportunid...Provisão de serviços farmacêuticos   governança, empreendedorismo e oportunid...
Provisão de serviços farmacêuticos governança, empreendedorismo e oportunid...
 
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...
Guias de prática clínica como estratégia de ensino em farmácias universitária...
 
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
Formação por competências metodologias ativas de ensino aprendizagem crfmg 2017
 
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slide
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slideEducação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slide
Educação em saúde em situações comuns de pacientes da atenção básica slide
 
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslidesharePrescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
Prescrição farmacêutica em situações comuns farmácias drogariasslideshare
 
Educação farmacêutica riopharma
Educação farmacêutica riopharmaEducação farmacêutica riopharma
Educação farmacêutica riopharma
 
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_final
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_finalFormação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_final
Formação cuidado farmacêutico_crfmg_2015_final
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redonda
 
Evento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redondaEvento educadores fala_mesa_redonda
Evento educadores fala_mesa_redonda
 

Último

A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 

Último (14)

A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 

As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de serviços

  • 1. As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de serviços Angelita C Melo Doutora em Saúde Pública Docente Universidade Federal de São João Del-Rei área de Farmácia Clínica Consultora ad hoc Conselho Federal de Farmácia na área clínica
  • 2. Portal Saúde Baseada em Evidências do Ministério da Saúde • Quem ainda não é cadastrado. Providencie o seu cadastro (antes do início desta aula) Deu erro? Ligue 136 opção 8
  • 3. Você já está com o seu receituário? • Providencie o seu receituário padrão • Instruções: Pegue uma folha A4 divida ao meio Identificação do estabelecimento • Logo • Endereço • Telefone/Whats • CNPJ
  • 4. Educação em saúde Conciliação de medicamentos Monitorização terapêutica de medicamentos Revisão da farmacoterapia Gestão da condição de saúde Acompanhamento farmacoterapêutico Necessidades de saúde dos pacientes e a provisão de serviços clínicos (CFF, 2015 in prelo) Promoção e recuperação da saúde e prevenção de doenças Acesso ao medicamento Controle de sinais e/ou sintomas Recuperar a saúde, manter a doença controlada ou obter a cura da doença Manter a saúde e minimizar o risco de adoecimento Diagnóstico correto e precoce Dispensação Manejo de problemas de saúde autolimitados Educação em saúde Rastreamento em saúde Educação em saúde
  • 5. Não vale repetir perguntas Tem que lembrar de todas as perguntas Na ordem que ocorreram Sem anotar Situação problema 1: “Estou com resfriado, quero um remédio” Atendam a paciente • Florisbela Nerifólia, 10 anos Rua das Flores, 22, (37) 2106-0000
  • 6. Situação problema 1: “Estou com resfriado, quero um remédio” Prescrevam para esta paciente Sua farmácia ou a Farmácia Boa Saúde Rua Plantago, 23, Centro, Floris, MG, CEP 333322- 32, CNPJ 234654789/0001-23
  • 7. Situação problema 1: “Estou com resfriado, quero um remédio” Documentem o atendimento no prontuário
  • 8. Situação problema 1: “Estou com resfriado, quero um remédio” Retomando o atendimento prestado O que a paciente tem? Ela pode ser atendida na farmácia? O que vocês prescreveram para ela? Vamos sistematizar?
  • 10. Raciocínio clínico não é aleatório • Blocos de perguntas com objetivos delineados Bloco 1 • Qual a necessidade de saúde? • Qual a necessidade de saúde? Bloco 2 • Alertas para encaminhamento? • Alertas para encaminhamento? Bloco 3 • Seleção de condutas• Seleção de condutas
  • 11. • Crianças menores de 2 anos • Idosos frágil • Maiores de 75 anos • Crianças menores de 2 anos • Idosos frágil • Maiores de 75 anos Característica do paciente • asma, DPOC, ICC, imunossupressão crônica • hipertensão, hipo ou hipertireoidismo, aumento da PIO, hipertrofia prostática • asma, DPOC, ICC, imunossupressão crônica • hipertensão, hipo ou hipertireoidismo, aumento da PIO, hipertrofia prostática Comorbidades • febre, tosse produtiva, delírio, delírio ou dor no peito • Dor de ouvido >2 dias não responde • Dor frontal , dor relacionada a posição • Chiado ou dispneia • Conjuntivite purulenta • febre, tosse produtiva, delírio, delírio ou dor no peito • Dor de ouvido >2 dias não responde • Dor frontal , dor relacionada a posição • Chiado ou dispneia • Conjuntivite purulenta condições não autolimitadas • Prescrito • Automedicação • Prescrito • Automedicação Falha no tratamento
  • 12. Terapia não-farmacológica • Aumento da ingestão de líquidos Água Remédios caseiros: chá de limão com açúcar, sopa de galinha, chás quentes • Umidificação das vias aéreas Vaporizadores, umidificadores ou nebulizadores? Gargarejos, irrigação nasal • Demulcentes: balas e pastilhas (reduzem a irritação das mucosas, e remove o muco incrustado) • Descanso • Alimentação conforme tolerado (BERARDI et al., 2004) Explicar: o quê, porquê, como e quanto! Medidas concretas!
  • 13. Terapia farmacológica Solução de cloreto de sódio • Isotônica (0,9%) Indicações Duração e posologia de uso • Hipertônica (3%) Indicações Duração e posologia de uso Analgésicos • Acetaminofeno 10mg/Kg/dose de 4/4h ou 15mg/Kg/dose de 6/6h • Máximo: 5 tomadas/dia • DM: 90mg/kg/dia • NUNCA: >4g/dia Quanto tempo sob supervisão do farmacêutico?
  • 14. Terapia farmacológica Ibuprofeno • 5 mg/kg peso febre <39,1°C cada 6-8 h • 10 mg/kg peso febre >39,1°C cada 6-8 h • DM: 40 mg/kg/día (máximo 800 mg/dia) 40 mg/kg/día (> 40 kg de peso, máximo 1600 mg/dia) Anti-histamínicos • Loratadina (MIP) Adulto: 10 mg, 24/24h Crianças de 2 a 5 anos 5 mg, 24/24h Crianças de >6anos 10 mg, 24/24h Quanto tempo sob supervisão do farmacêutico?
  • 15. Terapia farmacológica Descongestionantes nasais sistêmicos • Fenilefrina (MIP) Adulto: 7,5 a 15mg, 12/12h Crianças de 2 a 5 anos 5 mg, 12/12h Crianças de 2 a 6anos 1,875 a 3,75mg, 12/12h Crianças de >6 a 12 anos 3,75 a 7,5 mg, 12/12h Crianças de >12anos 7,5 a 15 mg, 12/12h • Pesquisar adequação de dosagem das associações ao lado para as faixas etárias • Pesquisar 3 apresentações líquidas de fenilefrina (em algum bulário) • Concentração e volume Quanto tempo sob supervisão do farmacêutico?
  • 16. Refaça raciocínio clínico e a prescrição considerando as novas informações • Lembre-se do blocos de objetivos Bloco 1 • Qual a necessidade de saúde? • Qual a necessidade de saúde? Bloco 2 • Alertas para encaminhamento? • Alertas para encaminhamento? Bloco 3 • Seleção de condutas• Seleção de condutas
  • 17. Redação da receita: documentação do plano de cuidado para o paciente
  • 18. Plano de cuidado Duração do tratamento • O quê? • Qual dosagem? • Qual posologia? • Qual duração? • Como utilizar? Selecionar Limpeza NaCl 0,9% Descongest. tópico nasal sem vaso. Descongest. tópico nasal com vaso. Descongest. sistêmico Hidratação Umidificação Demulcente Resolução problema Repouso T. FarmacológicaT. Não-farmacológica Analgésico Antihistamínico Universo: dinâmico, particular e complexo
  • 19. Redação da receita: documentação do plano de cuidado para o paciente Elementos textuais Lista de instruções/informações Sequencia de elementos
  • 20.
  • 21. Registro no prontuário: documentação do cuidado para o serviço, farmacêutico, equipe e paciente
  • 22. Manejo de problema de saúde autolimitado • Conceito: serviço pelo qual o farmacêutico acolhe a uma demanda relativa a problema de saúde autolimitado, identifica a necessidade de saúde, prescreve e orienta quanto à adoção de medidas não farmacológicas, bem como medicamentos e outros produtos com finalidade terapêutica, cuja dispensação não exija prescrição médica e, quando necessário, encaminha o paciente a outro profissional ou serviço de saúde. Neste serviço, o farmacêutico deve se responsabilizar pelos resultados obtidos, provenientes da sua conduta • Termos relacionados: indicação farmacêutica, automedicação assistida, automedicação responsável, indicación farmacéutica, automedicación responsable, management of minor illness e responsible self medication.
  • 23. Situação problema 2: “Aquele remédio não está resolvendo, meu nariz está entupido. Acho que vou tomar vacina para a gripe!” • Tudo de novo?
  • 24. Situação problema 2: “Aquele remédio não está resolvendo, meu nariz está entupido. Acho que vou tomar vacina para a gripe!” • Tudo de novo? Bloco 1 • Qual a necessidade de saúde? • Qual a necessidade de saúde? Bloco 2 • Alertas para encaminhamento? • Alertas para encaminhamento? Bloco 3 • Seleção de condutas• Seleção de condutas
  • 25. Situação problema 2: “Aquele remédio não está resolvendo, meu nariz está entupido. Acho que vou tomar vacina para a gripe!”
  • 26. Formas de registro no prontuário • Tradicional • Estrutura • Queixa principal • Anamnese • História familiar • Exame físico • Exames • Hipótese diagnóstica • Conduta • Tradicional • Estrutura • Queixa principal • Anamnese • História familiar • Exame físico • Exames • Hipótese diagnóstica • Conduta Prontuário orientado pela fonte • Década de 1960 • Weed LL. Medical records that guide and teach. N Engl J Med; 1968 • Problem-Oriented Medical Record • Década de 1960 • Weed LL. Medical records that guide and teach. N Engl J Med; 1968 • Problem-Oriented Medical Record Prontuário orientado por problemas e evidências 28 Número do problema • 1 Problema • Dor de barriga com diarreia Situação • Ativo Análise SOAP • S: dor de barriga e diarreia que se iniciaram há um dia com 2 evacuações diárias. • O: nada digno de nota • A: diarreia • P: TERAPÊUTICO - Introduzir sais de rehidratação oral, manter alimentação conforme tolerado. EDUCACIONAL – alimentos que auxiliam no controle da diarreia Observações • Nada digno de nota
  • 27. Prontuário organizado por problemas com notas de evolução SOAP «S» de Subjetivo • registra o ponto de vista do doente e também profissional os dados que não podem ser mensurados «O» de Objetivo • Resultados de testes, mensurações... «A» de Avaliação • Identifica o problema e o seu grau de resolução à data problema deve constituir um «fato clínico» Hipótese (diz respeito ao profissional que a coloca e não ao doente) «P» de Plano • Medidas terapêuticas • Pedidos de exames • Encaminhamento e o aconselhamento • Agenda a próxima consulta de reavaliação
  • 28. Situação problema 2: “Aquele remédio não está resolvendo, meu nariz está entupido. Acho que vou tomar vacina para a gripe!” Qual serviço foi prestado?
  • 29. Educação em saúde • Conceito: serviço que compreende diferentes estratégias educativas, as quais integram os saberes popular e científico, de modo a contribuir para aumentar conhecimentos, desenvolver habilidades e atitudes sobre os problemas de saúde e seus tratamentos. Tem como objetivo a autonomia dos pacientes e o comprometimento de todos (pacientes, profissionais, gestores, cuidadores) com a promoção da saúde, prevenção e controle de doenças, e melhoria da qualidade de vida. Envolve, ainda, ações de mobilização da comunidade com o compromisso pela cidadania. • Termos relacionados: educação higiênica, educação sanitária, orientação sanitária, educação para a saúde, health education; hygiene education; sanitary education; educación para la salud e educación en salud, campaña sanitária, educación sanitária.
  • 30. Prescrição: agora é com vocês! Dúvida?
  • 31. Manejo de problema de saúde autolimitado e classificação de venda
  • 32. Prescrição farmacológica e classificação de venda Prescrição • Fármaco disponível somente com prescrição• Fármaco disponível somente com prescrição Farmacêutico • Medicamento disponível sem prescrição médica, mas com aconselhamento de um farmacêutico • Medicamento disponível sem prescrição médica, mas com aconselhamento de um farmacêutico Farmácia • Medicamento disponível sem prescrição médica e sem a necessidade de aconselhamento de um farmacêutico, mas somente em farmácias • Medicamento disponível sem prescrição médica e sem a necessidade de aconselhamento de um farmacêutico, mas somente em farmácias Drugstore • Medicamento disponível sem prescrição médica e sem a necessidade de aconselhamento de um farmacêutico • Medicamento disponível sem prescrição médica e sem a necessidade de aconselhamento de um farmacêutico Consulta pública ANVISA: Lista GITE
  • 33. Gestão do trabalho Técnico em Farmácia Farmacêutico Médico
  • 34. Gestão do trabalho em equipe http://www.pharmacylearning.edu.au/files/task_background/whatstopsprotocols.pdf Regulamentação da profissão e atividade
  • 35. É só começar e persistir...