SlideShare uma empresa Scribd logo
Manual de Boas Práticas
De Dispensação
Para Farmácias e Drogarias

DROGARIA
FARMA SANTANA I
“O presente manual deve ser considerado como material de apoio, pois
fornece diretrizes para a regularização e o andamento do varejo
farmacêutico, não isenta a empresa e os profissionais farmacêuticos de
consultarem as Legislações vigentes e propicia apenas rápido acesso a
consultas básicas de regularização, e em nada substitui a legislação em
vigor (RDC N.º44 de 17/08/2009), devendo, pelo contrário, ser revisto
e atualizado periodicamente de modo a manter-se de acordo com a
mesma”.

Dra. Márcia Silva Gomes
2

Mar/2010
3

SUMÁRIO

1- Identificação do Estabelecimento ...................................................... 03
2- Registro do Responsável Técnico ...................................................... 03
3- Objetivo do Estabelecimento ............................................................. 04
4- Objetivo do Manual ............................................................................ 05
5- Infra-Estrutura Física e Instalações .................................................... 06
6- Estrutura Organizacional Pessoal ....................................................... 07
7- Fluxograma ........................................................................................ 12
8- Serviços Farmacêuticos Prestados ..................................................... 15
9- Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde ............................ 22
10-

Auto-inspeção ........................................................................... 23

11-

Definições ................................................................................. 24

12-

Documentação .......................................................................... 25

13-

Referências Bibliográficas ....................................................... 26
4

1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO
Razão / Nome: Tiago Eduardo Negrão Ramos - Me
Título Do Estabelecimento: Farma Santana I
Cnpj: 05437598/0001-02
Localização : Rua Capricórnio N.º 162
Bairro: Pq. Santana I
Cep: 06515-090
Município: Santana de Parnaíba U.F.: SP
Telefone: 011-41513701

2. REGISTRO DO RESPONSÁVEL TÉCNICO
Farmacêutico Responsável: Dra. Márcia Silva Gomes
Inscrição CRF SP: Nº. 47753
5

3. OBJETIVO DO ESTABELECIMENTO

 Finalizar as consultas médicas, fornecendo aos pacientes informações
confiáveis sobre o uso racional dos medicamentos, prevenção e educação
sanitária.
 Verificar a adesão e a eficácia da terapia medicamentosa.
 Assumir uma política de total assistência à terapia medicamentosa do
paciente
oferecendo
propostas
práticas
de
farmacoterapia,
farmacovigilância, farmácia clínica e controle sobre aquisição e
dispensação dos medicamentos de venda livre.
 Garantir a integridade e a conservação dos produtos comercializados,
desde a recepção até a dispensação e observar prazos e validade dos
mesmos, atentamente.
6

4. OBJETIVO DO MANUAL

 Manual de Boas Práticas de Dispensação para Normatizar o
funcionamento da Empresa de forma a assegurar a manutenção da
qualidade e segurança dos produtos disponibilizados e dos serviços por
nós prestados nesta drogaria, com o fim de contribuir para o uso racional
desses produtos e a melhoria da qualidade de vida dos usuários.
 Para a elaboração deste manual, seguimos orientações da Resolução da
Diretoria Colegiada – RDC Nº 44, de 17/08/2009 da Vigilância Sanitária,
que dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e
drogarias.
7

5. INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES
 O estabelecimento possui infra-estrutura adequada às atividades
desenvolvidas. Possui um acesso (entrada única) com áreas separadas
para dispensação e aplicação de injetáveis.
 O piso, paredes e teto são de material liso, resistente, impermeável e de
cor clara, local em boas condições de higiene. A drogaria dispõe de
iluminação, ventilação natural e artificial, não havendo incidência de luz
solar sobre os medicamentos.
 Os sistemas elétricos e hidráulicos estão em boas condições de
funcionamento.
 A água utilizada para todos os procedimentos é proveniente da rede
pública e para o consumo, é utilizada água mineral. O destino das águas
servidas é a rede pública de esgotos. Os equipamentos de combate a
incêndio estão em local de fácil acesso, dentro do prazo de validade.
 A empresa realiza trimestralmente dedetização/desinsetização, através da
empresa legalmente constituída e habilitada, mantendo-se os devidos
registros destes procedimentos.
 O sanitário para uso dos funcionários possui sabão líquido, toalha
descartável, lixeira com tampa e pedal e saco plástico coletor e é limpo
diariamente com desinfetante e água sanitária.
8

6. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL PESSOAL
6.1 Organograma
 O quadro organizacional é composto por 01(um) Responsável Legal,
02(dois) Administradores, 01(uma) Farmacêutica, 01 (um) Pratico de
Farmácia, 01(uma) Atendente e 01(um) Entregador.
Responsável Legal
Administradores
Farmacêutica
Atendente

Prático de Farmácia

Entregador

6.2 Responsabilidades e atribuições:
6.2.1 As atribuições e responsabilidades individuais estão formalmente
descritas e perfeitamente compreendidas pelos envolvidos, que possuem
autoridade suficiente para desempenhá-las.
6.2.2 O são atribuições do responsável legal:
 Prover os recursos financeiros, humanos e materiais necessários ao
funcionamento do estabelecimento;
 Prover as condições necessárias para o cumprimento da RDC
044/2009, assim como das demais normas sanitárias federais,
estaduais e municipais vigentes e aplicáveis às farmácias e drogarias;
 Assegurar as condições necessárias à promoção do uso racional de
medicamentos no estabelecimento;
9

 Prover as condições necessárias para capacitação e treinamento de
todos os profissionais envolvidos nas atividades do estabelecimento.
 Todo e quaisquer ato e documentação referente á abertura, andamento
e fechamento da empresa, perante os Órgãos competentes.
6.2.3 Administrador
 Garantir que a qualidade dos procedimentos de dispensação prevaleça
sobre quaisquer outros aspectos.
 Estar comprometido com as atividades das Boas Práticas de
Dispensação, melhoria contínua e garantia da qualidade.
 Favorecer e incentivar programas de educação continuada para todos
os envolvidos nas atividades realizadas na drogaria.
 Definir o perfil e atribuições de cada função necessária na drogaria.
 Selecionar e contratar pessoal qualificado.
 Gerenciar toda rotina administrativa da empresa.
 Gerenciar toda rotina financeira da empresa.
 Estar comprometido com atividades de melhoria contínua.
 Assegurar condições para o cumprimento das atribuições gerais da
equipe e dos profissionais, visando prioritariamente a qualidade,
eficácia e segurança dos serviços prestados na drogaria.
6.2.4 Farmacêutica – Responsável Técnica. É responsável pela
supervisão. São inerente a profissional farmacêutica as seguintes
atribuições:
 Conhecer, interpretar e estabelecer condições para o cumprimento da
legislação pertinente;
 Estabelecer critérios e supervisionar o processo de aquisição de
medicamentos e demais produtos;
 Avaliar a prescrição médica;
10

 Assegurar condições adequadas de conservação e dispensação dos
produtos;
 Manter arquivos, que podem ser informatizados, com a documentação
correspondente aos produtos sujeitos a controle especial;
 Participar de estudos de farmacovigilância com base em análise de
reações adversas e interações medicamentosas, informando a
autoridade sanitária local;
 Organizar e operacionalizar as áreas e atividades da drogaria;
 Manter atualizada a escrituração;
 Manter a guarda dos produtos sujeitos a controle especial de acordo
com a legislação específica;
 Prestar assistência farmacêutica necessária ao consumidor;
 Promover treinamento inicial e contínuo dos funcionários para a
adequação da execução de suas atividades.
 Prestar ou supervisionar a prestação de serviços farmacêuticos aos
usuário
 Informar a autoridade sanitária as suspeitas de reações adversas,
queixas técnicas, fraude ou falsificação de medicamentos e demais
produtos de interesse á saúde.
 Realizar ações de promoção e proteção da saúde, incluindo a
promoção de hábitos de vida saudáveis e a promoção do uso racional
de medicamentos.
 Executar e supervisionar a dispensação, a prestação de outros serviços
farmacêuticos e demais atividades realizadas no estabelecimento que
dependam da Assistência técnica.
 Supervisionar e promover auto-inspeções periódicas.
11

6.3 Treinamentos
6.3.1 Todo o pessoal envolvido nas atividades da farmácia deve estar
incluído em um programa de treinamento, elaborado com base em um
levantamento de necessidades e os registros devem dispor no mínimo das
seguintes informações:
 Documentação sobre as atividades de capacitação realizadas;
 Data da realização e carga horária;
 Conteúdo ministrado;
 Trabalhadores treinados e suas respectivas assinaturas;
 Identificação da equipe que os treinou em cada atividade específica.
6.3.2 Nos treinamentos devem ser incluídos: procedimentos a serem
adotados em caso de acidente ou incidente; informações quanto à
existência de riscos no desenvolvimento das atividades, suas causas e
medidas preventivas apropriadas.
6.3.3. Todo o pessoal, durante os treinamentos, deve conhecer e discutir
amplamente os princípios das Boas Práticas de Manipulação em
Farmácias, no sentido de melhorar a compreensão de Garantia da
Qualidade por toda a equipe.
6.4 Saúde/Segurança/Vestuário/Higiene e Conduta
6.4.1 Todo o pessoal, inclusive de limpeza e manutenção, deve ser
motivado e receber instruções de higiene, saúde, conduta e elementos
básicos em microbiologia, relevantes para a manutenção dos padrões de
limpeza ambiental e qualidade dos produtos, e deverão seguir as
determinações da legislação vigente, descrevendo no memorial descritivo
da drogaria que o uso de sanitários, são compartilhados com os demais
funcionários da drogaria.
6.4.2 A drogaria deve assegurar a todos os seus trabalhadores a promoção
da saúde e prevenção de acidentes, agravos e doenças ocupacionais,
priorizando as medidas promocionais e preventivas, em nível coletivo, de
acordo com as características do estabelecimento e seus fatores de risco,
cumprindo Normas Regulamentares (NR) sobre Segurança e Medicina do
Trabalho.
12

6.4.3 A admissão dos funcionários deve ser precedida de exames
médicos, sendo obrigatória a realização de avaliações médicas periódicas
de todos os funcionários da drogaria.
6.4.4 Em caso de lesão exposta, suspeita ou confirmação de enfermidade,
o funcionário deve ser afastado temporária ou definitivamente de suas
atividades, obedecendo à legislação específica.
6.4.5 As drogarias são responsáveis pela distribuição dos Equipamentos
de Proteção Individual de forma gratuita, em quantidade suficiente e com
reposição periódica, além da orientação quanto ao uso, manutenção,
conservação e descarte.
6.4.6 A drogaria deve dispor de vestiário para a guarda dos pertences dos
funcionários e colocação de uniformes.
13

7. FLUXOGRAMA
7.1 Condições específicas do funcionamento fluxograma:
7.1.2 Aquisição: A farmácia adquire produtos dos fornecedores
legalmente habilitados, mantendo-se o cadastro com o seguinte
documento: Alvará Sanitário de Funcionamento.
7.1.3 Recepção: Os medicamentos/produtos chegam diariamente e são
conferidas as caixas de transporte (se estão em boas condições e
lacradas), se o número de produtos recebidos confere com o da Nota
Fiscal. Os produtos devem ser examinados no momento da recepção,
para verificar se as embalagens não foram danificadas e se
correspondem ao envio. Se tudo conferir, os medicamentos/produtos
seguem para a Conferência. Caso haja rejeição por qualquer
irregularidade, a mercadoria é devolvida aos fornecedores.
7.1.4 Conferência: É realizada por um funcionário treinado, mediante
a Nota Fiscal, onde se observa os seguintes aspectos: se os
medicamentos recebidos conferem com os solicitados e com os que
constam na Nota Fiscal de entrega da Distribuidora, se as
caixas/embalagens estão em boas condições e lacradas, prazos de
validade, lote, registro no Ministério da Saúde, identificação da
Distribuidora e integridade dos produtos.
7.1.5 Armazenamento/Estocagem: Existem procedimentos a serem
observados para que os produtos farmacêuticos não sofram alterações
durante seu armazenamento, assegurando que sejam armazenados de
modo a diminuir ao máximo os fatores que possam incidir sobre sua
qualidade, preservando a eficácia dos mesmos.
7.1.6 Devem ser manuseados e armazenados de acordo com as
especificações dos fabricantes, de forma que a qualidade, a eficácia e a
segurança dos mesmos sejam mantidas por todo o prazo de validade.
7.1.7 Os medicamentos/produtos são devidamente armazenados, ou
seja, são protegidos da ação direta da luz solar, umidade e alta
temperatura. São dispostos em prateleiras de vidro, afastados do chão,
sendo que nenhum produto fica em contato direto com chão ou
paredes.
7.1.8 São dispostos em ordem alfabética nas prateleiras, separados dos
cosméticos, perfumarias, produtos de higiene pessoal e produtos
inflamáveis (estes são dispostos separadamente dos demais). A
14

limpeza das prateleiras é realizada mensalmente e a validade de todos
os produtos é verificada mensalmente.
7.1.9 As áreas para armazenamento devem estar livres de pó, dejetos,
insetos, roedores, aves ou qualquer outro animal. Elaboramos uma
lista com a data de vencimento de todos os produtos para que sejam
separados na data próxima de seu vencimento, ficando esta exposta e
visível para todos os funcionários da drogaria.
7.1.10 Os produtos são relacionados (listados) por ordem de prazo de
validade e retirados das prateleiras quando este prazo expira. São então
colocados em caixas e estas são identificadas com caneta vermelha
-VENCIDOS.
7.1.11 O estoque deve ser inspecionado com freqüência, para verificar
qualquer degradação visível e o prazo de validade dos produtos.
7.1.12 Dispensação (medicamentos em geral): Os produtos são
dispensados através de prescrição que é conferida e avaliada pelo
responsável técnico que também presta as informações necessárias
quando se trata de medicamentos de venda livre. No ato da
dispensação devem ser dadas as seguintes orientações: condições de
conservação e transporte, interações alimentares e medicamentosas,
modo de usar, posologia, duração do tratamento, via de administração
e, quando for o caso, os efeitos adversos e outras consideradas
necessárias.
7.1.13 Medicamentos vencidos, impróprios para consumo e outros.
 Os produtos de venda livre, impróprios para consumo, ficarão
acondicionados, no período máximo de 30 dias, após este prazo
serão destinados à coleta seletiva de lixo.


São encaminhados à Autoridade Sanitária competente,
recolhidos por veículos autorizados.

 No caso de medicamentos recolhidos/retirados do mercado por
ordem da ANVISA ou do próprio Laboratório, verificamos o
produto, o lote específico, estes são retirados imediatamente do
local de produtos comercializáveis e separados em uma área
própria segregada, até que seja completada a operação, de
acordo com as instruções do titular do registro do produto ou
determinadas pelas Autoridades Sanitárias competentes.
15

 No caso de produtos farmacêuticos identificados como
adulterados ou falsificados, notifica-se imediatamente a
Autoridade Sanitária, indicando o nome do produto, fabricante,
número de lote(s) e procedência, a fim de que a Autoridade
Sanitária tome as providências necessárias.
16

8.SERVIÇOS FARMACÊUTICOS PRESTADOS
8.1.Aplicação de Injetáveis:
 As aplicações de injetáveis são realizadas somente mediante
prescrição médica e todas são descritas no Livro de Registro de
Injetáveis, devidamente autorizado pela Fiscalização Sanitária.
 O profissional deve obedecer à regra dos cinco certos:
1.Paciente certo
2.Medicamento certo
3.Via certa
4.Horário certo
5.Dosagem certa
 Observe os seguintes itens da receita médica: nome e número do CRM
do médico, nome do paciente, data, nome do medicamento, dosagem,
via de administração e concentração. Siga rigorosamente as
orientações contidas na receita e na bula.
 Não misture medicamentos em uma mesma seringa sem que a receita
solicite ou sem conhecimento.
 As instalações para o desenvolvimento deste procedimento possuem
condições adequadas, sendo parcialmente azulejadas, pia com água
corrente, armário para armazenamento de seringas/agulhas
descartáveis e medicamentos injetáveis, recipiente adequado para
descarte de perfurocortantes, saboneteira com sabonete líquido e
toalha de papel descartável.
 O procedimento de aplicação é feito pelo Responsável Técnico ou por
profissional capacitado (supervisionado pelo Responsável Técnico). O
material utilizado (seringas e agulhas) é descartável. O material
perfurocortante é descartado em recipiente apropriado.
8.1.2 Preparo da injeção:
 Identifique o material a ser utilizado durante a aplicação confrontando
com a receita;
 Lave bem as mãos e antebraço quando possível antes de preparar a
injeção.
 Seque as mãos com toalha de papel;
17

 Aplique um anti-séptico nas mãos (ex.:álcool 70 %);
 Abra a embalagem da seringa utilizando o local correto de abertura,
sempre pelo lado do êmbolo da seringa, para diminuir o risco de
contaminação. Certifique-se de que o invólucro não esteja molhado,
úmido ou danificado;
 Conecte a agulha aplicando uma força e rotacionando-a para que ela
fique travada. Se houver alguma demora na preparação mantenha a
seringa dentro da embalagem;
 Não toque na agulha, bico da seringa ou na haste (parte que fica dentro
do cilindro) durante o manuseio da seringa;
 Retire o protetor da agulha e aspire o medicamento;
 Reencape a agulha, tomando o cuidado para não tocar a ponta,
evitando contaminar-se ou se ferir;
 Retire o ar da seringa;
 Realize anti-sepsia do local da aplicação com algodão e álcool 70%.
NOTA: Um procedimento correto é usar uma agulha para aspirar o medicamento
da ampola ou frasco ampola, e outra para realizar a aplicação, desta maneira
diminui o risco de contaminação e de agulhas rombudas, melhorando a eficiência e
segurança durante a aplicação.
8.1.3 Ampola:
 Utilize uma proteção (algodão seco) para abrir a ampola;
 Aspire o conteúdo da ampola para a seringa;
 Retire as eventuais bolhas da seringa, expulsando o ar e deixando
somente o líquido;
 Despreze a ampola vazia no descarte apropriado.
8.1.4 Frasco ampola:
 Existem hoje medicamentos que já se apresentam em suspensão e
outros que estão na forma de pó ou liofílizados tendo que ser
realizado sua suspensão colocando um diluente;
 Retire o lacre do frasco ampola e faça a desinfecção da tampa de
borracha com algodão e álcool 70%;
 Homogeneíze bem o pó com o diluente colocando o frasco ampola
entre as mãos e realizando movimentos rotacionais;
18

 Aspire o conteúdo e retire as eventuais bolhas da seringa,
expulsando o ar e deixando somente a suspensão; utilize uma nova
agulha;
 Despreze o frasco ampola no descarte apropriado.
8.1.5 As aplicações podem ser: Injeções intramusculares (IM)-Injeções
subcutâneas (SC) -Injeções intravenosas (IV).
8.1.6 No Livro de Registro do Receituário de Aplicação de Injetáveis
constará as seguintes informações :
Nome do paciente:
Data :
Endereço:
Nome do medicamento administrado, concentração, via de
administração:
Nº CRM:
Nome do profissional responsável:
8.2 Técnica de Lavagem das Mãos
8.2.1 Sem tocar a pia, as mãos são umedecidas e ensaboadas com
cerca de 2 ml de sabão líquido, preferencialmente, por
aproximadamente 15 segundos ou 5 vezes cada posição a seguir:
 Palma com Palma.
 Palma direita sobre o dorso da mão esquerda e vice versa.
 Palma com palma, entrelaçando-se os dedos.
 Parte posterior dos dedos em palma da mão oposta; polpas
digitais direitas em contato com as da mão esquerda.
 Fricção rotativa do polegar direito com a palma esquerda e viceversa.
 Fricção rotativa em sentido horário e anti-horário com os dedos
da mão direita unidos sobre a palma esquerda e vice-versa.
 Os pulsos também podem receber fricção rotativa.
 As mãos são secas com papel toalha descartável de boa
qualidade (contra-indica-se o uso de toalhas coletivas de tecidos
ou em rolo, assim como os secadores elétricos).
 Fechar a torneira usando papel toalha descartável.
19

8.3 Pequenos Curativos
8.3.1 São realizados nesta Drogaria, apenas pequenos curativos secos,
na ausência de hemorragia arterial, em lesões cutâneas, onde não haja
a necessidade de fazer suturas ou procedimentos mais complexos.
8.3.2 Não realizamos curativos nas regiões ocular e do ouvido, nos
casos de infecção profunda ou abscesso, mordidas de animais,
perfurações profundas e retirada de pontos, bem como de outros
procedimentos que necessitem de atendimento ambulatorial ou
hospitalar, o que implica ao farmacêutico encaminhar o paciente á um
hospital ou pronto atendimento.
8.3.3 Para os procedimentos acima mencionados, aplica-se a técnica
da lavagem de mãos.
8.4 – Inalação e Nebulização
8.4.1 Após certificar-se de que os medicamentos a serem
administrados estão de acordo com o receituário, é preenchido pela
farmacêutica o registro de serviços de farmacêuticos realizados e
também registrado em livro próprio, os procedimentos de inalação e
nebulização realizados.
8.4.2 Após o uso, os acessórios para inalação são sempre
esterilizados com água, sabão e álcool e armazenados em local próprio
para tal.
8.4.3 Para o procedimento acima citado aplica-se a técnica de
lavagem de mãos.

8.5 Verificação da Pressão Arterial
8.5.1 A verificação da pressão arterial é realizada na sala de aplicação
de injetáveis, pelo farmacêutico ou sob sua supervisão.
8.5.2 O primeiro som claro, quando o sangue flui, através da artéria
comprimida é a pressão sistólica. A pressão diastólica ocorre no ponto
em que o som muda ou desaparece.
20

8.5.3 Procedimento para verificação da pressão arterial:
 Colocar o indivíduo em local calmo com o braço apoiado a nível do
coração e deixando-o à vontade, permitindo 5 minutos de repouso;
 Localizar o manômetro de modo a visualizar claramente os valores
da medida;
 Selecionar o tamanho da braçadeira para adultos ou crianças. A
largura do manguito deve corresponder a 40% da circunferência
braquial e seu comprimento a 80%;
 Localizar a artéria braquial ao longo da face interna superior do
braço palpando-a;
 Envolver a braçadeira, suave e confortavelmente, em torno do
braço, centralizando o manguito sobre a artéria braquial. Manter a
margem inferior da braçadeira 2,5cm acima da dobra do cotovelo.
Encontrar o centro do manguito dobrando-o ao meio;
 Determinar o nível máximo de insuflação palpando o pulso radial
até seu desaparecimento, registrando o valor (pressão sistólica
palpada) e aumentando mais 30 mmHg;
 Desinsuflar rapidamente o manguito e esperar de 15 a 30 segundos
antes de insuflá-lo de novo;
 Posicionar o estetoscópio sobre a artéria braquial palpada abaixo do
manguito na fossa antecubital. Deve ser aplicado com leve pressão
assegurando o contato com a pele em todos os pontos. As olivas
devem estar voltadas para frente;
 Fechar a válvula da pêra e insuflar o manguito rapidamente até 30
mmHg acima da pressão sistólica registrada;
 Desinsuflar o manguito de modo que a pressão caia de 2 a 3 mmHg
por segundo;
 Identificar a Pressão Sistólica (máxima) em mmHg, observando no
manômetro o ponto correspondente ao primeiro batimento regular
audível (sons de Korotkoff);
 Identificar a Pressão Diastólica (mínima) em mmHg, observando
no manômetro o ponto correspondente ao último batimento regular
21

audível. Desinsuflar totalmente o aparelho com atenção voltada ao
completo desaparecimento dos batimentos;
 Registrar valores de pressão arterial Sistólica e Diastólica
encontrados em mmHg. Retirar o aparelho do braço e guardá-lo
cuidadosamente a fim de evitar danos.
8.6 Verificação de Temperatura
8.6.1 È informado pela Farmacêutica ao usuário, antes da verificação
da temperatura corporal, que o procedimento tem o propósito de
prevenir enfermidades e/ou monitorar o tratamento farmacológico,
bem como promover ações de informação e educação sanitária.
8.6.2 Os procedimentos para a verificação de temperatura ocorrem da
seguinte forma:
 O paciente é acomodado em uma cadeira e é solicitado ao
mesmo que esteja com traje leve no corpo, evitando-se assim o
aumento da temperatura.
 O farmacêutico introduz o bulbo do termômetro na axila do
usuário e deixa-o por um período de 3 a 5 minutos, após esse
período o mesmo é retirado e anota-se a temperatura obtida.
8.6.3 A avaliação das necessidades de auto-cuidados de saúde,
incluindo as opções pelo uso de produtos farmacêuticos isentos de
prescrição, só é efetuada pela Farmacêutica com base no interesse do
usuário.
8.6.4 No caso de observação de qualquer alteração da temperatura
corporal, o usuário é aconselhado a procurar a devida assistência
médica, para que tal alteração seja estabilizada.
22

8.7 Aparelhos Utilizados
8.7.1 Para aferir pressão arterial, utilizamos um esfigmomanômetro e
estetoscópio.
8.7.2 Para verificação da temperatura utilizamos termômetro de
mercúrio.
8.7.3 Os aparelhos utilizados são levados para calibração
periodicamente (semestralmente) e retornam com seus registros em
dia.
8.8 Colocação de Brincos.
8.8.1 Os brincos são colocados com o aparelho específico e os brincos
utilizados estão devidamente acondicionados em embalagens estéreis,
visando à proteção do usuário.
8.8.2 A colocação de brincos é feita pela Farmacêutica e por
profissionais qualificados para tal serviço.
23

9. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE
9.1

O resíduo de saúde pode ser entendido como produto residual,
não utilizável, resultante de procedimentos ou atividades
exercidas por profissionais da saúde.

9.2

Classificação dos resíduos de saúde: A resíduo infectante (Não
trabalhamos com essa classe de resíduos) - B resíduo especial C resíduo comum

9.3

Os Critérios para acondicionamento de resíduos comuns:
Acondicionar em recipiente com tampa (lixeira), forrado com
saco plástico.

9.4

Critérios para acondicionamento de resíduos infectantes:
 Material Biológico: usar saco plástico, impermeável e
resistente, de cor branca leitosa, com simbologia de resíduo
infectante.
 Material Perfurocortante: Acondicionar em recipiente rígido,
resistente, impermeável, identificado pela simbologia de
resíduo infectante, com tamanho compatível com a quantidade
de resíduos produzidos e o número previsto de coleta e,
quando cheio, sem sobrecarga, deve ser devidamente
fechado e acondicionado em saco plástico de cor branca
leitosa para facilidade de transporte e identificação.
 As agulhas não devem ser destacadas das seringas com as
mãos, nem reencapadas, a fim de evitar contaminação do
pessoal e garantir a segurança do manipulador.
24

10. AUTO-INSPEÇÃO
 A auto-inspeção tem como objetivo avaliar o cumprimento das
Boas Práticas de Dispensação. Pode ser realizada com uma
freqüência mínima anual, ou sempre que seja detectada qualquer
deficiência ou necessidade de ação corretiva.
 Depois de finalizada a auto-inspeção, deve ser feito um relatório
incluindo os resultados da inspeção, as avaliações, conclusões e
ações corretivas adotadas, à disposição da Autoridade Sanitária
em qualquer momento.
 Os procedimentos operacionais de auto-inspeção incluem
freqüência e registro, monitorar a implementação e a
observância do estabelecido no presente Manual de Boas
Práticas, bem como as demais exigências da legislação vigente
(Resolução nº 328/99 da ANVISA e Resolução nº 357/01 do
CFF, que dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos em
farmácias e drogarias).
25

11. DEFINIÇÕES
11.1.Dispensação: ato de fornecimento e orientação ao consumidor de
drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos a título
remunerado ou não.
11.2.Especialidade Farmacêutica: produto oriundo da indústria farmacêutica
com registro no Ministério da Saúde e disponível no mercado.
11.3.Drogaria: estabelecimento de dispensação e comércio de drogas,
medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos em suas embalagens
originais.
11.4.Responsável Técnico: profissional habilitado inscrito no Conselho
Regional de Farmácia, na forma da lei.
11.5. Produto:- substância ou mistura de substâncias naturais (minerais,
animais e vegetais) ou de síntese usada com finalidades terapêuticas,
profiláticas ou de diagnóstico.
11.6.Medicamento:- produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou
elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de
diagnóstico.
11.7.Armazenamento/Estocagem:- procedimento que possibilita o estoque
ordenado e racional de várias categorias de materiais e produtos.
11.8.Registro do produto:- ato privativo do órgão competente do Ministério
da Saúde, destinado a comprovar o direito de fabricação do produto,
submetido ao regime de vigilância sanitária.
11.9.Número de lote:- designação impressa na etiqueta de um medicamento e
de produtos submetidos ao regime de vigilância sanitária, que permita
identificar o lote ou partida a que pertença.
11.10.Produto descartável:- qualquer produto de uso único.
11.11.Prazo validade do produto:- data limite para utilização de um produto.
11.12.Receita:- prescrição escrita de medicamento, contendo orientação de
uso para o paciente, efetuada por profissional legalmente habilitado.
11.13.Perfuro cortante:- instrumento que perfura e corta ao mesmo tempo.
11.14.Anti sepsia:- emprego de substância capaz de impedir a ação dos
microorganismos pela inativação ou destruição.
26

12. DOCUMENTAÇÃO
12.1. Os documentos abaixo relacionados, estão arquivados
ordenadamente, à disposição da fiscalização e de quem mais possa
interessar.






Livros de Registro de Injetáveis
Alvará de Funcionamento (SIVISA)
Licença de Regularidade (CRF)
Documentos referentes à Desinsetização
Fichas e formulários de Atendimento
27

13. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 Resolução N.º 44 de 17/08/2009 da ANVISA
 Resolução Nº 357 de 20/04/2001 do CFF
(Alterada pela Resolução n.º 416/04).
 Resolução N.º 328 de 22/07/1999 da ANVISA
 Resoluções do Conselho Federal de Farmácia, (DOU 27/04/2001 -

Seção 1, Págs. 24/30) - Disponível em: < http://www.cff.org.br>
acesso em 19/03/2010.
 Manual de Boas Práticas para Drogaria – Disponível em: <
http://www.ebah.com.br> acesso em 19/03/2010.

Elaborado por:
Dra. Márcia Silva Gomes
CRF SP 47.753
28

Março/2010

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

RDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISARDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISA
Marcelo Polacow Bisson
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
Farmacêutico Digital
 
Atenção farmacêutica
Atenção farmacêuticaAtenção farmacêutica
Atenção farmacêutica
Aline Maria Sá Nascimento
 
Deontologia farmacêutica
Deontologia farmacêuticaDeontologia farmacêutica
Deontologia farmacêutica
iolanda_goncalves
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticasAula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticas
Talita Gonçalves
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
Cassyano Correr
 
Pop atendimento de reclamação de cliente
Pop   atendimento de reclamação de clientePop   atendimento de reclamação de cliente
Pop atendimento de reclamação de cliente
Juciê Vasconcelos
 
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
Elizeu Ferro
 
Pop procedimentos operacionais padrão
Pop   procedimentos operacionais padrãoPop   procedimentos operacionais padrão
Pop procedimentos operacionais padrão
Rafael Correia
 
Cartilha farmacia hospitalar
Cartilha farmacia hospitalarCartilha farmacia hospitalar
Cartilha farmacia hospitalar
oncaponca12
 
Farmacia Hospitalar
Farmacia HospitalarFarmacia Hospitalar
Farmacia Hospitalar
Safia Naser
 
Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1
Suzana Zaba Walczak
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
José Vitor Alves
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Patrícia Lopes
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Bruno Pires
 
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Aula controle de qualidade 1   copia (1)Aula controle de qualidade 1   copia (1)
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Nemésio Carlos Silva
 
Pop manipulação de xaropes
Pop   manipulação de xaropesPop   manipulação de xaropes
Pop manipulação de xaropes
Juciê Vasconcelos
 
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop   limpeza e sanitização da caixa d'águaPop   limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
Juciê Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

RDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISARDC 44/09 - ANVISA
RDC 44/09 - ANVISA
 
Assistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na PráticaAssistência Farmacêutica na Prática
Assistência Farmacêutica na Prática
 
Atenção farmacêutica
Atenção farmacêuticaAtenção farmacêutica
Atenção farmacêutica
 
Deontologia farmacêutica
Deontologia farmacêuticaDeontologia farmacêutica
Deontologia farmacêutica
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Aula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticasAula 3 operações farmacêuticas
Aula 3 operações farmacêuticas
 
Introdução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção FarmacêuticaIntrodução à Atenção Farmacêutica
Introdução à Atenção Farmacêutica
 
Pop atendimento de reclamação de cliente
Pop   atendimento de reclamação de clientePop   atendimento de reclamação de cliente
Pop atendimento de reclamação de cliente
 
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)09   atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
09 atendente de farmácia (organização de uma farmácia)
 
Pop procedimentos operacionais padrão
Pop   procedimentos operacionais padrãoPop   procedimentos operacionais padrão
Pop procedimentos operacionais padrão
 
Cartilha farmacia hospitalar
Cartilha farmacia hospitalarCartilha farmacia hospitalar
Cartilha farmacia hospitalar
 
Farmacia Hospitalar
Farmacia HospitalarFarmacia Hospitalar
Farmacia Hospitalar
 
Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1Ciclo da assistência farmacêutica1
Ciclo da assistência farmacêutica1
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
 
Formas farmaceuticas
Formas farmaceuticasFormas farmaceuticas
Formas farmaceuticas
 
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmáciaAula 1 legislação aplicada a farmácia
Aula 1 legislação aplicada a farmácia
 
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
Pop 43 limpeza aparelhos ar condicionado.
 
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
Aula controle de qualidade 1   copia (1)Aula controle de qualidade 1   copia (1)
Aula controle de qualidade 1 copia (1)
 
Pop manipulação de xaropes
Pop   manipulação de xaropesPop   manipulação de xaropes
Pop manipulação de xaropes
 
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop   limpeza e sanitização da caixa d'águaPop   limpeza e sanitização da caixa d'água
Pop limpeza e sanitização da caixa d'água
 

Destaque

Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
UFU - Universidade Federal de Uberlândia
 
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICASMANUAL DE BOAS PRÁTICAS
Guia de-elaboracao-do-manual-de-boas-praticas
Guia de-elaboracao-do-manual-de-boas-praticasGuia de-elaboracao-do-manual-de-boas-praticas
Guia de-elaboracao-do-manual-de-boas-praticas
baroncello
 
Manual Informativo Sobre a Profissão Farmacêutica
Manual Informativo Sobre a Profissão FarmacêuticaManual Informativo Sobre a Profissão Farmacêutica
Manual Informativo Sobre a Profissão Farmacêutica
Jardel Inácio
 
Injetáveis com segurança
Injetáveis com segurançaInjetáveis com segurança
Injetáveis com segurança
Ingrid Amanda
 
Adm. injetáveis 26 nov
 Adm. injetáveis 26 nov Adm. injetáveis 26 nov
Adm. injetáveis 26 nov
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Curso Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
Curso   Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)Curso   Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
Curso Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
Marcelo Polacow Bisson
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
Claudio Luis Venturini
 
Visa boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
Visa   boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentosVisa   boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
Visa boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
HEBERT ANDRADE RIBEIRO FILHO
 
Ju farma
Ju farmaJu farma
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
TCC_FARMACIA_FEF
 
Sngpc Passo A Passo (Rdc 27 2007)
Sngpc Passo A Passo (Rdc 27 2007)Sngpc Passo A Passo (Rdc 27 2007)
Sngpc Passo A Passo (Rdc 27 2007)
Marcelo Polacow Bisson
 
Pop encapsulação
Pop   encapsulaçãoPop   encapsulação
Pop encapsulação
Juciê Vasconcelos
 
Pop manutenção preventiva de equipamentos
Pop   manutenção preventiva de equipamentosPop   manutenção preventiva de equipamentos
Pop manutenção preventiva de equipamentos
Juciê Vasconcelos
 
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorialAula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
Hugo Sousa
 
Pop uso e descarte de material perfurocortante
Pop uso e descarte de material perfurocortantePop uso e descarte de material perfurocortante
Pop uso e descarte de material perfurocortante
Itaecio Lane Itaecio Lane
 
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricosRDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
Vanessa Rodrigues
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
Cínthia Lima
 

Destaque (18)

Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADEComo fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
Como fazer POP - PORTAL DA QUALIDADE
 
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICASMANUAL DE BOAS PRÁTICAS
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS
 
Guia de-elaboracao-do-manual-de-boas-praticas
Guia de-elaboracao-do-manual-de-boas-praticasGuia de-elaboracao-do-manual-de-boas-praticas
Guia de-elaboracao-do-manual-de-boas-praticas
 
Manual Informativo Sobre a Profissão Farmacêutica
Manual Informativo Sobre a Profissão FarmacêuticaManual Informativo Sobre a Profissão Farmacêutica
Manual Informativo Sobre a Profissão Farmacêutica
 
Injetáveis com segurança
Injetáveis com segurançaInjetáveis com segurança
Injetáveis com segurança
 
Adm. injetáveis 26 nov
 Adm. injetáveis 26 nov Adm. injetáveis 26 nov
Adm. injetáveis 26 nov
 
Curso Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
Curso   Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)Curso   Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
Curso Rdc 44/09 CRF-SP (Dr. AdrianoFalvo)
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Visa boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
Visa   boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentosVisa   boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
Visa boas práticas de distribuição, armazenamento e transporte de medicamentos
 
Ju farma
Ju farmaJu farma
Ju farma
 
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
Estudo sobre condições de armazenamento de medicamentos em drogarias e distri...
 
Sngpc Passo A Passo (Rdc 27 2007)
Sngpc Passo A Passo (Rdc 27 2007)Sngpc Passo A Passo (Rdc 27 2007)
Sngpc Passo A Passo (Rdc 27 2007)
 
Pop encapsulação
Pop   encapsulaçãoPop   encapsulação
Pop encapsulação
 
Pop manutenção preventiva de equipamentos
Pop   manutenção preventiva de equipamentosPop   manutenção preventiva de equipamentos
Pop manutenção preventiva de equipamentos
 
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorialAula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
Aula t01 normas e boas práticas de segurança laboratorial
 
Pop uso e descarte de material perfurocortante
Pop uso e descarte de material perfurocortantePop uso e descarte de material perfurocortante
Pop uso e descarte de material perfurocortante
 
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricosRDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
RDC 60.2014 - Registro de medicamentos novos, similares e genéricos
 
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PARA PROCEDIMENTOS REALIZADOS NAS UNIDADES BÁ...
 

Semelhante a Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias

Monitoria fmctnc i
Monitoria   fmctnc iMonitoria   fmctnc i
Monitoria fmctnc i
Yuri Loiola
 
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostilaCuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Isabela Jacyntho
 
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefavafracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
Naidilene Aguilar
 
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdfUFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
AnaFilipaFidalgoLope
 
RDC_2007-67 lei que promulga o controle em farmácias
RDC_2007-67 lei que promulga o controle em farmáciasRDC_2007-67 lei que promulga o controle em farmácias
RDC_2007-67 lei que promulga o controle em farmácias
EliveltonRodrigues12
 
Rdc 67 de 2007
Rdc 67 de 2007Rdc 67 de 2007
Rdc 67 de 2007
Fábio Garcia
 
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdfEstágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
HELENO FAVACHO
 
67 rdc anexo
67 rdc anexo67 rdc anexo
67 rdc anexo
Eman Lemine
 
GAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de FornecedoresGAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de Fornecedores
Denise Selegato
 
Apresentação FFEAF simposio visa niterói (1) (1).pptx
Apresentação FFEAF simposio visa niterói (1) (1).pptxApresentação FFEAF simposio visa niterói (1) (1).pptx
Apresentação FFEAF simposio visa niterói (1) (1).pptx
DeyseCaroliniAlmeida
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
LanaMonteiro8
 
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdfManual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manuel Pacheco Vieira
 
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptxPREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
raissaorb
 
146 resolução cfn 200-98 (1)
146 resolução cfn  200-98 (1)146 resolução cfn  200-98 (1)
146 resolução cfn 200-98 (1)
Nelsilene Silva
 
Estágio gestao farmaceutica e injetaveis EDIT.pdf
Estágio gestao farmaceutica e injetaveis EDIT.pdfEstágio gestao farmaceutica e injetaveis EDIT.pdf
Estágio gestao farmaceutica e injetaveis EDIT.pdf
SABRINARODRIGUES32506
 
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
Elizeu Ferro
 
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizadosManual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Fernando Rufus
 
Manual de higienização hospitalar
Manual de higienização hospitalarManual de higienização hospitalar
Manual de higienização hospitalar
Higiclear
 
zdhzhzhdhzfdzhreuffifofofoffofhhhvvvl pptx
zdhzhzhdhzfdzhreuffifofofoffofhhhvvvl pptxzdhzhzhdhzfdzhreuffifofofoffofhhhvvvl pptx
zdhzhzhdhzfdzhreuffifofofoffofhhhvvvl pptx
ssuser9043af
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptxatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
ProfYasminBlanco
 

Semelhante a Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias (20)

Monitoria fmctnc i
Monitoria   fmctnc iMonitoria   fmctnc i
Monitoria fmctnc i
 
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostilaCuidados farmacêuticos   atuação clínica na farmácia - apostila
Cuidados farmacêuticos atuação clínica na farmácia - apostila
 
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefavafracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
fracionamento.pdffqfqfqqvfavvdvaefefqefava
 
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdfUFCD_10167_Manual Formandos.pdf
UFCD_10167_Manual Formandos.pdf
 
RDC_2007-67 lei que promulga o controle em farmácias
RDC_2007-67 lei que promulga o controle em farmáciasRDC_2007-67 lei que promulga o controle em farmácias
RDC_2007-67 lei que promulga o controle em farmácias
 
Rdc 67 de 2007
Rdc 67 de 2007Rdc 67 de 2007
Rdc 67 de 2007
 
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdfEstágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
Estágio Supervisionado Campos de Atuação Profissional I.pdf
 
67 rdc anexo
67 rdc anexo67 rdc anexo
67 rdc anexo
 
GAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de FornecedoresGAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de Fornecedores
 
Apresentação FFEAF simposio visa niterói (1) (1).pptx
Apresentação FFEAF simposio visa niterói (1) (1).pptxApresentação FFEAF simposio visa niterói (1) (1).pptx
Apresentação FFEAF simposio visa niterói (1) (1).pptx
 
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
MÓDULO IV - BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE (2) [Salvo a...
 
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdfManual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
Manual de Higienização Hospitalar, limpeza.pdf
 
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptxPREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
PREVISÃO, PROVISÃO E CONTROLE DE MATERIAIS.pptx
 
146 resolução cfn 200-98 (1)
146 resolução cfn  200-98 (1)146 resolução cfn  200-98 (1)
146 resolução cfn 200-98 (1)
 
Estágio gestao farmaceutica e injetaveis EDIT.pdf
Estágio gestao farmaceutica e injetaveis EDIT.pdfEstágio gestao farmaceutica e injetaveis EDIT.pdf
Estágio gestao farmaceutica e injetaveis EDIT.pdf
 
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)10   atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
10 atendente de farmácia (dispensação de farmacia)
 
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizadosManual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
Manual de boas_praticas_e_procedimentos_operacionais_padronizados
 
Manual de higienização hospitalar
Manual de higienização hospitalarManual de higienização hospitalar
Manual de higienização hospitalar
 
zdhzhzhdhzfdzhreuffifofofoffofhhhvvvl pptx
zdhzhzhdhzfdzhreuffifofofoffofhhhvvvl pptxzdhzhzhdhzfdzhreuffifofofoffofhhhvvvl pptx
zdhzhzhdhzfdzhreuffifofofoffofhhhvvvl pptx
 
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptxatenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
atenofarmacutica-111020152517-phpapp01.pptx
 

Mais de Railenne De Oliveira Celestino

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POPPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
Railenne De Oliveira Celestino
 
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e SanitáriaEstudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Railenne De Oliveira Celestino
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
Railenne De Oliveira Celestino
 
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão LivrePrática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Railenne De Oliveira Celestino
 
Princípios da Farmacologia
Princípios da FarmacologiaPrincípios da Farmacologia
Princípios da Farmacologia
Railenne De Oliveira Celestino
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Railenne De Oliveira Celestino
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Railenne De Oliveira Celestino
 
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2
Railenne De Oliveira Celestino
 
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃORdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Railenne De Oliveira Celestino
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010

Mais de Railenne De Oliveira Celestino (13)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POPPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
 
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e SanitáriaEstudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
 
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão LivrePrática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
 
Princípios da Farmacologia
Princípios da FarmacologiaPrincípios da Farmacologia
Princípios da Farmacologia
 
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇASRelatório de Aula Prática   PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
exercício leite
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
 
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITE
 
Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2
 
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃORdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
Vias de acesso NE
 
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias

  • 1. Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias DROGARIA FARMA SANTANA I “O presente manual deve ser considerado como material de apoio, pois fornece diretrizes para a regularização e o andamento do varejo farmacêutico, não isenta a empresa e os profissionais farmacêuticos de consultarem as Legislações vigentes e propicia apenas rápido acesso a consultas básicas de regularização, e em nada substitui a legislação em vigor (RDC N.º44 de 17/08/2009), devendo, pelo contrário, ser revisto e atualizado periodicamente de modo a manter-se de acordo com a mesma”. Dra. Márcia Silva Gomes
  • 3. 3 SUMÁRIO 1- Identificação do Estabelecimento ...................................................... 03 2- Registro do Responsável Técnico ...................................................... 03 3- Objetivo do Estabelecimento ............................................................. 04 4- Objetivo do Manual ............................................................................ 05 5- Infra-Estrutura Física e Instalações .................................................... 06 6- Estrutura Organizacional Pessoal ....................................................... 07 7- Fluxograma ........................................................................................ 12 8- Serviços Farmacêuticos Prestados ..................................................... 15 9- Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde ............................ 22 10- Auto-inspeção ........................................................................... 23 11- Definições ................................................................................. 24 12- Documentação .......................................................................... 25 13- Referências Bibliográficas ....................................................... 26
  • 4. 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Razão / Nome: Tiago Eduardo Negrão Ramos - Me Título Do Estabelecimento: Farma Santana I Cnpj: 05437598/0001-02 Localização : Rua Capricórnio N.º 162 Bairro: Pq. Santana I Cep: 06515-090 Município: Santana de Parnaíba U.F.: SP Telefone: 011-41513701 2. REGISTRO DO RESPONSÁVEL TÉCNICO Farmacêutico Responsável: Dra. Márcia Silva Gomes Inscrição CRF SP: Nº. 47753
  • 5. 5 3. OBJETIVO DO ESTABELECIMENTO  Finalizar as consultas médicas, fornecendo aos pacientes informações confiáveis sobre o uso racional dos medicamentos, prevenção e educação sanitária.  Verificar a adesão e a eficácia da terapia medicamentosa.  Assumir uma política de total assistência à terapia medicamentosa do paciente oferecendo propostas práticas de farmacoterapia, farmacovigilância, farmácia clínica e controle sobre aquisição e dispensação dos medicamentos de venda livre.  Garantir a integridade e a conservação dos produtos comercializados, desde a recepção até a dispensação e observar prazos e validade dos mesmos, atentamente.
  • 6. 6 4. OBJETIVO DO MANUAL  Manual de Boas Práticas de Dispensação para Normatizar o funcionamento da Empresa de forma a assegurar a manutenção da qualidade e segurança dos produtos disponibilizados e dos serviços por nós prestados nesta drogaria, com o fim de contribuir para o uso racional desses produtos e a melhoria da qualidade de vida dos usuários.  Para a elaboração deste manual, seguimos orientações da Resolução da Diretoria Colegiada – RDC Nº 44, de 17/08/2009 da Vigilância Sanitária, que dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias.
  • 7. 7 5. INFRA-ESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES  O estabelecimento possui infra-estrutura adequada às atividades desenvolvidas. Possui um acesso (entrada única) com áreas separadas para dispensação e aplicação de injetáveis.  O piso, paredes e teto são de material liso, resistente, impermeável e de cor clara, local em boas condições de higiene. A drogaria dispõe de iluminação, ventilação natural e artificial, não havendo incidência de luz solar sobre os medicamentos.  Os sistemas elétricos e hidráulicos estão em boas condições de funcionamento.  A água utilizada para todos os procedimentos é proveniente da rede pública e para o consumo, é utilizada água mineral. O destino das águas servidas é a rede pública de esgotos. Os equipamentos de combate a incêndio estão em local de fácil acesso, dentro do prazo de validade.  A empresa realiza trimestralmente dedetização/desinsetização, através da empresa legalmente constituída e habilitada, mantendo-se os devidos registros destes procedimentos.  O sanitário para uso dos funcionários possui sabão líquido, toalha descartável, lixeira com tampa e pedal e saco plástico coletor e é limpo diariamente com desinfetante e água sanitária.
  • 8. 8 6. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL PESSOAL 6.1 Organograma  O quadro organizacional é composto por 01(um) Responsável Legal, 02(dois) Administradores, 01(uma) Farmacêutica, 01 (um) Pratico de Farmácia, 01(uma) Atendente e 01(um) Entregador. Responsável Legal Administradores Farmacêutica Atendente Prático de Farmácia Entregador 6.2 Responsabilidades e atribuições: 6.2.1 As atribuições e responsabilidades individuais estão formalmente descritas e perfeitamente compreendidas pelos envolvidos, que possuem autoridade suficiente para desempenhá-las. 6.2.2 O são atribuições do responsável legal:  Prover os recursos financeiros, humanos e materiais necessários ao funcionamento do estabelecimento;  Prover as condições necessárias para o cumprimento da RDC 044/2009, assim como das demais normas sanitárias federais, estaduais e municipais vigentes e aplicáveis às farmácias e drogarias;  Assegurar as condições necessárias à promoção do uso racional de medicamentos no estabelecimento;
  • 9. 9  Prover as condições necessárias para capacitação e treinamento de todos os profissionais envolvidos nas atividades do estabelecimento.  Todo e quaisquer ato e documentação referente á abertura, andamento e fechamento da empresa, perante os Órgãos competentes. 6.2.3 Administrador  Garantir que a qualidade dos procedimentos de dispensação prevaleça sobre quaisquer outros aspectos.  Estar comprometido com as atividades das Boas Práticas de Dispensação, melhoria contínua e garantia da qualidade.  Favorecer e incentivar programas de educação continuada para todos os envolvidos nas atividades realizadas na drogaria.  Definir o perfil e atribuições de cada função necessária na drogaria.  Selecionar e contratar pessoal qualificado.  Gerenciar toda rotina administrativa da empresa.  Gerenciar toda rotina financeira da empresa.  Estar comprometido com atividades de melhoria contínua.  Assegurar condições para o cumprimento das atribuições gerais da equipe e dos profissionais, visando prioritariamente a qualidade, eficácia e segurança dos serviços prestados na drogaria. 6.2.4 Farmacêutica – Responsável Técnica. É responsável pela supervisão. São inerente a profissional farmacêutica as seguintes atribuições:  Conhecer, interpretar e estabelecer condições para o cumprimento da legislação pertinente;  Estabelecer critérios e supervisionar o processo de aquisição de medicamentos e demais produtos;  Avaliar a prescrição médica;
  • 10. 10  Assegurar condições adequadas de conservação e dispensação dos produtos;  Manter arquivos, que podem ser informatizados, com a documentação correspondente aos produtos sujeitos a controle especial;  Participar de estudos de farmacovigilância com base em análise de reações adversas e interações medicamentosas, informando a autoridade sanitária local;  Organizar e operacionalizar as áreas e atividades da drogaria;  Manter atualizada a escrituração;  Manter a guarda dos produtos sujeitos a controle especial de acordo com a legislação específica;  Prestar assistência farmacêutica necessária ao consumidor;  Promover treinamento inicial e contínuo dos funcionários para a adequação da execução de suas atividades.  Prestar ou supervisionar a prestação de serviços farmacêuticos aos usuário  Informar a autoridade sanitária as suspeitas de reações adversas, queixas técnicas, fraude ou falsificação de medicamentos e demais produtos de interesse á saúde.  Realizar ações de promoção e proteção da saúde, incluindo a promoção de hábitos de vida saudáveis e a promoção do uso racional de medicamentos.  Executar e supervisionar a dispensação, a prestação de outros serviços farmacêuticos e demais atividades realizadas no estabelecimento que dependam da Assistência técnica.  Supervisionar e promover auto-inspeções periódicas.
  • 11. 11 6.3 Treinamentos 6.3.1 Todo o pessoal envolvido nas atividades da farmácia deve estar incluído em um programa de treinamento, elaborado com base em um levantamento de necessidades e os registros devem dispor no mínimo das seguintes informações:  Documentação sobre as atividades de capacitação realizadas;  Data da realização e carga horária;  Conteúdo ministrado;  Trabalhadores treinados e suas respectivas assinaturas;  Identificação da equipe que os treinou em cada atividade específica. 6.3.2 Nos treinamentos devem ser incluídos: procedimentos a serem adotados em caso de acidente ou incidente; informações quanto à existência de riscos no desenvolvimento das atividades, suas causas e medidas preventivas apropriadas. 6.3.3. Todo o pessoal, durante os treinamentos, deve conhecer e discutir amplamente os princípios das Boas Práticas de Manipulação em Farmácias, no sentido de melhorar a compreensão de Garantia da Qualidade por toda a equipe. 6.4 Saúde/Segurança/Vestuário/Higiene e Conduta 6.4.1 Todo o pessoal, inclusive de limpeza e manutenção, deve ser motivado e receber instruções de higiene, saúde, conduta e elementos básicos em microbiologia, relevantes para a manutenção dos padrões de limpeza ambiental e qualidade dos produtos, e deverão seguir as determinações da legislação vigente, descrevendo no memorial descritivo da drogaria que o uso de sanitários, são compartilhados com os demais funcionários da drogaria. 6.4.2 A drogaria deve assegurar a todos os seus trabalhadores a promoção da saúde e prevenção de acidentes, agravos e doenças ocupacionais, priorizando as medidas promocionais e preventivas, em nível coletivo, de acordo com as características do estabelecimento e seus fatores de risco, cumprindo Normas Regulamentares (NR) sobre Segurança e Medicina do Trabalho.
  • 12. 12 6.4.3 A admissão dos funcionários deve ser precedida de exames médicos, sendo obrigatória a realização de avaliações médicas periódicas de todos os funcionários da drogaria. 6.4.4 Em caso de lesão exposta, suspeita ou confirmação de enfermidade, o funcionário deve ser afastado temporária ou definitivamente de suas atividades, obedecendo à legislação específica. 6.4.5 As drogarias são responsáveis pela distribuição dos Equipamentos de Proteção Individual de forma gratuita, em quantidade suficiente e com reposição periódica, além da orientação quanto ao uso, manutenção, conservação e descarte. 6.4.6 A drogaria deve dispor de vestiário para a guarda dos pertences dos funcionários e colocação de uniformes.
  • 13. 13 7. FLUXOGRAMA 7.1 Condições específicas do funcionamento fluxograma: 7.1.2 Aquisição: A farmácia adquire produtos dos fornecedores legalmente habilitados, mantendo-se o cadastro com o seguinte documento: Alvará Sanitário de Funcionamento. 7.1.3 Recepção: Os medicamentos/produtos chegam diariamente e são conferidas as caixas de transporte (se estão em boas condições e lacradas), se o número de produtos recebidos confere com o da Nota Fiscal. Os produtos devem ser examinados no momento da recepção, para verificar se as embalagens não foram danificadas e se correspondem ao envio. Se tudo conferir, os medicamentos/produtos seguem para a Conferência. Caso haja rejeição por qualquer irregularidade, a mercadoria é devolvida aos fornecedores. 7.1.4 Conferência: É realizada por um funcionário treinado, mediante a Nota Fiscal, onde se observa os seguintes aspectos: se os medicamentos recebidos conferem com os solicitados e com os que constam na Nota Fiscal de entrega da Distribuidora, se as caixas/embalagens estão em boas condições e lacradas, prazos de validade, lote, registro no Ministério da Saúde, identificação da Distribuidora e integridade dos produtos. 7.1.5 Armazenamento/Estocagem: Existem procedimentos a serem observados para que os produtos farmacêuticos não sofram alterações durante seu armazenamento, assegurando que sejam armazenados de modo a diminuir ao máximo os fatores que possam incidir sobre sua qualidade, preservando a eficácia dos mesmos. 7.1.6 Devem ser manuseados e armazenados de acordo com as especificações dos fabricantes, de forma que a qualidade, a eficácia e a segurança dos mesmos sejam mantidas por todo o prazo de validade. 7.1.7 Os medicamentos/produtos são devidamente armazenados, ou seja, são protegidos da ação direta da luz solar, umidade e alta temperatura. São dispostos em prateleiras de vidro, afastados do chão, sendo que nenhum produto fica em contato direto com chão ou paredes. 7.1.8 São dispostos em ordem alfabética nas prateleiras, separados dos cosméticos, perfumarias, produtos de higiene pessoal e produtos inflamáveis (estes são dispostos separadamente dos demais). A
  • 14. 14 limpeza das prateleiras é realizada mensalmente e a validade de todos os produtos é verificada mensalmente. 7.1.9 As áreas para armazenamento devem estar livres de pó, dejetos, insetos, roedores, aves ou qualquer outro animal. Elaboramos uma lista com a data de vencimento de todos os produtos para que sejam separados na data próxima de seu vencimento, ficando esta exposta e visível para todos os funcionários da drogaria. 7.1.10 Os produtos são relacionados (listados) por ordem de prazo de validade e retirados das prateleiras quando este prazo expira. São então colocados em caixas e estas são identificadas com caneta vermelha -VENCIDOS. 7.1.11 O estoque deve ser inspecionado com freqüência, para verificar qualquer degradação visível e o prazo de validade dos produtos. 7.1.12 Dispensação (medicamentos em geral): Os produtos são dispensados através de prescrição que é conferida e avaliada pelo responsável técnico que também presta as informações necessárias quando se trata de medicamentos de venda livre. No ato da dispensação devem ser dadas as seguintes orientações: condições de conservação e transporte, interações alimentares e medicamentosas, modo de usar, posologia, duração do tratamento, via de administração e, quando for o caso, os efeitos adversos e outras consideradas necessárias. 7.1.13 Medicamentos vencidos, impróprios para consumo e outros.  Os produtos de venda livre, impróprios para consumo, ficarão acondicionados, no período máximo de 30 dias, após este prazo serão destinados à coleta seletiva de lixo.  São encaminhados à Autoridade Sanitária competente, recolhidos por veículos autorizados.  No caso de medicamentos recolhidos/retirados do mercado por ordem da ANVISA ou do próprio Laboratório, verificamos o produto, o lote específico, estes são retirados imediatamente do local de produtos comercializáveis e separados em uma área própria segregada, até que seja completada a operação, de acordo com as instruções do titular do registro do produto ou determinadas pelas Autoridades Sanitárias competentes.
  • 15. 15  No caso de produtos farmacêuticos identificados como adulterados ou falsificados, notifica-se imediatamente a Autoridade Sanitária, indicando o nome do produto, fabricante, número de lote(s) e procedência, a fim de que a Autoridade Sanitária tome as providências necessárias.
  • 16. 16 8.SERVIÇOS FARMACÊUTICOS PRESTADOS 8.1.Aplicação de Injetáveis:  As aplicações de injetáveis são realizadas somente mediante prescrição médica e todas são descritas no Livro de Registro de Injetáveis, devidamente autorizado pela Fiscalização Sanitária.  O profissional deve obedecer à regra dos cinco certos: 1.Paciente certo 2.Medicamento certo 3.Via certa 4.Horário certo 5.Dosagem certa  Observe os seguintes itens da receita médica: nome e número do CRM do médico, nome do paciente, data, nome do medicamento, dosagem, via de administração e concentração. Siga rigorosamente as orientações contidas na receita e na bula.  Não misture medicamentos em uma mesma seringa sem que a receita solicite ou sem conhecimento.  As instalações para o desenvolvimento deste procedimento possuem condições adequadas, sendo parcialmente azulejadas, pia com água corrente, armário para armazenamento de seringas/agulhas descartáveis e medicamentos injetáveis, recipiente adequado para descarte de perfurocortantes, saboneteira com sabonete líquido e toalha de papel descartável.  O procedimento de aplicação é feito pelo Responsável Técnico ou por profissional capacitado (supervisionado pelo Responsável Técnico). O material utilizado (seringas e agulhas) é descartável. O material perfurocortante é descartado em recipiente apropriado. 8.1.2 Preparo da injeção:  Identifique o material a ser utilizado durante a aplicação confrontando com a receita;  Lave bem as mãos e antebraço quando possível antes de preparar a injeção.  Seque as mãos com toalha de papel;
  • 17. 17  Aplique um anti-séptico nas mãos (ex.:álcool 70 %);  Abra a embalagem da seringa utilizando o local correto de abertura, sempre pelo lado do êmbolo da seringa, para diminuir o risco de contaminação. Certifique-se de que o invólucro não esteja molhado, úmido ou danificado;  Conecte a agulha aplicando uma força e rotacionando-a para que ela fique travada. Se houver alguma demora na preparação mantenha a seringa dentro da embalagem;  Não toque na agulha, bico da seringa ou na haste (parte que fica dentro do cilindro) durante o manuseio da seringa;  Retire o protetor da agulha e aspire o medicamento;  Reencape a agulha, tomando o cuidado para não tocar a ponta, evitando contaminar-se ou se ferir;  Retire o ar da seringa;  Realize anti-sepsia do local da aplicação com algodão e álcool 70%. NOTA: Um procedimento correto é usar uma agulha para aspirar o medicamento da ampola ou frasco ampola, e outra para realizar a aplicação, desta maneira diminui o risco de contaminação e de agulhas rombudas, melhorando a eficiência e segurança durante a aplicação. 8.1.3 Ampola:  Utilize uma proteção (algodão seco) para abrir a ampola;  Aspire o conteúdo da ampola para a seringa;  Retire as eventuais bolhas da seringa, expulsando o ar e deixando somente o líquido;  Despreze a ampola vazia no descarte apropriado. 8.1.4 Frasco ampola:  Existem hoje medicamentos que já se apresentam em suspensão e outros que estão na forma de pó ou liofílizados tendo que ser realizado sua suspensão colocando um diluente;  Retire o lacre do frasco ampola e faça a desinfecção da tampa de borracha com algodão e álcool 70%;  Homogeneíze bem o pó com o diluente colocando o frasco ampola entre as mãos e realizando movimentos rotacionais;
  • 18. 18  Aspire o conteúdo e retire as eventuais bolhas da seringa, expulsando o ar e deixando somente a suspensão; utilize uma nova agulha;  Despreze o frasco ampola no descarte apropriado. 8.1.5 As aplicações podem ser: Injeções intramusculares (IM)-Injeções subcutâneas (SC) -Injeções intravenosas (IV). 8.1.6 No Livro de Registro do Receituário de Aplicação de Injetáveis constará as seguintes informações : Nome do paciente: Data : Endereço: Nome do medicamento administrado, concentração, via de administração: Nº CRM: Nome do profissional responsável: 8.2 Técnica de Lavagem das Mãos 8.2.1 Sem tocar a pia, as mãos são umedecidas e ensaboadas com cerca de 2 ml de sabão líquido, preferencialmente, por aproximadamente 15 segundos ou 5 vezes cada posição a seguir:  Palma com Palma.  Palma direita sobre o dorso da mão esquerda e vice versa.  Palma com palma, entrelaçando-se os dedos.  Parte posterior dos dedos em palma da mão oposta; polpas digitais direitas em contato com as da mão esquerda.  Fricção rotativa do polegar direito com a palma esquerda e viceversa.  Fricção rotativa em sentido horário e anti-horário com os dedos da mão direita unidos sobre a palma esquerda e vice-versa.  Os pulsos também podem receber fricção rotativa.  As mãos são secas com papel toalha descartável de boa qualidade (contra-indica-se o uso de toalhas coletivas de tecidos ou em rolo, assim como os secadores elétricos).  Fechar a torneira usando papel toalha descartável.
  • 19. 19 8.3 Pequenos Curativos 8.3.1 São realizados nesta Drogaria, apenas pequenos curativos secos, na ausência de hemorragia arterial, em lesões cutâneas, onde não haja a necessidade de fazer suturas ou procedimentos mais complexos. 8.3.2 Não realizamos curativos nas regiões ocular e do ouvido, nos casos de infecção profunda ou abscesso, mordidas de animais, perfurações profundas e retirada de pontos, bem como de outros procedimentos que necessitem de atendimento ambulatorial ou hospitalar, o que implica ao farmacêutico encaminhar o paciente á um hospital ou pronto atendimento. 8.3.3 Para os procedimentos acima mencionados, aplica-se a técnica da lavagem de mãos. 8.4 – Inalação e Nebulização 8.4.1 Após certificar-se de que os medicamentos a serem administrados estão de acordo com o receituário, é preenchido pela farmacêutica o registro de serviços de farmacêuticos realizados e também registrado em livro próprio, os procedimentos de inalação e nebulização realizados. 8.4.2 Após o uso, os acessórios para inalação são sempre esterilizados com água, sabão e álcool e armazenados em local próprio para tal. 8.4.3 Para o procedimento acima citado aplica-se a técnica de lavagem de mãos. 8.5 Verificação da Pressão Arterial 8.5.1 A verificação da pressão arterial é realizada na sala de aplicação de injetáveis, pelo farmacêutico ou sob sua supervisão. 8.5.2 O primeiro som claro, quando o sangue flui, através da artéria comprimida é a pressão sistólica. A pressão diastólica ocorre no ponto em que o som muda ou desaparece.
  • 20. 20 8.5.3 Procedimento para verificação da pressão arterial:  Colocar o indivíduo em local calmo com o braço apoiado a nível do coração e deixando-o à vontade, permitindo 5 minutos de repouso;  Localizar o manômetro de modo a visualizar claramente os valores da medida;  Selecionar o tamanho da braçadeira para adultos ou crianças. A largura do manguito deve corresponder a 40% da circunferência braquial e seu comprimento a 80%;  Localizar a artéria braquial ao longo da face interna superior do braço palpando-a;  Envolver a braçadeira, suave e confortavelmente, em torno do braço, centralizando o manguito sobre a artéria braquial. Manter a margem inferior da braçadeira 2,5cm acima da dobra do cotovelo. Encontrar o centro do manguito dobrando-o ao meio;  Determinar o nível máximo de insuflação palpando o pulso radial até seu desaparecimento, registrando o valor (pressão sistólica palpada) e aumentando mais 30 mmHg;  Desinsuflar rapidamente o manguito e esperar de 15 a 30 segundos antes de insuflá-lo de novo;  Posicionar o estetoscópio sobre a artéria braquial palpada abaixo do manguito na fossa antecubital. Deve ser aplicado com leve pressão assegurando o contato com a pele em todos os pontos. As olivas devem estar voltadas para frente;  Fechar a válvula da pêra e insuflar o manguito rapidamente até 30 mmHg acima da pressão sistólica registrada;  Desinsuflar o manguito de modo que a pressão caia de 2 a 3 mmHg por segundo;  Identificar a Pressão Sistólica (máxima) em mmHg, observando no manômetro o ponto correspondente ao primeiro batimento regular audível (sons de Korotkoff);  Identificar a Pressão Diastólica (mínima) em mmHg, observando no manômetro o ponto correspondente ao último batimento regular
  • 21. 21 audível. Desinsuflar totalmente o aparelho com atenção voltada ao completo desaparecimento dos batimentos;  Registrar valores de pressão arterial Sistólica e Diastólica encontrados em mmHg. Retirar o aparelho do braço e guardá-lo cuidadosamente a fim de evitar danos. 8.6 Verificação de Temperatura 8.6.1 È informado pela Farmacêutica ao usuário, antes da verificação da temperatura corporal, que o procedimento tem o propósito de prevenir enfermidades e/ou monitorar o tratamento farmacológico, bem como promover ações de informação e educação sanitária. 8.6.2 Os procedimentos para a verificação de temperatura ocorrem da seguinte forma:  O paciente é acomodado em uma cadeira e é solicitado ao mesmo que esteja com traje leve no corpo, evitando-se assim o aumento da temperatura.  O farmacêutico introduz o bulbo do termômetro na axila do usuário e deixa-o por um período de 3 a 5 minutos, após esse período o mesmo é retirado e anota-se a temperatura obtida. 8.6.3 A avaliação das necessidades de auto-cuidados de saúde, incluindo as opções pelo uso de produtos farmacêuticos isentos de prescrição, só é efetuada pela Farmacêutica com base no interesse do usuário. 8.6.4 No caso de observação de qualquer alteração da temperatura corporal, o usuário é aconselhado a procurar a devida assistência médica, para que tal alteração seja estabilizada.
  • 22. 22 8.7 Aparelhos Utilizados 8.7.1 Para aferir pressão arterial, utilizamos um esfigmomanômetro e estetoscópio. 8.7.2 Para verificação da temperatura utilizamos termômetro de mercúrio. 8.7.3 Os aparelhos utilizados são levados para calibração periodicamente (semestralmente) e retornam com seus registros em dia. 8.8 Colocação de Brincos. 8.8.1 Os brincos são colocados com o aparelho específico e os brincos utilizados estão devidamente acondicionados em embalagens estéreis, visando à proteção do usuário. 8.8.2 A colocação de brincos é feita pela Farmacêutica e por profissionais qualificados para tal serviço.
  • 23. 23 9. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 9.1 O resíduo de saúde pode ser entendido como produto residual, não utilizável, resultante de procedimentos ou atividades exercidas por profissionais da saúde. 9.2 Classificação dos resíduos de saúde: A resíduo infectante (Não trabalhamos com essa classe de resíduos) - B resíduo especial C resíduo comum 9.3 Os Critérios para acondicionamento de resíduos comuns: Acondicionar em recipiente com tampa (lixeira), forrado com saco plástico. 9.4 Critérios para acondicionamento de resíduos infectantes:  Material Biológico: usar saco plástico, impermeável e resistente, de cor branca leitosa, com simbologia de resíduo infectante.  Material Perfurocortante: Acondicionar em recipiente rígido, resistente, impermeável, identificado pela simbologia de resíduo infectante, com tamanho compatível com a quantidade de resíduos produzidos e o número previsto de coleta e, quando cheio, sem sobrecarga, deve ser devidamente fechado e acondicionado em saco plástico de cor branca leitosa para facilidade de transporte e identificação.  As agulhas não devem ser destacadas das seringas com as mãos, nem reencapadas, a fim de evitar contaminação do pessoal e garantir a segurança do manipulador.
  • 24. 24 10. AUTO-INSPEÇÃO  A auto-inspeção tem como objetivo avaliar o cumprimento das Boas Práticas de Dispensação. Pode ser realizada com uma freqüência mínima anual, ou sempre que seja detectada qualquer deficiência ou necessidade de ação corretiva.  Depois de finalizada a auto-inspeção, deve ser feito um relatório incluindo os resultados da inspeção, as avaliações, conclusões e ações corretivas adotadas, à disposição da Autoridade Sanitária em qualquer momento.  Os procedimentos operacionais de auto-inspeção incluem freqüência e registro, monitorar a implementação e a observância do estabelecido no presente Manual de Boas Práticas, bem como as demais exigências da legislação vigente (Resolução nº 328/99 da ANVISA e Resolução nº 357/01 do CFF, que dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias).
  • 25. 25 11. DEFINIÇÕES 11.1.Dispensação: ato de fornecimento e orientação ao consumidor de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos a título remunerado ou não. 11.2.Especialidade Farmacêutica: produto oriundo da indústria farmacêutica com registro no Ministério da Saúde e disponível no mercado. 11.3.Drogaria: estabelecimento de dispensação e comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos em suas embalagens originais. 11.4.Responsável Técnico: profissional habilitado inscrito no Conselho Regional de Farmácia, na forma da lei. 11.5. Produto:- substância ou mistura de substâncias naturais (minerais, animais e vegetais) ou de síntese usada com finalidades terapêuticas, profiláticas ou de diagnóstico. 11.6.Medicamento:- produto farmacêutico, tecnicamente obtido ou elaborado, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico. 11.7.Armazenamento/Estocagem:- procedimento que possibilita o estoque ordenado e racional de várias categorias de materiais e produtos. 11.8.Registro do produto:- ato privativo do órgão competente do Ministério da Saúde, destinado a comprovar o direito de fabricação do produto, submetido ao regime de vigilância sanitária. 11.9.Número de lote:- designação impressa na etiqueta de um medicamento e de produtos submetidos ao regime de vigilância sanitária, que permita identificar o lote ou partida a que pertença. 11.10.Produto descartável:- qualquer produto de uso único. 11.11.Prazo validade do produto:- data limite para utilização de um produto. 11.12.Receita:- prescrição escrita de medicamento, contendo orientação de uso para o paciente, efetuada por profissional legalmente habilitado. 11.13.Perfuro cortante:- instrumento que perfura e corta ao mesmo tempo. 11.14.Anti sepsia:- emprego de substância capaz de impedir a ação dos microorganismos pela inativação ou destruição.
  • 26. 26 12. DOCUMENTAÇÃO 12.1. Os documentos abaixo relacionados, estão arquivados ordenadamente, à disposição da fiscalização e de quem mais possa interessar.      Livros de Registro de Injetáveis Alvará de Funcionamento (SIVISA) Licença de Regularidade (CRF) Documentos referentes à Desinsetização Fichas e formulários de Atendimento
  • 27. 27 13. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS  Resolução N.º 44 de 17/08/2009 da ANVISA  Resolução Nº 357 de 20/04/2001 do CFF (Alterada pela Resolução n.º 416/04).  Resolução N.º 328 de 22/07/1999 da ANVISA  Resoluções do Conselho Federal de Farmácia, (DOU 27/04/2001 - Seção 1, Págs. 24/30) - Disponível em: < http://www.cff.org.br> acesso em 19/03/2010.  Manual de Boas Práticas para Drogaria – Disponível em: < http://www.ebah.com.br> acesso em 19/03/2010. Elaborado por: Dra. Márcia Silva Gomes CRF SP 47.753