SlideShare uma empresa Scribd logo
Faculdade de Saúde Ibituruna – FASI
5º Período de Farmácia
Disciplina: Tecnologia dos alimentos
Acadêmicos: Railenne Oliveira

Relatório de Aula Prática
PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS

MONTES CLAROS
AGOSTO/2011
INTRODUÇÃO:
Os

alimentos

minimamente

processados

surgiram

como

uma

interessante alternativa para consumidor que não tem tempo de preparar sua
refeição ou mesmo não gosta de fazê-lo. Em vários países, verifica-se que
esses produtos estão sendo oferecidos nos formatos mais variados, sempre
visando agregação de valor e comodidade do consumidor.
Assim, frutas e hortaliças minimamente processados são vegetais que
foram manipulados com o propósito de alterar a sua apresentação para
consumo. O processamento mínimo ocasiona alterações físicas e fisiológicas
que afetam a viabilidade e a qualidade do produto. Para continuar viáveis, os
produtos processados devem ser mantidos frescos e com a qualidade
preservada por um período razoável de tempo. O produto minimamente
processado apresenta maior perecebilidade em comparação ao produto intacto
e, portanto, é extremamente importante que novos estudos sejam conduzidos
enfocando compostos de importância funcional, bem como alterações que
ocorrem na fisiologia desses produtos.
Esse processamento mínimo de produtos hortícolas inclui as atividades
de seleção e classificação da matéria prima, operações de lavagem,
processamento (corte, fatiamento, descasque), sanitização, embalagem, entre
outras, a depender do produto.

OBJETIVO:
Conhecer os novos desenvolvimentos nos domínios da qualidade da matéria
prima, processo, embalagem, distribuição e garantia da qualidade dos produtos
minimamente processados.
MATERIAIS E MÉTODOS:
a)Utensílios:
- facas
- vasilhas plásticas
- bandejas de poliestireno expandido ou sacos plásticos de 250g
- fita filme
- etiquetas
- máscaras
- luvas
- solução de hipoclorito de sódio a 100 ppm
- água potável (clorada 3ppm)
- água refrigerada a 7ºC
- selafilm frontal (equipamento para embalagem do produto)
b)Ingredientes
- pimentão verde, amarelo e vermelho
Processamento do pimentão verde:
a) Lavagem: Primeiramente os pimentões foram lavados em água corrente,
cortados com facas afiadas para a retirada do pedúnculo e sementes e imersos
em água refrigerada a 7ºC.
b) Corte: Os pimentões foram fatiados manualmente no sentido transversal, de
modo a obter rodelas de aproximadamente 2mm de espessura.
c) Sanitização e enxágue: Após o corte, o produto foi sanitizado por imersão
durante 15 minutos em água refrigerada a 7ºC, com 100ppm de cloro livre. Em
seguida realizou o enxágue em água clorada a 3 ppm.
d) Drenagem: O produto é colocado em um escorredor previamente
higienizado, para remover o excesso de água do enxágüe, pois o excesso de
umidade pode propiciar o crescimento microbiano no interior das embalagens.
e) Embalagem: Acondicionar em sacos plásticos (250g) ou bandejas.Pode-se
utilizar para montagem com outros produtos, sendo utilizado o selafilm frontal
(equipamento para embalagem do produto)
f) Armazenamento: O armazenamento ideal deve ocorrer em condições de
refrigeração a 5ºC.
RESULTADOS E DISCUSSÃO:
A partir de um mesmo produto, obtivemos formatos variados onde, os
mesmos servirão a diversos pratos sem perder a suas características (cor,
aroma textura, sabor, etc). Sendo que cada etapa do processo mínimio de
frutos e hortaliças, é importante para manter estas e o seu aspecto físico
químico e microbiológico, para que chega ao consumidor, pronto para o
consumo.
CONCLUSÃO:
A atividade desenvolvida nos levou a ter familiaridade com o que vêm a
ser frutas e hortaliças minimamente processados, bem como verificar alguns
dos procedimentos (seleção, lavagem, corte, sanitização e embalagem) são
utilizados na elaboração deste tipo de produto. Pudemos averiguar que a
principal preocupação na preparação de tais produtos é assegurar que as
técnicas utilizadas no processamento não alterem suas características
organolépticas e sensoriais, garantindo sua qualidade higiêncio-sanitária, que
permitirão uma vida de prateleira mais extensa, e ainda assim, mantendo os
aspectos de produtos in natura na percepção do consumidor.

REFERÊNCIAS:

MORETTI, Celso L. Manual de Processamento Mínimo de Frutas e
Hortaliças. Embrapa Hortaliças e SEBRAE; 1º Ed; Brasília, 2007

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutasFabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutas
Camila Moresco
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheita
Ítalo Arrais
 
Congelamento
CongelamentoCongelamento
Congelamento
Anderson Formiga
 
Conservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frioConservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frio
UERGS
 
Produtos de pescado
Produtos de pescadoProdutos de pescado
Produtos de pescado
Nicolli Fort
 
Resíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriaisResíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriais
UERGS
 
Processamento de sucos de frutas
Processamento de sucos de frutasProcessamento de sucos de frutas
Processamento de sucos de frutas
Patricia Poletto
 
Seminário pós colheita de frutos e hortaliças
Seminário pós colheita de frutos e hortaliçasSeminário pós colheita de frutos e hortaliças
Seminário pós colheita de frutos e hortaliças
Thiago Azevedo de Oliveira
 
Produtos embutidos
Produtos embutidosProdutos embutidos
Produtos embutidos
Priscila Lidia
 
Alterações em alimentos
Alterações em alimentosAlterações em alimentos
Alterações em alimentos
GabsSerra
 
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de solutoAula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Alvaro Galdos
 
Apostila de tecnologia de produtos de origem vegetal (conservas vegetais)
Apostila de tecnologia de produtos de origem vegetal (conservas vegetais)Apostila de tecnologia de produtos de origem vegetal (conservas vegetais)
Apostila de tecnologia de produtos de origem vegetal (conservas vegetais)
Federal University of Rio Grande do Norte
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
UERGS
 
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frioAula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Alvaro Galdos
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
UERGS
 
Pasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliçasPasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliças
Geraldo Henrique
 
Apostila tpoa
Apostila tpoaApostila tpoa
Apostila tpoa
Marco Antonio
 
Leite e derivados
Leite e derivadosLeite e derivados
Leite e derivados
Sandra Semedo
 
Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite
LarissaFerreira258
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
Rudy Altamirano Ruiz
 

Mais procurados (20)

Fabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutasFabricação de polpa e néctar de frutas
Fabricação de polpa e néctar de frutas
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheita
 
Congelamento
CongelamentoCongelamento
Congelamento
 
Conservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frioConservação pelo uso do frio
Conservação pelo uso do frio
 
Produtos de pescado
Produtos de pescadoProdutos de pescado
Produtos de pescado
 
Resíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriaisResíduos agroindustriais
Resíduos agroindustriais
 
Processamento de sucos de frutas
Processamento de sucos de frutasProcessamento de sucos de frutas
Processamento de sucos de frutas
 
Seminário pós colheita de frutos e hortaliças
Seminário pós colheita de frutos e hortaliçasSeminário pós colheita de frutos e hortaliças
Seminário pós colheita de frutos e hortaliças
 
Produtos embutidos
Produtos embutidosProdutos embutidos
Produtos embutidos
 
Alterações em alimentos
Alterações em alimentosAlterações em alimentos
Alterações em alimentos
 
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de solutoAula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
Aula 5 métodos de conservação de alimentos pela adição de soluto
 
Apostila de tecnologia de produtos de origem vegetal (conservas vegetais)
Apostila de tecnologia de produtos de origem vegetal (conservas vegetais)Apostila de tecnologia de produtos de origem vegetal (conservas vegetais)
Apostila de tecnologia de produtos de origem vegetal (conservas vegetais)
 
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutosControle do amadurecimento e senescência dos frutos
Controle do amadurecimento e senescência dos frutos
 
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frioAula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
Aula 6 métodos de conservação de alimentos pelo frio
 
Bioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutasBioquimica da maturação das frutas
Bioquimica da maturação das frutas
 
Pasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliçasPasteurização de frutas e hortaliças
Pasteurização de frutas e hortaliças
 
Apostila tpoa
Apostila tpoaApostila tpoa
Apostila tpoa
 
Leite e derivados
Leite e derivadosLeite e derivados
Leite e derivados
 
Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite Manejo da ordenha e qualidade do leite
Manejo da ordenha e qualidade do leite
 
tecnologia alimentos
tecnologia alimentostecnologia alimentos
tecnologia alimentos
 

Destaque

1º relatorio (1)
1º relatorio (1)1º relatorio (1)
1º relatorio (1)
Nay Barreto
 
Modelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaModelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula prática
TEYSON VASCONCELOS
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Railenne De Oliveira Celestino
 
Aula pesos e medidas
Aula pesos e medidasAula pesos e medidas
Aula pesos e medidas
katsan
 
RELATÓRIO DO LABORATÓRIO
RELATÓRIO DO LABORATÓRIORELATÓRIO DO LABORATÓRIO
RELATÓRIO DO LABORATÓRIO
Jonasblog
 
RELATÓRIO DA AULA EXECUTADA
RELATÓRIO DA AULA EXECUTADARELATÓRIO DA AULA EXECUTADA
RELATÓRIO DA AULA EXECUTADA
Jairo Felipe
 
MMP - Minimamente processados
MMP - Minimamente processadosMMP - Minimamente processados
MMP - Minimamente processados
Márcio José Salvestro
 
Fungos micorrízicos
Fungos micorrízicosFungos micorrízicos
Fungos micorrízicos
Daniele .J.Ferreira
 
Relatorio oligoqueta
Relatorio oligoquetaRelatorio oligoqueta
Relatorio oligoqueta
silvanaWenceslau
 
Alimentos minimamente processados
Alimentos minimamente processadosAlimentos minimamente processados
Alimentos minimamente processados
Izabela Martelozzo Pegorer
 
Relatório de zoo
Relatório de zooRelatório de zoo
Relatório de zoo
marcialob
 
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEMMONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
leidianekanall
 
Pratica 6
Pratica 6Pratica 6
Pratica 6
Larissa Ipuchima
 
Modelo de-relatorio-tecnico-cientifico
Modelo de-relatorio-tecnico-cientificoModelo de-relatorio-tecnico-cientifico
Modelo de-relatorio-tecnico-cientifico
Érika Cardozo
 
Modelo de relatório de prática
Modelo de relatório de práticaModelo de relatório de prática
Modelo de relatório de prática
Adriana Quevedo
 
Relatório Histologia
Relatório HistologiaRelatório Histologia
Relatório Histologia
Ilana Moura
 
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
Plano de aula  3 moluscos e anelideosPlano de aula  3 moluscos e anelideos
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
familiaestagio
 
Relatório aula prática modificação dos pigmentos
Relatório aula prática   modificação dos pigmentosRelatório aula prática   modificação dos pigmentos
Relatório aula prática modificação dos pigmentos
J10I27
 
MUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCALMUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCAL
Laerson Psico
 
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularRoteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Nathália Vasconcelos
 

Destaque (20)

1º relatorio (1)
1º relatorio (1)1º relatorio (1)
1º relatorio (1)
 
Modelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula práticaModelo de relatório de aula prática
Modelo de relatório de aula prática
 
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCALRelatório de Aula Prática   FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
Relatório de Aula Prática FABRICAÇÃO DE QUEIJO MINAS FRESCAL
 
Aula pesos e medidas
Aula pesos e medidasAula pesos e medidas
Aula pesos e medidas
 
RELATÓRIO DO LABORATÓRIO
RELATÓRIO DO LABORATÓRIORELATÓRIO DO LABORATÓRIO
RELATÓRIO DO LABORATÓRIO
 
RELATÓRIO DA AULA EXECUTADA
RELATÓRIO DA AULA EXECUTADARELATÓRIO DA AULA EXECUTADA
RELATÓRIO DA AULA EXECUTADA
 
MMP - Minimamente processados
MMP - Minimamente processadosMMP - Minimamente processados
MMP - Minimamente processados
 
Fungos micorrízicos
Fungos micorrízicosFungos micorrízicos
Fungos micorrízicos
 
Relatorio oligoqueta
Relatorio oligoquetaRelatorio oligoqueta
Relatorio oligoqueta
 
Alimentos minimamente processados
Alimentos minimamente processadosAlimentos minimamente processados
Alimentos minimamente processados
 
Relatório de zoo
Relatório de zooRelatório de zoo
Relatório de zoo
 
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEMMONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
MONOGRAFIA DE ENFERMAGEM
 
Pratica 6
Pratica 6Pratica 6
Pratica 6
 
Modelo de-relatorio-tecnico-cientifico
Modelo de-relatorio-tecnico-cientificoModelo de-relatorio-tecnico-cientifico
Modelo de-relatorio-tecnico-cientifico
 
Modelo de relatório de prática
Modelo de relatório de práticaModelo de relatório de prática
Modelo de relatório de prática
 
Relatório Histologia
Relatório HistologiaRelatório Histologia
Relatório Histologia
 
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
Plano de aula  3 moluscos e anelideosPlano de aula  3 moluscos e anelideos
Plano de aula 3 moluscos e anelideos
 
Relatório aula prática modificação dos pigmentos
Relatório aula prática   modificação dos pigmentosRelatório aula prática   modificação dos pigmentos
Relatório aula prática modificação dos pigmentos
 
MUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCALMUCOSA BUCAL
MUCOSA BUCAL
 
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia CelularRoteiro de aula prática de Biologia Celular
Roteiro de aula prática de Biologia Celular
 

Semelhante a Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS

H processamento mínimo
H  processamento mínimoH  processamento mínimo
H processamento mínimo
Márcio José Salvestro
 
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
RogerioAlves66
 
Aula 01 conceitos embalagens 1
Aula 01  conceitos embalagens 1Aula 01  conceitos embalagens 1
Aula 01 conceitos embalagens 1
andreiafaion
 
Hortofrutícolas Minimamente Processadas
Hortofrutícolas Minimamente ProcessadasHortofrutícolas Minimamente Processadas
Hortofrutícolas Minimamente Processadas
Tiago Faisca
 
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
Alejandro Escobar
 
HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas Processamento
Claudia Cozinha
 
HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas Processamento
Culinaria Fabula
 
Revista Citino Volume 2 - Número 4
Revista Citino Volume 2 - Número 4Revista Citino Volume 2 - Número 4
Revista Citino Volume 2 - Número 4
hestia-org
 
Versão final livro processamento
Versão final livro processamentoVersão final livro processamento
Versão final livro processamento
Luiz Fernando
 
221 influencia processo_secagem_cafe_ocorrencia_grao_melado
221 influencia processo_secagem_cafe_ocorrencia_grao_melado221 influencia processo_secagem_cafe_ocorrencia_grao_melado
221 influencia processo_secagem_cafe_ocorrencia_grao_melado
Isabela Gomes da Silva
 
Tomate seco
Tomate secoTomate seco
Tomate seco
Ricardo Maximo
 
Livro processamento minimo de frutas e hortaliças
Livro processamento minimo de frutas e hortaliçasLivro processamento minimo de frutas e hortaliças
Livro processamento minimo de frutas e hortaliças
Mayara Coradini
 
Colheita e Pós colheita_________________
Colheita e Pós colheita_________________Colheita e Pós colheita_________________
Colheita e Pós colheita_________________
JaymeTavares4
 
Industria de manufactura alimentar
Industria de manufactura alimentarIndustria de manufactura alimentar
Industria de manufactura alimentar
Clerides Mateus Mavie
 
Secador econômico popularização
Secador econômico popularizaçãoSecador econômico popularização
Secador econômico popularização
louquimicos
 
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveisSecador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
louquimicos
 
Secador econômico popularização
Secador econômico popularizaçãoSecador econômico popularização
Secador econômico popularização
louquimicos
 
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveisSecador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
louquimicos
 
poa
poapoa
Efeito das condições de embalagem sobre a qualidade
Efeito das condições de embalagem sobre a qualidadeEfeito das condições de embalagem sobre a qualidade
Efeito das condições de embalagem sobre a qualidade
Ernane Nogueira Nunes
 

Semelhante a Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS (20)

H processamento mínimo
H  processamento mínimoH  processamento mínimo
H processamento mínimo
 
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
Aula01 conceitosembalagens1-160316140202
 
Aula 01 conceitos embalagens 1
Aula 01  conceitos embalagens 1Aula 01  conceitos embalagens 1
Aula 01 conceitos embalagens 1
 
Hortofrutícolas Minimamente Processadas
Hortofrutícolas Minimamente ProcessadasHortofrutícolas Minimamente Processadas
Hortofrutícolas Minimamente Processadas
 
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
Características sensoriais e microbiológicas de maçãs minimamente procesadas ...
 
HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas Processamento
 
HortaliçAs E Frutas Processamento
HortaliçAs E Frutas   ProcessamentoHortaliçAs E Frutas   Processamento
HortaliçAs E Frutas Processamento
 
Revista Citino Volume 2 - Número 4
Revista Citino Volume 2 - Número 4Revista Citino Volume 2 - Número 4
Revista Citino Volume 2 - Número 4
 
Versão final livro processamento
Versão final livro processamentoVersão final livro processamento
Versão final livro processamento
 
221 influencia processo_secagem_cafe_ocorrencia_grao_melado
221 influencia processo_secagem_cafe_ocorrencia_grao_melado221 influencia processo_secagem_cafe_ocorrencia_grao_melado
221 influencia processo_secagem_cafe_ocorrencia_grao_melado
 
Tomate seco
Tomate secoTomate seco
Tomate seco
 
Livro processamento minimo de frutas e hortaliças
Livro processamento minimo de frutas e hortaliçasLivro processamento minimo de frutas e hortaliças
Livro processamento minimo de frutas e hortaliças
 
Colheita e Pós colheita_________________
Colheita e Pós colheita_________________Colheita e Pós colheita_________________
Colheita e Pós colheita_________________
 
Industria de manufactura alimentar
Industria de manufactura alimentarIndustria de manufactura alimentar
Industria de manufactura alimentar
 
Secador econômico popularização
Secador econômico popularizaçãoSecador econômico popularização
Secador econômico popularização
 
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveisSecador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
 
Secador econômico popularização
Secador econômico popularizaçãoSecador econômico popularização
Secador econômico popularização
 
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveisSecador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
Secador econômico para desidratação de tomates utilizando materiais recicláveis
 
poa
poapoa
poa
 
Efeito das condições de embalagem sobre a qualidade
Efeito das condições de embalagem sobre a qualidadeEfeito das condições de embalagem sobre a qualidade
Efeito das condições de embalagem sobre a qualidade
 

Mais de Railenne De Oliveira Celestino

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POPPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
Railenne De Oliveira Celestino
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Manual de Boas Práticas  De Dispensação
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Railenne De Oliveira Celestino
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e DrogariasManual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
Railenne De Oliveira Celestino
 
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e SanitáriaEstudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Railenne De Oliveira Celestino
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
Railenne De Oliveira Celestino
 
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão LivrePrática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Railenne De Oliveira Celestino
 
Princípios da Farmacologia
Princípios da FarmacologiaPrincípios da Farmacologia
Princípios da Farmacologia
Railenne De Oliveira Celestino
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2
Railenne De Oliveira Celestino
 
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃORdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Railenne De Oliveira Celestino
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010

Mais de Railenne De Oliveira Celestino (13)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POPPROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO – POP
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Manual de Boas Práticas  De Dispensação
Manual de Boas Práticas De Dispensação
 
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e DrogariasManual de Boas Práticas  De Dispensação  Para Farmácias e Drogarias
Manual de Boas Práticas De Dispensação Para Farmácias e Drogarias
 
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e SanitáriaEstudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
Estudo de caso 01– Legislação Profissional e Sanitária
 
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICAESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
ESTUDO DIRIGIDO BOTÂNICA
 
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão LivrePrática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
Prática: Montagem de Lâminas Histológicas com Cortes à Mão Livre
 
Princípios da Farmacologia
Princípios da FarmacologiaPrincípios da Farmacologia
Princípios da Farmacologia
 
exercício leite
exercício leite exercício leite
exercício leite
 
EXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITEEXERCICIO LEITE
EXERCICIO LEITE
 
Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2Modelo de apresentação 2
Modelo de apresentação 2
 
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃORdc17 DOCUMENTAÇÃO
Rdc17 DOCUMENTAÇÃO
 
Vias de acesso NE
Vias de acesso NEVias de acesso NE
Vias de acesso NE
 
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 

Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS

  • 1. Faculdade de Saúde Ibituruna – FASI 5º Período de Farmácia Disciplina: Tecnologia dos alimentos Acadêmicos: Railenne Oliveira Relatório de Aula Prática PROCESSAMENTO MÍNINO DE FRUTOS E HORTALIÇAS MONTES CLAROS AGOSTO/2011
  • 2. INTRODUÇÃO: Os alimentos minimamente processados surgiram como uma interessante alternativa para consumidor que não tem tempo de preparar sua refeição ou mesmo não gosta de fazê-lo. Em vários países, verifica-se que esses produtos estão sendo oferecidos nos formatos mais variados, sempre visando agregação de valor e comodidade do consumidor. Assim, frutas e hortaliças minimamente processados são vegetais que foram manipulados com o propósito de alterar a sua apresentação para consumo. O processamento mínimo ocasiona alterações físicas e fisiológicas que afetam a viabilidade e a qualidade do produto. Para continuar viáveis, os produtos processados devem ser mantidos frescos e com a qualidade preservada por um período razoável de tempo. O produto minimamente processado apresenta maior perecebilidade em comparação ao produto intacto e, portanto, é extremamente importante que novos estudos sejam conduzidos enfocando compostos de importância funcional, bem como alterações que ocorrem na fisiologia desses produtos. Esse processamento mínimo de produtos hortícolas inclui as atividades de seleção e classificação da matéria prima, operações de lavagem, processamento (corte, fatiamento, descasque), sanitização, embalagem, entre outras, a depender do produto. OBJETIVO: Conhecer os novos desenvolvimentos nos domínios da qualidade da matéria prima, processo, embalagem, distribuição e garantia da qualidade dos produtos minimamente processados.
  • 3. MATERIAIS E MÉTODOS: a)Utensílios: - facas - vasilhas plásticas - bandejas de poliestireno expandido ou sacos plásticos de 250g - fita filme - etiquetas - máscaras - luvas - solução de hipoclorito de sódio a 100 ppm - água potável (clorada 3ppm) - água refrigerada a 7ºC - selafilm frontal (equipamento para embalagem do produto) b)Ingredientes - pimentão verde, amarelo e vermelho Processamento do pimentão verde: a) Lavagem: Primeiramente os pimentões foram lavados em água corrente, cortados com facas afiadas para a retirada do pedúnculo e sementes e imersos em água refrigerada a 7ºC. b) Corte: Os pimentões foram fatiados manualmente no sentido transversal, de modo a obter rodelas de aproximadamente 2mm de espessura. c) Sanitização e enxágue: Após o corte, o produto foi sanitizado por imersão durante 15 minutos em água refrigerada a 7ºC, com 100ppm de cloro livre. Em seguida realizou o enxágue em água clorada a 3 ppm. d) Drenagem: O produto é colocado em um escorredor previamente higienizado, para remover o excesso de água do enxágüe, pois o excesso de umidade pode propiciar o crescimento microbiano no interior das embalagens. e) Embalagem: Acondicionar em sacos plásticos (250g) ou bandejas.Pode-se utilizar para montagem com outros produtos, sendo utilizado o selafilm frontal (equipamento para embalagem do produto) f) Armazenamento: O armazenamento ideal deve ocorrer em condições de refrigeração a 5ºC.
  • 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO: A partir de um mesmo produto, obtivemos formatos variados onde, os mesmos servirão a diversos pratos sem perder a suas características (cor, aroma textura, sabor, etc). Sendo que cada etapa do processo mínimio de frutos e hortaliças, é importante para manter estas e o seu aspecto físico químico e microbiológico, para que chega ao consumidor, pronto para o consumo. CONCLUSÃO: A atividade desenvolvida nos levou a ter familiaridade com o que vêm a ser frutas e hortaliças minimamente processados, bem como verificar alguns dos procedimentos (seleção, lavagem, corte, sanitização e embalagem) são utilizados na elaboração deste tipo de produto. Pudemos averiguar que a principal preocupação na preparação de tais produtos é assegurar que as técnicas utilizadas no processamento não alterem suas características organolépticas e sensoriais, garantindo sua qualidade higiêncio-sanitária, que permitirão uma vida de prateleira mais extensa, e ainda assim, mantendo os aspectos de produtos in natura na percepção do consumidor. REFERÊNCIAS: MORETTI, Celso L. Manual de Processamento Mínimo de Frutas e Hortaliças. Embrapa Hortaliças e SEBRAE; 1º Ed; Brasília, 2007